P. 1
Caderno NASF

Caderno NASF

|Views: 17.043|Likes:
Publicado porDeny
Caderno de Atenção Basica - Diretrizes do NASF
Caderno de Atenção Basica - Diretrizes do NASF

More info:

Published by: Deny on Sep 16, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/23/2013

pdf

text

original

O correto entendimento da expressão “apoio”, que é central na proposta dos
Nasf, remete à compreensão de uma tecnologia de gestão denominada “apoio matri-
cial”, que se complementa com o processo de trabalho em “equipes de referência”.

Equipes de referência representam um tipo de arranjo que busca mudar o padrão
dominante de responsabilidade nas organizações: em vez das pessoas se responsabili-
zarem por atividades e procedimentos (geralmente uma responsabilidade quantitativa),
o que se busca é construir a responsabilidade de pessoas por pessoas. Ou seja, formar
uma equipe em que os trabalhadores tenham uma clientela sob sua responsabilidade,
por exemplo, uma equipe responsável por certo número de leitos em um hospital ou,
como no caso da equipe de SF, a responsabilidade por uma clientela dentro de um
território de abrangência. Então aqui é essencial ressaltarmos que, quando falamos de
equipe de referência no Caderno, remetemos-nos à equipe de Saúde da Família, que
é a referência de saúde para certa população na APS.

No entanto, não é somente a definição da responsabilização sobre uma clientela
que define a equipe de referência. Refere-se, também, a outra dimensão: a distribuição
do poder que se quer na organização. Assim, uma equipe de referência é definida tam-
bém por uma coordenação (gerência) comum e deve enfrentar a herança das “linhas
de produção” tayloristas nas organizações da saúde, nas quais o poder gerencial estava
atrelado ao saber disciplinar fragmentado e as chefias se dividiam por corporações. Por
exemplo, a presença de uma chefia de enfermagem, outra chefia de médicos e outra
ainda de ACS, em vez de uma coordenação (gerência) por equipe, aumentando a
chance de fragmentação do trabalho em uma equipe de SF, produzindo uma tendência
de responsabilidade maior para com uma atividade corporativa do que propriamente
com o resultado final para o usuário. Na prática, essas chefias por corporações pro-
fissionais produzem arranjos que desvalorizam ou rivalizam com a desejável “grupali-
dade” da equipe, dando origem, assim, a diferentes “times”: de ACS, de médicos etc.

A proposta de equipe de referência (equipe de SF) na APS parte do pressu-
posto de que existe interdependência entre os profissionais. Prioriza a construção de
objetivos comuns em um time com uma clientela adscrita bem definida. Assim, uma

CADERNOS DE

ATENÇÃO BÁSICA

12

MINISTÉRIO DA SAÚDE / Secretaria de Atenção à Saúde / Departamento de Atenção Básica

das funções importantes da coordenação (gerência) de uma equipe de referência é
justamente produzir interação positiva entre os profissionais em busca das finalidades
comuns. Apesar das diferenças entre eles, sem tentar eliminar essas diferenças, mas
aproveitando a riqueza que ela proporciona.

O apoio matricial será formado por um conjunto de profissionais que não
têm, necessariamente, relação direta e cotidiana com o usuário, mas cujas tarefas
serão de prestar apoio às equipes de referência (equipes de SF). Assim, se a equipe
de referência é composta por um conjunto de profissionais considerados essenciais
na condução de problemas de saúde dos clientes, eles deverão acionar uma rede
assistencial necessária a cada caso. Em geral é em tal “rede” que estarão equipes ou
serviços voltados para o apoio matricial (no caso, os Nasf), de forma a assegurar, de
modo dinâmico e interativo, a retaguarda especializada nas equipes de referência
(no caso, as equipes de Saúde da Família). Vale ressaltar aqui que o Nasf está inse-
rido na rede de serviços dentro da APS assim como as equipes de SF, ou seja, ele
faz parte da APS.

O apoio matricial apresenta as dimensões de suporte: assistencial e técnico-pe-
dagógico. A dimensão assistencial é aquela que vai produzir ação clínica direta com os
usuários, e a ação técnico-pedagógica vai produzir ação de apoio educativo com e para
a equipe. Essas duas dimensões podem e devem se misturar nos diversos momentos.

Fica claro, portanto, que o conceito de apoio matricial tem uma dimensão si-
nérgica ao conceito de educação permanente. Como exemplo, podemos lembrar o
fato de que não é possível a nenhum trabalhador em saúde esquivar-se de lidar em
alguma medida com os afetos nas relações terapêuticas, por mais que se trate de um
tema específico de psicólogos e psiquiatras. Cabe, portanto, aos profissionais da área
psi, quando percebem dificuldades de uma equipe nesse campo, exercitar a dimensão
técnico-pedagógica a partir das discussões de casos e temas, de forma a compartilhar
seu conhecimento específico com a equipe de SF, para que possa lidar com esse saber
e fazer dele conhecimento de todos.

Um pressuposto fundamental da proposta do Nasf é o de que deve ocorrer a
compreensão do que é conhecimento nuclear do especialista e do que é conhecimento
comum e compartilhável entre a equipe de SF e o referido especialista. Tal conheci-
mento, todavia, é sempre situacional e mutante. Por exemplo: uma equipe que lidasse
com grande número de crianças com obesidade ou sobrepeso teria que incorporar
grande quantidade de conhecimentos sobre o manejo dessas condições. Assim, um
pediatra que fizesse apoio matricial a essa equipe teria que investir grande energia na
dimensão técnico-pedagógica, compartilhando conhecimentos com a equipe para que
ela pudesse se aproximar da resolutividade desejada para esses casos. Isso vale para um
psicólogo, para um nutricionista ou para qualquer outro especialista que preste apoio

CADERNOS DE

ATENÇÃO BÁSICA

13

DIRETRIZES DO NASF – Núcleo de Apoio a Saúde da Família

para essa equipe. Entretanto, os mesmos especialistas, ao realizar apoio a outra equipe,
em uma população diferente, terão que oferecer conhecimentos diferenciados para
serem incorporados pela nova equipe.

Outro aspecto-chave no processo de trabalho dos profissionais é a definição das
tarefas a serem estabelecidas e ajustadas entre gestor, equipe do Nasf e equipe de SF e
que devem ser definidas e detalhadas de forma cuidadosa, em função de uma constru-
ção compartilhada de diretrizes clínicas e sanitárias e de critérios para acionar o apoio.
Nessa relação entre gestor, equipe de SF e equipe do Nasf, deve imperar a flexibilidade,
tanto para os critérios como para as próprias atividades do apoiador, ou seja, tudo isso
deve ser considerado de forma dinâmica e sempre sujeita a reavaliação e reprograma-
ção. Essa é uma tarefa importante dos gestores. Devem-se estar atentos também a:

• Explicitar e negociar atividades e objetivos prioritários; definir claramente

quem são os seus usuários; avaliar a capacidade de articulação com as equi-
pes de SF e o trabalho em conjunto com elas; identificar as possíveis corres-
ponsabilidades e parcerias; construir e acompanhar as atividades mediante
indicadores de impacto.

A rigor, as equipes do Nasf terão dois tipos de responsabilidades: sobre a po-
pulação e sobre a equipe de SF. Seu desempenho deverá ser avaliado não só por
indicadores de resultado para a população, mas também por indicadores de resultado
da sua ação na equipe. Exemplo: um indicador importante do resultado do trabalho
de apoio de um psicólogo a uma equipe de SF é a diminuição de pedidos de encami-
nhamentos (mais bem designados agora como “compartilhamento”) de transtornos
de ansiedade. Esses indicadores de resultados na população e na equipe devem ser
constantemente acompanhados e, se for o caso, reprogramados. Ou seja, a maior
parte dos indicadores de resultado ajustados com equipes e com os profissionais do
Nasf é transitória.

O conceito de apoio matricial e mais ainda sua prática constituem aspectos re-
lativamente novos no âmbito do SUS, sendo sugeridas as leituras complementares
indicadas na seção específica (ver ao final deste capítulo).

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->