1

1. BIOLOGIA CELULAR
Existem dois tipos celulares básicos: as células procariontes e as eucariontes. As células procariontes não possuem núcleo, com o genoma sendo separado do citoplasma por um envoltório. Geralmente não apresentam membranas dividindo o citoplasma em compartimentos. O citoplasma é dividido por membranas em compartimentos contendo moléculas distintas e que executam funções especializadas em cada compartimento, aumentando muito a eficiência dessas células. As células eucariontes são maiores, estruturalmente mais complexas, contêm muito mais DNA, seus cromossomos são complexos, contêm histonas e ficam separados do citoplasma pelo envoltório nuclear. As células eucariontes das plantas têm geralmente um grande vacúolo citoplasmático, apresentam plastos, têm parede de celulose, armazenam amido como reserva energética e se comunicam por meio de plasmodesmos.

2. CARACTERÍSTICAS GERAIS E BIOLOGIA DOS VÍRUS
Um vírus não é capaz de se multiplicar, exceto quando parasita uma célula de cujas enzimas se utiliza para a síntese das macro-moléculas que vão formar novos vírus. Não possuem todas as enzimas e nem as estruturas necessárias para a fabricação de outros vírus, sendo parasitas intracelulares obrigatórios, pois induzem a síntese das moléculas que vão formar novos vírus em vez de produzir moléculas para a própria célula. Os vírus que atacam as células animais não atacam as vegetais, e vice-versa. Há, porém, alguns vírus vegetais que, invadindo-as, multiplicam-se nas células de insetos disseminadores desses vírus de uma planta para outra. Os vírus das bactérias são chamados bacteriófagos, ou simplesmente fagos. Cada vírus é formado basicamente por duas partes: a) Uma porção central que leva a informação genética, isto é, um genoma constituído de ácido ribonucléico ou desoxirribonucléico, no qual estão contidas, em código, todas as informações necessárias para a produção de outros vírus iguais; b) Uma porção periférica, constituída de proteínas, que protege o genoma, possibilita ao vírus identificar as células que ele pode parasitar e, em certos vírus, facilita a penetração nas células. Alguns vírus contêm ácido ribonucléico (RNA),

Os dois tipos de ácidos nucléicos jamais estão presentes no mesmo tipo de vírus. A parte lipídica desse invólucro origina-se das membranas celulares. que serão descritos a seguir. isto é. que separa a célula do meio extracelular.1. contribuindo para manter constante o meio intracelular. 3. que é diferente do meio extracelular. CÉLULAS EUCARIONTES Apresentam duas partes morfologicamente bem distintas: o Citoplasma e o Núcleo. . MEMBRANA CELULAR É a parte mais externa do citoplasma. são codificadas pelo ácido nucléico do vírus 3. apresentando compartimentos que separam os diversos processos metabólicos. Certos vírus maiores e mais complexos apresentam um invólucro lipoprotéico.2 enquanto outros contêm ácido desoxirribonucléico (DNA). Mas as proteínas (glicoproteínas) são de natureza viral.

