Você está na página 1de 3

"CELSO FERREIRA NÃO SABE QUE OS MUNÍCIPES PAGAM TAXA DE DISPONIBILIDADE"

EM PAREDES TUDO É POSSÍVEL E … JÁ NINGUÉM REAGE AOS “MAUS TRATOS”!

Para além do presidente da câmara de Paredes, que atenta diariamente contra a inteligência das pessoas, há mesmo “directores” de jornal que, sem ponta de pudor, se permitem insultar os cidadãos.

Não acredita? Pensa que apenas nos move a vontade de dizer mal? Desengane-se, porque, como poderá constatar, nós fazemos a demonstração.

Na imprensa local desta semana, mais uma vez, tentam determinar quando devemos fazer notícia. Podem divertir-se à vontade porque nós só assumimos e divulgamos posições quando considerámos ajustado fazê-lo e, ao contrário deles, sem qualquer tipo de submissão ou dependência.

Esta referência seria desnecessária se alguns jornalistas/colunistas/opinadores, como manda o Código Deontológico, soubessem, como estão obrigados, a respeitar, A distinção entre notícia e opinião deve ficar bem clara aos olhos do público.”.

NÃO ESTAMOS PERANTE UM TARIFÁRIO NOVO (EXCEPTO PARA CELSO FERREIRA QUE DESCONHECE A SUA EXISTÊNCIA)

Como dizíamos, na imprensa desta semana, o presidente da Câmara, em desespero de causa, insulta a inteligência dos munícipes (coisa que já ninguém estranha, são tantos os casos …) quando diz aos jornalistas, a propósito do brutal aumento do tarifário do saneamento básico, aos utentes com captações próprias, que “Eu nem consigo rebater esses factos porque não sei onde foram buscar essa informação. Celso Ferreira diz que não sabe, mas vai ficar a saber.

A informação está no documento da câmara NIPG: 33358/10, de 2010/06/16 e ali se clarifica tudo. Desde a existência de tarifa que Celso Ferreira diz que não havia até à necessidade de aprovação de novas tarifas. Também não é de estranhar, ele faltou a essa reunião sim, eles (os vereadores do PSD) também faltam, mas isso não é notícia e devia sê-lo porque, ao contrário dos socialistas, não se fazem substituir. Não é difícil saber porquê.

Para que não restem dúvidas, transcreve-se um parágrafo clarificador do referido documento: “Propõe-se a alteração dos valores previstos na alínea e) Utentes com captação

própria de água, do tarifário em vigor, com aprovação de novas tarifas para os diferentes tipos de consumidor”.

Como fica claro, não estamos perante um tarifário novo (excepto para Celso Ferreira que desconhece a sua existência).

A responsabilidade do governo socialista, pelo menos neste caso, é bem-vinda porque, como é do domínio público, resulta da necessidade de intervir junto de alguns concelhos para acabar com a vergonhosa situação da falta de saneamento básico.

Paredes é, sem margem para dúvidas, um triste exemplo dessa irresponsabilidade que dura há mais de 20 anos.

ASSUMIMOS E DIVULGAMOS POSIÇÕES QUANDO CONSIDERÁMOS AJUSTADO FAZÊ-LO

Mas, não é apenas o presidente da Câmara que atenta contra a inteligência dos cidadãos. Também o “director” de um dos semanários locais decidiu juntar-se-lhe e assumir idêntica atitude.

Diz aquele senhor, em editorial do jornal que “dirige” que, no passado, os opinadores, em Agosto, perante a ausência de notícias, socorriam-se de Os palermas que despontavam com o calor do verãoe, mais adiante, explica a sua “frustração”, que acontece por hoje não haver tantos “recursos” como havia no passado, justifica. O citado “director”, mais adiante, informa que: (…) os palermas tendem a fugir dos meses de verão e isso levanta uma questão: como vão sobreviver os jornais sem os palermas a produzir declarações, notícias e motivos de reportagem.”

Do alto da sua cátedra, o “director” lamenta, que “Hoje os políticos e atores sociais tendem a responder com fórmulas (…) daí que seja mais difícil apanhar uma boa palermice. Embalado na sua suprema sabedoria, acaba mesmo por revelar como conseguia, no passado, transformar em “palerma”, um conhecido cidadão simples e desprevenido.

Atitudes desta natureza, acreditam os socialistas, são completamente repudiadas pelo Estatuto do Jornalista, designadamente o art. 14º, que entre outras coisas, diz que o jornalista deve Exercer a actividade com respeito pela ética profissional, informando com rigor e isenção” e, também, “Respeitar a orientação e os objectivos definidos no estatuto editorial do órgão de comunicação social para que trabalhem.

NÃO É APENAS O PRESIDENTE QUE ATENTA CONTRA A INTELIGÊNCIA DOS CIDADÃOS… TAMBÉM O “DIRECTOR” DE UM DOS SEMANÁRIOS LOCAIS ASSUMIU IDÊNTICA ATITUDE

O exemplo da insensatez exibido pelo “director” do tal jornal é ainda mais revelador no parágrafo que transcrevemos de seguida e que, pelos vistos, o enche de satisfação.

Ali se lê: Não há muitos anos, (…) nos dias de maior aridez informativa, havia um político apalermado que era uma espécie de tábua de salvação. Nós sabíamos que estávamos à distância de um telefonema e três ou quatro perguntas de uma frase suicida, uma declaração bombástica ou um monumental tiro no pé. Era certinho, à terceira pergunta ele

estava a fazer uma declaração assassina. (…) Acho que era uma questão genética, uma propensão endógena para o disparate”.

Que grande exemplo de jornalismo!

Simplesmente vergonhoso! Aqui, pode dizer-se, sem o menor receio de errar, que se permitirmos que a “maldade” dos que se julgam donos de todas as causas continue a passear-se impunemente, então de nada, ou quase nada, terá valido a pena conquistar a liberdade.

É esta a sina dos paredenses. Ter uma Câmara onde se pratica a “asfixia democrática” e um ou outro agente de comunicação social que, em vez de informar, opina e, estranhamente (!), sempre no sentido que melhor serve o poder.