Você está na página 1de 1
AraetaacGe: @ (desjaprencizagem dos fungées da ererta 71 $e Gu BIKES ser 0 forca do cored, Se eu pudiesse ser a uz co amor. 59 ou pudesse ser @ uniGo ene um homem e uma mulher. Se eu pudese ser a felcidade do mundo. Se ou pudesse ser uina iogrima, mas uma lagine de olagris misiurada com amor ¢ uniao, Mos eu nao posto... U 5 posso ser uma simples menininha de 9 anos de idade que ‘quet sar todas essas coisas. Se eu pudesse ver um merino com um sonis0 no cara com os alhos biihando de felicidade, cantando € bneando neue. Mas eunde posto wer porque o homer esta Gesttuindo amore a alegic © orando a violencia, Se eu pudesse acaivar com a: \Yolénela e lular pele arn, © mundo vera « sr aquele mundo chelo {Ge omer catinno € Unido enit todas os pessoas que existe nele. Se eu [pudesse ser uma passarinho @ sar Nor af voando e transporiando amor, carinno e uniGe eniia as pessoas, Ant Se eu pudesse. Menina, nivel socioecondmico alto, 3 série. Ge Gu pudese fer Mals GTIOr no COTOgGO, 86 GU PudeRe ser mois humide. Se eu pudesse comprar um passarinho, um papagaio, uNa: bboneca, um macaquinho, bxinquedos pare meus sobrnNos, founds para mim, pare mina mae. ‘Se 2u pudesse set odedlente mais do que eu sou, se eu pudesse par ‘armor nos co1aGGes Gas Dessous, 99 eu pudesse ndo Diigassem um com. (0 cutto, se eu pucesse fazor que as moss ndo batam muitos nos fhos. Isso tudo eu fazia se eu pudesse. Menina, nivel socivecondmice baixo, 4 série “Abstenlo-me de analisar aspectos como a predominaincia de significagies tuniversalistas no texto da crianga pertencente as classes favorecidas, © de significacdes particularistas no texto da crianga pertencente is camadas populares, a evidente subescolarizacio desta ditima (comparem-se a fluéncia e a complexidade de estruturas do texto da primeira, que esti na 3* série, com as estruturas simples © paratticas da segunda, que jd est na 4 série) — mais uma diseriminagio que a escola brasileira impde as camadas populares, € outros aspectos textuais que fogem aos objetivos desta exposigao. Atendendo a esses, objetivos,limito-me a analisar afancdo que cada uma das eriangas atribui a0 uso da lingua escrita, nas condigdes escolares em que o texto Foi produzido. ‘Observe-se que, diante do tema proposto pela professora (ja que a atividade de producdo dos textos para a pesquisa foi rientada pela professora, em condigdes escolares de “redacio”, nao pela pesquisadora), as criangas se comportaram de maneira bem diferente. ‘A ctianga pertencente s camadas favorecidas, embora usando a 1* pessoa, ‘ que levaria a esperar 0 uso da escrita como uma fungi pessoal (Fungo emotiva ‘ou expressive, na terminologia de Jukobson, 1960), privilegia, na verdade, a fungiio