P. 1
ARROYO, Miguel G. -Oficio de Mestre 1

ARROYO, Miguel G. -Oficio de Mestre 1

|Views: 4.193|Likes:
Publicado porCaio Uzêda S D G

More info:

Published by: Caio Uzêda S D G on Sep 25, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/18/2013

pdf

text

original

Resumo do livro "Ofício do Mestre" - Imagens e auto-imagens

Miguel G. Arroyo - Editora Vozes - 2a edição

Em "Ofício do Mestre", Miguel Arroyo pretende abrir um diálogo franco com professores sobre professores. Propondo reflexões, o autor traz o magistério para o centro do movimento de renovação pedagógica. Sua intenção é a de desfazer um imaginário social que minimiza o papel do mestre. É um trabalho árduo, uma vez que o próprio professor tem uma imagem confusa de si mesmo e de sua função. A proposta do autor é a de discutir sobre a reconstrução do perfil do mestre, paralelamente, ao trabalho de configuração da categoria do magistério, como uma classe definida em seu perfil profissional. Este processo implica em uma luta árdua e lenta, o que vem sendo realizado através de décadas. Ao longo dos anos, a busca de significado de seu ofício, obrigou o mestre a se engajar nos movimentos sociais e políticos de sua época, tentando explicálos para então poder entender o seu próprio papel como educador. A conclusão é que a compreensão do seu ofício se confunde com a sua compreensão, enquanto sujeito participante e politizado, engajado na sociedade. Vem se percebendo, ao longo das últimas décadas, uma preocupação comum entre os professores. Preocupação para dominar saberes, para melhor se qualificar, para adequar sua função social aos novos tempos, novos conhecimentos e novas tecnologias. Nem por isso eles vêm conseguindo um maior reconhecimento social. Há, sem dúvida, algo mais profundo na questão: uma reflexão sobre o sentido social de sua condição de mestre. Esta deve ser a maior preocupação. Este é o caminho para a busca da identidade social e reconhecimento profissional. Uma tentativa de formar um perfil ou uma cultura não se consegue somando conhecimentos ou especializações, mas antes de tudo, se consegue formando uma consciência de classe , definindo papéis e se preparando para atuar em seu tempo e espaço. Muitos congressos e encontros de educação tentam discutir a questão do "Quem é o Professor", mas se perdem em discussões tecnicistas, de conteúdo, de currículos. O ideal seria promover encontros que dessem oportunidade de se verificar o quanto se é, o quanto se foi e o quanto se deseja ser gente e, conseqüentemente, professores. A busca da identidade social está na busca de si próprio, na busca da história de cada um. Evidentemente, a função de professor não se limita em ser bom, carinhoso ou até mesmo competente. É preciso pensar nele próprio como um eterno aprendiz em busca de aprimoramento constante (neste instante a situação do mestre é a mesma de qualquer profissional em tempos de forte competição). Ser educador é um modo de ser, é um dever ser. Ele deve cuidar de seu percurso de vida, ser pedagogo de si mesmo. Manter uma conversa permanente consigo sobre sua formação. A valorização social depende, antes de tudo, da auto-valorização. Há de se reconhecer que as condições precárias de trabalho, os baixos salários, a falta de estabilidade, a condição de “aulista”, o fraco ambiente cultural das escolas, não apenas limitam a qualidade da docência, como impossibilitam uma auto-formação. As escolas devem se tornar mais humanas. As condições que impedem ou permitem a aprendizagem humanizadora são materiais, mas também são de estrutura, de organização. O clima escolar burocrático, normatizado, a organização graduada e disciplinar levam o professor apenas a representar o seu papel de transmissor de conhecimentos. Neste tipo de organização se nega a possibilidade de se dar um

ética. nas interrogações vindas do convívio com a infância. ou seja. que supõe sensibilidade. a luta dos mestres pela valorização do ofício e a busca de sua identidade é a mesma de qualquer trabalhador que luta pelo seu direito mais elementar. que lhe permitirá estar atento à realidade onde se formam os educadores .. Essa matriz pedagógica deve ser recuperada ou construída. na sensibilidade com a dinâmica social e cultural. leituras. o de ser reconhecido como trabalhador. pois está claro que sua luta de classe se identifica com a luta pelos direitos humanos. nos confrontos políticos. universal. O ofício de mestre só terá sentido na medida em que o próprio mestre se buscar como tal. A formação dos mestres deverá se dar através do diálogo com a prática. Seu reconhecimento social passa pela afirmação de uma cultura pública e da vinculação da educação escolar a essa cultura e da inclusão da educação no campo dos direitos sociais e humanos. O distanciamento entre mestres e alunos impede o desenvolvimento humano de ambas as partes. É dessa maneira que se formará um educador com espírito crítico. intuição. caro mestre! . A categoria de professores vem se perguntando: Por que este conceito tão desfigurado da educação e dos educadores? Através de muitos encontros. entendido como arte. adolescência e juventude. Onde não há uma visão de educação básica. Diminuir essa distância é o maior desafio das instituições. de educação como direito humano. Sabe-se que o reconhecimento social só se dará na medida em que o campo da educação básica for se firmando em nossa cultura como convicção moral e política. está confuso. no convívio social. socialmente. para se firmar. congressos. O processo de redefinição da função escolar deve incluir também os cursos de magistério. e. justamente.salto para uma relação pedagógica com base no diálogo. sendo ele o próprio protagonista da sua história de mestre. Antes de mais nada. Essa imagem é pobre e. A categoria precisa se firmar como profissional e pouco adianta lutar por salários e por reconhecimento social se o professor continuar se vendo com o professor “ensinante”. Sendo assim. A luta continua. uma cultura de magistério. Sua luta é inseparável dos processos culturais que são lentos. É. deve-se lutar para construir uma consciência de classe. oficinas. As preocupações mais recentes têm-se voltado para essas questões. com postura pedagógica. Este vem fincando raízes nos valores sociais. sintonia com a vida. política e profissional. com base na interação entre as gerações professor / aluno.uma docência mais humana! Mas. não haverá possibilidade de se firmar uma cultura profissional. mas que devem ser construídos. O cerne da questão do prestígio ou desprestígio social e profissional.. principalmente. neste aspecto que está o ponto mais fraco de nossas escolas. deve estar respaldado em uma cultura profissional. A luta é sua. e talvez seja este o ponto de partida para uma reconstrução da imagem do mestre. está na visão estreita ou alargada de ensino ou de educação. com ela não se espera valorização social. a realidade é outra! O ofício de mestre. os professores estão aprendendo que todo ofício.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->