Você está na página 1de 1

A água potável está acabando. O que fazer?

Não deixa de ser surpreendente que o planeta azul, com 70% de sua superfície coberta de
água, se defronte com esse tipo de problema: A crescente falta de água potável.

Se não houver a conscientização das pessoas, 4 bilhões de seres humanos em todo o


planeta, vão ficar sem água até 2035. “A situação é séria e preocupante até mesmo para o
Brasil. Os rodízios no fornecimento em grandes centros urbanos já são um indicio de que a
problemática se agravará. O Nordeste brasileiro sofre a falta de água potável.
A água doce corresponde a apenas 2,5% da massa líquida do planeta, e a maior parte dela
está nas geleiras. O consumo de água foi multiplicado por 6 no século passado, enquanto a
população mundial triplicou. A expansão da agricultura irrigada responde por 70% do uso
de água no planeta e a escassez desse recurso já afeta quase 2 bilhões de pessoas,
principalmente em países do Oriente Médio e do norte da África.

O Brasil detém 8% da água disponível no mundo. Só que 80% dela está na região
amazônica, onde vivem apenas 5% da população brasileira. De toda água doce da América
do Sul, 77% está em território nacional, no entanto, o nosso país é um dos que mais sofre
com o desperdício, a poluição ambiental e a violação dos mananciais dos cursos de água.
Infelizmente o brasileiro desperdiça muita água. Jogamos fora muita água potável. Um
desperdício altíssimo calculado em 40%. Apenas 16% dos esgotos sanitários são tratados
no Brasil, enquanto que o restante é jogado in natura nos rios. É inacreditável, mas no
estado norte-americano do Arizona 80% da água reciclada volta às torneiras! Enquanto
que dos 190 milhões de brasileiros, 45% ainda não têm acesso aos serviços de água tratada
e 100 milhões vivem sem esgoto sanitário. No Nordeste brasileiro, em torno de 15 milhões
de pessoas são atingidas pela seca anualmente. Ao relacionarmos água e saúde, obtemos
dados preocupantes: 356 mil crianças com menos de 5 anos morreram no Brasil nos
últimos 30 anos, em conseqüência do consumo de água contaminada, sendo que 40%
destas mortes ocorrem nos estados nordestinos. Além disso, ao menos 70% das
internações hospitalares foram pacientes vítimas de doenças transmitidas pela má
qualidade da água, como disenteria, hepatite, cólera e esquistossomose.

Esta é a real situação do fator água. É o desenho da irresponsabilidade de todos nós,


cidadãos e autoridades.
Somente nos libertaremos deste cenário desolador se mudar-mos nossa mentalidade
predadora para uma atitude de respeito e cuidado em relação à natureza. É preciso
preservar a água... ...Água é vida!