P. 1
Capítulo20

Capítulo20

|Views: 167|Likes:
Publicado poraylaaraujo

More info:

Published by: aylaaraujo on Sep 15, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/18/2015

pdf

text

original

20

Auditoria do Imobilizado

20.1

Objetivo
A auditoria do imobilizado tem as seguintes finalidades: a. b. c. d. e. f. g. determinar sua existência física e a permanência em uso; determinar se pertence

à companhia;
os princípios de contabilidade geralmente e, por outro e

determinar se foram utilizados aceitos, em bases uniformes;

determinar se o imobilizado não contém despesas capitalizadas lado, as despesas não contêm itens capitalizáveis; determinar se os bens do imobilizado foram adequadamente corrigidos monetariamente em bases aceitáveis;

depreciados

determinar a existência de imobilizado penhorado, dado em garantia ou com restrição de uso; e determinar se o imobilizado está corretamente classificado nas demonstrações financeiras e se as divulgações cabíveis foram expostas por notas explicativas.

20.2

Revisão do controle interno

A revisão do controle interno tem a finalidade de determinar ao auditor qual a confiabilidade depositada no controle interno, para a definição dos procedimentos de auditoria, a extensão dos trabalhos e o momento de sua aplicação. Muito embora o controle interno seja variável de companhia para companhia, é recomendável que a administração estabeleça pontos fortes de controle que lhe concedam segurança. A título de exemplo, seguem alguns pontos de controle interno que podem ser comumente encontrados na área do imobilizado.

obsolescência ou • limites definidos de capitalização quanto a valores e tempo de vida útil. • sistema de comunicação para os casos de transferências. e • segregação de funções entre o setor de compras e a recepção dos bens do imobilizado. medir as possíveis deficiências para determinação dos riscos envolvidos e quais os procedimentos de auditoria a praticar para a formação de opinião adequada. inspeção física das confirmação dos cartórios para as escrituras. deverá identificar se realmente os controles existentes funcionam. confirmação dos fornecedores quanto a bens adquiridos a prazo. cálculo do lucro ou prejuízo da venda de imobilizado. documental das vendas realizadas. soma das fichas individuais dos bens do imobilizado. do imobilizado com os • sistema de autorização para aquisições e vendas de bens do imobilizado. Cálculo cálculo da depreciação do exercício. baixas de bens do imobilizado. dos certificados de propriedade de veículos. 20. confirmação de advogados sobre processos em andamento. das atas e assembléias. e. • balanceamento periódico entre as fichas individuais registros contábeis. obras andamento. quando o auditor realizar a avaliação do controle interno. seguem alguns procedimentos durante a execução dos trabalhos de auditoria: que poderão ser utilizados a. Confirmação c. exame da contabilização no período de competência. {inspeção em física dos bens do imobilizado. exame exame exame exame exame exame documental das compras realizadas. dos contratos de empréstimos. exame da conta de razão do imobilizado. Escrituração . E xame IISICO r. Documentos originais d. de escrituras de bens imóveis.3 Procedimentos de auditoria Os procedimentos de auditoria a serem utilizados pelo auditor para a obtenção dos objetivos são dependentes da avaliação do controle interno e da material idade envolvida. b.356 EXECUÇÃO DAS AUDITORIAS • contagens físicas periódicas. exame da conta de correção de reparos e manutenção. Há de se ter em mente que os controles supracitados não são os únicos existentes e. Para efeito ilustrativo.

Quando o controle interno tiver sido julgado como adequado. os exames de auditoria podem ser realizados em data intermediária à do encerramento. Observação 20. inquérito sobre a existência de obsoletos. Correlação relacionamento da depreciação com o resultado. compreende grande parte do total do ativo e pode consistir em uma gama imensa de tipos de bens. do razão auxiliar do inobsecado. porém importantes. a preferência deve recair na data de encerramento. pois as operações realizadas e contabilizadas inadequadamente podem influir nos saldos das contas do imobilizado devido às diferenças de taxas de depreciação aplicáveis aos grupos de bens do imobilizado. das contas de manutenção e reparos. O exame de auditoria deve ser cuidadoso. das aprovações e autorizações. Conseqüentemente. Registros auxiliares i. O imobilizado. exame exame exame exame das fichas individuais dos bens do imobilizado. Uma vez definido programa de auditoria. Caso isto ocorra. das escrituras de imóveis. j. relacionamento das contas de manutenção e reparos com o imobilizado. A seleção e a data da aplicação dos procedimentos de auditoria devem ser definidas visando à efetividade do controle interno e à material idade envolvida. Inquérito variação do saldo do imobilizado. dos mapas de cálculos de depreciação.4 Orientação exame de auditoria efetuado na área do imobilizado tem por finalidade atingir os objetivos previamente determinados. do razão analítico do imobilizado. g. Investigação exame exame exame exame exame minucioso minucioso minucioso minucioso minucioso de documentação de compras.AUDITORIA DO IMOBILIZADO 357 f. observação da existência de bens do imobilizado fora de uso. observação aos princípios de contabilidade. o programa de auditoria deve ser elaborado com o intuito de evitar trabalhos desnecessários ou que não atendam aos objetivos definidos. o . classificação adequada das contas. Caso contrário. o programa original deverá ser modificado para atender eventuais trabalhos não programados. h. durante a execução do trabalho o auditor deve estar alerta para evitar possíveis trabalhos desnecessários ou deixar de realizar trabalhos não programados. bastando para isto que o auditor recorra a procedimentos alternativos que lhe assegurem o valor do encerramento. de documentação de vendas. inquérito sobre tendência de expansão ou remodelação. em muitas companhias.

Por essa definição. As taxas de depreciação usualmente aceitas são as que seguem. devido à ação da natureza ou obsolescência.a. pois as contas de manutenção e reparos podem influir diretamente nas contas de ativo ou de resultado.a. sem as companhias se importarem com o desgaste efetivo dos bens do imobilizado. Pela existência de mais de um turno de trabalho é aceito também um acréscimo de 50% das taxas descritas. 20% a.A. 20. as contas de despesas de depreciações e depreciações acumuladas. quaisquer outras perdas com existência ou exercício de duração limitada. . então.6 Amortização Conforme determina a Lei das S. todos estes desperdícios deverão fazer parte do custo sujeito à depreciação. devese levar em conta esse inter-relacionamento. Durante a execução do programa de auditoria. existem contas que se inter-relacionam. 10% a. ou. Assim. A base de cálculo de depreciação será o custo acrescido de todas as adições que baseiem a possibilidade de colocar o imobilizado em uso nas operações da empresa. se a empresa tiver adquirido maquinário e determinada obras forem necessárias. 10% a. 20. ação da natureza ou obsolescência.. No Brasil. como a utilização de método de linha reta para depreciação: • Edifícios • Máquinas e equipamentos • Móveis e utensílios • Veículos 4%a. entende-se que a depreciação a ser contabilizada deve ser a que corresponde ao efetivo desgaste físico pelo uso ou perda de sua utilidade. assim como a prestação de serviço especializado para colocar a máquina em operação. quando corresponder à perda do valor dos direitos que têm por objetivo bens físicos sujeitos a desgastes ou perda de utilidade por uso. como: as contas de manutenção e reparos.a. as contas de correção monetária e as de lucros ou prejuízos originados com a venda de bens do imobilizado. a prática da depreciação tem sido em função daquela aceita como dedutível pelas autoridades fiscais. a diminuição de valor dos elementos do imobilizado deve ser periodicamente registrada na conta de amortização.a. quando corresponder à perda do valor aplicado na aquisição de direitos de propriedade industrial ou comercial.5 Depreciação A Lei das SA estabelece que a diminuição do valor dos elementos do imobilizado deve ser registrada periodicamente nas contas de depreciação.358 EXECUÇÃO DAS AUDITORIAS Como prática usual. cujo objetivo seja de utilização por prazo legal ou contratualmente limitado.

Programa de trabalho .Anexo 7.Pontos de recomendação .Cáculo global da depreciação . O método de cálculo de exaustão comumente utilizado é o método de unidades extraídas.Anexo 6. a menos que sua vida útil seja menor que o prazo contratual. inclusive para os bens aplicados na exploração. G-3 . G-2 .Anexo 4.Imobilizado . ou então nos casos de benfeitorias em propriedades de terceiros cuja amortização deverá ser pelo prazo contratual. A exaustão tem por objetivo distribuir o custo dos recursos naturais durante o período em que estes sejam extraídos.7 Exaustão A Lei das S. G . que está contida no Capítulo 25.Anexo 1. quando corresponder à perda do valor da exploração de direitos cujo objeto sejam recursos minerais ou florestais ou bens aplicados nessa exploração. Muito embora essa Lei tenha mencionado que a reavaliação possa ser feita para os elementos do ativo.A. BLA .AUDITORIA DO IMOBILIZADO 359 A amortização segue os mesmos critérios descritos na depreciação para os imobilizados que se reduzem ao longo do tempo. G-1 . Para a consecução da reavaliação. introduziu a possibilidade de se avaliarem os ativos ao valor de mercado denominado como reavaliação. 20. pelo fato de estes sofrerem maiores defasagens entre o valor de custo atualizado monetariamente e o efetivo de mercado. indica que a diminuição do valor dos elementos do imobilizado será registrada periodicamente na conta de exaustão.A. que deverá elaborar o laudo de avaliação detalhado e fundamentado com as indicações quanto aos critérios de avaliação e os elementos de comparação utilizados. .Anexo 5.9 Exemplo prático Jogo final de papéis de trabalho após cumpridos todos procedimentos do programa de trabalho.Resumo das baixas .Anexo 2. tem sido admitido contabilmente que essa prática somente deve ser aplicada aos componentes do imobilizado. 20.Resumo das adições . 20.Balancete de Trabalho-Ativo .8 Reavaliação A Lei das S. 2-G . exceto quanto à parte de encerramento do trabalho. devem ser nomeados em assembléia três peritos ou uma empresa especializada.Anexo 3.

2. cálculo de depreciação do exercício na data-base de 31-12-X2. Obtenha a movimentação ocorrida nas contas (Anexo 4) G do imobilizado e execute os seguintes procedimentos: a. 3. O imobilizado está corretamente classificado e demonstrado no balanço. 5. O imobilizado é de propriedade da companhia e permanece em uso.360 EXECUÇÃO DAS AUDITORIAS ANEXO 1 Cia. Faça referências· entre os papéis de trabalho como segue: a. G . G-1 í . b. confira o saldo em 31-12-X2 com o razão.Anexo 3 n~ 1 e 2) e na materialidade envolvida. Bronze Imobilizado 31-12-X2 Tempo Estimado Indicação dos Exames Programa de Trabalho Ret. I- OBJETIVOS DE AUDITORIA 1. O imobilizado está livre de restrição de uso. 11I - PROCEDIMENTOS Final Movimentação DE AUDITORIA do imobilizado 1. garantia ou penhora. 6. 2. O imobilizado não contém despesas e as despesas não contêm itens capitalizáveis. c. b. adições de bens em operação com o resumo das adições.I (Anexo 4) G-2 \X/" Ref. A depreciação e a correção está corretamente contabilizada. 11 - DETERMINAÇÃO DO ESCOPO DO TRABALHO Baseado na revisão do controle interno realizada (ver pontos fracos descritos no wp 2-G . determinamos que o escopo do trabalho do imobilizado será o exame da movimentação do período quanto às adições e baixas. some. confira o saldo em 31-12-X1 com os papéis de trabalho do ano anterior. baixas ocorridas de bens em operação e depreciações acumuladas com o resumo das baixas. O imobilizado está devidamente contabilizado e demonstrado com peGA uniformes em relação ao ano anterior. 4.

e para os 10 principais itens. para certificar-se da inexistência . utilizando-se das fichas patrimoniais do imobilizado. i - 10. some e faça referência com a folha mestra. dos Exames Estimado c. De posse das fichas patrimoniais.I ""- 5.I 9. 1/2 . aprovação de compra. d.I v'\ v<Y 01 í 12. revise os cálculos do custo e da depreciação acumulada. Confira a soma das fichas patrimoniais de 3112-X1. certificando-se de sua adequação. Efetue o cálculo global da depreciação contabilizada no exercício e cruze referência a depreciação contabilizada no exercício. I 1/2 1 1/2 II G-1 (Anexo 5) G-1 (Anexo 5) Ref. Certifique-se de que a taxa de depreciação utili-I 1 2 G (Anexo 4) G (Anexo 4) Nota 1 Nota 1 1/4 G-3 (Anexo 7) . Geral i I - M-4 í 1 G-3 (Anexo 7) . Solicite uma fita de soma das fichas patrimoniais para o saldo de custo de 31-12-X1. Verifique fisicamente as adições ocorridas no exercicio. total de bens em operações e depreciações acumuladas com o balanço de trabalho. adições do ano de depreciações acumuladas com o cálculo global de depreciações. de itens capitalizáveis incluídos na despesa. duplicatas quitadas. some e faça referência ocorridas no mestra. í 8. Adições I G-3 BLA I 3. constate sua existência física. Confronte os preços de venda com as notas fiscais e constate que foram adequadamente autorizados. Compute o lucro ou prejuízo na baixa ou venda do imobilizado e cruze referência com o resultado. I - G-2 (Anexo 6) G-2 (Anexo 6) G-2 (Anexo 6) G-2 (Anexo 6) Ref. - Baixas 7.AUDITORIA DO IMOBILIZADO 361 Tempo Programa de Trabalho I Indicação Ref. confronte em base de teste quanto à correta inclusão nessa fita de soma. Examine a documentação comprobatória das adições (nota fiscal. certificados de propriedade) que se refiram a itens capitalizáveis. í . Obtenha o resumo das baixas ocorridas no período. Percorra o razão para as contas de reparos e manutenção. zada é consistente com a de anos anteriores. 2 G-1 (Anexo 5) G-1 (Anexo 5) 0 Nota 6. Depreciações 11. Obtenha o resumo das adições com a folha período. 4. 13. 14.

Discussão com o cliente quanto aos pontos de recomendação apurados no transcorrer do trabalho. 18. Geraldo APROVADO REVISADO . 22. verificando se ele contém I 20. G Nota Nota 2 Nota Aprovação EXECUÇÃO DAS AUDITORIAS - Indicação Estimado 2 1/2 (Anexo G-3 Tempo 7) 4) 1 16. Relacione supervisor. A. Reis FEITO WíII F. Revise seu trabalho. Revisão doseu trabalho com outras áreas para 17. Discussão com o cliente quanto aos lançamentos de ajuste e/ou reclassificação apurados no transcorrer do trabalho.362 Revisão dosGExames Ref. 21. Conclusão atendendo aos objetivos da área.

080 240.900 104.190. Reis Data 1Q-2-X3 Aprovação F.290. Geraldo Data 15-2-X3 .300 Descrição Circulante: Disponibilidades Contas a receber Estoques Despesas antecipadas 2.340 1.#' G 1.000 9.(689./ Conforme balancete do Razão .360 8 Cia.940 82.780) 31-12-X2 E C 4.543.250 2. Somado.400 .280 1.517. Balancete de Trabalho .400 78.850 (638.400 .451.813.220 31-12-X2 1 31-12-X1 BLA Ajustes Débito Saldo í F {2.600 Bronze 780.980.000 Crédito Ajustado Realizável a longo prazo Permanente: Investimentos Imobilizado: Bens em operação Depreciações acumuladas . Data 5-2-X3 Revisão WíII .800 292.#' í Preparação A.380 242.110 Saldo í 707.427. Conforme wps do ano anterior.026.190) .650 326.895.2./ 5.AUDITORIA DO IMOBILIZADO 363 ANEXO 2 Ativo A B O Ref.

2-G 1 C. Ponto observado Não é realizado o balanceamento entre as fichas patrimoniais e o razão. Falta de definição de bens capitalizáveis. Formalização de política de para a capitalização bens ao imobilizado. 2 C. Preparação A.I. Demonstrações financeiras incorretas. Geraldo Data 12-2-X3 . Recomendação Balanceamento periódico entre as fichas patrimoniais e o razão. Reis Data 1-12-X2 Revisão WiII Data 10-2-X3 Aprovação F.364 EXECUÇÃO DAS AUDITORIAS ANEXO 3 Cia. Bronze Pontos para Recomendação 31-12-X2 NQ Ref.I. Possívelconseqüênda Depreciação calculada incorretamente e bens não baixados contabilmente. capitalização de pequenos valores e despesa de itens capitalizáveis.

000 Edifícios 21. Reis Somado.300 108. 12-2-X3 Conforme wpsGeraldo do 2.700 1.011.000 Ref.190 249.000 235.30086.000 540./ í JJ or » c » G ANEXO 4 Nota: 1.000 540.451.000 639.700 37.o N O 5> ~ Saldo Saldo 150.065 Terrenose eeequipamentos 120. O exame realizado revelou resultados satisfatórios.000 2.000 -#' 368. De acordo com as atas de reunião da diretoria e com os contratos de empréstimos existem garantia. Vide exames na área H.720 Ajustado equipamentos G-2 G-2 Débito Máquinas Ajustes Máquina G-1Crédito Saldo G-3í36.700 96.800 213.595 Baixas Móveis109.700 31-12-X2 711.980.600 64.038.720 540. somei e confrontei em base de teste com as fichas patrimoniais.000 689.600 2.000 420. 31-12-X2 Imobilizado AdiçõesDescrição í íí O 420. Obtive a fita de soma das fichas patrimoniais em 31-12-X1.590 198.675 Veículos utensílios 258.595 510. w I A.000 240. Para os 10 principais itens examinei-os fisicamente constatando encontrarem-se em boa ordem.000 90. Razão Conforme12-2-X3 .780 93.400 128.000 de imobilização dados em 01 (j) I -#' AprovaçãoI Revisão II Data I Preparação . ano anterior.000 .000 369.000 31-12-X15:: ::j 252.600 72.400 1. $ 800.390 360. WiII A. Reis 9-2-X3 F.000 638.

constatando í í í í que as despesas ali dispostas correspondiam »1 o o » » c CJJ o 5> =i A.modo 84 2 caminhões BWS .700 .( o 112.( 310. Examinei nota fiscal de compra. duplicata quitada.600 . devidamente aprovado.500 .ANEXO 5 Cia.038. Tornos Mecânicos Industriais Ltda.modo X2 2 tornos mecânicos .400 128. estando em boa ordem.modo MBC 2 máquinas de escrever . aprovado. Reis o JJ CJJ o "" .600 1. duplicata quitada. Geraldo Data 12-2-X3 . Descrição Máquinas e Equipamentos Móveis e Utensílios Veiculos ú) O') O') G-1 1 torno mecânico ./ Obtive as fichas patrimoniais. Ltda.900 "" m o c >< 36.700 -o G Nota: Percorri visualmente o razão para as contas de manutenção a despesas efetivas e que não haviam itens capitalizáveis. Máquinas Eletrônicas SA Revendedores Associados Móveis Madeirense SA Sampaio Guerreiro Ltda. ordem de compra e certificado de propriedade. constatando o número dado aos bens e examinei-os fisicamente. Preparação A. Máquinas Eletrônicas SA Revendedores Associados Ltda. Reis Data 9-2-X3 Revisão WíII Aprovação Datal 12-~-~j F.modo 120 1 máquina cortadora .modo X2 1 mesa de reunião e 6 cadeiras .( 27.modo MLA 10 máquinas de somar eletrônicas .700 . í e relatório de recebimento. e reparos.modo 45 1 caminhão BWS .400 .200 .( o 64.modo HS o 193. ordem de compra Somado.700 "" m 256.( 540.( 36. devidamente Conferido com nota fiscal. Bronze Resumo das adições 31-12-X2 Nota Fiscal Fornecedor Nº 4100 520 1327 5860 843 1849 8600 3220 Data 15-3-X2 22-3-X2 28-3-X2 29-6-X2 30-6-X2 15-9-X2 18-9-X2 25-9-X2 Tornos Mecânicos Industriais Ltda.700 369.

.000) (49.500 28.J O) .26.somarCusto 22 ficha 120. trole de baixa ou transferência do ativo imobilizado aprovado.000 ./. uma vez que se encontravam destruídos e sua venda era impraticável.000 36.000 34.000 198.v -.ANEXO 6 30-1-X2 de e decadeiras120 140.000 221 10103.000 (8.500) » c o í í =i O JJ » O O M-4 o ~ ~ r ® Estes bens foram baixados contabílmente. e observei a emissão do formulário de con- ../ í Preparação A.000 51..000) 2.ficha65.000 84.000 49.000 MBA 220175 2 caminhão BWS modo modo 84 ficha 50.000 19.J( Examinei as notas fiscais emitidas. N » O O .000 perua Preço Resumo 31-12-X2 das Baixas .000 295.000 21.500 39.000 85. Geraldo Data 12-2-X3 <.000 15-1-X2 1 312. constatando o correto valor aprovado pela diretoria . Obtive as fichas patrimoniais destes bens e constatei que os cálculos eram adequados. Reis Data 9-2-X3 Revisão WiII Data 12-2-X3 Aprovação F.000 mesas Venda 70./ Gí ® í Acumulada Cia.500 (16. Bronze Depreciação G-2 Lucro (Prejuízo) 19.000 BWS máquinas Líquido modo 198 1 35.. Somado.000 27.000 25-1-X2 mecânicofichaficha 10-1-X2 DatatornoValor 15 .000 15.

656 16.700 93.675 367 2.630 1.300 lÁ 711.089 45.000 í25.000 1.101 Total 12%Utensílios 370.700 } .300 lÁ 270.918 20% -# (5) í 249.900 21./eEdifícios 540.500 . Taxa consistente Calculado.521.600 í 240.038.556 5.976 G-3 56.031.877 30% 2 124.101 28.690 -#-#lÁ.600 73.000) (510.000 . A distribuição da depreciação o espaço utilizado e as máquinas os seguintes percentuais.Y íMóveis 1. Geraldo Data 12-2-X3 -# lÁ à do ano anterior.600 128.388 18.956 1.I 256.000) lÁ./.795 50%-#3 49.202 -27.368 31-12-X2 lo global de depreciação Taxa de depreciação Máquinas e í 2.000) 96.700 36.400} 112.590 54.595 DAS AUDITORIAS Veículos i 367 64.000 360. Data 9-2-X3 Revisão WiII Data 12-2-X3 Aprovação F. Reis .300 21.400 lÁ 249.300 420.700 í 369.700 37./ 595./ (240.Y 193.790-4 DiferençaCálculo M 74.000) (120. Obtido do wp G.590 .000 EXECUÇÃO 540.400 4%-# 310.905 -# lÁ .720 17.000 (150.I .920 2-1 Resultado 124.000 471./.300 36./ í í20% lÁG) .600 lÁ 12% 160./ Obtido do wp G-1 . í Preparação A.800 40. Somado.796 1. envolvi- é feita considerando-se 74.880 -3 lÁ M 49.200 } ANEXO 7 Nota: A depreciação é rateada considerando-se das na produção.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->