Você está na página 1de 11

Simulado XXI

Concurso da Polícia Federal

Perito Criminal Federal – Área 6 – Química / Engenharia Química

Questões baseadas num provável edital para o próximo concurso de Perito,


considerando o edital anterior.

Elaboração das questões: Robson Timoteo Damasceno

Bons Estudos e Rumo à ANP!

1
Conhecimentos Básicos
Vamos ser francos. Não é preciso ser sanitarista ou técnico em gestão ambiental para
perceber que o Rio está uma imundície, apinhado de papéis amassados, latinhas, guimbas de
cigarro, cocô de cachorro e cusparadas pelo chão. Um breve passeio pelas calçadas da Zona
Sul já é suficiente para dar um panorama da (horrível) situação. Na semana passada, o prefeito
Eduardo Paes resolveu cravar o dedo na ferida e anunciou uma cruzada radical para reduzir o
lixo deixado nas vias públicas. "As pessoas precisam ser menos porcas", bronqueou. As
palavras fortes não foram um desabafo do momento, um ato impensado. O tom áspero foi
proposital. De fato, a ideia era mexer com os brios do único agente capaz de mudar esse
cenário: o próprio carioca. Diariamente, são despejadas nos aterros sanitários municipais 8 840
toneladas de resíduos, quantidade perfeitamente compatível com uma metrópole. Há, porém,
uma diferença gritante quando esse número é confrontado com os dos grandes centros
urbanos europeus. Aqui, a quantidade de dejetos retirada das ruas corresponde a 37% do total
recolhido pela Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb). Trata-se de uma façanha
às avessas, um mal que, além do aspecto estético, ajuda a disseminar doenças e provoca
enchentes. "Não pode ser assim. Está demais", reclama Paes.
O morador da cidade, chafurdando na imundície, acabou se habituando a desordem e
não se dá conta da dimensão do problema. Na verdade, não consegue entender o óbvio:
muitas vezes, ele próprio é o principal agente da sujeira que tanto o repulsa. Uma pesquisa
encomendada ao Ibope pela ONG Rio como Vamos dá uma ideia do desafio à frente. No
levantamento, 83% dos entrevistados responderam que os cariocas deveriam parar de
emporcalhar as vias públicas. À primeira vista, o número demonstra um grau de
conscientização europeu. A questão é que os outros 17% restantes não são certamente os
únicos a jogar lixo no chão, nas águas do mar, nas calçadas... Caso os tais 83% fossem todos
tão ordeiros na prática como o são no discurso, o Rio hoje se pareceria com Genebra, na Suíça
– lá, a coleta nas ruas equivale a apenas 15% do total, menos da metade do nosso índice. Daí,
conclui-se que uma parcela significativa quer colaborar, incomoda-se com o aspecto
desleixado das praias, mas, de forma contraditória, continua a jogar cascas de coco e palitos
de sorvete por aí. "É preciso mudar de atitude", afirma a presidente da ONG, Rosiska Darcy de
Oliveira.
Quem vem de fora se choca com tal condição. Um estranhamento, diga-se, que
remonta a séculos atrás. Diversos viajantes do passado relataram seu horror diante da sujeira
local. O negociante inglês John Luccock, radicado por aqui entre 1808 e 1818 e autor de Notas
sobre o Rio de Janeiro, achou-a imunda. Outros destacaram a insalubridade e o mau cheiro
reinantes. "Ficamos muito tempo sem ter um órgão responsável pela limpeza urbana", conta o
historiador Milton Teixeira. Nas residências coloniais, atirar detritos pela janela se tornou
prática comum. A alternativa, igualmente condenável, era o despejo na Baía de Guanabara.
Tamanho descaso com a higiene não pertencia a nenhuma classe social específica. Quem
devia dar exemplo fazia pior. Na hora do aperto, dom João VI não relutava em fazer suas
necessidades na rua. Hábito legado ao filho, Pedro I, e recidivo até hoje. "Esse comportamento
é traço de uma cultura hierarquizada e aristocrática", conta o antropólogo Roberto DaMatta.
"Dom João jogava aos céus os restos do frango porque havia sempre um serviçal para catá-lo.
Você suja porque há um outro, invisível, que vai limpar."
Patrick Moraes. Veja Rio. 02/12/2009

A partir do texto acima julgue os itens abaixo.

2
1 – Trata-se de um texto dissertativo, no qual o autor coloca de maneira incisiva sua
opinião sobre o fato relatado e recorrendo ao discurso diretamente ao leitor em alguns
pontos.

2 – No final do primeiro parágrafo, a frase de Paes “Não pode ser assim” está
retomando, mesmo que não diretamente, todo o relato do primeiro parágrafo.

3 – É possível concluir pelo texto que a situação da cidade do Rio de Janeiro, no que se
refere a quantidade de lixo jogada nas ruas, continua a mesma desde a época de dom
João VI.

4 – Pelo fato de estar no singular, a partícula “lo” em “catá-lo” no último período do texto
está retomando “Dom João”.

5 – No segundo parágrafo, “ele próprio” está retomando “morador da cidade”.

6 – Segundo o autor do texto, a sujeira no rio faz parte da cultura hierarquizada e


aristocrática presente no Rio de Janeiro.

7 – Pelos dados do texto, é possível concluir que se o morador do Rio parasse de jogar
lixo na Rua, o total de dejetos recolhidos da cidade diminuiria pela metade.

Nos itens a seguir são reproduzidos trechos de textos. Julgue-os quanto à correção gramatical

8 – Hajam dificuldades de qualquer grandeza, jamais desistiremos.

9 – Ela foi a caça para conseguir a façanha que tanto almejava – se tornar o maior
caçador daquela região.

10 – Circundando a ilha, nada viu que atenção chamasse.

11 – Os bons filhos a casa tornam.

12 – A esperança é a última que morre – mas naquele momento parecia dar um último
suspiro.

13 – Ávido por sucesso, a todos estava disposto a superar.

14 – O seu maior temor era ter que lutar contra seus irmãos de patria.

15 – Tudo seria diferente se aquele dia não existisse...

Sobre as regras de redação oficial, julgue os próximos itens.

16 - Na redação oficial, exige-se, além de lógica e coerência na organização das idéias do


texto, criatividade e eruditismo.

17 - Em relatórios administrativos, pode-se incluir material ilustrativo, tais como


gráficos, tabelas e diagramas, que devem estar incorporados no texto ou anexados a ele.

18 – O ofício deve apresentar, no fecho, o motivo da comunicação e a forma de cortesia


conveniente.

3
Observando a figura acima, que ilustra uma janela em uso do Microsoft Excel, julgue os
próximos itens.

18 – O botão apaga os caracteres de uma célula se clicado.

19 – Se o usuário clicar na célula B4 e pressionar o botão o resultado na célula


será 0,02%.

20 – A planilha está no modo de exibição normal.

21 – A planilha está no modo de célula Pronto.

22 – O botão tem a função Preencher as células.

23 – O botão é conhecido como Botão Office, e está presente em todas as


versões do Office.

24 – Ao se clicar sobre o botão será aberta uma aba que permite excluir e inserir
células.

25 – Ao se clicar no botão abrir-se-á o assistente de gravação de macros.

4
Se Vera viajou, nem Camile nem Carla foram ao casamento. Se Carla não foi ao casamento,
Vanderléia viajou. Se Vanderléia viajou, o navio afundou. Ora, o navio não afundou. Sabendo
disto, julgue os próximos itens.

26 – Camile e Carla não foram ao casamento.

27 – É certo que Camile não foi ao casamento.

28 – Nem Vera e nem Vanderléia viajaram.

29 – Carla foi ao casmento ou Vanderléia viajou.

30 – Vera não viajou e Carla não foi ao casamento.

A Executiva Nacional do DEM decidiu na tarde desta terça-feira (1) deixar a decisão
sobre uma eventual expulsão do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM),
para o dia 10 de dezembro. Arruda é acusado de envolvimento em um esquema de propina no
governo.
O partido estava dividido, com parte de seus integrantes defendendo a expulsão
sumária de Arruda. Contudo, prevaleceu a tese de que a sigla deveria aguardar a defesa do
governador e a elaboração de um relatório para ser votado. Ficou acertado que a votação
ocorrerá na próxima quinta-feira, dia 10 de dezembro. Serão oito dias para que a defesa de
Arruda se manifeste e outros dois dias para que o relatório seja elaborado.
O deputado José Carlos Machado (SE) foi indicado para relatar o caso, mas disse que
terá de conversar com o presidente da sigla, deputado Rodrigo Maia (RJ), antes de aceitar a
incumbência. "Fui pego de surpresa."
Antes mesmo do encerramento da reunião, o líder do partido na Câmara, Ronaldo
Caiado (GO), escreveu no microblog Twitter que a reunião estava "tensa". "Já apresentamos
nosso pedido de expulsão. O partido tem que dar exemplo", defendeu.
Cláudia Andrade. Uol Notícias. 1/12/2009

Acerca do texto acima e dos assuntos pertinentes, avalie os itens subsequentes.

31 – A decisão de aguardar a defesa de Arruda é coerente frente ao passado ilibado do


governador.

32 – O esquema de propina citado foi descoberto pela Operação “Caixa de Pandora” da


Polícia Federal.

33 – O escândalo de José Roberto Arruda é mais um forte choque à moral da base aliada
do governo federal, já manchada pelo episódio do mensalão.

34 – Twitter, citado no texto, é uma rede social no formato de MSN e ICQ.

35 – O DEM é, ao lado do PT, o partido político brasileiro com maior número de cidades
governadas.

Acerca do Direito Penal, julgue os próximos itens.

36 – No caso do crime de homicídio, se o agente comete o crime impelido por motivo de


relevante valor moral o juiz pode reduzir a pena de um sexto a um terço.

37 – Enquanto os crimes sujeitam seus autores a penas de reclusão e detenção, as


contravenções no máximo implicam em prisões simples.

38 – O agente público que, embora não tendo a posse do dinheiro, o subtrai em proveito
próprio, valendo-se da facilidade que lhe proporciona a qualidade de funcionário, comete
modalidade de peculato.

5
39 – O reingresso no território nacional de estrangeiro expulso do País, sem autorização
de autoridade competente e sem que tenha sido revogada a expulsão caracteriza crime
definido no Código Penal e sujeita o agente apenas a nova expulsão após o término do
processo.

40 – A existência de causas concorrentes para o resultado de um fato, preexistentes ou


concomitantes com a do agente, sempre excluem a sua responsabilidade.

Acerca do Direito Processual Penal, julgue os próximos itens.

41 - As prisões temporária e preventiva podem ser decretadas de ofício pelo juiz durante
o inquérito policial e a ação penal.

42 - Admite-se o relaxamento da prisão em flagrante quando a nota de culpa não foi


entregue ao preso no prazo de 48 horas.

43 - O sistema penal brasileiro não admite a oitiva de corréu como testemunha, porque,
por garantia constitucional, ele tem o direito de permanecer calado e tampouco tem o
dever de dizer a verdade.

44 - Quando há elementos suficientes a fundamentar a constrição da liberdade, tal como


a gravidade em concreto da conduta delituosa, a prisão preventiva pode ser decretada
mesmo que o réu seja primário, possua bons antecedentes e exerça profissão lícita.

45 - Somente no procedimento do júri é necessário observar a incomunicabilidade das


testemunhas, pois, no procedimento comum, não há proibição legal de que as
testemunhas saibam ou ouçam os depoimentos umas das outras.

Sobre o Direito Administrativo, avalie os itens subsequentes.

46 – É possível, na esfera federal, uma empresa pública ser organizada sob a forma de
sociedade anônima, sendo a União Federal a sua única proprietária.

47 – O sistema de controle interno da Administração tem a atribuição de aplicar aos


responsáveis, em caso de ilegalidade da despesa, as sanções legais, inclusive multa.

48 – São características do contrato de concessão bilateralidade, a onerosidade, a


comutatividade e a pessoalidade (intuitu personae).

49 – No caso de invalidação por decisão judicial de demissão de servidor estável, o


eventual ocupante da vaga, ao ser reconduzido ao cargo de origem, faz jus à
indenização, visto que não agiu de má-fé.

50 – O servidor reintegrado exercerá as atividades como excedente, na hipótese de


extinção de órgãos.

6
Conhecimentos Específicos
Acerca dos conceitos de Físico-Química avalie os próximos itens.

51 – O corpo humano e o motor de um carro são exemplos de sistemas termodinâmicos


abertos.

52 – Um sistema fechado tem uma quantidade variável de matéria, mas fixa de energia.

53 – Na termodinâmica, a capacidade total de um sistema realizar trabalho é chamada


sua energia interna.

54 – Para um gás, a energia interna é independente do volume.

55 – A energia interna de um sistema isolado é constante.

56 – Um sistema não realizando trabalho de expansão quando se expande no vácuo.

57 – A vaporização de uma substância é um exemplo de um processo exotérmico.

58 – Capacidades molares dos líquidos são geralmente maiores do que as das mesmas
substâncias na fase sólida.

59 – As substâncias só se expandem quando aquecidas no estado gasoso.

60 – A temperatura de uma substância pura é constante em seus pontos de fusão e


ebulição durante esses processos, mesmo que calor continue sendo fornecido.

Com relação aos conceitos da Química Inorgânica, julgue os próximos itens.

61 - Elementos metálicos são tipicamente lustrosos, maleáveis, dúcteis e sólidos


eletricamente condutores em temperatura ambiente. Não-metais são tipicamente gases,
líquidos ou sólidos que não conduzem eletricidade apreciavelmente.

