P. 1
Candidíase

Candidíase

|Views: 218|Likes:
Publicado porzellda123
Por Alaíde de Sá Barreto
Por Alaíde de Sá Barreto

More info:

Published by: zellda123 on Sep 22, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/21/2013

pdf

text

original

ESTUDO QUÍMICO DE Himatanthus lancifolia

Aluna: Pamela Barreto Gusmão de Almeida

Orientadores: Dra. Alaíde S. Barreto (PN) Dra. Gláucia B. C. Alves Slana (Civa)

CANDIDÍASE

AGENTE ETIOLÓGICO

Candida tropicalis

Candida albicans

TRANSMISSÃO

Candidíase

- Secreções originadas da boca, pele, vagina e dejetos de portadores ou doentes. - Durante o parto.

Candida albicans

Candida tropicalis

DIAGNÓSTICO
Candidíase oral: microscópico de esfregaço da lesão, preparado com hidróxido de potássio a 10%.

Esofagite: endoscopia com biopsia e cultura

Candidíase invasiva: pode ser diagnosticada através de isolamento do microorganismo de fluidos corporais

TRATAMENTO

Candidíase

nistatina. ‡ Candidíase oral: nistatina ‡ Esofagite em pacientes imunodeprimidos: cetoconazol ou anfotericina B ‡ Candidíase vulvovaginal: isoconazol (nitrato), tioconozol tioconozol, clotrimazol, miconazol, terconazol, clotrimazol miconazol terconazol tioconazol ou nistatina. nistatina ‡ Candidíase mucocutânea crônica: cetoconazol ou fluconazol, fluconazol como 1ª escolha, e anfotericina B.

Himatanthus lancifolia

Propriedades medicinais: ‡ Emenagoga, ‡ Antiasmática, ‡ abortiva, ‡ galactagoga, ‡ laxativa, ‡ anti-sifilíca, ‡ anti-helmíntica, ‡ calmante e ‡ febrífuga

Brasil: -Agoniada, -Quina-mole, -Tapuoca, -Arapué .

SUBSTÂNCIAS ISOLADAS

H

CO2R

H

CO2Me

MeO2C H

O O H

H O

O O O H

O OGli O O H H

O OGli OR

1- plumenosídeo; R=Glicose 3- 13-deoxi- plumierideo 2- F-diidroplumericina; R=Me
CO2Me H O OGli O O H

4- 1E- plumierideo; R=H 5- protoplumericina;

H

CO2Me

R= p-O-glicosil- cumaroil
CH3

H O O H OH

O OGli OH H HO

H

CH3

H

H

6- 8-isoplumierideo 9- Plumierideo

10- 3F -hidroxi-estigmast-7-eno

COOH

HO

MeOOC

11- Ácido ursólico

12- Acetato de Lupeol

N N N N O CH3

H

13- Uleína

14- Demetoxiaspidospermina

Algumas substâncias isoladas no gênero Plumeria sp.

OBJETIVOS

H. lancifolia

- Desenvolvimentos de processos e metodologias validadas; - Produção de um fitoterápico (gel ou pomada) contra microorganismos patogênicos vaginais; - Desenvolvimento de padrão certificado do iridóide plumierídeo; não comercializado pela indústria farmacêutica, cujos derivados sintéticos apresentam ação anticancerígena; - Desenvolvimento da tecnologia de produção de padrões para comercialização.

ETAPAS

H. lancifolia

‡ Coleta da espécie selecionada ‡ Preparação dos extratos brutos em metanol (casca, cerne) ‡ Fracionamento dos extratos ativos segundo o monitoramento farmacológico. ‡ Desenvolvimento de tecnológico (geies e/ou pomada)

Extratos brutos

H. lancifolia Obtenção

‡Cascas dos galhos ‡ Cerne

Extratos brutos

H. lancifolia

P- Padrão autêntico do plumierideo 1- Tintura (1:1) do caule 2- Tintura (1:1) da casca Sistema de eluição: Acetato de etila: Metanol: água (6,5:1,5:2) Revelador: Vanilina suflúrica P 1 2

Separação dos alcalóides
Extrato bruto
Partição dos extratos

H. lancifolia

Concentrado
(rota-evaporador)

Coluna (Sephadex LH-20 LHEluente: Acetato de etila/ MeOH

RMN

H. lancifolia

RMN

H. lancifolia

Estudo morfoanatômico
j Análise macroscópica

H. lancifolia

Arbusto ou árvore pequena, caule lactescente;casca acinzentada; folhas longo ± grosso - pecioladas, opostas, lanceoladas, inteiras, agudas, glabras, até 25 cm de comprimento e 3 cm de largura; flores brancas, campanuladas,com a base do tubo amarelo, grandes, dispostas no ápice dos ramos em cimeiras de 2 - 3 ou mais; frutos folículos geminados, fusiformes de 9 cm, contendo sementes.

Estudo morfoanatômico

H. lancifolia

Folha Caule

Conclusões

H. lancifolia

Coleta da espécie selecionada, estudo morfofanatomico, Preparação dos extratos brutos da casca e cerne Isolamento do iridóide e sua caracterização. Aumento do isolamento do plumierideo.

CONCLUSÕES
- Otimização da extração do plumierideo - Quantificação por padronização externa; CG/FID,

H. lancifolia

CG/EM,

com

- Quantificação/caracterização por RMN de semisólidos (HR-MAS) e líquidos, usando RMN 1H, 13C, COSY, NOESY, HSQC, HMQC; - Comparações estatísticas dos resultados obtidos por HR-MAS com a técnica de CG; - Relatórios parciais, finais e publicações.

Agradecimentos
Colaboradores externos: Prof. Dr. Sérgio Fracalanza, Prof. Dr. Márcio L. Rodrigues & Prof. Dr. Leonardo Nimrichter (UFRJ; microbiologia).

. Msc. Leonardo Coutada (PMA) . PIBIC- FIOCRUZ

. Msc. Érico Daemom (Civa) . FARMANGUINHOS Msc. Carlos Brasil (PMA) . CNPq

Dra. Sandra Magalhães e equipe (Campus avançado da Mata Atlântica)

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->