P. 1
PSICOLOGIA - José Silva e Philip Miele - O Método Silva de Controle Mental

PSICOLOGIA - José Silva e Philip Miele - O Método Silva de Controle Mental

|Views: 4.917|Likes:
Publicado porWLS1018

More info:

Published by: WLS1018 on Jul 29, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/09/2014

pdf

text

original

Quero que você se aproxime tanto quanto passivei, através
da leitura deste livro, de desenvolver suas habilidades mentais
do modo como o fazemos nos cursos de Controle Mental. Será
necessária uma aplicação firme e constante, mas agradável. Até
aqui, os exercícios apresentados podem ser praticados pelo aluno
sozinho. Em um mês ou dois, quando .você se tomar .bastante
hábil, estará pronto para os trabalhos com casos, conforme os
descrevi. Nesse ponto você precisará da ajuda de outras pessoas.
em condições cuidadosamente controladas. Aqui está o que fazer:
Antes mesmo de começar o primeiro exercício deste livro,
forme um grupo de pelo menos seis pessoas compatíveis, que
também aprenderão a praticar os exercícios. Mantenham-se em
contato enquanto vão progredindo, e quando todos estiverem
prontos - quando todos tiverem realmente dominado os exer-
cícios - reúnam-se para começar com os casos. Dediquem pelo
menos um dia inteiro para a primeira sessão. Cada um dos parti-
cipantes deve trazer pelo ·menos cinco cartões contendo de um
lado o nome, idade e endereço de uma pessoa seriamente doente,
e do outro lado a natureza da doença. Escrevam vários detalhes,
pois estes serão úteis no momento da verificação.

102

Comecem projetando-se mentalmente em metais. Vocês não
terão cubos ou cilindros de metal, como temos em nossas aulas;
podem usar moedas para a PTata e o cobre, um anel para o ouro,
um pequeno ímã para o ferro. Vocês todos devem examiJiaresses
objetos cuidadosamente; então entrem em nível e imaginem um
objeto de cada vez - visualizando-o a uma pequena distância,
acima do nível de visão. Imaginem o objeto se expandindo até
alcançar o tamanho de um quarto; então penetrem nele e realizeni
os !Üversos testes.

_

Façam o mesmo com frutas e verduras, e finalmente com um
animal de estimação. Vocês podem considerar esses exercicios um
sucesso quando todos tiverem sentido uma clara diferença entre
um objeto e outro. Não é necessário que o resultado de cada
teste seja claro e detalhado, apenas que a experiência total de
cada objeto seja distinta da experiência de outros objetos. Suas
impressões podem se revelar completamente diferentes de uma
pessoa para outra. Não há problema, o importante é o que cada
um descobre; isso se tomará o seu ponto de referência.
Ainda não desenvolvi uma forma, através da página impressa,
de ajudá-lo a evocar conselheiros. Se você for capaz de fazer isto
de alguma forma, por si mesmo, ótimo; mas pode continuar per-
feitamente sem eles, apesar de que seu progresso possa ser mais
tento.

.Para o trabalho com casos, forniem pares, exatamenie como
fazemos nos cursos de Controle Mental. No capítulo 12 você
encontrará as palavras que o orientador fala para o psíquico quan-
do apresenta o caso. Essas são exatamente as que empregamos
nas aulas, e sugiro que o seu grupo também as empregue. .
Disse que vocês deveriam fazer isto em condições cuidadosa-
mente controladas. Eis como deve ser feito:

1. &colham um lugar tranqüilo onde provavelmente vocês
não sejam interrompidos ou perturbados.

2. Certifiquem-se de que cada um dos membros do grupo
tenha praticado todos os exercícios deste livro, na devida ordem,
e que tenha obtidobito em todos eles.

103

3. Concordem de antemão que não haverá nenhuma "via-
gem de ego". Alguém do g::.:.po provavelmente terá um sucesso
mais espetacular do que os outros - no início. Isto não significa
que ele seja "o melhor", ou superior aos outros em qualquer
sentido; simplesmente obteve sucesso primeiro. Alguns podem não
começar a operar psiquicamente até a quinta ou sexta sessão, mas
os mais lentos freqüentemente acabam se revelando os melhores
psíquicos.

4. Se vocês conhecem um graduado em Controle Mental,
peçam-lhe que se reúna com seu grupo. Se ele continuou prati-
cando o seu Controle Mental, será de grande ajuda. Se estiver
um pouco esquecido, poderá se relembrar com a ajuda deste
livro, ou dando um pulo num curso de Controle Mental (ele pode
fazer isso gratuitamente), e então estará novamente apto.

S. Quando você for o psíquico ponha suas dúvidas de lado
e mergulhe na experiência. Dê ouvidos à sua intuição - adi-
vinhe - mas sobretudo não tente racionalizar suas descobertas.
Não diga "Isto não pode sei", esperando por outras impressões.
O que lhe ocorre no primeiro pensamento é mais freqüentemente
correto do que o que lhe ocorre no segundo pensamento.

Continue falandoI Examine o corpo de alto a baixo e des-
creva o que estiver vendo.

6. Quando você for o orientador, não dê pistas. Você quer
que seu psíquico seja bem-sucedido, mas não adiantará você dizer:
"Volte ao peito. Tem certeza de que não há nada de errado aí?"

Não diga ao psíquico que ele está errado. Nos primeiros
estágios, quando pode haver um número maior de erros, o que
freqüentemente acontece é o operador sintonizar outros casos dife-
rentes daquele em que está trabalhando. O erro é relativamente
pequeno e pode ser corrigido com um pouco de prática. Palavras
desencorajadoras por parte do psicorientador podem levar à para-
lisação da experiência. Diga simplesmente: "Não tenho informa-
ções sobre isso."

7. Sejam pacientes. Se um milhão de pessoas como vocês
foram bem-sucedidas, certameóte o mesmo acontecerá com vocês.

104

pode ser que vocês precisem de mais tempo para trabalhar sozi-
nhos, e com o grupo informal, mas para que pressa?
8. Uma vez que todos alcancem sucesso rotineiramente em
seus casos, mantenham seu grupo unido, continuem os encontros,
continuem a trabalhar juntos em casos. Vocês se tornarão cada
vez m e 1 h o r ~ s nisso, até que um dia poderão trabalhar sozinho:>
nos casos, tornando-se mais sensíveis às mensagens sutis da vida
diária, em vez de apenas às mais poderosas, lançadas pelas doen-
ças sérias.

9. Não usem nenhuma pessoa presente como um caso. Há
uma diferença legal entre fazer isso e trabalhar numa pessoa que
esteja distante. No primeiro caso seria diagnose, o que deve ser
deixado a cargo dos médicos; no segundo caso é detecção psíquica.
algo perfeitamente legal.
10. Quando você descobrir uma anormalidade num caso em
que esteja trabalhando, não se apresse em dar a notícia ao objeto
de estudo. Isto é trabalho para o médico dessa pessoa. O seu
é desenvolver sua habilidade psíquica de forma que possa ajudar
esta e outras pessoas psiquicamente - e legalmente. Simplesmente
corrija mentalmente o que você detectou. Você detecta mental-
mente, portanto corrija mentalmente.

Preveni anteriormente neste capítulo quanto ao fato de se
dar muita i m ~ r t â n c i a a quem for bem-sucedido primeiro. Apren-
di essa lição de uma forma muito forte, quando ensinava uma
de minhas primeiras turmas, em 1967. Um dos alunos era um
instrutor de voo chamado Jim Needham. Tudo corria perfeita-
mente para ele, até o último dia do curso. Errou inteiramente em
todos os casos em que trabalhou. Ninguém mais naquela turma
de trinta e dois alunos apresentou resultados tão ruins.
Contudo, Jim viu os outros sendo bem-sucedidos, com um
acerto depois do outro. Se eles podiam, ele também podia, e então
criou seu próprio plano para praticar em casa com sua mulher,
que havia feito o curso em sua companhia. Ela recortava histórias
de vítimas de acidentes publicadas em jornais, e a cada noite ,em
seu nível, Jim tentava trabalhar naqueles casos - sua mulher

10.5

fornecia os nomes, idades, sexos e locais, e éle descrevia os feri·
mentos. Além disso, ela lia para ele nomes tirados das Páginas
Amarelas, e ele tentava adivinhar as profissões daquelas pessoas.
Seis meses dando tudo cem por cento errado, mas então acon-
teceu o primeiro sucesso. Depois outro, e mais outro. Agora Jim
trabalha comigo em Laredo, está encarregado do treinamento de
instrutores do Mind Control, e é um do!> nossos melhores psfquicos.
Na verdade, atualmente Jim pode operar psiquicamente sem ir
para o seu nível. Isto passou a fazer parte de sua vida diária.
Uma tarde, em Beta, ou consciência exterior, Jim estava aju-
dando uma turma no exercício·de evocar os conselheiros. Ele viu
um negro gigantesco, vestido com roupas de brocado dourado
e usando um largo bracelete de pedras preciosas, aproximar-se
de uma das alunas. Aquela aluna o rejeitou, ele então aproxi-
mou"se de outro aluno e desapareceu em sua aura.
Quando o exercício terminou, aquela primeira aluna disse
que só possuía um conselheiro. Dois haviam lhe aparecido, mas
() conselheiro masculino era Otelo, que lhe pareceu assustador.
O segundo aluno exclamou: ~ ' O t e l o é o meu conselheiro. Ele nio

~ p a r e c e u imediatamente, mas no final do exercício lá estava ele!"

Você pode não precisar perseverar por tanto tempo quanto
Jim Needham - esse é um caso muito raro - mas se o sucesso

~

~ e m o r a r a acontecer, isso não signüica que você não tenha dons

psíquicos. Significa apenas que o sucesso está demorando mais
a acontecer.

106

CAPJTULO 14

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->