P. 1
Português - Pré-Vestibular Impacto - Níveis de Linguagem

Português - Pré-Vestibular Impacto - Níveis de Linguagem

4.63

|Views: 10.659|Likes:
Publicado porPortuguês Qui

More info:

Published by: Português Qui on Jun 27, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/09/2014

pdf

text

original

NÍVEIS DE LINGUAGEM

UNIDADE

Prof. Joana Vieira

Frente: 01

Aula: 02

PE
M M T N N M M

AC
T N N

SF
T

CN
T

linguagem como todo organismo vivo, transforma-se e envelhece. Assim com no decorrer dos séculos, nossa língua – apesar de altamente estabilizada e controlada pela gramática – não está ao abrigo de transformações que são ditadas, sobre tudo, pela língua falada.

A

Variação e norma.
Como falante do português, percebemos que há situações em que a língua se apresenta sob uma forma bastante diferente daquela que nos habituamos a ouvir em casa ou através dos meios de comunicação. Essa diferença pode manifestar-se tanto pelo vocabulário utilizado, como pela pronúncia, morfologia e sintaxe. Essa diferenciação no interior de uma mesma língua é perfeitamente natural, já que todas as variedades constituem sistemas lingüísticos perfeitamente adequados para a expressão das necessidades comunicativas e cognitivas dos falantes, dadas as práticas sociais e os hábitos culturais de suas comunidades. Para que a comunicação efetivamente exista, entre outros requisitos, é necessária a escolha adequada do nível de linguagem a ser utilizado. A língua permite uma multiplicidade de usos dependendo das situações comunicacionais. Para que a comunicação ocorra de forma coerente, é preciso que o emissor e o receptor estejam em harmonia com o mesmo universo lingüístico. Desse modo, o conhecimento das variantes lingüísticas determina a eficácia dessa comunicação. Essas variantes se devem a diversas influências: - geográficas: onde verificam-se as variantes regionais; - sociológicas: onde verificam-se as diversas classes sociais impondo traços lingüísticos diferentes; - contextuais: aquela, onde o momento da fala pode determinar o nível de linguagem a ser utilizado.

A linguagem popular é aquela utilizada por pessoas de baixa ou nenhuma escolaridade. Este nível, dá-se raramente na forma escrita e caracteriza-se como um subpadrão lingüístico. Nesse nível, o vocabulário é bem mais restrito, com muitas gírias, onomatopéias e formas incorretas gramaticalmente (Oropa, pobrema, nós vai, nóis fumo, tauba, estauta, lâmpia, vi ela etc.). Não há, aqui, reocupação com as regras gramaticais. Atualmente, em função da influência dos meios de comunicação, assiste-se a um nivelamento da linguagem no registro coloquial. As variantes lingüísticas podem decorrer das circunstâncias que cercam o ato da fala.

O gerente de vendas recebeu o seguinte fax de um dos seus novos vendedores: “Seo Gomis, o oriente de belzonte pidiu mais cuatrucenta pessa. Faz favor toma as providenssa. Abrasso, Nirso” Aproximadamente uma hora depois recebeu outro. “Seo Gomis, os relatório di venda vai xega atrazado proque to fé xando umas venda. Temo que manda treiz mil pessa. Amanha to xegando. Abrasso, Nirso” No dia seguinte; “ Seo Gomis, num xeguei pucausa de que vendi maiz deis miu em Beraba. To indo pra Brazilha.” No outro: “Seo Gomis, Brazilha fexo 20 miu. Vo pra Frolinoplis e de lá pra Sum Paulo no vinháo das cete hora.” E assim foi o mês inteiro. O gerente, muito preocupado com a imagem da empresa, levou ao presidente as mensagens que recebeu do vendedor. O presidente, um homem muito preocupado com o desenvolvimento da empresa e com a cultura dos funcionários, escutou atentamente o gerente e disse: — Deixa comigo que eu tomarei as providências necessárias. E tomou. Redigiu de próprio punho um aviso que afixou no mural da empresa, juntamente com os faxes do vendedor: “A parti de oje nois tudo vamo fazê feito o Nirso. Si priocupá menos em iscrevê serto mod a vende maiz.

As Mariposa

As mariposa quando chega o frio Fica dando vorta em vorta da lampida pra si isquentá Elas roda, roda, roda, roda, dispois se senta em cima do prato da lampida pra discansá. Eu sou a lãmpida e as muié é as mariposa Que fica dando vorta em vorta de mim todas as noites, só pra mi beija - Boa noite, lâmpida! - Boa noite, mariposa! - Permita-me oscular-lhe as alfacias? - pois não, mas rápido porque daqui a pouco eles mi apaga.
(Adonirah barbosa)

