Você está na página 1de 1

Servidores estaduais ativos e inativos

possuem direito a reajustes da Lei 10.395/95

Policiais militares, policiais civis, das Autarquias, exceto Banrisul, e


integrantes do magistério estadual não receberam as últimas parcelas do
reajuste salarial determinado em 1995 que fora fracionada em seis parcelas,
sendo que as quatro primeiras foram deferidas e as duas últimas, que deveriam
ter sido pagas em julho e dezembro de 1996, foram sonegadas com base na
edição da chamada 'Lei Camata'.

Ocorre que os Tribunais Superiores reconheceram a auto-aplicabilidade da


Lei 10.395/95, que foi editada anteriormente a edição da 'Lei Camata', fazendo
jurisprudência favorável aos servidores estudais para ingressarem com suas
ações judiciais. É possível obter o reajuste dos vencimentos atuais e buscar os
últimos (5) cinco anos atrasados com juros e correção monetária.

Quanto ao magistério os índices de reajuste são de 11,70% e 10,37%,


previstos no art. 8º, IV e V, da Lei-RS nº. 10.395/95, com os reflexos em 13º
vencimentos e demais vantagens a ele devidas que tenham incidência sobre o
vencimento básico, atrasados que devem ser corrigidos monetariamente pela
variação do IGP-M, a contar do vencimento de cada parcela, e acrescidos de
juros de mora à taxa de 6% ao ano, a contar da citação.

Tão pacificados estão os temas, que o próprio Estado do Rio Grande do


Sul, por intermédio de seus diligentes representantes judiciais, foi dispensado
de recorrer das sentenças de procedência proferidas nos feitos desta natureza.

Tem direito mesmo funcionários inativos, aposentados, autárquicos,


pensionistas, extranumerários, contratados, e também, aqueles que
ingressaram após a referida lei.