Você Conhece Jesus? Mesmo?

- por René Burkhardt | 11 de Setembro de 2010

Você1 terminava de se arrumar, apressado, pois estava atrasado para o encontro. Ainda tinha que andar por algumas quadras, até o local escolhido. Pronto! Finalmente! ³Vamos lá´, pensou Você, ³hoje deve ser o dia!´. Você saiu do apartamento e entrou no elevador. ³Que coisa desagradável! Isso é hora de encontrar esse vizinho do andar de cima? E logo aqui, no elevador! Tomara que ele não puxe conversa. Fantasiado de jogador de futebol, ele só vai querer falar disso. E isso não é pra mim. Isso é uma coisa maligna e não posso me associar a esse tipo de coisa!´. Boa noite! ± disse o vizinho. Boa noite! Você parece contente! ± respondeu Você, escondendo sua irritação. É... meu time ganhou o jogo e vou comemorar com alguns amigos! Isto é ótimo! ± retrucou Você, fingindo se alegrar com aquele homem.

Mas... terminou o suplício! No térreo, Você sai apressadamente, sem nem se despedir do vizinho. Já na calçada, próximo à lanchonete que fica ao lado do seu condomínio, Você não pode deixar de perceber (e fazer uma cara de nojo) uma mulher toda suja, mal cuidada, sentada sobre alguns papelões, e com uma criança dos seus sete anos deitada em seu colo, , tão suja quanto a mulher. ³Que nojo!´, Você pensou, tentando desviar o olhar daquela cena. ³Tenho que me lembrar de não votar de novo nesse Prefeito que ajudei a eleger. Como é que pode? Por que não tiram essas pessoas da rua e as escondem em algum lugar? É pra isso que pago aquele monte de impostos! Vou atravessar a rua aqui mesmo, antes que ela me peça alguma esmola!´. - Moço! ± chamou a mulher, como que adivinhando que Você não queria se aproximar. ³Dá uma ajudinha pra eu comprar um pãozinho e um copo de leite pro meu filho! Ele tá sem comer o dia inteiro!´ ± completou ela. Você fez de conta que não ouviu, acelerou os passos e cumpriu seu propósito de atravessar. ³Vê se pode: µcomprar pãozinho e leite pra criança¶! Ela vai é comprar cachaça! Tinha é que procurar uma trouxa de roupa pra lavar, fazer alguma coisa que preste, ao invés de ficar na rua perturbando os outros! Deus me livre!´, pensou enquanto atravessava. Mais adiante, Você vislumbrou duas garotas em roupas (?) insinuantes. ³Só me faltava essa! Se essas piranhas me abordarem, vou ter que dizer umas verdades pra elas! Mas, olhando bem, até que são gostosas. Humm, parecem ser novinhas. Mas... nem pensar! Imagina se alguém me vê falando com elas!... É claro que, se uma delas batesse lá no meu apartamento, sem ninguém ver...´. Antes que a rigidez se completasse, Você tomou um susto: ³Que é isso??? Dois caras se beijando no meio da rua?? Que absurdo!!! Essa raça tem que morrer!!! Se eu fosse Deus... acabava com isso agora mesmo!!´. Você olhou para o outro lado e apressou os passos, p ra não ser contaminado por aqueles perdidos. Finalmente!! Você chegou ao local do encontro: era um prédio bastante vistoso, moderno, e bastante luxuoso. Um lugar perfeito para um encontro! Na frente havia uma grande placa luminosa: ³Igreja Evangélica´. Você foi até a porta, deu uma olhada lá dentro, pra ver se estava mesmo atrasado, ou se deveria esperar um pouco, ainda, pra entrar. Quase vazia! ³Acho que vou dar um tempo aqui fora. É cedo, ainda. Tem um pessoal conversando ali. Vou lá me enturmar um pouco!´.

