Você está na página 1de 140
DOMINANDO O TWIDO TOTALMENTE Sumário MÓDULO 1: ESTRUTURA GERAL DE UM DISPOSITIVO DE AUTOMAÇÃO 1
DOMINANDO O TWIDO TOTALMENTE Sumário MÓDULO 1: ESTRUTURA GERAL DE UM DISPOSITIVO DE AUTOMAÇÃO 1

DOMINANDO O TWIDO TOTALMENTE

Sumário

MÓDULO 1: ESTRUTURA GERAL DE UM DISPOSITIVO DE AUTOMAÇÃO

1

 

SEÇÃO 1: O QUE É UM CONTROLADOR PROGRAMÁVEL?

1

 

Para que serve um Controlador Programável?

1

Estrutura de um Controlador Programável

1

A CPU ou processador

1

 

A memória

2

 

A interface de entradas/saídas

2

A fonte de alimentação

2

O

módulo de comunicação

2

O

que você deve lembrar

2

O

que é um Bit?

3

O

que é uma Palavra?

3

A

memória

4

As entradas / saídas

4

O

que você deve lembrar

5

O

que é um ciclo do Controlador?

5

O

que você deve lembrar

6

MÓDULO 2: EXEMPLOS DE APLICAÇÕES

6

 

SEÇÃO 1: SEMÁFOROS

6

 

Objetivo

6

 

Especificações

6

Escolha do Twido

7

O

que você deve lembrar

7

 

SEÇÃO 2: ADMINISTRAÇÃO DE UM ESTACIONAMENTO

7

 

Objetivo

7

 

Especificações

7

Funcionamento do estacionamento

8

Escolha do Twido

8

O

que você deve lembrar

8

Especificações

9

O

que você deve lembrar

9

MÓDULO 3: ESCOLHA DE UM DISPOSITIVO TWIDO

9

 

A

gama completa do Twido da Telemecanique

9

Aplicações do usuário

10

O

que você deve lembrar

10

O

Controlador Twido Modular

11

As principais características

11

Capacidades de expansão do Twido Modular

12

Capacidades de expansão utilizando relés

12

Capacidades de expansão utilizando transistores

12

Por que utilizar um Controlador Twido Modular?

12

Os LEDs do Controlador

13

Controladores: entradas/saídas

14

Módulos de expansão: entradas digitais

14

Módulos de expansão: entradas/saídas digitais

14

Módulos de expansão: saídas digitais

15

Módulos de expansão de E/S analógicas

15

Opcionais sugeridos: Relógio de Tempo Real

15

Opcionais sugeridos: Display de ajustes

16

Opcionais sugeridos: Memória de backup

16

  Opcionais sugeridos: expansão de memória 17 Opcionais sugeridos: Distribuição de memória 17
  Opcionais sugeridos: expansão de memória 17 Opcionais sugeridos: Distribuição de memória 17
 

Opcionais sugeridos: expansão de memória

17

Opcionais sugeridos: Distribuição de memória

17

Opcionais sugeridos: ligação serial

18

O

que você deve lembrar

18

Controladores

19

Entradas/saídas digitais

19

Entradas/Saídas analógicas

20

Sistemas de conexão

20

Opcionais de memória e relógio de tempo real

20

Opcionais de comunicação

20

Display de ajustes opcional

21

 

Acessórios

21

 

Software de programação e cabo para PC/Controlador

21

O

que você deve lembrar

21

MÓDULO 4: INSTALAÇÃO DO CONTROLADOR

21

 

Montagem do Controlador Twido Modular

22

Implantação do Relógio de Tempo Real (RTC) opcional

22

Montagem do Display de Ajustes opcional

22

Montagem da Porta de Comunicação Serial adicional

23

Montagem de um Módulo de Expansão

23

O

que você deve lembrar

24

Compatibilidade Eletromagnética (CEM)

24

Conceito de potência e controle

24

Exemplo de Cabeamento

25

Montagem de um Controlador Twido em painel

25

Sistemas de fiação do controlador

25

Conexão utilizando o sistema Telefast

25

Sistemas de fiação do Controlador

26

Atenção, Segurança em primeiro lugar!

26

Exemplo de controle de um estacionamento

26

Conexão da aplicação de controle do estacionamento

27

O

que você deve lembrar

27

MÓDULO 5: REVISÃO DA PROGRAMAÇÃO

28

 

Para que serve o software de programação?

28

Instalação do software de programação

28

Procedimento de instalação do software

29

Conexão do PC ao controlador

32

O

que você deve lembrar

32

Depurar o programa

32

Ajuste das variáveis do programa

33

Diagnóstico de defeitos

33

Modo off-line ou on-line

33

Modo off-line

33

Modo on-line

34

O

que pode ser feito no modo off-line ou on-line?

34

Como criar uma nova aplicação

34

Os elementos do software

35

O

navegador da aplicação

35

Como acessar o navegador?

35

A

barra de menu

35

O

menu "Tools"

36

O

menu "Hardware"

36

O

menu "Software"

36

O

menu "Program"

36

O

menu "Controller"

36

A

barra de ferramentas

36

  A barra de status 37 O que você deve lembrar 37 O que é
  A barra de status 37 O que você deve lembrar 37 O que é
 

A

barra de status

37

O

que você deve lembrar

37

O

que é um ciclo do Controlador?

38

Leitura das entradas

38

Execução do programa

38

Atualização das saídas

38

O

que você deve lembrar

38

 

Entradas

39

Saídas

40

 

Bits internos

40

Os bits internos dos controladores Twido

41

Bits de sistema

41

Os bits do sistema da base de tempo

41

Outros exemplos de bits de sistema

41

Palavras internas

42

A

distribuição de tipos de objeto na memória

43

Uma pergunta esperta

43

Temporizadores

44

Representação gráfica de um temporizador

44

Operação de um temporizador de tipo TON

45

Operação de um temporizador de tipo TOF

45

Operação de um temporizador de tipo TP

45

Contadores

46

Gráfico de representação de um contador

46

Exemplo de contagem aplicada em estacionamento

47

Como funciona um contador

47

O

que você deve lembrar

48

MÓDULO 6: PROGRAMAÇÃO (LINGUAGENS)

48

 

Para que serve uma linguagem?

48

Quais linguagens são utilizadas?

48

Linguagem Ladder

48

Linguagem de Lista de Instruções

49

Linguagem SFC

49

O

que você deve lembrar

50

Analogia linguagem Ladder / esquema elétrico

50

Analogia linguagem Ladder / esquema elétrico

51

Princípios da leitura da linguagem Ladder

51

Detalhes da leitura

51

 

Contatos

52

 

Contatos normalmente abertos e normalmente fechados

52

Detecção de subida e de descida de sinal

52

 

Bobinas

53

 

Bobinas e bobinas negadas

53

Bobinas de SET e de RESET

54

Temporizadores

54

Representação gráfica de um temporizador

55

Funcionamento detalhado de um temporizador tipo TON

55

Exemplo utilizando um temporizador tipo TON

56

Funcionamento detalhado de um temporizador tipo TOF

56

Exemplo utilizando um temporizador tipo TOF

57

Funcionamento detalhado de um temporizador tipo TP

57

Exemplo utilizando um temporizador tipo TP

57

Contadores

58

Representação gráfica do contador

58

Funcionamento detalhado de um contador

59

Exemplo de utilização de um contador

59

"Drum controllers"

59

  Representação gráfica de um "Drum Controller" 60 Como funciona um "Drum Controller" 61
  Representação gráfica de um "Drum Controller" 60 Como funciona um "Drum Controller" 61
 

Representação gráfica de um "Drum Controller"

60

Como funciona um "Drum Controller"

61

Utilizando o "Drum Controller"

61

A

matriz do "Drum Controller"

62

Exemplo de programação do Drum

62

Relógios de Tempo Real

62

Exemplo de sistema automático de irrigação

63

O editor da linguagem Ladder

63

A barra de ferramentas do editor

63

As

principais instruções da linguagem Ladder

65

Como criar uma Rung

65

Exemplo de inserção de Rung utilizando o mouse

66

O

que você deve lembrar:

66

Regras para escrever uma frase de programa

66

 

Contatos

67

 

Combinações de contatos simples

68

Combinações de contatos múltiplos

68

 

Bobinas

69

 

Exemplos de passos

69

Resumo das instruções

70

O

temporizador na Lista de Instruções

70

O

contador na Lista de Instruções

71

O

"Drum controller" na linguagem Lista de Instruções

71

Reversibilidade Lista de Instruções / Ladder

72

O

que você deve lembrar

72

O

que é SFC?

73

Os

passos da linguagem SFC

73

Transição da linguagem SFC

74

Ligações SFC

75

Princípios de programação

75

Estrutura de um programa utilizando a SFC

76

Processamento preliminar

76

Processamento seqüencial

76

Processamento posterior

77

Como escrever o programa

78

Exemplo: Especificações

79

Estrutura de um programa utilizando SFC

80

Conteúdo do processamento preliminar

80

Conteúdo do processamento seqüencial

81

Conteúdo do processamento posterior

81

O

que você deve lembrar

82

MÓDULO 7: PROCEDIMENTOS

82

 

Criar uma nova aplicação

82

Escolher a referência do produto Twido

83

Escrever o programa

83

Salvar o programa

84

Transferir para o controlador

85

EXECUTAR (RUN)

86

Simulação da operação do circuito paralelo

87

Procurar um elemento no programa

87

O

que você deve lembrar

89

Princípio e objetivo da documentação

89

 

Conselho

90

 

Como adicionar um comentário?

90

Como adicionar um símbolo?

91

Como criar a documentação?

93

Exemplo de documentação padrão

95

  O que você deve lembrar 96 O editor da linguagem Ladder 96 Exemplo do
  O que você deve lembrar 96 O editor da linguagem Ladder 96 Exemplo do
 

O

que você deve lembrar

96

O

editor da linguagem Ladder

96

Exemplo do editor de linguagem Ladder

96

As tabelas de animação

96

Exemplo de tabela de animação

97

Como criar uma tabela de animação

97

Forçar uma entrada ou saída

97

Forçar uma entrada

97

Forçar uma saída

98

O

que você deve lembrar

98

Operadores do Twido

99

MÓDULO 8: FUNCIONALIDADES DO TWIDO

99

 

O

que é uma funcionalidade?

99

O

Display de Ajustes

99

Funções analógicas

100

Funções de contagem

100

Funções de comunicação

100

O

que você deve lembrar

101

 

Hardware

101

 

O

que pode ser feito com este hardware?

101

Obter informações sobre o Twido

102

Modificar a data e à hora

103

O

que você deve lembrar

103

 

Hardware

104

 

Objetos da linguagem

105

O

que você deve lembrar

105

 

Hardware

105

 

Princípios de operação

106

Características gerais da contagem rápida

106

Bloco de função %FCi de contagem rápida

106

Contagem rápida: representação do bloco de função %FCi

108

Contagem rápida: configuração do contador rápido

108

Contagem rápida: integração de um contador rápido no programa

109

Características gerais da contagem muito rápida

110

Contagem muito Rápida: entradas e saídas físicas

110

Contagem Muito Rápida: bloco de função %VFCi

111

Contador Muito Rápido: representação do bloco de função %VFCi

115

Contagem Muito Rápida: configurar o contador rápido

115

O

que você deve lembrar

116

 

Hardware

116

 

Hardware: sumário

117

Entradas / saídas remotas: arquitetura

117

Entradas / saídas remotas: conexões

118

Entradas / saídas remotas: configuração

118

Entradas / saídas remotas: acessar as E/S remotas

120

Entradas / saídas remotas: exemplos

120

Entradas / saídas remotas: conclusão

120

Comunicação entre CPUs: arquitetura

121

Comunicação entre CPUs: configuração

121

Comunicação entre CPUs: objetos da rede

123

Comunicação entre CPUs: objetos compartilhados

123

Comunicação entre CPUs: conclusão

123

Soluções combinadas

124

Comunicação no modo ASCII

124

Comunicação no modo ASCII: conexões

125

Comunicação no modo ASCII: configuração

125

Comunicação no modo ASCII: programação

126

  Comunicação no modo ASCII: demonstração de transmissão de mensagem 126 Comunicação no modo ASCII:
  Comunicação no modo ASCII: demonstração de transmissão de mensagem 126 Comunicação no modo ASCII:
 

Comunicação no modo ASCII: demonstração de transmissão de mensagem

126

Comunicação no modo ASCII: conclusão

127

Comunicação Modbus: características gerais

127

Comunicação Modbus: conexões

127

Comunicação Modbus: configuração do mestre

128

Comunicação Modbus: configuração do escravo no endereço 10

128

Comunicação Modbus: exemplo de palavras de leitura

129

Comunicação Modbus: exemplo de palavras de escrita

130

Comunicação Modbus: conclusão

130

O

que você deve lembrar

131

MÓDULO 9: MANUTENÇÃO E DIAGNÓSTICO

131

 

Histórico de falhas do controlador

131

As

ferramentas de diagnóstico das falhas

131

O

que você deve lembrar

132

Os LEDs do Controlador

132

Os LEDs de entrada e saída

133

Os LEDs de estado

133

Diagnóstico: O LED PWR está desligado

133

Diagnóstico: o LED RUN está piscando

133

O

que você deve lembrar

134

Módulo 1: Estrutura geral de um dispositivo de automação Seção 1: O que é um
Módulo 1: Estrutura geral de um dispositivo de automação Seção 1: O que é um

Módulo 1: Estrutura geral de um dispositivo de automação

Seção 1: O que é um Controlador Programável?

Objetivo

O objetivo desta seção é definir o que é um Controlador Programável. Se você já sabe o que

é um Controlador Programável, você pode ir diretamente para a seção 2 deste módulo.

Após rever o objetivo dos Controladores Programáveis, veremos como foram projetados para compreender como funcionam.

Para que serve um Controlador Programável?

Num sistema automação, o Controlador Programável constitui o sistema de processamento de dados. É o cérebro da instalação. O Controlador decide e envia as ações necessárias a serem realizadas em função dos dados recebidos.

Estrutura de um Controlador Programável

Para que serve o barramento?

O barramento permite a comunicação entre todas as partes do sistema. É a ferramenta de

diálogo interno do Controlador. Os outros blocos serão descritos nas próximas páginas.

Os outros blocos serão descritos nas próximas páginas. A CPU ou processador A CPU, ou processador,

A CPU ou processador

A CPU, ou processador, constitui o motor ou o "mestre de cerimônia" do Controlador.

É a CPU que:

Lê os valores dos sensores

Executa o programa com os dados contidos na memória

Escreve nas saídas conectadas aos atuadores

A memória A memória do controlador contém o programa a ser executado, mas também os
A memória A memória do controlador contém o programa a ser executado, mas também os

A memória

A memória do controlador contém o programa a ser executado, mas também os dados

utilizados por este programa (valores do temporizador, do contador etc.). É onde todos os dados contidos no controlador são armazenados. Sem a memória, um controlador não pode operar.

A interface de entradas/saídas

A interface de entradas/saídas é utilizada para transferir o estado dos sensores para o

Controlador. É também utilizada para enviar comandos aos atuadores, por exemplo, relés, contatores etc.

A fonte de alimentação

Um Controlador é um dispositivo ativo. O Controlador Twido Modular contém uma fonte de alimentação interna que recebe 24 volts CC e gera tensões internas diferentes, necessárias para a operação do Controlador.

O módulo de comunicação

Como já foi visto, o Controlador constitui o cérebro de um dispositivo de automação. Ele contém o programa que descreve as ações a serem realizadas. Este programa, que é criado em seu computador, deve ser transferido para o Controlador. Esta é a tarefa do módulo de comunicação. Em um Controlador Twido, o módulo de comunicação é interno e visível somente através de seus conectores.

O que você deve lembrar

As partes principais de um Controlador Programável são:

O processador

A memória

A interface de entradas/saídas

A fonte de alimentação

O módulo de comunicação

Todas estas funções comunicam-se entre si através de um barramento interno.

Seção 2: Conceitos essenciais

Objetivo

O objetivo desta seção é relembrar algumas noções essenciais à compreensão do funcionamento de um Controlador. Se você já sabe como funciona um Controlador, você pode ir diretamente para a seção 3 deste módulo. É essencial saber o que é um Bit, o que é uma Palavra, quais tipos de memória existentes e o que são as entradas e saídas de um Controlador.

O que é um Bit? Existem vários tipos de Bits: bits de entrada, bits de
O que é um Bit? Existem vários tipos de Bits: bits de entrada, bits de

O que é um Bit?

Existem vários tipos de Bits: bits de entrada, bits de saída e bits internos.

de Bits: bits de entrada, bits de saída e bits internos. O que é uma Palavra?

O que é uma Palavra?

Uma palavra corresponde a um número e pode representar o valor predefinido de um temporizador ou de um contador.

o valor predefinido de um temporizador ou de um contador. Rua Durval Dias de Abreu, nº
A memória A memória, como já foi visto, é uma área onde as informações são
A memória A memória, como já foi visto, é uma área onde as informações são

A memória

A memória, como já foi visto, é uma área onde as informações são armazenadas. Estas informações podem ser dadas:

Bits: bits de entrada, bits de saída ou bits internos.

Palavras: valores de temporizadores, contadores etc.

As informações podem ser também instruções a serem enviadas. Este é o caso de um programa do Controlador. Há dois tipos de memória:

Memória de Acesso Randômico: Permite o armazenamento de números ou valores que mudam com o tempo (valores de temporizadores, contadores etc.). É chamada memória RAM.

Memória Somente de Leitura: Permite o armazenamento de valores constantes, dados de segurança (p.ex. valores predefinidos de um contador, instruções de um programa). Os diferentes tipos de Memória Somente de Leitura são:

- ROM

- PROM

- REPROM

- EEPROM

As entradas / saídas

As entradas e saídas constituem as ligações físicas do Controlador com o mundo externo. Para você, são simples terminais de conexão, mas para o Controlador elas representam um sistema que:

Transforma um sinal elétrico em um: estado lógico (0 ou 1), no caso das entradas.

em um: estado lógico (0 ou 1), no caso das entradas. ∑ Transforma um sinal elétrico

Transforma um sinal elétrico em um: estado lógico (0 ou 1), no caso das entradas.

O que você deve lembrar ∑ Um bit representa uma área na memória, que pode
O que você deve lembrar ∑ Um bit representa uma área na memória, que pode
O que você deve lembrar ∑ Um bit representa uma área na memória, que pode

O que você deve lembrar

Um bit representa uma área na memória, que pode possuir dois valores 0 ou 1.

Uma palavra representa uma área na memória que contém um valor numérico. É utilizado para armazenar uma duração de tempo, um valor de contagem

A memória do controlador contém dados ou instruções de programa.

Pode ser de dois tipos: RAM ou ROM. A Memória de Acesso Randômico (RAM) que pode ser lida e escrita, e, a Memória Somente de Leitura (ROM) que pode somente ser lida.

As entradas e as saídas são ligações físicas com o mundo externo. Elas permitem ao controlador entender e gerar sinais elétricos.

Seção 3: Como funciona um Controlador Programável

Objetivo

O objetivo desta seção é fornecer uma visão geral do funcionamento de um Controlador Programável. Introduziremos o conceito de ciclo do Controlador e, então, definiremos o que são programa e linguagem de programação. Finalmente, utilizaremos uma linguagem de programação (linguagem Ladder) para ilustrar nossas explicações.

O que é um ciclo do Controlador?

Assim que executarmos o programa, o Controlador realizará três fases ciclicamente:

programa, o Controlador realizará três fases ciclicamente: Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 – Jd.
No final da terceira fase , o controlador volta à Fase 1 , e assim
No final da terceira fase , o controlador volta à Fase 1 , e assim

No final da terceira fase, o controlador volta à Fase 1, e assim por diante.

fase , o controlador volta à Fase 1 , e assim por diante. O que você

O que você deve lembrar

Um ciclo do Controlador é composto de 3 fases:

Fase 1: Leitura instantânea e armazenamento do estado das entradas

Fase 2: Execução do programa

Fase 3: Atualização das saídas

Módulo 2: Exemplos de aplicações

Seção 1: Semáforos

Objetivo

O objetivo desta seção é fornecer um simples exemplo de uma aplicação de um dispositivo de

automação baseada em um Controlador Twido Modular.

Utilizaremos o exemplo do controle de um semáforo para ilustrar.

Especificações

Controlaremos o tráfego no cruzamento de duas avenidas, sendo a avenida B na vertical e a avenida A na horizontal.

O ciclo do semáforo será o seguinte:

Semáforo A fica vermelho por 5 s; semáforo B se mantém verde

Semáforo B fica amarelo por 2 s; semáforo A se mantém vermelho

Semáforo B muda para vermelho; semáforo A se mantém vermelho por 1s

Semáforo A muda para verde; semáforo B se mantém vermelho por 5s

Semáforo A muda para amarelo por 2 s; semáforo B se mantém vermelho

Semáforo A muda para vermelho; semáforo B se mantém vermelho por 1s

Escolha do Twido Para criar esta pequena aplicação do Controlador, serão necessárias no mínimo 6
Escolha do Twido Para criar esta pequena aplicação do Controlador, serão necessárias no mínimo 6
Escolha do Twido Para criar esta pequena aplicação do Controlador, serão necessárias no mínimo 6

Escolha do Twido

Para criar esta pequena aplicação do Controlador, serão necessárias no mínimo 6 saídas (uma para cada lâmpada de cada semáforo).

Poderíamos utilizar um Twido Compacto, porém, se no futuro decidirmos melhorar o sistema de controle de semáforos (por exemplo, implementar semáforos inteligentes de forma a controlar o fluxo de veículos) seria melhor utilizar um Twido Modular.

"Para este exemplo, escolhemos um Twido Modular com saídas a relé para controlar

dos semáforos. A referência do Twido Modular escolhido é:

TWDLMDA20DRT".

diretamente as lâmpadas

O que você deve lembrar

Você acabou de ver um exemplo que utiliza um Twido Modular.

Seção 2: Administração de um estacionamento

Objetivo

O objetivo desta seção é fornecer um segundo exemplo de aplicação de um dispositivo de automação baseada em um Controlador Twido Modular.

Utilizaremos o exemplo da administração de um estacionamento para ilustrar.

Especificações

Nosso objetivo é implementar a operação de um estacionamento que utiliza um sistema padrão de cancelas para controlar a entrada e a saída de veículos. A inserção de um código ou a validação de tickets não serão controladas pelo nosso sistema, mas implantaremos as seguintes funções:

Contagem de veículos para fechar o acesso ao estacionamento, se mais de 10 veículos já estiverem dentro.

Manter o semáforo verde aceso, enquanto o número máximo de veículos não for atingido.

∑ Acender o semáforo vermelho quando o número máximo de veículos for atingido. ∑ Apagar
∑ Acender o semáforo vermelho quando o número máximo de veículos for atingido. ∑ Apagar

Acender o semáforo vermelho quando o número máximo de veículos for atingido.

Apagar o semáforo verde quando o número máximo de veículos for atingido.

Manter abaixadas as cancelas da entrada quando o número máximo de veículos for atingido.

Exibir o número de veículos estacionados na instalação.

Utilização de 2 botões à impulsão para alterar o número de veículos estacionados (p. ex., para reservar vagas para VIPs ou funcionários). Cada impulsão no 1º botão aumenta em 1 o número de veículos, e cada impulsão no 2º botão, diminui em 1 o número de veículos mostrados.

Funcionamento do estacionamento

de veículos mostrados. Funcionamento do estacionamento Escolha do Twido Para criar esta aplicação de automação,

Escolha do Twido

Para criar esta aplicação de automação, precisaremos de:

1 saída para bloquear a cancela (considerar uma cancela com possibilidade de anular o bloqueio da cancela)

1 saída para a sinalização verde

1 saída para a sinalização vermelha

1 entrada de contagem (veículos que entram)

1 entrada de contagem regressiva (veículos que saem)

1 entrada do PB1 (aumenta o número de veículos no estacionamento)

1 entrada do PB2 (diminui o número de veículos no estacionamento)

8 saídas para dois displays de 7 segmentos (4 por display)

Escolhemos um Twido Modular com saídas a transistor para controlar diretamente os displays de 7 segmentos e inseriremos relés para a sinalização. A referência do Twido Modular escolhido é: TWDLMDA40DUK.

O que você deve lembrar

Você acabou de ver um exemplo que utiliza o Twido Modular. A escolha de saídas a transistor é ligada à utilização do display de 7 segmentos. Seria possível escolher um módulo básico com transistores e uma extensão com saídas a relé. As referências dos produtos seriam as seguintes:

TWDLMDA20DUK (Twido 20 E/S 24 volts)

TWDDRA8RT (extensão com 8 saídas a relé)

Seção 3: Enchimento de garrafas numa mesa rotatória Objetivo O objetivo desta seção é fornecer
Seção 3: Enchimento de garrafas numa mesa rotatória Objetivo O objetivo desta seção é fornecer

Seção 3: Enchimento de garrafas numa mesa rotatória

Objetivo

O objetivo desta seção é fornecer um terceiro exemplo de aplicação industrial que utiliza um

Controlador Twido Modular. Utilizaremos o exemplo de enchimento de garrafas numa mesa rotatória para ilustrar.

Especificações

Nosso objetivo é criar um sistema de enchimento de garrafas utilizando uma mesa rotatória. Para fazer isto precisamos descrever cada etapa do sistema:

Detectar garrafa vazia

Encher garrafa

Detectar nível de enchimento

Tampar garrafa

Detectar tampa

Retirar garrafa

Detectar a retirada da garrafa

O que você deve lembrar

Você acabou de ver um exemplo que utiliza o Twido Modular para implementar uma aplicação industrial. Como veremos nas próximas seções, um Twido pode administrar uma unidade de produção individual e comunicar-se com as outras unidades da linha de produção, tornando-se assim um componente em harmonia com todo o processo de produção.

Módulo 3: Escolha de um dispositivo Twido

Seção 1: Visão geral da gama Twido da Telemecanique

Objetivo

O objetivo desta seção é fornecer uma visão geral da gama de produtos de automação Twido

da Telemecanique.

Mostraremos os diferentes produtos e expansões, e especificaremos os tipos de aplicações que podem ser realizadas.

A gama completa do Twido da Telemecanique

Compacto: Controlador compacto.

Twido da Telemecanique ∑ Compacto : Controlador compacto. Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 –
∑ Modular: Grande flexibilidade na capacidade de expansão. Aplicações do usuário ∑ Automação de um
∑ Modular: Grande flexibilidade na capacidade de expansão. Aplicações do usuário ∑ Automação de um

Modular: Grande flexibilidade na capacidade de expansão.

Modular: Grande flexibilidade na capacidade de expansão. Aplicações do usuário ∑ Automação de um portão

Aplicações do usuário

na capacidade de expansão. Aplicações do usuário ∑ Automação de um portão elétrico, ∑ Sistema

Automação de um portão elétrico,

Sistema automático de irrigação,

Uma piscina etc. Twido Compacto com 10 E/S ou 16 E/S

∑ Uma piscina etc. Twido Compacto com 10 E/S ou 16 E/S ∑ Máquinas ferramenta, ∑

Máquinas ferramenta,

Unidades de produção etc. Twido Compacto com 24 E/S

O que você deve lembrar

Existem duas gamas Twido:

a gama Twido Compacto e a gama Twido Modular.

As configurações e aplicações possíveis são numerosas graças à gama de módulos de expansão disponível.

Seção 2: O Twido Modular

Objetivo

O objetivo desta seção é fornecer uma visão geral do Twido Modular.

Se desejar obter mais informações sobre as principais características dos Controladores Twido Compacto, consulte o módulo 3 do curso Dominando o Twido totalmente ou a documentação técnica do Twido.

Ao mostrarmos as características gerais do Twido Modular, forneceremos uma descrição detalhada do produto.

O Controlador Twido Modular O Twido Modular é uma solução flexível e extensível na gama
O Controlador Twido Modular O Twido Modular é uma solução flexível e extensível na gama

O Controlador Twido Modular

O Twido Modular é uma solução flexível e extensível na gama de produtos Twido.

Há três tipos de CPUs para o Twido Modular que podem ser combinadas com diferentes módulos de entradas/saídas.

ser combinadas com diferentes módulos de entradas/saídas. Há 2 referências para as CPUs com 20 E/S

Há 2 referências para as CPUs com 20 E/S a transistor, 2 referências para as CPUs com 40 E/S a transistor e 1 referência para a CPU com 20 E/S a relé.

As principais características

a CPU com 20 E/S a relé. As principais características Rua Durval Dias de Abreu, nº
Capacidades de expansão do Twido Modular Com 7 módulos de expansão, você pode obter até
Capacidades de expansão do Twido Modular Com 7 módulos de expansão, você pode obter até

Capacidades de expansão do Twido Modular

Capacidades de expansão do Twido Modular Com 7 módulos de expansão, você pode obter até 264

Com 7 módulos de expansão, você pode obter até 264 E/S.

Capacidades de expansão utilizando relés

Aqui, as limitações são devidas à utilização de módulos a relé.

são devidas à utilização de módulos a relé. Capacidades de expansão utilizando transistores A

Capacidades de expansão utilizando transistores

A proporção entrada-saída proposta representa uma aplicação padrão.

entrada-saída proposta representa uma aplicação padrão. Por que utilizar um Controlador Twido Modular? O Twido

Por que utilizar um Controlador Twido Modular?

O Twido Modular:

É fácil de instalar, conectar e programar,

Possui muitas possibilidades de expansão (até 7 módulos).

Os LEDs do Controlador O Twido Modular possui dois tipos de LEDs: ∑ Os LEDs
Os LEDs do Controlador O Twido Modular possui dois tipos de LEDs: ∑ Os LEDs

Os LEDs do Controlador

O Twido Modular possui dois tipos de LEDs:

Os LEDs de estado de operação interna,

tipos de LEDs: ∑ Os LEDs de estado de operação interna, ∑ Os LEDs de entrada

Os LEDs de entrada e saída.

de operação interna, ∑ Os LEDs de entrada e saída. Os LEDs de entrada e saída

Os LEDs de entrada e saída são utilizados para determinar o estado das entradas e das saídas. Os LEDs de estado de operação interna são utilizados para determinar o estado do Twido Modular.

são utilizados para determinar o estado do Twido Modular. Rua Durval Dias de Abreu, nº 245
Controladores: entradas/saídas Módulos de expansão: entradas digitais Módulos de expansão: entradas/saídas digitais
Controladores: entradas/saídas Módulos de expansão: entradas digitais Módulos de expansão: entradas/saídas digitais

Controladores: entradas/saídas

Controladores: entradas/saídas Módulos de expansão: entradas digitais Módulos de expansão: entradas/saídas digitais

Módulos de expansão: entradas digitais

entradas/saídas Módulos de expansão: entradas digitais Módulos de expansão: entradas/saídas digitais Rua Durval

Módulos de expansão: entradas/saídas digitais

digitais Módulos de expansão: entradas/saídas digitais Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 – Jd. Frei
Módulos de expansão: saídas digitais Módulos de expansão de E/S analógicas A resolução destes módulos
Módulos de expansão: saídas digitais Módulos de expansão de E/S analógicas A resolução destes módulos

Módulos de expansão: saídas digitais

Módulos de expansão: saídas digitais Módulos de expansão de E/S analógicas A resolução destes módulos é

Módulos de expansão de E/S analógicas

A resolução destes módulos é de 12 bits.

E/S analógicas A resolução destes módulos é de 12 bits. Opcionais sugeridos: Relógio de Tempo Real

Opcionais sugeridos: Relógio de Tempo Real

O Twido Modular pode ser equipado com um Relógio de Tempo Real, que possibilita a utilização de instruções de gerenciamento de tempo e assim operar as máquinas de acordo com um calendário.

Opcionais sugeridos: Display de ajustes O módulo de display opcional TWDXCPODM é acoplado na lateral
Opcionais sugeridos: Display de ajustes O módulo de display opcional TWDXCPODM é acoplado na lateral
Opcionais sugeridos: Display de ajustes O módulo de display opcional TWDXCPODM é acoplado na lateral

Opcionais sugeridos: Display de ajustes

O módulo de display opcional TWDXCPODM é acoplado na lateral esquerda do Twido Modular. Este módulo possui um display e 4 botões à impulsão. Pode ser utilizado para controlar e visualizar a aplicação de automação criada com o Twido Modular.

a aplicação de automação criada com o Twido Modular . Chamado também de IHM, este opcional

Chamado também de IHM, este opcional pode ser acoplado ao Twido Compacto utilizando a unidade de display TWDXCPODC.

Opcionais sugeridos: Memória de backup

Trata-se de um opcional de memória EEPROM de backup de 32 KB, que pode ser utilizado para backup e restaurar uma aplicação inteira sem precisar de um console de programação.

Mantém o programa do Controlador em um lugar seguro

Restaura automaticamente um programa eventualmente danificado do Controlador

Duplica o programa para máquinas idênticas

O programa mantido na memória é automaticamente transferido para o Twido. Este opcional também funciona
O programa mantido na memória é automaticamente transferido para o Twido. Este opcional também funciona
O programa mantido na memória é automaticamente transferido para o Twido. Este opcional também funciona

O programa mantido na memória é automaticamente transferido para o Twido. Este opcional também funciona com o Twido Compacto.

Opcionais sugeridos: expansão de memória

Utilize este opcional para adicionar 64 KB de memória EEPROM. Pode ser utilizado para armazenar programas grandes e com mais dados.

utilizado para armazenar programas grandes e com mais dados. Este opcional funciona somente com o Twido

Este opcional funciona somente com o Twido Modular TWDLMDA20DRT, TWDLMDA40DUK

e TWDLMDA40DTK.

Opcionais sugeridos: Distribuição de memória

A memória é distribuída diferentemente, se a expansão de memória foi acionada.

Distribuição de memória sem a expansão

acionada. ∑ Distribuição de memória sem a expansão Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 –
∑ Distribuição de memória com a expansão Opcionais sugeridos: ligação serial Este opcional fornece ao
∑ Distribuição de memória com a expansão Opcionais sugeridos: ligação serial Este opcional fornece ao

Distribuição de memória com a expansão

∑ Distribuição de memória com a expansão Opcionais sugeridos: ligação serial Este opcional fornece ao Twido

Opcionais sugeridos: ligação serial

Este opcional fornece ao Twido Modular uma ligação serial adicional. Pode ser utilizado para comunicar com os protocolos RS 485 ou RS 232. O opcional vem com um conector miniDIN ou um terminal de parafuso.

vem com um conector miniDIN ou um terminal de parafuso. Este opcional também é disponível no
vem com um conector miniDIN ou um terminal de parafuso. Este opcional também é disponível no

Este opcional também é disponível no Twido Compacto com 16 e 24 E/S

O que você deve lembrar

Há 5 referências de CPUs do Twido Modular, os módulos possuem 20 ou 40 E/S e podem ser expandidos com, no máximo, 7 módulos.

O máximo de E/S é 264.

Os módulos de expansão de E/S analógicas são disponíveis para 4-20 mA e 0-10 V.

Os seguintes opcionais também são disponíveis:

Relógio de Tempo Real,

Display de ajustes,

Opção de memória,

Opção de backup,

Comunicação serial adicional.

Seção 3: Referências dos produtos

Objetivo

O objetivo desta seção é fornecer uma visão geral das referências do produto Twido Modular.

Controladores Entradas/saídas digitais Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 – Jd. Frei Eugênio –
Controladores Entradas/saídas digitais Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 – Jd. Frei Eugênio –

Controladores

Controladores Entradas/saídas digitais Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 – Jd. Frei Eugênio – Uberaba/MG.

Entradas/saídas digitais

Controladores Entradas/saídas digitais Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 – Jd. Frei Eugênio – Uberaba/MG.
Entradas/Saídas analógicas Sistemas de conexão Opcionais de memória e relógio de tempo real Opcionais de
Entradas/Saídas analógicas Sistemas de conexão Opcionais de memória e relógio de tempo real Opcionais de

Entradas/Saídas analógicas

Entradas/Saídas analógicas Sistemas de conexão Opcionais de memória e relógio de tempo real Opcionais de

Sistemas de conexão

Entradas/Saídas analógicas Sistemas de conexão Opcionais de memória e relógio de tempo real Opcionais de

Opcionais de memória e relógio de tempo real

de conexão Opcionais de memória e relógio de tempo real Opcionais de comunicação Rua Durval Dias

Opcionais de comunicação

memória e relógio de tempo real Opcionais de comunicação Rua Durval Dias de Abreu, nº 245
Display de ajustes opcional Acessórios Software de programação e cabo para PC/Controlador O que você
Display de ajustes opcional Acessórios Software de programação e cabo para PC/Controlador O que você

Display de ajustes opcional

Display de ajustes opcional Acessórios Software de programação e cabo para PC/Controlador O que você deve

Acessórios

Display de ajustes opcional Acessórios Software de programação e cabo para PC/Controlador O que você deve

Software de programação e cabo para PC/Controlador

Software de programação e cabo para PC/Controlador O que você deve lembrar Você sabe como encomendar

O que você deve lembrar

Você sabe como encomendar um Controlador Twido.

Módulo 4: Instalação do Controlador

Seção 1: Montagem do Controlador Twido Modular

Objetivo

O objetivo desta seção é mostrar como montar o Twido Modular.

Montagem do Controlador Twido Modular

Implantação do Relógio de Tempo Real (RTC) opcional

Implantação da Expansão de Memória

Montagem do Display de Ajustes opcional

Montagem do Controlador Twido Modular Implantação do Relógio de Tempo Real (RTC) opcional O RTC
Montagem do Controlador Twido Modular Implantação do Relógio de Tempo Real (RTC) opcional O RTC

Montagem do Controlador Twido Modular

Montagem do Controlador Twido Modular Implantação do Relógio de Tempo Real (RTC) opcional O RTC opcional

Implantação do Relógio de Tempo Real (RTC) opcional

O RTC opcional permite que o Twido controle as aplicações que necessitam de um calendário (por exemplo, limpeza automática de uma piscina, todas as noites após as 22h).

automática de uma piscina, todas as noites após as 22h). Se desejar realizar uma função programada

Se desejar realizar uma função programada segundo o tempo em sua aplicação, este opcional é indispensável.

Montagem do Display de Ajustes opcional

O Display de Ajustes opcional permite exibirem dados e receber instruções através de botões à impulsão integrados.

Montagem da Porta de Comunicação Serial adicional Montagem de um Módulo de Expansão Rua Durval
Montagem da Porta de Comunicação Serial adicional Montagem de um Módulo de Expansão Rua Durval
Montagem da Porta de Comunicação Serial adicional Montagem de um Módulo de Expansão Rua Durval

Montagem da Porta de Comunicação Serial adicional

Montagem da Porta de Comunicação Serial adicional Montagem de um Módulo de Expansão Rua Durval Dias
Montagem da Porta de Comunicação Serial adicional Montagem de um Módulo de Expansão Rua Durval Dias

Montagem de um Módulo de Expansão

Serial adicional Montagem de um Módulo de Expansão Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 –
O que você deve lembrar Você acabou de ver como é fácil instalar o Controlador
O que você deve lembrar Você acabou de ver como é fácil instalar o Controlador

O que você deve lembrar

Você acabou de ver como é fácil instalar o Controlador Twido Modular, conectar as expansões de entradas/saídas e adicionar opcionais tais como:

Relógio de Tempo Real (RTC),

Display de Ajustes,

Expansão de Memória,

Comunicação Serial.

Seção 2: Regras de instalação e montagem

Objetivo

O objetivo desta seção é fornecer uma visão geral das regras de montagem e instalação de um

Controlador. Após uma breve revisão da CEM (Compatibilidade Eletromagnética), estudaremos os diferentes sistemas de montagem e conexão utilizados com os Controladores Twido Modular.

Montagem em painel

Sistema de fiação

Conexões da fonte de alimentação

Compatibilidade Eletromagnética (CEM)

O que é CEM?

Uma corrente elétrica fluindo através de um condutor gera ondas eletromagnéticas (interferências) que podem interromper o funcionamento de aparelhos elétricos. É, porém, necessário assegurar-se de que dispositivos elétricos em operação no mesmo ambiente, não interrompam o funcionamento uns dos outros.

Dispositivos como o Twido atendem a certas normas da CEM. É, no entanto, necessário seguir as regras de maneira a não interromper sua operação.

Conceito de potência e controle

Na automação, uma regra fundamental de CEM é separar claramente os cabos de potência dos cabos de controle.

Cabo de potência é a alimentação de um atuador, como um motor, por exemplo.

Cabo de controle é um cabo que conecta sensores (fotocélulas, sensores de nível etc.) para placas de circuito elétrico, controladores, relés etc.

Exemplo de Cabeamento A ilustração abaixo mostra a disposição correta de um controlador instalado em
Exemplo de Cabeamento A ilustração abaixo mostra a disposição correta de um controlador instalado em

Exemplo de Cabeamento

A ilustração abaixo mostra a disposição correta de um controlador instalado em um painel.

correta de um controlador instalado em um painel. Montagem de um Controlador Twido em painel Sistemas

Montagem de um Controlador Twido em painel

em um painel. Montagem de um Controlador Twido em painel Sistemas de fiação do controlador O

Sistemas de fiação do controlador

O sistema de conexão mais difundido é o que utiliza um cabo com adaptador que conecta os

terminais do controlador a um conjunto de terminais existente no painel.

Conexão utilizando o sistema Telefast

O sistema Telefast é um sistema de conexão rápida para Controladores. O Telefast também é

modular e possui um sistema integrado de diagnósticos (LEDs). As conexões Telefast necessitam do Twido ou dos módulos de expansão com conectores HE10.

do Twido ou dos módulos de expansão com conectores HE10. Rua Durval Dias de Abreu, nº
do Twido ou dos módulos de expansão com conectores HE10. Rua Durval Dias de Abreu, nº
Sistemas de fiação do Controlador A conexão da alimentação do Twido é relativamente simples. No
Sistemas de fiação do Controlador A conexão da alimentação do Twido é relativamente simples. No

Sistemas de fiação do Controlador

A conexão da alimentação do Twido é relativamente simples. No entanto, não esqueça do fusível de segurança para evitar danos em seu equipamento. Para ver a fiação da alimentação.

Atenção, Segurança em primeiro lugar!

Acima

equipamento.

de

tudo,

não

esqueça

de

utilizar

os

fusíveis

de

segurança

para

proteger

seu

de utilizar os fusíveis de segurança para proteger seu Exemplo de controle de um estacionamento Rua

Exemplo de controle de um estacionamento

para proteger seu Exemplo de controle de um estacionamento Rua Durval Dias de Abreu, nº 245
Conexão da aplicação de controle do estacionamento Você encontrará o diagrama de conexões que indica
Conexão da aplicação de controle do estacionamento Você encontrará o diagrama de conexões que indica

Conexão da aplicação de controle do estacionamento

Você encontrará o diagrama de conexões que indica as seguintes entradas e saídas a seguir:

I0 para a entrada de contagem

I1 para a entrada de contagem decrescente

I2 para os botões à impulsão utilizados para aumentar o número de veículos autorizados a entrar no estacionamento

I3 para os botões à impulsão utilizados para diminuir o número de veículos autorizados a entrar no estacionamento

Q0 até Q3 para as dezenas do display com 7 segmentos

Q4 até Q7 para as unidades do display com 7 segmentos

Q8 para bloquear a cancela

Q9 para a sinalização verde

Q10 para a sinalização

Vermelha

A referência do Twido escolhido é TWDLMDA40DUK. Precisaremos conectar 4 entradas e 11 saídas.

TWDLMDA40DUK. Precisaremos conectar 4 entradas e 11 saídas. O que você deve lembrar Uma corrente elétrica

O que você deve lembrar

Uma corrente elétrica fluindo através de um condutor gera ondas eletromagnéticas que podem interromper o funcionamento de aparelhos elétricos. É, porém, necessário seguir algumas regras simples durante a instalação, montagem e conexão de qualquer Controlador.

Módulo 5: Revisão da programação Seção 1: Visão geral do software de programação Objetivo O
Módulo 5: Revisão da programação Seção 1: Visão geral do software de programação Objetivo O

Módulo 5: Revisão da programação

Seção 1: Visão geral do software de programação

Objetivo

O objetivo desta seção é fornecer uma visão geral do software de programação TwidoSoft:

Para que é utilizado?

Relação das funções do software

Como instalar o software em seu PC?

Como realizar a conexão PC/Controlador?

Para que serve o software de programação?

O software de programação possui todas as funções necessárias para implementar uma aplicação de automação. Ele permite:

Escolher o modelo do controlador

Configurar elementos do programa

Escrever o programa

Transferir o programa para o controlador

Executar e parar o programa

Depurar o programa

Ajustar as variáveis em operação

Diagnosticar defeitos

Só mais uma coisa

O software de programação também é utilizado para editar o arquivo de documentação de sua

aplicação.

Instalação do software de programação

Você deve ter um dos seguintes sistemas operacionais em seu computador, para permitir a instalação do software de programação do Twido.

a instalação do software de programação do Twido. Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 –
Você pode instalar o software de programação em um laptop ou em um computador de
Você pode instalar o software de programação em um laptop ou em um computador de

Você pode instalar o software de programação em um laptop ou em um computador de mesa que apresente no mínimo as seguintes características:

Pentium 300 MHz

40 MB de disco rígido

128 MB de RAM

Leitor de CD-ROM

Procedimento de instalação do software

Leitor de CD-ROM Procedimento de instalação do software Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 –
Leitor de CD-ROM Procedimento de instalação do software Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 –
Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 – Jd. Frei Eugênio – Uberaba/MG. CEP: 38081-070
Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 – Jd. Frei Eugênio – Uberaba/MG. CEP: 38081-070
Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 – Jd. Frei Eugênio – Uberaba/MG. CEP: 38081-070
Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 – Jd. Frei Eugênio – Uberaba/MG. CEP: 38081-070
Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 – Jd. Frei Eugênio – Uberaba/MG. CEP: 38081-070
Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 – Jd. Frei Eugênio – Uberaba/MG. CEP: 38081-070
Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 – Jd. Frei Eugênio – Uberaba/MG. CEP: 38081-070
Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 – Jd. Frei Eugênio – Uberaba/MG. CEP: 38081-070
Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 – Jd. Frei Eugênio – Uberaba/MG. CEP: 38081-070
Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 – Jd. Frei Eugênio – Uberaba/MG. CEP: 38081-070
Conexão do PC ao controlador Obs.: A chave seletora do cabo de comunicação deve estar
Conexão do PC ao controlador Obs.: A chave seletora do cabo de comunicação deve estar
Conexão do PC ao controlador Obs.: A chave seletora do cabo de comunicação deve estar

Conexão do PC ao controlador

Obs.: A chave seletora do cabo de comunicação deve estar na posição 2.

seletora do cabo de comunicação deve estar na posição 2. O que você deve lembrar O

O que você deve lembrar

O software TwidoSoft é utilizado para criar o programa que corresponde à sua aplicação. Utilize-o para: escolher o tipo de Controlador, configurar os objetos, escrever o programa, transferi-lo para o Controlador e realizar depurações e diagnósticos.

Depurar o programa

Uma vez o programa executado, você agora precisa verificar se ele funciona corretamente. Isto é o que nós chamamos de depuração. O software de programação pode ser utilizado para verificar se tudo está funcionando corretamente conforme as instruções que foram dadas. Esta função é muito importante. Devido a isso, grande parte do módulo 7 explica a utilidade do que chamamos: Modo de depuração.

Ajuste das variáveis do programa A depuração do programa não pode ser separada do ajuste
Ajuste das variáveis do programa A depuração do programa não pode ser separada do ajuste
Ajuste das variáveis do programa A depuração do programa não pode ser separada do ajuste

Ajuste das variáveis do programa

A depuração do programa não pode ser separada do ajuste das variáveis. Esta função,

fornecida pelo software de programação, consiste em modificar as diferentes características dos elementos do programa (temporizadores, contadores, relógios de tempo real etc.).

(temporizadores, contadores, relógios de tempo real etc.). Diagnóstico de defeitos Seu dispositivo de automação já

Diagnóstico de defeitos

Seu dispositivo de automação já está operando há algum tempo, quando de repente você percebe que não reage mais do mesmo jeito. Você pode corrigir este defeito através do software de programação. Isto será visto no módulo 8 que será dedicado às ferramentas de diagnóstico.

8 que será dedicado às ferramentas de diagnóstico. Modo off-line ou on-line Já foi visto qual

Modo off-line ou on-line

Já foi visto qual a utilidade do software de programação e o que pode ser feito com ele. Estas

diferentes funções não são sempre disponíveis. Algumas delas são disponíveis no modo offline, e outras no modo on-line.

Modo off-line

Você está no modo off-line quando o computador não está conectado ao controlador. Você pode escolher o tipo de controlador, definir os tipos de temporizadores, escrever o programa de

sua aplicação e salvá-lo no disco rígido de seu PC, etc. Mas tudo que for
sua aplicação e salvá-lo no disco rígido de seu PC, etc. Mas tudo que for

sua aplicação e salvá-lo no disco rígido de seu PC, etc. Mas tudo que for escrito permanecerá no seu computador. Mais tarde, você terá que transferir este programa para o controlador, já que este irá controlar sua máquina.

Modo on-line

Você está no modo on-line, quando o computador está conectado ao controlador.

ATENÇÃO: 'conectado' não significa simplesmente 'ligado a'!

Para estar conectado, você precisa não somente conectar o controlador ao computador com o cabo fornecido para este propósito, MAS TAMBÉM, mandar o software de programação conectar-se. Você já pode instruir seu controlador a executar o programa que você acabou de escrever.

O que pode ser feito no modo off-line ou on-line?

No modo off-line, você pode:

Escolher o tipo de controlador: Twido 10, 16,

Configurar os elementos do programa: temporizadores

Escrever o programa da aplicação

Transferir o programa para o controlador após conectar o computador ao controlador.

No modo on-line, você pode:

Executar e parar o programa

Depurar o programa

Ajustar os dados

Diagnosticar os defeitos

Como pode imaginar fora a transferência, todas as ações que têm influência no controlador, são realizadas no modo on-line.

Seção 2: Procedimentos de operação do software

Objetivo

O objetivo desta seção é ensinar a utilizar as principais ferramentas de programação do software. Considerando a enorme quantidade de recursos existentes, não estudaremos todos eles, mas você pode utilizar a ajuda do software on-line para aprender mais sobre suas funções.

Como criar uma nova aplicação

File->New Software->change base controller -> Escolha o primeiro quando for o compacto

controller -> Escolha o primeiro quando for o compacto Rua Durval Dias de Abreu, nº 245
Os elementos do software Quando for criada uma nova aplicação (ver página anterior), duas janelas
Os elementos do software Quando for criada uma nova aplicação (ver página anterior), duas janelas

Os elementos do software

Quando for criada uma nova aplicação (ver página anterior), duas janelas e vários elementos gráficos aparecerão:

O navegador do software

O editor da linguagem Ladder

A barra de menu

A barra de ferramentas

A barra de status

de menu ∑ A barra de ferramentas ∑ A barra de status O navegador da aplicação

O

navegador da aplicação

 

O

Navegador

da Aplicação é

o elemento fundamental

do

software de programação.

É

a partir desta janela que você poderá navegar através das diferentes opções do software.

Como acessar o navegador?

O acesso ao conteúdo do Navegador da Aplicação é fácil. Você pode escolher entre duas opções:

Dar um duplo clique na pasta

Clicar com o botão da direita na pasta

A barra de menu

A barra de menu é baseada no Windows.

Isto significa que o programa cumpre as normas de todos os softwares que rodam no sistema operacional Windows.

Os menus Arquivo (File) e Editar (Edit) contêm as mesmas opções que um processador de

texto. Além disso, eles também contêm funções adicionais específicas à programação do controlador.

O menu "Tools" O menu Tools dá acesso a todas as ferramentas disponíveis. Este menu
O menu "Tools" O menu Tools dá acesso a todas as ferramentas disponíveis. Este menu

O menu "Tools"

O menu Tools dá acesso a todas as ferramentas disponíveis. Este menu depende da atual situação do software, por exemplo, aquilo que é exibido à direita.

do software, por exemplo, aquilo que é exibido à direita. O menu "Hardware" O menu Hardware

O menu "Hardware"

O menu Hardware engloba tudo que é relacionado com o hardware, incluindo configurações, opções adicionais etc.

O menu "Software"

O menu Software dá acesso às configurações de todos os elementos da aplicação do Controlador Programável: constantes, contadores

O menu "Program"

O menu Program engloba tudo que é relacionado com a criação do programa: escolha dos editores, editor de tabelas de animação, editor de símbolos etc.

O menu "Controller"

O menu Controller engloba tudo que é relacionado com o controlador: conexão, desconexão, EXECUTAR o programa, PARAR o programa, transferências etc.

A barra de ferramentas

o programa, transferências etc. A barra de ferramentas Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 –
A barra de status Como indica seu nome, a barra de status indica o estado
A barra de status Como indica seu nome, a barra de status indica o estado
A barra de status Como indica seu nome, a barra de status indica o estado

A barra de status

Como indica seu nome, a barra de status indica o estado de operação atual. Ele muda de acordo com o modo no qual o software está no momento (conectado ou desconectado).

o software está no momento (conectado ou desconectado). O que você deve lembrar Não hesite em

O que você deve lembrar

Não hesite em clicar nos ícones e menus. Você sempre poderá utilizar a Ajuda On-line do seu software, ou voltar para esta seção. O TwidoSoft é o software de programação para os controladores Twido. Ele roda em Windows. Todos os menus do software estão em conformidade com as normas do Windows.

Seção 3: Princípios de programação

Objetivo

O objetivo desta seção é dar uma visão geral do funcionamento de um Controlador Programável. Forneceremos detalhes sobre como um ciclo do controlador opera, incluindo a leitura das entradas, processamento do programa e atualização das saídas.

O que é um ciclo do Controlador? Assim que executarmos o programa, o Controlador realizará
O que é um ciclo do Controlador? Assim que executarmos o programa, o Controlador realizará

O que é um ciclo do Controlador?

Assim que executarmos o programa, o Controlador realizará ciclicamente três fases:

programa, o Controlador realizará ciclicamente três fases: Ao final da Fase 3 o controlador volta para

Ao final da Fase 3 o controlador volta para a Fase 1 e assim por diante.

Leitura das entradas

A primeira fase, a leitura das entradas, consiste em copiar o estado das entradas físicas na

memória do controlador. Portanto, é copiado o estado dos sensores, botões, detectores etc.

Isto permite que todas as instruções do programa sejam executadas a partir do mesmo valor de entrada.

O programa possui assim, num certo momento, uma imagem consistente do sistema a ser

controlado.

Execução do programa

A segunda fase, a execução do programa, consiste em executar o programa que foi escrito

linha após linha. Graças à leitura instantânea das entradas e à execução das instruções do programa, o processador pode escrever o valor calculado das saídas numa tabela de "Imagem de Saída".

Atualização das saídas

A terceira fase, a atualização das saídas, consiste em copiar a imagem das saídas

armazenadas na memória nas saídas físicas do controlador. Uma das principais razões disto é atualizar simultaneamente todas as saídas, de maneira a eliminar riscos imprevistos relacionados à seqüência de instruções de execução do programa. No programa de sua aplicação, é recomendado utilizar cada bobina uma só vez.

O que você deve lembrar

Um ciclo do controlador é composto de 3 fases:

Fase 1 : Leitura instantânea do estado das entradas

Fase 2 : Execução do programa

Fase 3 : Atualização das saídas

∑ A fase 1 copia o estado das entradas na memória do controlador. A imagem
∑ A fase 1 copia o estado das entradas na memória do controlador. A imagem

A fase 1 copia o estado das entradas na memória do controlador. A imagem das entradas é única para a execução do programa.

A fase 2 compreende o programa do usuário, que é executado, instrução por instrução, até o fim.

A fase 3 ativa as saídas físicas com os valores calculados pelo programa. Esta é a fase em que há uma real ativação/desativação das saídas.

Seção 4: Objetos do programa

Objetivo

O objetivo desta seção é fornecer uma visão geral dos diferentes objetos de um programa. O que são eles e como funcionam?

Entradas

Entradas são itens dos Dados discretos dos sensores. Seu valor é 1 ou 0 (contato fechado ou aberto) e é utilizada a seguinte sintaxe:

fechado ou aberto) e é utilizada a seguinte sintaxe: % indica que se trata de um

% indica que se trata de um objeto. I indica que se trata de uma entrada.

y é o número do módulo. Para nós, ele sempre será 0.

z é o número do canal, o número da entrada é indicado no Twido.

número do canal, o número da entrada é indicado no Twido. Rua Durval Dias de Abreu,
Saídas As saídas são o que nós conhecemos como "comandos discretos" , que são enviados
Saídas As saídas são o que nós conhecemos como "comandos discretos" , que são enviados

Saídas

As saídas são o que nós conhecemos como "comandos discretos", que são enviados aos pré-atuadores (relés etc.). Seu valor é 1 ou 0 (ativado ou desativado) e é utilizada a seguinte sintaxe:

(ativado ou desativado) e é utilizada a seguinte sintaxe: % indica que se trata de um

%

indica que se trata de um objeto.

Q

indica que se trata de uma saída.

y

é o número do módulo. Para nós, ele sempre será 0.

z

é o número do canal, o número de saída indicado no Twido. PAROU AQUI!!!

canal, o número de saída indicado no Twido. PAROU AQUI!!! Bits internos Um bit interno é

Bits internos

Um bit interno é equivalente a um relé auxiliar. Ele permite salvar um estado ao copiar o seu valor ou o valor de uma conexão com muitos contatos.

A seguinte sintaxe é utilizada:

%Mn

%

indica que se trata de um objeto.

