P. 1
Agência executiva e reguladora

Agência executiva e reguladora

|Views: 2.508|Likes:
Publicado pormvroehe

More info:

Published by: mvroehe on Sep 16, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/11/2013

pdf

text

original

Agência reguladora

Agência reguladora, nas palavras do ilustre doutrinador Márcio Fernando Elias Rosa, "corresponde a autarquia sob regime especial encarregada do exercício do poder normativo nas concessões e permissões de serviços públicos, concentrando competências inicialmente conferidas ao Poder Público". Sendo assim, traduz-se como sendo a pessoa jurídica de Direito Público interno que tem por finalidade fiscalizar ou regular a atividade de certo setor econômico do país, como, por exemplo, os setores de recursos hídricos, telecomunicações, aviação civil, energia elétrica, entre outros. Podemos citar algumas agências reguladoras como a ANATEL, ANEEL, ANCINE, ANAC, ANTAQ, ANTT, ANP, ANVISA, ANS E ANA. Fundamentação: Artigos 37 e 38, da Constituição Federal

O que são Agências Executivas
A denominação Agência Executiva é uma qualificação a ser concedida, por decreto presidencial específico, a autarquias e fundações públicas , responsáveis por atividades e serviços exclusivos do Estado. O Projeto Agências Executivas, portanto, não institui uma nova figura jurídica na administração pública, nem promove qualquer alteração nas relações de trabalho dos servidores das instituições que venham a ser qualificadas. É também importante ressaltar que a inserção de uma instituição no Projeto se dá por adesão, ou seja, os órgãos e entidades responsáveis por atividades exclusivas do Estado candidatam-se à qualificação, se assim o desejar a própria instituição e, obviamente, seu Ministério supervisor. Não basta, entretanto, a manifestação da vontade das instituições e respectivos Ministérios. Conforme estabelecido na Lei no 9.649 de 27 de maio de 1998, a qualificação de uma instituição como Agência Executiva, exige, como pré-requisitos básicos, que a instituição candidata tenha: (1) um plano estratégico de reestruturação e desenvolvimento institucional em andamento e (2) um Contrato de Gestão, firmado com o Ministério supervisor. Do primeiro pré-requisito - plano estratégico - devem resultar, entre outras, ações de aprimoramento da qualidade da gestão da instituição, com vistas à melhoria dos resultados decorrentes de sua atuação, do atendimento aos seus clientes e usuários e da utilização dos recursos públicos. O Contrato de Gestão, por sua vez, estabelecerá objetivos estratégicos e metas a serem atingidos pela instituição, em determinado período de tempo, assim como os indicadores que permitirão mensurar seu desempenho na consecução dos compromissos pactuados no contrato. Além dos pré-requisitos acima expostos, um outro aspecto distingue as autarquias e fundações qualificadas como Agências Executivas das demais. Com a ampliação de sua autonomia de gestão, busca-se oferecer às instituições qualificadas como Agências Executivas melhores condições de adaptação às alterações no cenário em que atuam - inclusive com relação às demandas e expectativas de seus clientes e usuários - e de aproveitamento de situações e circunstâncias favoráveis ao melhor gerenciamento dos recursos públicos, sempre com vistas ao cumprimento de sua missão. A concessão de autonomias, entretanto, está subordinada à assinatura doContrato de Gestão com o Ministério supervisor, no qual se firmarão, de comum acordo, compromissos de resultados.

O Papel das Agências Reguladoras Paulo Eduardo de Figueiredo Chacon 1. Relato sobre prestação de serviços públicos

bem como o de alguns serviços públicos. sua fiscalização deve ser feita através de algum órgão que se manifeste imparcial em relação aos interesses do Estado. fica com a responsabilidade de regular e fiscalizar tais fornecimentos de serviços. o sistema de telefonia. energia. A partir desse contexto surgiram as seguintes problemáticas: a quem cabe a fiscalização desses serviços? como deve ser formado esse órgão de fiscalização? como se proceder em relação ao controle das agências reguladoras e qual seu papel principal? As agências reguladoras são órgãos criados pelo Governo para regular e fiscalizar os serviços prestados por empresas privadas que atuam na prestação de serviços. nos deparamos com o ideal de privatização. A privatização tem como principal fim a prestação de serviço. além do lucro necessário para se manter e arrecadar impostos. em alguns segmentos da economia a prestação dos serviços como: telefonia. Como estes serviços são de relevante valor social. por sua vez. rodovias. a saber. o sistema de energia elétrica. qual seja.Faz-se necessário um breve relato da evolução política e econômica pela qual nosso país passou para se fazer uma abordagem sobre o assunto em questão. Esses serviços de natureza pública não são passados de definitivo para a iniciativa privada. que se auto-intitulava neoliberal. que em sua essência seriam públicos. O Estado.Conceito Inquestionável se faz o fato de que hoje em dia. já que é destes negócios que lhe provém seu lucro. a visão social do ramo. no Brasil. Através dos avanços tecnológicos ocorridos nos últimos anos e com o sucateamento inegável de alguns setores da economia pública. torna -se mais eficaz por grupos que possuem capital pa ra investimentos vultuosos. e que primordialmente cabia ao Estado seu fornecimento. A imparcialidade em relação ao Estado se faz necessária porque sem esta. já que à população carente era facultada a oportunidade de utilizar os serviços através de tarifas reduzidas. que é utilizado em todo o mundo moderno. que possui um capital de investimento alto. entre outras. praticamente começou a ser utilizado mais largamente a partir do Governo Collor. da concessionári a e dos consumidores. tais como a educação e saúde à população. o papel das agências reguladoras federais. que em sua e ssência seria público. Agências Reguladoras . Estes serviços a priori tinham como objetivo. visto que em sua grande maioria pertencem a grupos econômicos com abrangência em vários mercados mundiais. Este instituto jurídico. por uma concessionária privada. 2. dada a importância da boa prestação das necessidades fundamentais da população. as concessionárias de serviços sairiam prejudicadas através de cobranças de tributos elevados. bem como no momento em que fosse feita uma punição poderia esta se tornar abusiva. mas sim pelo instituto da concessão. Ao Estado brasileiro constitucionalmente cabe o dever de fornecer serviços básicos de sobrevivência. . entre outros.

acreditamos que sua característica principal é a imparcialidade. um caminho a ser seguido por ela. pois se assim fosse. deve -se dar à agência reguladora uma margem de atuação. seus principais objetivos. este deve ser feito de três maneiras. a fiscalização deve ser a contábil. Tal fato pode ser comprovado nos cartórios dos Juizados Especiais. Hodiernamente. sobreviver. financeira e funcional. art. Há também o fato da limitação funcional. com seus cargos principais ocupados todos por indicações do poder executivo. se as agências reguladoras fiscalizassem automaticamente. III.Por outro lado. E por fim. por exemplo. Papel Principal das Agências Reguladoras Passaremos ao papel das agências reguladoras diante da soci edade. Outro ponto fundamental é o da tutela dos interesses dos hipossuficientes em relação aos agentes econômicos cada vez mais fortes. temos que a nomeação da di retoria deste órgão é feita através da nomeação do Presidente da República. que se traduz na necessidade de autorização de um poder estatal (legislativo ou executivo) para se poder contratar um funcionário. mediante prévia aprovação do Senado Federal (CF. Não podemos aceitar a idéia de um órgão fiscalizador de um grande grupo empresarial. até porque se faz difícil descrever todos os fatos de lide possíveis. Urge ressaltar que temos uma sociedade cada vez mais exigente com o mercado. limitação esta. Fica a dúvida da atuação imparcial deste órgão dentro deste modelo imposto. Abordando como exemplo a ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica). para não se confrontar com o princípio da legalidade. Por fim. Controle das Agências Reguladoras Sobre o controle das agências reguladoras. E ainda. Como as agências reguladoras devem possuir independência fiscal. a cobrança de taxas dos serviços e a má prestação deste por parte da concessionária deve ser fiscalizada também. com os elevados números de processos ajuizados que tem no pólo passivo essas concessionárias. A fiscalização em relação às atividades prestadas à população deve ser feita pelo Ministério Público que carrega em sua alma a defesa dos interesses sociais. Sobre o t ema achamos que as agências . N esta autorização legislativa. Em primeiro plano. Essa imparcialidade se dá através da independência político-administrativa. sendo o que ocorre atualmente. em nosso entendimento. 3. Decaindo desta forma as idéias de que. afinal sua atividade provém de verbas públicas. estaria violando o princípio constitucional da legalidade. cabe apreciação pelo poder judiciário dos atos que as agências reguladoras praticam. o fato da limitação orçamentária 4. pois sem esta. ³F´). Essa fiscalização depende também de autorização legislativa. decorrente da maior informação em relação aos seus direitos. Formação das Agências Reguladoras Em relação à formação do órgão de fiscalização. 5. político-financeira. já que o interesse social é o da prestação de serviços de alta qualidade com preços baixos. não restaria margem alguma de lucro para nenhuma concessionária. temos que a função essencial das agências reguladoras das concessionárias é a de fiscalização dos serviços prestados. estaríamos excluindo um dos princípios do Estado democrático de direito. 52. cabe ao Tribunal de Contas fiscalizar tais agências. os interesses dos consumidores não devem sobrepor-se aos interesses da prestadora.

José dos Santos Carvalho Filho cita c omo agências executivas o INMETRO e a ABIN. pois as agências reguladoras possuem como objetivos principais a maneira de regular as concessionárias. bem como a cassação da concessão. sanando os problemas de imediato e em casos mais graves devem tomar a atitude de estipul ar multas diárias para as concessionárias que estiverem violando direitos. Seu objetivo principal é a execução de atividades administrativas.reguladoras devem atuar se manifestando através de advertências. b) fomentar e fiscalizar determinadas ativ idades privadas (ANCINE). c) regulamentar. por se tratar de serviços de natureza pública. ANTT. Sua principal função é o controle de pessoas privadas incumbidas da prestação de serviços públicos. a não ser uma maior autonomia fin anceira e administrativa. são pessoas jurídicas de direito público e consideradas como autarquias especiais. Nelas há uma autonomia financeira e administrativa ainda maior. Não há muitas diferenças em relação à tradicional autarquia. 6. caso as metas não sejam cumpridas. as agências têm o dever de zelar pelo bom funcionamento das concessionárias. b) tenham celebrado contrato de gestão com o ministério supervisor. a fiscalização. a estipulação de multas. São requisitos para transforma r uma autarquia ou fundação em uma agência executiva: a) tenham planos estratégicos de reestruturação e de desenvolvimento institucional em andamento. otimizar e aperfeiçoar a prestação de serviços públicos. Vale salientar que. Essas entidades têm as seguintes finalidades básicas: a) fiscalizar serviços públicos (ANEEL. com o objetivo garantir o direito do usuário ao serviço público de qualidade. ANVISA e ANS). d) exercer atividades típicas de estado ( ANVS. Agências executivas ± são pessoas jurídicas de direito público que podem celebrar contrato de gestão com objetivo de reduzir custos. ANAC. As agências executivas e reguladoras fazem parte da administração pública indireta. . Agências Reguladoras ± sua função é regular a prestação de serviços públicos e organizar e fiscalizar esses serviços a serem prestados por concessionárias ou permissionárias. sob o regime de concessão ou permissão. além de seus diretores serem eleitos para mandato por tempo determinado. Conclusão: É de suma importância a presença das agências reguladoras no atual sistema político adotado em nosso país. resguardando dessa forma um serviço que pertence à sociedade. controlar e fiscalizar atividades econômicas ( ANP). ANTAC). quando as concessionárias estiverem em desconformidade com seus objetivos.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->