P. 1
PLANO DE QUALIDADE

PLANO DE QUALIDADE

|Views: 3.720|Likes:
Publicado porFabricio Barros
Plano de qualidade da empresa Shelter Engenharia para o PBQP-H.
Plano de qualidade da empresa Shelter Engenharia para o PBQP-H.

More info:

Categories:Types, Business/Law
Published by: Fabricio Barros on Oct 03, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/29/2013

pdf

text

original

MANUAL DE QUALIDADE

SHELTER - EMPREENDIMENTOS E CONSTRUÇÕES LTDA CNPJ 10.741.367/0001-10 I.E. 244.829.509.111

Manual de Qualidade elaborado pela empresa SHELTER - EMPREENDIMENTOS E CONSTRUÇÕES LTDA, SEGUNDO OS REQUISITOS DO REFERENCIAL NORMATIVO NÍVEL “D” DO SiAC.

MANUAL DE QUALIDADE

JULHO 2010

SUMÁRIO

APRESENTAÇAO 1. ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE 2. AQUISIÇÃO 3. CONTROLE DO PRODUTO FORNECIDO PELO CLIENTE 4. IDENTIFICAÇÃO E RASTREABILIDADE DO PRODUTO 5. CONTROLE DE PROCESSO 6. INSPEÇÃO E ENSAIOS 6.1 INSPEÇÃO E ENSAIOS NO RECEBIMENTO 6.2 INSPEÇÃO E ENSAIOS NO PROCESSO DE PRODUÇÃO 6.3 INSPEÇÃO E ENSAIOS FINAIS 7. CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE INSPEÇÃO, MEDIÇÃO E ENSAIOS 8. SITUAÇÃO DE INSPEÇÃO E ENSAIOS 9. CONTROLE DE PRODUTO NÃO-CONFORME 10. AÇÕES CORRETIVAS E AÇÕES PREVENTIVAS 11. MANUSEIO, ARMAZENAMENTO, PRESERVAÇÃO E ENTREGA 12. TREINAMENTO 13. CONTROLE DE DOCUMENTOS, DADOS E REGISTROS DA QUALIDADE NA OBRA

2

MANUAL DE QUALIDADE

JULHO 2010

APRESENTAÇÃO

O presente documento tem por finalidade estabeler procedimentos e critérios para a avaliação e melhorias da qualidade organizacional da empresa Shelter – Empreendimentos e Construções Ltda. Para tanto, foram seguidos os critérios apresentados no referencial normativo nível D do SiAC, bem como os critérios e itens a serem avaliados segundo a NBR ISO 9002. Neste primeiro documento, buscamos elencar e organizar as atividades e procedimentos que deverão ser avaliados constantemente a fim de melhorar a qualidade dos serviços prestados. O presente manual de qualidade foi elaborado por Fabrício Barros, sócio administrador da empresa em questão, e nos responsabilizamos pelas informações apresentadas.

3

MANUAL DE QUALIDADE 1. ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE

JULHO 2010

A estrutura organizacional da empresa para a qualidade está descrita no organograma apresentado a seguir: 1.1. Diretor 1.2. Engenheiro responsável 1.3. Arquiteto responsável 1.4. Equipe escritório 1.5. Equipe obra A seguir apresenta-se a matriz de responsabilidade relativa a empresa: Requisito da NBR ISO 9002 Diretor Eng. Arq. Equipe Responsável Responsável Escritório C C P C C Equipe Obra P P C C C C P P P C

Sistema de qualidade P Controle de documentação C Avaliação de fornecedores Solicitação de compras P Controle de produto fornecido p/ cliente P Identificação Rastreabilidade P Execução /Monitoramento Manutenção de equipamentos Inspeção e ensaiios de recebimento Inspeção de serviços Entrega da obra Controle de equipamentos de inspeção, medição e ensaios Situação de inspeção de serviços Controle de produto nãoconforme Ação corretiva e ação preventiva Manuseio, armazenamento, embalagem, preservação e entrega Controle de registros da qualidade Treinamento Manual do usuário Téc. Estatísticas Legenda: P - Responsabilidade Principal

C

C P C

C

C C C

P P

C C C C

P P

P P

C C

C P C P

P C C

P P

C

C C - Co-responsabilidade 4

MANUAL DE QUALIDADE

JULHO 2010

Internamente, serão adotadas as seguintes atividades para a sensibilização da qualidade:    Reuniões mensais com o Comitê de Qualidade de acordo com o cronograma de treinamento; Utilização de cartazes da Política da Qualidade; Distribuição de revista para todos os colaboradores conforme calendário da empresa.

2. AQUISIÇÃO Esta empresa utiliza o processo de aquisição padrão da empresa estabelecido no procedimento de sistema PO.SUP.001 – COMPRA DE MATERIAIS. Neste sentido a empresa está diretamente ligada nas seguintes atividades descritas nos respectivos procedimentos operacionais:     PO.SUP. 001 – COMPRA DE MATERIAIS PO.SUP. 002 – QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES DE SERVIÇOS PO.SUP.003 – QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS PO.SUP. 004 – CONTRATAÇÃO DE FORNECEDORES DE SERVIÇO

3. CONTROLE DO PRODUTO FORNECIDO PELO CLIENTE  PO.OBR. 005 – CONTROLE DE PRODUTO FORNECIDO PELO CLIENTE

4. IDENTIFICAÇÃO E RASTREABILIDADE DO PRODUTO Na empresa e nas obras administradas por esta, os produtos são identificados por meio de etiquetas, plaquetas e mapeamento, conforme definido no PO.OBR.001 – IDENTIFICAÇÃO E RASTREABILIDADE DO PRODUTO.

5. CONTROLE DE PROCESSO Os serviços que influem na qualidade dessa obra são executados sob condições controladas através de informações contidas em procedimentos padronizados denominados PES –

5

MANUAL DE QUALIDADE

JULHO 2010

PROCEDIMENTO DE EXECUÇÃO DE SERVIÇOS. Os PES utilizados nessa obra são os seguintes:         PES.01 – Solicitação de orçamento para fornecimento de mão de obra e materiais; PES.02 – Contratação de serviços e fornecimento de mão de obra; PES.03 – Comunicação com clientes e investidores; PES.04 – Elaboração de projetos técnicos; PES.05 – Elaboração de cronogramas físico-financeiro; PES.06 – Execução e acompanhamento de obras; PES.07 – Processos administrativos internos; PES.08 – Analise e arquivo de documentos.

O gerenciamento da obra é realizado conforme o procedimento operacional PO.OBR. 003 – GERENCIAMENTO DE OBRAS, que aborda os apectos técnicos e administrativos a cargo do Engenheiro de obras e que interferem na qualidade. O procedimento operacional PO.OBR.004 – MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS discrimina as atividades necessárias para manter os equipamentos de produção em estado adequado para uso.

6. INSPEÇÃO E ENSAIOS 6.1. Inspeção e ensaios no recebimento: As inspeções e ensaios de recebimento de materiais são controladas por meio de documentos denominados EIM – Procedimento de Especificação e Inspeção de Materiais. Serão utilizados os seguintes PRM neste programa de qualidade:   EIM.01 – Materiais de Escritório EIM.02 – Materiais de Obra

O recebimento de materiais na obra é feito conforme procedimento operacional PO.OBR.007 – RECEBIMENTO DE MATERIAIS EM OBRA. Ao ser entregue o material em obra, o profissional responsável pelo seu recebimento consulto o EIM correspondente e segue a metodologia de inspeção definida, atentando para a formação de lotes, verificações e ensaios a realizar, critérios de aceitação e orientações para armazenamento. Os resultados dessa inspeção são registrados na FVM – Ficha de Verificação de Materiais. 6.2 Inspeção e ensaios no processos de produção: As inspeções e ensaios no processo de produção são realizadas nas obras da empresa por meio de um documento denominado FVS – FICHA DE VERIFICAÇÃO DE 6

MANUAL DE QUALIDADE

JULHO 2010

SERVIÇOS, aplicado em fases consideradas críticas para o prosseguimento das etapas de produção. 6.3 Inspeção e ensaios finais Ao término da obra é feito um recebimento interno, utilizando-se um check-list específico. Após a aprovação da obra pelo cliente interno, a entrega é feita para o cliente externo. Na entrega da obra, entregaremos seu respectivo Book.

7. CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE INSPEÇÃO, MEDIÇÃO E ENSAIOS Os instrumentos de medição, inspeção e ensaios utilizados nas obra que necessitam ser calibrados periodicamente são: trena, prumo manual, prumo a laser e nível a laser. O procedimento operacional PO.OBR.008 – CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE INSPEÇÃO, MEDIÇÃO E ENSAIOS discrimina as atividades para aferição, calibração e manutenção desses equipamentos com o objetivo de manter a precisão, exatidão e estado de conservação adequados ao uso.

8. SITUAÇÃO DE INSPEÇÃO E ENSAIOS A situação de inspeção e ensaios é definida no PO.OBR.006 – INSPEÇÃO E ENSAIO E SUA SITUAÇÃO e abrange a identificação da situação de inspeção no recebimento de materiais em obra e escritório, durante o processo e de produtos acabados.

9. CONTROLE DE PRODUTO NÃO-CONFORME O procedimento de sistema PO.OBR.009 – CONTROLE DE PRODUTOS NÃO-CONFORME estabelece as diretrizes para a identificação, tratamento e disposição de produtos nãoconformes.

10. AÇÕES CORRETIVAS E AÇÕES PREVENTIVAS A partir da análise das não-conformidades, o Engenheiro da obra avalia a necessidade de tomada de ações corretivas ou preventivas. Em caso positivo, ele preenche um RACP – 7

MANUAL DE QUALIDADE

JULHO 2010

RELATÓRIO DE AÇÃO CORRETIVA OU PREVENTIVA. Este processo está descrito no procedimento de sistema PO.OBR.010 – AÇÕES CORRETIVAS E AÇÕES PREVENTIVAS. 11. MANUSEIO, ARMAZENAMENTO, PRESERVAÇÃO E ENTREGA O detalhamento das atividades de manuseio e armazenamento de materiais encontram-se no procedimento operacional específico PO.OBR.003 – MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE MATERIAIS. O procedimento operacional PO.OBR.002 – PRESERVAÇÃO DE PRODUTOS ACABADOS discrimina as ações necessárias para a preservação das partes da obra já acabadas.

12. TREINAMENTO Os treinamentos na obra e no escritório são realizados antes do início de cada etapa, conforme a evolução dos serviços estabelecida no planejamento físico da obra, considerando as necessidades de treinamento definidas pelo Engenheiro de Obra. Novos funcionários contratados durante a execução dos serviços são treinados antes de serem liberados para a produção. Os treinamentos são realizados pela própria obra, sendo que os instrutores são selecionados da seguinte forma: TIPO DE TREINAMENTO PO, FVS, FVM PES EIM PQO INSTRUTOR ENGENHEIRO, COORDENADOR ENGENHEIRO ENGENHEIRO ENGENHEIRO, COORDENADOR

A equipe administrativa da obra também recebe treinamentos programados no Levantamento de Necessidades de Treinamento de toda a empresa conforme estabelecido no PO.RH.001 – TREINAMENTO. Em relação aos procedimentos específicos da obra previstos no PQO, esta equipe é treinada no início da obra para possibilitar o treinamento dos demais níveis de pessoal.

13. CONTROLE DE DOCUMENTOS, DADOS E REGISTROS DA QUALIDADE NA OBRA As obras mantém sob seu controle os seguintes documentos:   Plano de Qualidade da Obra, contendo PES, FVS, EIM e PO aplicáveis à obra; Projetos executivos, detalhamento, especificações, orçamentos, cronograma físicofinanceiro, etc.; 8

MANUAL DE QUALIDADE

JULHO 2010

O Comitê da Qualidade é responsável pelo controle da documentação geral do Sistema da Qualidade da empresa, visando garantir que os mesmos sejam emitidos e revisados por pessoal autorizado e distribuídos de forma a que todos utilizem a mesma revisão. O procedimento de sistema PO.COQ.001 – ELABORAÇÃO, REVISÃO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DA QUALIDADE discrimina as atividades de emissão, controle, revisão, atualização, numeração e distribuição da documentação da qualidade. Os registros da qualidade dos processos gerenciados e operacionalizados pela obra são feitos em planilhas específicas adequadas a cada processo e relacionados ao final de cada procedimento. O controle de registros é realizado conforme o procedimento de sistema PO.COQ.001 – ELABORAÇÃO, REVISÃO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DA QUALIDADE que estabelece as condições de identificação, coleta, indexação, acesso, arquivo, armazenamento, manutenção e disposição de registros.

O presente manual de qualidade foi elaborado por Fabrício Barros, CREA 5062292719, responsável técnico e sócio administrador da empresa em estudo. Foram seguidas as diretrizes presentes no Referencial Normativo Nível “D” do SiAC, e da NBR ISO 9002.

Campinas, 13 de julho de 2010.

9

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->