M

indica que se trata de um bit da Memória interna.

n

é o número deste bit. Para o número máximo de um bit interno, consulte as especificações de cada produto.

Os bits internos dos controladores Twido ∑ %M0, %M1, %M127: 128 bits comuns a todos
Os bits internos dos controladores Twido ∑ %M0, %M1, %M127: 128 bits comuns a todos

Os bits internos dos controladores Twido

%M0, %M1,

%M127:

128 bits comuns a todos os Controladores Twido.

%M128 a %M255:

128 bits extras para Controladores Twido de 24 E/S ou mais.

Bits de sistema

Os bits de sistema são bits que indicam o estado do controlador ou os valores de um sistema particular:

A seguinte sintaxe é utilizada:

%Sn

% indica que se trata de um objeto.

S

indica que se trata de um bit de Sistema.

n

é o número deste bit. Este número é um valor entre 0 e 127.

ATENÇÃO, nem todos os números são utilizados.

Exemplos de bits do sistema:

O bit %S0 indica uma falta de alimentação, os bits %S4 a %S7 são bases de tempo, que estaremos estudando em detalhe na página seguinte.

Os bits do sistema da base de tempo

Aqui estão alguns bits de sistema que podem ser escritos pelo controlador. Eles são as bases de tempo que reproduzem indefinidamente as seqüências descritas abaixo:

%S4 está fechado por 5ms e aberto pelos próximos 5ms

%S5 está fechado por 50ms e aberto pelos próximos 50ms

%S6 está fechado por 1/2s e aberto pelos próximos 1/2s

%S7 está fechado por 30s e aberto pelos próximos 30s

∑ %S7 está fechado por 30s e aberto pelos próximos 30s Outros exemplos de bits de

Outros exemplos de bits de sistema

%S0 indica uma partida a frio (falta de energia, rearme do controlador, inicialização)

%S10 indica uma falha de entrada/saída

∑ %S18 indica uma sobrecarga durante a operação ∑ %S21 inicializa o Grafcet quando ajustado
∑ %S18 indica uma sobrecarga durante a operação ∑ %S21 inicializa o Grafcet quando ajustado

%S18 indica uma sobrecarga durante a operação

%S21 inicializa o Grafcet quando ajustado em 1

%S…

Os bits de sistema são numerados de 0 a 127 e são descritos em detalhes na documentação técnica.

Palavras internas

Palavras são espaços de memória utilizados como variáveis. Elas mantêm o resultado de operações numéricas.

A seguinte sintaxe é utilizada:

%MWn

%

indica que se trata de um objeto.

M

indica que se trata de um objeto na Memória interna.

W

indica que se trata de uma palavra de 16 bits (Word).

n é o número desta palavra.

Alguns exemplos

Por exemplo, os seguintes objetos:

%KW10: palavra constante No. 10 (palavra de 16 bits)

%MW100: palavra da memória interna No. 100 (palavra de 16 bits)

%SW51: palavra do sistema contendo horas e minutos do Relógio de Tempo Real do Controlador

%I1.2: entrada discreta No. 2 do módulo de expansão No. 1

%Q3.0: saída discreta No. 0 do módulo de expansão No. 3

%IW2.0: entrada analógica No. 0 do módulo de expansão analógico No. 2

%QW3.0: saída analógica No. 0 do módulo de expansão analógico No. 3

%MD200: Palavra Dupla da memória interna No. 200 (palavra de 32 bits)

%MF300: Número Flutuante No. 300 (número real com vírgula de 32 bits, p.ex.

3,14159)

%MB24: byte No. 24

Para bits default, o m é omitido e a seguinte sintaxe é utilizada: %S0, %M120, %S6… Palavras constantes %KW são objetos que nunca devem ser modificados pelo programa do usuário. Elas podem somente ser definidas pelo programador utilizando o kit de programação do TwidoSoft. Estas palavras constantes podem ser dados de configuração, parâmetros de transmissão de dados etc.

Acessando bits das palavras

%MWn:x

%

indica que se trata de um objeto.

M

indica que se trata de um objeto na Memória interna.

W

indica que se trata de uma palavra de 16 bits (Word).

n

é o número desta palavra.

x

é o bit acessado.

Alguns exemplos Por exemplo, os seguintes objetos: ∑ %MW30:4 : palavra da memória interna No.
Alguns exemplos Por exemplo, os seguintes objetos: ∑ %MW30:4 : palavra da memória interna No.

Alguns exemplos

Por exemplo, os seguintes objetos:

%MW30:4: palavra da memória interna No. 30 (palavra de 16 bits) e bit acessado 4; Os números de bits vão de 0 à 15.

A distribuição de tipos de objeto na memória

Uma atenção especial deve ser dada para bytes, palavras, palavras duplas e números com ponto flutuante em relação à numeração utilizada, pois diferentes objetos coexistem na mesma área de memória. A distribuição é a seguinte:

na mesma área de memória. A distribuição é a seguinte: Como você pode ver a palavra

Como você pode ver a palavra dupla %MD0 abrange as palavras %MW0 e %MW1. A palavra %MW3 abrange os bytes %MB6 e %MB7. Portanto seja CUIDADOSO! ! !

Na prática, é preferível definir diferentes áreas na memória para cada um desses tipos de dados. Por exemplo, eu preciso de:

50

bytes ==> área de bytes: %MB0 a %MB49

75

bytes ==> área de bytes: %MW25 a %MW99

20

números flutuantes ==> área de números flutuantes: %MF50 a %MF69

Neste exemplo, as áreas na memória não se sobrepõem.

Uma pergunta esperta

A palavra de memória %MW145 contém dois bytes. Quais dois?

A palavra de memória %MW145 contém dois bytes. Quais dois? Rua Durval Dias de Abreu, nº
Temporizadores Os temporizadores habilitam os recursos de tempo: temporizadores ativados na energização ou na
Temporizadores Os temporizadores habilitam os recursos de tempo: temporizadores ativados na energização ou na

Temporizadores

Os temporizadores habilitam os recursos de tempo: temporizadores ativados na energização ou na desenergização ou um pulso com duração específica, a serem utilizados numa aplicação.

A seguinte sintaxe é utilizada:

%TMn

% indica que se trata de um objeto.

TM indica que se trata de um temporizador.

n é o número do temporizador. O número máximo depende do modelo do Twido, 64 (n=0 a 63) para o Twido de 10 e 16 E/S e 128 (n=0 a 127) para outros modelos de Twido.

Exemplos de utilização:

Temporizador na energização: para evitar as altas correntes nas partidas de motores.

Temporizador na desenergização: fechamento de um portão automático 2 segundos após a passagem de um veículo.

Um impulso com duração específica: a iluminação de uma escada, onde ao pressionar um botão à impulsão, acende as lâmpadas por 2 minutos.

Para funcionar de acordo com suas necessidades, o temporizador precisa ter alguns valores predefinidos.

Para %TMn esses valores são:

Tipo: TON (temporizador na energização), TOF (temporizador na desenergização) ou TP (temporizador de impulso com duração específica);

A base de tempo: 1ms, 10ms, 100ms, 1s e 1min;

%TMn.P : valor predefinido;

%TMn.V: valor atual;

%TMn.Q: saída do temporizador;

uma entrada (IN) de comando.

Representação gráfica de um temporizador

Para saber como funciona um temporizador, estudaremos este gráfico. Trata-se de um temporizador com entrada e saída, por exemplo, um temporizador %TM0:

com entrada e saída, por exemplo, um temporizador %TM0: Rua Durval Dias de Abreu, nº 245

Rua Durval Dias de Abreu, nº 245 – Jd. Frei Eugênio – Uberaba/MG. CEP: 38081-070 – Tel/fax: (34) 3322-3012 – E-mail: teknolautomacao@terra.com.br

44

Este exemplo mostra o temporizador %TM0 de tipo TON, com uma base de tempo equivalente
Este exemplo mostra o temporizador %TM0 de tipo TON, com uma base de tempo equivalente

Este exemplo mostra o temporizador %TM0 de tipo TON, com uma base de tempo equivalente

a 1 segundo, com um valor predefinido igual a 4 (4 x 1s = 4 segundos)

Operação de um temporizador de tipo TON

O temporizador de tipo TON, ou seja, Temporizador na energização funciona da seguinte

maneira:

Temporizador na energização funciona da seguinte maneira: Quando a entrada IN for ativada, o temporizador será

Quando a entrada IN for ativada, o temporizador será energizado. A saída Q