P. 1
Preparação para o Enem 2010- Parte 1

Preparação para o Enem 2010- Parte 1

|Views: 1.072|Likes:
Publicado poredumunk

More info:

Published by: edumunk on Oct 09, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/05/2013

pdf

text

original

2

Desde que foi aplicado pela primeira vez em 1998, o
Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) mostrou-se
diferente dos vestibulares e demais avaliações sele-
tivas por, através de competências e habilidades ad-
quiridas pelo aluno ao longo de sua carreira escolar,
valorizar o raciocínio ao invés da memorização exces-
siva de conteúdos, típica das escolas e cursos especia-
lizados em preparar os “pré-universitários”.
Desta forma, se antes a leitura minuciosa de uma ques-
tão era requisito básico para bem resolver uma prova
de Português ou História, por exemplo, passou-se a
usá-la também como ferramenta necessária para as
provas de disciplinas que, por serem exatas, exigiam
apenas o conhecimento de regras e fórmulas, como a
Matemática. Uma boa interpretação da questão pode
garantir ao candidato um desempenho bastante sa-
tisfatório.
Nos próximos fascículos, apresentaremos questões
resolvidas e comentadas de Matemática, de modo que
você perceba como a construção do conhecimento so-
bre o assunto abordado em cada questão parte dessa
interpretação sem deixar de lado as já citadas regras
e fórmulas.
Por falar em Matemática, um velho problema pode vir
à tona: uma boa parte dos estudantes não gosta dessa
disciplina. Talvez eles a achem difícil, chata, complica-
da... O fato é que é preciso que se tenha em mente que
ela é necessária para aprovação no ENEM, já que 45 das
180 questões do exame são específicas da disciplina.
Isso sem considerar que nas provas de Física e Quími-
ca, por exemplo, o conhecimento matemático é extre-
mamente relevante. Em outros termos, o domínio de
matemática tem um grande peso no ENEM.
Mas, calma! Se você é um desses que não gosta, não
há por que temer. Nossos fascículos foram prepara-
dos de modo que você perceba que questões aparen-
temente complicadas se tornem fáceis. Muitas vezes
a resposta da questão está contida no enunciado. Já
pra quem gosta, prepare-se, pois a prova do ENEM é
um verdadeiro “parque de diversões” pra quem cons-
tantemente desafia sua capacidade de raciocínio e in-
terpretação.
Independente de gostar ou não, treinar é fundamental.
Resolver exercícios e solucionar problemas é a única
forma que garante ao candidato a calma e segurança
necessárias para um bom desempenho. Então, vamos
começar?!
APRESENTAÇÃO
CONTEÚDOS, COMPETÊNCIAS
E HABILIDADES
Já se sabe que o ENEM não é só um teste de conheci-
mento e que a habilidade de interpretar e resolver pro-
blemas é bastante valorizada para um bom desempe-
nho final. Por isso, vamos conhecer os conteúdos que
serão abordados nos próximos fascículos, e lembrar
de forma resumida, suas respectivas competências e
habilidades.
Matemática e suas Tecnologias Matemática e suas Tecnologias
3
1
Conteúdos Competência(s) Habilidades
Conhecimentos numéricos:
operações em conjuntos numéricos
(naturais, inteiros, racionais e reais),
desigualdades, divisibilidade, fatora-
ção, razões e proporções, porcentagem
e juros, relações de dependência entre
grandezas, sequências e progressões,
princípios de contagem.
1 - Construir significados para os nú-
meros naturais, inteiros, racionais e
reais.
1 - Reconhecer, no contexto social, diferentes significados e representações dos núme-
ros e operações - naturais, inteiros, racionais ou reais.
2 - Identificar padrões numéricos ou princípios de contagem.
3 - Resolver situação-problema envolvendo conhecimentos numéricos.
4 - Avaliar a razoabilidade de um resultado numérico na construção de argumentos
sobre afirmações quantitativas.
5 - Avaliar propostas de intervenção na realidade utilizando conhecimentos numéricos.
Conhecimentos geométricos:
características das figuras
geométricas planas e espaciais;
grandezas, unidades de medida
e escalas; comprimentos, áreas
e volumes; ângulos; posições de
retas; simetrias de figuras planas ou
espaciais; congruência e semelhança
de triângulos; teorema de Tales;
relações métricas nos triângulos;
circunferências; trigonometria do
ângulo agudo.
1 - Utilizar o conhecimento
geométrico para realizar a leitura e
a representação da realidade e agir
sobre ela.
2 - Construir noções de grandezas e
medidas, bem como suas variações,
para a compreensão da realidade e a
solução de problemas do cotidiano.
1 - Interpretar a localização e a movimentação de pessoas/objetos no espaço
tridimensional e sua representação no espaço bidimensional.
2 - Identificar características de figuras planas ou espaciais.
3 - Resolver situação-problema que envolva conhecimentos geométricos de espaço
e forma.
4 - Utilizar conhecimentos geométricos de espaço e forma na seleção de
argumentos propostos como solução de problemas do cotidiano.
5 - Identificar relações entre grandezas e unidades de medida.
6 - Utilizar a noção de escalas na leitura de representação de situação do cotidiano.
7 - Resolver situação-problema que envolva medidas de grandezas.
8 - Avaliar o resultado de uma medição na construção de um argumento
consistente.
9 - Avaliar proposta de intervenção na realidade utilizando conhecimentos
geométricos relacionados a grandezas e medidas.
Conhecimentos de estatística e
probabilidade: representação e
análise de dados; medidas de
tendência central (médias, moda e
mediana); desvios e variância; noções
de probabilidade.
1 - Interpretar informações de
natureza científica e social obtidas
da leitura de gráficos e tabelas,
realizando previsão de tendência,
extrapolação, interpolação e
interpretação.
2 - Compreender o caráter aleatório
e não-determinístico dos fenômenos
naturais e sociais e utilizar
instrumentos adequados para
medidas, determinação de amostras
e cálculos de probabilidade para
interpretar informações de variáveis
apresentadas em uma distribuição
estatística.
1 - Utilizar informações expressas em gráficos ou tabelas para fazer inferências.
2 - Resolver problema com dados apresentados em tabelas ou gráficos.
3 - Analisar informações expressas em gráficos ou tabelas como recurso para a
construção de argumentos.
4 - Calcular medidas de tendência central ou de dispersão de um conjunto de
dados expressos em uma tabela de frequências de dados agrupados (não em
classes) ou em gráficos.
5 - Resolver situação-problema que envolva conhecimentos de estatística e
probabilidade.
6 - Utilizar conhecimentos de estatística e probabilidade como recurso para a
construção de argumentação.
7 - Avaliar propostas de intervenção na realidade utilizando conhecimentos de
estatística e probabilidade.
Conhecimentos algébricos:
gráficos e funções; funções algébricas
do 1.º e do 2.º graus, polinomiais,
racionais, exponenciais e logarítmicas;
equações e inequações; relações
no ciclo trigonométrico e funções
trigonométricas.
1 - Modelar e resolver problemas que
envolvem variáveis socioeconômicas
ou técnico-científicas, usando
representações algébricas.
1 - Identificar representações algébricas que expressem a relação entre grandezas.
2 - Resolver situação-problema cuja modelagem envolva conhecimentos
algébricos.
3 - Avaliar propostas de intervenção na realidade utilizando conhecimentos
algébricos.
Conhecimentos algébricos/
geométricos: plano cartesiano;
retas; circunferências; paralelismo
e perpendicularidade, sistemas de
equações.
1 - Modelar e resolver problemas que
envolvem variáveis socioeconômicas
ou técnico-científicas, usando
representações algébricas e
geométricas.
1 - Interpretar gráfico cartesiano que represente relações entre grandezas.
2 - Utilizar conhecimentos algébricos/geométricos como recurso para a construção
de argumentação.
4
01) (ENEM 2009 – QUESTÃO 141)
Uma resolução do Conselho Nacional de Política Energética
(CNPE) estabeleceu a obrigatoriedade de adição de biodísel
ao óleo dísel comercializado nos postos. A exigência é que, a
partir de 1º- de julho de 2009, 4% do volume da mistura final
seja formada por biodísel. Até junho de 2009, esse percentual
era de 3%. Essa medida estimula a demanda de biodísel, bem
como possibilita a redução da importação de dísel de petró-
leo.
Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br.
Acesso em: 12 jul. 2009 (adaptado).
Estimativas indicam que, com a adição de 4% de biodísel ao
dísel, serão consumidos 925 milhões de litros de biodísel no
segundo semestre de 2009. Considerando-se essa estimati-
va, para o mesmo volume da mistura final dísel/biodísel con-
sumida no segundo semestre de 2009, qual seria o consumo
de biodísel com a adição de 3%?
A) 27,75 milhões de litros.
B) 37,00 milhões de litros.
C) 231,25 milhões de litros.
D) 693,75 milhões de litros.
E) 888,00 milhões de litros.
Comentário inicial: O texto introdutório surge apenas como ins-
trumento de informação. Ele não apresenta nenhuma informa-
ção que não seja repetida e relevante na pergunta da questão.
Já a pergunta principal pode ser resumida da seguinte forma:
se com a adição de 4% de biodiesel ao diesel, serão consumidos
925 milhões de litros de biodiesel, quantos milhões de litros se-
riam consumidos com a adição de 3%?
Dica: Procure resolver esta situação problema envolvendo a va-
riação de grandezas, diretamente ou inversamente proporcio-
nais.
As grandezas são diretamente proporcionais quando a variação
de uma provoca a variação de outra na mesma razão. Por exem-
plo, se dois padeiros fazem 50 pães em um determinado tempo,
quatro padeiros fariam 100 pães nesse mesmo tempo. Dobrou
o número de padeiros, dobrou o número de pães. Porém, se uti-
lizarmos operações inversas nas grandezas, estamos diante de
grandezas inversamente proporcionais. Por exemplo, supondo
que 5 homens constroem uma casa em dois meses, caso con-
trate 10 homens esta casa será construída em 1 mês. Observe
que eu aumentei o número de homens e diminui o tempo da
construção.
Tanto para grandezas diretamente como inversamente propor-
cionais, utilizamos a “regra de três”. Para resolvê-la, faça o se-
guinte:
i) Organize uma espécie de tabela, colocando na mesma coluna
as grandezas de mesma natureza.
ii) Verifique se as grandezas são diretamente ou inversamente
proporcionais. Se as grandezas forem diretamente proporcio-
nais faça uma multiplicação dos dados em forma de “x”. Caso
sejam inversas, faça uma multiplicação em linha reta.
SE AS GRANDEZAS FOREM
DIRETAMENTE PROPORCIONAIS
Padeiros Pães
2 50
4 x
2 . x = 4 . 50
SE AS GRANDEZAS FOREM
INVERSAMENTE PROPORCIONAIS
Pedreiros Mês(es)
5 2
10 x
5 . 2 = 10 . x
Resolução: A questão nos remete ao conhecimento de Regra de
Três Simples e para tal, é preciso que saibamos as variáveis envol-
vidas. Neste caso, as variáveis são percentual de adição de biodiesel
ao diesel e quantidade produzida de litros de biodiesel. Desta for-
ma, poderíamos algebricamente representar da seguinte forma:
Percentual de adição Quantidade produzida
4 925
3 x
O princípio da regra de três simples nos diz que se de quatro
valores conhecemos três, podemos então determinar o que está
faltando. Neste caso, temos como saber o valor de “x”. Conside-
rando que se diminuirmos o percentual de adição, a quantidade
produzida também diminuirá. Concluímos que estamos diante
de grandezas diretamente proporcionais. Portanto, devemos
formar uma equação multiplicando os valores em forma de x.
QUESTÕES
Matemática e suas Tecnologias Matemática e suas Tecnologias
5
1
Percentual de adição Quantidade produzida
4 925
3 x

4 . x = 3 . 925
4x = 2775
x = 2775
4
x = 693,75
Portanto, o item correto é o “D”.
02) (ENEM 2009 – QUESTÃO 144)
A música e a matemática se encontram na representação dos
tempos das notas musicais, conforme a figura seguinte.

Um compasso é uma unidade musical composta por determi-
nada quantidade de notas musicais em que a soma das dura-
ções coincide com a fração indicada como fórmula do compas-
so. Por exemplo, se a fórmula de compasso for 1/2, poderia
ter um compasso ou com duas semínimas ou uma mínima ou
quatro colcheias, sendo possível a combinação de diferentes
figuras. Um trecho musical de oito compassos, cuja fórmula é
3/4, poderia ser preenchido com:
A) 24 fusas.
B) 3 semínimas.
C) 8 semínimas.
D) 24 colcheias e 12 semínimas.
E) 16 semínimas e 8 semicolcheias.
Comentário: Observemos o exemplo dado pela questão:
Sendo a fórmula do compasso 1/2, temos que
i) um compasso = duas semínimas porque
1 . 1 = 2 . 1 → 1 = 2
2 4 2 4
ii) um compasso = quatro colcheias porque
1 . 1 = 4 . 1 → 1 = 4
2 8 2 8
Dica: você deve reconhecer a representação e equivalência en-
tre números racionais (frações) e números inteiros, bem como
aplicar cálculos envolvendo estes conjuntos numéricos. Deve
ainda reconhecer, num contexto, diferentes significados e re-
presentações de números.
A equivalência entre um número racional representado na for-
ma de fração e um número inteiro é possível se o numerador for
múltiplo do denominador, já que a fração é uma das formas de
divisão. Portanto, um exemplo disso é que 8/4 = 2.
Duas frações também podem ser equivalentes, se a simplificar-
mos irredutivelmente e chegarmos aos mesmos resultados.
Convém ainda lembrar os procedimentos para operações com
frações:
i) Adição e subtração de frações de mesmo denominador: some
ou diminua os numeradores e repita o denominador. Caso seja
necessário, simplifique o resultado.
ii) Adição e subtração de frações de denominadores diferentes:
encontre o mmc (mínimo múltiplo comum) dos denominado-
res. Encontrado esse mmc, faça o seguinte procedimento para
unificar os denominadores, conservando o sinal da operação
em questão: dividida o mmc encontrado pelo denominador e o
resultado multiplique pelo numerador. Caso seja necessário,
simplifique o resultado.
iii) Multiplicação de fração por fração: multiplique o numerador
com numerador e denominador com denominador. Caso seja
necessário, simplifique o resultado.
iv) Multiplicação de fração por número inteiro: multiplique o nú-
mero inteiro pelo numerador e repita o denominador. Caso seja
necessário, simplifique o produto.
Semibreve
Mínima
Semínima
Colcheia
Semicolcheia
Fusa
Semifusa
1
1/2
1/4
1/8
1/16
1/32
1/64
6
v) Divisão de frações: multiplique a primeira fração pelo inverso
da segunda. Caso seja necessário, simplifique o produto.

Resolução: Com base em dois dos três exemplos citados pode-
mos resolver da seguinte maneira:
Oito compassos, cuja fórmula é 3/4, correspondem a
8 . 3 = 8 . 3 = 24 = 6
4 4 4
Analisando item a item iremos descobrir qual terá também
como resultado 6.
A) 24 fusas correspondem a 24 . 1 = 24
32 32
Essa divisão não é possível, porém se simplificarmos, dividindo
o numerador e o denominador por 8 teremos como resultado
3/4. O item não corresponde.
B) 3 semínimas correspondem a 3 . 1 = 3
4 4
O item não corresponde.
C) 8 semínimas correspondem a 8 . 1 = 8
4 4
Neste caso, o resultado é 2; logo, o item não corresponde.
D) 24 colcheias e 12 semínimas correspondem a
(24 . 1 ) + (12 . 1 ) = 24 + 12 = 3 + 3 = 6.
8 4 8 4
Este item corresponde.
E) 16 semínimas e 8 semicolcheias correspondem a
(16 . 1 ) + (8 . 1 ) = 16 + 8 = 4 + 1 = 9 .
4 16 4 16 2 2
O item não corresponde.
Portanto, o item correto é o “D”.
03) (ENEM 2009 – QUESTÃO 150)
Brasil e França têm relações comerciais há mais de 200 anos.
Enquanto a França é a 5.ª nação mais rica do planeta, o Brasil é
a 10.ª, e ambas se destacam na economia mundial. No entanto,
devido a uma série de restrições, o comércio entre esses dois
países ainda não é adequadamente explorado, como mostra a
tabela seguinte, referente ao período 2003-2007.
Investimentos Bilaterais
(em milhões de dólares)
Ano Brasil na França França no Brasil
2003 367 825
2004 357 485
2005 354 1.458
2006 539 744
2007 280 1.214
Disponível em: www.cartacapital.com.br.
Acesso em: 7 jul. 2009.
Os dados da tabela mostram que, no período considerado, os
valores médios dos investimentos da França no Brasil foram
maiores que os investimentos do Brasil na França em um va-
lor
a) inferior a 300 milhões de dólares.
b) superior a 300 milhões de dólares, mas inferior a 400 mi-
lhões de dólares.
c) superior a 400 milhões de dólares, mas inferior a 500 mi-
lhões de dólares.
d) superior a 500 milhões de dólares, mas inferior a 600 mi-
lhões de dólares.
e) superior a 600 milhões de dólares.
Comentário: Apesar de tratar de uma análise de tabela e de mé-
dia aritmética, a solução da questão só será determinada com a
diferença (subtração) entre dois valores.
Dica: Você deverá calcular medidas de tendência central ou de
dispersão de um conjunto de dados expressos em uma tabe-
la, aplicando operação matemática (subtração) para resolver o
problema.
A medida de tendência central em questão é a “média aritmé-
tica”. Para calcular uma média aritmética devemos somar os
valores dados e o resultado dividir pelo número de valores que
foram somados. Se for calcular a média de dados de uma coluna
de uma certa tabela, some os valores informados nesta coluna e
divida pelo número de dados dessa mesma coluna.
Resolução: Inicialmente vamos calcular as médias aritméticas
(já que a questão cita valores médios) de investimentos de am-
bos países no período de 5 anos (2003 até 2007):
Matemática e suas Tecnologias Matemática e suas Tecnologias
7
1
i) Cálculo da média dos investimentos do Brasil na França:
367 + 357 + 354 + 539 + 280 = 1897 = 379,4
5 5
ii) Cálculo da média dos investimentos da França no Brasil:
825 + 485 + 1458 + 744 + 1214 = 4726 = 945,2
5 5
Subtraindo temos: 945,2 – 379,4 = 565,8, valor este compreendi-
do entre 500 milhões de dólares e 600 milhões de dólares.
Portanto, o item correto é o “D”.
04) (ENEM 2009 – QUESTÃO 162)
Uma escola lançou uma campanha para seus alunos arreca-
darem, durante 30 dias, alimentos não perecíveis para doar
a uma comunidade carente da região. Vinte alunos aceitaram
a tarefa e nos primeiros 10 dias trabalharam 3 horas diárias,
arrecadando 12kg de alimentos por dia. Animados com os re-
sultados, 30 novos alunos somaram-se ao grupo, e passaram
a trabalhar 4 horas por dia nos dias seguintes até o término
da campanha.
Admitindo-se que o ritmo de coleta tenha se mantido constan-
te, a quantidade de alimentos arrecadados ao final do prazo
estipulado seria de
A) 920kg.
B) 800kg.
C) 720kg.
D) 600kg.
E) 570kg.
Comentário: Perceba que estamos tratando de mais de duas
grandezas (variáveis): quantidade de alunos, dias trabalhados,
horas trabalhadas e quantidade de alimentos arrecadados. Por-
tanto, o assunto em questão é Regra de Três Composta.
Dica: Procure resolver esta situação problema envolvendo a varia-
ção de grandezas diretamente ou inversamente proporcionais.
A regra de três composta é utilizada quando se quer descobrir
um único valor a partir de três, cinco ou mais valores já conhe-
cidos. Assim como na regra de três simples, é importante saber
o conceito de grandezas diretamente proporcionais e inversa-
mente proporcionais, o que já vimos na primeira questão resol-
vida neste fascículo.
i) Organize uma espécie de tabela, colocando na mesma coluna
as grandezas de mesma natureza.
ii) Verifique se as grandezas são diretamente ou inversamente
proporcionais.
iii) Se em alguma coluna existir valores inversamente propor-
cionais, faça a inversão.
iv) Forme razões entre os dados da mesma natureza, colocan-
do antes da igualdade a razão que tiver o valor desconhecido e
depois da igualdade uma multiplicação entre as demais razões,
obtendo apenas duas razões que serão separadas por uma igual-
dade. Multiplique-as em forma de “x” e obtenha o resultado.
Resolução: Inicialmente sabemos que se por dia eram arreca-
dados 12 kg de alimentos, em 10 dias foram arrecadados 120
kg.
Vamos organizar os dados para sabermos quanto foi arrecadado
nos demais dias:
Alunos Dias Horas Qtde. de alimentos
20 10 3 120
50 (20 + 30) 20 4 x
As grandezas são diretamente proporcionais, já que se aumen-
tarmos as horas, dias trabalhados e quantidade de pessoas, a
quantidade de alimentos também aumentará. Portanto, tere-
mos:
120 = 20 . 10 . 3
x 50 20 4
120 = 600
x 4000
600 x = 480000
x = 480000 = 800
600
Logo, se nesses 20 dias foram arrecadados 800Kg e nos dez
primeiros dias foram arrecadados 120Kg, teremos ao final dos
trinta dias 920Kg.
Portanto, o item correto é o “A”.
8
05) (ENEM 2009 – QUESTÃO 167)
O quadro apresenta informações da área aproximada de cada
bioma brasileiro.
biomas
continentais
brasileiros
área
aproximada
(km
2
)
área / total
Brasil
Amazônia 4.196.943 49,29%
Cerrado 2.036.448 23,92%
Mata Atlântica 1.110.182 13,04%
Caatinga 844.453 9,92%
Pampa 176.496 2,07%
Pantanal 150.355 1,76%
Área Total Brasil 8.514.877

Disponível em: www.ibge.gov.br
Acesso em: 10 jul. 2009 (adaptado).
É comum em conversas informais, ou mesmo em noticiários,
o uso de múltiplos da área de um campo de futebol (com as
medidas de 120 m x 90 m) para auxiliar a visualização de áreas
consideradas extensas. Nesse caso, qual é o número de cam-
pos de futebol correspondente à área aproximada do bioma
Pantanal?
A) 1.400
B) 14.000
C) 140.000
D) 1.400.000
E) 14.000.000
Comentário: Em questões que envolvam unidades de medida
de tamanhos e distâncias, por exemplo, é importante que se ve-
rifique logo se existe ou não concordância nas mesmas. Neste
exercício, por exemplo, a área dos biomas é dada em Km2 e a
área do campo de futebol será dada em m2. Portanto, isso fará
muita diferença na resposta final.
Dica: Se você perceber bem, esta situação-problema envolve
conhecimentos geométricos de espaço e forma, portanto pro-
cure resolvê-la envolvendo medidas de grandeza. Ainda será
preciso que você tenha uma breve noção de escalas na leitura
de representação de situação do cotidiano.
É importante sempre associar um objeto ou espaço com alguma
forma geométrica. Feito isso, devemos apenas aplicar a fórmula
correspondente a esta forma. Neste caso, o campo de futebol
corresponde a um retângulo. A área de um retângulo é dada
por:

Área = base x altura
A = b x h

Para saber o quanto uma área corresponde a outra, devemos
apenas fazer uma divisão, obedecendo a razão que é pedida no
enunciado da questão e tomando o cuidado de unificar, quando
necessário, as unidades de medida.

Resolução: A área do Pantanal é de 150.355 Km
2
. Calculemos
agora a área do campo de futebol em questão:
Por se tratar de uma forma retangular, teremos:

A = b x h
A = 120 x 90 = 10.800 m2
Logo, para sabermos a quantos campos de futebol correspon-
dem a área do Pantanal, devemos efetuar a seguinte divisão:
150.355 Km
2
10.800 m
2
porém lembrando que devemos unificar as unidades de medida:
Assim como 1 km = 1000 m, sabemos que 1 Km
2
= 1000000 m
Desta forma a divisão correta é
150.355 x 1.000.000 = 13.922.000
10.800
O item que mais se aproxima é o “E”.
Portanto, o item correto é o “E”.
base
a
l
t
u
r
a
120 m
9
0

m
~
Matemática e suas Tecnologias Matemática e suas Tecnologias
9
1
06) (ENEM 2009 – QUESTÃO 178)
João deve 12 parcelas de R$ 150,00 referentes ao cheque es-
pecial de seu banco e cinco parcelas de R$ 80,00 referentes
ao cartão de crédito. O gerente do banco lhe ofereceu duas
parcelas de desconto no cheque especial, caso João quitas-
se esta dívida imediatamente ou, na mesma condição, isto é,
quitação imediata, com 25% de desconto na dívida do cartão.
João também poderia renegociar suas dívidas em 18 parcelas
mensais de R$ 125,00. Sabendo desses termos, José, amigo
de João, ofereceu-lhe emprestar o dinheiro que julgasse ne-
cessário pelo tempo de 18 meses, com juros de 25% sobre o
total emprestado.
A opção que dá a João o menor gasto seria
A) renegociar suas dívidas com o banco.
B) pegar emprestado de José o dinheiro referente à quitação
das duas dívidas.
C) recusar o empréstimo de José e pagar todas as parcelas
pendentes nos devidos prazos.
D) pegar emprestado de José o dinheiro referente à quitação
do cheque especial e pagar as parcelas do cartão de crédito.
E) pegar emprestado de José o dinheiro referente à quitação
do cartão de crédito e pagar as parcelas do cheque especial.
Comentário: Uma questão como esta dispõe já no enunciado
de diversas opções de cálculo. Convém, porém, que façamos a
análise de item por item. Um detalhe: na proposta de emprés-
timo de José, o valor dos juros é de 25% independente do perío-
do. Portanto os 18 meses citados serão irrelevantes para estes
cálculos.
Dica: Procure avaliar a razoabilidade de um resultado numérico
na construção de argumentos sobre afirmações quantitativas.
Faça isso, resolvendo situação-problema que envolve conheci-
mentos sobre expressões numéricas e porcentagem.
O cálculo de uma porcentagem é dado da seguinte maneira:
X% de Y = X . Y = X . Y
100 100
Resolução: Vamos analisar caso a caso as situações para che-
garmos à conclusão de qual opção representa menor gasto:
i) Valor da dívida: (12 parcelas x R$ 150,00) + (5 parcelas x R$
80,00) = 1800 + 400 = 2200
ii) Item A - Renegociação da dívida com o banco: 18 parcelas
mensais de R$ 125,00
18 x 125 = 2250. Este valor já ultrapassa em R$ 50,00 o valor real.
O gasto não se tornaria menor.
iii) Item B - Pegar emprestado de José o dinheiro referente à
quitação das duas dívidas não significaria menor gasto, pois o
fato de estar sendo cobrado juro já implica em um valor em cima
dos R$ 2200. No caso, 2200 mais 25% dos 2200, que equivale a
2200 mais (25 x 2200).
100
Valor final de 2200 mais 550, totalizando um gasto de R$
2750,00.
iv) Item C - Recusar o empréstimo de José e pagar todas as par-
celas pendentes nos devidos prazos: o gasto final seria de R$
2200.
v) Item D - Pegar emprestado de José o dinheiro referente à
quitação do cheque especial e pagar as parcelas do cartão de
crédito.
Ele pegaria com José 1500, já que ele ao invés de 12 pa-
garia 10 parcelas de 150,00 de acordo com a propos-
ta do gerente de lhe descontar duas parcelas, mais
25% dos 1500 pegos emprestado, o que equivale a
25 x 1500 = 375
100
o d n a z i l a t o t , o ã t r a c o d s o d i t n a m m a i r e s e u q 0 0 , 0 0 4 $ R s o s i a m e
R$ 2275,00 e não faz deste um gasto menor:
1500 + 375 + 400 = 2275
vi) Item E - pegar emprestado de José o dinheiro referente à
quitação do cartão de crédito e pagar as parcelas do cheque es-
pecial.
Para isso, ele pegaria com José R$ 300,00 (já que ele teria des-
conto de 25% do banco, o que corresponde a R$ 100,00), somava
mais 1800 do cheque especial (12 parcelas de 150,00), mais os
juros dos R$ 300,00 pegos emprestados que equivale a
300 x 25 = 75
100
totalizando 2175 e sendo este um gasto menor que os anterio-
res:
300 + 1800 + 75 = 2175
Portanto, o item correto é o “E”.
10
07) (ENEM 2009 – QUESTÃO 137)
O mapa abaixo representa um bairro de determinada cida-
de, no qual as flechas indicam o sentido das mãos do tráfego.
Sabe-se que esse bairro foi planejado e que cada quadra re-
presentada na figura é um terreno quadrado, de lado igual a
200 metros.

Desconsiderando-se a largura das ruas, qual seria o tempo, em
minutos, que um ônibus, em velocidade constante e igual a 40 km/
h, partindo do ponto X, demoraria para chegar até o ponto Y?
A) 25 min
B) 15 min
C) 2,5 min
D) 1,5 min
E) 0,15 min
Comentário: Antes de resolver a questão, procure atentar e obede-
cer o sentido das setas e qual o caminho mais rápido para partir de
X e chegar a Y. Além disso, perceba que o autor da questão pergunta
o tempo, em minutos e a velocidade está em quilômetro por hora.
Dica: Você deverá interpretar a localização e a movimentação
de objetos no espaço e, ainda, as relações entre grandezas e
unidades de medida.
Se numa divisão, o dividendo (numerador) estiver em Km e o di-
visor (denominador) em Km/h, devemos multiplicar o resultado
por 60 (quantidade de minutos em uma hora). Isso se a resposta
for pedida em minutos. Caso fosse pedida em horas, multiplica-
ríamos por 1 e o resultado não seria alterado.
(Lembra da regra da divisão de número inteiro por fração ou
fração por fração? Repete a primeira e multiplica pelo inverso
da segunda!)
Resolução: O caminho mais rápido é alcançado se forem segui-
das 5 setas (cinco quadras). Observe na figura:

Como cada quadra tem 200m de largura, teremos 1000m per-
corridos. Considerando que 1000m corresponde a 1 km, para
calcular o tempo, teríamos que dividir a distância pela velocida-
de e o resultado multiplicar por 60 (minutos), já que o tempo é
pedido em minutos.
T = 1 . 60 = 60 = 1,5 min
40 40
Portanto, o item correto é o “D”.
08) (ENEM 2009 – QUESTÃO 165)
Doze times se inscreveram em um torneio de futebol amador.
O jogo de abertura do torneio foi escolhido da seguinte forma:
primeiro foram sorteados 4 times para compor o Grupo A. Em
seguida, entre os times do Grupo A, foram sorteados 2 times
para realizar o jogo de abertura do torneio, sendo que o pri-
meiro deles jogaria em seu próprio campo, e o segundo seria o
time visitante. A quantidade total de escolhas possíveis para o
Grupo A e a quantidade total de escolhas dos times do jogo de
abertura podem ser calculadas através de
A) uma combinação e um arranjo, respectivamente.
B) um arranjo e uma combinação, respectivamente.
C) um arranjo e uma permutação, respectivamente.
D) duas combinações.
E) dois arranjos.
Comentário: Esta questão exige muito cuidado em sua interpre-
tação. É necessário também que você saiba organizar a respos-
ta, organizando o que a questão está pedindo. Nesta, ela pede a
quantidade total de escolhas possíveis para o Grupo A e a quan-
tidade total de escolhas dos times do jogo de abertura. Portanto,
é preciso analisar o que se pede separadamente.
Dica: Procure identificar padrões numéricos ou princípios de
contagem.
;
<
;
<
;.P
<
.P
K
;.P
K
<.P
Matemática e suas Tecnologias Matemática e suas Tecnologias
11
1
Vamos entender o que diferencia combinação, arranjo e permu-
tação. Usamos combinação quando quisermos agrupar coisas
que a ordem não importa. Caso a ordem importe, estaremos
tratando de arranjo. A permutação é usada quando objetos dis-
tintos podem ser arranjados em inúmeras ordens diferentes.
Resolução: Para saber a quantidade total de escolhas possíveis
para o Grupo A, a ordem não importa, portanto podemos usar
combinação. Já para saber a quantidade total de escolhas dos
times do jogo de abertura devemos considerar que o primeiro
escolhido jogaria em seu próprio campo, enquanto o segundo
jogaria como visitante, ou seja, a ordem é importante. Usaría-
mos então um arranjo.
Portanto, o item correto é o “A”.
Estas são questões para você tentar resolver. As respostas virão
comentadas nos próximos fascículos.
01) (ENEM 2005 – QUESTÃO 26)
Podemos estimar o consumo de energia elétrica de uma casa
considerando as principais fontes desse consumo. Pense na
situação em que apenas os aparelhos que constam da tabela
abaixo fossem utilizados diariamente da mesma forma. A ta-
bela fornece a potência e o tempo efetivo de uso diário de cada
aparelho doméstico.

Aparelho Potência (KW)
Tempo de uso
diário (horas)
Ar condicionado 1,5 8
Chuveiro elétrico 3,3 1/3
Freezer 0,2 10
Geladeira 0,35 10
Lâmpadas 0,10 6
Supondo que o mês tenha 30 dias e que o custo de 1 KWh é de
R$ 0,40, o consumo de energia elétrica mensal dessa casa, é
de aproximadamente:
A) R$ 135
B) R$ 165
C) R$ 190
D) R$ 210
E) R$ 230
02) (ENEM 2005 – QUESTÃO 42)
Um pátio de grandes dimensões vai ser revestido por pastilhas
quadradas brancas e pretas, segundo o padrão representado
abaixo, que vai ser repetido em toda a extensão do pátio.

As pastilhas de cor branca custam R$ 8,00 por metro quadra-
do e as de cor preta, R$ 10,00. O custo por metro quadrado do
revestimento será de
A) R$ 8,20
B) R$ 8,40
C) R$ 8,60
D) R$ 8,80
E) R$ 9,00
Cinco dicas para bem resolver a prova de
Matemática e suas Tecnologias
1. Matemática se aprende exercitando, e como a prova do ENEM é bem
diferenciada, procure montar um banco de questões composto por
provas deste exame dos anos anteriores e as resolva pelo menos duas
vezes cada.
2. Sabendo que a prova de matemática é composta por 45 questões e exige
mais raciocínio, procure definir um tempo médio para cada questão a
fim de evitar que não dê tempo de resolver as demais provas.
3. Procure definir que assuntos você domina bem e quais não domina.
Feito isso, procure se aprofundar naqueles que podem lhe apresentar
dificuldades.
4. Leia e releia as questões quantas vezes forem necessárias. De
cara, as questões parecem difíceis, mas calma e perseverança são
fundamentais.
5. Se você realmente estiver estudado, estiver se preparado, resta confiar
na sua capacidade. Não desanime jamais e saiba que a prova do ENEM
é justa para quem exercitou a boa leitura, interpretação e uso do
raciocínio.
DESAFIOS
PROJETO DESAFIO ENEM 2010 I Jornal Diário do Nordeste I COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA: Prof.Francisco Sidney Nogueira
Brito e Prof. Jackson José Nogueira de Brito I PROFESSORES AUTORES: Gustavo Maximino Lima, Luiza Alice Lopes Menezes,
Ítalo Felipe Gomes e Patrícia Moreira Sampaio I EDITORA VERDES MARES LTDA (Praça da Impresa s/n - Fortaleza/CE - CEP:
60.135-690) I Diretoria Comercial: Antônio Vidal I Gerência Comercial: Alana Aguiar I Planejamento de Vendas: Camila Coutinho.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->