sempre do local de menor concentração de soluto para o de maior concentração. O2): A difusão é um transporte passivo. Possui grande capacidade seletiva possibilitando apenas a passagem de substâncias "úteis". Exemplo: captura do oxigênio por uma célula realizando a respiração celular (oxigênio dissolvido se difunde para a célula através da membrana plasmática). maior pressão osmótica é chamada hipertônica. até que as duas soluções se tornem isotônicas. As proteínas da membrana celular. Ela é constituída por duas camadas lipídicas fluidas e contínuas onde estão inseridas moléculas protéicas. definindo seus limites. buscando sempre o equilíbrio de cargas elétricas e químicas. mas pelo número de partículas. Separadas por uma membrana. Quando se comparam soluções de concentrações diferentes. portanto. e a de menor concentração de soluto e menor pressão osmótica é hipotônica. A osmose não é influenciada pela natureza do soluto. receptores específicos. haverá fluxo de água nos dois sentidos de modo proporcional. há maior fluxo de água da solução hipotônica para a hipertônica. ligadas á superfície da membrana têm as funções de transporte atividade enzimática tradução de sinais. partículas. Ocorre quando uma substância se difunde da solução mais concentrada para a solução menos concentrada. moléculas e íons de um meio mais concentrado para um meio menos concentrado. b) Osmose (Líquidos através de membranas semipermeável): A água se movimenta livremente através da membrana. Quando duas soluções contêm a mesma quantidade de partículas por unidade de volume. que confere o modelo mosaico fluido. mesmo que não sejam do mesmo tipo. As condições necessárias para que as partículas de uma substância entrem ou saiam da célula por difusão são: a) a membrana deve ser permeável a essa substância e deve haver diferença de concentração da substância dentro e fora da célula. separa o meio intracelular do extracelular e é o principal responsável pelo controle da saída e entrada de substâncias da célula. através da pressão osmótica. a que possui mais soluto e. Tipos de Transportes: a) Difusão passiva (CO2. reconhecimento célulacélula e ligação intercelular. sem gasto de energia. Na difusão sempre há deslocamento de átomos.3 A Membrana celular engloba a célula. . exercem a mesma pressão osmótica e são isotônicas. Caso sejam separadas por uma membrana.

A difusão facilitada é chamada assim por necessitar da ajuda das proteínas de transporte presentes na membrana. ORGANELAS CELULARES As organelas desenvolvem funções distintas. como colesterol. ocorre no retículo endoplasmático granular. As seguintes organelas estão presentes nos organismos superiores: a) Retículo endoplasmático: É uma complexa rede de canais interligados. a síntese de diversos lipídios. ente elas: Síntese de proteínas e o seu transporte para dentro das membranas. detoxificação celular. fosfolipídios e hormônios esteróides. Ocorre sempre de um meio mais concentrado para um meio menos concentrado.4 b) Difusão facilitada: O transporte da maioria das moléculas e dos íons para dentro e para fora da célula necessita da intermediação de proteínas presentes na membrana da célula. metabolismo e movimento de lipídios. é o local de produção de várias substâncias importantes. Por exemplo. Já o retículo .2. Geralmente o deslocamento destas moléculas depende da diferença de concentração entre elas. Moléculas de água por exemplo entram para dentro da célula muitas vezes por difusão facilitada onde as proteínas de membrana chamadas de aquaporinas facilitam a entrada da água para dentro da célula. Além de conduzir substâncias pelo citoplasma. 3.

empilhadas como pratos. pequenos ribossomos e outras substâncias. como o colesterol. A membrana externa é lisa. Entre as cristas há uma solução chamada matriz mitocondrial. que se projetam para o interior da organela. A mitocôndria é a organela onde ocorre a respiração celular. Matriz mitocondrial.5 endoplasmático granular. e a interna apresenta inúmeras pregas. Membrana externa. No retículo agranular das células do fígado. formação do lisossomo e na formação do . Atua como centro de armazenamento. DNA mitocondrial. na produção de polissacarídeos. ocorre modificação ou destruição de diversas substâncias tóxicas. RE liso: é formado por tubos membranosos lisos. na secreção de enzimas digestivas. geralmente os dictiossomos se encontram espalhados pelo citoplasma. fabrica diversos tipos de proteínas. na produção de lipídios. é formado por bolsas membranosas achatadas. nele ocorre também o processo de desintoxicação das células. chamadas cristas mitocondriais. RE rugoso: (ergastoplasma). formação da lamela média em células vegetais. Membrana interna. A respiração celular é uma queima controlada de substâncias orgânicas. graças aos ribossomos. com grânulos ± os ribossomos ± aderido à superfície externa. entre elas o álcool. em pacotamento e remessa de substâncias na célula. sem ribossomos aderidos. Espaço intermembranoso c) Complexo de Golgi: O aparelho de golgi está presente em praticamente todas as células eucariontes. Crista mitocondrial. chamadas Dictiossomos. Sua principal funçãoé a síntese de proteínas. Essa solução viscosa é formada por diversas enzimas. atua na secreção do ácido pancreátil. já nas células vegetais. b) Mitocôndrias: são organóides celulares ± presentes nos eucariontes ± delimitadas por duas membranas lipoprotéicas. devido á presença dos ribossomos. consistindo em bolsas membranosas achatadas. O retículo endoplasmático agranular também participa dos processos de desintoxicação das células. Em células animais os dictiossomos geralmente encontram-se reunidos próximo ao núcleo. por meio da qual a energia contida no alimento é gradualmente liberada e transferida ´para molécula de ATP. Ribossomos. hormônios esteróides e fofolipídios. O RE pode ser de dois tipos: Rugoso e liso. RNA. por exemplo. Suas principais funções são: síntese de diversos lipídios. DNA. transformação. A estrutura da mitocôndria compreende: Corpúsculos elementares.

processo denominado secreção celular. Estas moléculas fornecem energia à célula e serão utilizadas na fabricação de novas substâncias. como a catalase. d) Lisossomos: São bolsas membranosas que contêm enzimas capazes de digerir diversas substâncias orgânicas.6 cromossomo do espermatozóide. e) Peroxissomos: são bolsas membranosas que contêm alguns tipos de enzimas digestivas. sendo eliminado. onde são empacotadas e liberadas na forma de pequenas bolsas. as células passam a digerir partes de si mesma. O retículo endoplasmático rugoso produz enzimas que migram para os dictiossomos (complexo de Golgi). que o processo pelo qual a célula toda é digerida. fundindo-se nela e lançando seu conteúdo para o meio externo. os lisossomos têm como função a citólise ou autólise. que transforma o H2O2 (água oxigenada. Desempenha papel fundamental na eliminação de substâncias úteis ao organismo. por muitas células. Estão presentes em praticamente todas as células eucariontes. Com a digestão intracelular as partículas capturadas pelas células são quebradas em pequenas moléculas que atravessam a membrana do vacúolo digestivo. O vacúolo residual encosta-se à membrana plasmática. na sua transformação para a fase adulta. Este processo inicia-se com os lisossomos. Isto acontece com a cauda do girino. que passa a ser chamado vacúolo residual. passando pelo citosol. processo pelo qual as células digerem partes de si mesmas. que se aproximam. como estratégia de sobrevivência. denominado vacúolo autofágico. A autofagia permite destruir organelas celulares desgastadas e reaproveitar alguns de seus componentes. Quando um organismo é privado de alimento e as reservas de seu corpo se esgotam. Existem mais de cinqüenta tipos de enzimas hidrolíticas (atuam por hidrólise) alojadas no interior das pequenas bolsas lisossômicas. com o auxílio de seus lisossomos. formada na degradação dos aminoácidos e das gorduras) em H2O (água) e . Outra função do lisossomo é a autofagia. para o meio exterior. Além das funções citadas acima. que fica contida em uma bolsa repleta de enzimas. Uma das funções dos lisossomos é a digestão intracelular. semelhantes aos lisossomos. sua origem é o Aparelho de Golgi. Os materiais não digeridos no processo digestivo permanecem dentro do vacúolo. A autofagia é uma atividade puramente alimentar. cercam e envolvem a estrutura a ser eliminada. são identificadas e enviadas para uma região especial do Aparelho de Golgi.

Frequentemente se agregam para formarem feixes mais grossos. que se forma normalmente durante o metabolismo celular. sendo responsável também pelos movimentos celulares (contração muscular. e outras. Atuam no processo de desintoxicação das células (absorvem substâncias tóxicas. 4. cromossomos vesículas e grânulos diversos. eles participem da desintoxicação da célula. organelas. Os principais elementos do citoesqueleto são: . g) Citoesqueleto O citoesqueleto desempenha um papel mecânico de suporte. modificando-as de modo a que não causem danos ao organismo). . é tóxico e deve ser rapidamente eliminado. comanda a seqüência de aminoácidos da proteína. sendo o mecanismo controlado pelo RNA. Freqüentes em células que sofrem atrito Dentre estes componentes apenas os filamentos intermediários são estáveis exercendo somente papel de sustentação. deslocamento intracelular de ribossomos. Nas células eucarióticas. O peróxido de hidrogênio.Microtúbulos: proporcionam o movimento dos cílios e flagelos e estão presentes no deslocamento dos cromossomos (mitose) bem como estabelecimento e manutenção da forma das células. Durante esse trabalho. através da união entre aminoácidos. em menor quantidade. sob o comando do DNA.Filamentos intermediários: são mais estáveis por isso participam nas funções estruturais. à medida que a proteína vai sendo fabricada.7 O2 (oxigênio). os ribossomos vão "deslizando" pela molécula de RNA. que degradam gorduras e aminoácidos. mantendo a forma celular e a posição dos componentes e organelas. Este é produzido no núcleo da célula. .Filamentos de Actina: possibilita a mudança de tamanho dos filamentos de actina. apoiado num grupo de ribossomos chamado polirribossomo ou polissoma. Alem da digestão. f) Ribossomos: Presentes em todos os seres vivos são grãos formados por ácido ribonucléico (RNA) e proteínas. É nos ribossomos que ocorre a síntese das proteínas.Filamentos de Miosina . O RNA. formação de pseudópodes.0 NÚCLEO . podem aparecer livres no hialoplasma ou associados a membrana do retículo (RE rugoso).

A membrana apresenta-se constituída de duas lãminas: a interna. que não está em mitose. Entre as duas menbranas situa-se uma cavidade chamado espaço perinuclear. como na condensação dos cromossomos na divisão celular. como as musculares estriadas. onde irá regular atravês dos ribossomos toda a síntese de proteínas específicas (estruturais e enzimáticas). Esta menbrana é uma diferenciação local do retículo endoplasmático e se caracteriza pela alta quantidade de poros. que é sintetizado por enzimas tendo como molde o DNA (cromatina). Quimicamente a carioteca possui a mesma composição do plasmalema e retículo endoplasmático que é basicamente proteínas e fosfolipídeos. As proteínas têm importante papel nas funções e na o rganização do DNA. Através dos poros são realizadas trocas entre o núcleo e o citoplasma. Cromossomos: entidades portadoras da informação genética .3. 4. A maioria das células é uninucleada (apenas um núcleo). 4. Nucléolo: Síntese de RNA-ribossômico.8 Controla todas as atividades celulares. que envolve o nucleoplasma e a externa que vive em contato com o hialoplasma e possui ribossomos. Cromatina: é constituída por ácido desoxirribonucléico (DNA) associado a proteínas. 4. isto é. responsáveis pela arquitetura e fisiologia celulares. e plurinucleadas (mais de dois núcleos). estando associado a diversas proteínas como as histonas. Tais informações são transmitidas ao citoplasma através do RNA-mensageiro. como as hepáticas e cartilaginosas. Representa o centro de coordenação celular. tanto no núcleo interfásico. principal constituinte dos ribossomos. Carioteca: A membrana nuclear constitui um envoltório que engloba o suco nuclear. 4. mas existem células binucleadas (dois núcleos).1. depositários da informação genética que são responsáveis pela atividade celular. e onde estão imersos a cromatina e o nucléolo.4. É no DNA do núcleo que estão localizados a maioria dos genes. que apresenta grande complexidade.2. As células eucariontes contêm uma quantidade muito maior de DNA. A quantidade de poros varia de acordo com o estágio funcional da célula.

educarchile. 2007. histologia e anatomia microscópica.Base/Web/VerContenido. SOBOTTA. Atlas de histologia: Citologia. Guanabara koogan S. [traduzido por Marcelo Sampaio Narciso]. ± Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.A.9 5. 2000. acesso em 05/09/2010 .cl/Portal.html. acesso em 07/09/2010 http://www.ufv. Biologia Celular e Molecular. C. 7ª Ed. 7ª Ed.br/dbg/labgen/celulas. Rio de Janeiro. L. Editoria de Ulrich Welsch.aspx?GUID=59e07ec2-11c7450a-ab7b-0922a592a15c&ID=133106.0 REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS JUNQUEIRA. http://www.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful