Você está na página 1de 1
66 Atabetzacéo e letamento apontadas, a fim de melhor situar esta terceira: para uma perspectiva estrutural da alfabetizacdo, 0 objeto de estudo sio as variedades dialetais © suas implicagdes para a aprendizagem da lingua escrita (implicagies decorrentes das relagées entre gramaticas das variedades dialetais a da lingua escrita); para uma perspectiva funcional voltada para as funcdes sociais da escrita, © objeto de estudo sao as relagdes entre a aprendizagem da lingua escrta e o valor «papel social que Ihe atribuem grupos sociais diferentes; para uma perspectiva funcional voltada para as finalidades da enunciagao, 0 objeto de estudo articulagdes entre o uso da lingua € os contextos sociais de interacdo, suas repercussdes na organizacio do sistema semiintico e as implicagées disso para a aprendizagem da escrita. Em outras palavras, para essa segunda perspectiva funcional, o objeto de estudo so as variedades diatipicas, ou registros (Halliday. 1978). Enquanto os dialeras, objeto de estudos estruturas, descrever a distri espacial e hierdrquica de aspectos fonoldgicos, Iéxicos, morfol6gicos,sintitico os registros, objeto de estudos funcionais, voltam-se para o sistema sociossemantico, e deserevem a distribuigao social de modos de significacio. Protendo, nesta exposigio, desenvolver algumas reflexdes e apresentar alguns resultados de pesquisa a respeito da alfabetizacao', no Brasil, sob essa segunda perspectiva funcional da lingua escrita, voltada para as finalidades da cenunciagiio — uma perspectiva que busque as relagdes entre a aquisigao da lingua escrita e a distribuicio social dos modos de significagio. Entretanto, para chegar a discussdo dos problemas da alfabetizagio sob essa perspeetiva diseutite em primeiro lugar, a hipdtese de que, em classes sociais diferentes diferentes as fungbes atribuidas a0 uso da lingua, e apontarei as repervussdes disso na escola, particularmente nas séries iniciais, durante as quais se desenvolve © processo de aquisigdio da escrita; em segundo lugar, procurarei amp hipotese, mostrando como essas diferengas se refletem no uso da eserita por alunos das primeiras séries do ensino fundamental, pertencentes a diferentes lasses sociais; estabelecidos esses pressupastos, tentarei evidenciar, através de textos produzidos por alunos no inicio do processo de aprendizagem da escrita, a imterferéncia dessas diferencas, desde o primeiro momento, no processo dessa aprendizagem, levando a crianga a (desJaprender as fungSes da escrita — tema central dessa exposiga0. CComecemos pela hipstese de que classes sociais diferentes atribuem fungdes diferentes ao uso da lingua. Um componente importante da aquisigio da fala pela crianga é a aprendizagem das fungdes atribuidas ao uso da lingua (o “aprender a significar”, para usar a expresso de Halliday, 1975: learning how to mean). Ora, como essa aprendizagem se faz. por intermédio do processo de socializacao, a erianga aprenders a aribuir’ Lingua as fungGes que Ihe aribui o eontexto cultural em que aprende. Partindo da premissa de que 0 proceso de sovializagao tem caracteristicas fundamentalmente diferentes, em classes sociais diferentes