Você está na página 1de 3

DETERMINAÇÃO DA ÁGUA DE HIDRATAÇÃO DE UM SAL

Epaminondas Redondo; Felismina Menina

Área de Estudos Científico-naturais – Escola Secundária Dr. Mário Sacramento, Aveiro,


Portugal

Resumo: Este trabalho teve como objectivo proceder-se à


determinação da água de hidratação de um sal. Para tal, realizou-se
uma experiência com o BaCl2, cloreto de bário, sendo este aquecido
até à libertação de toda a água de hidratação.

Introdução propriedade, é possível calcular o teor da água


de cristalização nestes compostos.
Não se deve confundir água de
Quando se formam sais, o sal cristalizado
cristalização com água higroscópica. Esta
fica combinado com moléculas de água, a que
última é absorvida à superfície do sólido, não
se dá o nome de água de cristalização. Como
podendo ser indicada numa fórmula química.
exemplo: CaSo4.2H2O, sulfato de cálcio
Elimina-se quando a substância se encontra
diihidratado (gesso).
num local seco, sendo função da temperatura e
Quando uma substância hidratada se
da humidade do ar.
coloca num vaso fechado isento de vapor de
O mesmo sal anidro pode cristalizar com
água, decompõe-se, originando a respectiva
diferente número de moléculas de água de
substância anidra e água, até que a pressão de
cristalização, dependendo das condições em
vapor de água atinga um determinado valor,
que esta se dá.
que é característico de cada substância, para a
O bórax comercial (Na2B4O7.2H2O –
temperatura da experiência – tensão de vapor
tetraborato de sódio) é um sal hidratado
da substância.
contendo duas moléculas de água. Se
As diferenças nos valores da tensão de
procedermos à sua cristalização a 60oC obtém-
vapor do líquido explicam o diferente
se no estado quimicamente puro,
comportamento que as substâncias
correspondendo à fórmula Na2B4O7.10H2O.
apresentam quando “conservadas” no ar. Se o
Para determinar a massa molar dos sais
valor da tensão de vapor da substância for
hidratados, há que ter em conta que as
maior do que a pressão parcial de vapor de
moléculas de água fazem parte integrante da
água no ar, as substâncias perdem água de
sua composição.
hidratação (eflorescem). É o caso do
Alguns sais vão ter comportamentos
Na2SO4.10H2O e do Na2CO3.10H2O. O
distintos: sais deliquescentes são os que
carbonato de sódio anidro é higroscópico.
absorvem a humidade do ar, dissolvendo-se
Se a tensão de vapor de líquido da
nela. O cloreto de cálcio diidratado apresenta
substância tiver um valor inferior à pressão
esta propriedade. Sais eflorescentes são
parcial do vapor de água no ar, a substância
aqueles que, quando expostos ao ar, perdem
absorve vapor de água do ar. É o caso do
toda ou parte da sua água de cristalização,
CaCl2.2H2O, que se transforma em
tornando-se pulverulentos, isto é, o seu
CaCl2.6H2O. Por esta razão, o cloreto de
aspecto é o de um pó seco. O carbonato de
cálcio diidratado é usado como excicante para
sódio hidratado é um sal eflorescente. Sais
secar certos gases.
higroscópicos são os que absorvem a
Os cristais hidratados decompõem-se a
humidade do ar mas não se dissolvem nela. O
quente com libertação de água. Baseado nesta
perclorato de magnésio é exemplo de um sal hora. De seguida, retirou-se o cadinho e a
higroscópico. tampa da estufa e deixou-se arrefecer no
A percentagem em massa representa a excicador. Mediu-se rigorosamente a massa
razão entre a massa do soluto e a massa da do conjunto (P0).
solução, expressa em percentagem: Com a finalidade de retirar a água de
m hidratação do cloreto de bário, transferiu-se
%( m m) = ×100 .
m1 + m2 para um cadinho 1,549g do sal hidratado e
As fórmulas químicas indicam os tapou-se o último, colocando a tampa. Mediu-
reagentes e os produtos da reacção, se rigorosamente a massa do conjunto (P2). De
evidenciando uma indicação qualitativa. seguida, colocou-se o cadinho destapado e a
Relativamente à nomenclatura de um sal respectiva tampa na estufa a 130oC durante
hidratado lê-se primeiro o nome do sal anidro meia hora.
e de seguida a quantidade de H2O, isto é, se Para medir e registar a massa do conjunto
houver uma mole de H2O para cada mole de (cadinho+tampa+sal), P3, retirou-se o cadinho
sal, é hidratado; se houver 2 moles é da estufa, tendo-o tapado previamente, e
diidratado; 5 moles é pentahidratado; 6 moles, colocou-se o mesmo no excicador, deixando-o
hexahidratado; etc. arrefecer à temperatura ambiente.
O cadinho usa-se na calcinação de Para obter melhores resultados voltou-se
materiais, podendo ser aquecido directamente novamente a colocar o cadinho destapado com
à chama. Pode ser em porcelana, quartzo, o sal na estufa a 130oC durante outra meia
platina ou níquel. hora e, após ter sido retirado da estufa e ter
O excicador usa-se para guardar sólidos sido arrefecido no excicador, mediu-se e
em atmosfera contendo baixo teor de registou-se, novamente, a massa do conjunto
humidade, garantida pela presença de um (P4).
agente excicante.
Resultados
Metodologias
1.1. Registo de Medições
2.1. Material
 Cadinho vazio+tampa, após secagem
 balança analítica; na estufa, P0=32,957g
 cadinho com tampa;  Cloreto de Bário hidratado, P1=1,549g
 estufa;  Cadinho+tampa+BaCl2 hidratado,
 excicador; P2=34,506g
 espátula;  Cadinho+tampa+BaCl2 hidratado,
 pano de limpeza após meia hora na estufa, P3=34,383g
 Cadinho+tampa+BaCl2 hidratado,
2.2. Produtos após outra meia hora na estufa,
P4=34,320g
 Cloreto de Bário (sal anidro) (s);
1.2. Cálculos
 H2O (g)

2.3. Reagentes  Determinação da percentagem


massa/massa de água no sal hidratado:
 Cloreto de Bário hidratado (s)
m inicial = ( P1 ) = 1,549 g
2.4. Procedimento m final = P4 − P0 = 34 ,320 g − 32 ,957 g = 1,363 g

Para retirar a humidade presente num


cadinho, secou-se o mesmo numa estufa, com
a respectiva tampa, a 130oC durante meia
m inicial − m final
%( H 2 O ) = ×100
m inicial BaCl2.2H2O | cloreto de bário diidratado
P1 − ( P4 − P0 )
%( H 2 O ) = ×100 Discussão
P1
1,549 − 1,363
%( H 2 O ) = ×100 Neste trabalho, determinou-se a
1,549
percentagem de água existente numa amostra
%( H 2 O ) = 12,0% de cloreto de bário: 12%. Uma vez
determinada a percentagem de água,
 Determinação da fórmula química do verificamos também que a percentagem de sal
cloreto de bário hidratado: anidro na amostra era de 88%. Pude comparar
os resultados com os meus colegas e
BaCl2 – sal anidro verifiquei que alguns deles obtiveram
Μ( BaCl 2 ) = 137 ,2 + 2 × 35 ,4 = 208 ,1 g mol melhores resultados, provavelmente porque
tiveram mais rigor nas medições.
 Proporção de sal anidro e água na Pude verificar também que se
amostra estudada: tivéssemos mantido a amostra mais tempo na
estufa provavelmente viríamos a ter uma
100%( sal − hidratado) = 88%( BaCl2 ) + 12%( H 2O ) percentagem de água mais elevada.
A fórmula molecular do sal estudado é
Massa de sal anidro na amostra=P4- BaCl2.2H2O, isto é, para cada mole de sal
P0=1,363g (BaCl2) anidro (BaCl2) existem 2 moles de H2O.

m Bibliografia
n( BaCl 2 )=
Μ
1,363 - Técnicas Laboratoriais de Química II;
⇔n =
208 ,1 Texto Editora; Porto; 2000.
⇔ n = 6,550 ×10 −3 mol ( BaCl 2 )

Massa de água na amostra=P1-(P4-


P0)=0,186 (H2O)

Μ( H 2 O ) = 18 g mol
m
n( H 2 O ) =
Μ
0,186
⇔n =
18 ,0
⇔ n = 1,0 ×10 −2 mol ( H 2 O )

 Determinação da proporção entre o


n.º de moles de BaCl2 e o n.º de moles
de H2O no sal hidratado:

6,550 ×10 −3 mol ( BaCl 2 ) 1,2 ×10 −2 mol ( H 2 O )


1mol ( BaCl 2 )  χ

χ = 1,526 ≈ 2mol ( H 2 O )
 A fórmula molecular deste sal
hidratado é: