Você está na página 1de 51

2008

CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS - AULA 06

CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOS


CATHEDRA COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS
PROF. MORAES JR.
CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOS
Diversas Bancas
Prezado Aluno,

Ao final de cada aula, disponibilizo as questões que serão comentadas durante


a aula. Caso você julgue conveniente, poderá testar seu conhecimento previa-
mente antes de ver os gabaritos e as resoluções comentadas. Você pode simu-
lar uma situação real de prova: para calcular o tempo de duração das provas,
considere um tempo de 3 minutos por questão. Desta forma, utilizando esta
metodologia, seu aprendizado será muito mais eficaz.

Aproveito a oportunidade para informar que, no dia 04 de dezembro de 2008,


por meio da Medida Provisória no 449/2008, foram realizadas novas alterações
na Lei da SA. Ou seja, praticamente um ano após as alterações trazidas pela
Lei no 11.838/07, novas alterações surgiram com a MP no 449/2008. Comenta-
rei as alterações, de forma sucinta, antes de iniciar a correção da prova de ho-
je e ao longo do curso, realizarei mais comentários quando se relacionarem
com a questão a ser resolvida.
MEDIDA PROVISÓRIA Nº 449, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2008.

Alterações da Lei no 6.404, de 15 de dezembro de 1976:

I – Inclusão de mais uma atribuição para o Conselho de


Administração:

“Art. 142. Compete ao conselho de administração:


(...)
VIII - autorizar, se o estatuto não dispuser em contrário, a alienação
de bens do ativo não-circulante, a constituição de ônus reais e a
prestação de garantias a obrigações de terceiros;

II – Notas explicativas: conceitos mais abrangentes sobre os fatos que


devem ser classificados em notas explicativas.

“Art. 176.
(...)
§ 5o As notas explicativas devem:
I - apresentar informações sobre a base de preparação das demonstrações
financeiras e das práticas contábeis específicas selecionadas e aplicadas para
negócios e eventos significativos;

II - divulgar as informações exigidas pelas práticas contábeis adotadas no


Brasil que não estejam apresentadas em nenhuma outra parte das
demonstrações financeiras; e

III - fornecer informações adicionais não indicadas nas próprias


demonstrações financeiras e consideradas necessárias para uma apresentação
adequada.

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 2
III – CVM autorizada a disciplinar, a seu critério, sobre o registro da
destinação dos lucros do período:

“Art. 176.
(...)
§ 7o A Comissão de Valores Mobiliários poderá, a seu critério, disciplinar de
forma diversa o registro de que trata o § 3o deste artigo.”

§ 3º As demonstrações financeiras registrarão a destinação dos lu-


cros segundo a proposta dos órgãos da administração, no pressu-
posto de sua aprovação pela assembléia-geral.

IV – Registro das disposições da lei tributária: aqui, houve uma


“alteração da alteração”, pois a Lei no 11.638/07, com a redação
anterior, previa que, nos próprios registros contábeis, poderiam ser
realizados lançamentos para atender à legislação tributária. Agora,
voltou ao que era antes, ou seja, as disposições da legislação tributária
devem ser observadas em livros auxiliares.

“Art. 177.
(...)
§ 2o A companhia observará exclusivamente em livros ou registros
auxiliares, sem qualquer modificação da escrituração mercantil e das
demonstrações reguladas nesta Lei, as disposições da lei tributária, ou de
legislação especial sobre a atividade que constitui seu objeto, que prescrevam,
conduzam ou incentivem a utilização de métodos ou critérios contábeis
diferentes ou determinem registros, lançamentos ou ajustes ou a elaboração
de outras demonstrações financeiras.

§ 3o As demonstrações financeiras das companhias abertas observarão, ainda,


as normas expedidas pela Comissão de Valores Mobiliários e serão
obrigatoriamente submetidas a auditoria por auditores independentes nela
registrados.

V – Notas explicativas: a parte anteriormente pertencente ao art. 176


passou para o art. 177.

Art. 177.
(...)
§ 5o As notas explicativas devem:
I - apresentar informações sobre a base de preparação das demonstrações
financeiras e das práticas contábeis específicas selecionadas e aplicadas para
negócios e eventos significativos;

II - divulgar as informações exigidas pelas práticas contábeis adotadas no


Brasil que não estejam apresentadas em nenhuma outra parte das
demonstrações financeiras;

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 3
III - fornecer informações adicionais não indicadas nas próprias
demonstrações financeiras e consideradas necessárias para uma apresentação
adequada; e

IV - indicar:

a) os principais critérios de avaliação dos elementos patrimoniais, especial-


mente estoques, dos cálculos de depreciação, amortização e exaustão, de
constituição de provisões para encargos ou riscos, e dos ajustes para atender
a perdas prováveis na realização de elementos do ativo;
b) os investimentos em outras sociedades, quando relevantes (art. 247, pará-
grafo único);
c) o aumento de valor de elementos do ativo resultante de novas avaliações
(art. 182, § 3o);
d) os ônus reais constituídos sobre elementos do ativo, as garantias prestadas
a terceiros e outras responsabilidades eventuais ou contingentes;
e) a taxa de juros, as datas de vencimento e as garantias das obrigações a
longo prazo;
f) o número, espécies e classes das ações do capital social;
g) as opções de compra de ações outorgadas e exercidas no exercício;
h) os ajustes de exercícios anteriores (art. 186, § 1o); e
i) os eventos subseqüentes à data de encerramento do exercício que tenham,
ou possam vir a ter, efeito relevante sobre a situação financeira e os resulta-
dos futuros da companhia.

VI – Alteração do Balanço Patrimonial: aqui sim uma mudança


importante – foram extintos o ativo permanente diferido, a
denominação “permanente” e o resultado de exercícios futuros. O
Balanço Patrimonial ficou com os seguintes grupos:

Ativo
Ativo Circulante
Ativo Não Circulante
Ativo Realizável a Longo Prazo
Investimentos
Imobilizado
Intangível

Passivo
Passivo Circulante
Passivo Não Circulante
Patrimônio Líquido
Capital Social
Reservas de Lucros
Reservas de Capital
Ajustes de Avaliação Patrimonial
Ações em Tesouraria
Prejuízos Acumulados

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 4
Art. 178. No balanço, as contas serão classificadas segundo os elementos do
patrimônio que registrem, e agrupadas de modo a facilitar o conhecimento e a
análise da situação financeira da companhia.

§ 1º No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de


liquidez dos elementos nelas registrados, nos seguintes grupos:

I - ativo circulante; e
II - ativo não-circulante, composto por ativo realizável a longo prazo,
investimentos, imobilizado e intangível.

§ 2º No passivo, as contas serão classificadas nos seguintes grupos:

I - passivo circulante;
II - passivo não-circulante; e
III - patrimônio líquido, dividido em capital social, reservas de capital,
ajustes de avaliação patrimonial, reservas de lucros, ações em
tesouraria e prejuízos acumulados.

“Art. 180. As obrigações da companhia, inclusive financiamentos para aquisi-


ção de direitos do ativo não-circulante, serão classificadas no passivo circulan-
te, quando se vencerem no exercício seguinte, e no passivo não-circulante, se
tiverem vencimento em prazo maior, observado o disposto no parágrafo único
do art. 179.”

VII – Ajustes de Avaliação Patrimonial: alterada denominação “valor


de mercado” para “valor justo”.

“Art. 182
(...)
§ 3o Serão classificadas como ajustes de avaliação patrimonial, enquanto não
computadas no resultado do exercício em obediência ao regime de
competência, as contrapartidas de aumentos ou diminuições de valor
atribuídos a elementos do ativo e do passivo, em decorrência da sua avaliação
a valor justo, nos casos previstos nesta Lei ou, em normas expedidas pela
Comissão de Valores Mobiliários, com base na competência conferida pelo § 3o
do art. 177.

VIII – Critérios de Avaliação do Ativo e do Passivo: alterada a


denominação “valor de mercado” para “valor justo”. Retirado o grupo
ativo diferido. Alterado “Passivo Exigível a Longo Prazo” para “Passivo
Não Circulante”.

“Art. 183.
(...)
I - ..........................................…………….............
a) pelo seu valor justo, quando se tratar de aplicações destinadas à
negociação ou disponíveis para venda; e

(...)

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 5
§ 1o Para efeitos do disposto neste artigo, considera-se valor justo:

§ 2o A diminuição do valor dos elementos dos ativos imobilizado e


intangível será registrada periodicamente nas contas de:

§ 3o A companhia deverá efetuar, periodicamente, análise sobre a


recuperação dos valores registrados no imobilizado e no intangível, a fim
de que sejam:

“Art. 184.

III - as obrigações, encargos e riscos classificados no passivo não circulante


serão ajustados ao seu valor presente, sendo os demais ajustados quando
houver efeito relevante.”

IX – Demonstração do Resultado do Exercício: corrigido um erro


causado pelas alterações da Lei no 11.638/07, retornando as “partes
beneficiárias” para o local devido (após o Lucro Após o IR, em
participações estatutárias).

“Art. 187.
(...)
IV - o lucro ou prejuízo operacional, as outras receitas e as outras despesas;

VI - as participações de debêntures, empregados, administradores e partes


beneficiárias, mesmo na forma de instrumentos financeiros, e de instituições
ou fundos de assistência ou previdência de empregados, que não se caracteri-
zem como despesa;

X – Fusão, Incorporação e Cisão: CVM estabelecerá normas especiais


de avaliação e contabilização.

“Art. 226
(...)
§ 3o A Comissão de Valores Mobiliários estabelecerá normas especiais de
avaliação e contabilização aplicáveis às operações de fusão, incorporação e
cisão que envolvam companhia aberta.”

XI – Coligadas: alterado o conceito (IMPORTANTE!!!)

Redação anterior: § 1o São coligadas as sociedades quando uma participa, com


10% (dez por cento) ou mais, do capital da outra, sem controlá-la.

Redação Atual: não há mais o critério de percentual do capital. Agora, leva-se


em conta a influência significativa.

“Art. 243.
(...)

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 6
§ 1o São coligadas as sociedades nas quais a investidora tenha
influência significativa.
(...)
§ 4o Considera-se que há influência significativa quando a investidora
detém ou exerce o poder de participar nas decisões das políticas
financeira ou operacional da investida, sem controlá-la.

§ 5o É presumida influência significativa quando a investidora for


titular de vinte por cento ou mais do capital votante da investida, sem
controlá-la.”

XII – Notas Explicativas de Investimentos Avaliados pelo Método de


Equivalência Patrimonial: retirada a palavra “relevante”, esquecida na
alteração anterior.

“Art. 247. As notas explicativas dos investimentos a que se refere o art. 248
devem conter informações precisas sobre as sociedades coligadas e
controladas e suas relações com a companhia, indicando:”

XIII – Método de Equivalência Patrimonial: retirado o percentual para


avaliação de coligadas pelo MEP (IMPORTANTE!!!)

Redação Anterior:
Art. 248. No balanço patrimonial da companhia, os investimentos em
coligadas sobre cuja administração tenha influência significativa, ou
de que participe com 20% (vinte por cento) ou mais do capital
votante, em controladas e em outras sociedades que façam parte de um
mesmo grupo ou estejam sob controle comum serão avaliados pelo método da
equivalência patrimonial, de acordo com as seguintes normas: (Redação dada
pela Lei nº 11.638,de 2007)

Redação Atual:
“Art. 248. No balanço patrimonial da companhia, os investimentos em
coligadas ou em controladas e em outras sociedades que façam parte de um
mesmo grupo ou estejam sob controle comum serão avaliados pelo método da
equivalência patrimonial, de acordo com as seguintes normas:”

XIV – Consolidação de Balanços:

“Art. 250.
(...)
III - as parcelas dos resultados do exercício, dos lucros ou prejuízos acumula-
dos e do custo de estoques ou do ativo não-circulante que corresponderem a
resultados, ainda não realizados, de negócios entre as sociedades.
(...)
§ 2o A parcela do custo de aquisição do investimento em controlada, que não
for absorvida na consolidação, deverá ser mantida no ativo não-circulante,
com dedução da provisão adequada para perdas já comprovadas, e será objeto
de nota explicativa.

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 7
XV – Incorporação de Ações:

“Art. 252.
(...)
§ 4o A Comissão de Valores Mobiliários estabelecerá normas especiais de
avaliação e contabilização aplicáveis às operações de incorporação de ações
que envolvam companhia aberta.”

XVI – Consórcio:

“Art. 279. O consórcio será constituído mediante contrato aprovado pelo órgão
da sociedade competente para autorizar a alienação de bens do ativo não-
circulante, do qual constarão:

Novos Artigos:

XVII - Critérios de Avaliação em Operações Societárias

Art. 184-A. A Comissão de Valores Mobiliários estabelecerá, com base na


competência conferida pelo § 3o do art. 177, normas especiais de avaliação e
contabilização aplicáveis à aquisição de controle, participações societárias ou
segmentos de negócios.”

XVIII - Saldo do Ativo Diferido (grupo extinto)

“Art. 299-A. O saldo existente em 31 de dezembro de 2008 no ativo


diferido que, pela sua natureza, não puder ser alocado a outro grupo
de contas, poderá permanecer no ativo sob essa classificação até sua
completa amortização, sujeito à análise sobre a recuperação de que
trata o § 3o do art. 183.”

§ 3o A companhia deverá efetuar, periodicamente, análise sobre a


recuperação dos valores registrados no imobilizado, no intangível e
no diferido, a fim de que sejam: (Redação dada pela Lei nº
11.638,de 2007)
I – registradas as perdas de valor do capital aplicado quando
houver decisão de interromper os empreendimentos ou ativi-
dades a que se destinavam ou quando comprovado que não
poderão produzir resultados suficientes para recuperação des-
se valor; ou (Incluído pela Lei nº 11.638,de 2007)

II – revisados e ajustados os critérios utilizados para determi-


nação da vida útil econômica estimada e para cálculo da de-
preciação, exaustão e amortização. (Incluído pela Lei nº
11.638,de 2007)

XIX - Saldo do Resultado de Exercícios Futuros (grupo extinto)

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 8
“Art. 299-B. O saldo existente no resultado de exercício
futuro em 31 de dezembro de 2008 deverá ser reclassificado para o
passivo não-circulante em conta representativa de receita diferida.

Parágrafo único. O registro do saldo de que trata o caput deverá evidenciar


a receita diferida e o respectivo custo diferido.”

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 9
Prova 7. Auditor – TCM/RJ - FGV
Questões Comentadas e Resolvidas

104. Segundo a Resolução CFC 921/01, se determinada empresa mercantil


firmar contrato de arrendamento mercantil, na qualidade de arrendatária, com
a característica de valor residual significativamente inferior ao valor de merca-
do do bem na data da opção, o bem arrendado deverá ficar avaliado e eviden-
ciado em seu patrimônio:

(a) pelo valor do bem, no ativo permanente imobilizado.


(b) pelo valor das contraprestações mais o valor residual, no ativo circulante
ou realizável a longo prazo.
(c) como zero, pois não deve ser reconhecido como patrimônio da arrendatá-
ria.
(d) pelo valor das contraprestações, no passivo circulante ou exigível a longo
prazo.
(e) pelo valor residual, como conta redutora do passivo circulante ou exigível a
longo prazo.

Resolução

A questão trata especificamente sobre a Resolução CFC n o 921/01, que apro-


vou a NBT 10.2, que trata dos aspectos contábeis do ARRENDAMENTO
MERCANTIL. Vamos verificar os seus principais aspectos para responder à
questão:

- As operações de arrendamento mercantil, também conhecidas como le-


asing, são conceituadas como transações celebradas entre o proprietário
de um determinado bem (arrendador), que concede o uso deste a um
terceiro (arrendatário), por um determinado período contratualmente es-
tipulado, findo o qual é facultada ao arrendatário a opção de adquirir ou
devolver o bem objeto de arrendamento, ou a de prorrogar o contrato.

- Classifica-se como arrendamento financeiro a modalidade em que:

a) as contraprestações e demais pagamentos previstos no contrato,


devidos pela arrendatária, são suficientes para que o arrendador
recupere o custo do bem arrendado durante o prazo contratual da
operação e, adicionalmente, obtenha retorno sobre os recursos in-
vestidos;
b) o valor residual - que é a parcela do principal, não incluída nas con-
traprestações a serem pagas pela arrendatária, e que serve de base
para a opção de compra do bem arrendado - é significativamente in-
ferior ao valor de mercado do bem na data da opção; e
c) o bem objeto de arrendamento é de tal maneira específico que so-
mente aquele arrendatário pode utilizá-lo em sua atividade econô-
mica.

- Classifica-se como arrendamento operacional a modalidade que não se


enquadre, ao menos, em uma das condições estabelecidas acima.

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 10
ARRENDAMENTO FINANCEIRO NAS ENTIDADES ARRENDATÁRIAS

- O valor do bem arrendado integra o imobilizado no ativo permanente,


devendo ser identificado como sendo objeto de arrendamento financei-
ro, em contrapartida ao valor total das contraprestações e do valor re-
sidual que deve ser registrado no passivo circulante ou no exigível a
longo prazo.

- A depreciação desse bem deve ser consistente com a depreciação aplicável a


outros ativos de natureza igual ou semelhante.

- A diferença entre o valor total das contraprestações, adicionado do valor re-


sidual, e o valor do bem arrendado, deve ser registrada como encargo finan-
ceiro a apropriar em conta retificadora das contraprestações e do valor residu-
al.

- O encargo financeiro deve ser apropriado ao resultado, em função do prazo


de vencimento das contraprestações pelo critério pro rata dia, mediante a utili-
zação do método exponencial, observada a competência.

- O pagamento antecipado do valor residual deve ser considerado como uma


contraprestação, sendo-lhe atribuído tratamento semelhante.

ARRENDAMENTO FINANCEIRO NAS ENTIDADES ARRENDADORAS

- O valor total, parcelado ou não das contraprestações e do valor resi-


dual - decorrentes de contrato de arrendamento financeiro - deve ser
registrada como arrendamentos a receber e classificado no ativo circu-
lante ou no realizável a longo prazo.

- A diferença entre arrendamentos a receber, de que trata o item anterior, e o


custo do bem arrendado devem ser registrados como renda a apropriar, em
conta retificadora de arrendamentos a receber.

- A renda de que trata o item anterior deve ser apropriada como receita no re-
sultado, ao longo do período do contrato de arrendamento financeiro, median-
te a utilização do método exponencial, observada a competência.

ARRENDAMENTO OPERACIONAL NAS ENTIDADES ARRENDATÁRIAS

- As operações de arrendamento operacional, por serem em modalidade em


que o bem arrendado proporciona a utilização dos serviços sem que haja com-
prometimento futuro de opção de compra - caracterizando-se, essencialmente,
como uma operação de aluguel - não devem integrar as contas do balanço
patrimonial.

- As obrigações decorrentes do contrato de arrendamento operacional


não devem integrar as contas do passivo circulante ou exigível a longo
prazo, exceto pela parcela devida no mês.

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 11
- As despesas devem ser reconhecidas no resultado pelo critério pro rata dia,
em função da data de vencimento das contraprestações, mediante a utilização
do método linear, observada a competência.

ARRENDAMENTO OPERACIONAL NAS ENTIDADES ARRENDADORAS

- Os bens objeto de arrendamento operacional devem ser registrados


em conta específica do ativo imobilizado.

- As despesas com depreciações devem ser apropriadas mensalmente no re-


sultado, em contrapartida à conta específica de depreciação acumulada do ati-
vo imobilizado.

- Os contratos de arrendamento operacional não devem ser objeto de


inclusão nas contas patrimoniais, devendo ser controlados em contas
de compensação.

- A renda das contraprestações de arrendamento operacional deve ser apropri-


ada como receita no resultado, ao longo do período do contrato de arrenda-
mento operacional, mediante a utilização do método linear, observada a com-
petência.

- As parcelas das contraprestações de arrendamento operacional em atraso,


cuja contrapartida foi contabilizada em resultado, devem estar classificadas no
ativo circulante.

Resumo para a prova:

Arrendatárias Arrendadoras
Arrendamento Bem arrendado – Ativo Não Valor total e valor resi-
Financeiro Circulante - Imobilizado dual – Ativo Circulante
ou Ativo Não Circulante –
Contrapartida – Valor total Realizável a Longo Prazo
das contraprestações e valor
residual – Passivo Circulante
ou Passivo Não Circulante
Arrendamento As obrigações decorrentes Bem arrendado – Ativo
Operacional do contrato não devem inte- Não Circulante - Imobili-
grar as contas do balanço zado
patrimonial, exceto pela par-
cela devida no mês Contratos de Arrenda-
mento – controlados em
contas de compensação

Parcelas das contrapres-


tações em atraso – Ativo
Circulante

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 12
Vamos à resolução da questão:

Se determinada empresa mercantil firmar contrato de arrendamento


mercantil, na qualidade de arrendatária, com a característica de valor
residual significativamente inferior ao valor de mercado do bem na da-
ta da opção, caracteriza um ARRENDAMENTO FINANCEIRO.

Neste caso, o bem arrendado deverá ficar avaliado e evidenciado no


patrimônio da empresa arrendatária pelo seu valor, no ativo não circu-
lante imobilizado (após as alterações da MP no 449/08).

GABARITO: A

105. Segundo a Resolução CFC 1.110/07, assinale o valor da variação que de-
verá sofrer o patrimônio da Empresa Industrial X ao efetuar, adequadamente,
o lançamento contábil relativo ao teste de recuperabilidade do equipamento Y,
sabendo-se que:

1. o valor de registro original do equipamento Y é $100.000,00;


2. a depreciação acumulada do equipamento Y, até a data do teste, é
$40.000,00;
3. o valor de mercado do equipamento Y, na data do teste, é $62.000,00;
4. caso a Empresa X vendesse o equipamento Y, na data do teste, incorreria
em gastos associados a tal transação no montante de $13.000,00;
5. caso a Empresa X não vendesse o equipamento Y e o continuasse utilizando
no processo produtivo, seria capaz de produzir 10.000 unidades do produto Z
por ano pelos próximos 3 anos;
6. o preço de venda do produto Z é $10,00 por unidade;
7. os gastos médios incorridos na produção e venda de uma unidade de produ-
to Z é $8,00;
8. o custo de capital da Empresa X é 10% ao ano;
9. a Empresa X é sediada num paraíso fiscal; portanto, ignore qualquer tributo.

(a) entre $ –15.000,00 e $ –10.801,00


(b) entre $ –10.800,00 e $ –5.001,00
(c) entre $ –5.000,00 e $ –1,00
(d) zero
(e) entre $1,00 e $2.000,00

Resolução

Antes de resolver a questão, vamos estudar os conceitos principais da Resolu-


ção no 1.110/07, que aprovou a NBC T 19.10, que trata da redução do valor
recuperável de ativos:

Valor recuperável de um ativo ou de uma unidade geradora de caixa é


o maior valor entre o valor líquido de venda de um ativo e seu valor em
uso.

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 13
Valor em uso é o valor presente de fluxos de caixa futuros estimados,
que devem resultar do uso de um ativo ou de uma unidade geradora de
caixa.

Os seguintes elementos devem ser refletidos no cálculo do valor em


uso do ativo:

- estimativa dos fluxos de caixa futuros que a entidade espera


obter com esse ativo;

- expectativas sobre possíveis variações no montante ou período


desses fluxos de caixa futuros;

- o valor do dinheiro no tempo, representado pela atual taxa de


juros livre de risco;

- o preço decorrente da incerteza inerente ao ativo; e

- outros fatores, tais como falta de liquidez, que participantes do


mercado iriam considerar ao determinar os fluxos de caixa futu-
ros que a entidade espera obter com o ativo.

Valor líquido de venda é o valor a ser obtido pela venda de um ativo ou


de uma unidade geradora de caixa em transações em bases comutati-
vas, entre partes conhecedoras e interessadas, menos as despesas es-
timadas de venda.

Despesas de venda ou de baixa são despesas incrementais diretamen-


te atribuíveis à venda ou à baixa de um ativo ou de uma unidade gera-
dora de caixa, excluindo as despesas financeiras e de impostos sobre o
resultado gerado.

Perda por desvalorização é o valor pelo qual o valor contábil de um a-


tivo ou de uma unidade geradora de caixa excede seu valor recuperá-
vel.

Valor contábil é o valor pelo qual um ativo está reconhecido no balanço


depois da dedução de toda respectiva depreciação, amortização ou e-
xaustão acumulada e provisão para perdas.

Depreciação, amortização e exaustão é a alocação sistemática do valor


depreciável, amortizável e exaurível de ativos durante sua vida útil.

Valor depreciável, amortizável e exaurível é o custo de um ativo, ou


outra base que substitua o custo nas demonstrações contábeis, menos
seu valor residual.

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 14
Valor residual é o valor estimado que uma entidade obteria pela venda
do ativo, após deduzir as despesas estimadas de venda, caso o ativo já
tivesse a idade e a condição esperadas para o fim de sua vida útil.

Vida útil é:

(a) o período de tempo no qual a entidade espera usar um ativo;


ou
(b) o número de unidades de produção ou de unidades semelhan-
tes que a entidade espera obter do ativo.

Unidade geradora de caixa é o menor grupo identificável de ativos que


gera as entradas de caixa, que são em grande parte independentes das
entradas de caixa de outros ativos ou de grupos de ativos.

Ativos corporativos são ativos, exceto ágio por expectativa de rentabi-


lidade futura (goodwill), que contribuem, mesmo que indiretamente,
para os fluxos de caixa futuros, tanto da unidade geradora de caixa
sob revisão, quanto da de outras unidades geradoras de caixa.

Mercado ativo é um mercado onde todas as seguintes condições exis-


tem:

(a) os itens transacionados no mercado são homogêneos;

(b) vendedores e compradores com disposição para negociar são


encontrados a qualquer momento para efetuar a transação; e

(c) os preços estão disponíveis para o público.

- Um ativo está desvalorizado quando seu valor contábil excede seu


valor recuperável.

Vamos à resolução da questão:

I – Cálculo do Valor Contábil do Equipamento Y:

Valor de Registro – Equipamento Y 100.000


(-) Depreciação Acumulada (40.000)
Valor Contábil – Equipamento Y 60.000

II – Cálculo do Valor Líquido de Venda do Equipamento Y:

Valor de Mercado – Equipamento Y 62.000


(-) Gastos Incorridos na Transação de Venda (13.000)
Valor Líquido de Venda 49.000

III – Cálculo do Valor em Uso do Equipamento Y:

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 15
I – Ano 1:
Receita Bruta de Vendas = 10.000 unidades x R$ 10,00 100.000
(-) Gastos incorridos na produção e venda = 10.000 x R$ 8,00 (80.000)
Resultado do Ano 1 20.000

Custo de Capital = 10% ao ano


Valor Presente 1 = 20.000/(1 + 10%) = 20.000/1,1 = 18.181,82

II – Ano 2:
Receita Bruta de Vendas = 10.000 unidades x R$ 10,00 100.000
(-) Gastos incorridos na produção e venda = 10.000 x R$ 8,00 (80.000)
Resultado do Ano 2 20.000

Valor Presente 2 = 20.000/(1 + 10%) 2 = 20.000/1,12 = 16.528,93

III – Ano 3:
Receita Bruta de Vendas = 10.000 unidades x R$ 10,00 100.000
(-) Gastos incorridos na produção e venda = 10.000 x R$ 8,00 (80.000)
Resultado do Ano 3 20.000

Valor Presente 3 = 20.000/(1 + 10%) 3 = 20.000/1,13 = 15.026,30

Valor em Uso = 18.181,82 + 16.528,93 + 15.026,30 = 49.737,04

IV – Cálculo do Valor Recuperável:

Valor Líquido de Venda = 49.000


Valor em Uso = 49.737,04

Como o valor em uso é maior que o valor líquido de venda, o valor recuperável
será igual ao valor em uso.
Valor Recuperável = Valor em Uso = 49.737,04

V – Cálculo da Variação do Patrimônio da Empresa X:

Valor Recuperável 49.737,04


(-) Valor Contábil – Equipamento Y (60.000,00)
Perda por Desvalorização (10.262,96)

GABARITO: B

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 16
106. Com base na Resolução CFC 1.120/08, analise as afirmativas a seguir:

I. As variações cambiais resultantes de conversão das demonstrações contá-


beis para moeda diferente da moeda funcional devem ser reconhecidas em
conta específica no resultado não-operacional.
II. As variações cambiais que surgem da liquidação de itens monetários ao
converter itens monetários por taxas diferentes daquelas pelas quais foram
inicialmente convertidas durante o período, ou em demonstrações contábeis
anteriores, devem ser reconhecidas como receita ou despesa no período em
que surgirem, com exceção das variações cambiais de itens monetários que
fazem parte do investimento líquido da entidade que reporta em uma entidade
no exterior.
III. Uma entidade pode apresentar suas demonstrações contábeis em qualquer
moeda (ou moedas).

Assinale:

(a) se somente a afirmativa I estiver correta.


(b) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas.
(c) se somente as afirmativas I e III estiverem corretas.
(d) se somente a afirmativa II estiver correta.
(e) se somente as afirmativas II e III estiverem corretas.

Resolução

Antes de resolver a questão, vamos estudar os conceitos principais da Resolu-


ção no 1.120/08, que aprovou a NBC T 7, que trata dos efeitos das mudanças
nas taxas de câmbio e conversão de demonstrações contábeis:

Taxa de fechamento é a taxa de câmbio vigente na data do balanço para ope-


rações a vista.

Variação cambial é a diferença resultante da conversão de um valor


em uma moeda para um valor em outra moeda, a diferentes taxas
cambiais.

Valor justo é o valor pelo qual um ativo pode ser negociado, ou um passivo
liquidado, entre partes interessadas, conhecedoras do negócio e independen-
tes entre si, com a ausência de fatores que pressionem para a liquidação da
transação ou que caracterizem uma transação compulsória.

Moeda estrangeira é uma moeda diferente da moeda funcional de uma


entidade.

Moeda funcional é a moeda do ambiente econômico principal no qual a


entidade opera.

Conglomerado é o conjunto da entidade controladora e de todas as suas con-


troladas.

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 17
Itens monetários são aqueles representados por dinheiro ou por direitos a se-
rem recebidos e obrigações a serem liquidadas em dinheiro.

Itens não-monetários são aqueles representados por ativos e passivos que


não serão recebidos ou liquidados em dinheiro.

Investimento líquido em uma entidade no exterior é o valor da participação


detida pela entidade investidora no patrimônio líquido da entidade investida,
adicionado (ou diminuído) de crédito ou (débito) junto a essa investida que
tenha natureza de investimento.

Moeda de apresentação é a moeda na qual as demonstrações contá-


beis são apresentadas.

Taxa de câmbio a vista é a taxa normalmente utilizada para liquidação imedia-


ta das operações de câmbio; no Brasil, a taxa a ser utilizada é a divulgada pe-
lo Banco Central do Brasil.

A característica essencial de um item monetário é o direito de receber


(ou a obrigação de entregar) um número fixo ou determinável de uni-
dades de moeda. Os exemplos incluem: pensões e outros benefícios a
funcionários a serem pagos em dinheiro; provisões a serem liquidadas
em dinheiro; dividendos reconhecidos como obrigações. Da mesma
forma, um contrato para receber (ou entregar) um número variável de
instrumentos patrimoniais próprios da entidade ou uma quantidade
variável de ativos cujos valores justos a serem recebidos (ou entre-
gues) são iguais a um número fixo ou variável de unidades da moeda
é considerado um item monetário.

Por outro lado, a característica essencial de um item não-monetário é


a ausência do direito a receber (ou da obrigação a entregar) um nú-
mero fixo ou determinável de unidades de moeda. Os exemplos inclu-
em: ativos intangíveis, estoques, adiantamentos a fornecedores, ativo
imobilizado, adiantamentos de clientes, provisões a serem liquidadas
com a entrega de um ativo não-monetário.

Vamos analisar as alternativas:

I. As variações cambiais resultantes de conversão das demonstrações contá-


beis para moeda diferente da moeda funcional devem ser reconhecidas em
conta específica no resultado não-operacional.

A moeda diferente da moeda funcional é a moeda estrangeira. De acordo


com a NBC T 7, temos:

- Uma transação em moeda estrangeira deve ser contabilizada, no seu reco-


nhecimento inicial, na moeda funcional, aplicando-se, à importância em moe-
da estrangeira, a taxa de câmbio à vista entre a moeda funcional e a moeda
estrangeira na data da transação.

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 18
- Na data de cada balanço:

(a) os itens monetários em moeda estrangeira devem ser convertidos


usando-se a taxa de fechamento;

(b) os itens não-monetários que são mensurados ao custo histórico em


uma moeda estrangeira devem ser convertidos usando-se a taxa
cambial da data da transação; e

(c) os itens não-monetários que são mensurados ao seu valor justo em


uma moeda estrangeira devem ser convertidos usando-se as taxas
cambiais da data em que o valor justo for determinado.

- Quando itens monetários surgem de transações em moeda estran-


geira e há uma mudança na taxa de câmbio entre a data da transação
e a data da liquidação, o resultado é uma variação cambial. Quando a
transação é liquidada dentro do mesmo período contábil em que ocor-
reu, toda a variação cambial é reconhecida nesse mesmo período. En-
tretanto, quando a transação é liquidada num período contábil subse-
qüente, a variação cambial reconhecida em cada período, até a data
de liquidação, é determinada pela mudança nas taxas de câmbio ocor-
rida durante cada período.

- Quando um ganho ou uma perda sobre itens não-monetários for re-


conhecido diretamente no patrimônio líquido, qualquer variação cam-
bial atribuída àquele componente de ganho ou perda deve, também,
ser reconhecida diretamente no patrimônio líquido. Por outro lado,
quando um ganho ou uma perda sobre um item não-monetário for re-
conhecido no resultado do período, qualquer variação cambial atribu-
ída àquele ganho ou perda deve, também, ser reconhecido no resulta-
do.

Resumindo, a NBC T 7, em nenhum momento, determina que as varia-


ções monetárias devem ser reconhecidas em contas específicas do resul-
tado não-operacional da empresa.

Além disso, de acordo o Regulamento do Imposto de Renda: Na determi-


nação do lucro operacional deverão ser incluídas, de acordo com o re-
gime de competência, as contrapartidas das variações monetárias, em
função da taxa de câmbio ou de índices ou coeficientes aplicáveis, por
disposição legal ou contratual, dos direitos de crédito do contribuinte, as-
sim como os ganhos cambiais e monetários realizados no pagamento de
obrigações As variações monetárias serão consideradas, para efei-
to da legislação do imposto, como receitas ou despesas financei-
ras. Logo, a alternativa está INCORRETA.

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 19
II. As variações cambiais que surgem da liquidação de itens monetários ao
converter itens monetários por taxas diferentes daquelas pelas quais foram
inicialmente convertidas durante o período, ou em demonstrações contábeis
anteriores, devem ser reconhecidas como receita ou despesa no período em
que surgirem, com exceção das variações cambiais de itens monetários que
fazem parte do investimento líquido da entidade que reporta em uma entidade
no exterior.

De acordo com o item 31 da NBC T 7: As variações cambiais que


surgem da liquidação de itens monetários ao converter itens mo-
netários por taxas diferentes daquelas pelas quais foram inicial-
mente convertidas durante o período, ou em demonstrações con-
tábeis anteriores, devem ser reconhecidas como receita ou des-
pesa no período em que surgirem, com exceção das variações
cambiais tratadas no item 35.

Já o item 35: As variações cambiais resultantes de itens monetá-


rios que fazem parte do investimento líquido da entidade que re-
porta em uma entidade no exterior devem ser reconhecidas no
resultado nas demonstrações contábeis individuais da entidade
que reporta ou nas demonstrações contábeis individuais da enti-
dade no exterior, conforme apropriado. Nas demonstrações contá-
beis que incluem a entidade no exterior e a entidade que reporta (ex.,
demonstrações contábeis consolidadas), tais variações cambiais devem
ser registradas, inicialmente, em uma conta específica do patrimônio lí-
quido e reconhecidas em receita ou despesa na venda do investimento
líquido. Logo, a alternativa está CORRETA.

III. Uma entidade pode apresentar suas demonstrações contábeis em qualquer


moeda (ou moedas).

De acordo com o item 20 da NBC T 7: Ao elaborar as demonstrações


contábeis, cada entidade seja ela uma entidade autônoma, uma enti-
dade com operações no exterior ou uma entidade no exterior (como
controlada ou filial) determina sua moeda funcional, converte os
itens expressos em moeda estrangeira para sua moeda funcional
e contabiliza os efeitos de tal conversão.

Contudo, de acordo com os itens 21, 22 e 44 da referida norma:

21. Muitas entidades são compostas de diversas entidades individuais


(ex., um grupo formado pela controladora e uma ou mais controladas).
Vários tipos de entidades, participantes ou não de um grupo, podem ter
investimentos em coligadas ou joint ventures. Também podem existir fi-
liais, agências, sucursais ou dependências. É necessário que as demons-
trações do resultado e do balanço patrimonial de cada entidade individu-
al incluída na entidade investidora sejam convertidas para a moeda utili-
zada por essa entidade investidora nas suas demonstrações contábeis.
Esta Norma permite que a moeda de apresentação das demons-
trações contábeis da entidade que reporta seja qualquer moeda

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 20
(ou moedas).

22. Esta Norma também permite que uma entidade autônoma,


sem controladas, que prepara suas demonstrações contábeis, ou
uma entidade que prepara suas demonstrações contábeis indivi-
duais prepare essas demonstrações em qualquer moeda (ou mo-
edas).

44. Uma entidade pode apresentar suas demonstrações contábeis


em qualquer moeda (ou moedas). Se a moeda de apresentação das
demonstrações contábeis diferir da moeda funcional da entidade, seus
resultados e seu balanço patrimonial devem ser convertidos para a moe-
da de apresentação. Por exemplo, quando um grupo é compreendido por
entidades individuais com diferentes moedas funcionais, os resultados e
o balanço patrimonial de cada entidade devem ser expressos em uma
mesma moeda comum a todas elas para que as demonstrações contá-
beis consolidadas possam ser apresentadas. Logo, a alternativa está
CORRETA.

GABARITO: E

107. Determinada empresa industrial fabrica e vende dois produtos: M e C.


Observe os dados desses dois produtos:

Produto M C
Preço de venda 25,00 15,00
Matéria-prima A (em kg/unid.) 1 1,2
Matéria-prima B (em kg/unid.) 2 0,5
Horas-máquina 1 (em h/unid.) 2 2
Horas-máquina 2 (em h/unid.) 3 1
Demanda (em unid./mês) 50 80

Sabe-se que os recursos são onerosos e limitados, conforme a tabela a seguir:

Recursos custo unitário disponibilidade


Matéria-prima A $ 1,00/kg 140kg
Matéria-prima B $ 2,00/kg 150kg
Máquina 1 $ 3,00/h 300h
Máquina 2 $ 4,00/h 300h

Sabe-se, ainda, que:


I. a empresa não tem como aumentar as suas disponibilidades no próximo
mês; portanto, precisa gerenciar aquelas restrições;
II. a empresa tem por política trabalhar sem estoque final de produtos acaba-
dos.

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 21
Assinale a alternativa que indique quantas unidades a empresa precisa produ-
zir e vender de cada produto no próximo mês para maximizar seu resultado
nesse próximo mês.

(a) M = 25; C = 0
(b) M = 0; C = 116,67
(c) M = 44; C = 80
(d) M = 44; C =96
(e) M = 50; C = 80

Resolução

I – Cálculo da Margem de Contribuição Unitária do Produto “M” (MCUm):

MCUm = Preço de Venda Unitário – Custos Variáveis Unitários

Custos Variáveis Unitários do Produto “M”:

Matéria-Prima A = 1 kg/unid. x R$ 1,00/kg R$ 1,00


Matéria-Prima B = 2 kg/unid. x R$ 2,00/kg R$ 4,00
Horas-Máquina 1 = 2 h/unid. x R$ 3,00/h R$ 6,00
Horas-Máquina 2 = 3 h/unid. x R$ 4,00/h R$ 12,00
Custos Variáveis Unitários de “M” R$ 23,00

MCUm = R$ 25,00 – R$ 23,00 = R$ 2,00 por unidade

II – Cálculo da Margem de Contribuição Unitária do Produto “C” (MCUc):

MCUc = Preço de Venda Unitário – Custos Variáveis Unitários

Custos Variáveis Unitários do Produto “C”:

Matéria-Prima A = 1,2 kg/unid. x R$ 1,00/kg R$ 1,20


Matéria-Prima B = 0,5 kg/unid. x R$ 2,00/kg R$ 1,00
Horas-Máquina 1 = 2 h/unid. x R$ 3,00/h R$ 6,00
Horas-Máquina 2 = 1 h/unid. x R$ 4,00/h R$ 4,00
Custos Variáveis Unitários de “C” R$ 12,20

MCUc = R$ 15,00 – R$ 12,20 = R$ 2,80 por unidade

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 22
III – Quantidade de “C” Produzida:

Como a empresa tem por política trabalhar sem estoque final de produtos aca-
bados, devem ser produzidas, no máximo, as unidades demandadas no mês.
Logo, como MCUc > MCUm, temos que primeiramente, tentar produzir a quan-
tidade máxima do produto “C”.

Demanda de “C” no mês = 80 unidades

Consumo de recursos:
Matéria-Prima A = 1,2 kg/unid. x 80 unidades = 96 kg
Matéria-Prima B = 0,5 kg/unid. x 80 unidades = 40 kg
Horas-Máquina 1 = 2 h/unid. x 80 unidades = 160 h
Horas-Máquina 2 = 1 h/unid. x 80 unidades = 80 h

Logo, há recursos suficientes para produzir as 80 unidades do produto


“C”.

IV – Quantidade de “M” Produzida:

Saldo dos recursos disponíveis:


Matéria-Prima A = 140 kg - 96 kg = 44 kg
Matéria-Prima B = 150 kg - 40 kg = 110 kg
Horas-Máquina 1 = 300 h - 160 h = 140 h
Horas-Máquina 2 = 300 h - 80 h = 220 h

Consumo máximo de recursos para produção de “M”


Matéria-Prima A = 44 kg/1 kg/unid. = 44 unidades
Matéria-Prima B = 110 kg/2 kg/unid. = 55 unidades
Horas-Máquina 1 = 140 h/2 h/unid. = 70 unidades
Horas-Máquina 2 = 220/3 h/unid. = 73,3 unidades

Logo, só é possível produzir, no máximo, 44 unidades do produto “M”.

GABARITO: C

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 23
108. Determinada empresa industrial é monoprodutora. Nos meses de março
e abril passados, apurou o seguinte:

março abril
Estoque inicial(em unidades) - -
Produção (em unidades) 1.000 1.200
Vendas (em unidades) 1.000 1.000
Custo total de fabricação (em $) 15.000,00 17.000,00
Receita bruta de vendas (em $) 25.000,00 25.000,00

Sabe-se que:
• a empresa controla seus estoques permanentemente e os avalia pelo método
PEPS;
• a empresa incorre, ainda, em despesas fixas de $3.000,00 por mês e em
despesas variáveis equivalentes a 10% da receita bruta mensal;
• a empresa não pretende acabar o mês de maio com produtos acabados em
estoque;
• a empresa é contribuinte do imposto de renda sobre o lucro à alíquota de
20%; e
• não houve variação de preços no período.

Assinale a alternativa que indique quantas unidades a empresa precisa produ-


zir em maio para que o lucro líquido de maio, pelo custeio por absorção, seja
$5.000,00.

(a) mais de 1.150 unidades


(b) entre 1.101 unidades e 1.150 unidades
(c) entre 801 unidades e 950 unidades
(d) entre 951 unidades e 1.100 unidades
(e) menos de 800 unidades

Resolução

Vamos relembrar os conceitos de Custeio por Absorção:

Custeio por absorção é método de apropriação de custos cujo objetivo é ra-


tear todos os seus elementos (custos fixos ou custos variáveis) em cada fase
da produção. Ou seja, no custeio por absorção um custo será apropriado
quando for atribuído a um produto ou unidade de produção. Deste modo, cada
produto receberá sua parte no custo até que todo o valor aplicado seja total-
mente absorvido pelo Custo dos Produtos Vendidos (CPV) ou pelos Estoques
Finais (EF).

O custeio por absorção é uma imposição do Regulamento do Imposto


de Renda, que determina que os produtos em fabricação e os produtos
acabados serão avaliados pelo custo de produção.

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 24
Para apuração por custeio por absorção deve-se adotar o seguinte procedimen-
to:

1. Separação de custos e despesas;


2. Apropriação dos custos diretos e indiretos à produção realizada no pe-
ríodo;
3. Apuração do custo dos produtos acabados;
4. Apuração do custo dos produtos vendidos; e
5. Apuração do resultado.

Apuração da produção acabada, dos produtos em elaboração e dos produtos


vendidos:

Estoque inicial de materiais diretos


(+) Custo de Aquisição das compras de materiais diretos (*)
(-) Estoque final de materiais diretos
(=) Materiais Diretos Consumidos (MD)
(+) Mão-de-Obra Direta (MOD)
(+) Custos Indiretos de Fabricação (CIF)
(=) Custo de Produção do Período (CPP)
(+) Estoque inicial de produtos em elaboração
(-) Estoque final de produtos em elaboração
(=) Custo da Produção Acabada
(+) Estoque inicial de produtos acabados
(-) Estoque final de produtos acabados
Custo dos Produtos Vendidos (CPV)

(*) Compras de materiais diretos:

(+) Valor da Compra


(-) Impostos Recuperáveis
(+) Valor do frete suportado pelo adquirente (subtraído do ICMS
recuperável incidente na operação)
(+) Seguros
(+) Gastos com o Desembaraço Aduaneiro (no caso de importação)
(-) Descontos Incondicionais Obtidos (Descontos Comerciais)
Custo de Aquisição da Compras de Materiais Diretos

(*) São exemplos de Custos Indiretos de Fabricação (CIF):

Materiais indiretos
Mão-de-obra indireta
Energia elétrica
Combustíveis
Manutenção de máquinas
Conta de telefone da fábrica
Aluguel da fábrica
Aluguel de equipamentos
Depreciação

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 25
Seguros da fábrica
Imposto predial

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 26
Apuração do Resultado

Receita Bruta
(-) Deduções da Receita Bruta (*)
(=) Receita Líquida
(-) Custo dos Produtos Vendidos
(=) LUCRO BRUTO
(-) Despesas c/ Vendas
(-) Despesas Financeiras
(+) Receitas Financeiras
(-) Despesas Gerais e Administrativas
(-) Outras Despesas Operacionais
(+) Outras Receitas Operacionais
(=) LUCRO/PREJUÍZO OPERACIONAL
(+) Receitas Não-operacionais
(-) Despesas Não-operacionais
(-) Despesa com Provisão da CSLL (Contribuição Social sobre o Líquido)
(=) RESULTADO DO EXERCÍCIO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA
(-) Despesa c/ Provisão do Imposto de Renda
(-) Despesa c/ Participações Societárias sobre o Lucro
Participações de Debêntures
Participações de Empregados
Participações de Administradores
Participações de Partes Beneficiárias
(=) LUCRO/PREJUÍZO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO

(*) Vendas Líquidas (VL) = Vendas Brutas – Deduções

Deduções (contas retificadoras da receita bruta):

- Devoluções de Vendas;
- Abatimentos sobre Vendas;
- Descontos Incondicionais Concedidos;
- Impostos sobre Vendas (ICMS, ISS e IE); e
- Contribuições Sociais sobre Vendas (PIS e Cofins).

Vantagens e Desvantagens do Custeio por Absorção

Vantagens: inclusão de todos os custos no resultado (custos fixos, cus-


tos variáveis, custos diretos e custos indiretos); atende ao princípio da
competência.

Desvantagem: inclusão de custos indiretos por meio de rateio arbitrário


de seus valores.

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 27
Apropriação de Custos:

Custos de Produção: custos diretos e custos indiretos

Custos Diretos: são alocados à produção diretamente da conta em que


estão registrados para a conta da elaboração ou processamento. Exem-
plos: custos de matéria-prima, mão-de-obra direta, etc. Para uma apro-
priação correta, basta uma mensuração precisa do consumo ou utiliza-
ção, ou seja, obedece a condições objetivas.

Custos Indiretos de Fabricação: utilizam um procedimento de rateio e


obedece a condições subjetivas em relação ao processo de rateio adota-
do.

Rateio dos Custos Indiretos: as principais bases de rateio dos custos


indiretos são:

- horas-máquina;
- consumo de materiais diretos;
- mão-de-obra direta aplicada;
- receita de vendas;
- quantidade produzida;
- outros.

Rateio dos Custos na Departamentalização: um dos objetivos da de-


partamentalização é tornar mais preciso o critério de rateio.

Departamentalização: departamento é uma unidade mínima que


concentra custos e desenvolve atividades homogêneas. A departa-
mentalização representa um critério eficaz para apropriação de
custos indiretos, onde cada departamento é dividido em um ou
mais centros de custos. É muito utilizada em empresa cujo proces-
so produtivo passa por fases de produção. Ex: Indústria de café: as
fases de produção são a seleção de grãos, torrefação, moagem e
embalagem.

Centro de Custo: é a menor fração de atividade ou área de res-


ponsabilidade para a qual é realizada a acumulação de custos. Pode
coincidir com departamento ou não.

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 28
Vamos à resolução da questão:

Primeiramente, é preciso descobrir o que são custos fixos e o que são custos
variáveis. De acordo com os dados da questão:

Março: Produção de 1.000 unidades a um custo total de R$ 15.000,00


Abril: Produção de 1.200 unidades a um custo total de R$ 17.000,00

Logo, as 200 unidades a mais produzidas em abril (1.200 – 1.000) geraram


um custo a mais de R$ 2.000,00 (R$ 17.000,00 – R$ 15.000,00). Com isso,
tem-se:

Custo Variável = R$ 2.000,00


Custo Variável Unitário = R$ 2.000,00/200 unidades = R$ 10,00/unidade

Tendo o custo variável unitário, é possível determinar o custo fixo:

Em Março => Produção de 1.000 unidades a um custo total de R$ 15.000,00

Custo Total = Custos Variáveis + Custos Fixos =>


 15.000 = 10 x 1.000 + Custos Fixos => Custos Fixos = 5.000

Agora, como a questão parte do lucro líquido, temos que fazê-la começando
pelo resultado do exercício:

Lucro Líquido do Exercício 5.000


(+) Provisão para o Imposto de Renda 20% x LAIR
Lucro Antes do Imposto de Renda LAIR

LAIR = 5.000 + 20% x LAIR => 0,8 x LAIR = 5.000 => LAIR = 6.250

Como não houve variação de preços no período, deve ser considerada, como
Preço de Venda Unitário (PVu) do mês de maio, o mesmo valor obtido em mar-
ço e abril:

PVu = 25.000/1.000 = R$ 25,00

Além disso, a questão fala que não há estoque final em maio. Há que se res-
saltar, também, que, da produção de abril sobraram 200 unidades (produziu
1.200 unidades e vendeu 1.000 unidades).

Logo, a Receita Bruta de Vendas (RBV) do mês de maio será:

RBV = (200 unid + Qpm) x 25 = 5.000 + 25 x Qpm

Qpm = quantidade produzida em maio

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 29
Lucro Antes do Imposto de Renda 6.250
(+) Despesas Fixas 3.000
(+) Despesas Variáveis = 10% x (5.000 + 25 x Qpm) 500 + 2,5 x Qpm
Lucro Bruto 9.750 + 2,5 x Qpm
(+) Custo dos Produtos Vendidos (CPV) CPV
Receita Bruta de Vendas 5.000 x 25 x Qpm

 9.750 + 2,5 x Qpm + CPV = 5.000 + 25 x Qpm =>


 CPV = 22,5 x Qpm – 4.750

No CPV, temos que considerar também o custo das 200 unidades que foram
produzidas em abri, mas que serão vendidas somente em maio:

CPV (abril) = Custo Total de Fabricação/Produção = 17.000/1.200 = 14,17

CPV (Maio) = Custos Fixos + Custos Variáveis + 200 x 14,17 (sobra de a-


bril)=>
 22,5 x Qpm – 4.750 = 5.000 + 10 x Qpm + 2.833,33 =>
 12,5 x Qpm = 12.583,33 =>
 Qpm = 12.583,33/12,5 ≈ 1006 unidades

GABARITO: D

109. Determinada empresa industrial fabrica e vende dois produtos: N e L. Fa-


se significativa da produção é comum a esses dois produtos. Durante a fase de
produção conjunta, incorre-se em custos de transformação no valor de
$200.000,00, e mais em custos básicos conforme a tabela a seguir:

recursos produção con- quantidade consumida custo unitário (em $/kg)


junta (em kg)
Matéria-prima 1 8.000 12,50
Matéria-prima 2 2.000 100,00

No ponto de separação, identificou-se que a produção conjunta pesava


10.000kg, dos quais 1.000kg eram de produtos N semi-elaborados e 9.000kg
eram de produto L semi-elaborado. Para terminar a produção, incorreu-se em
mais custos de transformação, sendo $20.000,00 na produção de N e
$150.000,00 na produção de L.

Sabe-se que:
• os preços de venda são: N = $72,00/kg e L = $70,00/kg;
• nesse mês a empresa vendeu: N = 600 kg e L = 8.100kg;
• não havia estoques iniciais;
• toda a produção iniciada foi encerrada no mesmo período;
• a empresa trabalha com o controle periódico de estoques e os avalia pelo
custo médio ponderado; e
• nesse mês a empresa incorreu em despesas comerciais e administrativas que
totalizaram $25.000,00.

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 30
Desconsiderando-se qualquer tributo, é correto afirmar que o lucro bruto, pelo
custeio por absorção, dessa empresa nesse mês foi:

(a) de mais de $7.000,00.


(b) entre $5.001,00 e $7.000,00.
(c) entre $3.001,00 e $5.000,00.
(d) entre $1.001,00 e $3.000,00.
(e) de menos de $1.000,00.

Resolução

I – Custos de produção de N e L :

I.1 – Produção Conjunta

Custos de Transformação = $ 200.000,00


Peso = 10.000 kg (1.000 kg de N e 9.000 kg de L)
Matéria-Prima 1 = 8.000 kg x $ 12,50/kg = $ 100.000,00
Matéria-Prima 2 = 2.000 kg x $ 100,00/kg = $ 200.000,00

Custo Total da Produção Conjunta = 200.000 + 100.000 + 200.000 =>


 Custo Total da Produção Conjunta = 500.000

Custo da Produção de N = Custo Total x quantidade de “N”/quantidade total


 Custo da Produção de N = 500.000 x 1.000 kg/(1.000 kg + 9.000 kg)
 Custo da Produção de N = 500.000/10 = 50.000

Custo da Produção de L = 500.000 – 50.000 = 450.000

I.2 – Produção em separado:

Custo Total da Produção de N = 50.000 + 20.000 = 70.000 (1.000 kg)


Custo Total da Produção de L = 450.000 + 150.000 = 600.000 (9.000 kg)

II – Cálculo do Lucro Bruto:

II.1 – Custo dos Produtos Vendidos (CPV): primeiramente, há que se ressaltar


que é adotado o custo médio ponderado dos estoques. Logo:

Custo Médio Ponderado = (CTn + CTl)/(Qn + Ql)

Qn = Quantidade produzida de “N” = 1.000 kg


CTn = Custo Total da Produção de “N” = $ 70.000,00

Ql = Quantidade produzida de “L” = 9.000 kg


CTl = Custo Total da Produção de “L” = $ 600.000,00

Custo Médio Ponderado = (70.000 + 600.000)/10.000 =>


=> Custo Médio Ponderado = $ 67,00/kg

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 31
CPVn = 600 kg x $ 67,00 = $ 40.200,00
CPVl = 8.100 kg x 67,00 = $ 542.700,00

II.2 – Lucro Bruto:

Receita Bruta de Vendas (RBV)


RBVn = $ 72,00/kg x 600 kg 43.200
RBVl = $ 70,00/kg x 8.100 kg 567.000
RBV 610.200
(-) CPV = 542.700 + 40.200 (582.900)
Lucro Bruto 27.300

(*) ATENÇÃO!!! As despesas comerciais e administrativas são coloca-


das, na Demonstração do Resultado do Exercício, após o Lucro Bruto,
para apurar o Lucro Operacional Líquido.

GABARITO: A

Com base no enunciado a seguir, responda às questões 110 a 113:

A Cia. JMAP vende o produto PAMJ. A empresa apresenta o seguinte Balanço


em 31.08.X8:

ATIVO - PASSIVO + –
PATRIMÔNIO
LÍQUIDO
Disponibilidades 76.000 Fornecedores 26.500
Estoques 25.000 Contas a Pagar 20.000
Móveis e Utensílios 200.000 Capital Social 180.000
(-) Depreciação -16.000 Lucros Acumula- 58.500
acumulada dos
Total 285.000 285.000

Informações adicionais:
i) o Estoque é constituído por 1.000 unidades adquiridas por R$ 25,00 cada. A
empresa adota o CMPM (Custo médio ponderado móvel) – controle permanen-
te;
ii) os Móveis e Utensílios são depreciados à taxa de 12% ao ano.
A empresa efetuou as seguintes operações no mês de setembro de X8:

Data Evento
01 A empresa efetuou o seguro anual de seu patrimônio, mediante o pa-
gamento do prêmio de seguro no valor total de R$ 6.000,00, à vista.
02 Compra 1.000 unidades de PAMJ por R$ 26,00 cada, para pagar em
outubro/X8.
05 Compra 2.500 unidades de PAMJ por R$ 24,80 cada, à vista.
10 Venda de 3.000 unidades de PAMJ por R$ 35,00 cada, sendo que me-
tade à vista e metade a prazo para recebimento em 30 dias.
15 Venda de 1.100 unidades de PAMJ por R$ 30,00 cada, à vista.
22 Compra 2.000 unidades de PAMJ por R$ 25,50, para pagamento em 60

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 32
dias.
25 Aumento do Capital Social em R$ 35.000,00, sendo R$ 5.000,00 em
dinheiro e o restante em integralização de parte do saldo de lucros a-
cumulados.
26 Pagamento de R$ 38.000,00 aos fornecedores e da totalidade do saldo
das contas a pagar.
30 Reconhecimento e pagamento de despesas administrativas e comerci-
ais no montante total de R$ 18.000,00, sendo R$ 8.000,00 relativos a
serviços de terceiros e o restante a pessoal próprio.
30 Apropriação mensal da despesa de seguro e depreciação dos móveis e
utensílios.
30 Constatou que o valor realizável líquido, por unidade de PAMJ, é R$
25,00.
30 Pagamento de dividendos, em dinheiro, no valor correspondente a
40% do lucro do período.

110. Considerando somente os dados do enunciado, determine o valor do lu-


cro operacional do mês de setembro/X8.

(a) menor que 10.000,00


(b) entre 10.000,01 e 14.000,00
(c) entre 14.000,01 e 18.000,00
(d) entre 18.000,01 e 22.000,00
(e) maior que 22.000,01

Resolução

Para determinar o lucro operacional de setembro, temos que montar a De-


monstração do Resultado do Exercício. Contudo, inicialmente, precisamos fazer
os lançamentos referentes aos fatos ocorridos em setembro de 2008:

(*) Repare que o Balanço Patrimonial é de 31/08/2008, ou seja, já valem as


alterações trazidas pela Lei no 11.638/07, mas ainda está sendo utilizada a
conta “Lucros Acumulados”.

Estoque Inicial = 1.000 unidades a R$ 25,00 cada = R$ 25.000,00 (inventário


permanente => Custo Médio Ponderado Móvel).

I - 01/09 - A empresa efetuou o seguro anual de seu patrimônio, mediante o


pagamento do prêmio de seguro no valor total de R$ 6.000,00, à vista.

Pelo regime de competência, as despesas de seguros devem ser reconhecidas


mensalmente, até o término do contrato. Ou seja, o prêmio pago pela empresa
é um direito:

Seguros a Vencer (Ativo Circulante)


a Disponibilidades (Ativo Circulante) 6.000

Seguros a Vencer Disponibilidades


6.000 (I) 76.000 6.000 (I)
70.000
Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 33
II – 02/09 - Compra 1.000 unidades de PAMJ por R$ 26,00 cada, para pagar
em outubro/X8.

Estoques (Ativo Circulante)


a Fornecedores (Passivo Circulante) 26.000

Cálculo do Custo Médio Ponderado Móvel:

Custo Médio Ponderado Móvel = (EI + 26.000)/(1.000 + 1.000)


Custo Médio Ponderado Móvel = (25.000 + 26.000)/2.000 unidades
Custo Médio Ponderado Móvel = R$ 25,50 por unidade de PAMJ

Fornecedores Estoques
26.500 25.000
26.000 (II) 26.000 (II)
52.500 51.000

III – 05/09 – Compras de 2.500 unidades de PAMJ por R$ 24,80 cada, à vista.

Estoques (Ativo Circulante)


a Disponibilidades (Ativo Circulante) 62.000

Cálculo do Custo Médio Ponderado Móvel:

Custo Médio Ponderado Móvel = (51.000 + 62.000)/(2.000 + 2.500)


Custo Médio Ponderado Móvel = 113.000/4.500 unidades
Custo Médio Ponderado Móvel = R$ 25,11 por unidade de PAMJ

Estoques Disponibilidades
25.000 76.000 6.000 (I)
26.000 (II) 62.000 (III)
62.000 (III) 8.000
113.000

IV – 10/09 - Venda de 3.000 unidades de PAMJ por R$ 35,00 cada, sendo que
metade à vista e metade a prazo para recebimento em 30 dias.

Receita Bruta de Vendas = 3.000 unidades x R$ 35,00 = R$ 105.000,00

Diversos
a Receita Bruta de Vendas (Receita)
Disponibilidades (Ativo Circulante) 52.500
Clientes (Ativo Circulante) 52.500 105.000

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 34
Receita Bruta de Vendas Disponibilidades
105.000 (IV) 76.000 6.000 (I)
105.000 52.500 (IV) 62.000 (III)
60.500
Clientes
52.500 (IV)
52.500

CMV = 3.000 unidades x R$ 25,11 = 75.333,33

CMV
a Estoques (Ativo Circulante) 75.333,33

Estoques CMV
25.000 75.333,33 (IV) 75.333,33 (IV)
26.000 (II) 75.333,33
62.000 (III)
37.666,67
Estoque Atual = R$ 37.666,67 (1.500 unidades a R$ 25,11)

V – 15/09 - Venda de 1.100 unidades de PAMJ por R$ 30,00 cada, à vista

Receita Bruta de Vendas = 1.100 unidades x R$ 30,00 = R$ 33.000,00

Disponibilidades (Ativo Circulante)


a Receita Bruta de Vendas (Receita) 33.000

Receita Bruta de Vendas Disponibilidades


105.000 (IV) 76.000 6.000 (I)
33.000 (V) 52.500 (IV) 62.000 (III)
138.000 33.000 (V)
93.500

CMV = 1.100 unidades x R$ 25,11 = 27.622,22

CMV
a Estoques (Ativo Circulante) 27.622,22

Estoques CMV
25.000 75.333,33 (IV) 75.333,33 (IV)
26.000 (II) 27.622,22 (V) 27.622,22 (V)
62.000 (III) 102.955,55
10.044,44
Estoque Atual = R$ 10.044,44 (400 unidades a R$ 25,11)

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 35
VI – 22/09 - Compra 2.000 unidades de PAMJ por R$ 25,50, para pagamento
em 60 dias

Estoques (Ativo Circulante)


a Fornecedores (Passivo Circulante) 51.000

Cálculo do Custo Médio Ponderado Móvel:

Custo Médio Ponderado Móvel = (10.044,44 + 51.000)/(400 + 2.000)


Custo Médio Ponderado Móvel = 61.044,44/2.400 unidades
Custo Médio Ponderado Móvel = R$ 25,43 por unidade de PAMJ

Estoques Fornecedores
25.000 75.333,33 (IV) 26.500
26.000 (II) 27.622,22 (V) 26.000 (II)
62.000 (III) 51.000 (VI)
51.000 (VI) 103.500
61.044,44

VII – 25/09 - Aumento do Capital Social em R$ 35.000,00, sendo R$ 5.000,00


em dinheiro e o restante em integralização de parte do saldo de lucros acumu-
lados.

Diversos
a Capital Social (Patrimônio Líquido)
Disponibilidades (Ativo Circulante) 5.000
Lucros Acumulados (Patrimônio Líquido) 30.000 35.000

Disponibilidades Lucros Acumulados


76.000 6.000 (I) 30.000 (VII) 58.500
52.500 (IV) 62.000 (III) 28.500
33.000 (V) 5.000 (VII)
88.500 Capital Social
180.000
35.000 (VII)
215.000

VIII – 26/09 - Pagamento de R$ 38.000,00 aos fornecedores e da totalidade


do saldo das contas a pagar.

Diversos
a Disponibilidades (Ativo Circulante)
Fornecedores (Passivo Circulante) 38.000
Contas a Pagar (Passivo Circulante) 20.000 58.000

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 36
Disponibilidades
Fornecedores
76.000 6.000 (I)
38.000 (VIII) 26.500
52.500 (IV) 62.000 (III)
26.000 (II)
33.000 (V) 5.000 (VI)
51.000 (V)
58.000 (VIII)
65.500
30.500
Contas a Pagar
20.000 (VIII) 20.000
0

IX – 30/09 - Reconhecimento e pagamento de despesas administrativas e co-


merciais no montante total de R$ 18.000,00, sendo R$ 8.000,00 relativos a
serviços de terceiros e o restante a pessoal próprio.

Despesas Administrativas e Comerciais


a Disponibilidades (Ativo Circulante) 18.000

Disponibilidades Desp. Adm. e Com.


76.000 6.000 (I) 18.000 (IX)
52.500 (IV) 62.000 (III) 18.000
33.000 (V) 5.000 (VI)
58.000 (VII)
18.000 (IX)
12.500

X – 30/09 - Apropriação mensal da despesa de seguro e depreciação dos mó-


veis e utensílios.

Despesas de Seguros (mensal) = R$ 6.000,00/12 meses = R$ 500,00

Despesas de Seguros (Despesa)


a Seguros a Vencer (Ativo Circulante) 500

Seguros a Vencer Despesas de Seguros


6.000 (I) 500 (X) 500 (X)
5.500 500

Despesas com Depreciação Mensal = 200.000 x 12% ao ano/12 meses


Despesas com Depreciação Mensal = 200.000 x 1% = 2.000

Despesas com Depreciação (Despesa)


a Depreciação Acumulada (Ativo Permanente – Retif.) 2.000

Depreciação Acum. Despesas c/ Depr.


16.000 2.000 (X)
2.000 (X) 2.000
18.000

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 37
XI – 30/09 - Constatou que o valor realizável líquido, por unidade de PAMJ, é
R$ 25,00.

Valor Realizável Líquido Total = R$ 25,00 x 2.400 = R$ 60.000,00

Logo, deve ser feita uma Provisão p/ Ajuste ao Valor de Mercado:

Provisão p/ Ajuste ao Valor de Mercado = 61.044,44 – 60.000,00 = 1.044,44

Despesas c/ Provisões (Despesa)


a Prov. p/ Ajuste ao Valor de Mercado (Ativo Circ. – Retif.) 1.044,44

Prov. p/ Aj. ao Valor de Despesas c/ Provisões


Mercado 1.044,44 (XI)
1.044,44 (XI) 1.044,44
1.044,44

XII – Cálculo do Resultado do Período:

Receita Bruta de Vendas CMV Despesas de Seguros


105.000 (IV) 75.333,33 (IV) 500 (X)
33.000 (V) 27.622,22 (V) 500 500
138.000 138.000 102.955,55 102.955,55
Despesas c/ Provisões
Desp. Adm. e Com. Despesas c/ Depr.
1.044,44 (XI)
18.000 (IX) 2.000 (X) 1.044,44 1.044,44
18.000 18.000 2.000 2.000

Apuração do Resultado
102.955,55 138.000
500
18.000
2.000
1.044,44
13.500 (XII) 13.500

Receita Bruta de Vendas 138.000


(-) CMV (102.955,55)
Lucro Bruto 35.044,45
(-) Despesas de Seguros (500)
(-) Despesas Adm. e Comerciais (18.000)
(-) Despesas c/ Depreciação (2.000)
(-) Despesas c/ Provisões (1.044,44)
Lucro Operacional 13.500

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 38
Transferência do resultado do período para “Lucros Acumulados”:

Resultado do Exercício
a Lucros Acumulados (Patrimônio Líquido) 13.500
Lucros Acumulados
30.000 (VII) 58.500
13.500 (XII)
42.000
GABARITO: B

Vamos calcular logo os dividendos:

XIII – Pagamento de dividendos, em dinheiro, no valor correspondente a 40%


do lucro do período.

Dividendos a Pagar = 40% x 13.500 = 5.400

Lucros Acumulados (Patrimônio Líquido)


a Dividendos a Pagar (Passivo Circulante) 5.400

Dividendos a Pagar (Passivo Circulante)


a Disponibilidades (Ativo Circulante) 5.400

Consolidando os dois lançamentos:

Lucros Acumulados (Patrimônio Líquido)


a Disponibilidades (Ativo Circulante) 5.400

Disponibilidades Lucros Acumulados


76.000 6.000 (I) 30.000 (VII) 58.500
52.500 (IV) 62.000 (III) 5.400 (XIII) 13.500 (XII)
33.000 (V) 5.000 (VI) 36.600
58.000 (VII)
18.000 (IX)
5.400 (XIII)
7.100

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 39
111. Considerando somente os dados do enunciado, determine o percentual
do valor adicionado que foi distribuído aos empregados em setembro/X8.

(a) menor que 10%


(b) entre 10,01% e 20%
(c) entre 20,01% e 30%
(d) entre 30,01% e 40%
(e) maior que 40%

Resolução

De acordo com a questão, o valor distribuído aos empregados foi de R$


10.000,00 (R$ 18.000,00 – R$ 8.000,00).

“Reconhecimento e pagamento de despesas administrativas e comerciais no


montante total de R$ 18.000,00, sendo R$ 8.000,00 relativos a serviços de
terceiros e o restante a pessoal próprio.”

Montando a Demonstração do Valor Adicionado, teríamos:

Set/2008 %

1-RECEITAS

1.1. Vendas de mercadoria, produtos e serviços 138.000

2-INSUMOS ADQUIRIDOS DE TERCEIROS

2.1. Materiais consumidos (102.955,55)

2.2. Outros custos de produtos e serviços vendidos (8.000,00)


(Despesas Adm. e Com. Com terceiros, Desp. de Segu- (500,00)
ros e Desp. c/ Prov.) (1.044,44)

3 - RETENÇÕES

3.1. Depreciação, amortização e exaustão (2.000,00)

4 -VALOR ADICIONADO LÍQUIDO PRODUZIDO 23.500,00


PELA ENTIDADE

6 - VALOR ADICIONADO TOTAL A DISTRIBUIR 23.500,00 100%

7 - DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO

7.1. Empregados

Salários e encargos 10.000,00 10.000/23.500 =


42,55%

7.4. Juros sobre capital próprio e dividendos 5.400,00 5.400/23.500 =


22,98%
7.5. Lucros retidos/prejuízo do exercício 8.100,00 8.100/23.500 =
34,47%

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 40
GABARITO: E

112. Considerando somente os dados do enunciado, quando da apropriação da


despesa de seguro relativa ao mês de setembro/X8, assinale o lançamento
contábil adequado.

(a)
D- Despesas Antecipadas – seguro (AC) 6.000
C- Disponibilidades (AC) 6.000

(b)
D- Despesas Operacionais – seguro (DRE) 500,00
C- Disponibilidades (AC) 500,00

(c)
D- Despesas Operacionais – seguro (DRE) 500,00
C- Seguros a Pagar (PC) 500,00

(d)
D- Despesas Antecipadas – seguro (AC) 500,00
C- Disponibilidades (AC) 500,00

(e)
D- Despesas Operacionais – seguro (DRE) 500,00
C- Despesas Antecipadas – seguro (AC) 500,00

Resolução

Despesas de Seguros (Despesa)


a Seguros a Vencer (Ativo Circulante) (*) 500

(*) ou “Despesas Antecipadas – Seguro (AC)

GABARITO: E

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 41
113. Considerando somente os dados do enunciado, determine o valor do flu-
xo de caixa líquido da atividade de financiamento do mês de setembro/X8.

(a) menor que –5.000,00


(b) entre –4.999,99 e –1.000,00
(c) entre –999,99 e +3.000,00
(d) entre +20.000,01 e +24.000,00
(e) maior que +24.000,00

Resolução

A questão deseja saber o fluxo de caixa líquido da atividade de financiamento.


Vamos relembrar este conceito:

Fluxo das Atividades de Financiamento (FAF)


Entradas:
- Recebimentos referentes a empréstimos obtidos
- Recebimento de acionistas por venda de ações ou integralização
do capital
- Recebimento por emissão de debêntures
- Recebimento de subvenções para investimento

Saídas:
- Pagamento de dividendos
- Pagamento de resgate ou reembolso de ações
- Pagamento de resgate de debêntures
- Pagamento do principal referente a empréstimos ou financiamen-
tos obtidos

Vamos à resolução da questão:

Fluxo de Caixa das Atividades de Financiamento:


Entrada: Integralização do Capital Social em Dinheiro 5.000
Saída: Dividendos Pagos (5.400)
Fluxo de Caixa das Atividades de Financiamento (400)

GABARITO: C

Bons estudos a todos e até a próxima aula,

Moraes Junior

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 42
Prova 7. Auditor – TCM/RJ - FGV

Lista de Questões Comentadas Nesta Aula

104. Segundo a Resolução CFC 921/01, se determinada empresa mercantil


firmar contrato de arrendamento mercantil, na qualidade de arrendatária, com
a característica de valor residual significativamente inferior ao valor de merca-
do do bem na data da opção, o bem arrendado deverá ficar avaliado e eviden-
ciado em seu patrimônio:

(a) pelo valor do bem, no ativo permanente imobilizado.


(b) pelo valor das contraprestações mais o valor residual, no ativo circulante
ou realizável a longo prazo.
(c) como zero, pois não deve ser reconhecido como patrimônio da arrendatá-
ria.
(d) pelo valor das contraprestações, no passivo circulante ou exigível a longo
prazo.
(e) pelo valor residual, como conta redutora do passivo circulante ou exigível a
longo prazo.

105. Segundo a Resolução CFC 1.110/07, assinale o valor da variação que de-
verá sofrer o patrimônio da Empresa Industrial X ao efetuar, adequadamente,
o lançamento contábil relativo ao teste de recuperabilidade do equipamento Y,
sabendo-se que:

1. o valor de registro original do equipamento Y é $100.000,00;


2. a depreciação acumulada do equipamento Y, até a data do teste, é
$40.000,00;
3. o valor de mercado do equipamento Y, na data do teste, é $62.000,00;
4. caso a Empresa X vendesse o equipamento Y, na data do teste, incorreria
em gastos associados a tal transação no montante de $13.000,00;
5. caso a Empresa X não vendesse o equipamento Y e o continuasse utilizando
no processo produtivo, seria capaz de produzir 10.000 unidades do produto Z
por ano pelos próximos 3 anos;
6. o preço de venda do produto Z é $10,00 por unidade;
7. os gastos médios incorridos na produção e venda de uma unidade de produ-
to Z é $8,00;
8. o custo de capital da Empresa X é 10% ao ano;
9. a Empresa X é sediada num paraíso fiscal; portanto, ignore qualquer tributo.

(a) entre $ –15.000,00 e $ –10.801,00


(b) entre $ –10.800,00 e $ –5.001,00
(c) entre $ –5.000,00 e $ –1,00
(d) zero
(e) entre $1,00 e $2.000,00

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 43
106. Com base na Resolução CFC 1.120/08, analise as afirmativas a seguir:

I. As variações cambiais resultantes de conversão das demonstrações contá-


beis para moeda diferente da moeda funcional devem ser reconhecidas em
conta específica no resultado não-operacional.
II. As variações cambiais que surgem da liquidação de itens monetários ao
converter itens monetários por taxas diferentes daquelas pelas quais foram
inicialmente convertidas durante o período, ou em demonstrações contábeis
anteriores, devem ser reconhecidas como receita ou despesa no período em
que surgirem, com exceção das variações cambiais de itens monetários que
fazem parte do investimento líquido da entidade que reporta em uma entidade
no exterior.
III. Uma entidade pode apresentar suas demonstrações contábeis em qualquer
moeda (ou moedas).

Assinale:

(a) se somente a afirmativa I estiver correta.


(b) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas.
(c) se somente as afirmativas I e III estiverem corretas.
(d) se somente a afirmativa II estiver correta.
(e) se somente as afirmativas II e III estiverem corretas.

107. Determinada empresa industrial fabrica e vende dois produtos: M e C.


Observe os dados desses dois produtos:

Produto M C
Preço de venda 25,00 15,00
Matéria-prima A (em kg/unid.) 1 1,2
Matéria-prima B (em kg/unid.) 2 0,5
Horas-máquina 1 (em h/unid.) 2 2
Horas-máquina 2 (em h/unid.) 3 1
Demanda (em unid./mês) 50 80

Sabe-se que os recursos são onerosos e limitados, conforme a tabela a seguir:

Recursos custo unitário disponibilidade


Matéria-prima A $ 1,00/kg 140kg
Matéria-prima B $ 2,00/kg 150kg
Máquina 1 $ 3,00/h 300h
Máquina 2 $ 4,00/h 300h

Sabe-se, ainda, que:


I. a empresa não tem como aumentar as suas disponibilidades no próximo
mês; portanto, precisa gerenciar aquelas restrições;
II. a empresa tem por política trabalhar sem estoque final de produtos acaba-
dos.

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 44
Assinale a alternativa que indique quantas unidades a empresa precisa produ-
zir e vender de cada produto no próximo mês para maximizar seu resultado
nesse próximo mês.

(a) M = 25; C = 0
(b) M = 0; C = 116,67
(c) M = 44; C = 80
(d) M = 44; C =96
(e) M = 50; C = 80

108. Determinada empresa industrial é monoprodutora. Nos meses de março


e abril passados, apurou o seguinte:

março abril
Estoque inicial(em unidades) - -
Produção (em unidades) 1.000 1.200
Vendas (em unidades) 1.000 1.000
Custo total de fabricação (em $) 15.000,00 17.000,00
Receita bruta de vendas (em $) 25.000,00 25.000,00

Sabe-se que:
• a empresa controla seus estoques permanentemente e os avalia pelo método
PEPS;
• a empresa incorre, ainda, em despesas fixas de $3.000,00 por mês e em
despesas variáveis equivalentes a 10% da receita bruta mensal;
• a empresa não pretende acabar o mês de maio com produtos acabados em
estoque;
• a empresa é contribuinte do imposto de renda sobre o lucro à alíquota de
20%; e
• não houve variação de preços no período.

Assinale a alternativa que indique quantas unidades a empresa precisa produ-


zir em maio para que o lucro líquido de maio, pelo custeio por absorção, seja
$5.000,00.

(a) mais de 1.150 unidades


(b) entre 1.101 unidades e 1.150 unidades
(c) entre 801 unidades e 950 unidades
(d) entre 951 unidades e 1.100 unidades
(e) menos de 800 unidades

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 45
109. Determinada empresa industrial fabrica e vende dois produtos: N e L. F
se significativa da produção é comum a esses dois produtos. Durante a fase de
produção conjunta, incorre-se em custos de transformação no valor de
$200.000,00, e mais em custos básicos conforme a tabela a seguir:

recursos produção con- quantidade consumida custo unitário (em $/kg)


junta (em kg)
Matéria-prima 1 8.000 12,50
Matéria-prima 2 2.000 100,00

No ponto de separação, identificou-se que a produção conjunta pesava


10.000kg, dos quais 1.000kg eram de produtos N semi-elaborados e 9.000kg
eram de produto L semi-elaborado. Para terminar a produção, incorreu-se em
mais custos de transformação, sendo $20.000,00 na produção de N e
$150.000,00 na produção de L.

Sabe-se que:
• os preços de venda são: N = $72,00/kg e L = $70,00/kg;
• nesse mês a empresa vendeu: N = 600 kg e L = 8.100kg;
• não havia estoques iniciais;
• toda a produção iniciada foi encerrada no mesmo período;
• a empresa trabalha com o controle periódico de estoques e os avalia pelo
custo médio ponderado; e
• nesse mês a empresa incorreu em despesas comerciais e administrativas que
totalizaram $25.000,00.

Desconsiderando-se qualquer tributo, é correto afirmar que o lucro bruto, pelo


custeio por absorção, dessa empresa nesse mês foi:

(a) de mais de $7.000,00.


(b) entre $5.001,00 e $7.000,00.
(c) entre $3.001,00 e $5.000,00.
(d) entre $1.001,00 e $3.000,00.
(e) de menos de $1.000,00.

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 46
Com base no enunciado a seguir, responda às questões 110 a 113:

A Cia. JMAP vende o produto PAMJ. A empresa apresenta o seguinte Balanço


em 31.08.X8:

ATIVO - PASSIVO + –
PATRIMÔNIO
LÍQUIDO
Disponibilidades 76.000 Fornecedores 26.500
Estoques 25.000 Contas a Pagar 20.000
Móveis e Utensílios 200.000 Capital Social 180.000
(-) Depreciação -16.000 Lucros Acumula- 58.500
acumulada dos
Total 285.000 285.000

Informações adicionais:
i) o Estoque é constituído por 1.000 unidades adquiridas por R$ 25,00 cada. A
empresa adota o CMPM (Custo médio ponderado móvel) – controle permanen-
te;
ii) os Móveis e Utensílios são depreciados à taxa de 12% ao ano.
A empresa efetuou as seguintes operações no mês de setembro de X8:

Data Evento
01 A empresa efetuou o seguro anual de seu patrimônio, mediante o pa-
gamento do prêmio de seguro no valor total de R$ 6.000,00, à vista.
02 Compra 1.000 unidades de PAMJ por R$ 26,00 cada, para pagar em
outubro/X8.
05 Compra 2.500 unidades de PAMJ por R$ 24,80 cada, à vista.
10 Venda de 3.000 unidades de PAMJ por R$ 35,00 cada, sendo que me-
tade à vista e metade a prazo para recebimento em 30 dias.
15 Venda de 1.100 unidades de PAMJ por R$ 30,00 cada, à vista.
22 Compra 2.000 unidades de PAMJ por R$ 25,50, para pagamento em 60
dias.
25 Aumento do Capital Social em R$ 35.000,00, sendo R$ 5.000,00 em
dinheiro e o restante em integralização de parte do saldo de lucros a-
cumulados.
26 Pagamento de R$ 38.000,00 aos fornecedores e da totalidade do saldo
das contas a pagar.
30 Reconhecimento e pagamento de despesas administrativas e comerci-
ais no montante total de R$ 18.000,00, sendo R$ 8.000,00 relativos a
serviços de terceiros e o restante a pessoal próprio.
30 Apropriação mensal da despesa de seguro e depreciação dos móveis e
utensílios.
30 Constatou que o valor realizável líquido, por unidade de PAMJ, é R$
25,00.
30 Pagamento de dividendos, em dinheiro, no valor correspondente a
40% do lucro do período.

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 47
110. Considerando somente os dados do enunciado, determine o valor do lu-
cro operacional do mês de setembro/X8.

(a) menor que 10.000,00


(b) entre 10.000,01 e 14.000,00
(c) entre 14.000,01 e 18.000,00
(d) entre 18.000,01 e 22.000,00
(e) maior que 22.000,01

111. Considerando somente os dados do enunciado, determine o percentual


do valor adicionado que foi distribuído aos empregados em setembro/X8.

(a) menor que 10%


(b) entre 10,01% e 20%
(c) entre 20,01% e 30%
(d) entre 30,01% e 40%
(e) maior que 40%

112. Considerando somente os dados do enunciado, quando da apropriação da


despesa de seguro relativa ao mês de setembro/X8, assinale o lançamento
contábil adequado.

(a)
D- Despesas Antecipadas – seguro (AC) 6.000
C- Disponibilidades (AC) 6.000

(b)
D- Despesas Operacionais – seguro (DRE) 500,00
C- Disponibilidades (AC) 500,00

(c)
D- Despesas Operacionais – seguro (DRE) 500,00
C- Seguros a Pagar (PC) 500,00

(d)
D- Despesas Antecipadas – seguro (AC) 500,00
C- Disponibilidades (AC) 500,00

(e)
D- Despesas Operacionais – seguro (DRE) 500,00
C- Despesas Antecipadas – seguro (AC) 500,00

113. Considerando somente os dados do enunciado, determine o valor do flu-


xo de caixa líquido da atividade de financiamento do mês de setembro/X8.

(a) menor que –5.000,00


(b) entre –4.999,99 e –1.000,00
(c) entre –999,99 e +3.000,00
(d) entre +20.000,01 e +24.000,00
(e) maior que +24.000,00

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 48
Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 49
GABARITO – AULA 06:

104 – A
105 – B
106 – E
107 – C
108 – D
109 – A
110 – B
111 – E
112 – E
113 – C

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 50
Bibliografia

Lei das Sociedades Anônimas com as alterações trazidas pela Lei no 11.638/07.

FERREIRA, Ricardo J. Contabilidade Avançada e Intermediária. Rio de Janeiro.


Editora Ferreira.

FERREIRA, Ricardo J. Contabilidade Básica. 3 a Edição. Rio de Janeiro. Editora


Ferreira. 2004.

FIPECAFI, Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações (aplicável as


demais sociedades). 6a Edição. São Paulo. Editora Atlas. 2003.

LUIZ FERRARI, Ed. Contabilidade Geral – Série Provas e Concursos. 5a Edição.


3a Tiragem. Elsevier Editora. 2005.

MOURA RIBEIRO, Osni. Contabilidade Geral Fácil – Para cursos de contabilida-


de e concursos em geral. 4a Edição. 4a Tiragem (2005). São Paulo. Editora Sa-
raiva. 2002.

VICECONTI, Paulo Eduardo Vilchez & NEVES, Silvério das. Contabilidade Avan-
çada e Análise das Demonstrações Financeiras. 12 a Edição. São Paulo. Editora
Frase. 2003.

Prof. José Jayme Moraes Junior – Contabilidade Geral em Exercícios – Div. Bancas 51