62 – Como resultado da penetração e da blindagem a ordem de energia em átomos


multieletrônicos é normalmente ns>np>nd>nf.

63 – O complexo [Co(NH3)6] apresenta uma absorção ótica em energia mais alta do que
do que aquela do complexo [Co(CO)6].

64 – A correção do modelo covalente é feita usando o conceito de eletronegatividade,


enquanto a correção do modelo iônico é feita usando o conceito de polarizabilidade.

65 – Os compostos que tem elétrons desemparelhados são diamagnéticos.

66 – A teoria mais recente para o estudo dos compostos de coordenação é a teoria da


ligação de valência.

67 – A ligação entre o metal central e os ligantes é completamente resultante de


interações eletrostáticas.

68 – As propriedades magnéticas de um composto de coordenação dependem do estado


de oxidação, da configuração eletrônica e do número de coordenação do elemento
central.

69 - Os ânions dos halogênios, quando participam como ligantes em complexos,


provocam alto grau de desdobramento do campo cristalino, sendo classificados como
ligantes fortes. Nesse grupo da Tabela Periódica, o ânion Iodeto é o ligante mais forte e o
Fluoreto é o mais fraco.

7
70 – Uma propriedade importante do Mercúrio é formar amálgamas com outros metais,
que apresentam uma grande quantidade de usos.

71 – A reação entre a soda cáustica e o ácido clorídrico é um exemplo de reação de


ácido-base de Lewis.

72 – O ânion nitrato é um exemplo de um híbrido de ressonância. Nessas estruturas, a


energia é mais baixa do que a de qualquer estrutura que contribui para a ressonância.

73 – Os metais do bloco s no estado de oxidação de seu grupo são quimicamente duros.

74 – Complexos que são termodinamicamente instáveis mas sobrevivem por longos


períodos são chamados inertes.

75 – Quanto maior o comprimento da ligação covalente, maior o ponto de ebulição da


molécula que a contém.

Observe as reações orgânicas abaixo e, com base nestas, julgue os itens a respeito dos
conhecimentos de Química Orgânica.

76 – A primeira reação mostrada é uma condensação aldólica.

77 – A reação A é uma adição aldólica, que precisa ser catalisada por ácidos.

78 – O reagente da primeira reação é um aldeído ou uma cetona.

79 – A segunda etapa da primeira reação deve ser realizada sob aquecimento.

80 – A segunda reação é um rearranjo de Claisen.

81 – A segunda reação também pode ser realizada com perácidos, como MCPBA.

82 – Há um ácido de Lewis presente no meio reacional da segunda reação.

83 – A ordem de preferência dos substituintes para a segunda reação é CH3 > alquil
primário > alquil terciário.

84 – A segunda reação envolve um ataque da carbonila ao BF 3 na primeira etapa do


mecanismo.

85 – A terceira reação é uma oxidação de Birch.

8
86 – O produto da terceira reação é um ciclodieno.

87 – O reagente da segunda reação é a 2-octanona.

88 – O produto da segunda reação é o acetato de heptila.

90 – O intermediário da primeira reação é um composto quiral.

91 – A terceira reação envolve ataque eletrônico ao anel benzênico.

92 – O produto da terceira reação é aromático.

93 – A fórmula molecular do produto da segunda reação é C8H18O2.

94 – Um dos reagentes usados na terceira reação é altamente pirofórico.

95 – Na primeira reação forma-se um sistema conjugado.

Sobre as técnicas cromatográficas, julgue os próximos itens.

96 – Na cromatografia gasosa, ao contrário do que acontece na maioria dos métodos


cromatográficos, a interação entre a fase móvel e o analito não é importante.

97 – O termo HPLC é usado para descrever as técnicas mais modernas de cromatografia


líquida, que tipicamente usam partículas de pequenos diâmetros ( aproximadamente 10
μm) e altas pressões.

98 – Em análises cromatográficas de materiais biológicos o detector de condutividade


térmica, por ser destrutivo, deve ser evitado.

99 – Em cromatografia gasosa quanto mais volátil a substância analisada mais fino deve
ser o filme da fase estacionária.

100 – A cromatografia é um método de separação caracteristicamente qualitativo,


fornecendo poucas informações quantitativas sobre a amostra analisada.

101 – Em cromatografia usa-se o termo número de pratos teóricos, para descrever os


estágios com separação dentro da coluna, em que vão se formando equilíbrios de
transferência de massa.

102 – No detector de emissão atômica, usado em CG, o eluente é introduzido em um


plasma de hélio energizado por microondas.

103 – Entre as maneiras de localizar manchas de analitos em CCD estão uso de materiais
fluorescentes na fase estacionária (para posterior análise em luz UV) e uso de soluções
que reagem com os analitos, como solução de iodo ou ácido sulfúrico.

104 – Permeação por gel é um tipo de cromatografia por exclusão na qual o recheio é
hidrofílico, sendo usada para separar espécies polares.

105 – Comparativamente, a HPLC tem como vantagens sobre CG ser aplicável a espécies
não voláteis e termicamente instáveis, e a maior facilidade de ser acoplada ao
espectrômetro de massas.

106 – Em HPLC utiliza-se eluições isocráticas, que são aquelas feitas com variação na
composição do solvente durante a análise.

107 – Os detectores mais utilizados para HPLC são os de índice de refração.

9
108 – Colunas quirais podem ser usadas em cromatografia gasosas para separar
enantiômeros.

109 – Detectores termoiônicos são universais.

110 – A Cromatografia Iônica de ânions é uma técnica importante para análises de


fosfatos, fluoretos e nitratos no meio ambiente.

111 – O detector de aprisionamento de íons não pode ser utilizado juntamente com
cromatógrafos gasosos.

112 - Em relação à forma física dos componentes, a cromatografia pode ser subdividida
em cromatografia em coluna e cromatografia planar.

113 - Em se tratando da fase móvel, são apenas dois os tipos de cromatografia: a


cromatografia gasosa e a cromatografia líquida.

114 - A cromatografia líquida apresenta uma importante subdivisão: a cromatografia


líquida clássica (CLC), na qual a fase móvel é arrastada através da coluna apenas pela
força da gravidade, e a cromatografia líquida de alta eficiência (CLAE), na qual se
utilizam fases estacionárias de partículas menores, sendo necessário o uso de uma
bomba de alta pressão para a eluição da fase móvel.

115 – A separação na cromatografia deve-se à adsorção, partição, troca iônica, exclusão


ou misturas desses mecanismos.

116 – Os métodos cromatográficos são usados exclusivamente para fins analíticos.

117 – Na cromatografia por troca iônica de ânions, a fase estacionária apresenta carga
negativa.

118 – Na cromatografia gasosa, o detector compara o sinal emitido pelo gás de arraste
puro e o gás de arraste que contém a substância; por isso, a pureza do gás não é
importante para esse tipo de análise.

119 – Na cromatografia gasosa, a fase estacionária líquida permite que sejam separadas
substâncias de diferentes pesos moleculares.

120 – A cromatografia em camada delgada e a cromatografia gasosa identificam uma


única substância contida na amostra a ser analisada.

10
Revista Perícia Criminal: Qual a colaboração da Polícia Federal no trabalho desenvolvido
pelo Ministério do Meio Ambiente?
Marina Silva: Uma das ações mais importantes do Plano de Prevenção e Combate ao
Desmatamento da Amazônia é o trabalho de desmonte de quadrilhas especializadas em
crimes ambientais, por meio das operações de inteligência da Polícia Federal e do Ibama.
Realizamos 15 grandes operações na região, prendendo cerca de 500 pessoas, 100 delas
servidores do Ibama que praticavam fraudes e corrupção há década e fragilizam a fiscalização
do próprio Ibama. Para ter idéia do impacto dessa ação, no mês em que realizou a Operação
Curupira, em junho de 2005, no Mato Grosso, o desmatamento caiu 95%. O efeito dessa
operação, aliado às operações de fiscalização do IBAMA , resultou na redução de 31% do
desmatamento em toda Amazônia naquele ano. Acredito que a criação das 27 Delegacias
Especializadas em crimes ambientais, no âmbito da Polícia Federal, é uma conquista
fundamental para acabar com a impunidade que sempre existiu em todos os biomas. A
excelência técnica e a credibilidade da Polícia Federal garantem que os que buscam lesar o
patrimônio ambiental estão com dias de impunidade contados.
Revista Perícia Criminal, número 25, Setembro - 2006

Tendo em vista o texto acima, de caráter unicamente inspirador, escreva um texto dissertativo
sobre o tema:

A PERÍCIA CRIMINAL E OS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE

Resoluções das questões e gabarito no grupo PCF Química:


http://groups.yahoo.com/group/Grupo_PCF_Quimica-2008/
Endereços dos tópicos de discussão no Fórum CW:
http://concursos.correioweb.com.br/forum/viewtopic.php?t=88586&start=0
http://concursos.correioweb.com.br/forum/viewtopic.php?t=88586&start=0
http://concursos.correioweb.com.br/forum/viewtopic.php?t=97408&start=0

11