Você está na página 1de 5

BAC008 - Cálculo Integral

Campus de Itabira
2o. Semestre 2010

1. Calcule a integral indefinida das seguintes funções:


Z · ¸
¡ 3 ¢ x4 2
1.1) x + 2x + 3 dx, R. + x + 3x + k
4
Z µ ¶ · ¸
1 x2
1.2) x+ dx, R. + ln |x| + k
x 2
Z ³ √ ´ · ¸
5
2
15 √
5
7
1.3) 3 x + 3 dx, R. x + 3x + k
7

2. Seja α um real fixo. Verifique que


Z
1
2.1) sen (αx) dx = − cos (αx) + k
α
Z
1
2.2) cos (αx) dx = sen (αx) + k
α

3. Calcule
Z
£ ¤
3.1) e−x dx, R. − e−x + k

Z µ ¶ · ¸
ex + e−x 1¡ x −x
¢
3.2) dx, R. e −e ) +k
2 2
Z µ ¶
1
3.3) + e dx, [R. ln |x| + ex + k]
x
x
Z · ¸
¡√
3
¢ 3√3
4
1
3.4) x + cos (3x) dx, R. x + sen(3x) + k
4 3
Z ³x´ h i
x
3.5) cos dx, R. 3sen + k
3 3
Z · ¸
7x 5 7x
3.6) 5e dx, R. e + k
7
4. Verifique que
Z
1
4.1 √ dx = arcsen (x) + k
1 − x2
Z
1
4.2 dx = arctg (x) + k
1 + x2

5. Determine a função y = y(x), x ∈ <, tal que


· ¸
dy 3 x4 x2 1
5.1 = x − x + 1 e y(1) = 1 R. − +x+
dx 4 2 4
· ¸
dy 1 4
5.2 = sen (3x) e y(0) = 1 [R. − cos(3x) +
dx 3 3

dy £ ¤
5.3 = e−x e y(0) = 1 R. − e−x + 2
dx

6. Determine a função y = y(x), x > 0, tal que


· ¸
dy 1 1
6.1 = 2 e y(1) = 1 R. − + 2
dx x x
· ¸
dy 1 x2 √ 5
6.2 = x + √ e y(1) = 0 R. +2 x−
dx x 2 2
· ¸
dy 1 1 1
6.3 = + 2 e y(1) = 1 R. ln |x| − + 2
dx x x x

7. Uma partı́cula desloca-se sobre o eixo x com velocidade v(t) = t + 3, t ≥ 0. Sabe-se que,
no instante t = 0, a partı́cula encontra-se na posição x = 2.
£ ¤
7.1 Qual a posição da partı́cula no instante t. R. x(t) = t2 /2 + 3t + 2

7.2 Determine a posição da partı́cula no instante t = 2. [R. x(2) = 10]

7.3 Determine a aceleração. [R. a(t) = 1]

8. Uma partı́cula desloca-se sobre o eixo x com função de posição x = x(t); t ≥ 0. Determine
x = x(t), sabendo que
dx
8.1 = e−t e x(0) = 2
dt
dx
8.2 = cos (3t) e x(0) = 0
dt
dx 1
8.3 = e x(0) = 0
dt 1 + t2

9. Esboce o gráfico da função y = y(x), t ∈ <, sabendo que

d2 y
9.1 = e−x , y(0) = 0 e y / prime(0) = −1
dx2

d2 y 0
9.2 2
= −4cos (2x) e y(0) = 0 e y (0) = 0
dx
dy 1
9.3 = e y(0) = 0
dx 1 + x2

10. Calcule:
Z 2
¡ 2 ¢
a) s + 3s + 1 ds;
1

47
Solução:
6
Z 0 ¡ −2x ¢
b) e dx;
−1

Solução:1/2(e2 − 1)
Z π/2 ¡ ¢
c) cos2 x dx; (Verifique que : cos2 x = 1/2 + 1/2 cos(2x).)
0

Solução:π/4
Z 1
d) (3x ) dx;
0

2
Solução:
ln 3
Z 1
e) (3x ex ) dx;
0
3e − 1
Solução:
1 + ln 3
Z 2 Z 0
11. Suponha f contı́nua em [−2, 0]. Calcule f (x−2)dx, sabendo que f (x)dx =
0 −2
3:

Solução: 3
Z 2
12. Suponha f contı́nua em [0, 4]. Calcule xf (x2 )dx :
−2

Solução: 0

13. Calcule :
Z 1³ ´
a) x(x2 + 3)1/2 dx;
0

8− 27
Solução:
3
Z 0 ³ ´
3
b) x2 ex dx;
−1

Solução: 1/3(1 − e−1 )


Z 1¡ ¢
c) x(x2 + 3)5 dx;
0

3367
Solução:
12
Z 1³ ´
d) x(1 + 2x2 )1/2 dx;
0

3 3−1
Solução:
6
Z 3
x
f) √ dx;
0 x+1
8
Solução:
3
Z 1 ¡ 3 2 ¢
g) x (x + 3)10 dx;
−1
Solução:0
Z π/3
h) sin x cos2 xdx;
0

7
Solução:
24
Z π/2 ¡ ¢
i) sin3 x dx;
π/3

11
Solução:
24
Z 1
s
j) √ ds;
2
s +1
0

Solução: 2 − 1
Z √
3³ p ´
l) x3 x2 + 1 dx.
0

58
Solução:
15
Z 1 p
14. Um aluno (precipitado), ao calcular a integral 1 + x2 dx, raciocinou da
−1
seguinte forma: fazendo a mudança de variãvel u = 1 + x2 , os novos extremos
de integração seriam iguais a 2(x = −1 → u = 2;x = 1 → u = 2) e assim a integral
Z 1p
obtida após a mudança de variável seria igual a zero e, portanto 1 + x2 dx =
−1
0!! Onde está o erro? :

15. Seja f uma função par e contı́nua em [−r, r], r > 0. (Lembre-se: f par
⇔ f (−x) = f (x)):
Z 0 Z 0
a) Mostre que f (x)dx = f (x)dx.
−r r
Z r Z r
b) Conclua de (a) que f (x)dx = 2 f (x)dx. Interprete graficamente.
−r 0