As variedades estilísticas: Registros

Por registros lingüísticos ou variações de estilos, entendemAcinado,O Prezidenti" se variações no enunciado lingüísticos que estão relacionados aos Autoria desconhecida, set. 2001. diferentes graus de formalidade do contexto do uso da língua. O O preconceito lingüístico é uma forma de maior ou menor conhecimento e proximidade entre os falantes discriminação enfaticamente combatida, pois, do ponto determina o uso de registros mais ou menos formal. de vista estritamente lingüístico, não há nas variedades Grosso modo, podemos delinear três principais níveis ou lingüísticas nada que permita considerá-las boas ou registros de linguagem: a linguagem culta (ou variante-padrão), a ruins, melhores ou piores, feias ou bonitas, permitivas ou linguagem familiar (ou coloquial) e a linguagem popular. elaboradas, e assim por diante. Mesmo porque, para que A linguagem culta é utilizada pelas classes intelectuais da a comunicação efetivamente exista entre outros sociedade. É a variante de maior prestígio e aquela ensinada nas requisitos, é necessária a escolha adequada do nível de escolas. Sua sintaxe é mais complexa, seu vocabulário mais amplo e linguagem a ser utilizado. há, nela, uma absoluta obediência à gramática e à língua dos escritores clássicos. É a linguagem utilizada pelos meios de Leia: comunicação de massa em geral, nas suas formas oral e escrita. Desenvolvendo-se livre e indisciplinadamente, não raro isola-se em — Que flor bonita! Me dá ela? falares típicos regionais e em gírias. O Modernismo efetivou a — Se me disseres: Dá-ma?, eu dou-ta. apologia da linguagem cotidiana como o melhor veículo de — Não poderei satisfazê-la: expressão literária, por sua velocidade, espontaneidade, dinamismo, Sentir-me-ia uma horrenda douta. (Manuel Bandeira) condenando a linguagem culta, classificando-a como "filha do decrépito dogmatismo". WWW.PORTALIMPACTO.COM.BR

As variedades regionais e sociais.

