Você está na página 1de 50

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE

ARARAQUARA - UNIARA

Notas de Aula e Exercícios:


CONTABILIDADE I
Curso de Administração
1º e 2º Semestres de 2009
Professor José Donizetti Romão

=> O uso deste material visa facilitar e direcionar os trabalhos em sala de aula e em
nenhum momento busca substituir a bibliografia indicada, que deve ser consultada
simultaneamente <=

Bibliografia
FEA/USP. Contabilidade Introdutória. 9ª ed. São Paulo: Atlas, 1998.
IUDÍCIBUS, S., MARION, J.C. Curso de Contabilidade para não Contadores.
3ª ed. São Paulo: Atlas, 1998.
FIPECAFI/USP. Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações. 5ª ed.
São Paulo: Atlas, 2001.
IUDÍCIBUS, S. Contabilidade Gerencial. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 1998.

UNIARA – Contabilidade I – Curso de Administração 1


INDICE: Página
1 CAMPO DE ATUAÇÃO DA CONTABILIDADE 3
1.1 Conceito 3
1.2 Objetivo 3
1.3 Usuários da Contabilidade 3
1.4 Conceituação de Pessoa Física e Jurídica 4

2 ESTÁTICA PATRIMONIAL 4
2.1 Patrimônio 4
2.2 Capital Próprio e Capital de Terceiros 5
2.3 Equação Fundamental da Contabilidade 5

3 MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 7

4 VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 8


4.1 Despesas 8
4.2 Receitas 8
4.3 Resultados 8

5 ESTRUTURA PATRIMONIAL E DE RESULTADO 9

6 ESCRITURAÇÃO 10
6.1 Escrita Contábil 10
6.2 Livros Contábeis 10

7 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS 11


7.1 Inventário Periódico 12
7.2 Inventário Permanente 13

8 BALANÇO PATRIMONIAL 16
8.1 Grupo de Contas do Balanço Patrimonial 17

9 MODELO DE PLANO DE CONTAS 48

EXERCíCIOS (páginas 18 a 47)


1 a 10 – Equação Patrimonial e Demonstração Básica do Patrimônio
11 a 16 – Situações Patrimoniais, Origens e Aplicações de Recursos
17 a 22 – Estudo do Grau de Estabilidade e de Insolvência
23 – Balanço Patrimonial em Grupos e Subgrupos
24 – Mecanismo de Débito e Crédito
25 a 29 – Escrituração, razonete, balancete de verificação e balanço patrimonial.
30 a 33 – Apuração do Resultado: Lucro, Prejuízo, Demonstração do Resultado do Exercício.
34A e B – Variações do Patrimônio Líquido.
35 a 38 – Inventário Periódico.
39 a 40 – Inventário Permanente.

UNIARA – Contabilidade I – Curso de Administração 2


1 – CAMPO DE ATUAÇÃO DA CONTABILIDADE
CONTABILIDADE

1.1 – Conceito
A Contabilidade é a ciência que tem como finalidade registrar, coletar, resumir
informar, analisar e interpretar dados e fenômenos que afetam a situação patrimonial,
financeira e econômica de qualquer entidade.

Possui três requisitos para ser considerada Ciência: o campo de atuação que são as
entidades; o objeto que é o patrimônio; e o método das partidas dobradas.

- Administração
- Investidores
- Bancos
- Governo
- Outros
Interessados

COLETA REGISTRO DOS


DE DADOS DADOS E RELATÓRIOS DECISÃO
PROCESSAMENTO

1.2 - Objetivo

O PATRIMÔNIO É O OBJETIVO DA CONTABILIDADE


É através da Contabilidade que se evidenciam os aspectos qualitativo e quantitativo
do patrimônio.

1.3 - Usuários da Contabilidade:

A contabilidade tem usuários internos e externos:

Usuários INTERNOS: Sócios, Administradores, Contador, Auditor Interno. Assim,


podemos definir usuário interno como aquele que está diretamente ligado à entidade, trabalha
dentro dela. Isso porque a contabilidade, internamente, auxilia o processo de tomada de
decisão, na política de concessão de créditos, de faturamento, de compras, melhora dos
custos

Usuários EXTERNOS: Fornecedores, bancos, acionistas, governo (fisco federal,


estadual ou municipal). São usuários externos aqueles que estão de fora da entidade, porém
tem interesse direto na movimentação de seu patrimônio. Como exemplo, os acionistas
avaliam o nível do retorno do investimento, os credores buscam informações sobre a empresa
(se é viável a concessão de crédito) e, por ultimo, o governo (que tem interesse na
arrecadação de tributos)

UNIARA – Contabilidade I – Curso de Administração 3


1.4 - Conceituação de Pessoa Jurídica e Física

Pessoa Jurídica é a entidade com personalidade própria, sujeita a direitos e


obrigações. Existe de FATO a partir do momento em que começa a praticar atos inerentes a
pessoa jurídica (comércio e serviços). Existe de DIREITO a partir do seu registro na Junta
Comercial (Comércio, Indústria) ou no Cartório de Registro (Sociedade Civil ou empresa
prestadora de serviços). Pode ser COM fins lucrativos (empresa comercial, prestadora de
serviços ou indústria) ou SEM fins lucrativos (entidade filantrópica, associações, sindicatos,
partidos políticos, igrejas etc.).

Pessoa Física é a criatura humana, que adquire personalidade de FATO ao nascer


com vida e de DIREITO ao ser registrada no cartório de registro civil. A lei protege a criatura
humana desde o momento da concepção.

2 – ESTÁTICA PATRIMONIAL
2.1 - Patrimônio
O patrimônio é o conjunto de Bens, Direitos e Obrigações vinculados às entidades
econômico-administrativas.

Em contabilidade o patrimônio se apresenta sob 3 (três) formas:


• Ativo
• Passivo Exigível (Passivo Circulante e Passivo não Circulante)
• Patrimônio Líquido.
2.1.1 - Ativo
O Ativo representa todos os Bens e os Direitos de uma entidade.
Exemplos: Dinheiro em Caixa ou em Bancos, Duplicatas a Receber, Estoque de
Mercadorias, Móveis, Veículos, Imóveis, Máquinas, etc.

2.1.2 – Passivo Exigível


O Passivo Exigível representa todas as obrigações financeiras que uma entidade
tem para com terceiros. É tudo aquilo que a empresa deve, as dívidas que ela contraiu.
Exemplos: Fornecedores, Impostos a Pagar, Empréstimos Contraídos, Juros a Pagar, enfim,
obrigações diversas.

Veremos ainda que o passivo exigível é dividido em Passivo Circulante e Passivo Não
Circulante.

2.1.3 – Patrimônio Líquido


É o valor aplicado pelos proprietários do patrimônio na entidade. É representado
pela diferença entre o valor do Ativo e do Passivo Exigível de uma empresa em
determinado momento. É também chamado de obrigações com os sócios.

RESUMO:
Ativo Total = Bens e Direitos
Passivo Total = Passivo Exigível + Patrimônio Liquido = Obrigações

UNIARA – Contabilidade I – Curso de Administração 4


2.2 – CAPITAL PRÓPRIO E CAPITAL DE TERCEIROS

Toda empresa necessita de recursos materiais e financeiros para utilizá-los em suas


atividades.

Tais recursos são originários de Fontes Internas e Externas, onde as Fontes


Internas representam o Capital dos Proprietários da empresa (PATRIMONIO LIQUIDO); e
as Fontes Externas são as obrigações assumidas pela empresa junto a terceiros
(PASSIVO EXIGÍVEL).

Sabemos que o Ativo é representado pelos Bens e Direitos de uma empresa e a


forma de adquiri-los é através de recursos financeiros originários de:
• Fontes Internas - Capital Próprio
• Fontes Externas - Capital de Terceiros

ORIGENS DOS Externas Capital de Terceiros Passivo Exigível PASSIVO


RECURSOS Internas Capital Próprio Patrimônio Liquido TOTAL

APLICAÇÃO DE BENS E DIREITOS ATIVO


RECURSOS TOTAL

ATIVO TOTAL (APLICAÇÃO DE RECURSOS) sempre será IGUAL ao


PASSIVO TOTAL (ORIGEM DE RECURSOS)

APLICAÇÃO DE RECURSOS = ORIGEM DE RECURSOS

ATIVO TOTAL = PASSIVO TOTAL

2.3 – EQUAÇÃO FUNDAMENTAL DA CONTABILIDADE

Através de uma relação lógica, extraída dos conceitos de Ativo, Passivo Exigível e
Patrimônio Líquido temos que: PL = A - PE, ou seja, se subtrairmos os valores a pagar
(Passivo Exigível) dos bens e direitos (Ativo) se evidenciará una Situação Líquida que
poderá ser positiva, nula ou negativa.

PL = A – PE
Assim, temos uma equação de 1o grau onde os valores de cada um de seus membros
podem ser apurados aplicando-se regras muito simples da matemática.

Vejamos: se PL = A - PE, mudando-se os membros e trocando-se os sinais,


encontraremos o que se convencionou chamar de Equação Fundamental da Contabilidade:

A = PE + PL

UNIARA – Contabilidade I – Curso de Administração 5


É também chamada de Equação do Balanço, porque consiste em balancear o total
do Ativo com o total obtido pela soma do Passivo Exigível mais o Patrimônio Líquido.

2.3.1 – Estados Patrimoniais


A partir da Equação Fundamental da Contabilidade, podemos deduzir que o
Patrimônio pode se apresentar de formas distintas, a saber:
a) Se o Passivo Exigível for igual a zero, temos:

PE = 0
ATIVO = PATRIMÔNIO LÍQUIDO

Nessa situação significa que não há Passivo Exigível. Chama-se essa situação
patrimonial de ESTABILIDADE ABSOLUTA

b) Se o Patrimônio Líquido for igual a zero, tal fato indicará:

PL = 0
ATIVO = PASSIVO EXIGÍVEL
Nessa situação a entidade tem o patrimônio liquido igual a ZERO. Chama-se essa estática
patrimonial de SITUAÇÃO NULA

c) Toda vez que o Patrimônio Líquido for maior que zero, o Ativo será maior que o
Passivo Exigível.

PL > 0
ATIVO > PASSIVO EXIGÍVEL
Quanto (Ativo Total = Patrimônio Liquido + Passivo Exigível), significa que a entidade tem
obrigações com terceiros, mas tem Ativos suficientes para pagá-las. Chama-se essa situação
Patrimonial de ESTABILIDADE RELATIVA

d) Toda vez que o Patrimônio Líquido for menor que zero, o Ativo será menor que o
Passivo Exigível. Trata-se de um Passivo a descoberto.

PL< 0
ATIVO < PASSIVO EXIGÍVEL

Quanto (Ativo Total < Passivo Exigível) significa que a entidade está com o patrimônio liquido
NEGATIVO, ou seja, com o PASSIVO A DESCOBERTO. Chama-se essa situação patrimonial
de INSOLVÊNCIA.

Assim, PATRIMONIO LIQUIDO NEGATIVO = PASSIVO A DESCOBERTO =


INSOLVENCIA. A empresa não tem bens e direitos suficientes para cobrir suas
obrigações com terceiros.

2.3.2 – Grau de Estabilidade e de Insolvência

Grau de Estabilidade Relativa = Patrimônio Liquido / Passivo Total

Grau de Insolvência Relativa = Patrimônio Liquido / Passivo Exigível

UNIARA – Contabilidade I – Curso de Administração 6


2.3.3 – Configurações Numéricas

a) ATIVO PASSIVO b) ATIVO PASSIVO

PE PE
0 100
A = PL A A A = PE
PE = 0 100 100 PL = 0
PL PL
100 0

100 100 100 100

c) ATIVO PASSIVO d) ATIVO PASSIVO

PE PE
80 120
A > PE A A A < PE
PL > 0 100 100 PL < 0
PL PL
20 (20)

100 100 100 100

3 – MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS – Mecanismo de débito e crédito


É a partida contábil ou lançamento contábil onde um débito é sempre correspondido
por um crédito de igual valor, e por isso é denominada Digrafia, porque é baseada no
princípio da contraposição de valores.

Ela nasceu na região da Toscana, na Itália, na segunda metade do século XIII,


exposta pelo Frei Luca Pacioli, e face a sua exatidão de registro, inspirou alguns
estudiosos no sentido de transforma-la em ciência.

RESUMINDO
“Todo débito corresponde a um ou mais créditos de igual valor”

ATIVO = LADO DEVEDOR DO BALANÇO


Para aumentar o ativo = DEBITA
Para diminuir o ativo = CREDITA

PASSIVO = LADO CREDOR DO BALANÇO


Para aumentar o passivo = CREDITA
Para diminuir o passivo = DEBITA
UNIARA – Contabilidade I – Curso de Administração 7
O lançamento contábil será:
Débito Aplicação de Recursos
a Crédito OU a Origem de Recursos
a preposição “a” indica que a conta da frente está sendo CREDITADA

Débito é a Aplicação de Recursos


Crédito é a Origem de Recursos

4 – VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO


4.1 - Despesas

É um sacrifício que a empresa arca, com a utilização ou o consumo de Bens e


Serviços, para a obtenção de receitas.

Qualquer gasto efetuado ou ainda devido somente será considerado despesa se


provocar uma diminuição do Ativo ou um aumento no Passivo Exigível.

4.2 - Receitas

São todos os valores recebidos pela empresa, bem como aqueles que ainda tenha
o direito de receber, fruto da suas vendas ou prestação de serviços.

Qualquer entrada só será considerada como Receita se provocar um aumento no


Ativo ou una diminuição do Passivo Exigível.

4.3 - Resultados

Representa a diferença entre as Despesas e as Receitas de um determinado período.


Existem 2 ( dois ) tipos de resultados:

• Lucro: Quando o total das Receitas for maior que o total das Despesas;
• Prejuízo: Quando o total das Despesas for maior que o total das Receitas.

Portanto, podemos concluir:

• Que o Lucro aumenta o Patrimônio Líquido;


• Que o Prejuízo diminui o Patrimônio Líquido.

Isto porque o resultado apurado, Lucro ou Prejuízo, representa a remuneração do capital


investido pelos proprietários da empresa, quer seja positivo ou negativo.

UNIARA – Contabilidade I – Curso de Administração 8


5 - ESTRUTURA PATRIMONIAL E DE RESULTADO

P A T R I M Ô N I O
( + ) ATIVO PASSIVO ( - )

(-) A C F
B P A O
E L P N
N I O . T
S C. B 3OS E
R S
(-) E D I (+)
Contas de E G C DE Contas de
SALDO DE D A A SALDO DE
NATUREZA I R Ç P R NATUREZA
DEVEDORA R E Õ . E CREDORA
E C E C
I U S P U
T R R R
O S Ó S
S O P O
O
DEVEDORA S S

TOTAL IGUAL => <= TOTAL IGUAL

R E S U L T A D O

DESPESAS RECEITAS

(-) Operacionais e Operacionais e (+)


SALDO DE SALDO DE

NATUREZA NATUREZA
DEVEDORA Não Operacionais Não Operacionais CREDORA

TOT. DIFERENTE => <= TOT. DIFERENTE

PREJUÍZO LUCRO
Despesas > Receitas Receitas > Despesas

UNIARA – Contabilidade I – Curso de Administração 9


6 - ESCRITURAÇÃO
É a designação simples que se tem dado à Escrita Contábil. Hoje a escrituração
contábil é feita por meio eletrônico, emitindo-se os relatórios correspondentes.

6.1 – Escrita Contábil

É o registro dos fatos patrimoniais, o registro dos fatos contábeis, a escrituração dos
fenômenos ocorridos com o patrimônio da entidade, o levantamento patrimonial ou, ainda, o
mesmo que Escrituração Contábil.

6.2 – Livros Contábeis

Os livros contábeis, destinados aos registros contábeis das operações de uma


empresa são classificados em dois grupos:

a) Obrigatórios;
b) Facultativos.

a) Livros contábeis obrigatórios:

• Livro Diário

É um livro obrigatório, exigido para todas as empresas pelo Código Comercial


Brasileiro e pela Legislação Tributária.

No Livro Diário registram-se os fatos contábeis através das Partidas


Dobradas, onde os lançamentos contábeis obedecem a uma ordem cronológica de
dia, mês e ano.

O Diário deve ser encadernado com folhas numeradas seguidamente, e os


registros contábeis serão efetuados diariamente.

Quando a empresa adota o sistema de registro contábil por meio magnético,


as folhas de formulário contínuo do Diário são numeradas automaticamente pelo
computador e, no final do período, deverão ser encadernadas.

Portanto, todas as operações da empresa são registradas obrigatoriamente e,


em primeiro lugar, no Livro Diário.

Ele é composto por folhas encadernadas, devendo conter o Termo de


Abertura e o Termo de Encerramento, devidamente assinados por responsável pela
empresa e por contabilista habilitado, e, será submetido à autenticação do órgão
competente do Registro do Comércio ( Junta Comercial da sede da empresa ).

O atraso na escrituração do Livro Diário não poderá ultrapassar 180 dias,


sob pena de multa prevista pela Legislação do Imposto de Renda.

UNIARA – Contabilidade I – Curso de Administração 10


• Livro Razão

Atualmente é um livro obrigatório, mas foi durante muito tempo considerado


como livro facultativo.

Face a sua utilidade, é indispensável em qualquer tipo de empresa,


sendo o instrumento mais valioso na atividade contábil e imprescindível para os
órgãos fiscalizadores, e, por esta razão, as normas contábeis o qualifica como livro
obrigatório.

Sua escrituração é efetuada com base nos lançamentos contábeis,


devidamente documentados, e previamente. registrados no Livro Diário.

O registro no livro Razão é realizado em contas individualizadas, tendo-


se, assim, um controle individual por conta.

O Razonete ou Conta T teve como origem o Livro Razão, isto é, o


Razonete é a representação gráfica de uma conta individualizada do Livro Razão,
adotado, didaticamente, para facilitar o raciocínio contábil e demonstrar a
movimentação da conta, não devendo, sob nenhuma hipótese, substituir o
lançamento contábil.

b) Livro Contábil Facultativo: Livro Caixa

É o livro onde são registradas todas as operações com dinheiro


realizadas pela empresa.

Trata-se de um livro facultativo e auxiliar, embora de grande utilidade


nas empresas, sendo mesmo indispensável nas grandes organizações, onde
sempre existe uma pessoa encarregada do dinheiro.

7 – OPERAÇÕES COM MERCADORIAS

Um dos aspectos mais importantes e relativamente complexo da Contabilidade refere-


se aos procedimentos que determinam o CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS ( CMV ) e
o RESULTADO COM MERCADORIAS ( RCM ).

Esses procedimentos assumem essa conotação de maior complexidade


principalmente quando existe grande quantidade de itens na composição dos estoques e
quando se defronta com constante variação de custos de aquisição das mercadorias de
reposição.

INVENTÁRIO  O Inventário representa a demonstração descritiva e a respectiva


avaliação das mercadorias.

INVENTÁRIO FÍSICO  É feito através da contagem, pesagem ou medição das


mercadorias em estoque, para conferência e confronto com o valor contábil do balanço.

UNIARA – Contabilidade I – Curso de Administração 11


SISTEMAS DE APURAÇÃO DO CMV

- Inventário Periódico, quando efetuamos as vendas sem um controle paralelo e


concomitante de nosso estoque. Para apurar o RCM é feito um levantamento físico
para avaliação do estoque naquela data, e pela diferença entre EI+C-EF obtemos o
CMV nesse período.

- Inventário Permanente, quando controlamos de forma contínua o Estoque de


Mercadorias, dando-lhe baixa em cada venda, pelo custo dessas Mercadorias
Vendidas (CMV), utilizando-se uma Ficha de Controle para se conhecer o saldo em
estoque.

7.1 – INVENTÁRIO PERIÓDICO


Quando efetuamos as vendas sem um controle paralelo e concomitante de nosso
Estoque, portanto, sem controlar o Custo das Mercadorias Vendidas. Quando necessitamos
apurar o Resultado obtido com a venda das Mercadorias (RCM), fazemos um levantamento
físico para avaliação do Estoque de Mercadorias existente naquela data; e pela diferença
entre o total das mercadorias Disponíveis para Venda durante o período e esse Estoque Final
(apurado extracontabilmente), obtemos o Custo das Mercadorias Vendidas (CMV) nesse
período. (Contabilidade Introdutória – FEA/USP – Cap. 5)

CMV = EI + C – EF e RCM = V - CMV

Onde: EI = Estoque Inicial


C = Compras
EF = Estoque Final
V = Vendas

CONTABILIZAÇÃO

Nas Compras de Mercadorias  Compras (Pelo valor da Compra)


a Fornecedores/Caixa

Nas Vendas de Mercadorias  Clientes/Caixa


a Receita de Vendas (Pelo valor da Venda)

Na apuração do CMV  Custo das Mercadorias Vendidas (CMV)


a Diversos
a Mercadorias (Pelo valor do estoque inicial)
a Compras (Pelo saldo desta conta)
e
Mercadorias
a Custo das Mercadorias Vendidas (CMV)
(Pelo valor do Estoque Final)

Na apuração do RCM  Resultado com Mercadorias (RCM)


a Custo das Mercadorias Vendidas (CMV)
(Pelo valor apurado para o CMV)
e
Receita de Vendas (Pelo saldo desta conta)
a Resultado com Mercadorias (RCM)
UNIARA – Contabilidade I – Curso de Administração 12
Exemplo de DRE na forma dedutiva:

Indústria Alfa Ltda.


Demonstração do Resultado do Exercício, em reais
Período de 1º-1-2008 a 30-06-2008
Vendas 150.000
(-) CMV:
Estoque Inicial 23.000
(+) Compras do Período 104.500
Mercadorias Disponíveis para Venda 127.500
(-) Estoque Final (22.500) (105.000)
Lucro Bruto 45.000
(+) Receitas de Juros 1.000
Soma 46.000
Menos
Despesas de peças para reposição 15.000
Despesas de salários 6.000 (21.000)
Lucro Líquido do Período 25.000

Onde:

LUCRO BRUTO  Representa a diferença estabelecida entre o preço de custo e o preço de


venda das mercadorias.

LUCRO OPERACIONAL  É o lucro bruto após deduzidas as despesas com a atividade


operacional. Lucro Bruto menos Despesas Operacionais Complementares.

LUCRO LÍQUIDO  É o lucro final apurado após incluídas todas as receitas e deduzidas
todas as despesas, sejam elas de ordem administrativa, comercial ou financeiras.

7.2 – INVENTÁRIO PERMANENTE


Quando controlamos de forma contínua o Estoque de Mercadorias, dando-lhe baixa,
em cada venda, pelo custo dessas mercadorias Vendidas (CMV). Esse Controle Permanente
é efetuado sobre todas as mercadorias que estiverem à disposição para venda, isto é, esse
controle é efetuado sobre todas as mercadorias vendidas (CMV) e sobre as mercadorias que
não foram vendidas (estoque final). Pela soma dos custos de todas as vendas, teremos o
Custo das Mercadorias Vendidas (CMV) total do período. (Contabilidade Introdutória – FEA/USP –
Cap. 5)

CONTABILIZAÇÃO
Nas Compras de Mercadorias  Mercadorias (Pelo valor da Compra)
a Fornecedores/Caixa

Nas Vendas de Mercadorias  Clientes/Caixa


a Receita de Vendas (Pelo valor da Venda)

Na apuração do CMV  Custo das Mercadorias Vendidas (CMV)


a Mercadorias (Pelo valor do custo em estoque)
UNIARA – Contabilidade I – Curso de Administração 13
Controle de Estoques: PEPS, UEPS, Média Ponderada Móvel.
Nos exemplos e exercícios vistos até agora o valor do CMV ou do Estoque Final, foi
sempre fornecido. Como se chegou a esses valores ? Serão sempre calculados da mesma
forma ?

Quando há apenas uma compra de mercadorias, ou de outros estoques,


não há problemas na definição do CMV. É o valor da compra com as devidas
recuperações de impostos e adição de fretes, seguros etc. Mas e quando há diversas
compras e os estoques são compostos por unidades que tiveram preços de aquisição
diferentes ? Qual o valor do CMV nestes casos ? É o custo da última compra ? Da
primeira ? De ambas ? Para melhor elucidar a questão, admitamos a seguinte situação:

Exemplo

• Em 01/10 a empresa comprou mercadorias a prazo: 10 unidades a $ 85,00 cada uma.


• Em 10/10 a empresa comprou mais 20 unidades da mesma mercadoria. Desta vez, por
realizar a compra a vista, pagou um preço menor: $ 76,50 por unidade.
• No dia 20/10 foi feita mais uma compra. Desta vez a empresa conseguiu preço ainda
melhor. Adquiriu 30 unidades, a vista, por $ 74,80 cada uma.

Já sabemos como contabilizar essas compras. No entanto, no momento da venda, qual


o valor do CMV, já que no estoque há unidades adquiridas por valores diferentes e, portanto,
com custos diferentes?
Para o controle dessa mercadoria, são elaboradas FICHAS DE CONTROLE DE
ESTOQUE. Elas têm esse nome por que quando surgiram realmente tratava-se de fichas de
controle manual. Hoje, com o auxílio da informática, há programas dedicados apenas a esse
tipo de controle. No entanto, o nome permanece.

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE


A Ficha de Controle de Estoque permite registrar as entradas (compras e devoluções
de compras), as saídas (vendas e devoluções de vendas) e os saldos remanescentes, ou
seja, quanto sobrou no estoque. A seguir é apresentado um modelo de Ficha de Controle de
Estoque com as entradas do exemplo acima:

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE


Mercadoria: Critério:
Entrada Saída Saldo
Data Operação
Qt. V.Unit Total Qt. V.Unit Total Qt. V.Unit Total

01/10 10 85,00 850,00

10/10 20 76,50 1.530,00

20/10 30 74,80 2.244,00

Note-se que as entradas estão perfeitamente registradas de acordo com as


informações das notas fiscais (já deduzidos os impostos a recuperar). Vale lembrar que a
Ficha de Controle de Estoque não é um demonstrativo contábil, mas serve-se da
contabilidade para melhor apresentar as informações aos seus usuários.

UNIARA – Contabilidade I – Curso de Administração 14


Voltando à questão, por quais valores serão dadas as saídas do estoque ? Há
mais de uma maneira de avaliar tais saídas. A primeira delas é através do método PEPS -
Primeiro que Entra Primeiro que Sai, ou FIFO, em inglês. Por este método serão baixadas
em primeiro lugar aquelas unidades que foram compradas antes. Só depois de baixados os
estoques mais antigos passar-se-á a baixar os estoques mais novos. No exemplo dado, em
caso de venda, primeiramente serão baixadas do estoque as 10 unidades compradas em
01/10. Só depois serão vendidas as 20 unidades compradas em 10/10 e, por último, as 30
unidades compradas em 20/10. No exemplo dado, se em 25/10 fossem vendidas 15
unidades, após a baixa no estoque a Ficha de Controle ficaria assim:

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE


Mercadoria: Critério: PEPS
Entrada Saída Saldo
Data Operação
Qt. Valor Total Qt. Valor Total Qt. Valor Total
Unit. Unit. Unit

01/10 Compra 10 85,00 850,00 10 85,00 850,00

10/10 Compra 20 76,50 1.530,00 10 85,00 850,00


20 76,50 1.530,00

20/10 Compra 30 74,80 2.244,00 10 85,00 850,00


20 76,50 1.530,00
30 74,80 2.244,00

25/10 Venda 10 85,00 850,00 - - -


05 76,50 382,50 15 76,50 1.147,50
30 74,80 2.244,00

Vemos que restam ainda 15 unidades da compra de 10/10 e as 30 unidades referentes


à compra de 20/10.

Outro método para avaliar os estoques é o UEPS – Último que Entra Primeiro que
Sai, ou LIFO, em inglês. Por este método (contrário do método anterior), as primeiras
mercadorias a serem vendidas são exatamente as que foram adquiridas por último. Adotando
este método, de acordo com a venda realizada no exemplo, teríamos então:

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE


Mercadoria: Critério: UEPS
Entrada Saída Saldo
Data Operação
Qt. Valor Total Qt. Valor Total Qt. Valor Total
Unit. Unit. Unit

01/10 Compra 10 85,00 850,00 10 85,00 850,00

10/10 Compra 20 76,50 1.530,00 10 85,00 850,00


20 76,50 1.530,00

20/10 Compra 30 74,80 2.244,00 10 85,00 850,00


20 76,50 1.530,00
30 74,80 2.244,00

10 85,00 850,00
20 76,50 1.530,00
25/10 Venda 15 74,80 1.122,00 15 74,80 1.122,00

UNIARA – Contabilidade I – Curso de Administração 15


A terceira forma de avaliação dos estoques é feita adotando-se o Método da Média
Ponderada Móvel (MPM). De acordo com este método, a cada compra é calculado o valor
médio unitário das mercadorias em estoque. A saída é dada então por esse valor médio.
Retomando o exemplo dado, a Ficha de Controle, depois das compras e da venda, conteria
os seguintes registros:

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE


Mercadoria: Critério: Média Ponderada Móvel
Entrada Saída Saldo
Data Operação
Qt. Valor Total Qt. Valor Total Qt. Valor Total
Unit. Unit. Unit

01/10 Compra 10 85,00 850,00 10 85,00 850,00

10/10 Compra 20 76,50 1.530,00 30 79,33 2.380,00

20/10 Compra 30 74,80 2.244,00 60 77,07 4.624,00

25/10 Venda 15 77,07 1.156,00 45 77,07 3.468,00

Note-se que o valor médio unitário foi sendo alterado conforme novas compras foram
sendo feitas. Isto se deve ao fato de que a cada compra o valor unitário era diferente, o que
alterou a média (daí o nome Média Móvel – ponderada porque leva em consideração as
quantidades adquiridas).

Vale lembrar que a empresa poderá, para fins gerenciais, adotar qualquer um dos
métodos descritos acima. No entanto a Legislação Brasileira do Imposto de Renda NÃO
ACEITA O MÉTODO UEPS. Isto se deve ao fato de que, principalmente em épocas de alta
inflação, a adoção do UEPS implica em maior valor do CMV, portanto em menor lucro e,
consequentemente, em menor imposto de renda devido.

Nos casos de devoluções de compras, os valores correspondentes devem ser


anotados nas colunas de entradas, mas entre parênteses (o que funcionaria na verdade como
uma saída). Não são anotadas nas colunas das saídas para não se fazer confusão com as
vendas. Da mesma forma, as devoluções de vendas são anotadas nas colunas das saídas,
mas com os valores correspondentes entre parênteses.

8 - BALANÇO PATRIMONIAL
É a apresentação padronizada dos saldos de todas as Contas Patrimoniais, ou
seja, as que representam elementos que compõem o Patrimônio de uma empresa, num
determinado momento.
Trata-se de uma posição estática geralmente levantada em fins de períodos, que
pode ser: mês, trimestre, semestre ou ano.
Entretanto, o Balanço Patrimonial que as empresas devem levantar na data do
encerramento de seu exercício social (normalmente anual) é aquele considerado Oficial
do Exercício para todos os efeitos, inclusive os legais.
No Balanço Patrimonial as contas são classificadas por grupos, de acordo com a
sua natureza, e, sob o ponto de vista monetário.

UNIARA – Contabilidade I – Curso de Administração 16


Em resumo, representa uma fotografia da empresa em
determinada data, expressa em valores monetários.

8.1 – Grupos de Contas do Balanço Patrimonial

A Lei 6.404, de 15/12/76 - Lei das Sociedades Por Ações, e alterações posteriores,
inclusive a Medida Provisória 449/2008, padronizou o título de cada Grupo de Contas do
Balanço, estabelecendo à seguinte classificação:

ATIVO

• Circulante
Disponível
Dinheiro à disposição da empresa. Pode ser gasto imediatamente. Exemplo:
Caixa, Bancos, Aplicação Financeira de Liquidez Imediata
Realizável a Curto Prazo
Valores e direitos realizáveis e/ou a receber até o final do exercício seguinte.
Exemplo: Estoques, Contas a Receber, Adiantamentos Concedidos
Estoques – Mercadorias destinadas à venda
Despesas de Exercícios Seguintes
Despesas pagas antecipadamente, apropriadas ao resultado de acordo com o
principio da competência. Exemplo: Alugueis aVencer.
• Não Circulante
Realizável a Longo Prazo
Valores e direitos realizáveis e/ou a receber após o final do exercício seguinte e
Empréstimos a Sócios (quando não for a atividade da empresa)
Investimentos
Investimentos permanentes em outras empresas e/ou em direitos não
classificáveis no circulante que não se destinem à manutenção da atividade da
companhia. Exemplo: Ações de Outras Cias, Obras de Arte, Terrenos de Renda.
Imobilizado
Bens corpóreos destinados à manutenção das atividades da entidade. Exemplo:
Máquinas, Equipamentos, Móveis de Uso, Veículos de Uso, Computadores de
Uso
Intangível
Bens incorpóreos destinados à manutenção das atividades da entidade.
Exemplo: Patentes de Invenção, Marcas Comerciais, Fundo de Comércio.

PASSIVO

• Circulante
Obrigações com terceiros que vencem até o final do exercício seguinte. Exemplo: Contas
a Pagar, Salários a Pagar, Impostos a Recolher, Fornecedores.
• Não Circulante
Obrigações Com terceiros que vencem após o final do exercício seguinte. Exemplo:
Financiamentos a Pagar a Longo Prazo.
• Patrimônio Líquido
Valores Investidos pelos Sócios (Capital Social). Os lucros gerados pela atividade, se não
forem retirados pelos sócios, serão também classificados no patrimônio liquido, na forma
de Reservas de Lucros. Os prejuízos serão classificados com saldo devedor (-).

UNIARA – Contabilidade I – Curso de Administração 17


Equação Patrimonial, Demonstração Gráfica do 6) A empresa Toque Brando S/A tem as seguintes contas:
Patrimônio I) Coleção de Jóias: R$ 20.000,00
II) Financiamentos a PG R$ 10.000,00
Nas questões 2, 3, 8, 10 o aluno deverá demonstrar a situação III) INSS a recolher R$ 5.000,00
patrimonial graficamente. IV) Capital Social R$ 25.000,00
V) Aplicação em Ouro: R$ 2.000,00
LEMBRE-SE: VI) Imóveis: R$ 18.000,00
No ativo classificam-se os Bens e Direitos Assinale o valor do:
No passivo classificam-se as obrigações Capital Próprio: R$
Ativo Total = Capital Total à disposição da empresa Capital de Terceiros: R$
Passivo Total = Obrigações Reais + Patrimônio Líquido Capital total à disposição da empresa: R$
Obrigações Reais = Passivo Exigível = Capital de Terceiros
Patrimônio Líquido = Capital Próprio = Situação Líquida
7) Julgue as alternativas e depois assinale a correta:
Patrimônio Líquido = Obrigações Não Reais
O valor do ativo total sempre será igual ao valor do passivo total I) O capital próprio da empresa é igual à seguinte
equação: Ativo Total – Capital de Terceiros
II) Se a soma de meus bens e direitos for maior que o
1) As contas caixa, estoques de mercadorias,
passivo exigível, isso significa que minha situação
móveis/utensílios e bancos são, respectivamente:
líquida será positiva
a) Bem – obrigação – direito - direito
III) O capital total á disposição da empresa é a soma de
b) as três primeiras são direitos e a última é um bem.
todos os bens e direitos, subtraído das obrigações
c) as quatro contas são bens
IV) A situação líquida negativa corresponde ao passivo
d) a primeira é um direito e as três seguintes são bens
a descoberto
e) as três primeiras são bens e a última é um direito.
a) todas estão corretas
b) todas estão incorretas
2) Se tenho um Passivo Exigível de R$ 130,00 e um
c) apenas a II está correta
patrimônio líquido de 215,00, o meu ativo total é R$
d) apenas a III está incorreta
_____________.
e) apenas a IV está correta
Ativo Passivo

8) Uma empresa tem bens no valor de R$ 2.300,00, direitos


no valor de R$ 700,00 e passivo exigível de R$ 2.900,00.
Assim, o valor do capital próprio será de:

A tiv o P a s s iv o
TOTAL TOTAL

3) Se tenho obrigações reais de R$ 70,00 e um ativo total de


R$ 61,00, a minha situação líquida é de R$ ___________
Ativo Passivo TOTAL TOTAL

9) Se o valor do meu ativo total e do meu capital de terceiros


são iguais, posso concluir:
a) Que não tenho patrimônio líquido
b) Que meu capital de terceiros é inferior ao meu capital
próprio
TOTAL TOTAL c) Que meu balanço está errado, pois não possível o valor do
ativo ser igual ao capital de terceiros
4) Classifique as contas conforme a coluna à esquerda: d) Que meu capital próprio é positivo
I) Bens ( ) Aplicação Financeira e) Que se eu pagar todas as dívidas vai me sobrar dinheiro
II) Direitos ( ) Terrenos
III) Obrigações ( ) Salários a Pagar 10) Sabendo-se que os bens da Cia Sol-Negador totalizam R$
( ) Clientes 840,00 e que os direitos representam metade do valor dos
( ) Fornecedores bens, e que o Capital Próprio é R$ 500,00, o valor das
( ) Obras de Arte obrigações com terceiros será de R$ ____________.

5) (TTN-ESAF) Diz-se que a situação líquida é negativa Representar Graficamente:


quanto o ativo total é:
a) Maior que o passivo total Ativo Passivo
b) Maior que o passivo exigível
c) Igual à soma do passivo circulante + passivo não circulante
d) Igual ao passivo exigível
e) Menor que o passivo exigível

TOTAL TOTAL

18
11) Moveis: 5.000; Prédios: 20.000; Caixa: 1.000; Clientes: 14) Empréstimos a Receber: 1.000; Imóveis de Renda: R$
2.000; Fornecedores: 6.000; Capital Social: 20.000; 19.000; Empréstimos a Pagar: 21.000; Capital Social:
Reservas de Lucros : 2.000 15.000; Prejuízos Acumulados: 16.000

Ativo Passivo

Ativo Passivo

TOTAL TOTAL

TOTAL TOTAL
Situação: ________________________________________

Situação: ________________________________________
12) Terrenos de Uso: 4.000; Bancos: 10.000; Capital Social:
12.000; Reservas de Lucros: 2.000

Ativo Passivo

TOTAL TOTAL

Situação: ________________________________________

15)
Adiantamento a Fornecedores 5.600
13) Contas a Receber: 3.000; Veículos de Uso: 13.000; Aplicação em Poupança 2.000
Financiamentos a Pagar: 16.000; Capital Social: 10.000; Contas a Receber 12.000
Prejuízos Acumulados: - 10.000 Bancos conta movimento 3.400
Capital Social 21.000
Ativo Passivo
Fornecedores 3.000
Reservas de Lucros 3.000
Patentes de Invenção 4.000

Ativo Passivo

TOTAL TOTAL

Situação: ______________________________________

TOTAL TOTAL

Situação: ______________________________

Origens dos Recursos:______________________________

Aplicação dos Recursos: ____________________________

Patrimônio Liquido: _____________________________

Patrimônio Bruto: ______________________________

19
16) 18) O Capital Social de uma empresa tem o valor de R$
7.000,00. O grau de estabilidade relativa é de 60%. O
Prejuízos Acumulados -28.000 patrimônio bruto é R$ 14.000,00 e os bens somam
Duplicatas a Receber 2.400 5.000,00. Calcular o valor dos direitos, das obrigações
Empréstimos a Pagar 27.000
reais e as Reservas de Lucros.
Computadores de Uso 19.600
Capital Social 31.000
Bancos Conta Vinculada 8.000
Ativo Passivo Ativo Passivo

TOTAL TOTAL

TOTAL TOTAL

Situação: ______________________________

Origens dos Recursos: ______________________________

Aplicação dos Recursos: ______________________________

Patrimônio Liquido: ______________________________

Patrimônio Bruto: ______________________________

17) Uma empresa tem em seu patrimônio Bens, Direitos,


Obrigações Reais e Patrimônio Liquido. O grau de
estabilidade relativa é de 20%. Os Bens somam R$
3.000,00 e os direitos somam R$ 5.000,00. Demonstrar
a situação Patrimonial.
19) O grau de insolvência relativa de uma empresa é de
10%. As obrigações reais somam 60.000,00. Os bens
Ativo Passivo somam 15.000,00. Calcule o valor dos direitos e do
prejuízo acumulado, sabendo-se que o capital social é
de R$ 4.000,00

Ativo Passivo

TOTAL TOTAL

TOTAL TOTAL

20
20) Os bens de uma empresa somam R$ 3.600,00. Seu 22) As obrigações reais de uma empresa somam R$ IPI a Recp
Seguros
Imoveis d
passivo a descoberto é de R$ 6.000,00. Os direitos 200.000,00. O grau de insolvência relativa é de 15%.
somam R$ 6.400,00. Demonstre a situação patrimonial Os bens somam R$ 101.000. O prejuízo acumulado é
e calcule o grau de insolvência. de R$ 330.000. Calcule o valor do capital social e dos
direitos.
Ativo Passivo

Ativo Passivo

TOTAL TOTAL

Grau de Insolvência Relativa = PL/PE = ______% TOTAL TOTAL

21) Uma empresa tem prejuízo acumulado de R$ 18.000.


Seu patrimônio bruto é R$ 50.000. Deste valor 32%
são bens o restante são direitos. O grau de estabilidade
relativa é de 4%. Calcule o valor do capital social e das
obrigações reais. Demonstre a situação patrimonial

Ativo Passivo 23) Levantar o Balanço Patrimonial em Grupos e


Subgrupos, conforme contas abaixo. Saldos em
31.12.2008:
Q Pó Extração de Ouro S/A
Contas Devedor Credor
Adiantamento a Fornecedores 5.500
Aplicação em Renda Fixa 20.100
TOTAL TOTAL
Bancos conta Movimento 6.400
Caixa 4.000
Capital Social 87.500
Clientes (Contas a Receber) 9.000
Duplicatas a Pagar Venc.2010 17.100
Contas a Receber Venc. 2010 15.000
Duplicatas a Pagar 19.800
Empréstimos Pagar Longo Prazo 32.900
Estoque de Mercadorias 13.500
Fornecedores (Contas a Pagar) 28.000
Imóveis de Uso 25.000
Imóveis de Renda 10.500
IPI a Recolher 16.600
Prejuízos Acumulados 75.500
Marcas Comerciais 13.000
Obras de Arte 13.000
Salários a Pagar 23.600
Máquinas e Equipamentos 15.000

Saldos Totais 225.500 225.500

21
1. ATIVO 2. PASSIVO
1.1. Circulante R$ 2.1. Circulante R$
1.1.1. Disponível R$ R$
R$ R$
R$ R$
R$
1.1.2 Realizável a Curto Prazo R$ R$
R$
R$
R$

1.1.3 Estoques R$ 2.2. Não Circulante R$


R$ R$
R$
1.1.4 Despesas de Exercicios Seguntes R$
R$

1.2. Não Circulante R$ 2.3. Patrimônio Líquido R$


R$
1.2.1 Realizável a Longo Prazo R$ R$
R$

1.2.2. Investimentos R$
R$
R$

1.2.3 Imobilizado R$
R$
R$
R$
R$

1.2.4. Intangível R$
R$

TOTAL DO ATIVO R$ TOTAL DO PASSIVO R$

Gabarito: Total do Ativo e Total do Ativo: R$ 150.000,00


22
24) Discriminar as contas envolvidas em cada operação:

PLANO DE CONTAS: ATIVO: Caixa, Bancos, CLientes, Imoveis de Uso, Veiculos de Uso, Obras de Arte
PASSIVO: Fornecedores, Financiamento a Pagar, Financiamento a Pagar (LP), Capital Social
OPERAÇÕES DEBITO CREDITO
1 Compra de um Imovel para uso, em dinheiro
2 Obtenção de um financiamento no banco, para pagar em 30 DIAS
3 Compra de Computadores de Uso, em cheque
4 Integralizacao de Capital em dinheiro
5 Recebimento de clientes, em dinheiro
6 Pagamento de Fornecedores, em cheque
7 Recebimento de Valores de Clientes, em cheque
8 Integralizacao de Capital em cheque
9 Reembolso, em dinheiro, ao sócio que se retirou da sociedade
10 Abertura de conta no banco X, com depósito em dinheiro
11 Compra de uma Obra de Arte, para pagamento a prazo
12 Pagto. de uma parcela de um financiamento, em dinheiro
13 Compra de um veículo para uso, para pagamento a LONGO PRAZO
14 Retirada de dinheiro do banco, para suprimento do caixa

Fazer os lançamentos contábeis, os razonetes e elaborar o balanço patrimonial:


25) Ramo e Atividade: AUTO ESCOLA:

PLANO DE CONTAS: ATIVO: Caixa, Bancos, Moveis de Uso, Veiculo de Uso


PASSSIVO: Financiamentos a Pagar, Capital Social.

01/02/2009 - Integralização de Capital em dinheiro, R$ 20.000


05/02/2009 - Compram móveis á vista, em dinheiro, R$ 5.000
13/02/2009 - Compram veículo a prazo, pagamento em 120 dias, R$ 15.000
28/02/2009 - Abre uma conta no banco, deposito em dinheiro, R$ 10.000

LIVRO DIÁRIO
Data Lançamento e Histórico Debito Crédito

23
D C D C D C

D C D C D C

BALANCETE DE VERIFICACAO
Movimento Saldos
Nº ordem Contas Debito Crédito Devedores Credores

TOTAIS

1. ATIVO 2. PASSIVO
1.1. Circulante R$ 2.1. Circulante R$
1.1.1. Disponível R$ R$
R$ R$
R$ R$
R$
1.1.2 Realizável a Curto Prazo R$ R$
R$
R$
R$

1.1.3 Estoques R$ 2.2. Não Circulante R$


R$ R$
R$
1.1.4 Despesas de Exercicios Seguntes R$
R$

1.2. Não Circulante R$ 2.3. Patrimônio Líquido R$


R$
1.2.1 Realizável a Longo Prazo R$ R$
R$

1.2.2. Investimentos R$
R$
R$

1.2.3 Imobilizado R$
R$
R$
R$
R$

1.2.4. Intangível R$
R$

TOTAL DO ATIVO R$ TOTAL DO PASSIVO R$

Gabarito Exercício 25: Ativo e Passivo Total = R$ 35.000

24
26) Ramo: Fabricação de Fraldas – mês de janeiro/2009

PLANO DE CONTAS:
ATIVO: Caixa, Bancos, Aplicação Financeira, Estoque de Matéria Prima, Computadores de Uso, Maquinas de Uso.
PASSIVO: Fornecedores, Financiamentos a Pagar, Capital Social

Dia 01 - Dois sócios integralizam um capital em dinheiro R$ 50.000 cada.


Dia 02 - Abrem uma conta no banco do Brasil e depositam R$ 80.000
Dia 07 - Compram dez computadores de uso, à vista, com cheque, R$ 20.000
Dia 11 - Compram uma máquina financiada em 10 parcelas de R$ 5.000,00, sem entrada
Dia 15 - Fazem uma aplicação financeira, retirando o dinheiro do banco - R$ 30.000
Dia 18 - Pagam a 1º parcela do financiamento da máquina, com cheque – R$ 5.000,00
Dia 21 - Compram mais um computador para uso R$ 3.000, em dinheiro
Dia 30 - Compram matéria prima para a fabricação de fraldas a prazo R$ 6.000

Data Lançamento e Histórico Debito Crédito

25
D C D C D C D C D C

D C D C D C D C D C

BALANCETE DE VERIFICACAO
Movimento Saldos
Nº ordem Contas Debito Crédito Devedores Credores

TOTAIS

1. ATIVO 2. PASSIVO
1.1. Circulante R$ 2.1. Circulante R$
1.1.1. Disponível R$ R$
R$ R$
R$ R$
R$
1.1.2 Realizável a Curto Prazo R$ R$
R$
R$
R$

1.1.3 Estoques R$ 2.2. Não Circulante R$


R$ R$
R$
1.1.4 Despesas de Exercicios Seguntes R$
R$

1.2. Não Circulante R$ 2.3. Patrimônio Líquido R$


R$
1.2.1 Realizável a Longo Prazo R$ R$
R$

1.2.2. Investimentos R$
R$
R$

1.2.3 Imobilizado R$
R$
R$
R$
R$

1.2.4. Intangível R$
R$

TOTAL DO ATIVO R$ TOTAL DO PASSIVO R$

Gabarito Exercício 26: Ativo e Passivo Total = R$ 151.000


26
27) Ramo de Atividade: COMERCIO DE ROUPAS

PLANO DE CONTAS: ATIVO: CAIXA, BANCOS, MERCADORIAS EM ESTOQUE, TERRENOS DE


RENDA, IMOVEIS DE USO. PASSIVO: FORNECEDORES, FINANCIAMENTOS A PAGAR,
ADIANTAMENTOS DE CLIENTES, CAPITAL SOCIAL

02/04/2009 - Três sócios abrem uma empresa e integralizam R$ 50.000 cada um depositando diretamente do Banco.
05/04/2009 - Compra UM IMÓVEL para abrigar a sede da empresa, a prazo, R$ 30.000, em dez vezes sem entrada
10/04/2009 – Emitem um cheque e sacam dinheiro para o caixa – R$ 10.000
15/04/2009 - Compram, a prazo, mercadorias para revender, no valor de R$ 60.000, em três vezes sem entrada.
20/04/2009 - Compram um terreno para alugar para terceiros, R$ 20.000, a vista e em cheque.
25/04/2009 – Recebem R$ 22.000 em dinheiro de um cliente, como adiantamento. A mercadoria será entregue no
NATAL.
30/04/2009 - Pagam fornecedores em cheque R$ 20.000

Data Lançamento e Histórico Debito Crédito

27
D C D C D C D C D C

D C D C D C D C D C

BALANCETE DE VERIFICACAO
Movimento Saldos
Nº ordem Contas Debito Crédito Devedores Credores

TOTAIS

1. ATIVO 2. PASSIVO
1.1. Circulante R$ 2.1. Circulante R$
1.1.1. Disponível R$ R$
R$ R$
R$ R$
R$
1.1.2 Realizável a Curto Prazo R$ R$
R$
R$
R$

1.1.3 Estoques R$ 2.2. Não Circulante R$


R$ R$
R$
1.1.4 Despesas de Exercicios Seguntes R$
R$

1.2. Não Circulante R$ 2.3. Patrimônio Líquido R$


R$
1.2.1 Realizável a Longo Prazo R$ R$
R$

1.2.2. Investimentos R$
R$
R$

1.2.3 Imobilizado R$
R$
R$
R$
R$

1.2.4. Intangível R$
R$

TOTAL DO ATIVO R$ TOTAL DO PASSIVO R$

Gabarito Exercício 27: Ativo e Passivo total = R$ 242.000


28
28) Comércio de Brinquedos

PLANO DE CONTAS:
A T I V O: CAIXA, BANCOS, MERCADORIAS EM ESTOQUE, OBRAS DE ARTE, VEICULOS DE USO,.
P A S S I V O : FORNECEDORES, FINANCIAMENTOS A PAGAR (LONGO PRAZO), CAPITAL SOCIAL.

01/05/2009 – 04 sócios resolvem abrir uma empresa, integralizando R$ 20.000 cada um, em dinheiro.
05/05/2009 – Compras Mercadorias R$ 6.000. R$ 1.000 de entrada em dinheiro e o restante a prazo, 30 dias.
10/05/2009 – Abertura de conta no Banco, com depósito de R$ 70.000
15/05/2009 – Compram, de uma empresa que está fechando, um Quadro do Van Gogh – R$ 16.000 e um Veículo
para Uso – R$ 44.000. Pagará tudo somente no mês de DEZ/2011.
23/05/2009 – Um sócio se retira da sociedade e é reembolsado com o Quadro do Van Gogh e R$ 4.000 em .
dinheiro.

Data Lançamento e Histórico Debito Crédito

29
D C D C D C D C D C

D C D C D C D C D C

BALANCETE DE VERIFICACAO
Movimento Saldos
Nº ordem Contas Debito Crédito Devedores Credores

TOTAIS

1. ATIVO 2. PASSIVO
1.1. Circulante R$ 2.1. Circulante R$
1.1.1. Disponível R$ R$
R$ R$
R$ R$
R$
1.1.2 Realizável a Curto Prazo R$ R$
R$
R$
R$

1.1.3 Estoques R$ 2.2. Não Circulante R$


R$ R$
R$
1.1.4 Despesas de Exercicios Seguntes R$
R$

1.2. Não Circulante R$ 2.3. Patrimônio Líquido R$


R$
1.2.1 Realizável a Longo Prazo R$ R$
R$

1.2.2. Investimentos R$
R$
R$

1.2.3 Imobilizado R$
R$
R$
R$
R$

1.2.4. Intangível R$
R$

TOTAL DO ATIVO R$ TOTAL DO PASSIVO R$

Gabarito Exercício 28: Ativo e Passivo Total = R$ 125.000

30
29) Fábrica de Sabão

PLANO DE CONTAS: Caixa, Bancos, Estoque de Matéria Prima, Máquinas/Equipamentos, Veículos de Uso,
Terrenos de Renda, Financiamentos a Pagar, Financiamentos a Pagar (LP), Capital Social
Saldos Iniciais em janeiro/2009: Caixa: R$ 20.000; Veículos de Uso: R$ 20.000; Capital Social: R$ 40.000
05/01/2009 Abrem conta no Banco, depositando R$ 15.000.
10/01/2009 Compram uma máquina para a produção, R$ 2.500 de entrada, em dinheiro, e mais 04 parcelas de R$
6.000, a primeira vencendo em 31/01/2009. Total do bem: R$ 26.500.
20/01/2009 Compram matéria prima para fabricação de sabão, em cheque, R$ 2.000, à vista.
25/01/2009 Compram um terreno para alugar a terceiros, a prazo, em 30 vezes, com a primeira parcela vencendo
em fev/2011. Valor total R$ 60.000
31/01/2009 Pagam a primeira parcela da máquina comprada em 10/01/2009, R$ 5.000, em cheque e R$ 1.000 em
dinheiro

Data Lançamento e Histórico Debito Crédito

31
D C D C D C D C D C

D C D C D C D C D C

BALANCETE DE VERIFICACAO
Movimento Saldos
Nº ordem Contas Debito Crédito Devedores Credores

TOTAIS

1. ATIVO 2. PASSIVO
1.1. Circulante R$ 2.1. Circulante R$
1.1.1. Disponível R$ R$
R$ R$
R$ R$
R$
1.1.2 Realizável a Curto Prazo R$ R$
R$
R$
R$

1.1.3 Estoques R$ 2.2. Não Circulante R$


R$ R$
R$
1.1.4 Despesas de Exercicios Seguntes R$
R$

1.2. Não Circulante R$ 2.3. Patrimônio Líquido R$


R$
1.2.1 Realizável a Longo Prazo R$ R$
R$

1.2.2. Investimentos R$
R$
R$

1.2.3 Imobilizado R$
R$
R$
R$
R$

1.2.4. Intangível R$
R$

TOTAL DO ATIVO R$ TOTAL DO PASSIVO R$

Gabarito Exercício 29: Ativo e Passivo Total = R$ 118.000


32
30) Ramo de Atividade: Escola de Informática:
PLANO DE CONTAS: ATIVO: Caixa, Moveis de Uso, Computadores de Uso. PASSIVO: Financiamentos a Pagar, Capital Social,
Reservas de Lucros. RESULTADO: Receita de Prestação de Serviços, Despesas com Energia Elétrica, Despesas com Material de
Escritório.

01/04/2009: Constituição de uma empresa com integralização de capital de R$ 1.000 em dinheiro e R$ 9.000 em Móveis de Uso

10/04/2009: Compra de 05 Computadores com entrada de R$ 500 e saldo financiado em 10 parcelas de 950. Total R$ 10.000

20/04/2009: Pagamento de despesas c/Energia Elétrica (R$ 200) e Material de Escritório (R$ 100), à vista, em dinheiro

30/04/2009: Obtenção de Receita relativo às mensalidades dos alunos: R$ 1.000 em dinheiro

Data Lançamento e Histórico Debito Crédito

33
D C D C D C D C D C

D C D C D C D C D C

BALANCETE DE VERIFICACAO
Movimento Saldos
Nº ordem Contas Debito Crédito Devedores Credores

TOTAIS

Balanço Patrimonial Demonstrativo do Resultado do Exercício


ATIVO PASSIVO
(+) Receitas =
Circulante (AC) Circulante (PC)

Não Circulante Não Circulante (-) Despesas =

Patrimônio Liquido (PL)

(=) Lucro

Total Ativo Total Passivo

Gabarito Exercício 30: Ativo e Passivo Total = R$ 20.200 Lucro = R$ 700

34
31) Ramo de Atividade: Prestação de Serviços de Cópias (Xerox)

PLANO DE CONTAS: ATIVO: Caixa, Bancos, Clientes, Máquinas de Uso. PASSIVO: Capital Social, Reserva de Lucros.
RESULTADO: Receita de Prestação de Serviços, Despesas com Aluguel, Despesas com Salários. Movimento mês Abril de
2009:

Saldos Iniciais: Caixa: R$ 10.000; Máquinas de Uso: R$ 30.000; Capital Social: R$ 40.000

10/04/2009: Entrada de novo sócio, com integralização de R$ 5.000 (R$ 1.000 no caixa e o restante depositado diretamente numa
conta aberta no banco).

30/04/2009: Pagamento de despesas c/Salários (R$ 500) e Aluguel (R$ 1.000) , em cheque.

30/04/2009: Contabilização de Receita relativa à prestação de Serviço de Xerox: R$ 2.100, para recebimento a prazo, em 15 dias.

Data Lançamento e Histórico Debito Crédito

35
D C D C D C D C D C

D C D C D C D C D C

BALANCETE DE VERIFICACAO
D C Movimento Saldos
Nº ordem Contas Debito Crédito Devedores Credores

TOTAIS

Balanço Patrimonial Demonstrativo do Resultado do Exercício


ATIVO PASSIVO
(+) Receitas =

Circulante (AC) Circulante (PC)

(-) Despesas =
Não Circulante Não Circulante

Patrimônio Liquido (PL)

(=) Lucro

Total Ativo Total Passivo

Gabarito Exercício 31: Ativo e Passivo Total = R$ 45.600 Lucro = R$ 600

36
Fazer lançamentos no diário, razonetes, balancete, balanço patrimonial e demonstração do resultado:

32) Ramo de Atividade: Consultoria

PLANO DE CONTAS: ATIVO: Caixa, Clientes, Imóveis de Uso. PASSIVO: Contas a Pagar, Capital Social e Reservas
de Lucros. RESULTADO: Receita de Prestação de Serviços, Despesas c/Contador, Despesas de Aluguel.

03/03/09 Constituição de uma empresa: Dinheiro $ 30.000. Imóvel: 50.000. Total: 80.000 Ramo: Consultoria
25/03/09 Pagamento, pelo caixa, de honorário do contador do mês 03/2009: R$ 1.200
28/03/09 Prestação de Serviço de Consultoria: R$ 4.000: R$ 1.000 à vista, em dinheiro e o restante em 10/04/2009
30/03/09 Contabilização de despesas de aluguel do mês 05/2009: R$ 1.500. O aluguel será pago em 07/04/2009.

Data Lançamento e Histórico Debito Crédito

37
D C D C D C D C D C

D C D C D C D C D C

BALANCETE DE VERIFICACAO
Movimento Saldos
D C
Nº ordem Contas Debito Crédito Devedores Credores

TOTAIS

Balanço Patrimonial Demonstrativo do Resultado do Exercício


ATIVO PASSIVO
(+) Receitas =

(-) Despesas =

(=) Lucro

Total Ativo Total Passivo

Gabarito exercício 32: Ativo e Passivo Total = R$ 82.800 Lucro: R$ 1.300

38
33) Ramo de Atividade: Estacionamento

PLANO DE CONTAS: ATIVO: Caixa – Bancos – Terrenos de Uso PASSIVO: Salários a Pagar – Empréstimos
Bancários a Pagar (Longo Prazo) - Capital Social – Reservas de Lucros. RESULTADO: Receita de Prestação
de Serviços – Despesas Bancárias - Despesas com Material de Limpeza – Despesas com Salários

05/05/2009 Gerson Barbosa, junto com a esposa, resolveu abrir um estacionamento. Eles tinham um terreno no centro da
cidade e integralizaram o capital com este bem, que tinha o valor de R$ 18.000. Convidaram um amigo para o
negócio, que entrou com R$ 9.000, em dinheiro.
10/05/2009 Pediram empréstimo na banco no valor de R$ 10.000. O dinheiro foi liberado no ato, depositado numa conta
corrente aberta na hora da assinatura do contrato de empréstimo. O empréstimo será pago em 10 parcelas, a
primeira vencendo em 30 meses.
12/05/2009 Receberam aviso do banco de despesas bancárias: R$ 100
22/05/2009 Tiveram despesas com a compra de vassouras, desinfetantes, álcool, pagando R$ 200, à vista, em dinheiro
25/05/2009 Auferiram, pelo caixa, à vista, receitas de estacionamento no valor de R$ 1.700.
30/05/2009 Contabilizaram despesas c/salários de maio/2009, R$ 500. Os salários serão pagos em 06/06/2009.

Data Lançamento e Histórico Debito Crédito

39
D C D C D C D C D C

D C D C D C D C D C

BALANCETE DE VERIFICACAO
D C Movimento Saldos
Contas Debito Crédito Devedores Credores

D C

TOTAIS

Balanço Patrimonial Demonstrativo do Resultado do Exercício


ATIVO PASSIVO
(+) Receitas =

(-) Despesas =

(=) Lucro

Total Ativo Total Passivo

Gabarito exercício 33: Ativo e Passivo Total = R$ 38.400 Lucro: R$ 900

40
34) AS VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO - EXERCÍCIOS
(Na resolução destes exercícios utilize as contas: caixa, máquinas e equipamentos, títulos a pagar, capital social, lucros
acumulados, receita de serviços prestados, despesa com materiais, despesa com impostos e taxas, despesa com
alugueis, despesa com condução e despesa com salários)

34-A) CIA PETRÓPOLIS – EM SETEMBRO DE 2008


Dia – Operação Ocorrida
01 – Integralização do Capital Social em dinheiro, R$ 10.000;
04 – Pagamento de R$ 220 de materiais utilizados nas operações da empresa;
05 – Pagamento de R$ 500 referente impostos e taxas;
10 – Recebimento por trabalhos realizados, R$ 1.420;
18 – Pagamento de R$800 ref. aluguel de um caminhão;
23 – Compra de Equipamentos, de José & Cia, a prazo, por R$ 2.000;
26 – Pagamento de R$ 200, ref. a despesas com condução;
30 – Recebimento de R$ 3.520 por trabalhos já concluídos;
30 – Pagamento de R$ 2.000, de ordenados e salários;
30 – Pagamento de R$ 1.000, pelo aluguel do imóvel onde está instalada.

Pede-se:
a) Registrar as operações em razonetes;
b) Levantar o Balancete de Verificação em 30-09-2008;
c) Efetuar as partidas de encerramento diretamente nos razonetes
d) Preparar o Balanço Patrimonial e a Demonstração do Resultado do Exercício.

34-B) CIA PETRÓPOLIS – EM OUTUBRO DE 2008

Dia – Operação Ocorrida


02 – Pagamentos efetuados pelo Caixa nesta data:
- Despesas de Aluguel R$ 300
- Despesas de Condução R$ 100
- Despesas de Materiais R$ 1.200 R$ 1.600
05 – Recebimentos pelo Caixa nesta data:
- Receitas Serviços Prestados R$ 3.900
- Receitas de Alugueis R$ 500
- Receitas de Juros R$ 1.200 R$ 5.600
15 – Compra de uma caminhonete para uso da empresa, de Sonecarro Ltda, a prazo, por R$ 15.000;
20 – Pagamento de R$ 2.000 ref. a dívida com o fornecedor de equipamento;
31 – Pagamento de salários a empregados, R$ 2.500.

Pede-se:
a) Partindo dos saldos das contas em 30-09-2008, registrar as operações ocorridas em outubro/2008 em razonetes;
b) Levantar o Balancete de Verificação em 31-10-2008;
c) Efetuar as partidas de encerramento diretamente nos razonetes
d) Preparar o Balanço Patrimonial e a Demonstração do Resultado do Exercício.

35) Abaixo são apresentados os saldos das contas do razão em 31/12/08, da Cia A:

1) Capital 1.200
2) Receita de Alugueis 90
3) Clientes 212
4) Receita de Vendas 410
5) Instalações 875
6) Descontos Concedidos 57
7) Compras 512
8) Descontos Obtidos 43
9) Caixa 149
10) Despesas com Fretes e carretos 62
11) Fornecedores 124
ESTOQUE FINAL 203

41
Pede-se:
 Balancete de verificação inicial;
 Razonetes de apuração e encerramento do resultado;
 Balancete de verificação final;
 Balanço Patrimonial;
 Demonstração do Resultado obtido de forma dedutiva.

36) Calcular o Custo das Mercadorias Vendidas (CMV) e o Resultado nas Situações seguintes:
i) Estoque Inicial (EI) - $ 10.000; Compras (C) - $ 55.000; Estoque Final (EF) - $ 7.000; Vendas (V) - $ 70.000.
ii) EI - $ 10.000; C - $ 67.000; EF - $ 7.000; V - $ 70.000.
iii) EI - $ 10.000; C - $ 67.000; EF - $ 6.000; V - $ 70.000.

37) No dia 30-06-X4, o Balancete de Verificação da Cia. Tuim apresentava as contas a seguir com os seguintes saldos
(em $): (Fonte: Livro de Exercícios, Contabilidade Introdutória – FEA/USP)
• Mercadorias, 1.100;
• Compras, 4.500;
• Devoluções e Abatimentos de Compras, 100;
• Fretes e Carretos de Compras, 50;
• Descontos sobre compras, 20;
• Vendas, 6.500;
• Devoluções e Abatimentos de Vendas, 500;
• Fretes e Carretos de Vendas, 10;
• Descontos sobre Vendas, 30;
• Despesas Diversas, 850.
• O saldo da conta Mercadorias correspondia ao valor do estoque inicial. No dia 30 de junho, o estoque
final, levantado extracontabilmente, totalizava $ 3.000.

Pede-se: Com base nas informações colhidas na Cia. Tuim:


a. representar, em razonetes, as diversas contas;
b. fazer os lançamentos de ajuste e de encerramento nos razonetes; e
c. elaborar a Demonstração do Resultado do Exercício (forma dedutiva).
Resposta: Lucro líquido do exercício $ 2.580.

38) Saldos das contas da empresa Sta Hildegardes em 31-12-2006:

Contas Devedores Credores


1. Caixa R$ 1.000
2. Clientes R$ 2.400
3. Mercadorias R$ 350
4. Fornecedores R$ 500
5. Capital Social R$ 2.880
6. Reserva de Lucros R$ 120
7. Receita de Alugueis R$ 520
8. Despesas c/ Alugueis R$ 820
9. Receita de Vendas R$ 860
10. Despesas c/ Materiais R$ 120
11. Receita de Juros R$ 20
12. Compras R$ 200
13. Descontos concedidos R$ 10
Somas 4.900 4.900

Com base nos saldos acima informados prepare: (1) o balancete inicial, (2) contabilize diretamente nos razonetes a
apuração do CMV, do RCM e do resultado do exercício, sabendo-se que a empresa utiliza sistema de Inventário
Periódico e que o valor do Estoque Final de R$ 120 foi obtido em inventário físico realizado em 31.12.2006, e (3) prepare
a Demonstração de Resultado do Exercício de 2006, de forma dedutiva.

42
RAZONETES:
Caixa Clientes Fornecedores Capital Social

Mercadorias Compras Receita de Juros Descontos Obtidos

Receita de Vendas Despesas Salários Despesas Alugueis Despesas Viagem

CMV RCM ARE Lucros Acumulados

Demonstração do Resultado do Exercício

Vendas

(-) CMV:
Estoque Inicial
(+) Compras do Período
(=) Mercadorias Disponíveis para Venda
(-) Estoque Final
Lucro Bruto
(+) Receitas:

Soma
(-) Despesas:

Lucro (Prejuízo) do Período

43
39) Preencha as fichas de controle de estoque utilizando os métodos PEPS, UEPS e MPM e demonstre os resultados
brutos com mercadorias obtidos:

Dados: Estoque Inicial: 100 un. a $ 10,00 cd.; 5/8 – Compra de 100 un. a $12,00 cd.; 10/8 – Venda de 150 un. a $
20,00 cd.; 30/8 – Compra de 100 un. a $15,00 cd.; 31/8 – Devolução de 10 un. da Compra de 30/8.

Ficha de Controle de Estoque


Mercadoria: Método de Custeio: PEPS

Entrada Saída Saldo


Data Valor Valor Valor
Quant. Quant. Quant.
Unit. Total Unit. Total Unit. Total

Soma

Ficha de Controle de Estoque


Mercadoria: Método de Custeio: UEPS

Entrada Saída Saldo


Data Valor Valor Valor
Quant. Quant. Quant.
Unit. Total Unit. Total Unit. Total

Soma

Ficha de Controle de Estoque


Mercadoria: Método de Custeio: MPM

Entrada Saída Saldo


Data Valor Valor Valor
Quant. Quant. Quant.
Unit. Total Unit. Total Unit. Total

Soma
44
40) A Cia. Beta apresentou o Balancete de verificação anexo, em 30-11-x3, e, durante o mês de Dezembro ocorreram
as seguintes operações com mercadorias (Niples Niquelados 3/8"):

Dia Operação
4 – Compra de 200 unidades a $ 100 cada;
5 – Compra de 100 unidades a $ 90 cada;
6 – Venda de 250 unidades por $ 200 cada;
7 – Compra de 20 unidades a $ 120 cada;
8 – Abatimento de $ 200 obtido sobre a compra de 07-12;
9 – Venda de 100 unidades por $ 300 cada;
O Estoque em 30-11-x3 era composto por 200 unidades a $ 90 cada.
As operações de Compras e de Vendas foram realizadas à Vista.

Pede-se: a) Lançar os saldos iniciais e as operações nos razonetes, utilizando o método da Média Ponderada
Móvel (MPM) para avaliação dos estoques;
b) Efetuar os lançamentos de encerramentos, diretamente nos razonetes;
c) Preparar o Balancete de Verificação em 31-12-x3; e
d) Levantar o DRE e o Balanço Patrimonial em 31-12-x3.

Ficha de Controle de Estoque


Mercadoria: Método de Custeio:

Entrada Saída Saldo


Data Valor Valor Valor
Quant. Quant. Quant.
Unit. Total Unit. Total Unit. Total

Soma

Razonetes

CAIXA CLIENTES MERCADORIAS EQUIPAMENTOS


D C D C D C D C

45
RECEITA DE ALUGUEL FORNECEDORES CAPITAL LUCROS ACUMULADOS
D C D C D C D C

RECEITA DE VENDAS CMV DESPESA DE SALÁRIO ARE


D C D C D C D C

Cia Beta
Balancete de Verificação levantado em / / Em Reais

Nº Saldos em 30-11-x3 Movimentação Saldos em 31-12-x3

Ord Contas Dev. Credores Débito Crédito Dev. Credores


1 Caixa 65.000
2 Clientes 40.000
3 Mercadorias 18.000
4 Equipamentos 60.000
5 Fornecedores 28.000
6 Capital 100.000
7 Lucros Acumulados 14.000
8 Receita de Vendas 70.000
9 Receita de Aluguel 4.000
10 Custo Merc. Vendidas
11 Despesa de Salários 33.000
12 Apur. Resultado Exerc.
13
Somas 216.000 216.000
46
BALANÇO PATRIMONIAL

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

47
9 - PLANO DE CONTAS - MODELO
1. ATIVO D
1.1 CIRCULANTE - AC D
1.1.01 Disponível D
1.1.01.01 Caixa D
1.1.01.02 Bancos Conta Movimento D
1.1.01.03 Aplicações Financeiras de Liquidez Imediata D
1.1.02 Realizável a Curto Prazo D
1.1.02.01 Clientes D
1.1.02.02 Adiantamento a Fornecedores D
1.1.02.03 Aplicações Financeiras de Curto Prazo D
1.1.02.04 Outros Direitos de Curto Prazo D
1.1.03 Estoques D
1.1.03.01 Mercadorias para Revenda D
1.1.04 Despesas de Exercícios Seguintes D
1.1.04.01 Alugueis a Vencer D
1.1.04.02 Seguros a Vencer D
1.1.04.03 Assinatura de Livros, Jornais, Revistas a Vencer D
1.1.04.04 Encargos Financeiros a Apropriar D

1.2. NÂO CIRCULANTE-ANC D


1.2.1 Realizável a Longo Prazo
1.2.1.1 Empréstimos a Sócios/Controladas/Coligadas D
1.2.1.2 Outros Direitos de Longo Prazo D
1.2.2 Investimentos D
1.2.2.1 Ações de Outras Cias D
1.2.2.2 Terrenos de Renda D
1.2.2.3 Obras de Arte D
1.2.2.4 Outros Investimentos Permanentes D
1.2.3 Imobilizado D
1.2.3.1 Terrenos de Uso D
1.2.3.2 Imóveis de Uso D
1.2.3.3 Instalações D
1.2.3.4 Moveis e utensílios D
1.2.3.5 Computadores e Periféricos D
1.2.3.6 Veículos de Uso D
1.2.3.7 Outras Imobilizações D
1.2.3.8 Recursos Naturais D
1.2.3.9 (-) Depreciação Acumulada C
1.2.3.10 (-) Amortização Acumulada C
1.2.3.11 (-) Exaustão Acumulada C
1.2.4 Intangível Lei 11.638/2007 D
1.2.4.1 Marcas Comerciais D
1.2.4.2 Fundo de Comércio D
1.2.4.3 Patentes D
1.2.4.4 Outros Bens e/ou Direitos Intangíveis D
48
2 PASSIVO C
2.1 CIRCULANTE - PC C
2.1.1 Fornecedores C
2.1.2 Empréstimo a Pagar C
2.1.3 FGTS a Recolher C
2.1.4 Contribuição Social a Pagar C
2.1.5 INSS a Recolher C
2.1.6 Imposto de Renda a Pagar C
2.1.7 Salários a Pagar C
2.1.8 Provisão para 13º Salário C
2.1.9 Provisão para Férias C
2.1.10 Adiantamento de Clientes C
2.1.11 Outras Contas a Pagar C

2.2 NÃO CIRCULANTE - PNC C


2.2.1 Debêntures a Pagar C
2.2.2 Obrigações a Longo Prazo C
2.2.3 Receitas Diferidas C

2.3 PATRIMÔNIO LIQUIDO - PL C


2.3.1 Capital Social C
2.3.2 Reservas de Capital C
2.3.3 Reservas de Lucros C
2.3.4 (+)Lucros Acumulados (Conta transitória) C
2.3.5 (-) Prejuízos Acumulados D

3 RESULTADO
3.1. Receitas brutas de Vendas C
3.2 Receitas Brutas de Serviços C
3.3 Deduções das vendas D
3.3.1 Devolução de Vendas D
3.3.2 Descontos incondicionais sobre Vendas D
3.3.3 Impostos sobre Vendas D
3.4 Custo das Mercadorias Vendidas (CMV) D
3.4.1 Estoque Inicial D
3.4.2 Compras D
3.4.3 Frete sobre Compras D
3.4.4 Seguros sobre Compras D
3.4.5 Devolucão de Compras C
3.4.6 Descontos incondicionais sobre compras C
3.4.7 Estoque Final C
3.5 Despesas D
3.5.01 13 salario D
3.5.02 Agua D
3.5.03 Alimentação D
3.5.04 Aluguel D
3.5.05 Amortização D
49
3.5.06 Combustíveis D
3.5.07 Depreciação D
3.5.08 Energia elétrica D
3.5.09 Encargos Sociais (FGTS/INSS) D
3.5.10 Fretes D
3.5.11 Limpeza e conservação D
3.5.12 Manutenção de veículos D
3.5.13 Propaganda D
3.5.14 Salários D
3.5.15 Seguros D
3.5.16 Telefone D
3.5.17 Vale transporte D
3.6 Despesas financeiras D
3.6.01 Descontos concedidos D
3.6.02 Despesas Bancarias D
3.6.03 Despesas com desconto de duplicatas D
3.6.04 Juros pagos D
3.7 Despesas Tributárias D
3.7.02 IPTU D
3.8 Outras Receitas Operacionais C
3.8.01 Descontos obtidos C
3.8.02 Juros auferidos C
3.8.03 Rendimento de aplicações financeiras C
3.8.04 Receitas Diversas C
3.9 RESULTADO NÃO OPERACIONAL D/C
3.9.01 Ganhos na venda de ativo permanente C
3.9.02 Perdas na venda/baixa do ativo permanente D
3.10 Provisão para IRPJ e Contribuição Social D
3.10.01 Provisão para a Contribuição social sobre o lucro D
3.10.02 Provisão para o Imposto de Renda da PJ D
3.11 PARTICIPAÇÕES D
3.11.01 Debêntures D
3.11.02 Empregados D
3.11.03 Administradores D
3.11.04 Partes Beneficiárias D
3.12 Lucro ou prejuízo do exercício D
3.12.01 Lucro do exercício C
3.12.02 Prejuízo do exercício D

50