Você está na página 1de 22

Movimentos e Forças

Elaborado por : Rui Ribeiro


“A dúvida é o principio da sabedoria”
Aristóteles

 Movimento unidimensional com aceleração constante

- Movimento uniformemente variado

- Lei fundamental da dinâmica

- Força do atrito

 Movimento no plano
• A velocidade
O que é a velocidade?
Chama-se velocidade ( ) ao espaço percorrido pelo móvel em cada
unidade de tempo. Traduzindo-se pela expressão matemática:

Conversão de unidades? Qual das velocidades é maior?


• 90 km/h para m/s • 90 km/h = 25 m/s
• 35 m/s para km/h • 35 m/s = 126 km/h
• A aceleração
O que é a aceleração?
Dá-se o nome de aceleração (a) á grandeza física que traduz a
variação da velocidade de um móvel num dado intervalo de tempo.
Traduz-se pela expressão matemática:
VF = velocidade final
V0 = velocidade inicial
;
t = tempo decorrido

Se VF > Vo , a aceleração é positiva, logo a velocidade aumenta


Se VF < Vo , a aceleração é negativa, a velocidade diminui
Se VF = Vo , a aceleração é nula, a velocidade mantém-se constante
Os movimentos mais fáceis de estudar são aqueles em que um
corpo se desloca seguindo uma linha recta e mantendo constante
a velocidade a que se desloca.
Quando um automóvel circula
numa estrada podemos observar:

Se a velocidade do automóvel
sofrer alterações, podemos dizer
que ele tem aceleração (a).

Agora imagine que o motorista do automóvel deixa o pé no


acelerador por um tempo e de forma constante. A velocidade
irá aumentar sempre do mesmo modo e aí teremos um
Movimento Uniformemente Variado (MUV).
De que modo serão colocadas essas informações nos enunciados
dos exercícios?

Quais as unidades dessas grandezas no


Sistema Internacional (SI)?

Espaço (S) metro

Tempo (t) segundo

Velocidade (v) metro/segundo

Aceleração (a) metro/segundo2


Como calcular?
• Como calcular a posição ou o espaço (s) do automóvel, num certo instante (t)?

Equação Horária dos Espaços: s = s0 + v0 . t + a/2 . t2

• Como calcular a velocidade do automóvel, num determinado instante (t)?

Equação Horária das Velocidades: V = V0 + a . t

Um automóvel tem aceleração escalar (a) quando a velocidade muda, ou seja, sempre
que houver uma variação de velocidade (V) num intervalo de tempo (T) .

Assim:
Se não soubermos o valor da aceleração podemos utilizar a expressão de
Velocidade Média:

Esta equação é um modo de descobrir o valor


da velocidade escalar final (V1) ou inicial (V0)
sem necessitar saber o valor da aceleração (a).

EXEMPLO:
Um automóvel, partindo do repouso, circula por uma rua de 100m. Durante os 10s de
movimento ele mantém uma aceleração constante. Qual é a velocidade escalar atingida no
final da corrida?

DADOS:
V0 = 0 m/s
V1 = ?
S = 100 m V1 = 100 x 2 : 10 = 20 m/s
t = 10 s
Se o movimento é uniformemente
acelerado, o gráfico que representa o
valor da velocidade em função do
tempo é uma linha recta ascendente.

Se o movimento é uniformemente
retardado, o gráfico que representa o
valor da velocidade em função do
tempo é uma linha recta descendente.
O tempo que um condutor demora a actuar, quando se apercebe de um obstáculo,
chama-se tempo de reacção e depende do condutor.
A distância percorrida pelo veículo durante o tempo de reacção chama-se distância
de reacção.
O tempo necessário para o veículo parar chama-se tempo de travagem. Durante o
tempo de travagem, o veículo percorre com movimento retardado uma distância
que se chama distância de travagem.

A velocidade do veículo
durante todo este tempo
varia, como mostra o gráfico.

A distância de segurança
rodoviária pode ser
calculada a partir do gráfico
velocidade tempo.
Supõe que um automobilista segue á velocidade de 25 m/s quando se apercebe de
um obstáculo. Passados 0.7 s, trava, parando ao fim de 3.2 s. (Gráfico)

a) Calcule a distância de reacção


percorrida pelo automóvel.

b) Calcule a distância de travagem


percorrida pelo automóvel.

c) Calcule a distância de segurança rodoviária, ou seja, a distância percorrida


pelo automóvel após o automobilista ver o obstáculo.
Uma força é uma causa capaz de alterar o estado de repouso ou
movimento de um corpo, sem lhe causar deformação permanente.
Quando uma força actua num corpo, este sofre uma alteração de
velocidade em termos de direcção, valor ou sentido. As forças são
grandezas vectoriais e podem produzir uma aceleração no corpo em
que actuam.
A força é uma grandeza vectorial, representa-se por um vector F , que
se caracteriza por quatro dados:

O módulo ou a intensidade é uma medida quantitativa da força. A unidade de


medida da intensidade de uma força no SI é o newton (N).

A direcção é a recta sobre a qual se aplica a força.

O sentido mostra se a força é aplicada de cima para baixo ou da esquerda para


a direita. Numa mesma direcção, existem dois sentidos possíveis.

O ponto de aplicação é o ponto do espaço em que se aplica a força. Isto é


importante, pois os efeitos que as forças produzem dependem, em muitos
casos, do ponto de aplicação.
Se actuarem várias forças no mesmo corpo, estas podem somar-se e dar
origem á força resultante, cuja intensidade e sentido vão depender das
forças que lhe deram origem.
No caso das forças perpendiculares,
pode aplicar-se o Teorema de Pitágoras,
de forma a calcular a intensidade da
resultante das forças que actuam no
sistema.

Caso as forças possuam direcções diferentes, pode também calcular-se


a resultante das forças de forma geométrica, utilizando a regra do
paralelogramo.
Se a resultante das forças que actuam num corpo for nula, o corpo
permanece em repouso ou em movimento rectilíneo uniforme.

Esta situação está relacionada com a inércia de um corpo, que é a


resistência que o corpo oferece á mudança de movimento. Quanto
maior é a massa do corpo, maior é a sua inércia, logo, maior é a
oposição que oferece á alteração do seu estado de movimento .

Quando uma força actua sobre um corpo, produz uma aceleração de


modo a que ambas as grandezas sejam proporcionais. A constante de
proporcionalidade é a massa do corpo, ou seja:
F=mxa
Se um corpo exercer uma força sobre outro, este irá reagir sobre o
primeiro, exercendo uma força de igual intensidade e direcção, mas em
sentido oposto.

Se um corpo exerce uma força


sobre outro, este reage sobre o
primeiro, exercendo uma força
simétrica.
Se um corpo exerce uma força sobre outro, este reage sobre o primeiro,
exercendo uma força simétrica.
A força de atrito é paralela ás
superfícies dos corpos em contacto e
opõe-se ao movimento de um corpo
relativamente a outro.

Tem as seguintes características:

- Depende da natureza das superfícies em contacto;


- É directamente proporcional ao peso do corpo que desliza.

Podemos escrever:
Fa – Força de atrito (N)
Fa =  . P  – coeficiente de atrito (adimensional)
P - peso do corpo (N)
De todas forças da natureza, a mais conhecida por nos afectar
constantemente é o peso.
O peso é a força com que a Terra atrai um corpo.

A força com que a Terra atrai um quilograma de massa que se encontra


na sua superfície ou na sua proximidade chama-se de força gravítica e
representa-se por g. Por isso, o peso de um corpo de massa m é:

P - peso do corpo (N)


P= m . g m – massa do corpo (Kg)
g - força gravítica = 9.8 m/s2

Não se deve confundir peso com massa, uma vez que se trata de grandezas
diferentes
Além do efeito de movimento rectilíneo, as forças são também capazes
de provocar efeitos de movimento rotativo. É o que acontece quando
abrimos uma porta ou rodamos o volante: é aplicada uma força que
realiza um movimento em torno de um eixo de rotação.
A grandeza física que permite medir a eficácia da força em produzir um
movimento de rotação, em relação a um eixo de rotação, designa-se de
momento de força (M).
M - momento de força (Nm)
M= F . d F – intensidade da força aplicada (N)
d - distância entre o eixo de rotação e
ponto de aplicação da força (m)
O momento de força depende:
Da intensidade da força aplicada;
Da distância entre o ponto de aplicação da força e o eixo de rotação;
Da direcção da força aplicada.
1. Um automóvel de 1200 kg de massa recebe uma força do motor de
3500 N. Calcule:
a) o peso do automóvel num local da Terra onde g = 10 m/s2.
b) a força de atrito que actua sobre o carro. (  = 0.05.)
c) a aceleração do carro.
d) a velocidade do carro, em km/h, ao fim de 5 s considerando que
manteve a aceleração constante.

2. Calcula o valor do momento de força aplicado num volante, sabendo


que a força aplicada é de 8 N e que a distância até ao centro do
volante é de 20 cm.

Você também pode gostar