Um dos aspectos mais conhecidos da variação lingüística é a diferenciação que caracteriza os chamados dialetos ou variedades regionais. As variedades faladas nos estados do Nordeste são diferentes daquelas faladas nos estados do Sul, e, no interior dessas regiões geográficas, podem também ser observadas diferenças entre os estados e mesmo entre regiões e cidades dos estados. Poderíamos definir o regionalismo como o meio peculiar de expressão de uma região, refletindo os costumes do povo que a habita. Refletem-se muito frequentemente, na literatura do Brasil, nas obras dos escritores regionalistas (Jorge Amado, Guimarães Rosa, Euclides da Cunha, Graciliano Ramos, Afonso Arinos de Melo Franco e outros). De tão obscuro para o leitor comum, o vocabulário regionalista, empregado por certos escritores, necessita até de Gíria. notas explicativas para se lhes apreender o sentido. Vejamos exemplos desta linguagem pitoresca, com a Além dessas distinções básicas, é necessário falar-se respectiva tradução. nas línguas regional e grupal (o jargão e a gíria). 1. Ele tem uma urucubaca danada com justa. (Ele tem muito azar coma a justiça/ ou polícia) 2. Quando ia aliviar um otário um tira pegou ele no flagra. (Quando ia furtar um tolo (incauto), um policial surpreendeu-o em flagrante.) “ Sabe qual é o meu sonho, cara? Quer saber mesmo 3. Trabalhava com penosa e foi em cana qual é o meu grande sonho? (Roubava galinhas e foi preso) Eu queria ter um celular, cara. Um celular: esses telefones que o cara leva na mão, e dá para a gente falar de qualquer lugar, O conhecimento da gíria é necessário quer a quem escreve, da rua, do bar, do banheiro, de onde você quiser. É uma maravilha, quer a quem lê. “Que escreve não pode representar um carroceiro ou cara. Não existe nada igual. É o meu sonho. um simples homem do povo falando como um marquês”. Os homens Você vai dizer: ah, mas é um sonho miúdo, insignificante. têm a linguagem do seu meio, da sua profissão. Diz-me como falas, dirVocê vai dizer que sou modesto, que vôo baixo. Outros querem te-ei o lugar que ocupas na sociedade. carrões importados, roupas caras, apartamento de cobertura – e eu O texto a seguir foi escrito e interpretado pelo ator dramaturgo quero só um telefone?! Plínio Marcos. Trata-se de uma transcrição de um vídeo exibido na Pois é só que eu quero: um telefone celular. Aquilo é o Casa de Detenção, em São Paulo. máximo, cara. Aquilo te dá um status fora de série. Não sou só eu “Aqui é bandido: Plínio Marcos! Atenção, malandrage! Eu num que acha isso, não: eu tinha um amigo que roubou um celular da loja só para andar com ele debaixo do braço. A coisa não falava, vô te pedir nada, vô te dá um alô! Te liga aí: Aids é uma praga que rói não tocava – mas dava a ele uma sensação do peru. Celular, cara, até os mais fortes e rói devagarinho. Deixa o corpo sem defesa contra a é outro papo. Não é orelhão, não é telefone comum. É celular. doença. Quem pegá essa praga está ralado de verde e amarelo, do primeiro ao quinto, e sem vaselina. Num tem dotô que dê jeito, nem Coisa de gente fina. Só que custa um dinheirão, e de onde eu ia descolar reza brava, nem choro, nem vela, nem ai, Jesus. Pegou Aids, foi pro aquela grana? Porque eu queria fazer a coisa legal, registrar o brejo! Agora sente o aroma da perpétua; Aids passa pelo esperma e aparelho, tudo certinho. Essas coisas custam caro. Não havia outro pelo sangue, entendeu?Pelo esperma e pelo sangue! (pausa) Eu num tô dando esse alô pra te assombrá, então se toca! jeito: eu tinha que seqüestrar um cara. E aí a gente fez o seqüestro, tudo direitinho, tudo bem Não é porque tu tá na tranca que virou anjo. Muito pelo contrário, cana planejado. E para o sujeito não incomodar, nós o colocamos no dura deixa o cara ruim! Mas é preciso que cada um se cuide, ninguém pode valê pra ninguém nesse negócio de Aids! Então já viu: transa só porta-malas. Fomos presos, cara. E advinha por quê? Porque o cara de acordo com o parceiro, e de camisinha! (pausa) Agora, tu aí que é metido a esculachá os outros, metido a tinha um celular. De dentro do porta-malas ele pediu socorro. E nos ganha o companheiro na força bruta, na congestal! Pára com isso, tu vái pagaram direitinho. Se estou zangado? Não estou zangado, não. É verdade acabá empesteado! Aids num toma conhecimento de macheza, pega que fiquei numa ruim, mas o que aconteceu provou que eu tinha pra lá e pega pra cá, pega em home, pega em bicha, pega em mulhé, razão: celular é outro papo. É a comunicação do futuro, cara. Um pega em roçadeira! Pra essa peste num tem bom! Quem bobeia fica dia ainda vou ter um, andar com ele debaixo do braço e falar com premiado. E fica um tempão sem sabê. Daí, o mais malandro, no dia da meus amigos de casa, da rua, do banheiro, sou até capaz de me visita, recebe mamão com açúcar da família e manda pra casa o [sic] meter num porta-malas e ligar para alguém, para ver como a coisa Aids! E num é isto que tu quê, né, vago mestre? Então te cuida! Sexo, só com camisinha, (pausa) funciona. Quem descobre que pegô a doença se sente no prejuízo e Celular é meu sonho, cara” (Moacyr Sciliar) quê ir à forra, passando prós outros, (pausa) Sexo, só com camisinha! A língua grupal é hermética, porque pertence a grupos Num tem escolha, transa, só com camisinha. Quanto a tu, mais chegado ao pico, eu tô sabendo que fechados: existem tantas quantos forem os grupos. A gíria ou jargão é uma forma de linguagem baseada em um vocabulário ninguém corta o vício só por ordem da chefia. Mas escuta bem, vago especialmente criado por um determinado grupo ou categoria social mestre, a seringa é o canal pro [sic] Aids. No desespero, tu não se com o objetivo de servir de emblema para os demais membros do toca, num vê, num qué nem sabê que, às vezes, a seringa vem até com um pingo de sangue, e tu mete ela direta em ti. As vezes, ela grupo, distinguindo-os dos demais falantes da língua. O jargão é um dos tipos de língua grupal. É uma espécie parece que vem limpona, e vem com a praga! E tu, na afobação, mete de gíria profissional, daí falar-se em “economês”. “sociloguês” etc, ela direto na veia. Aí tu dança. Tu, que se diz mais tu, mas que diz Carlos Drummond de Andrade faz uma saborosa sátira ao jargão que num pode aguentá a tranca sem pico, se cuida. Quem gosta de tu é tu mesmo, (pausa) E a farinha que tu cheira, e a erva que tu barrufa na seguinte crônica. enfraquece o corpo e deixa tu chué da cabeça e dos peitos. E aí tu fica I – Conversas na fila: moleza pro [sic] Aids! Mas o pico é o canal direto pra essa praga que está aí. Então, malandro, se cobre! Quem gosta de tu é tu mesmo. A Conversavam na fila do cinema: saúde é como a liberdade. A gente só dá valor pra ela quando ela já — e o seu caso com a Belmira? — Encerrado, depois de um incidente onfático. Observei- era!" (Vídeo exibido na Casa de Detenção, São Paulo) Créditos: Agência: lhe que não ficava bem ir á praia de tanga, quando ainda emergia Adag (1988). Realização: TV Cultura / São Paulo. Duração: 2 minutos e daquele problema de cirsônfalo.
WWW.PORTALIMPACTO.COM.BR

— E ela? — Não gostou, e rompemos. Nossa ligação teve fim celíaco. E você com a Isadora? — Mal, meu caro. Sabia que ela é hipnóbata? E o piro de tudo: com loxodromismo. De noite é aquela confusão, ela volta com acrodinia, com meralgia ou com podalgia. — Que lástima. — Depois, a Isadora se distingue por uma total aprosexia. Não adianta falar com ela que tome cuidado, que se proteja. Sua desatenção é mesmo esplâncnica. — Caso sério. — Pois é, Mas vamos mudar de assunto. (...) O outro tipo de língua grupal é a gíria. Assim como o jargão, existem tantas gírias quanto forem os grupos que as utilizam: gíria de jovens, dos policiais dos jornalistas etc. a gíria grosseira, recebe o nome de calão.

48 segundos.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->