P. 1
O Que Os Jornalistas Fazem Nas Redes Sociais

O Que Os Jornalistas Fazem Nas Redes Sociais

|Views: 201|Likes:
Publicado porAlem_o_Pizoni_2713
Trabalho de conclusão de curso apresentado como requisito parcial para a obtenção da habilitação em Jornalismo, pela Faculdade de Comunicação Social, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Nota: 9.5
Trabalho de conclusão de curso apresentado como requisito parcial para a obtenção da habilitação em Jornalismo, pela Faculdade de Comunicação Social, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Nota: 9.5

More info:

Published by: Alem_o_Pizoni_2713 on Sep 17, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/31/2011

pdf

text

original

Sections

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

LEANDRO DONATI PIZONI

O QUE OS JORNALISTAS FAZEM NAS REDES SOCIAIS: ANÁLISE DE CONTEÚDO DE DEZ PERFIS DE REPÓRTERES PROFISSIONAIS NO TWITTER

Porto Alegre 2010

2

LEANDRO DONATI PIZONI

O QUE OS JORNALISTAS FAZEM NAS REDES SOCIAIS: ANÁLISE DE CONTEÚDO DE DEZ PERFIS DE REPÓRTERES PROFISSIONAIS NO TWITTER

Trabalho de conclusão de curso apresentado como requisito parcial para a obtenção da habilitação em Jornalismo, pela Faculdade de Comunicação Social, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Orientador: Marcelo Träsel Porto Alegre 2010

2

3

LEANDRO DONATI PIZONI

O QUE OS JORNALISTAS FAZEM NAS REDES SOCIAIS: ANÁLISE DE CONTEÚDO DE DEZ PERFIS DE REPÓRTERES PROFISSIONAIS NO TWITTER

Aprovada em _____ de ___________________ de ________.

BANCA EXAMINADORA:

_______________________________________ Prof. Marcelo Träsel (Orientador)

_______________________________________ Prof. Eduardo Pellanda

_______________________________________ Prof. Vitor Necchi

3

4 AGRADECIMENTOS

Aos meus pais, Antonio Luiz Pizoni e Eloisa Donati Pizoni, pelo carinho, incentivo e apoio para que esse sonho se tornasse realidade. Pela educação, pelos valores contidos nela e por fazerem com que eu me tornasse essa pessoa que sou hoje. Ao meu irmão Luiz Gustavo, por todos os galhos quebrados ao longo dessa jornada. A minha querida tia Mileidi e ao meu tio Bressane que sempre foram pessoas dispostas a me ajudarem quando preciso. Obrigado pela compreensão e tempo cedido ao sobrinho. A toda minha família, que sempre esteve ao meu lado torcendo e rezando para que eu conseguisse alcançar este objetivo. Aos meus amigos e amigas que aguentaram meu mau humor em algumas oportunidades e que sempre fizeram de tudo para me ajudar nos momentos difíceis. Todos vocês moram no meu coração. Aos meus professores, em especial, professores Fábian, Vitor, Neka e Mágda, os quais considero muito mais que mestres. Ao meu orientador, Marcelo Träsel, pela paciência ao aturar minhas ansiedades e nervosimo. Aos demais professores que passaram seus ensinamentos ao longo do curso. Aos meus colegas de trabalho (AGU/RS, TRE/RS e ASCOM PUCRS) que me apoiaram e ensinaram muita coisa ao longo deste período. O estagiário enfim seguiu seu caminho. A todas as pessoas que conheci na Famecos e fizeram desta jornada de quatro anos um período inesquecível na minha vida. Sem vocês nada disso seria possível. Ao meu São Jorge, que em nenhum momento fez com que eu desistisse deste sonho.

4

5 RESUMO

As mudanças proporcionadas pelas novas tecnologias, principalmente pela Web 2.0, fizeram com que o jornalismo e, por consequência, os jornalistas, modificassem alguns de seus comportamentos. Essas novas mudanças proporcionaram uma série de possibilidades para a produção de conteúdo para a Internet. Em seguida, com a chegada das redes sociais, uma nova gama de possibilidades e interações entre jornalistas e leitores fez com que o jornalismo adotasse de vez essas novas maneiras de se comunicar. Atualmente utilizado por diversos veículos de comunicação, o Twitter a cada dia ganha mais usuários. Além disso, o número de jornalistas que possuem um perfil no microblog também cresce. Sendo assim, este trabalho tem com principal objetivo analisar como os jornalistas estão usando o Twitter. Saber o que os profissionais publicam na rede e como utilizam a ferramenta no seu diaa-dia motivam esta pesquisa. Num primeiro momento foi analisado como as mudanças proporcionadas pela Web 2.0 modificaram a comunicação na Internet, assim como o fortalecimento do Twitter como ferramenta de interação. Em seguida, foi abordada a cultura jornalística ao longo dos tempos e como o Twitter começou a ser utilizado pelos profissionais do meio. A pesquisa, que analisou mais de duas mil e trezentas postagens, comprovou que os jornalistas utilizam o Twitter para a interação e para a divulgação de informações, assim como o encaminhamento para suas páginas pessoais e outras características comuns entre os demais usuários do microblog. Palavras-chave: Jornalismo. Web 2.0. Internet. Twitter. Redes sociais. Interação Mediada por Computador.

5

6 ABSTRACT The changes offered by new technologies, especially the Web 2.0, made journalism, and therefore journalists, change some of their behavior. These changes provided a new range of possibilities for producing web content. With the arrival of social networks, a new range of possibilities and interactions between journalists and readers has made the journalism from time to adopt these new ways of communicating. Currently used by several media outlets, Twitter each day gets more users. Moreover, the number of journalists who have a profile on microblog also grows. Thus, this work has the main objective of analyzing how journalists are using Twitter. Knowing what professionals publish in the network and how they use the tool in their day-to-day is driving this research. At first it was analyzed how the changes offered by Web 2.0 changed to Internet communication, as well as the strengthening of Twitter as a tool of interaction. Then addressed the journalistic culture over time and how Twitter started being used by communications professionals. Finally, an analysis of ten profiles of journalists was conducted to better understand how Twitter is used by them. The survey, which examined more than two thousand and three hundred posts, proved that journalists use Twitter for interaction and dissemination of information, as well as referral to their personal pages and other characteristics common among other members of the microblog. Keywords: Journalism. Web 2.0. Internet. Twitter. Social networks. Computer-Mediated Interaction.

6

7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES

Figura 1 - Página inicial quando o usuário efetua o login...................... 19 Figura 2 - Usuário usa o recurso de RT para comentar postagem de outro usuário......................................................................................................... 20 Figura 3 - Usuário responde e interage diretamente............................... 20 Figura 4 - Campo para o envio de uma direct message.......................... 21 Figura 5 - Armazenamento de tweets favoritos....................................... 21 Figura 6 - Figura 6: Página onde é possível ver tweets de uma determinada lista. No caso a lista é da categoria “imprensa”...................................... 22 Figura 7 - Figura 7: Lista dos termos mais usados na Twitter são elencados nos Trending Topics ................................................................................. 23 Figura 8 - Twitter do jornalista Ricardo Noblat (@BlogdoNoblat) durante a prisão de Arruda......................................................................................... 27 Figura 9 - Em noite de eliminação, usuários criam hashtag (#ficafernanda) para torcer por participante....................................................................... 29

7

8 LISTA DE TABELAS

Tabela 1 - Dados Gerais da pesquisa........................................................ 41 Tabela 2 - Categorias.................................................................................. 42 Tabela 3 - Postagens de Alec Duarte........................................................ 44 Tabela 4 - Postagens de Bob Fernandes.................................................. 47 Tabela 5 - Postagens de Flavio Fachel..................................................... 49 Tabela 6 - Postagens de Lédio Carmona.................................................. 53 Tabela 7 - Postagens de Marcelo Tas....................................................... 56 Tabela 8 - Postagens de Mauro Cezar Pereira......................................... 58 Tabela 9 - Postagens de Ricardo Noblat................................................... 61 Tabela 10 - Postagens de Roger Lerina.................................................... 64 Tabela 11 - Postagens de Tiago Dória...................................................... 65 Tabela 12 - Postagens de Xico Sá............................................................. 67

8

9 SUMÁRIO

1 2 3 4 4.1 4.2 4.3 4.4 4.5 4.6 4.7 4.8 4.9 4.10

INTRODUÇÃO................................................................................... 10 WEB 2.0 E O TWITTER..................................................................... 13 CULTURA JORNALÍSTICA E A UTILIZAÇÃO DO TWITTER......... 30 ANÁLISE DE PERFIS DE JORNALISTAS NO TWITTER................ 40 ALEC DUARTE...................................................................................44 BOB FERNANDES............................................................................. 47 FLAVIO FACHEL............................................................................... 49 LÉDIO CARMONA............................................................................. 53 MARCELO TAS.................................................................................. 56 MAURO CEZAR PEREIRA................................................................ 58 RICARDO NOBLAT........................................................................... 61 ROGER LERINA................................................................................ 64 TIAGO DÓRIA.................................................................................... 65 XICO SÁ............................................................................................. 67

5.

CONCLUSÃO.................................................................................... 69

REFERÊNCIAS.................................................................................. 72

9

10 1. INTRODUÇÃO

O uso das tecnologias digitais revolucionou o jornalismo. Novas plataformas fizeram com que surgisse um novo profissional. Agora, não se valoriza somente a técnica e um bom texto. Evidente que isso é, e sempre será, um grande diferencial para se destacar no mercado de trabalho. Entretanto, é preciso mais. Redações integradas, conteúdo para veículos impressos, televisão e rádio se converteram em uma coisa só: a Internet. Este novo profissional deve estar atento a isso. Com um gama enorme de ferramentas, a Internet domina a cada dia o mercado da informação. Além disso, redes sociais também entram no guarda-chuva das novas mídias e a cada dia ganham mais espaços nas redações jornalísticas. Com o Twitter, não é diferente. Em crescente utilização por partes dos meios de comunicação, o Twitter – ferramenta de microblog que permite aos usuários enviarem e receberem atualizações pessoais suas e de seus contatos em textos de até 140 caracteres – deixou de ser simplesmente uma ferramenta para relações interpessoais e hoje virou um grande aliado do jornalista. Seja para buscar ou difundir informações, ela virou ferramenta útil para a prática jornalística. Haja vista a grande interação e instantaneidade do serviço, ele é hoje uma via de duas mãos entre jornalistas e seus leitores. Mas o que o jornalista busca no Twitter? Essa questão parece ser o norte para traçar a importância da ferramenta para o profissional nos dias de hoje. Este trabalho busca analisar o que os jornalistas fazem no Twitter. A utilização da Web 2.0 no jornalismo é o ponto de partida desse estudo. Traçar o que o profissional procura nessa nova mídia e o que pode e o que tira de proveito dela, também serão questões norteadoras desta pesquisa.

10

11 Esse trabalho tem sua valorização na proposta de mostrar os novos rumos que a Internet possibilita aos jornalistas e a prática do jornalismo online, passando pelas modificações proporcionadas pela Web 2.0 e chegando ao jornalismo praticado nas redes sociais. Para isso, foram analisados os perfis de diversos jornalistas que utilizam o Twitter. Através de uma análise de conteúdo, foram analisados os perfis desses profissionais na ferramenta. Dividida em três capítulos, essa pesquisa buscou entender o Twitter não só como uma rede social, e sim como uma ferramenta jornalística. Entender o que é o Twitter e por que ele atrai a cada dia mais usuários e suas características foi um objetivo secundário. Utilizado como diário para uns, o Twitter também é utilizado para outros fins. Surgido em 2006, o microblog está em franca expansão. Empresas jornalísticas, assessorias de imprensa, grupos de comunicação que possuem rádios, emissoras de televisão, jornais e sites utilizam cada dia mais o Twitter. O perfil do programa Fantástico (@showdavida)1, da rede Globo, tem mais de 1,3 milhão de seguidores. O site de notícias G1 (@g1)2 é outro perfil com um grande número de seguidores. São mais de 160 mil. Já o perfil do jornal Zero Hora (@zerohora)3 tem mais de 33 mil seguidores. Empresas como Petrobras (@blogpetrobras)4, com mais de 22 mil seguidores e Dell (@dellnobrasil)5, com mais de 24 mil seguidores, são grandes exemplos de como as empresas estão utilizando o Twitter como meio de comunicação com seu público.

1 2

http://twitter.com/showdavida http://twitter.com/g1 3 http://twitter.com/zerohora 4 http://twitter.com/blogpetrobras 5 http://twitter.com/dellnobrasil

11

12 Além das empresas, os jornalistas também estão presentes nessa nova mídia. Mas como eles a usam? Essa é a grande questão que este trabalho analisa. Os jornalistas acompanhados nesta pesquisa darão uma ideia inicial de como os profissionais de hoje estão utilizando o Twitter e de como ele pode contribuir para a produção, divulgação e consumo de informação. Além disso, este trabalho busca contribuir para que novas pesquisas referentes ao assunto possam dar a exata dimensão de como o Twitter pode ser incorporado na prática jornalística.

12

13 2. WEB 2.0 E O TWITTER

O jornalismo na Web teve seu início na década de 90, quando os principais jornais passaram a transpor algumas de suas matérias para a Internet. Uma simples cópia da versão impressa, com seu layout e diagramação idênticos ao jornal feito no dia, eram hospedados no site do veículo. A atualização dos sites se dava com o fechamento da edição impressa. Quase 24 horas depois, um novo conteúdo era publicado e a página enfim era atualizada. Em seguida, ainda baseando-se no jornalismo impresso, o jornalismo online passou a testar e explorar as características do meio e inventou formatos e linguagens específicas. Surgem então os primeiros sites de notícias.

O cenário começa a modificar-se com o surgimento de iniciativas tanto empresariais quanto editoriais destinadas exclusivamente para a Internet. São sites jornalísticos que extrapolam a idéia de uma simples versão para a Web de um jornal impresso e passam a explorar de forma melhor as potencialidades oferecidas pela rede. Tem-se, então, o webjornalismo. (MIELNICZUK, 2001, p.2)

As cartas para a redação tornam-se e-mails. O surgimento de fóruns de discussão sobre notícias e o uso de correio eletrônico para o envio de comentários fazem da interação a palavra chave para essa nova Era. Fato comum em outras mídias como rádio e jornal, a interatividade ganhava forma na Internet. Porém, de uma maneira diferenciada. Ao invés de cartas e telefonemas, uma interação muito mais imediata e direta era proporcionada. Conceituada em 2004, a Web 2.0 marca um novo momento da Internet. Uma série de serviços e possibilidades proporcionou uma nova Era no fluxo e geração de informações. Tendo como grande e fundamental característica a participação dos usuários, ela proporcionou diversas alterações na Internet. A colaboração revolucionou a rede. Através dela o usuário ganhou mais poder

13

14 dentro da Internet, fazendo com que ele tivesse acesso aos mais diversos tipos de conteúdos e das mais diversas maneiras. Ele também teve papel fundamental para o surgimento de novas maneiras de se comunicar na rede, seja para difundir conteúdo ou para interagir com os demais usuários.

Como muitos conceitos importantes, o de Web 2.0 não tem fronteiras rígidas mas, pelo contrário, um centro gravitacional. Pode-se visualizar a Web 2.0 como um conjunto de princípios e práticas que interligam um verdadeiro sistema solar de sites que demonstram alguns ou todos esses princípios e que estão a distâncias variadas do centro. (O’REILLY, 2005, p.1)

A Web 2.0 – com todas suas características e ferramentas – passa a proporcionar não somente essa estrada de duas vias, mas também uma série de oportunidades que fariam o meio o mais relevante e inovador da comunicação atual. Unindo texto, áudio e vídeo em uma plataforma só, a Internet revolucionou a comunicação. Com o jornalismo não foi diferente. Com uma evolução rápida e constante, essa nova forma de comunicação foi se moldando e remodelando a partir não somente dos seus criadores, mas também dos usuários.

O cenário estava agora montado para o aparecimento de um novo gênero de informação. Mas faltava ainda dar-lhe os retoques finais. Um deles de ordem tecnológica: proporcionar às pessoas comuns ferramentas necessárias para poderem entrar neste diálogo emergente. (GILLMOR, 2005, p.33)

A partir deste momento, o volume de informação transmitida e gerada na rede passou a ser grandioso. Além disso, a interatividade proporcionada pela Web 2.0 fez com que os assuntos publicados fossem gerados também por usuários. Não era mais preciso ser jornalista ou profissional de comunicação para produzir e publicar conteúdo. Com o conjunto de ferramentas proporcionadas pela Web 2.0, ela foi pouco a pouco sendo conhecida, estudada e dominada pelos usuários, que passaram a produzir conteúdo de forma espontânea e de inúmera diversidade. As primeiras interações registradas nesse

14

15 novo formato de comunicação passaram a se dar através de comentários em cima de notícias e de sites que apresentavam alguma interatividade. Além de deixar o comentário sobre a notícia para quem a publicou, os próximos comentários poderiam ser feitos também para quem comentou sobre a informação. A interatividade foi vital para que a Web se moldasse e ganhasse a cada dia mais força como um veículo de comunicação, competindo diretamente e com igualdade com rádio, TV e impressos. Dando poder ao usuário, ele mesmo foi transformando o meio ao qual pertencia. Em seguida, a criação de blogs, sites, comunidades e redes sociais, fizeram com que a Internet atingisse um grande grau de interatividade e de colaboração de conteúdo. Basta o mínimo de conhecimento sobre a rede para veicular qualquer conteúdo. Depois de criadas e solidificas essas primeiras ferramentas de interação e colaboração na Internet, vieram as redes sociais. Páginas na Web que buscam, através de laços sociais e interesses em comum, proporcionar, por diversas, maneiras, uma interação entre os seus usuários.

Uma rede, assim, é uma metáfora para observar os padrões de conexão de um grupo social, a partir das conexões estabelecidas entre os diversos atores. (RECUERO, 2009, p. 24)

Uma das primeiras redes sociais da Internet foi o MySpace6, criado em 2003, que permitia ao usuário uma troca de e-mails entre os membros da rede, a criação de fóruns e grupos. Além disso, o site ficou conhecido como um grande espaço para bandas e artistas divulgarem seu trabalho, já que permite a hospedagem de MP3, através de um player embutido na página do artista/banda. O site também permite a hospedagem de vídeos. Tendo como outras funções as avaliações feitas pelos visitantes sobre músicas, resenhas de

6

http://www.myspace.com/

15

16 shows e agenda, o MySpace teve grande adesão por quem gostaria de mostrar seu trabalho na rede de forma gratuita. Em 2004, o Orkut7 chamou a atenção para um novo formato de interação na Internet. Através de um perfil, foi possível se comunicar, criar e manter contato dentro da rede com inúmeros usuários. Recursos como a criação de comunidades – que tem por objetivo reunir usuários sobre um mesmo tema: lugares, bares, restaurantes, times de futebol, personalidades, escolas, localidade, etc – fizeram com que o site conquistasse o público. A criação e compartilhamento de álbuns e informações pessoais também contribuíram para o seu crescimento no país. No mesmo ano o Facebook8 era criado, entretanto, o sucesso do Orkut no Brasil acabou deixando-o em segundo plano9. Partindo do mesmo pressuposto, os dois sites provaram que um novo modelo de interação surgiria. Em seguida veio o Flickr10, site em que o usuário pode hospedar imagens e criar álbuns para organizá-las. Em 2005 foi a vez do YouTube11 quebrar de vez a barreira da colaboração de conteúdo. A partir do site foi possível disponibilizar na rede desde vídeos caseiros até as primeiras imagens feitas pela TV. Com um grande números de usuários, o YouTube tem como grande característica reproduzir na Internet programas e trechos da programação veiculada na TV. Com isso, é comum vermos no site uma gama infinita de materiais raros mas que estavam em outro tipo de mídia, como fita cassete, por exemplo. Uma nova revolução trouxe um maior poder para os usuários.

O poder do PC significa que as fileiras de “produtores” – indivíduos que hoje são capazes de fazer o que poucos anos atrás era feito apenas por profissionais – aumentaram em milhares de vezes. Hoje, milhões de pessoas têm a capacidade de produzir pequenos filmes ou álbuns e publicar seus pensamentos para todo o mundo – o que de fato é feito por
7 8

http://www.orkut.com http://www.facebook.com 9 Líder no Brasil, Orkut não decola nos EUA e perde para o Facebook http://g1.globo.com/Noticias/Tecnologia/0,,MUL1247297-6174,00.html 10 http://www.flickr.com 11 http://www.youtube.com

16

17
quantidade de pessoas (ANDERSON, 2006, p. 52) surpreendentemente grande.

Com o surgimento das ferramentas de Web 2.0, a Internet provaria que o alto grau de interação entre os usuários é o seu ponto forte. Sites, redes sociais, fotologs, blogs, rádios online fizeram com que a rede se fortalecesse e virasse peça fundamental na comunicação atualmente. Com inúmeras possibilidades e caminhos, a Web também ganhou seus nichos. Seu caráter livre permite que praticamente todos os assuntos sejam abordados. Alguns com maior quantidade de informação e outros com poucas, porém, ambos são encontrados. Isso fez com que os conhecimentos migrassem das prateleiras para os servidores. A Wikipédia12 é a prova de que a colaboração pode trazer informação de qualidade. Nomeado como a enciclopédia online, o site é feito exclusivamente pelos usuários. Nele é possível que qualquer termo, palavra ou expressão ganhe uma definição. A Wikipédia conta atualmente com 720 milhões de verbetes, e é considerado o grande site para busca de expressões na Web. A revista britânica Nature publicou no dia 12 de dezembro de 2005, um artigo onde diz que os termos disponíveis na Wikipédia são, no mínimo, corretos em comparação à enciclopédia Britannica13. O artigo ainda revela falhas muito parecidas tanto na Wikipédia quanto na Britannica. E sugere um comitê de revisão para que os artigos disponíveis na Wikipédia fossem cada vez mais exatos. Quando todas as possibilidades de interação na Internet e nas redes sociais pareciam esgotadas, o Twitter14 veio como uma nova e surpreendente ferramenta. Permitindo que seus usuários postem em sua página mensagens com no máximo 140 caracteres, essa nova rede social aproximou pessoas de diversas classes sociais e de diferentes regiões do mundo. Tendo um perfil mais adulto do que o Orkut, por exemplo, o Twitter é bastante utilizado por meios de
12 13

http://en.wikipedia.org Artigo da Revista Nature http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u19402.shtml 14 http://twitter.com

17

18 comunicação e pessoas interessadas em difundir não só o que estão fazendo, mas também conteúdo dos mais diversos segmentos. O Twitter é um serviço de microblog onde é possível postar mensagens de até 140 caracteres. Sua estrutura permite ao usuário, depois da criação de um perfil, seguir outros perfis para que ele receba em sua página inicial as postagens realizadas por eles. O perfil, que pode ser público ou privado, também pode ser seguido. Porém, quando o perfil é privado requer a autorização do usuário para que isso aconteça. O Twitter também permite que os usuários troquem mensagens de modo privado. Entretanto, isso só é possível quando ambos os perfis se seguem. O funcionamento do Twitter se dá através de um perfil de usuário que passa a seguir outros perfis (follow). A partir daí, o usuário passa a receber as mensagens (tweets) do perfil que ele está acompanhando. Para que essa interação aconteça, não é preciso que o perfil que é seguido, siga quem o segue, ou seja, se o perfil A, segue o perfil B, o usuário do perfil A irá receber as mensagens do usuário B, mesmo que B não siga A. Os usuários têm seu nome precedido pela @, que se juntará ao seu nome e formará seu perfil na rede. Exemplo: @marcelotas15.

15

http://twitter.com/marcelotas

18

19

Figura 1 - Página inicial quando o usuário efetua o login Fonte: (http://twitter.com/alemaopizoni acessado em 28/03/2010)

Após receber o tweet do usuário ao qual segue, o perfil receptor pode, além de ler o conteúdo postado, fazer com que esta mensagem seja reproduzida para quem o segue (followers). Até pouco tempo atrás, essa operação (retweet) devia ser realizada manualmente. Se o perfil seguido veiculasse a seguinte mensagem “@perfilB Belo dia de sol”, o receptor indicaria que a mensagem original foi escrita por outro usuário com o sinal de RT. Ficando assim “@perfilA Lindo mesmo. RT @perfilB Belo dia de sol”. Atualmente o Twitter conta com a opção que faz isso automaticamente, entretanto, não é possível fazer algum comentário antes de dar o retweet na mensagem original.

19

20

Figura 2 - Usuário usa o recurso de RT para comentar postagem de outro usuário Fonte: (http://twitter.com/alemaopizoni acessado em 28/03/2010)

Outra maneira de interação é responder ao perfil seguido (reply). A reposta será indicada quando a mensagem postada contiver o comando @perfilB e depois o texto. Exemplo: “@perfilB Também gostei desse filme”. Provavelmente o perfil B postou algum comentário sobre um determinado filme, o que fez com que o perfil A respondesse. A mensagem não precisa necessariamente começar pelo @perfilB para mencionar outro usuário da rede. Porém, é preciso que a @ seja inserida no texto para que o usuário seja informado pela sua página que foi citado em algum tweet. Mesmo que não siga o perfil que lhe citou, o usuário pode, através de uma ferramenta contida em sua página, verificar se alguém o citou.

Figura 3 - Usuário responde e interage diretamente Fonte: (http://twitter.com/alemaopizoni acessado em 28/03/2010)

O Twitter também possui uma ferramenta para que os usuários se comuniquem de forma privada: Direct messages. Com ela, é possível que dois usuários se comuniquem sem que ninguém visualize o que está sendo enviado. Porém, a troca de mensagens não pode ocorrer se o perfil A segue o perfil B e o contrário não acontece. O perfil A só pode mandar uma mensagem privada para quem lhe segue. Se ele quiser mandar a mesma mensagem para um perfil que ele segue, é obrigatório que o perfil do destinatário também o siga.

20

21

Figura 4 - Campo para o envio de uma direct message Fonte: (http://twitter.com/direct_messages/create/angelarosa acessado em 28/03/2010)

Outra opção oferecida é o armazenamento de um tweet como favorito. Isso faz com que ele fique armazenado na página inicial e seja acessado a qualquer momento.

Figura 5 - Armazenamento de tweets favoritos Fonte: (http://twitter.com/#favorites acessado em 28/03/2010)

21

22 Além disso, se um perfil segue muitos usuários, ele pode organizá-los em diversas listas. Ao acessar uma lista, pode-se visualizar os tweets executados somente pelos seus membros. Isso proporciona, além de uma organização, uma segmentação de leitura e de recepção de conteúdo.

Figura 6 - Página onde é possível ver tweets de uma determinada lista. No caso a lista é da categoria “imprensa”. Fonte: (http://twitter.com/#/list/alemaopizoni/imprensa acessado em 28/03/2010)

Trending Topics ou TT’s é uma lista em tempo real que mostra o que está sendo mais comentado em determinada localidade. Nomes, ou tags, mais usadas no Twitter como hashtag e indicada pelo símbolo #, formam uma lista de 10 termos mais postados no momento. Inicialmente este serviço listava os TT’s de todo o planeta. No início de 2010, a ferramenta conseguiu ser mais abrangente e agora é possível saber os assuntos mais postados em diversas cidades e países do mundo. Além de ver os TT’s do Brasil, é possível ter acesso aos assuntos mais postados de São Paulo, única cidade brasileira com o serviço habilitado.

22

23

Figura 7: Lista dos termos mais usados na Twitter são elencados nos Trending Topics Fonte: (http://twitter.com/alemaopizoni acessado em 28/03/2010)

O usuário pode acessar e postar pelo site ou por aplicativos que atuam em sintonia com a rede. Digby, Twitterrific, gTwitter, TweetDeck e Echofon são alguns deles. Com isso, o usuário não precisa obrigatoriamente efetuar seu login na página do microblog. Ele pode apenas usar algum aplicativo que com seu layout e funcionamento próprios, vai ter acesso aos conteúdos disponíveis no Twitter. Outro trunfo é a mobilidade. O usuário pode visualizar e realizar seus tweets pelo celular. Seja pela Internet ou também por aplicativos especiais para celular, o usuário também visualiza e interage de maneira online. Isso fez com que diversos usuários utilizassem a ferramenta através de seu aparelho. Mas o microblog não é feito somente de palavras. Através de aplicativos dos mais variados, o usuário pode postar outros conteúdos. Fotos e vídeos em streaming são comuns na rede. O usuário também pode criar sua rádio e disponibilizá-la para seus seguidores. Ainda em fase de melhorias e descobertas, o Twitter a cada dia se renova e cria mais opções aos seus usuários, fazendo com que a ferramenta seja cada vez mais usada e inserida no contexto de Web 2.0.

23

24 Inicialmente, o Twitter tinha o objetivo de saber o que as pessoas estavam fazendo. Ao fazer o login na página (timeline), o usuário do site era interpelado com a frase "What are you doing?" (O que você está fazendo?). Com esse perfil do “agora”, a ferramenta trouxe um grande poder de instantaneidade. Isso fez com que os usuários utilizassem a ferramenta das maneiras mais amplas. Desde ao “estou indo para o trabalho” até o “morreu o Michael Jackson”, era nítido que o site podia abranger no mesmo lugar um gama infinita de informações.

Originalmente utilizado para simplesmente responder à pergunta “o que você está fazendo?”, o Twitter ampliou seu leque de possibilidades e tornou-se uma ferramenta útil e popular entre os usuários mais assíduos da rede. O serviço permite interação em tempo real entre emissor e receptor, possibilitando que essa interação ocorra entre desconhecidos, entre portais de notícias e usuários e entre celebridades e fãs. (ARAÚJO;MAIA, 2009, p.4)

Com o passar do tempo, a interação e o volume de informação produzido para a rede fizeram com que o Twitter se modificasse. Desbancando a ideia inicial do “o que você está fazendo?”, a maioria das informações veiculadas no site se referia a algo que estava acontecendo naquele exato momento. Um bom exemplo disso foi o dia 10 de novembro de 2009. Um apagão atingiu a região sudeste do Brasil e pôs às escuras uma boa parte do território nacional. Mais uma vez as redes sociais foram usadas como ferramentas para meios de comunicação e usuários narrarem tais fatos com seu ponto de vista. Seja de um computador ou de um celular, cada um de onde se encontrava e com a sua linguagem. O Twitter se destacou por ser o principal meio para a descoberta de notícias sobre os fatos que aconteciam. Foi assim durante toda a madrugada. Inúmeros usuários postavam mensagens relacionadas ao tema. Celulares e notebooks foram os porta vozes da informação, diretamente da rua. Durante a noite, as publicações de diversos usuários do microblog narraram toda a ansiedade dos usuários e as diferentes cenas vistas de cada ponto do 24

25 país16. Com essa diferença no perfil das atualizações dos usuários, o Twitter modificou, em novembro de 2009, o “o que você está fazendo?” pelo "What's happening?" ("O que está acontecendo?").

Outro elemento que é característico das redes sociais na Internet é sua capacidade de difundir informações através das conexões existentes entre os atores. Essa capacidade alterou de forma significativa os fluxos de informação dentro da própria rede. (RECUERO, p. 116)

Essa mudança também foi proporcionada pelo grande interesse pela ferramenta, que a cada dia ganha mais adeptos. Profissionais da comunicação estão presentes em grande número na rede, assim como personalidades das mais variadas. De cantores, atrizes, até jogadores de futebol e pilotos da Fórmula 1. Com um grau de interação forte e imediato, o Twitter ganha a cada dia mais usuários no Brasil. Inegável que o fato de aproximar em inúmeras vezes, fãs de celebridades, anônimos de personalidades, com uma simples resposta pelo site, fez com que ele crescesse. O grupo de pesquisa americano Web Ecology mapeou, em novembro de 2009, um milhão de mensagens no serviço de microblog. O resultado mostrou que a língua portuguesa é a segunda mais utilizada no Twitter17. Antes disso, em abril de 2009, o site brasileiro Bullet realizou uma pesquisa para tratar exclusivamente o público brasileiro do Twitter18. Segundo o estudo, o público que utiliza a ferramenta também está presente em outras plataformas de Web 2.0, como Orkut e Facebook. Outro número, que comprova que o Twitter tem um perfil mais maduro, é que seus usuários têm idade média
16

Twitter vira fonte de informações durante apagão http://noticias.r7.com/tecnologia-e-ciencia/noticias/mesmo-sem-luz-twitter-vira-fonte-de-informacoes-emtempo-real-20091110.html
17

Português é segunda língua mais usada no Twitter, conclui pesquisa http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u627761.shtml 18 http://bullet.updateordie.com/insights/2009/06/bullet-divulga-o-resultado-da-primeira-pesquisa-brasileirarealizada-no-twitter-2/

25

26 de 21 a 30 anos, são em sua maioria homens, já com terceiro grau concluído ou por concluir. A pesquisa revela que a maioria dos usuários utiliza o Twitter para difundir e compartilhar informações de diversos assuntos, desde seu próprio blog, até uma notícia em um site jornalístico. Outro fato que chama atenção é como os usuários conheceram a ferramenta. Cerca de 45% dos entrevistados disseram que conheceram o microblog através de um amigo. Em franca expansão no Brasil, o Twitter já é altamente divulgado por seus usuários. Artistas, empresas, formadores de opiniões e usuários em geral, cada um ao seu jeito, mostram que estão presentes na rede social. O ator americano Ashton Kutcher (@aplusk)19 é a celebridade que mais possui seguidores na rede. Seu perfil é seguido por mais de quatro milhões de usuários. O apresentador Luciano Huck (@huckluciano)20 também atrai seguidores. O brasileiro conta com mais de um milhão e oitocentos mil. A rede Bourbon Shopping (@bourbonshopping)21 também marca território no Twitter e tem mais de três mil seguidores. Ainda em expansão, os perfis de empresas a cada dia agregam seguidores e utilizam o microblog para divulgar sua marca. Além de salientar o que está acontecendo ou fazendo agora, os usuários divulgam também o seu trabalho pelo site. Além disso, a timeline acaba sendo um grande lugar para discutir temas que estão acontecendo e são relevantes para os usuários. Programas de rádio e TV utilizam a ferramenta para a interação com seu público. É comum que em programas ao vivo, o Twitter seja utilizado para que o telespectador/ouvinte entre em contato com a equipe de produção.

19 20

http://twitter.com/aplusk http://twitter.com/huckluciano 21 http://twitter.com/bourbonshopping

26

27 No dia 25 de junho de 2009, o Rei do Pop, Michael Jackson, falecia nos Estados Unidos. No mesmo instante em que a notícia surgia na TV, já era assunto debatido no Twitter. Em poucos minutos os Trending Topics se referiam exclusivamente ao tema. Uma hashtag atrás da outra era criada e o assunto dominou a rede social. O tema foi fortemente presente até o dia da cerimônia/show de velório e enterro do artista. São inúmeros os casos em que o Twitter acaba se concentrando ou falando muito sobre um assunto específico. Um dos casos mais recentes foi durante a prisão do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda. Jornalistas narravam o acontecimento. Davam bastidores da prisão e praticamente contaram tudo que acontecia por ali. Usuários dos mais diversos estados se manifestavam a respeito, fosse de maneira crítica ou bem humorada.

Figura 8 - Twitter do jornalista Ricardo Noblat (@BlogdoNoblat) durante a prisão de Arruda Fonte: (http://twitter.com/blogdonoblat acessado em 28/03/2010)

27

28 Os usuários do Twitter utilizam o símbolo # para marcar palavras-chave e criar hashtags para sinalizar que estão falando do mesmo tema. (ver Figura 9) Porém, não necessariamente este tema já conta com uma hashtag. O usuário pode inventá-las ou agregar seus tweets a outros por essa palavra-chave. Vale salientar o grande poder que uma hashtag possui. Na maioria dos casos, ela pode determinar que um assunto entre nos TT’s, já que acaba sendo expressão mais utilizada no momento. Nos casos de Jackson e Arruda, isso não foi preciso graças à relevância que os usuários deram ao tema, porém, assuntos mais específicos ou de uma determinada localidade, podem aparecer como mais citados partindo de uma hashtag. Outro fator que chama atenção e acaba tomando conta do Twitter são os programas de TV. Em época de Big Brother Brasil, o reality show é um dos assuntos mais comentados no site. Durante sua transmissão, é comum ver o assunto dominar os TT’s e tudo que nele acontece tem reflexo imediato na rede social. Outros eventos transmitidos pela televisão também são comentados com força no Twitter. Jogos de futebol também são tratados de uma maneira imediata. É comum vermos, em dias de jogos, hashtags quem remetem ao time ou a um jogador que estará envolvido na partida. Seja ela transmitida ou não.

28

29

Figura 9 - Em noite de eliminação, usuários criam hashtag (#ficafernanda) para torcer por participante. Fonte: (http://twitter.com/alemaopizoni acessado em 28/03/2010)

Como toda ferramenta de Web 2.0, o Twitter é fruto da mudança que a Internet proporcionou nos últimos tempos. Uma mudança que partiu dos usuários revoluciona a cada dia a comunicação na rede. Novos formatos e plataformas dão uma nova cara à Internet. Com isso, novas maneiras de se comunicar surgem, e com elas um novo perfil de usuários. Os profissionais da comunicação tiveram que se adaptar e entender o que acontecia e o que segue acontecendo. Entretanto, essa adaptação e aprendizado deve ser cada vez mais constante. Com o Twitter, não é diferente. Jornalistas buscam na rede social uma nova maneira de se comunicar, difundir e receber informações. Estar dentro da ferramenta é, acima de tudo, ficar atualizado e tirar as vantagens que o microblog pode trazer.

29

30 3. CULTURA JORNALÍSTICA E A UTILIZAÇÃO DO TWITTER

Surgidos nos EUA e na Europa no século XIX, os primeiros cursos de jornalismo buscavam definir e aprimorar as funções então exercidas pelos jornalistas. As matérias publicadas nos periódicos eram realizadas por outros profissionais, como escritores, por exemplo. Sem a imagem do jornalista solidificada, assim como suas atividades, a profissão era exercida de maneira informal. Um pouco antes, no século XVIII, os jornais e folhetins eram utilizados única e exclusivamente para fins políticos e para divulgar ideais e doutrinar os leitores. Sendo assim, o material publicado tinha um cunho mais propagandista do que noticioso. Fato este que se modificou a partir do século XIX, quando a publicação de notícias e acontecimentos ganhou mais espaço dentro dos impressos. Com isso, os jornalistas precisaram ter uma maior percepção sobre o que era importante e relevante para os leitores. Checar toda a informação, ouvir os envolvidos, apurar os fatos, fazia com que o produto final, a notícia, fosse publicada com qualidade nas páginas dos jornais.

Durante o século XIX, sobretudo com a criação de um novo jornalismo – a chamada penny press – os jornais são encarados como um negócio que pode render lucros, apontando com objetivo fundamental o aumento das tiragens. Com o objetivo de fornecer informação e não propaganda, os jornais oferecem um novo produto – as notícias, baseadas nos “fatos” e não nas “opiniões”. (TRAQUINA, 2008, p.34)

Junto com essa modificação de conteúdo, veio também uma mudança no perfil do então jornalista. Tendo em vista a publicação de informação e também o interesse de lucrar, foi preciso que um grupo específico de profissionais se voltasse única e exclusivamente para isso. Foi então que se deu a profissionalização do jornalismo. Conforme TRAQUINA (2008) “dois processos

30

31 fundamentais marcam a evolução da atividade jornalística: 1) a sua comercialização e 2) a profissionalização dos seus trabalhadores”. Com um aumento significativo nas tiragens dos periódicos, a importância deste novo profissional ficou maior a cada dia. O surgimento de escolas e cursos de jornalismo foram aos poucos fortalecendo os profissionais, que já não levavam o jornalismo apenas como um “bico”, e sim como uma atividade remunerada e com prestígio perante a sociedade. A mass media ganhava seu espaço e começava a mostrar sua força. No final do século XIX e início do XX, outro fator foi determinante para o fortalecimento dos jornalistas e do jornalismo como um todo: a publicidade. Jornais eram criados e ganhavam maiores investimentos, sempre à procura de lucro. A demanda por jornalistas crescia, assim como sua importância dentro do processo produtivo. Foi ele que determinou o que seria notícia e quais os critérios para a publicação de um fato. A partir daí, critérios de noticiabilidade foram ganhando forma e se reformulando. Agora, mais que nunca, era preciso que o jornalista pensasse no que realmente interessaria o público. Aliar notícias das mais diversas editorias que tivessem leitores garantidos era o caminho para que com a publicidade, o jornal ganhasse cada vez mais leitores e uma maior tiragem. O poder da imprensa de levar aos seus leitores informação e ao mesmo tempo exercer o papel de defensor da democracia e de proteger os cidadãos contra possíveis golpes e abusos por parte dos governantes deu ainda maior importância para essa classe profissional. O surgimento das agências de notícias, juntamente com o telégrafo, fortaleceu ainda mais o papel dos jornais em abranger não somente a cidade onde era feito o jornal, mas o mundo como um todo. Num período que se notabilizou por revoluções em prol da democracia, os jornais foram fundamentais para a disseminação da mesma.

31

32 Com os cursos de jornalismo em expansão e o avanço da tecnologia, um novo profissional ganhava forma. Já no século XX, com a criação do rádio e da televisão, a atualização da prática jornalística dentro das academias era constante. Além disso, o aprendizado das redações e do dia a dia dentro dos estúdios fizeram com que a prática e a teoria fossem lado a lado moldando esses novos profissionais. Com o papel do jornalista já estabelecido e reconhecido dentro da sociedade, os profissionais foram adquirindo especialidades diferenciadas. Jornais, TV’s e rádios, além de noticiar os fatos mais relevantes, apresentavam programações segmentadas e voltadas a um nicho de público especifico. Jornalistas se especializavam em inúmeras áreas para melhor compreender e elucidar para o público a notícia que publicavam. Surgem especialistas em esportes, economia, ciência, saúde e outras áreas. Em nenhum momento a atualização profissional deixou de acompanhar os jornalistas. Outro fator que acompanha o jornalista é o tempo. Tempo de fechamento de um jornal, de um boletim de rádio, de uma matéria para TV, o dead line. Numa profissão onde qualquer fato de última hora que possa ser relevante ao público pode alterar completamente o trabalho já feito, o fator tempo é inimigo e amigo dos jornalistas. Às vezes é preciso manter em sigilo uma informação para que ela seja publicada no tempo certo. Esse desafio de dar o furo22 é um dos mais intrigantes da profissão.

A obsessão pelos fatos acompanhou uma crescente obsessão com o tempo e uma maior orientação por parte da imprensa para os acontecimentos. O impacto tecnológico marcou o jornalismo do século XIX como iria marcar toda a história do jornalismo ao longo do século XX até o presente, apertando cada vez mais a pressão das horas-de-fechamento, permitindo a realização de um valor central da cultura jornalística – o imediatismo. De novas edições dos jornais no mesmo dia à quebra da programação
22

Jargão para a informação publicada em um veículo antes de todos os demais http://pt.wikipedia.org/wiki/Furo_%28jornalismo%29

32

33
televisiva anunciada com boletins, novos avanços tecnológicos nas últimas décadas do século XX tornaram possível, de longa distância, atingir o cúmulo de imediatismo – “a transmissão direta do acontecimento”. (TRAQUINA, 2008, p. 53).

Dentro desta cultura jornalística, outros termos estão fortemente ligados ao profissional. Como todas profissões, os jornalistas, ao longo do tempo, formaram uma identidade profissional, a qual devem seguir para que sejam reconhecidos dentro da cultura da profissão. Palavras como independência, verdade e ética, fazem com que o jornalista esteja integralmente dentro desta cultura e seja, em algumas ocasiões, reconhecido pela sociedade não apenas como um mero profissional, mas como um defensor do interesse público. Além disso, outro papel fundamental do jornalista é fazer a sociedade pensar. É através de suas notícias que o público pensará e emitirá suas opiniões sobre o que acontece em sua cidade. Como ressalta TRAQUINA (2008), “o jornalismo e os jornalistas podem influenciar não só sobre o que pensar, mas também como pensar”. Desta forma, os jornalistas devem, com todas as demais características juntas, ter um papel ideológico fundamental para a construção de uma sociedade. É a partir dele que se dará o fluxo de informação e os diversos ângulos que formam uma notícia que terá impacto direto na vida do cidadão. Vale salientar que estas visões estão diretamente ligadas às experiências e visões de mundo do jornalista. Saber que uma notícia pode mudar a vida de alguém é um passo fundamental para que o jornalista tenha noção do que sua profissão representa. Ao longo do tempo, os jornalistas tiveram que se adaptar às novas tecnologias que surgiam. Primeiro foi o telégrafo, depois o telefone. Com eles, se rompeu a barreira da localização. Com um simples contato podiam-se ter relatos de qualquer parte do planeta. Porém, a divulgação do conteúdo se dava

33

34 exclusivamente por jornais. Com o surgimento do rádio, mais uma barreira caía e o jornalismo ganhava cada vez mais espaço dentro da vida cotidiana. Espaço o qual foi definitivamente ocupado com a televisão. Seja em qual fosse a mídia, o papel do jornalista era facilmente detectado pela audiência, que, à sua maneira, interagia e repercutia o que lia, escutava e assistia. A interação entre receptor e emissor se dava de maneiras simples, através de cartas e telefones. A prática e a técnica utilizada para a produção de conteúdo também já estava formada e novos formatos davam outro cara ao jornalismo. Reportagens especiais, programas voltados a um determinado assunto, debates, fizeram com que os jornalistas abrissem seu leque de possibilidades para veicular as informações. Porém, uma nova revolução veio com o desenvolvimento da Internet.

Nos últimos 150 anos, dispusemos essencialmente de dois meios de comunicação: de um para muitos (livros, jornais, rádio e televisão) e de um para um (cartas, telégrafo e telefone). Pela primeira vez, a Internet permite-nos dispor de comunicações de muitos para muitos e de alguns para alguns, o que tem vastas implicações para os antigos receptores e para os produtores de notícias, na medida em que a diferença entre as duas categorias começa a tornar-se difícil de estabelecer. (GILLMOR, 2005, p. 42)

De fato a Internet modificou as práticas jornalísticas. Um novo formato de se comunicar surgia e os jornalistas, como todos os usuários da rede, começavam a se adaptar para usufruir de maneira eficiente essa nova Era da informação. Com uma primeira ideia de espaço e alcance ilimitados, a Web se tornou um espaço onde o conhecimento podia ser adquirido e transmitido de maneira rápida. Com as notícias não foi diferente. A criação de sites por indivíduos com algum conhecimento sobre a rede trouxe também um alto grau de interatividade no novo campo.

Foi um verdadeiro renascimento da Web interativa. Todos podíamos escrever, não apenas ler, de formas nunca antes

34

35
possíveis. Pela primeira vez na História, qualquer pessoa que dispusesse de um computador e de uma ligação à Internet podia, pelo menos no mundo desenvolvido, ser proprietária de um órgão de imprensa. Qualquer um podia publicar notícias. (GILLMOR, 2005, p. 41)

Em seu início, o fluxo de informação era restrito a públicos específicos. Listas de e-mails e boletins eletrônicos eram utilizados para divulgar informações e criar grupos de discussões de um determinado assunto. Nos primeiros anos da década de 90, com o desenvolvimento e comercialização da Web, deu-se um novo rumo às informações disponíveis na rede. A prática jornalística, nesses primeiros anos, não sofreu nenhuma grande mudança, já que os sites de jornais representavam na Web o mesmo conteúdo disponível no impresso. Além disso, as atualizações eram realizadas em conjunto com o pasquim. Alguns sites demoravam até 24 horas para serem atualizados, já que não existia mão de obra específica para alimentar a página. E nem mesmo uma demanda. Não demorou muito para que esses sites ganhassem novos formatos de publicação de conteúdo. Ainda veiculados aos grandes jornais impressos, os sites jornalísticos se reformulavam e buscavam atender as demandas entre uma atualização e outra. Com isso, a utilização de ferramentas específicas do meio possibilitou novos formatos de publicação e interação entre jornalistas e públicos. As cartas para a redação podiam ser substituídas por e-mails. Fóruns de debates traziam à tona assuntos pertinentes. Era o início da interatividade. Essa mudança possibilitou aos sites jornalísticos e aos jornalistas que produziam conteúdo uma série de alterações no formato e recepção das publicações. As características marcantes da Web, como interatividade, convergência, produção independente de conteúdo e grande poder de armazenamento contribuíram para que uma nova fase do webjornalismo fosse iniciada. 35

36 A interação passa a ser muito mais imediata. Antes da Internet, quando algum leitor ou ouvinte gostaria de manifestar a sua opinião, os passos a serem dados se limitavam apenas ao uso do telefone, por exemplo. Agora na rede, quando uma notícia é publicada, se o site permitir algum tipo de comentário sobre o acontecimento, é comum vermos uma interação rápida por partes dos leitores. E não somente para discordar ou dar outro ponto de vista, mas também para interagir com o jornalista e com outros receptores que também comentaram tal informação. Além disso, com a facilidade para se publicar na Internet, diversos sites e blogs passaram também a produzir e comentar informações das mais diversas.

Pode-se dizer que a Internet é um meio de comunicação que se enquadra no dispositivo “Todos e Todos”. Ela proporciona a interação entre locutor e interlocutor, uma vez que, na rede, qualquer elemento adquire a possibilidade de interação, havendo interconexões entre pessoas dos mais diferentes lugares do planeta, facilitando, portanto, o contato entre elas, assim como a busca por opiniões e idéias convergentes. (GALLI, 2005, p. 124)

Com essa nova Era, também foi modificado o papel do jornalista. Agora, ao realizar uma matéria para um site jornalístico, era preciso pensar que forma seria mais adequada para a publicação ser oferecida na rede. O texto continuaria sendo a porta principal para que os receptores tivessem acesso ao material ali disposto, porém, com a possibilidade de somar a ele uma foto, um áudio e até mesmo um vídeo, fez com que fosse preciso pensar a notícia e agregar a ela mais artifícios para um melhor entendimento e para atrair os leitores. O processo de aliar diversas mídias em uma só notícia, o hipertexto23, fez com que os jornalistas dessem uma nova cara às publicações. Ainda tendo como fonte os jornais e a TV, para definir as informações a serem publicadas nos sites noticiosos, os jornalistas passaram a utilizar cada
23

Termo que remete a um texto em formato digital, ao qual agrega-se outros conjuntos de informação na forma de blocos de textos, palavras, imagens ou sons, cujo acesso se dá através de referências específicas denominadas hiperlinks, ou simplesmente links http://pt.wikipedia.org/wiki/Hipertexto

36

37 vez mais os critérios de noticiabilidade para definir o que iria ser publicado. Tão debatidos nos cursos de jornalismo, os critérios de noticiabilidade ganham cada vez mais importância. Saber o que é notícia e de que maneira ela pode ser melhor aproveitada são hoje os maiores desafios dos jornalistas que produzem para a Web. Outro fator determinante para essa nova fase do webjornalismo foi a colaboração. Com a produção de conteúdo não ficando restrita aos jornalistas, o fluxo de informação na Web não obedecia mais o padrão dos meios de comunicação de massa, onde as figuras de emissor e receptor eram facilmente detectadas. Agora, os dois se misturam e podem interagir e até mesmo inverter os papéis dentro do fluxo. O jornalismo participativo ganhou espaço. Portais de notícias passaram a utilizar fotos, vídeos e até mesmo relatos de internautas para publicar notícias e difundir relatos sobre os acontecimentos. O papel colaborativo ganhou espaços em diversos sites, além disso, as redes sociais fortaleceram ainda mais o lado colaborativo dos usuários. Atualmente é comum o envio de tweets de usuários para os principais perfis de jornalistas ou programas de TV, rádio e sites jornalísticos com informações sobre acidentes, falta de luz, situação do trânsito, etc. Com páginas e blogs pessoais ganhando cada vez mais usuários e leitores, os jornalistas também começaram a criar seus espaços na rede. Atualmente os grandes portais de notícias têm como ponto forte seus blogueiros. Os então colunistas de jornais impressos também passaram a ter seu espaço na Internet, onde a interação direta com os leitores se dava de maneira rápida. A velocidade com que se comentava uma notícia ou opinião postada na rede fez com que os jornalistas verificassem que o webjornalismo proporcionaria uma série de ferramentas a serem exploradas. Uma delas é o alto grau de interação. Isso fez com que um novo canal de comunicação fosse criado. Além de citações sobre algo publicado em um site ou blog, os usuários podiam “tomar partido” sobre um determinado assunto, expor sua opinião, reclamar, contra-argumentar

37

38 e também divulgar seu blog ou algum outro espaço na Internet que tenha algum tipo de relação com o que foi publicado. O fortalecimento das mídias sociais fez com que os jornalistas e veículos de comunicação utilizassem essas ferramentas para difundir informação. Com a chegada das redes sociais, esse interesse se intensificou. Jornalistas começaram a integrar essas redes, em seguida, começaram a utilizá-las para fins profissionais. Atualmente o Twitter é a rede social em que os profissionais de comunicação estão mais presentes. Seu grande poder de interação e instantaneidade fez com que os profissionais postassem na ferramenta informações em primeira mão, bastidores de reportagens, cobertura de acontecimentos, comentários sobre notícias. Além disso, fez com que o Twitter também servisse de fonte em algumas reportagens e fosse usado para a busca de entrevistados em matérias e programas a serem veiculados. Tamanho foi o crescimento das redes sociais e o interesse dos meios de comunicação de estar presente nas mesmas, que várias empresas começaram a se dedicar e olhar com atenção as mídias sociais. Muitas delas, como os jornais O Globo24, Zero Hora25 e Estado de São Paulo26 e o portal Terra27, foram pioneiros na criação de cargos de editores e profissionais que trabalham exclusivamente para a produção de conteúdo para as redes sociais28. Além de estarem presentes nas redes, os meios de comunicação também aumentaram a preocupação com o que seus profissionais publicam nas

24

O Globo cria cargo de editora de mídias sociais http://www.blog-se.com.br/conteudo/newsshow.asp?menu=JI&idnot=55308&editoria=1194 25 Zero Hora cria cargo de editor de mídias sociais http://portal3.com.br/wp/zero-hora-cria-cargo-de-editor-de-midias-sociais 26 Estadão cria cargo de “editor de mídias sociais” e lista no Twitter http://www.tiagodoria.ig.com.br/2009/11/08/estadao-cria-cargo-de-editor-de-midias-sociais-e-lista-notwitter/ 27 Terra contrata editora de mídia social para América Latina http://idgnow.uol.com.br/internet/2009/12/10/terra-contrata-editor-de-midia-social-para-america-latina/ 28 BBC cria cargo de editor de mídia social http://www.premiocomunique-se.com.br/conteudo/newsshow.asp?menu=JI&idnot=53904&editoria=1193

38

39 ferramentas. A agência Reuters apresentou no início de março29 uma política de uso de redes sociais para seus empregados, já que jornalistas costumam postar no Twitter detalhes de matérias que estão realizando. Perfis de jornalistas estão entre os que mais atraem seguidores no Twitter. O jornalista e apresentador do programa Custe o Que Custar, da Rede Bandeirantes, Marcelo Tas (@marcelotas), tem mais de 550 mil seguidores. Já o âncora do Jornal Nacional da Rede Globo, William Bonner (@realWbonner)30, tem mais de 400 mil, e é outro exemplo de jornalista com inúmeros seguidores. Com sua grande característica sendo o agora, o Twitter se tornou mais do que uma simples rede social. E os jornalistas, profissionais mais preocupados em relatar os acontecimentos, viram na ferramenta uma aliada para suas práticas diárias. Através do microblog eles passaram não só a interagir com o público, mas também entre colegas de profissão, fazendo com que a produção de notícias e a divulgação de informações ficassem mais rápidas e abrangentes. Os jornalistas, em sua maioria, procuram no Twitter uma extensão das redações e também um lugar onde possam mostrar outra face da sua pessoa, aquela que se esconde atrás do profissional. Seja qual for o intuito, o Twitter parece ser a rede social que atualmente mais atrai esses profissionais.

29

Reuters para jornalistas: nada de "furos" no Twitter http://tecnologia.terra.com.br/interna/0,,OI4315121EI4802,00-Reuters+para+jornalistas+nada+de+furos+no+Twitter.html 30 http://twitter.com/realWbonner

39

40 4. ANÁLISE DE PERFIS DE JORNALISTAS NO TWITTER

Buscando analisar o que os jornalistas publicam em seus perfis no Twitter, foi realizada uma análise de conteúdo de dez usuários da ferramenta. O período abrangido foi do dia 11 ao dia 18 de abril de 2010, totalizando 2.338 tweets. A escolha teve como critério as editorias e o número mínimo de 2 mil seguidores que o perfil deveria possuir. Com isso, foram escolhidos os seguintes jornalistas: Alec Duarte31 e Tiago Dória32 (tecnologia); Lédio Carmona33 e Mauro Cezar Pereira34 (esporte); Marcelo Tas e Flávio Fachel35 (geral); Ricardo Noblat36 e Bob Fernandes37 (política); Roger Lerina38 e Xico Sá39 (cultura). Para um estudo mais aprofundando sobre os tweets, foram criadas categorias para que as postagens fossem organizadas: A) Direcionamento: postagens que só encaminham para uma

determinada página. Geralmente a do próprio dono do perfil. B) Opinião: comentários sobre algum fato ou tema abordado pelo jornalista.
31 32 33 34 35 36 37 38 39

http://twitter.com/alecduarte http://twitter.com/tdoria http://twitter.com/lediocarmona http://twitter.com/MauroCezarESPN http://twitter.com/flaviofachel http://twitter.com/blogdonoblat http://twitter.com/bob_fernandes http://twitter.com/lerina http://twitter.com/xicosa

40

41 C) Bastidores: postagens que relatam os preparativos de reportagens, fotos e vídeos de bastidores de gravação e programas ao vivo, etc. D) Retweets: todo conteúdo que foi reproduzido com ou sem comentário. E) Narração dos acontecimentos: tweets que tratam de assuntos, eventos ou notícias que estão sendo acompanhados pelos jornalistas. F) Interação: respostas a outros tweets de usuários com perguntas ou comentários ponderando o perfil. G) Geral: outras postagens que não se enquadram nas categorias anteriores. Abaixo, o número total de tweets por usuário dentro do período analisado. Nome do Jornalista Nº de tweets Porcentagem Nº de total dentro do geral Alec Duarte Bob Fernandes Flávio Fachel Lédio Carmona Marcelo Tas Mauro Cezar Pereira Ricardo Noblat Roger Lerina Tiago Dória Xico Sá
Tabela 1 - Dados Gerais da pesquisa Fonte: O autor (2010).

de tweets analisados

138 108 504 318 42 231 867 5 3 122

5,9% 4,6% 21,6% 13,7% 1,8% 9,9% 37% 0,2% 0,1% 5,2% 2.338

Passamos agora a uma análise de cada categoria criada para este estudo. A próxima tabela apresenta o número de tweets que cada categoria apresentou no período analisado. 41

42 Nome da categoria Nº de tweets Porcentagem dentro do geral Direcionamento Opinião Bastidores Retweets Narração dos acontecimentos Interação Geral
Tabela 2 – Categorias Fonte: O autor (2010).

Nº de total de tweets analisados

485 83 84 147 132 1.215 192

20,7% 3,5% 3,5% 6,2% 5,6% 52,3% 8,2% 2.338

Fica claro o uso em larga escala da principal função do Twitter, a interação. Mais da metade das postagens analisadas trataram exclusivamente da interação entre os jornalistas e seus seguidores. Seja para defender uma opinião ou simplesmente agradecer por um comentário feito por um seguidor, os jornalistas, em sua maioria, utilizaram a interação como a principal função da ferramenta. A segunda categoria mais usada pelos jornalistas foi a do

Direcionamento. Foi comum verificar postagens que encaminharam os seguidores a diversas páginas da Web. Em sua maioria, elas direcionavam para notícias e blogs. Em outras oportunidades, eram postados links para fotos, vídeos, e assuntos que o jornalista referenciava na frase publicada junto a ele. Outra característica dessa categoria é o uso da mesma para a divulgação de blogs e notícias realizados pelo próprio jornalista. Outra categoria freqüente foi Geral. Por abranger todos os tweets que não fazem parte da outras categorias, ela ocupou o terceiro lugar em termos de

42

43 utilização. Suas postagens variaram desde a localização do usuário até um simples desejo de bom dia. Em Retweets estão todas aquelas mensagens que foram repassadas pelos jornalistas, contendo comentário ou não. Em sua maioria, elas encaminharam para notícias, blogs e fatos que o jornalista considerou relevante repassar para seus seguidores. A categoria Narração dos acontecimentos ficou na quinta posição entre as categorias analisadas. Nela foi possível visualizar postagens que comentaram desde jogos transmitidos pela TV até o drama de moradores do Rio de Janeiro com as chuvas que assolaram a cidade. Detalhes sobre o universo dos Bastidores ficou na sexta posição entre os tweets analisados. Suas postagens trataram de detalhes sobre coberturas e também retrataram futuras participações dos jornalistas em programas de rádio e TV. Menos utilizada, a categoria Opinião trouxe diversos comentários por partes dos jornalistas. Foi verificada a tendência de que o jornalista, na maioria das postagens, emitiu sua opinião sobre o assunto a respeito do qual escreve ou realiza cobertura jornalística. Opiniões também foram defendidas através da interação, porém, essa categoria trata apenas das postagens que ratificam um posicionamento, sem o uso de links e sem ser uma reposta aos seguidores ou a um seguidor específico. Na categoria Direcionamento encontram-se as postagens que

encaminham os seguidores para uma determinada página ou link. Na maioria das vezes, o encaminhamento leva o seguidor a alguma página ou conteúdo produzido pelo dono do perfil. Ao longo do período analisado, a categoria teve um total de 485 tweets.

43

44 Depois de uma análise mais geral sobre utilização do Twitter, passamos agora a um estudo de casos. As próximas tabelas buscam analisar o que cada jornalista fez dentro de período analisado. 4.1 ALEC DUARTE

Nome da categoria

Nº de tweets

Porcentagem da categoria

Nº de total de tweets analisados

Direcionamento Opinião Bastidores Retweets Narração dos acontecimentos Interação Geral
Tabela 3 - Postagens de Alec Duarte Fonte: O autor (2010).

32 8 0 26 4 57 11

23,3% 5,7% 0 18,9% 2,8% 41,4% 7,9% 138

Alec Duarte compartilhou com seus mais de 2.400 seguidores informações sobre tecnologia e novas mídias. Dentro do período analisado, Duarte teve na sua maioria tweets que interagiram com seus seguidores. Suas interações não se basearam somente em conteúdos jornalísticos, tratando de vários assuntos e também com toques de humor e relatos do cotidiano.

@gracilianors olhando hoje, anos depois, acho de altíssimo nível. Contaminado por We Are The World, mas tá valendo 10:09 AM Apr 18th via web in reply to gracilianors @nicolebriones Sou do tempo do São Bernardo original, de Felipe Cheidde 10:05 PM Apr 18th via web in reply to

nicolebriones

44

45

@MSavarese Hahahah, muito bom. Hoje em dia o tosco é chique. Em 1985, escândalo. 9:32 PM Apr 17th via web in

reply to MSavarese
@RodrigoBuenoESP Pô, em 68 o Peñarol foi campeão nacional, mas perdeu a Libertas de 69 pro Estudiantes... 10:54 PM Apr 16th via web in reply to RodrigoBuenoESP

Alec também difundiu informações ao encaminhar seus seguidores para outras páginas e sites. Em sua maioria, seus direcionamentos tiveram como tema principal o jornalismo e a tecnologia. Em algumas oportunidades, Alec também postou links com vídeos musicais e algumas brincadeiras do mundo virtual.

'Se um dia você duvidar do valor dos editores de jornais, olhe para a blogosfera' http://is.gd/brNLr 6:51 AM Apr 14th via

API
NYC, Norah Jones http://is.gd/bxIWK 10:13 PM Apr 17th via web Saída multimídia para complementar o jornal impresso (uma visão do uso do vídeo para sites de jornais de papel) http://is.gd/bwwlp 7:33 AM Apr 18th via API Ponha roupa em Jesus http://www.jesusdressup.com/ 8:49 PM Apr 17th via web

Duarte deu retweets em mensagens que tratavam de diversos temas, desde futebol ao jornalismo. Em todas as oportunidades, Alec não usou o botão que dá retweet automaticamente, o que lhe permitiu acrescer seu comentário sobre a mensagem que ele repassava a seus seguidores. Seus retweets, assim como seus direcionamentos tiveram uma variedade grande de assuntos.

45

46
RT @jayrosen_nyu: The public editor: "The Times continues to hurt itself with readers by misusing anonymous sources" http://jr.ly/3bzg A ... 8:34 PM Apr 17th via web RT @RSS_Liberation: Cisjordanie, territoire http://bit.ly/aiT2tf 10:31 PM Apr 15th via web filtre

RT @redes_sociais: Infográfico: Demografia em mídia social – tudo em um - http://bit.ly/apmXFP 6:11 PM Apr 13th via web Já deu errado aqui RT @ludtke @andredeabreu Descubra quem foi seu primeiro seguidor no Twitter: http://firstfollower.com 8:33 PM Apr 11th via web

As demais postagens de Alec foram mais esporádicas e se enquadram nas categorias Narração de Acontecimentos, Geral e Opinião. Mais uma vez fica clara a diversidade de temas que são postados por Duarte do Twitter. Além disso, Duarte deu opinião e narrou detalhes sobre programas e jogos que acompanhava pela televisão em sua residência.

Eu insisto: frangaço 7:07 PM Apr 11th via web Ninguém fala que Rogério Ceni falhou feio no terceiro gol do Santos? 7:03 PM Apr 11th via web Amo ver os escraviários do Caco Barcellos chorando nas matérias 4:35 PM Apr 13th via web Gente, o Tom Zé é campeão do mundo de chatice. Tinha esquecido. 9:20 PM Apr 15th via web

A única categoria que não foi utilizada por Alec Duarte durante o período analisado foi a Bastidores. Em nenhum momento Alec postou no Twitter algum detalhe sobre seu trabalho jornalístico ou sua participação em alguma matéria ou programa de TV e rádio.

46

47 4.2 BOB FERNANDES

Nome da categoria

Nº de tweets

Porcentagem da categoria

Nº de total de tweets analisados

Direcionamento Opinião Bastidores Retweets Narração dos acontecimentos Interação Geral
Tabela 4 - Postagens de Bob Fernandes Fonte: O autor (2010).

62 4 0 34 2 5 1

57,4% 3,7% 0 31,5% 1,9% 4,6% 0,9% 108

Bob Fernandes, editor-chefe da revista eletrônica Terra Magazine40, utilizou o Twitter para encaminhar em mais da metade de suas postagens, seus seguidores, cerca de 11 mil, para o site do Terra Magazine. Dentro desta categoria, foram raras as postagens de Fernandes que direcionaram seus seguidores a outros sites. Entre elas, estão algumas que encaminharam para o blog41 do próprio usuário dentro do Terra Magazine.

No blog Jogo de Negócios, Fábio Kadow conta que Corinthians quer Beckham para festa do centenário http://migre.me/wGF9 6:06 AM Apr 15th via web Drops de Roberto de Sousa Causo sobre ficção científica

http://migre.me/xl7i 4:44 AM Apr 17th via web
Para Dutra, presidente do PT, empate entre Dilma e Serra seguirá até o início da campanha http://migre.me/wmyG
40 41

http://terramagazine.terra.com.br/ http://blogdobobfernandes.blog.terra.com.br/

47

48 Fernandes utilizou também a função retweet, que em sua maioria encaminhou seus seguidores para outros sites e matérias sobre um determinado assunto, geralmente política. Bob Fernandes também não utilizou o botão automático de retweet. Porém, em somente duas postagens do total de 34 o jornalista acrescentou um comentário. Curiosamente, o assunto não foi a política.

Só mais um Santo pela frente. Beijo. RT @DriSallesGomes Parabéns @bob_fernandes, @cynaramenezes e @alonfe, Santos mereceu ir pra final. 4:55 PM Apr 18th via web RT @AltinoMachado PF prende "El Duro", chefão colombiano do narcotráfico http://bit.ly/bysgmv 8:18 AM Apr 16th via web Só mais um Santo pela frente. Beijo. RT @DriSallesGomes Parabéns @bob_fernandes, @cynaramenezes e @alonfe, Santos mereceu ir pra final. 4:55 PM Apr 18th via web

As poucas postagens de Fernandes nas demais categorias retrataram temas como futebol e política. Além de a narração de fatos que aconteceram em eventos ao qual o jornalista se referia em alguma matéria realizada por ele ou publicada no site.

Também acho que o Flamengo é hexa, mas não vamos confundir as bolas. Tô falando de outra coisa, da "Taça de Bolinhas". 2:08 PM Apr 15th via web Mais 1 baile do Santos.Fim do 1° tempo,4 a 0 no Guarani mesmo com gramado ruim na Vila.À frente Ganso estraçalhando,Neymar & Cia muito bem. 6:45 PM Apr 14th via web Maria Luiza, deputada,disse isso em discurso na tribuna.Ao descer,perguntaram a ela:"O prefeito sabe disso?".Resposta: "Ele acabou de saber". 6:25 PM Apr 13th via web @caitogrimaldi . Gracias. Certamente algo rolará. É aquele papo de uma mão lava, ou suja, a outra. 12:49 PM Apr 12th via web

48

49 Bob não utilizou a interação como uma das principais características de seu perfil no Twitter, que teve como objetivo o encaminhamento para o site do Terra Magazine e outras informações relevantes de temas tratados por ele. Não foi encontrada nenhuma postagem dentro da categoria Bastidores. 4.3 FLAVIO FACHEL

Nome da categoria

Nº de tweets

Porcentagem da categoria

Nº de total de tweets analisados

Direcionamento Opinião Bastidores Retweets Narração dos acontecimentos Interação Geral
Tabela 5 - Postagens de Flavio Fachel Fonte: O autor (2010).

34 8 56 5 24 266 111

6,7% 1,6% 11,1% 1% 4,8% 52,8% 22% 504

Flávio Fachel, correspondente da TV Globo em Nova York, EUA, teve como ponto forte em seu Twitter a interação com seus quase 11 mil seguidores. Fachel abordou diversos assuntos interagindo com seus seguidores. Desde o jogo do Grêmio até uma cobertura que ele irá realizar para o Jornal Nacional, passando pelo seu dia-a-dia nos EUA. Sua interação com jornalistas que estão no Brasil e no exterior também foi uma característica apresentada durante análise.

49

50
@fabineves Eu, já estou fazendo a partir de hoje: nunca mais vou voar na American Airlines. Eles são uma bagunça completa. 10:10 PM Apr 11th via web in reply to fabineves @danielalima1000 Porque as notícias ruins chamam mais a atenção do inconsciente das pessoas. O cérebro quer ver para aprender e se proteger 10:44 PM Apr 11th via web in reply to

danielalima1000
@rodrigobocardi O que é que vc tá fazendo aí? 3:18 PM Apr 12th via web in reply to rodrigobocardi @emanuelmano Vc precisa de imobiliária em NY? O que vc quer? Alugar? 11:05 AM Apr 13th via web in reply to

emanuelmano Fachel também utilizou o Twitter para relatar como é sua vida nos EUA. Além disso, ele também deu dicas para quem se interessa por telejornalismo. Foram vários tweets contendo dicas para a realização de uma boa matéria para a veiculação na TV. Fachel também desejou bom dia e boa noite aos seus seguidores, fato que acabou gerando interação e também fez com que seu perfil no Twitter fosse mais pessoal do que profissional, em algumas oportunidades.

Amanhã, corto o cabelo... Sem escapatória... :) 9:33 PM Apr 12th via web Esperando pra ver se tem alguma coisa pro JG... 4:39 PM Apr

13th via web #telejornalismo Se a sonora for importante mas o áudio estiver
ruim, use assim mesmo inserindo o conteúdo da fala em caracteres. 7:41 PM Apr 13th via web Boa noite aos 636 amigos que ficam online... Até amanhã! 10:31 PM Apr 14th via web

Outra categoria bastante utilizada por Fachel foi a Bastidores. Em suas postagens, o repórter contou os detalhes de suas reportagens. Desde o

50

51 deslocamento para o local das gravações até o momento exato em que a matéria estava pronta e indo para o ar.

Mudei o texto. Achei que ficou mais claro assim... 6:39 AM Apr 15th via web Jornalistas de várias partes do mundo estão aqui cobrindo a erupção. Hoje, vi gente da Dinamarca, dos EUA e da França. 7:09 PM Apr 17th via web Fechando o VT pro Fantástico no centro de imprensa montado a 5 km do vulcão. 11:54 AM Apr 18th via web

Fachel teve como característica direcionar seus usuários para questões da sua rotina e detalhes sobre como é sua vida nos EUA. Links para fotos e vídeos mostrando seu dia-a-dia no exterior foram a maioria dentro desta categoria. Foram poucas as notícias publicadas pelo jornalista. Quando veiculou informação no Twitter, Fachel direcionou seus seguidores a diversos sites de notícias, na sua maioria sites brasileiros.

Um vulcão na minha janela... http://twitpic.com/1geyel 5:59

PM Apr 17th via Twitpic
Governo de Israel proíbe entrada de Ipad no país por incompatibilidade no sistema de wifi. http://tinyurl.com/y7rspov 11:48 AM Apr 16th via web Primavera em NYC http://tweetphoto.com/18534002 9:23 AM Apr 15th via UberTwitter Grêmio na tela... http://tweetphoto.com/18463209 5:53 PM Apr 14th via UberTwitter

Flavio narrou pelo seu Twitter eventos que acompanhava pela TV e outros detalhes sobre repercussões de matérias que tiveram como tema os EUA. Durante o período analisado, o que mais chamou atenção foi a narração

51

52 da partida de futebol envolvendo o time de Fachel, o Grêmio. O jornalista postou muito durante a partida, fazendo quase uma narração minuto a minuto do jogo.

Adorei a frase do narrador: "agora a execução do hino nacional rio-grandense"... 5:53 PM Apr 14th via web Grêmio 1 x 0 Avaí com dez em campo . E nem foi escanteio... rsrsrs 6:20 PM Apr 14th via web Habitantes de NY estão se preparando pra greve dos porteiros. Em alguns prédios, tem morador virando voluntário pra levar o lixo... 3:26 PM Apr 15th via web

As categorias menos freqüentes nos tweets de Fachel foram Retweets e Opinião. Mais uma vez, o assunto que fez com que o jornalista postasse suas opiniões foi o futebol. Já os poucos retweets trataram de interagir com os outros usuários através de comentários feitos por Fachel antes da reprodução da mensagem para seus seguidores.

RT @rodrigobocardi: @flaviofachel E outra: dormir em dólar é mais caro! 9:37 PM Apr 14th via web RT @Uhull: Como fazer o teste de bafômetro corretamente http://bit.ly/bb5WUe 8:13 PM Apr 14th via web O Grêmio pode até estar ganhando, mas o jogo mostra mais uma vez: Silas é técnico de time pequeno. 7:52 PM Apr 14th via web

O Twitter de Fachel mostrou muito mais o lado interativo e pessoal do que o lado jornalístico do repórter. Tendo como pano de fundo os EUA e a vida de correspondente naquele país, Fachel deu detalhes do seu dia-a-dia na cidade. O jornalismo e as atividades que o cercam foram abordadas de maneiras simples e gerais. Mas sempre rica em detalhes, como fotos, por exemplo.

52

53 4.4 LÉDIO CARMONA

Nome da categoria

Nº de tweets

Porcentagem da categoria

Nº de total de tweets analisados

Direcionamento Opinião Bastidores Retweets Narração dos acontecimentos Interação Geral
Tabela 6 - Postagens de Lédio Carmona Fonte: O autor (2010).

49 13 8 5 8 212 23

15,5% 4% 2,5% 1,5% 2,5% 66,7% 7,3% 318

Lédio Carmona, comentarista do canal SporTV , é outro usuário que teve como característica a interação com seus mais de 33 mil seguidores. Tendo como principal tema o futebol, as interações abordaram o assunto de diversas maneiras. Desde um debate sobre quem jogou melhor até mesmo um comentário citando um jogador ou clube específico. É clara também, a defesa de opinião e, em alguns casos, as ponderações entre Lédio e seus seguidores.

@vitorsergio o Milan consegue ser tão incompetente quanto a Juventus. 12:04 PM Apr 11th via TweetDeck in reply to

vitorsergio
@fcmoulin só acho que os arbitros são pessimos, como o campeonato péssimo, com todo "em torno é péssimo". É tudo péssimo. 1:57 PM Apr 11th via TweetDeck in reply to

fcmoulin

53

54
@marcoanubis Falo sobre todos os Estaduais. Não existe só Campeonato Carioca no Brasil. 5:41 AM Apr 12th via

TweetDeck in reply to marcoanubis
@blogdolele Respeito, mas, como jornalista, não tenho nenhum frisson para falar sobre isso. Posso estar errado. E até devo estar. 1:11 PM Apr 14th via TweetDeck in reply to

blogdolele Carmona utilizou o Twitter para divulgar seu blog. A categoria Direcionamento, segunda mais utilizada por Carmona, encaminhou todos seus seguidores para o blog do jornalista42.

A dois passos da certeza http://bit.ly/cj2tVw 10:28 PM Apr 18th via TweetDeck A força corintiana http://bit.ly/aq7LQa 10:53 PM Apr 14th via

TweetDeck
Decisão antecipada? http://bit.ly/99t7dt 9:09 PM Apr 11th via

TweetDeck Na categoria Geral as postagens trataram também de futebol. A exceção foram algumas postagens sobre a novela que Lédio acompanhava pela TV. Detalhes sobre o dia-a-dia como, por exemplo, com quem o jornalista almoçou, também estiveram dentro das postagens.

Bene eh mala. A mulher dele, mais ainda. #viveravid 5:27 PM Apr 16th via TinyTwitter Já tirei três figurinhas do Felipe Melo. Que fase a minha. I#medo 2:30 PM Apr 16th via TweetDeck Lendo uma monta de bgesteira no meu blog... Como sempre... Ainda bem que tem uma monte coisa boa para compensar. 6:43 PM Apr 11th via TweetDeck

42

http://colunas.sportv.globo.com/jogoaberto

54

55 As opiniões postadas por Lédio, assim como seus retweets e a narração dos acontecimentos, falam exclusivamente ao universo futebolístico.

E como sempre o Estadual vai terminar com polêmica sobre arbitragem. E ninguém se coça para mudar isso. É o tal charme. 5:34 AM Apr 12th via TweetDeck

Eu tenho horror a Zebina. 12:36 PM Apr 16th via TinyTwitter Formô RT @gilmarferreira: @lediocarmona Farei UMA visita ao jornaleiro para a compra de UM pacote. Preencherei o álbum com ajuda dos amigos! 3:10 PM Apr 16th via TweetDeck Hahaha RT @mauro_beting Desconfie do Homem que não coleciona figurinhas da Copa. 9:14 AM Apr 15th via

TinyTwitter Lédio não teve como prática comum durante o período analisado postar suas participações em programas televisivos. Ficou restrito aos jogos que acompanhava e também aos futuros temas que seriam escritos por ele, seja para o blog ou para o jornal.

Acompanhando Espanhol x Barcelona. 12:11 PM Apr 17th via

TweetDeck
Bom, agora já relaxei e vou escrever minha coluna do Extra. Se não meu chefe @gilmarferreira me cobra e me pôe para ver jogo do Estadual. 2:55 PM Apr 16th via TweetDeck

O Twitter de Lédio Carmona apresentou o grande número de interações como principal característica. Além disso, Lédio aproveitou essas interações para debater e por vezes defender posicionamentos com seus seguidores. Agradecimentos pela audiência e admiração pelo seu trabalho também tiveram espaço nas interações feitas por ele.

55

56 4.5 MARCELO TAS

Nome da categoria

Nº de tweets

Porcentagem da categoria

Nº de total de tweets analisados

Direcionamento Opinião Bastidores Retweets Narração dos acontecimentos Interação Geral
Tabela 7 - Postagens de Marcelo Tas Fonte: O autor (2010).

9 5 2 10 4 4 8

21,4% 12,1% 4,7% 23,8% 9,5 9,5 19% 42

O Twitter de Marcelo Tas, apresentador do programa Custe o Que Custar da TV Bandeirantes, com mais de 575 mil seguidores, apresentou dentro do período analisado uma tendência ao uso dos retweets. Porém, nenhum deles foi postado através do botão automático de retweet e os assuntos foram os mais diversos.

RT @flavialippi: o amor é a gasolina da vida 11:13 AM Apr 18th via UberTwitter RT @thisisnotdii: Yo, mis amigos y @marcelotas http://twitpic.com/1fvx0f 6:12 PM Apr 15th via Twitter for BlackBerry® RT @edmarmoretti: Tanto para quem ama como para quem odeia o Lula, o livro do Marcelo Tas "Nunca antes na história deste país" é imperdível. 10:24 AM Apr 14th via TweetDeck

56

57 Tas também encaminhou seus seguidores a outras páginas da rede, em sua maioria seu blog43, assim como deu informações mais gerais sobre sua rotina. Outra característica do Twitter de Tas foram os comentários feitos por ele aproveitando postagens de usuários que ele segue.

Aqui: um dos pontos de encontro da #RedeCQC http://bit.ly/cyYN8l 10:29 AM Apr 12th via TweetDeck Amanhã, 19h, tô na Saraiva do Shopping Iguatemi, em Campinas: autógrafos do meu livro "Nunca Antes..." http://bit.ly/cact7k 10:26 AM Apr 14th via TweetDeck Não vou falar mais nada. Boa noite! 7:39 PM Apr 14th via

TweetDeck
Vi e concordo: bem feitíssimo! // @DaniloGentili Cidadão em Ação da semana ñ está "revolução da TV brasileira" mas tá "bem feitinho" 3:35 PM Apr 14th via web

Suas opiniões e narração dos acontecimentos tiveram como tema principal o futebol. Suas interações ficaram restritas aos comentários feitos em cima de postagens de usuários que Tas segue. A categoria Bastidores trouxe apenas informações sobre quadros e matérias que seriam apresentados no programa do qual é apresentador.

Gostaria de pedir encarecidamente que os meninos da Vila parem imediatamente de fazer gols. Já pra cama, moleques. Tem outro jogo domingo! 6:30 PM Apr 14th via TweetDeck Golaço mesmo, parabéns Bugre! // @santosfcaovivo: Gol do Guarani. E com todo o respeito, um golaço. 7:29 PM Apr 14th via TweetDeck

Tas é um dos jornalistas com o maior número de seguidores no Twitter. Comparado com outros jornalistas estudados neste trabalho, ele apresentou um comportamento menos ativo na rede.
43

http://marcelotas.blog.uol.com.br/

57

58 4.6 MAURO CEZAR PEREIRA

Nome da categoria

Nº de tweets

Porcentagem da categoria

Nº de total de tweets analisados

Direcionamento Opinião Bastidores Retweets Narração dos acontecimentos Interação Geral
Tabela 8 - Postagens de Mauro Cezar Pereira Fonte: O autor (2010).

17 27 12 22 25 118 10

7,4% 11,8% 5,2% 9,5% 10,8% 51% 4,3% 231

Mauro Cezar Pereira, comentarista dos canais ESPN e ESPN Brasil, conta com mais de 13 mil seguidores. Seu perfil também teve como principal característica a interação com o público. Pouco mais da metade das postagens realizadas no período estudado foram de interações. Mauro aborda sempre o futebol em suas postagens. A interação contou com defesa e contraponto de opiniões sobre futebol e política, agradecimentos aos seguidores e também a troca de mensagens com jornalistas esportivos.

@casottilouzada E eu repudio sua postura, com esse patrulhamento maniqueísta 4:36 PM Apr 16th via web in reply

to casottilouzada
@qomolagma Engraçado, você adora tirar sarro de tudo e todos, mas não é capaz de aceitar uma boa sacada. Foi engraçado, na boa, Fernando 3:39 PM Apr 16th via web in

reply to qomolagma

58

59
@lediocarmona Perguntarei a você, sempre mais ponderado e de indiscutível capacidade: o elenco do Botafogo é poderoso? 6:49 PM Apr 18th via web in reply to lediocarmona @brunostuart Ah, então o que é diferente da sua opinião não passa de bobagem?! Interessante, não? Vejo isso como arrogância 8:02 AM Apr 12th via web in reply to brunostuart

Mauro também utilizou a ferramenta para expor suas opiniões sobre futebol e em alguns casos política e Fórmula-1. Os retweets de Mauro tiveram como característica principal as respostas e comentários acrescidos as mensagens repassadas. Mauro deu retweet em mensagens que ele considerou estarem em consonância com suas opiniões e também postou mensagens sobre jogos que acompanhava, seja do estádio ou pela TV. Durante as transmissões de futebol in loco, foi comum Mauro postar as escalações das equipes antes da partida, comentar o ambiente do estádio e realizar diversos comentários sobre o andamento da partida.

Quem priorizaria um estadualzinho em plena disputa da Libertadores? Só mesmo as cabeças provincianas da Gávea 6:16 AM Apr 15th via web De acordo RT @Johnny_mengo @MauroCezarESPN TUDO o que a CBF apoia temos que ficar com o pé atrás...mas 6 mandatos de uma mesma pessoa não dá 1:54 PM Apr 12th via web RT @mauro_beting: Jogadores caem mais na grande área no Rio que as chuvas da semana passada. E os árbitros caem como patinhos nas encenações 2:40 PM Apr 11th via web Agora sim foi pênalti, Taddei deixa a perna e o leva uma rasteira real. 10:41 AM Apr 18th via web

Seus direcionamentos foram em sua grande maioria para seu blog44. Mauro também postou mensagens sobre sua participação em programas de TV, em jornadas esportivas na rádio e sobre seus deslocamentos para cidades e
44

http://espnbrasil.terra.com.br/maurocezarpereira

59

60 estádios para a cobertura de jogos. Na categoria Geral, postagens sobre comportamentos de seguidores e sobre o dia-a-dia do jornalista foram encontradas.

no blog: Câmara convoca, CBF ignora e deputado diz que ela se vê acima do bem e do mal http://tinyurl.com/y2ggj3m 12:22 AM Apr 16th via web Daqui a pouco, às 23 horas, Sportscenter ao vivo na ESPN Brasil. Estarei ao lado de @pauloamigao 6:31 PM Apr 15th via web Palmeiras com Figueroa no meio-campo, vejamos como se sai. Atlético deve ter apenas o argentino Javier Toledo, ex-Chacarita no ataque 2:41 PM Apr 15th via web As pessoas são incapazes de aceitar opiniões diferentes da delas, assim, que fiquem longe. Discordar ok, mas com o mínimo de respeito 3:50 PM Apr 11th via web

Mauro Cezar Pereira utilizou o Twitter para interagir, fazendo dele um espaço para colocar e defender suas opiniões. Além disso, Mauro divulgou seu blog e outras informações que achou relevantes para seus seguidores.

60

61 4.7 RICARDO NOBLAT

Nome da categoria

Nº de tweets

Porcentagem da categoria

Nº de total de tweets analisados

Direcionamento Opinião Bastidores Retweets Narração dos acontecimentos Interação Geral
Tabela 9 - Postagens de Ricardo Noblat Fonte: O autor (2010).

274 5 2 40 64 460 22

31,7% 0,5% 0,2% 4,6% 7,4% 53% 2,6% 867

Reconhecido como um dos principais jornalistas políticos do Brasil, Ricardo Noblat destacou-se pelo alto número de postagens dentro do período. Possuidor de um dos blogs45 mais visitados da área, Noblat teve como maior característica a interação com seus mais de 35 mil seguidores. Noblat procurou atender à demanda de seus seguidores explicando detalhes sobre notícias, possíveis cenários da política nacional, curiosidades sobre seu dia-a-dia e colocando e defendendo suas opiniões sobre diversos assuntos. Além de agradecer por elogios e desejar bom dia e boa noite aos seguidores. Outro detalhe que chamou a atenção dentro da categoria Interação, foi o concurso de contos promovido por Noblat. Seus seguidores tinham que enviar contos para seu Twitter. Até a data estudada, foram mais de 1.800 mensagens encaminhadas a Noblat.

45

http://oglobo.globo.com/pais/noblat/

61

62
@jpm8888 Lula começou o governo falando errado, mas está terminando falando quase sem erros. 2:04 PM Apr 17th via

TweetDeck in reply to jpm8888
@ReginnaSampaio Vc tem toda a razão. 9:59 PM Apr 17th via TweetDeck in reply to ReginnaSampaio @joaopaulom Sou da época do Santos de Pelé, Coutinho e Pepe. O Sport recusou o passe de Pelé quando ele tinha 17 anos. 4:22 PM Apr 18th via TweetDeck in reply to

joaopaulom
@felipe_liberal Os contos já começaram a ser examinados. 11:30 PM Apr 17th via TweetDeck in reply to felipe_liberal

Outra categoria freqüente foi a do Direcionamento. Os links postados por ele encaminharam seus seguidores diretamente ao seu blog. Em sua maioria, os links tratavam de notícias sobre política, porém, Noblat também colocou diversos links de vídeos de músicas. O grande detalhe foi que os vídeos também estavam postados em seu blog.

54% dos eleitores não sabem em quem votar em 2010

http://bit.ly/9Apnax 9:40 AM Apr 17th via O Globo Charge - Néo http://bit.ly/d0wFIR 9:30 AM Apr 17th via O Globo
Garota de Ipanema, por Jobim e sua turma na Itália

http://bit.ly/berK08 12:10 PM Apr 18th via O Globo Noblat também teve como característica dar detalhes sobre

acontecimentos que cobria ou que eram assuntos na imprensa. Um dos casos que se deu dentro período analisado foi a prisão do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda. A cobertura feita por Noblat no Twitter foi feita quase que minuto a minuto. Dentro da mesma notícia, a sucessão de Arruda também foi narrada por Noblat.

62

63
Arruda está saindo neste momento dentro de uma pick-up da Polícia Federal. Correligionários gritam o nome dele. 1:23 PM Apr 12th via TweetDeck A negociação de Felipelli com o PT passa pela eleição de governador no fim deste ano. Ele quer ser vice de Agnelo Queiroz, candidato do PT. 11:00 AM Apr 17th via TweetDeck Parte dos deputados distritais está reunida na casa do deputado federal Alberto Fraga (DEM). Os órfãos de Arruda apóiam Wilson Lima. 11:07 AM Apr 17th via TweetDeck Um mísero voto de deputado distrital está valendo uma nota preta a oucas horas da eleição do governador-tampao do Distrito Federal. 11:29 AM Apr 17th via TweetDeck

Dentro da categoria Retweets, Noblat procurou difundir informações e também responder a ponderações, além de validar opiniões que foram postados por seus seguidores. Detalhes sobre seu dia-a-dia, dicas culturais e até mesmo histórias sobre sua família, ficaram dentro da categoria Geral.

RT @carlosjteixeira: @BlogdoNoblat E depois não querem que tenham intervenção. ha outro caminho? (Só a intervenção, também acho) 11:38 AM Apr 17th via TweetDeck RT @JornalOGlobo: Morreu no início da noite, aos 96 anos, Lady Laura, mãe de Roberto Carlos http://ow.ly/1zMSy 5:37 PM Apr 17th via TweetDeck Todos dormem? Tão cedo? Então vou dormir também. Até mais tarde. 12:09 AM Apr 12th via TweetDeck

As categorias Opinião e Bastidores não tiveram muitos tweets dentro do período analisado, resumindo-se a deslocamentos feitos por Noblat e posicionamentos tomados por ele.

Considerar Serra mais preparado não significa necessariamente votar nele. Votei em Lula 5 vezes. E ele não era o mais preparado. 10:01 PM Apr 12th via TweetDeck

63

64

Estou em BH, a caminho do aeroporto para voltar a Brasília. Retornarei as conversas a partir de lá. 10:26 AM Apr 16th via

TweetDeck O Twitter de Ricardo Noblat buscou, dentro do período analisado, interagir com seus seguidores e encaminhá-los para seu blog. A narração de acontecimentos se resumiu a um caso específico. As demais categorias serviram apenas para Noblat ratificar seus posicionamentos e para dar detalhes do seu dia-a-dia.

4.8 ROGER LERINA

Nome da categoria

Nº de tweets

Porcentagem da categoria

Nº de total de tweets analisados

Direcionamento Opinião Bastidores Retweets Narração dos acontecimentos Interação Geral
Tabela 10 - Postagens de Roger Lerina Fonte: O autor (2010).

5 -

100%

5

Roger Lerina, editor do Segundo Caderno do Jornal Zero Hora, utilizou seu Twitter exclusivamente para encaminhar seus mais de 2.500 seguidores

64

65 para o seu blog46. Em nenhum momento da análise, Lerina teve outro comportamento dentro do Twitter.

Confira galeria de fotos das deliciosas tops que desfilaram em Porto Alegre no Monange Dream Fashion Tour: www.zerohora.com/blogerlerina 3:22 PM Apr 12th via web Ganhe ingressos para o show do Moby:

www.zerohora.com/blogerlerina 1:40 PM Apr 14th via web Lerina não utilizou nenhuma outra função proporcionada pelo Twitter. Seus seguidores foram exclusivamente direcionados ao blog do jornalista. Ficou clara a utilização do Twitter como apenas uma ferramenta para a divulgação de seu espaço na Internet. 4.9 TIAGO DÓRIA

Nome da categoria

Nº de tweets

Porcentagem da categoria

Nº de total de tweets analisados

Direcionamento Opinião Bastidores Retweets Narração dos acontecimentos Interação Geral
Tabela 11 - Postagens de Tiago Dória Fonte: O autor (2010).

1 1 1 -

33,3%

33,3% 33,% 3

46

http://wp.clicrbs.com.br/blogerlerina/

65

66 Tiago Dória, jornalista que tem como tema principal as novas mídias, pouco utilizou a ferramenta durante o período analisado. Seu Twitter possui mais de 6,7 mil seguidores e apresentou apenas três tweets. Um encaminhou seus seguidores para uma notícia em um site de um jornal, houve uma interação e um retweet. Entretanto, os assuntos postados por Dória foram exclusivamente associados às novas mídias.

@rcleme O Schmidt tem um histórico de rixa com blogs http://bit.ly/aFAssA. Mesmo assim acredito q a declaração repercutiu fora do contexto. 7:27 PM Apr 13th via Echofon in

reply to rcleme
'Cliques' do Google terão auditoria http://migre.me/wmmr 8:08 AM Apr 14th via Echofon RT @cavallini: a pirataria se adaptando às novas tecnologias http://ow.ly/1yYwo (via @bud_caddell e @juracraveiro) 1:30 PM Apr 15th via Echofon

O que mais chamou a atenção no caso de Dória foi o pouco uso da ferramenta. Um profissional que fala e tem por grande característica usar e difundir informações sobre as mídias sociais teve o menor número de tweets dentro do período analisado.

66

67 4.10 XICO SÁ Nome da categoria Nº de tweets Porcentagem da categoria Direcionamento Opinião Bastidores Retweets Narração dos acontecimentos Interação Geral
Tabela 12 - Postagens de Xico Sá Fonte: O autor (2010).

Nº de total de tweets analisados

2 13 4 4 1 92 6

1,6% 10,7% 3,2% 3,2% 0,8 75,7% 4,8% 122

Xico Sá, jornalista e escritor, compartilhou com seus mais de 13.700 seguidores temas da cultura brasileira. Mais voltado para a temática do homem e outros pensamentos, como pornografia e futebol, por exemplo. Sá utilizou seu Twitter, no período analisado, para interagir com seus seguidores. Essa foi a principal função de seu perfil. Nas interações, Xico defendeu suas opiniões, conversou com seguidores sobre os temas que aborda, principalmente assuntos culturais e futebolísticos, e interagiu com seus colegas de profissão.

@willmummy mas ñ basta ganhar,senao vai ficar igual aos outros,temos q fazer bonito.como o passe do neymar,a melhor jogada de futebol do ano 10:01 AM Apr 12th via web in reply

to willmummy
@estavaringo juntei txts do mesmo tema dos livros Catecimo de devoçoes e do CãoVadio aos pés de 1 mulher-abismo +um final novo 7:44 PM Apr 11th via web in reply to estavaringo @ViGuerreiro imprensa burguesa pq é a real! no esporte é o de menos! 6:28 PM Apr 18th via web in reply to ViGuerreiro

67

68 Sá também postou suas opiniões e pensamentos sobre o cotidiano. Esses tweets se enquadram na categoria Opinião. Ela foi a segunda mais usada pelo jornalista.
na hora de cobrar a imprensa é hiper-realista,mas na hora de pagar ela é extremamente simbólica 4:26 PM Apr 17th via web se o jornalismo impresso vai acabar,q acabe logo.Preciso dos meus amigos livres do plantão e na mesa de bar mais cedo 1:09 PM Apr 17th via web ñ há canalha maior e mais nocivo do q o homem sincero 1:27 PM Apr 14th via web

As demais postagens de Sá também se resumiram aos seus assuntos tratados e deram detalhes sobre programas de TV e eventos os quais o jornalista participaria ou participou.

dotô Sócrates detesta uma concentração desde a Democracia Corintiana,mas se rendeu e estamos aqui na porta do @cartaoverde,22h,tvCultura 5:21 PM Apr 15th via web ando por todos os Estados, mas nunca vi tanta falta d luz (e isso ñ é questão espirita)como no caso da Eletropaulo.chega! 4:01 PM Apr 15th via web RT @FCGaristo: Missão Impossível - RT @folhabrasil: Oposição volta a coletar assinaturas para o projeto ficha limpa na Câmara. 12:53 PM Apr 12th via web RT @barbaragancia: Alô, @xicosa! Também vou estar na sabatina da Folha com o Zico, na terça às 11h. Passa umas perguntas bem picantes do ... 8:29 PM Apr 12th via web

Xico Sá utilizou seu Twitter como um grande canal de comunicação. Através dele, Sá criou um novo meio de contato com seus leitores e também procurou divulgar seu trabalho assim como outros eventos culturais.

68

69 5. CONCLUSÃO Analisados os dez perfis dos jornalistas escolhidos para esta pesquisa, o principal ponto a ser observado foi a alta frequência de interação que os profissionais tiveram com seus seguidores. Abordando diversos temas, os tweets foram uma forma de se aproximar do público. Jornalistas como Marcelo Tas, um dos perfis mais seguidos no Twitter, puderam contar mais sobre a rotina de apresentador. Assim como os seguidores de Flavio Fachel, que leva a vida nos EUA e utilizou o microblog como um canal de comunicação entre o exterior e o Brasil. Outra característica dentro da interação foi o uso dela para mensagens simples, como o desejo de boa noite ou até mesmo um agradecimento. Isto sugere que os jornalistas, ao entrarem e utilizarem o Twitter desta forma, querem se aproximar de seus ouvintes, leitores e telespectadores. Seja para agradecer pelo reconhecimento de seu trabalho ou para debater opiniões. Também foi verificado que os jornalistas tiveram como comportamento dentro do Twitter a indicação e o direcionamento para outros sites e blogs, que, na maioria das vezes, foram os do próprio dono do perfil. Roger Lerina, Bob Fernandes e Ricardo Noblat tiveram como prática comum direcionar seus seguidores a suas páginas pessoais em sites de notícias. Ficou claro o uso do Twitter como mais um meio de promover o trabalho do jornalista, seja pelo sucesso do Twitter dentro da rede social, ou apenas pelo fato dele encaminhar os seguidores para notícias e novidades apresentadas pelo jornalista. Utilizado como um espaço onde os usuários postam fatos do seu dia-adia, o Twitter também teve essa utilização por parte dos jornalistas. Com isso, os jornalistas puderam ter um comportamento como qualquer outra pessoa dentro da ferramenta, postando anedotas e acontecimentos do seu cotidiano.

69

70 Outra grande característica dos jornalistas foi a divulgação de outras informações que eram postadas por perfis de usuários que eram seguidos por eles. Além disso, os retweets acrescidos de comentários colocaram não somente a informação para seus seguidores, mas também a opinião do jornalista sobre o que era repassado. Os retweets também tiveram como objetivo responder a ponderações feitas pelos usuários. Bastidores de reportagens, opiniões e narração de acontecimentos também tiveram seu espaço, porém, em menor escala. Dentro destas postagens, foi possível conhecer mais sobre o trabalho do jornalista e se inteirar sobre possíveis matérias e participações em programas de TV e rádio, por exemplo. Comentários sobre notícias e acontecimentos acompanhados in loco ou pela TV também foram comuns. Este trabalho analisou um total de cinco editorias. Foi no jornalismo esportivo que os profissionais analisados tiveram o comportamento mais parecido. Nas demais editorias o uso teve pequenas alterações. Outro fato que chamou a atenção foram as poucas postagens de Tiago Dória, jornalista que aborda as mídias sociais. Seria natural pensar que justamente esses profissionais teriam perfis mais ativos dentro da rede. Fato este que ficou a cargo de Ricardo Noblat, jornalista político. Em uma semana de análise, Noblat chegou a quase 900 postagens no Twitter. Isso comprova que não existe um uso padrão entre as editorias. Dentro do mesmo tema podemos ter um jornalista ativo e um nem tanto. O uso do Twitter parece depender mais da personalidade do profissional. A utilização do Twitter entre os jornalistas não foi muito diferente entre os dez usuários analisados. As variações foram poucas e ficou claro que os profissionais utilizam a ferramenta para a interação com o público e para a divulgação de seu trabalho. Este estudo mostra que não existe uma utilização padrão entre os jornalistas no Twitter. Interesse pela ferramenta, vontade de

70

71 interagir com seus seguidores e a divulgação de blogs e informações no microblog foram fatores que deram a diferença entre os perfis analisados. A análise feita neste estudo mostrou que o Twitter está sendo utilizado como uma ferramenta de divulgação de notícias, opiniões e de grande interação entre jornalistas e o público em geral, e pode sim, ser uma grande aliada do jornalista dentro da sua rotina profissional.

71

72 REFERÊNCIAS

GILLMOR, Dan. Nós, os media. Lisboa: Presença, c2005. 269 p. ANDERSON, Chris. A cauda longa : do mercado de massa para o mercado de nicho. 4. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, c2006. 240 p. WOLF, Mauro. Teorias das comunicações de massa. 2ª edição. São Paulo : Martins Fontes, 2005. 295 p. RECUERO, Raquel da Cunha. Redes sociais na internet. Porto Alegre : Sulina, 2009. 191 p. PRIMO, Alex Fernando Teixeira. Interação mediada por computador: comunicação, cibercultura, cognição. Porto Alegre : Sulina, c2007. 240 p. TRAQUINA, Nelson. Teorias do Jornalismo. A tribo jornalística - uma comunidade interpretativa transnacional - Florianópolis: Insular, 2. ed., 2008. 216p.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do Jornalismo, porque as notícias são como são. Florianópolis: Insular, 2. ed., 2005. 224p. GALLI, Fernanda Correa Silveira. Linguagem da Internet: um meio de comunicação global. In: MARCUSCHI, Luiz Antônio; XAVIER, Antônio Carlos (orgs.) Hipertexto e gêneros digitais. 2 ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005. 196p.

72

73 TRÄSEL, Marcelo. O uso do microblog como ferramenta de interação da imprensa televisiva com o público. In: Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo, 6., 2008, São Paulo. Disponível em: <http://www.scribd.com/doc/5937899/O-uso-do-microblog-como-ferramenta-deinteracao-da-imprensa-televisiva-com-o-publico>. Acesso em: 16 maio. 2010.

MIELNICZUK, Luciana. Características e implicações do jornalismo na Web. Disponível em: <http://www.facom.ufba.br/jol/pdf/2001_mielniczuk_caracteristicasimplicacoes.pd f>. Acesso em: 8 maio. 2010.

SPYER, Juliano; et al. Tudo que você precisa saber sobre o Twitter. Disponível em: <http://www.scribd.com/doc/18384882/Manual-Twitter-Baixaresolucao-3-MB>. Acesso em: 15 maio. 2010.

ARAÚJO, Paulo Roberto Teixeira de; MAIA, Natália Mendes. Twitter: Interação em 140 Caracteres. In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 32., 2009, Curitiba. Disponível em: <http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2009/resumos/R4-1293-1.pdf>. Acesso em: 30 maio. 2010.

73

74 O’REILLY, Tim. O que é Web 2.0. Disponível em: <http://pressdelete.files.wordpress.com/2006/12/o-que-e-web-20.pdf>. Acesso em: 7 maio. 2010.

74

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->