Você está na página 1de 2

JACQUES DE MOLAY

Esta biografia é sobre o último Grão Mestre da Ordem dos Pobres


Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão – Os Cavaleiros Templários.
Utilizei como consulta, os sites:
http://apk.sma.zaz.com.br/De Molay/cap/trab/jd.html
http://www.vip2000.net/De Molay-br/pe/cap.caruaru/jacques.html
Convido porém os leitores a consultarem mais detalhes nas dezenas de
sites sobre o assunto.

Historiadores modernos acreditam que Jacques De


Molay nasceu em Vitrey, distrito de Haute Saone, França,
no ano de 1244. Pouco é conhecido de sua família ou de
sua infância, mas com a idade de 21 anos tornou-se
membro da Ordem dos cavaleiros Templários.
A Ordem dos Templários foi uma organização de
caráter religioso militar, e surgiram a partir dos Cruzados
que tiveram um contato com os Cavaleiros do Templo, que
constituíam uma organização militar e filosófica. De Molay
comandou uma das maiores forças da cristandade, com
um exército de 1500 homens.
De Molay era um homem de ação, participou de
lutas na Palestina, passou pelo Egito, contra muçulmanos,
participou das cruzadas, que tinham por objetivo a libertação do túmulo de Cristo,
e fundar na palestina um império cristão sob o patrocínio da França e da Santa fé.
Após isto, surge a ambição de rei da França, como agravante, Filipe O
Belo, que percebendo o poderio que as Ordens dos Templários e os Hospitalários
teriam se estivessem unidas, propôs ao papa que as duas se unissem numa só.
Insinuou que poderia ser o Grão-Mestre, e afirmou que aceitaria outro, mas desde
que indicado por ele. Obtendo de resposta um não por parte de De Molay a
amizade entre o rei e a Ordem ficou seriamente abalada, o rei passou a odia-la,
assim como a De Molay. Esse ódio não foi manifestado exteriormente no início,
perante aos outros, Filipe continuou a prestigiar a Ordem e a De Molay.
Em outubro de 1307, Filipe o Belo mandou prender De Molay e todos os
Templários, sob acusação de heresia.
De Molay foi encarcerado durante anos, sendo continuamente torturado.
Entre outras barbaridades, ele teve esmagado os polegares, foi supliciado
com os sapatos de ferro, permaneceu sempre na sujeira e umidade e com a fome
como sua única companheira. Tudo isso, entre outras coisas, foi para forçar sua
confissão. Desta forma, De Molay, já como um ancião teve seu corpo
desconjuntado. Ele permaneceu durante sete anos neste cárcere.
Sua "confissão" foi obtida após sete anos de torturas continuas.
De Molay confessou que os Templários davam-se à sodomia, e que para
entrar na Ordem devia-se escarrar na cruz, entregavam-se a magia, feitiçaria, ao
culto ao diabo e que desviavam os fundos depositados no templo.
Logo após, De Molay foi levado a julgamento, junto a mais três dignitários
da Ordem. A maior parte da população permanecia em silencio sabendo o modo
como a confissão foi obtida. Durante o julgamento em praça pública com a
multidão as suas costas e os juizes a sua frente, De Molay respondia "Mentira!" a
cada acusação, e de repente fala: "Protesto! Protesto contra uma sentença iníqua
e afirmo que todos os crimes que nos acusam são inventados!" Isso provocou
agitação geral, e em vista da indecisão dos jurados, o rei tomou a decisão para si
sentenciando que De Molay e Godofredo (um dos acusados junto de De Molay)
seriam queimados. A sentença foi firmada e cumprida.
Na hora da morte De Molay brada a todos dizendo que era uma vergonha,
e que estavam queimando inocentes, e já quase morto, ele fala:
"Papa Clemente... Cavaleiro Guilherme de Nogaret... Rei Filipe: antes
de um ano eu vos intimo a comparecer diante do tribunal de Deus, para ali
receberdes o justo castigo. Malditos! Todos malditos até a décima terceira
geração de vossa raças!"
Outro fato impressionante, é que as maldições “se cumpriram”, todos
morreram em um ano, a dinastia de Filipe perdeu prestígio, tendo reis fracos e
extinguindo-se, dando lugar a dinastia dos Valois.
Leia mais sobre os Templários cujos descendentes, A Ordem de Cristo, foi
a responsável pelo “descobrimento” do Brasil.

Biografia gentilmente cedida por Vicente Soares (vsoares@telesp.com.br)

www.sti.com.br