- Se não vier prá cá, e não seguir o que Calvino diz, tá todo mundo perdido!, dizia um. - Tem que vir pra cá, tá certo! Mas tem que seguir o que Armínio diz, senão... ± retrucou outro. - Vocês dois não sabem de nada!, falou alto um terceiro, - Tem que voltar ao princípio e seguir o que dizia Agostinho! - Voltar ao princípio é o certo mesmo, mas é o Pelágio que devemos seguir!, completou a quarta pessoa. - Bando de loucos! Não sigam o Wesley, pra ver só o que acontece com voc ês!!, disse o último, quase gritando! Você ficou quieto e não deu sua opinião. Preferiu falar com seus botões, com um sorriso amarelo estampado no rosto: ³Caramba! Esse pessoal sabe tudo! Vou prestar atenção no que dizem e seguir as idéias deles, pra ficar na boa!´. Mas a conversa não continuou. Todos se separaram, entraram no prédio e trataram de se sentar o mais longe possível um do outro. Você também! Sentado, Você olhava em volta, como se estivesse procurando por alguém: ³Será que vai ser hoje? Me disseram que eu encontraria Jesus aqui, mas... faz tanto tempo que venho aqui e parece que tá tudo igual! Deve ser coisa da minha cabeça. Aquele negócio que eu li, de encontro pessoal, de mudança, de vida abundante, deve ser isso que eu tenho visto aqui todas as vezes!´.
2 Mas, um homem, chamado Pregador Famoso , foi à frente, com um ar de quem conhece segredos, que os outros não são capazes de conhecer, e chamou o conjunto pra entoar louvores a Deus. Depois de uma hora de músicas intermináveis, de ³abrace o irmão ao lado´, de ³diga pro seu irmão´, de ³levante as mãos´, de ³quem está alegre´, e de ³assim diz o Senhor´, Pregador Famoso voltou à frente, leu um trecho do Velho Testamento, e começou a comentar sobre cada um trazer o máximo possível até ele, pra que a obra continue. Leu uma lista de avisos e dispensou a platéia.

Você foi embora. Resolveu ir pela praça da cidade, pra não ter que encontrar todo aquele povo que tinha visto antes. Mas, no meio da praça, algo chamou sua atenção. Era um grupo de pessoas, que pareciam bastante alegres, conversando descontraidam ente. Curioso, Você se aproximou, a passos lentos, pra tentar ouvir o que conversavam, qual o motivo de tamanha alegria. - E, então, vocês são daquela Igreja Evangélica ali da esquina?, perguntou uma mulher a dois rapazes. - Não!, responderam eles, quase em uníssono, ± nós somos discípulos de Jesus, não seguimos a nenhum outro nome! - Por isto vocês são tão diferentes assim?, perguntou um rapaz que se esforçava para conter as lágrimas. - A diferença que você vê em nós, não é de nós mesmos. É de Cristo, que vive em nós!, respondeu um dos discípulos. ± Foi a Ele que vocês viram, quando falamos com vocês. Neste momento, Você reconheceu as pessoas que estavam em volta daqueles que se diziam discípulos: o vizinho com roupa de futebol, a mulher suja com seu filho, as duas garotas, os dois rapazes... ³Que é isso!!! Como esses caras têm coragem de dizer que são discípulos de Jesus e ficam falando com essa gente desqualificada? Ah, não! Isso não pode ficar assim!´. E Você se aproximou do grupo: - Com licença!, disse Você, fingindo domínio próprio e mansidão, ± Vocês dois parecem não saber exatamente do que estão falando. Vocês se apresentam como discípulos de Jesus, mas eu nunca os vi lá na igreja que freqüento há bastante tempo. Acho melhor vocês se calarem

