P. 1
Análises de Balanço

Análises de Balanço

|Views: 1.088|Likes:
Publicado porestevam_19

More info:

Published by: estevam_19 on Sep 15, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/04/2012

pdf

text

original

Análise das demonstrações financeiras

A análise das demonstrações financeiras consiste em verificar a situação econômicafinanceira da empresa a partir das informações disponibilizadas pela contabilidade. Tal análise se faz de acordo com o interesse do usuário da informação contábil e financeira. Do ponto de vista da empresa, os usuários dividem-se em dois grupos: Os usuários internos são os responsáveis pela gestão da empresa, ou seja são os executivos intimamente relacionados com o processo decisório da organização. Os usuários externos são os prestadores de serviços, os bancos, os clientes, os concorrentes, etc. Basicamente, trata-se de instruir o processo decisório com informações sobre a saúde financeira, a estrutura de captação de recursos, a rentabilidade e o desempenho operacional da empresa.

Principais interessados na análise
Sócios/acionistas: extraem da análise das demonstrações financeiras os dados necessários para acompanhar o poder de solvência e a lucratividade da empresa, além de comparar o desempenho global com o de exercícios anteriores. Fornecedores: pelo fato de negociarem o fornecimento de mercadorias e serviços, precisam tomar conhecimento da estrutura patrimonial de seus clientes, a fim de viabilizar seus créditos com maior segurança, fundamentalmente por meio da análise de liquidez. Instituições financeiras: necessitam conhecer a estrutura patrimonial da empresa, para obter maior segurança nas operações de financiamento, além de desconto de duplicatas e outras operações financeiras. Clientes: necessitam conhecer a situação econômica-financeira de seus fornecedores para garantir o fornecimento dos bens e serviços adquiridos, bem como os prazos a serem cumpridos.

Demonstrações e relatórios da análise
Balanço patrimonial (BP); Demonstração do resultado do exercício (DRE); Demonstração das mutações do patrimônio líquido (DMPL); Demonstração das origens e aplicações dos recursos (DOAR); Notas explicativas: complementam as demonstrações contábeis; Relatório da administração: informa sobre diversos aspectos da empresa; Parecer dos auditores independentes: atesta a fidedignidade das informações.

Principais restrições
Análise baseada em demonstrações contábeis não auditadas; Não observância aos principais fundamentos da contabilidade; Demonstrações contábeis com omissões relevantes de informações; Números não confiáveis em função da precariedade dos controles internos; Reconhecimento inadequado das operações; Interesse político; Interesses fraudulentos.

Reclassificação das contas
Duplicatas descontadas: transferir do ativo circulante para o passivo circulante, visto que representam uma obrigação na modalidade de empréstimo, servindo as duplicatas de garantia. A reclassificação permite analisar melhor as fontes de recursos utilizadas pela empresa. Empréstimos a interligadas: quando aparecerem no ativo circulante, devem ser reclassificados no realizável a longo prazo. Esses valores até podem retornar à empresa no curto prazo. Mas, como os devedores exercem influência decisiva sobre a credora, normalmente esses empréstimos não têm data para ser liquidados. Empréstimos de diretores e/ou interligadas: quando figurarem no passivo exigível a longo prazo, deverão ser reclassificados no passivo circulante. Esse caso é o oposto do anterior. Os recursos que a empresa capta de diretores ou empresas coligadas, a título de empréstimo, podem ser exigidos a qualquer momento.

Análise vertical
A análise vertical mostra a participação percentual de cada item das demonstrações financeiras em relação ao somatório de seu grupo. Essa análise permite avaliar a composição de itens e sua evolução no tempo. Este tipo de análise propicia a comparação das percentagens dos itens das diversas demonstrações em relação a outras empresas, basicamente as concorrentes que atuam no mesmo ramo de atividade. A análise vertical é de grande importância, principalmente quando aplicada à demonstração de resultado do exercício, porque possibilita detectar a composição percentual das receitas e despesas, evidenciando aquelas que mais influenciaram na formação do lucro ou prejuízo.

Modelo de análise vertical
BALANÇO PATRIMONIAL
Ano I R$ ATIVO Circulante Disponível Estoques Clientes Outros Realizável a LP Clientes Permanente Investimentos Imobilizado Diferido PASSIVO Circulante Contas a pagar Impostos a recolher Exigível a LP Financiamentos Patrimônio Líquido Capital Social Reservas 478.320 296.394 27.640 124.638 28.754 115.362 36.702 36.702 145.224 75.113 60.781 9.330 478.320 72.021 50.415 21.606 226.273 226.273 180.026 70.000 110.026 Análise Vertical 100,0% 62,0% 5,8% 26,1% 6,0% 24,1% 7,7% 7,7% 30,4% 15,7% 12,7% 2,0% 100,0% 15,1% 10,5% 4,5% 47,3% 47,3% 37,6% 14,6% 23,0% Ano II R$ 927.506 644.559 44.422 331.053 94.256 174.828 29.680 29.680 253.267 130.028 62.652 60.587 927.506 456.209 320.004 136.205 161.293 161.293 310.004 87.500 222.504 Análise Vertical 100,0% 69,5% 4,8% 35,7% 10,2% 18,8% 3,2% 3,2% 27,3% 14,0% 6,8% 6,5% 100,0% 49,2% 34,5% 14,7% 17,4% 17,4% 33,4% 9,4% 24,0% Ano III R$ 1.151.080 761.510 21.853 340.428 99.439 299.790 31.705 31.705 357.865 224.656 107.540 25.669 1.151.080 565.751 360.201 205.550 130.776 130.776 454.553 131.250 323.303 Análise Vertical 100,0% 66,2% 1,9% 29,6% 8,6% 26,0% 2,8% 2,8% 31,1% 19,5% 9,3% 2,2% 100,0% 49,1% 31,3% 17,9% 11,4% 11,4% 39,5% 11,4% 28,1%

Modelo de análise vertical
DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO
¥ ¦ ¡   ¡¤
) ) 10,1%

LUCRO OPERACIONAL es ltado n o o eracional eceitas n o o eracionais es esas n o o eracionais

60.105 . . .

6,5%

133.644 . . .

9,1%

217.096

10,1%

(

) )

(

) )

( (

LUCRO ANTES DO IR LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO

89.128 ( .

9,7%

151.094 ( .

10,2%

231.343 .

10,8%

86.795

9,4%

144.164 

! 

!!! #

3

Provis o ara o I

9,8%

215.694

"  "#  

 " 

#" #  #" 

"   "!

, , ,

, , ,

. . .

" 

$ ! #!  

!#  #  

!   " 

# ! 

$  # # 

# " "  !   " 

! "

!! # ! "

. .

, ,

. .

, ,

. . 

$ # $# ! ! 

#$" $ # !#" $ 

 !!  $! 

#   #$ $    $ $  

es esas eracionais es esas de Vendas es esas d inistrativas es esas inanceiras (-) eceitas inanceiras tras es esas

. . .

, , ,

. . .

, , ,  

 # "  # 

&

" $ #  " $" " # " ##  

##    ! #

&

LUCRO RUTO

281. 19

0,5%

702.520

47, %

1.015.219 . . .

47,4% , , , , , , , , 

# 

$ #" "

#

( 

" !    

 

   

DAS stos das Vendas

921.995 100,0% ( . ) ,

1.

.551 100,0% . ) ,

2.140.999 100,0% ( . . ) ,

£

¢

¥ ¦ ¡ 

¡¤

£

¢

©

¥ ¦ ¡ 

¡¤

Ano I

Análi rti l

Ano II

Análi rti l

Ano III

Análi rti l

"  !  #

£

¢

( ( 4 4 ( 4

1

( ' 2 2

(

0

)

(

%

4 

) 3 ( ' ( ' ( ' ( ' ( ' 3  3 

 ¨§ ¤

Análise horizontal
A análise horizontal toma por base dois ou mais exercícios sociais para verificar a evolução ou involução de seus componentes. Observando o comportamento dos diversos itens do patrimônio e, principalmente, dos índices, pode-se fazer uma análise de tendência. Permite fazer diversas análises comparativas, seja da variação dos valores de cada conta ou grupo de contas ao longo dos exercícios, seja da variação dos índices apresentados pela empresa nos períodos analisados. A avaliação das modificações das contas é feita por meio da comparação com: as variações históricas da própria da empresa; as taxas de crescimento da economia; as taxas de crescimento do setor a que pertence a empresa; a taxa de inflação oficial; as variações nas contas idênticas das demonstrações de concorrentes. A análise horizontal dos índices tem a grande vantagem de eliminar a preocupação do gestor com os patamares de inflação no período considerado, uma vez que os índices resultam da comparação de grandezas de uma mesma data.

Modelo de análise horizontal
BALANÇO PATRIMONIAL
Ano I R$ ATIVO Circulante Disponível Estoques Clientes Outros Realizável a LP Clientes Permanente Investimentos Imobilizado Diferido PASSIVO Circulante Contas a pagar Impostos a recolher Exigível a LP Financiamentos Patrimônio Líquido Capital Social Reservas 478.320 296.394 27.640 124.638 28.754 115.362 36.702 36.702 145.224 75.113 60.781 9.330 478.320 72.021 50.415 21.606 226.273 226.273 180.026 70.000 110.026 Análise Horizontal 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% Ano II R$ 927.506 644.559 44.422 331.053 94.256 174.828 29.680 29.680 253.267 130.028 62.652 60.587 927.506 456.209 320.004 136.205 161.293 161.293 310.004 87.500 222.504 Análise Horizontal 193,9% 217,5% 160,7% 265,6% 327,8% 151,5% 80,9% 80,9% 174,4% 173,1% 103,1% 649,4% 193,9% 633,4% 634,7% 630,4% 71,3% 71,3% 172,2% 125,0% 202,2% Ano III R$ 1.151.080 761.510 21.853 340.428 99.439 299.790 31.705 31.705 357.865 224.656 107.540 25.669 1.151.080 565.751 360.201 205.550 130.776 130.776 454.553 131.250 323.303 Análise Horizontal 240,7% 256,9% 79,1% 273,1% 345,8% 259,9% 86,4% 86,4% 246,4% 299,1% 176,9% 275,1% 240,7% 785,5% 714,5% 951,4% 57,8% 57,8% 252,5% 187,5% 293,8%

Modelo de análise horizontal
DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO
@ 65
, , , , , , , , ,

LUCRO OPERACIONAL es ltado n o o eracional eceitas n o o eracionais es esas n o o eracionais O IR

60.105 . . .

100,0% , , ,

133.644 . . .

222,4% , , ,

217.096

361,2%

(

)

(

)

(

. . .

)

D

LUCRO LÍ UI O

O EXERCÍCIO

86.795

100,0%

144.164

166,1%

215.694

248,5%

VY STQ

VS TeX

SWe Q

V S SSU

W WW X

i

rovis o ara o I

( .

)

,

( .

)

,

(

e Q `U R

D

LUCRO ANTES

89.128

100,0%

151.094

169,5%

231.343 .

259,6%

)

VY SWU VU X `

VX WU X VY WSU VU e R

YT S W X` W e

Q` e WS X T X R

SW ` R U R

Ve YUU VT eT VU SQ

TYQ X X`

eQX TU eU T W R S` TU R

V S SSU V S SSU

V S SSU V S SSU V S SSU

W `W X Q We TU

. .

, ,

. .

, ,

. .

V` TX R VX U YW VY SQW

TS e XYU QY T XS Q WXU Ye T

VQ WTU VW YSW VX T`X

VX UU R VY X R

``X T R XY TY R R QTY YQ`

RR

V S SSU V S SSU V S SSU

es esas eracionais es esas de endas es esas d inistrativas es esas inanceiras (-) eceitas inanceiras tras es esas

U YT X R U Y `U RR U X U XX R

X X` ` ` R W XS

U R W R eX

c c p p c p

D

g

P

c b h h

c

f

r c

d

a

LUCRO

RUTO

281.319 . . .

100,0% , , ,

702.520 . . .

249,7% , , ,

1.015.219 . . .

360,9%

VT `TU

SY T `XU U

VY SXU

(

U WS TT R GF

V S SSU

Q TQ S Q R

AS stos das endas

921.995 ( . )

100,0% ,

1.

.551 . )

160,1% ,

2.140.999 ( . . )

9

87

@ 65

9

87

E

@ 65

Ano I

Análi orizont l

Ano II

Análi orizont l

Ano III

Análi orizont l 232,2% ,

9

87

P

p

I d i c b c b c b c b c b i I i q

I H D CB A

Indicadores econômico-financeiros
O principal instrumento utilizado para analisar a situação econômico-financeira de uma empresa é o índice, ou seja, o resultado da comparação entre grandezas. Os índices estabelecem a relação entre as contas ou grupo de contas das demonstrações contábeis, visando evidenciar determinado aspecto da situação econômico-financeira de uma empresa. Facilitam sensivelmente o trabalho de análise, uma vez que a apreciação de certas relações ou percentuais é mais significativa que a observação de montantes. Servem como um termômetro da saúde financeira da empresa. Os principais índices são: Índices Índices Índices Índices Índices de de de de de liquidez: apontam a capacidade de pagamento da empresa; estrutura de capital: demonstram a estrutura de capital da empresa; endividamento: refletem o nível de endividamento da empresa; atividades: mostram a dinâmica de algumas atividades da empresa; rentabilidade: avaliam o desempenho econômico da empresa.

Existem diversos outros índices para análise das demonstrações financeiras. Cabe ao analista decidir quais utilizar de acordo com o objetivo da análise, podendo até criar.

Índices de liquidez
Liquidez imediata (LI) Disponível Passivo Circulante Este índice mede a capacidade financeira da empresa em honrar imediatamente seus compromissos de curto prazo contando apenas com suas disponibilidades, ou seja os recursos disponíveis em caixa ou bancos. Liquidez corrente (LC) Ativo Circulante Passivo Circulante A liquidez corrente é um dos índices mais utilizados em análise econômico-financeira mostrando quanto a empresa poderá dispor em recursos a curto prazo (caixa, bancos, clientes, estoques, etc.) para pagar suas dívidas circulantes (fornecedores, empréstimos e financiamentos a curto prazo, contas a pagar, etc.).

Índices de liquidez
Liquidez seca (LS) (Ativo Circulante Estoques) Passivo Circulante Esse índice é uma medida mais rigorosa da liquidez da empresa, sendo tratado por muito especialista como teste do ácido . Mostra quanto a empresa poderá dispor de recursos circulantes, sem levar em consideração seus estoques, para fazer face às suas obrigações a curto prazo. Liquidez geral (LG) Ativo Circulante + Ativo Realizável a Longo Prazo Passivo Circulante + Passivo Exigível a Longo Prazo A liquidez geral, ou índice de solvência geral, é uma medida de capacidade da empresa em honrar todas as suas exigibilidades, contando, para isso, com os seus recursos realizáveis a curto e longo prazos.

Índices de estrutura de capital
Imobilização do patrimônio líquido (IPL) Ativo Permanente x 100 Patrimônio Líquido Esse índice mostra quanto do ativo permanente da empresa é financiado pelo seu patrimônio líquido e, portanto, a maior ou menor dependência de aporte de recursos de terceiros para manutenção dos seus negócios Participação de capitais de terceiros sobre recursos próprios (PCT) Passivo Circulante + Passivo Exigível a Longo Prazo Ativo Total Indica quanto a empresa possui de capital de terceiros em relação ao capital próprio.

Índices de endividamento
Endividamento Geral (EG) Passivo Circulante + Passivo Exigível a Longo Prazo x 100 Passivo Total Esse índice demonstra o grau de endividamento da empresa. Reflete também a estrutura de capital da empresa (PCT). Composição do endividamento (CE) Passivo Circulante x 100 Passivo Circulante + Passivo Exigível a Longo Prazo O índice de composição do endividamento tem o objetivo de demonstrar a política adotada para captação de recursos de terceiros. Pode-se identificar através desse índice se a empresa concentra seu endividamento a curto ou longo prazo.

Índices de atividades
Prazo Médio de Compras (PMC) Fornecedores x 360 Montante das compras (CM + EF EI) O prazo médio das compras, também conhecido por prazo médio de pagamento, indica quanto tempo a empresa leva para pagar aos fornecedores suas obrigações decorrentes das compras de matérias-primas ou mercadorias. Prazo Médio de Estoques (PME) Estoques x 360 Custo das Mercadorias endidas (CM ) O prazo médio de estoques, ou giro dos estoques, é o tempo decorrido entre a compra e a venda das mercadorias.

Índices de atividades
Prazo Médio de Recebimentos (PMR) Clientes x 360 Receita Operacional Bruta O prazo médio de recebimentos retrata quanto tempo a empresa leva para receber dos clientes, indicando o tempo decorrido entre a venda e o efetivo ingresso dos recursos. Deve-se ressaltar que no montante de clientes deverão estar contidos os créditos de curto e longo prazos. Ciclo Operacional (CO) Ciclo Operacional = PME + PMR Indica o período decorrido entre a compra da mercadoria ou matéria-prima e o recebimento efetivo referente às vendas efetuadas.

Índices de atividades
Ciclo Operacional
t ‡ ˆ
dias =

Compra
PME =

Ciclo Financeiro (CF) Ciclo Financeiro = CO - PMP Exprime o período decorrido entre o momento do pagamento aos fornecedores referentes à compra da mercadoria ou matéria-prima e o efetivo recebimento relativo às vendas efetuadas aos clientes.
dias
PM =

–•

PMP =

dias

Ciclo Financeiro =

dias

™

PME =

dias

dias

f

Compra
˜—

d e

h–g

ende CO =

ecebe

u‚y

uy

u€y

ux

†

…

dias

PM =

‰ ‘

s ’ uw uv ”“ „ƒ

ende

ecebe
dias

u

Índices de rentabilidade
Taxa de Retorno dos Investimentos (TRI) Lucro Líquido x 100 Ativo Total Esse índice mostra quanto a empresa está obtendo de retorno em relação aos seus investimentos totais. Por meio dele pode-se também determinar o payback , ou seja, em quanto tempo se recuperam os investimentos totais efetuado no negócio. Taxa de Retorno sobre o Patrimônio Líquido (TRPL) Lucro Líquido x 100 Patrimônio Líquido Mede a remuneração dos capitais próprios investidos na empresa, ou seja, quanto foi adicionado ao patrimônio líquido decorrente do resultado do período.

Índices de rentabilidade
Giro do Ativo (GA) endas Líquidas Ativo Total Esse indicador demonstra se o faturamento gerado no período foi suficiente para cobrir o investimento total. Margem Bruta (MB) Lucro Bruto x 100 Receita Operacional Líquida Representa a lucratividade auferida sobre o produto ou serviço comercializado pela empresa.

Índices de rentabilidade
Margem Operacional (MO) Lucro Operacional x 100 Receita Operacional Líquida Avalia o ganho operacional da empresa em relação ao seu faturamento. Esse indicador revela a eficiência operacional da empresa, medida exclusivamente em função de suas operações normais realizadas para manutenção da atividade-fim. Margem Líquida (ML) Lucro Líquido x 100 Receita Operacional Líquida Esse índice demonstra o retorno líquido da empresa sobre seu faturamento, após dedução das despesas operacionais e não operacionais e os impactos do imposto de renda e da contribuição social sobre o lucro.

Parecer técnico
O nível de segurança que se obtém de um parecer técnico sobre a situação econômica financeira de uma empresa está diretamente relacionado ao período escolhido para a avaliação. Por isso, recomenda-se que essa avaliação seja efetuada com base nas demonstrações financeiras de pelo menos três exercícios sociais. Os índices facilitam bastante o trabalho de análise, uma vez que a apreciação de certas relações ou percentuais é mais significativa que a observação de montantes. De fato, os índices servem como um termômetro da saúde financeira da empresa. Porém, para fornecer um parecer conclusivo é necessário analisar outros aspectos da estrutura financeira e econômica da empresa. Portanto, os índices não devem ser considerados isoladamente, e sim num contexto mais amplo, onde cabe interpretar também outros indicadores e variáveis. Muitas vezes, um alto grau de endividamento não significa que a empresa esteja à beira da insolvência, já que existem outros fatores capazes de atenuar essa condição. O analista deve sempre ponderar sobre o ramo de atividade e as peculiaridades do negócio da empresa, comparar os índices aos das empresas concorrentes e com os índices-padrão que representam os índices médios de diversas empresas que atuam no mesmo ramo de atividade da empresa em análise.

Análise geral dos índices
Resumo dos Índices Índices de Liquidez Ano I Ano II Ano III Média da Indústria Ano III Análise Comparativa Avaliação Análise Histórica Análise Global

Liquidez imediata Liquidez corrente Liquidez seca Liquidez geral
Índices de Endividamento

0,14 2,04 1,32 1,98

0,12 2,08 1,46 2,19

0,10 1,97 1,51 2,26

0,10 2,05 1,43 2,14

ok ok ok ok

ok ok boa boa

ok ok boa boa

Endividamento geral Composição do endividamento
Índices de Atividades

36,8% 44,2%

44,3% 53,1%

45,7% 52,4%

40,0% 50,0%

ok ok

ok ok

ok ok

Prazo médio de pagamentos Prazo médio de estoque Prazo médio de recebimento
Índices de Rentabilidade

76 71 44

81 63 51

94 50 59

67 55 44

ruim ok ruim

ruim boa ruim

ruim boa ruim

Taxa de retorno dos investimentos Taxa de retorno sobre o PL Giro do ativo Margem bruta Margem operacional Margem líquida

8,3% 13,1% 0,94 31,4% 14,6% 8,8%

4,5% 8,1% 0,79 33,3% 11,8% 5,8%

6,4% 11,8% 0,85 32,1% 13,6% 7,5%

4,8% 8,0% 0,75 30,0% 11,0% 6,4%

boa boa ok boa boa boa

ok ok ok boa ok ok

boa boa ok boa boa boa

Fonte modelo: Gitman

Princípios da Administração Financeira

Análise geral dos índices - Parecer
A análise geral dos índices tende a focalizar todos os aspectos das atividades financeiras da empresa, através da análise comparativa com a indústria e da análise do histórico da própria empresa, a fim de identificar as áreas que mais contribuíram ou afetaram o desempenho da empresa no período em análise. A seguir, breve exemplo de um parecer a partir da análise geral dos índices: Liquidez A liquidez geral da empresa parece exibir uma tendência razoavelmente estável, tendo-se mantido em um nível relativamente consistente com a média da indústria no ano III. Parece que a empresa tem uma boa liquidez. Endividamento As obrigações da empresa entre os anos I e III aumentaram e estão atualmente a um nível acima da média da indústria. Ainda que esse aumento no índice de endividamento possa ser causa de preocupação, aparentemente a empresa manteve sua capacidade para satisfazer suas obrigações adequadamente.

Análise geral dos índices - Parecer
Atividade A administração dos estoques parece ter melhorado, e no último ano desempenhouse em nível superior ao da indústria. A empresa pode estar enfrentando alguns problemas com as duplicatas a receber. O prazo médio de recebimento cresceu para um nível acima do da indústria. A empresa também está demorando para pagar suas contas, ela está pagando, aproximadamente, 30 dias mais tarde que a média da indústria. Embora os índices de liquidez da empresa estejam em patamares adequados e alinhados com a média da indústria, deve-se dedicar alguma atenção à administração das duplicatas a receber e do contas a pagar. Lucratividade A lucratividade da empresa no ano III foi melhor que a média da indústria, ainda que não se possa comparar com o seu desempenho no ano I. Embora as margens brutas nos anos II e III tenham sido melhores que a do ano I, parece que os níveis mais altos das despesas operacionais e financeiras nos dois últimos anos provocaram uma queda da margem líquida. Mesmo assim, no ano III a margem líquida da empresa é bastante favorável, quando comparada a média da indústria.

Análise geral dos índices - Parecer
As taxas de retorno dos investimentos comportaram-se de maneira similar à margem líquida, ao longo do período entre os anos I e III. A empresa parece ter sofrido uma forte queda nas vendas, entre os anos I e II, ou uma rápida expansão nos ativos. O giro do ativo reflete um considerável declínio na eficiência da utilização dos ativos neste período. Resumo Geral Em resumo, parece que a empresa está crescendo e recentemente expandiu seus ativos, essa expansão está sendo financiada basicamente através do uso do capital de terceiros. O período entre os anos I e II reflete uma fase de ajuste e recuperação do rápido crescimento dos ativos. Os lucros e demais indicadores de desempenho da empresa parecem estar crescendo junto com o aumento no tamanho da operação.

Sistema de análise DuPont
O sistema de análise DuPont funciona como uma técnica de busca para localizar as áreas responsáveis pelo desempenho financeiro da empresa. Este sistema funde a demonstração do resultado e o balanço patrimonial em duas medidas-sínteses da lucratividade: as taxas de retorno sobre o ativo total e sobre o patrimônio líquido. Inicialmente, o sistema DuPont reúne a margem líquida, a qual mede a lucratividade sobre as vendas, com o giro do ativo total, que indica a eficiência da empresa na utilização dos seus ativos para geração de vendas. Na fórmula DuPont, o produto desses dois índices resulta na taxa de retorno sobre o ativo total. O segundo passo no sistema DuPont relaciona a taxa de retorno sobre o ativo total à taxa de retorno sobre o patrimônio líquido. Esta última é obtida multiplicando-se a taxa de retorno sobre o ativo total pelo multiplicador de alavancagem financeira, que representa o índice de endividamento geral da empresa. O sistema DuPont tem sido, há muitos anos, usado pelos administradores financeiros como uma estrutura para analisar as demonstrações financeiras e avaliar a situação econômica-financeira da empresa.

Sistema de análise DuPont - Modelo
Vendas

Demonstração do Resultado

menos

CMV
menos

Lucro Líquido
dividido por

Despesas Operacionais
menos

Margem Líquida

Vendas

Despesas Financeiras
menos

Taxa de Retorno sobre o Ativo Total

Provisão IR

Vendas Ativo Circulante
mais dividido por

Giro do Ativo Total

Ativo Total Taxa de Retorno sobre o Patrimônio Líquido

Balanço Patrimonial

Ativo Realizável a LP
mais

Ativo Permanente Passivo Circulante
mais

Exigível Total
mais

Passivo Exigível a LP

Passivo Total
dividido por

Patrimônio Líquido

Multiplicador de Alavancagem Financeira

Patrimônio Líquido

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->