P. 1
livro de contabilidade

livro de contabilidade

|Views: 594|Likes:
Publicado porAndré Ramos

More info:

Published by: André Ramos on Sep 18, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/09/2013

pdf

text

original

CONTABILIDADE DE CUSTOS

.

CONTABILIDADE DE CUSTOS Vicente Carioca .

42 2.Campinas. SP. 1.PABX: (19) 3232. CDD-657.42 ISBN 978-85-7516Todos os direitos reservados à Editora Alínea Rua Tiradentes. Contabilidade de custos 657. Análise de custos : Contabilidade 657. Carioca. Bibliografia.Campinas-SP CEP 13023-191 .42 Índices para Catálogo Sistemático 1. Mighton COORDENAÇÃO DE REVISÃO E COPYDESK Helena Moysés REVISÃO DE TEXTOS Paola Maria Felipe dos Anjos EDITORAÇÃO ELETRÔNICA Adriane Bergantin da Silva Fabio Diego da Silva Gisele de Cássia Ribeiro Amaral Tatiane de Lima CAPA Ivan Grilo Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro. 2009. SP: Editora Alínea. Contabilidade de custos I.br Impresso no Brasil A AA . .9340 e 3232.atomoealinea. Contabilidade de custos / Vicente A. COORDENAÇÃO EDITORIAL Willian F.2319 www. 1053 .A 08-11832 A Alínea E D I T O R A DIRETOR GERAL Wilon Mazalla Jr.Guanabara . Brasil) Carioca. Título. Vicente A.com.

.............. Sistemas de Acumulação dos Custos........3 Os ramos de negócios e os custos ............2 Sistema de acumulação dos custos na produção em série (ou contínua) .....................38 2....41 5 ............................35 2..............................9 Introdução..............................1 Terminologias empregadas no estudo de contabilidade de custos .................................................................. Fundamentos da Contabilidade de Custos.........30 Exercícios propostos................2 Princípios e convenções contábeis aplicados ao custeio por absorção..................................1 Sistema de acumulação dos custos na produção sob encomenda.....38 Exercícios propostos...............................................................................17 1....SUMÁRIO Apresentação ........24 1......................................18 1...36 2.................3 Diferenças na gestão estratégica entre os dois sistemas de produção .......................................................................................................31 2..................................15 1...............11 Sugestão para Utilização do Livro ..............................................................................

........................................................................................ Classificação dos Custos.........46 3............................3 Custo real ....47 4..................................................................................................................1 Critérios de custeio ................82 Exercícios propostos.....................................................................50 4..............................................................................1 Departamentalização.........................94 8...........................1 Custo padrão ideal ..............................2 Custeio dos materiais na produção sob encomenda.........................62 Exercícios Propostos .......43 3....................45 3.. Tipos de Custos .55 5...........................2 Apuração do consumo de materiais por meio do controle dos estoques com frequência periódica..............59 5..................85 7......................................51 4...............3 Custeio das perdas ........................................88 7......99 Exercícios propostos..............75 6...................76 6...................3 Apuração do consumo de materiais por meio do controle dos estoques com frequência permanente.......................................................................................... O Custeio dos Materiais aos Produtos .................................................1 Custeio dos materiais na produção em série ......................4 Conclusão.....................47 Exercícios Propostos .................................... Custos de Fabricação Indiretos (CIF)..................97 8.......2 Custo estimado.............................................3..........................2 Centros de custos ......57 5........ Apuração dos Custos de Conversão .....53 Exercícios Propostos .......3 Custos de conversão ou de transformação ..................................89 Exercícios propostos.........................................................................81 6............. Apuração dos Custos de Materiais Diretos ..............1 Materiais diretos........................................................................................................................104 6 .............58 5..................................................87 7.......................................2 Materiais indiretos .........44 3................1 Tratamento dos impostos ..........49 4.......71 6..............................

.......................................................................................................129 Exercícios propostos............................180 7 .125 10...........111 9..........137 11...........154 12...................................................................................2 Contabilização no sistema de acumulação dos custos na produção sob encomenda................................................ Apropriação dos Custos de Conversão Indiretos na Produção em Série ....138 11............9........133 11...3 Apropriação do custo da Mão de Obra Direta aos produtos na produção sob encomenda..1 Contabilização no sistema de acumulação dos custos na produção em série.............2 Apropriação do custo da Mão de Obra Direta aos produtos na produção em série ............... Contabilização dos Custos ......1 Como determinar o custo da Mão de Obra Direta ...............................111 9....................1 CIFE – custo indireto de fabricação estimado ......119 10............106 9.....................................................168 13.........................3 Como tratar múltiplos períodos.................2 Aplicacão do princípio da consistência na definição de bases de rateio......2 Na produção em série.......145 11...167 13..............113 Exercícios propostos...........................160 Exercícios propostos.............................................................1 Bases de rateio .......................................................................................................................... Mão de Obra Direta – MOD ..165 13.153 12........................4 Calculando as bases e os mapas de rateio dos custos gerais e interdepartamentais ............................................. Apropriação dos Custos Indiretos na Produção Sob Encomenda ........150 12......................................123 10........................146 Exercícios propostos.. Avaliação dos Estoques de Produtos em Elaboração ......2 Apropriando os custos indiretos às ordens de produção....1 Na produção sob encomenda .................................................155 12..........................3 A hierarquia departamental.................105 9...........

.204 15............................................................189 14................187 14......219 16...........................................................1 O custeio variável .............254 Referências ...........................................................................241 17........................................................................................... Relação Custo/Volume/Lucro ..........1 Ponto de equilíbrio (break even point)....... Aplicação dos Conceitos de Custos em um Modelo de Análise de Investimento .......................194 14.........1 Tomando decisões com base na margem de contribuição ..238 Exercícios propostos..................................................................................220 16..........................................245 Exercícios propostos.194 Exercícios propostos........................................................207 15.................208 Exercícios propostos.............. Margem de Contribuição e suas Derivações no Processo Decisório....................................255 8 .....2 Margem de segurança ........ Custeio Variável ou Direto.............................................................2 Separação dos custos em fixos e variáveis..................................................217 16..........Estudos de Custos com o Foco na Decisão ......................................

é útil. com amplas explicações sobre as finalidades de ambas. especialmente. no entanto. visa. Além disso. como da sequência dos conteúdos nelas abordados. ao ensino da disciplina de Contabilidade de Custos e tem. Com isso. preparar-se profissionalmente para o mercado de trabalho. com abundância de detalhes e com muitos exemplos correlacionados com o mundo real. sua aplicação na atividade industrial. como foco. o que demonstra sua aplicação prática e objetiva à realidade das empresas. isso é feito sob as óticas contábil e gerencial. 9 . está redigido com terminologias de fácil acesso. por essa razão. Este livro tem cunho didático. da disciplina de Contabilidade de Custos. tanto em razão da linguagem das bibliografias disponíveis. explorando cada um dos capítulos na exata ordem em que se encontram. fundamentalmente. que se revelam excelentes instrumentos para formar pesquisadores.APRESENTAÇÃO Motivamo-nos a escrever este livro porque. percebemos muita dificuldade no processo de ensino e aprendizagem. onde é possível. fundamentalmente. tanto para a aplicação no curso de Ciências Contábeis como para os demais cursos. Bastará aos professores atenuar ou aprofundar enfoques. Todos os assuntos são didaticamente abordados e. ao longo dos 22 anos de dedicação ao ensino da contabilidade. tornam muito difícil a arte de ensinar a um universo de alunos que busca.

se não iniciar seus estudos pelo custeio por absorção. que é praticamente impossível ao contador e a qualquer outro profissional formar conceitos consistentes na área de custos. portanto. Propositalmente. porque ele é a base que alicerça todas as outras aplicações gerenciais desenvolvidas nos demais critérios de custeio. Temos consciência de que o corpo docente que se dedica ao ensino da Contabilidade de Custos prefere abordá-la do prisma gerencial. haveria perda de aproveitamento do livro. Alguns capítulos são mais voltados para o curso de Ciências Contábeis. 10 . não raro.A organização dos assuntos obedece a uma sequência que proporciona gradativa absorção de conhecimentos pelo aluno. a mecânica da contabilização provoca “pânico” nos não contadores e. testemunhamos. de forma que o conceito de custos e custeio se estrutura naturalmente. que ultrapassa os 30 anos no exercício de atividades gerenciais ligadas à controladoria e negócios. pois. Com isso a abordagem dos conteúdos em cursos diferentes de Ciências Contábeis fica mais “leve”. com isso. No entanto. o Capítulo 13. sustentados em experiência. foi incluído um capítulo exclusivo com a finalidade de demonstrar os processos de contabilização envolvidos na Contabilidade de Custos. podem ser estudados nos demais cursos de maneira mais atenuada. dando ênfase aos critérios de custeio que tem essa característica.

distribuíram-se e fortaleceram o poder de compra 11 . o que contribuiu para o avanço tecnológico na área contábil. ocorrida a partir do século XVIII. a partir daí. a contabilidade tinha o objetivo de registrar as atividades comerciais e de controle patrimonial. que já não era mais possível aplicar os conceitos da contabilidade geral para determinar o valor dos produtos acabados e dos resultados dos negócios. e isso provocou também a multiplicação da demanda por produtos. até então. então.INTRODUÇÃO Até a revolução industrial. com mais de um produto e. os primeiros ensaios da contabilidade especialista em custos. Surgiram. A população mundial multiplicou-se. Os níveis de riqueza aumentaram. de forma partilhada. a expansão industrial ganhou escala. Com o crescimento de escala na atividade industrial. invariavelmente. a avaliação dos produtos tornou-se mais complexa. Percebeu-se. administrada e operada pelo próprio proprietário. Após duas guerras mundiais. ao final de cada período. fato que impulsionou o crescimento industrial. o que permitia que o custo de produção fosse facilmente identificado e diretamente aplicado a cada produto. parte do mundo precisou ser reconstruída. era artesanal. A atividade de transformação de bens. No século XX. Os custos de produção passaram a incorrer. determinando assim seu valor. observava-se a existência de estoques de produtos semiacabados em diversas fases do processo.

e. quanto do externo. As terceirizações tornaram-se uma tônica para o sucesso dos negócios. Simultaneamente. as informações contábeis transformaram-se em instrumentos indispensáveis para a administração empresarial. o que provocou o aperfeiçoamento e desenvolvimento técnico-científico dos processos contábeis. seguras. necessita de profundas e consistentes análises de impactos sobre seus custos. pois esse é o grande diferencial que norteia o sucesso ou o insucesso de um empreendimento.da população crescente. propiciando grande alargamento dos mercados de pequenas e médias empresas. assim. com a globalização econômica. Em decorrência disso. o equacionamento da economia e a conseguinte melhoria do poder aquisitivo da população amplificaram a procura por produtos e serviços. da contabilidade de custos. já que as novas demandas passaram a exigir medidas estratégicas rápidas. tanto oriundos do mercado interno. No campo estratégico. Nos últimos anos. a absoluta maioria delas. entretanto. objetivas e amparadas pela consistência de informações fundamentadas. muitas são as providências que uma empresa pode adotar na busca de superar a concorrência. grandes empresas tornaram-se ainda maiores com as fusões e incorporações. além de estimular maior expansão da atividade econômica e consequente ampliação do grau de competitividade entre as empresas. somado a esse fato. Somente tais medidas permitem às empresas enfrentar o assédio da concorrência. instigaram o aparecimento de um grande número de empresas satélites. Todos esses acontecimentos somados exerceram influência para um processo contínuo de profissionalização empresarial. em especial. 12 . No caso específico do Brasil. pois se tornou evidente que já não bastava apenas a experiência para gerir os negócios. a abertura do mercado proporcionou a entrada de produtos importados com preços baixos e com elevado grau de aceitação entre os consumidores.

controlar e analisar custos são importantes. custeio do ciclo de vida. a partir do Capítulo 14. Custo padrão. foram selecionados. Dentre elas destacam-se: custeio por absorção. foram desenvolvidas e aprimoradas diversas formas de se tratarem os custos. A Contabilidade de Custos é geradora de importantes informações para a gestão dos negócios. de modo eficiente. é o fato de a legislação do Imposto de Renda aceitar. o custeio por absorção para fins de apuração de resultados e avaliação dos estoques. tanto para aspectos de controle. tenham eles enfoque na avaliação dos estoques ou na geração pontual de informações para decisões gerenciais. associados a situações de negócios. como para tomada de decisão. Assim. a atividade contábil ou administrativa.Ao longo dos anos. foco da primeira parte deste livro. no Brasil. Todas essas maneiras de custear. parte de tais aplicações. do Capítulo 1 ao 13. ABM). permitirão aos alunos identificar e exercitar a eficácia com que podem ser aplicados. no entanto. custeio meta. como para fins de controle e decisão. é indispensável que se inicie por meio do custeio por absorção. que são amplamente empregados em todos os demais critérios de custeio. tanto para fins de custeio. exclusivamente. O custeio por absorção contém toda a base conceitual para tratamento dos custos dos insumos de produção. custeio Kaizem. neste livro. para que o ensino da Contabilidade de Custos sirva efetivamente ao propósito de formar profissionais capazes de exercer. com o intuito de demonstrar. Custo estimado etc. custeio baseado nas atividades (ABC. os principais instrumentos derivados do critério de custeio variável que. custeio variável. Sendo assim. um fator relevante que deve ser considerado ao estabelecermos prioridades para o ensino de Contabilidade de Custos. 13 .

.

Para os demais cursos. pois o contabilista precisa ser capaz de fazer e interpretar a contabilidade. mas com menor ênfase. É importante ressaltar que. sugere-se que os demais capítulos sejam estudados com profundidade. recomendamos que o professor faça incursões pelo Capítulo 13. com enfoque especial nos impactos gerenciais de cada linha do conhecimento neles apresentados. 15 . quando o livro é adotado para ser ministrado em uma instituição de ensino que aproveita o conteúdo para promover compensações na grade curricular de mais de um curso. Nos capítulos que demandam contabilização. recomenda-se que sejam trabalhados. o ideal é que todos os capítulos sejam ministrados na sequência em que estão apresentados. os capítulos que se referem aos mecanismos operacionais de custeio. que interessam mais ao profissional de Contábeis. no qual estão concentrados os critérios e exemplos da contabilização.SUGESTÃO PARA UTILIZAÇÃO DO LIVRO No curso de Ciências Contábeis. organizados na mesma ordem dos capítulos pertinentes abordados. No entanto. é recomendável que todos os capítulos sejam tratados em todos os cursos. com a mesma profundidade que seriam tratados no curso de Ciências Contábeis. dentre os quais. conste o curso de Ciências Contábeis.

sejam desenvolvidos outros. com exibição física de diferentes tipos de produtos. é importante que. especialmente no ensino de Contabilidade. é fundamental para promover o aprendizado do aluno. O recomendável é que o docente explore também exercícios preparados por ele. O enriquecimento do ensino com exemplos do mundo real. além dos exemplos apresentados neste livro. nos quais os conceitos possam ser percebidos. são sugeridos exercícios para a fixação dos conceitos. em que ocorre maior concentração de conceituação. os alunos de Ciências Contábeis. Uma boa maneira de o professor evitar tal dispersão é “abusar” de exemplos práticos. baseados na própria experiência do professor. 16 . tanto de linguagem. para que os alunos reconheçam o estilo de abordagem. portanto. Em cada um dos capítulos. como de conteúdo de seu professor. é comum os alunos ficarem mais dispersos.Nos capítulos iniciais. especialmente.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->