e passarem a ir à igreja, se querem que Jesus faça parte de suas vidas. Vocês não vão encontrá-lO aqui fora nunca! - Você diz que freqüenta a igreja há bastante tempo. Me responda: você encontrou Jesus lá dentro? - Bem... Quer dizer..., - Você gaguejou, - É claro que sim! Hoje mesmo, me emocionei bastante no momento de louvor. Até abracei a pessoa ao lado e disse algumas coisas pra ela. Ela também me disse coisas sábias. Tenho certeza que Jesus estava ali e se agradou com a minha vida. Ainda mais, que entreguei meu dízimo hoje! E teve o Pregador Famoso, que foi usado por Deus pra dizer palavras muito importantes! E vocês: podem dizer que encontraram Jesus, aqui fora? - Meu amado, o que podemos dizer, com certeza, a você, é que viemos andando pela rua e encontramos um caminho preparado por Ele, pra que andássemos nele. Caminhando, encontramos este homem, com roupa de time de futebol, saindo de um prédio. Percebemos que ele estava muito feliz e perguntamos o motivo. Quando ele disse do que se tratava, nos alegramos com ele e o abraçamos, parabenizando o seu time pela vitória. Ele disse que ia bebemorar com alguns amigos, mas continuou conosco, porque gostou de nossa companhia e viu que, junto a nós, também poderia se alegrar. Pouco adiante, encontramos esta mulher com seu filho, jogados na rua. Nós a chamamos para a lanchonete, que estava ao lado, e fizemos um belo lanche com ela e seu filho. Enquanto lanchávamos, ela nos contou que tem um sério problema na coluna, que a impede de trabalhar, e que seu marido a abandonou, quando seu filho nasceu. Por isto tudo, ela não tem nem onde morar. Então, depois do lanche, a convidamos a andar um pouco conosco, na esperança de que Jesus abrisse alguma porta que a ajudasse. Foi quando encontramos estas duas meninas. Perguntamos se elas gostavam de fazer o que estavam fazendo ali. Elas disseram que não era uma questão de gosto, mas de necessidade. Elas foram postas pra fora de casa, por suas famílias, quando se envolveram sexualmente pela primeira vez, cada uma com um rapaz. Se conheceram nas ruas. Não tinham completado os estudos e não tinham endereço certo. Por causa disto, não conseguiam emprego em lugar nenhum e passaram a oferecer o corpo pra conseguir o sustento. Conseguiram alugar uma casinha pra elas e, agora, não vêem a hora de completar os estudos, conseguir um emprego e se afastar dessa situação. Lembrei de alguns amigos que precisam de pessoas para fazer limpeza em suas empresas. Ao perguntar se elas aceitariam esse tipo de trabalho, enquanto não terminam os estudos, elas ficaram supercontentes e aceitaram na hora! Com dois telefonemas, estava tudo resolvido. Elas se apresentam amanhã no novo emprego. Mais do que isto, ao saberem a história da mulher com a criança, ofereceram sua casinha como abrigo. Disseram que a mulher poderia morar lá com seu filho, apesar do espaço ser pequeno, e que seria bom para elas, ter alguém cuidando da casa enquanto elas estivessem fora, trabalhando e estudando. Elas se juntaram a nós e continuamos o caminho. Alguns passos à frente, encontramos estes dois jovens conversando, de mãos dadas. Apesar das risadas, o olhar deles expressava uma tristeza que vinha de dentro. Algo que parecia estar perdido no tempo. Quando chegamos mais perto, alegres como estávamos, eles perguntaram se estávamos debochando deles. Respondi que não. Disse a eles que a felicidade que estávamos experimentando era fruto da presença de Jesus em nossas vidas. Perguntaram como uma pessoa morta há dois mil anos poderia estar presente conosco e, ainda mais, nos fazendo felizes. Expliquei que Ele havia morrido, realmente, mas que Deus O ressuscitou, no terceiro dia. Disse que essa morte tinha ocorrido pela vontade dEle, para que através do Seu sangue, que é vida, pudéssemos ser vistos pelo Deus Pai e Criador e, principalmente, ser aceitos de volta por Ele. Porque todos nos afastamos de Deus, ao seguirmos os nossos próprios

pensamentos, as nossas próprias vontades. E Jesus passou a ser o Caminho para que chegássemos de volta ao nosso Criador. Mais do que isto, seguindo por esse Caminho, temos vida plena, abundante. Completei dizendo que a verdadeira felicidade, que estávamos experimentando naquele momento, não é encontrada na satisfação de nossa sexualidade, junto a quem quer que seja, mas no amor, que só se alegra, com a felicidade dos outros. Aí, eles resolveram nos acompanhar! Paramos aqui na praça, pois todos queriam saber mais a respeito de Jesus. Então, você conseguiu ver Jesus em nossa vidas? s Eu sei que Você não respondeu à pergunta. Percebi essa lágrima escorrendodo canto de seu olho. Mas, agora, eu dou uma ótima notícia a Você: essa lágrima confirma que Você, pelo menos, viu a Jesus. Se você quiser, pode ter um encontro pessoal com Ele. Basta olhar de forma diferente o caminho, por onde Você tem andado, e permitir que Ele o conduza nessas boas obras, que Ele mesmo preparou de antemão, para que você andasse nelas. Mas Você não deve fazer isto por obrigação. Apenas, se sentir amor pelas pessoas e por Jesus, no seu coração!

1- O nome µVocê¶ é fictício, apesar de, infelizmente, representar aos cristãos, em algum momento de suas vidas. 2- O nome µPregador Famoso¶ também é fictício, apesar de, infelizmente, representar muitos líderes evangélicos, que perderam Jesus de vista, encobertos por teologia .

Extraído de http://kasteloforte.blogspot.com/2010/09/voce-conhece-jesus-mesmo.html

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful