P. 1
Apostila de Rolamentos

Apostila de Rolamentos

|Views: 5.135|Likes:
Publicado porMarcos Ricardo

More info:

Published by: Marcos Ricardo on Sep 20, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/18/2013

pdf

text

original

1 A Origem do Rolamento A primeira utilidade do "rolamento" que nos vem à cabeça é servir como elemento auxiliar no transporte (até

por causa dos carrinhos de "rolimã" da infância). E nisso os "rolamentos" são bem antigos. Alguns situam o início do seu uso por volta do ano 4.000 A.C., ajudando os Scandinavos a deslizar com seus trenós. Através de pictografias existentes na Noruega podemos ver uma estrutura formada por madeiras com rodas que se assemelhava a um trenó. Outros historiadores preferem apontar o seu início por volta de 3.500 A.C., quando os Sumérios utilizaram um cubo de roda construído em madeira montado sobre um eixo também de madeira, conforme uma ilustração de uma biga usada por este povo. Já os egípcios apresentam diversas provas do seu uso. A construção de seus inúmeros monumentos foi muito facilitada quando passaram a usar rolos de madeiras para transportar pedras de grande peso. Há inclusive uma ilustração datada de cerca de 1.800 A.C., que mostra um egípcio na ponta da pedra entornando um lubrificante no chão. Essa ilustração é freqüentemente referida como a mais antiga figura de um "engenho de lubrificação" trabalhando. Nas civilizações clássicas, Grécia e Roma, temos grandes aplicações de "elementos rolantes". Em muitos escritos gregos encontramos referências ao uso de "rolimãs" ou "esferas" e sobre as vantagens do uso de objetos esféricos para propósitos geométricos e para aplicações de engenharia, como em suas catapultas. Porém é na civilização Romana onde os mais espetaculares desenvolvimentos são encontrados. Cerca de 30 quilômetros de Roma há um lago chamado Nemi, onde, no início deste século, arqueologistas descobriram duas embarcações. Entre os inúmeros objetivos encontrados, temos "duas esferas" que representam dois pontos de sumo interesse: um é o uso de metal nessas esferas, uma transição do uso de madeira para metal em "rolamentos", e outro é o fato de que representa uma das mais antigas formas de "rolamentos" propriamente dito, apesar de que as esferas ou bolas não tinham livre rotação como nos modernos "rolamentos". Na mesma época dos Romanos, os Celtas também mostram evidências do uso de "rolamentos". Por volta do ano 1.500 é que Leonardo da Vinci consubstanciou um dos sonhos mais antigos da humanidade, o de possuir um veículo que se locomove sem o emprego de força muscular, em idéia concreta, fixando suas concepções em desenhos técnicos. Não há qualquer dúvida a respeito de que foi Leonardo da Vinci também quem primeiro pensou num veículo de locomoção por força própria. Comprova-se isto por uma ilustração sua e pelo projeto de um carro, impulsionado por um sistema de molas que possui até uma transmissão com diferencial. Provavelmente, Leonardo nunca chegou a realizar seu carro de autopropulsão, no entanto, cabe-lhe o mérito de ter tido a idéia de utilizar a energia armazenada num sistema de molas para locomover um veículo. Este carro, que pode ser considerado como o percursor do automóvel moderno, provavelmente representa o último estágio de um processo de desenvolvimento de Leonardo da Vinci. Isto se depreende claramente de seus desenhos. Vários dos componentes essenciais do automóvel de hoje podem ser atribuídos

por exemplo. mediante o auxílio de cilindros que servem como "corpos rolantes". o qual deveria suprir o veículo com a necessária força motriz. até a concretização destes projetos dever-se-iam passar ainda alguns séculos. do Livro: 'A Indústria de Rolamentos no Brasil'“. Como é notório. . Mas só com a descoberta do motor á combustão foi dada uma base decisiva para o advento do automóvel como nós o conhecemos hoje. Um certo desenvolvimento técnico destes veículos a vapor ocorreu nos séculos XVIII e XIX.759 a construir um pequeno modelo de um veículo autopropulsionado. As idéias de um veículo autopropulsionado e as concepções de mancais com baixo índice de atrito já existiam lá pelo ano de 1. Assim. também tinha previsto rodas dirigíveis. Somente no século XVIII surgiu uma fonte de energia razoável. próprio para locomover-se pelas ruas. conforme a utilização de meios lubrificantes entre as superfícies. com a máquina movida a vapor. Estes rudimentares projetos de "rolamento" provam que Leonardo da Vinci já tinha descoberto a maneira de reduzir a resistência de giro. São perfeitamente identificáveis essas peças do veículo nos seus desenhos. sendo transmitida para as rodas através de uma caixa redutora.500. não é muito nítida a representação daquela parte que se refere ao sistema de acionamento com molas. Suas pesquisas teóricas e práticas abrangeram também as diferenças de magnitude do atrito conforme espécie dos materiais em contato e também. Em compensação. Leonardo foi o primeiro a idealizar e desenhar um sistema de transmissão para um veículo com caixa de redução e volante de direção. Em outro projeto de veículos. Entretanto. muitas vezes ele previu cilindros. "Todo o texto deste artigo é cópia fiel do Capítulo II. que pode ser considerado como precursor do diferencial moderno. Leonardo da Vinci dedicou especial atenção á questão da redução da resistência de atrito. utilizado na sustentação de corpos rotativos.2 diretamente a Leonardo. Para tanto. idealizou para o veículo autopropulsionado o sistema de tração individual das rodas. Mesmo um assunto hoje tão atual quanto a economia de energia pode ser atribuído a ele. Conclui-se que foi a falta de um "motor" adequado que obrigou Leonardo a renunciar á concretização de seu "veículo autopropulsionado”. Deve-se a ele a clara e completa distinção entre o atrito deslizante e rolante entre corpos sólidos. Finalmente. que facultou James Watt em 1. A força motriz neste projeto era proporcionada por "8 homens" acionando manivelas. e um engrenamento epicíclico. o gênio universalista de Leonardo da Vinci se ocupou com inúmeras coisas e idéias. pois que Leonardo estudou muito intensamente o princípio do fenômeno do atrito. conforme os mostrados no desenho de seu projeto.

2 – Rolamento de esferas com Fig. 1. agulhas.8.6 – Rolamento de rolos esféricos Fig. 1.1.4 – Rolamento de agulhas Fig. 0 retentor separa os corpos rolantes em intervalos regulares e retém estes no lugar entre as pistas internas e externas permitindo que estes girem livremente.8 – Rolamento axial de rolos Os corpos rolantes são geralmente de duas versões: Esferas ou rolos. 1. cônicos e esféricos.1 – Rolamento rígido de Fig.7 – Rolamento axial de esferas Fig. 1. 1. 1.1 . Os rolos são basicamente de quatro tipos: Cilíndricos. Fig.3 – Rolamento de rolos contato angular cilíndricos esferas Fig. 1. 1. . 1. corpos rolantes (tanto esferas com rolos) e um elemento retentor dos corpos rolantes.5 – Rolamento de rolos cônicos Fig. Veja figs.3 Classificação e Características dos Rolamentos Construção dos Rolamentos A maioria dos rolamentos é constituída de anéis com pistas (um anel interno e um anel externo).

Teoricamente. Enquanto que os corpos rolantes e os anéis do rolamento absorvem uma carga aplicada ao rolamento (no ponto de contato entre os corpos rolantes e as pistas). múltipla. a gaiola não absorve uma carga direta. rolamentos tipo prato giratório. Ela somente serve para reter os corpos rolantes eqüidistantes um do outro e prevenir que estes caiam fora do rolamento. de contato angular e axiais. no qual tanto o anel interno ou o anel externo podem ser desmontados. os rolamentos de rolos são classificados de acordo com a forma dos rolos: Cilíndricos. . Outros métodos de classificação incluem: 1) Número de pistas de rolamento (simples. rolamentos lineares de rolos e rolamentos de rolos chatos). enquanto que o contato superficial dos rolos é uma linha. Os rolamentos podem adicionalmente ser classificados de acordo com a direção em que é aplicada a carga. Os rolamentos de esferas são classificados de acordo com a configuração dos seus anéis: Rígidos de esferas. rolamentos para suportar fusos de esferas. cônicos e esféricos. Por outro lado. 3) rolamentos axiais os quais podem suportar cargas axiais em um único sentido. agulhas. assim como rolamentos de movimento linear (rolamentos lineares de esfera. os rolamentos são construídos de tal forma que permitam que os corpos rolantes tenham uma rotação orbital ao mesmo tempo em que tenham rotação em torno do seu próprio eixo. ou 4 pistas). e rolamentos de duplo sentido os quais podem suportar cargas nos dois sentidos. rolamentos radiais suportam cargas radiais e rolamentos axiais suportam cargas axiais. Também existem rolamentos desenhados para aplicações especiais. 2) separáveis e não separáveis.4 As esferas têm geometricamente um contato "punctual" nas superfícies das pistas dos anéis interno e externo. tais como: Rolamento de rolos para vagões de trens (Rolamento RCT). Classificação dos Rolamentos Os rolamentos são classificados em dois principais grupos: Rolamentos de esferas e rolamentos de rolos.

5 .

3. Rolamentos Padronizados e Especiais Os rolamentos que são padronizados internacionalmente em forma e tamanho.Podem ser usados em aplicações de alta e baixa temperatura.6 Características dos Rolamentos Os rolamentos se apresentam em diferentes formas e variedades. Inversamente. 5. quando comparados com mancais deslizantes. alta precisão. o que os torna mais apropriados para aplicações que requerem longa vida e resistência para cargas elevadas e de choques. tanto axial como radial. assim como de rolamentos desenvolvidos especialmente. Rolamentos de Esferas e Rolamentos de Rolos Geralmente. 4. os rolamentos de rolos têm uma capacidade de carga maior. intercambiáveis e são obtidos com facilidade. . enquanto que os rolamentos que tem um contato angular superior a 45* tem uma maior capacidade de carga axial e são classificados como rolamentos axiais.A rigidez do rolamento pode melhorar com a aplicação de pré cargas. um rolamento não padronizado ou desenvolvido especialmente pode ser a melhor alternativa. todos os rolamentos têm as seguintes vantagens: 1. cada um com suas distintas características. são muito mais econômicos por sua intercambiabilidade e disponibilidade em todo o mundo. os rolamentos com contato angular inferior a 45 graus tem uma capacidade de carga radial muito maior e são classificados como rolamentos radiais. Também existem rolamentos classificados como combinados. Também há disponibilidade de rolamentos que foram adaptados para aplicações específicas. e da aplicação e condição de funcionamento que se espera.Como regra geral. um rolamento pode suportar cargas simultaneamente em ambos os sentidos. quando se comparam os rolamentos de esferas com os de rolos com as mesmas dimensões. Geralmente.São padronizados internacionalmente. os quais combinam as características de carga tanto dos rolamentos radiais como dos axiais. 6. Construção. dependendo do tipo da máquina em que se vai utilizar. classes. Isto os faz mais adequados para uso em aplicações que requerem alta rotação.0 coeficiente de atrito estático é inferior e há uma pequena diferença entre este e o coeficiente de atrito dinâmico. baixo torque e baixa vibração. Entretanto. os rolamentos de esferas exibem uma resistência ao atrito menor e uma menor variação de rotação que os rolamentos de rolos. e de unidades de rolamentos que são integrados para formar um componente de máquina. 2.São fáceis de lubrificar e consomem pouco lubrificante. Rolamentos Radiais e Axiais Quase todos os tipos de rolamentos podem suportar cargas simultaneamente em ambos os sentidos. Entretanto. e características especiais dos rolamentos estão completamente descritas nas seções de dimensões e de sistemas de codificação dos rolamentos.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->