P. 1
Currículo de Matemática da EJA: um olhar pela perspectiva da avaliação

Currículo de Matemática da EJA: um olhar pela perspectiva da avaliação

|Views: 756|Likes:
Publicado porJANUARIO, G.

More info:

Published by: JANUARIO, G. on Oct 12, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/03/2012

pdf

text

original

Currículo de Matemática da EJA: um olhar pela perspectiva da avaliação

Gilberto Januario1 Armando Traldi Junior2

Resumo
Neste trabalho evidenciamos o projeto de pesquisa em desenvolvimento para nossa dissertação de mestrado. Trata-se de um estudo qualitativo (BOGDAN e BIKLEN, 1994) em que os dados serão coletados a partir de pesquisa documental e de trabalho de campo, objetivando investigar o desenvolvimento curricular de Matemática da EJA pela perspectiva da avaliação. Inicialmente foram realizadas leituras de alguns documentos oficiais (LDB, Diretrizes Curriculares, PCNEM, PCN+ e OCEM), os quais apontam a relevância de um estudo acerca do desenvolvimento curricular de Matemática para essa modalidade de ensino, constituída por alunos jovens e adultos que apresentam características próprias de desenvolvimento e de aprendizagem. A leitura dos trabalhos de Pires (2000), Fonseca (2007) e Silva (2009) nos levaram a refletir sobre a constituição do currículo de Matemática para essa modalidade de ensino a partir das competências e habilidades presentes no Exame Nacional do Ensino Médio, uma vez que, para Canavarro, Santos e Ponte (2000a, 2000b), as macro-avaliações se constituem enquanto intervenientes da prática do professor, do repertório de conteúdos e do processo avaliativo da aprendizagem. Já Sacristán (2000) expõe que todo o ensino se realiza em um clima avaliativo, numa perspectiva de controle dos processos de ensino e de aprendizagem. Nessa perspectiva temos nos questionado qual a intervenção do ENEM no currículo de Matemática da EJA? Em relação ao conteúdo? Em relação à prática do professor em sala de aula? Em relação aos objetivos e expectativas dos alunos? . Palavras-chave: Currículo de Matemática. Educação de Jovens e Adultos. Avaliação.

Uma (breve) apresentação Lecionar para a Educação de Jovens e Adultos (EJA) pode constituir um desafio ao recém formado. Embora o Estágio Supervisionado possibilite o primeiro contato, não é possível ao licenciando vislumbrar sua prática docente para essa modalidade de ensino que requer postura do professor e metodologia diferenciadas. É provável que desperte algumas questões acerca desses jovens e/ou adultos que, após algum tempo afastados da escola, procuram a instituição para realizar matrícula, seja no ensino fundamental ou médio. Quem
Mestrando em Educação Matemática – PUC/SP; bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). 2 Professor do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática da PUC/SP e professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo.
1

2

são esses alunos? O que querem, o que buscam? De que modo trabalhar com esse público para que possam se sentir incluídos e motivados? Ao vivenciar a experiência da docência para a EJA, foi possível perceber as dificuldades apresentadas pelos alunos frente aos conteúdos matemáticos. Embora procurasse3 trabalhar com metodologia diferenciada, ministrava as aulas sem ter elaborado um currículo que viesse ao encontro das características desses alunos, assumindo o mesmo programa elaborado para as turmas regulares, porém, me preocupando em reduzir a quantidade de tópicos a serem trabalhados. Ao focar minhas atenções nas dificuldades dos alunos no processo de construção de aprendizagem em Matemática, procurei uma Especialização em Educação Matemática, visando buscar referenciais teóricos e metodológicos que pudessem contribuir na constituição de minha postura frente ao trabalho docente. Para a realização da monografia, intencionava estudar os materiais manipuláveis e, pelo trabalho com os alunos da EJA, decidi realizar uma pesquisa direcionado pela questão “os materiais manipuláveis podem contribuir nos processos de ensino e de aprendizagem para mediar o tratamento do significado de conteúdos matemáticos?” (JANUARIO, 2008). Na medida em que desenvolvia o trabalho de campo com alunos da EJA, utilizando situações-problema encaminhando às descobertas com o auxílio dos materiais manipuláveis, emergiram alguns questionamentos em relação à avaliação e ao repertório de conteúdos a serem trabalhados nessa modalidade de ensino, colocando-me em uma zona de inquietação. De que forma conceber um currículo em Matemática que articule prática do professor, avaliação e objetivos do curso? Os conteúdos de Matemática são trabalhados de forma que contemplam os objetivos, anseios e expectativas desses discentes? De que forma o professor deve realizar a avaliação nessa modalidade de ensino? Quais instrumentos avaliativos adequados para verificar o processo de aprendizagem desses alunos? Esses questionamentos me aproximaram do Grupo de Pesquisa Organização, Desenvolvimento Curricular e Formação de Professores em Matemática, o qual visa ao estudo e à pesquisa em questões curriculares e sua estreita relação com a formação de professores de Matemática. Dentre os estudos do Grupo, um dos projetos em constituição objetiva investigar a organização e o desenvolvimento curricular do processo ensinoaprendizagem da Matemática na Educação de Jovens e Adultos. Esse projeto será

3

Neste subtítulo utilizaremos o foco narrativo em primeira pessoa do singular.

3

desenvolvido a partir de alguns eixos, dentre eles, a avaliação, o que representa a oportunidade de buscar dados que possam compreender a organização curricular de Matemática na modalidade EJA e, em especial, o processo de avaliação.

Justificando a proposta A avaliação tem sido foco de alguns estudos que discutem o processo ensinoaprendizagem de Matemática. Também é possível perceber o crescente número de trabalhos que tratam de desenvolvimento curricular de Matemática, o que revela o interesse de parte da comunidade em compreender de que forma é instituído o currículo na educação básica e no ensino superior e quais são suas conseqüências para os processos de ensino e de aprendizagem. Em sua tese, Silva (2009) identificou que alguns eventos educacionais nacionais e internacionais apontam o interesse em estudar o currículo de Matemática, no entanto os trabalhos apresentam pouca contribuição em relação à busca por critérios para seleção e organização dos conteúdos. O pesquisador faz referência, ainda, a Kilpatrick que aponta as mudanças curriculares enquanto uma das sete tendências para o estudo em Educação Matemática na década de 1990. Silva (2009) identificou, também, que no período de oito anos foram publicados três documentos oficiais com orientações curriculares para o ensino médio: Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (PCNEM), em 1999; PCN+ Ensino Médio: Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN+), em 2002; e Orientações Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (OCEM), em 2006. Ao fazer uma leitura desses documentos é possível perceber que os PCNEM (BRASIL, 1999) valorizam o uso da tecnologia e a preparação para o mercado de trabalho; as práticas escolares devem valorizar as habilidades e procedimentos dos alunos; a Matemática passa a integrar a área Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias; e dão importância à contextualização e à interdisciplinaridade. Os PCN+ (BRASIL, 2002) valorizam as competências e habilidades dos alunos a partir de três conjuntos de competências: representação e comunicação, investigação e compreensão, contextualização sócio-cultural; vislumbram a articulação das três áreas: Ciências da

4

Natureza, Matemática e suas Tecnologias, Ciências Humanas e Linguagens e Códigos; prescrevem os conteúdos matemáticos divididos em três eixos: Álgebra: números e funções, Geometria e medidas e Análise de dados. As OCEM (BRASIL, 2006) visam à escolha de conteúdos, à forma de trabalhar esses conteúdos, ao projeto pedagógico e à organização curricular. Nesse último documento, Silva (2009) identificou um tom impositivo ao trabalhar o conteúdo de Matemática; os argumentos dos autores são contraditórios, falta elementos mais fidedignos; embora valorize a interdisciplinaridade, prescreve uma forma de trabalhar de forma isolada; e prescreve o abandono de alguns tópicos. Embora esses documentos façam referência a um processo de ensino-aprendizagem a partir de um trabalho mediado pela contextualização e pela interdisciplinaridade, e que busque valorizar e desenvolver no aluno as competências e habilidades, Silva (2009) evidencia que os autores não apresentam uma definição desses conceitos, embora ressaltem que "não há receita, nem definição única ou universal, para as competências que são qualificações humanas, múltiplas e que não se excluem entre si; ou para a relação e a distinção entre competências e habilidades" (BRASIL, 2002, p. 15). Para o pesquisador, "o fato é que, de modo geral, nos documentos recentes [OCEM] o foco maior refere-se à abordagem dos conteúdos [...], contudo, sobre a seleção de conteúdos há pouco debate e a organização linear ainda é predominante" (SILVA, 2009, p. 8). Embora a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Brasil, 1996) destaque a necessidade de se ofertar a educação para jovens e adultos atentando-se para metodologia diferenciada e as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos (Brasil, 2000) recomende que “a EJA precisa ser pensada como um modelo pedagógico próprio a fim de criar situações pedagógicas e satisfazer necessidades de aprendizagem de jovens e adultos” (p. 9), os três documentos norteadores do currículo não fazem nenhuma referência à forma de se organizar a seleção de conteúdos matemáticos para essa modalidade de ensino. Quanto ao docente, os documentos não propiciam orientações quanto a sua atuação frente ao repertório de conteúdos e à avaliação. Considerando esse processo de ensino e de aprendizagem em uma perspectiva construtivista, é relevante compreender de que forma se dá essa articulação entre prática do professor, repertório de conteúdos e avaliação. Para Coll e Martin (2009, p. 198) "a avaliação continua sendo um dos ingredientes de nossa atividade profissional que ainda coloca maiores dificuldades, dúvidas e contradições", pois necessário se faz refletir sobre o

5

processo de significação do aluno frente ao conteúdo trabalhado, levando-se em conta seus conhecimentos e respeitando-se seu nível de desenvolvimento e de aprendizagem. Para os autores, ao assumir essa postura, o professor realiza seu trabalho concebendo o aluno enquanto ser humano rico em repertorio cultural, que pode contribuir para a aula e nortear a prática docente. Coll e Martin (2009) chamam a atenção para os diversos formatos avaliativos presentes na prática pedagógica. A princípio identificamos4 dois modelos de avaliação. Um está centrado nos processos de ensino e de aprendizagem, chamada, por alguns, de avaliação escolar (LUCKESI, 2008) e tem estudos voltados para a formação do professor e para a perspectiva da aprendizagem. Outro modelo é centrado no âmbito institucional, no ensino superior ou na educação básica. Referente às avaliações institucionais direcionadas à educação básica, tem-se o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), instituído pelo Governo Federal e ofertado para as modalidades regular5 e EJA, tendo, enquanto um dos objetivos principais “possibilitar a todos os que dele participam uma referência para auto-avaliação, a partir das competências e habilidades que estruturam o exame” (BRASIL, 2009, p. 47). Para Canavarro, Santos e Ponte (2000a, 2000b), as macro-avaliações se constituem enquanto intervenientes da prática do professor, do repertório de conteúdos e do processo avaliativo da aprendizagem. Sacristán (2000, p. 311) expõe que todo o ensino se realiza em um clima avaliativo, numa perspectiva de controle dos processos de ensino e de aprendizagem, pois "a avaliação atua como uma pressão modeladora da prática curricular [...]". Nessa perspectiva temos nos questionado qual a intervenção do ENEM no currículo de Matemática da EJA? Em relação ao conteúdo? Em relação à prática do professor em sala de aula? Em relação aos objetivos e expectativas dos alunos?

O que revelam as primeiras leituras Fonseca (2007) revela que há pouca produção e pesquisa evidenciando a formação de professores que ensinam Matemática para a Educação de Jovens e Adultos, embora tenham sido ampliadas as discussões sobre os processos de ensino e de aprendizagem para
4 5

A partir desse ponto utilizaremos o foco narrativo em primeira pessoa do plural. Neste trabalho, chamamos de regular a modalidade de ensino que não se caracteriza enquanto EJA.

6

a EJA. Para a autora, ao falarmos do ensino para jovens e adultos na perspectiva da Educação Matemática, "estamos falando de uma ação educativa dirigida a um sujeito de escolarização básica incompleta ou jamais iniciada e que ocorre aos bancos escolares na idade adulta ou na juventude" (FONSECA, 2007, p. 14). A ação educativa a qual Fonseca (2007) se refere não é recente. O acesso à escola para o público adulto teve início ainda no período colonial, quando a partir de 1878, no município do Rio de Janeiro, as poucas escolas públicas ofertavam cursos noturnos para que os homens pudessem se alfabetizar. Com a crescente taxa de analfabetismo e em meio às revoluções educacionais da década de 1930, em 1932 foi fundada a Cruzada Nacional de Educação com finalidade de combater o analfabetismo. Na década de 1940, a Educação de Adultos se constituiu enquanto uma política educacional. Em 1947 ocorreu o I Congresso de Educação de Adultos e o início da Campanha de Educação de Adolescentes e Adultos, seguida pela criação do Serviço de Educação de Adultos. Em 1958 foi realizado II Congresso Nacional de Erradicação do Analfabetismo, com a participação de Paulo Freire defendendo compreensão e respeito à identidade do adulto. A partir de 1960 têm-se os primeiros movimentos populares voltados à educação e erradicação do analfabetismo do adulto, desaparecendo, alguns, com a Ditadura Militar. Em 1970 é criado o Movimento Brasileiro de Alfabetização (MOBRAL), que durou até 1985, com a criação da Fundação Educar. Já em 1990 foi instituído o Ano Internacional de Alfabetização, que objetivava em dez anos erradicar o analfabetismo. Com a promulgação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, o Estado passa a ter por dever assegurar o ensino fundamental, obrigatório e gratuito, a todos os brasileiros, inclusive aqueles que não puderam realizar os estudos em idade própria e, a partir disso, assegurar, também, a universalização do ensino médio, gratuito. (BRASIL, 1996). Essa Lei define enquanto modalidade de ensino a Educação de Jovens e Adultos. Em seu Capítulo II, seção V, artigo 38, é destacado que “os sistemas de ensino manterão cursos e exames supletivos, que compreenderão a base nacional comum do currículo, habilitando ao prosseguimento de estudos em caráter regular” (grifos nossos). Posteriormente, em 2000, é promulgada a Resolução CNE/CEB nº 1, a qual institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Esse documento visa ao entendimento da identidade própria do público dessa modalidade de ensino, considerando suas particularidades, idades, experiências e diversidades, se pautando na

7

equidade dos direitos a uma educação de qualidade e na proporção dos componentes curriculares frente a essa modalidade de ensino. Embora a LDB garanta um repertório nacional e comum e a Resolução CNE/CEB nº 1 reconheça a EJA enquanto um grupo de alunos com identidade própria, não fazem referências aos processos metodológicos e avaliativos respeitando-se as particularidades e diversidades dessa modalidade de ensino. Logo, não se tem nenhum documento oficial que especifique de que forma o repertório de conteúdos tenha que ser desenvolvido e avaliado. Todavia, com essa Resolução, o Governo espera que seja ofertada à EJA as mesmas oportunidades de aprendizagem à modalidade regular de ensino e, consequentemente, as mesmas oportunidades de trabalho e continuação dos estudos. Entendemos que o Exame Nacional do Ensino Médio se constitui uma dessas oportunidades para a continuação dos estudos, por meio do ingresso no ensino superior. O ENEM caracteriza-se por ser um exame individual, voluntário, oferecido anualmente a concluintes e egressos do ensino médio, enquanto forma de avaliação em larga escala. Segundo o Relatório Pedagógico 2008 (BRASIL, 2009, p. 47), “o ENEM focaliza, especificamente, as competências e habilidades básicas desenvolvidas, transformadas e fortalecidas com a mediação da escola”, o que caracteriza um currículo elaborado para tal finalidade. Nessa perspectiva, o currículo torna-se um elemento fundamental a ser pensado e colocado em prática, principalmente pelos professores que ensinam Matemática na EJA e tem que contemplar as orientações da Resolução CNE/CEB nº 1. Nessa perspectiva, concordamos com Pires (2000) que há a necessidade de se compreender de que forma são organizados os currículos e, consequentemente, as avaliações. Principalmente quando olhamos para os dados do Exame. Em 2008, o ENEM teve a participação de 2.920.560 candidatos, dos quais 10,2% eram provenientes da EJA. Essa quantidade de alunos reflete a importância desse Exame para a trajetória escolar desses discentes, o que implica em um trabalho articulado entre currículo e avaliação. Por outro lado, revela a importância de estudos a fim de investigar o currículo e a avaliação voltados a essa modalidade de ensino. Ao se conceber o currículo e a avaliação enquanto dois elementos fundamentais dos processos de ensino e de aprendizagem (SACRISTAN, 2000; FONSECA, 2007), nos remetemos ao pensamento da importância na elaboração de repertórios de conteúdos para se trabalhar nas aulas de Matemática da EJA e na articulação necessária entre os diversos instrumentos avaliativos e a seleção de tópicos a serem desenvolvidos. Frente ao número

8

de alunos dessa modalidade de ensino que participa do ENEM, tanto currículo quanto avaliação devem ser propostos de forma que contemplem as habilidades e competências mínimas que permeiam o Exame. Apesar de ser fundamental compreender o significado e o conceito de habilidade e de competência (SILVA, 2009), é preciso refletir para uma série de situações que estão envolvidas no tripé EJA-currículo e avaliação-competências e habilidades exigidos no ENEM. A partir de uma pesquisa no site Domínio Público, elaborado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), identificamos a defasagem de trabalhos que tratem de algumas questões relacionadas à temática, nos levando a alguns questionamentos: Que currículo é proposto para a EJA? Há articulação entre currículo e avaliação escolar? As avaliações escolares contemplam as habilidades e competências exigidas no Exame? Os resultados ou prescrições do ENEM influenciam na elaboração do currículo da EJA? Outros questionamentos podem ser ensaiados. Se há uma base nacional comum; se o ENEM é para ambas as modalidades; se há a diferença de carga horária para o ano letivo de cada modalidade; se há diferença de currículo, de que forma são trabalhadas as competências e habilidades exigidas no ENEM, pelo professor de Matemática, no ensino médio, para que esses alunos atinjam os objetivos esperados pelo Exame, se sintam inclusos e capacitados para o ingresso na formação superior? Esses questionamentos nos instigaram a investigar o currículo de Matemática da EJA na perspectiva da avaliação, tomando por objetivos: • Compreender quais são os intervenientes que influenciam no currículo de Matemática; • • • Analisar de que forma o ENEM é interveniente no currículo; Identificar se o ENEM é interveniente nos instrumentos avaliativos; Analisar se o processo avaliativo nas aulas de Matemática preparam o aluno para que ele possa desenvolver as competências e habilidades mínimas exigidas no ENEM; • Analisar se há articulação entre o currículo, avaliação e as competências e habilidades mínimas exigidas no ENEM.

9

Metodologia Entendemos que Pesquisar é dedicar-se na investigação mediado pelo trabalho disciplinado, sistemático e metódico visando encontrar informações que possam responder nossas inquietações, enquanto pesquisadores. Assim, o fruto de nossa investigação é a produção de um corpo de conhecimento que transcenda o “entendimento imediato na explicação ou na compreensão da realidade que observamos”, visando produzir um conhecimento científico. (GATTI, 2002, p. 9). Concordamos com Gatti (2002) da importância de critérios de escolhas dos procedimentos que subsidiarão a análise e a interpretação das informações coletadas no processo da pesquisa, uma vez que os resultados vão ao encontro não só de quem pesquisa, mas de um grupo que compartilha as mesmas inquietações, além de outros pesquisadores que poderão tomar esses resultados enquanto ponto de partida para novas investigações. Para que possamos responder a pergunta-diretriz, que nos conduzirá nesse estudo, a investigação se dará por meio de pesquisa qualitativa. Bogdan e Biklen (1994) descrevem a pesquisa qualitativa enquanto uma “[...] metodologia de investigação que enfatiza a descrição, a indução, a teoria fundamentada e o estudo das percepções pessoais” (p. 11) em que “as questões a investigar [são formuladas] com objectivo de investigar os fenómenos em toda sua complexidade e em contexto natural” (p. 16); nós a identificamos na ação a ser realizada no processo de investigação, caracterizada por trabalho de campo e pesquisa documental. Na pesquisa documental serão analisados os documentos oficiais referentes à Educação de Jovens e Adultos visando buscar fundamentação legal na legislação. Essa modalidade de pesquisa é caracterizada pelo estudo de documentos que se constituem enquanto suporte de análise e compreensão do objeto de pesquisa. Com o trabalho de campo intencionamos mergulhar no universo da escola procurando absorver as informações dos pormenores relativos ao trabalho do professor, dos alunos e a relação do currículo, avaliação e as exigências do Exame Nacional do Ensino Médio. O material de análise será composto a partir de observação nas aulas de Matemática em turmas de Educação de Jovens e Adultos visando identificar as práticas em sala de aula; questionário com os alunos procurando identificar a quantidade que intenciona prestar o Exame; e entrevista com o professor de Matemática dessas turmas.

10

Esse caminho traçado procura contemplar as cinco características, ou parte delas, identificas por Bogdan e Biklen (1994) em uma pesquisa qualitativa: • a fonte direta de dados é o ambiente natural, constituindo o investigador o instrumento principal; • • os dados recolhidos são na sua essência descritivos; os investigadores qualitativos interessam-se mais pelos processos do que pelos resultados ou produtos; • • os investigadores qualitativos tendem a analisar os dados de forma indutiva; é dada especial importância ao ponto de vista dos participantes.

Tecendo algumas considerações As questões que emergem de nossa interação com o meio sócio-histórico-cultural do qual fazemos parte podem ou não ter respostas. A pesquisa constitui o caminho pelo qual encontraremos os dados que, a partir de uma análise, permite-nos fazer alguns apontamentos. Porém, antes do início da investigação e durante seu processo levantamos as hipóteses, que podem ser entendidas enquanto possíveis respostas ao vislumbrarmos a conclusão do estudo. As primeiras leituras e discussões realizadas nos provocaram a levantar algumas hipóteses referentes à intervenção e a articulação entre o Exame Nacional do Ensino Médio, o desenvolvimento curricular de Matemática da EJA e as práticas de sala de aula. O professor desenvolve um trabalho desarticulado das competências e habilidades exigidas pelos documentos norteadores do ENEM, o que implica no processo avaliativo descontextualizado das propostas do Exame que, embora possa se constituir um interveniente no desenvolvimento do currículo de Matemática, este é elaborado sem atentar-se às recomendações da Resolução CNE/CEB nº 1. As primeiras leituras realizadas apontam que não há diferenciação do currículo praticado na EJA e na modalidade regular de ensino; o que vai de encontro com a referida Resolução. Embora tenhamos tecido algumas hipóteses, fruto dos primeiros estudos, sabemos que os resultados da Pesquisa podem apresentar informações contrárias às que expomos aqui, mesmo porque a investigação encontra-se em fase inicial. Assim, esperamos

11

responder não ao nosso objetivo ou confirmar nossas hipóteses, mas ir ao encontro dos objetivos e das respostas das questões norteadoras da Pesquisa.

Referências bibliográficas BOGDAN, Robert C.; BIKLEN, Sári Knopp. Investigação Qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Tradução: Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Porto: Porto Editora, 1994. BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Relatório Pedagógico ENEM 2008. MEC/INEP, 2009. BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 dez. 1996. BRASIL. Resolução CNE/CEB nº. 1, de 5 de julho de 2000. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação e Jovens e Adultos. Diário Oficial da União, Brasília, 2000. BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares Nacionais para o Ensino Médio: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias, vol. 2. MEC/SEB, 2006, 140p. BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. MEC/SEB, 1999, 58p. BRASIL. Secretaria de Educação Básica. PCN+ Ensino Médio: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias: Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. MEC/SEB, 2002a, 141p. CANAVARRO, A. P.; SANTOS, L.; PONTE, J. P. O currículo de matemática: que problemas? Que mudanças? In: Actas do ProfMat 2000. Lisboa: APM, 2000b. CANAVARRO, A. P.; SANTOS, L.; PONTE, J. P. O currículo na prática lectiva: dois estudos de caso. In Investigação em educação matemática: Problemas e perspectivas. (Actas do SIEM XI, pp. 133-144. Lisboa: APM, 2000a.

12

COLL, César; MARTIN, Elena. A avaliação da aprendizagem no currículo escolar: uma perspectiva construtivista. In: COLL, Cesar. (Org.). O construtivismo em sala de aula. Tradução: Claudia Schilling. 6ª ed. São Paulo: Ática, 2009. FONSECA, Maria da Conceição F. R. Educação Matemática de Jovens e Adultos: especificidades, desafios e contribuições. 2ª ed. 3ª reimpressão. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. GATTI, Bernardete Angelina. A construção da pesquisa em educação no Brasil. Brasília: Editora Plano, 2002. JANUARIO, Gilberto. Materiais Manipuláveis: mediadores na (re)construção de significados matemáticos. 2008. 147f. Monografia (Especialização em Educação Matemática) – Centro de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão. Universidade Guarulhos, Guarulhos. LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 19ª ed. São Paulo: Cortez, 2008. PIRES, Celia Maria Carolino. Currículos de Matemática: da organização linear à ideia de rede. São Paulo: FTD, 2000. SACRISTÁN, Jose Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a pratica. 3ª ed. Tradução: Ernani F. da Fonseca Rosa. Porto Alegre: Artmed, 2000. SILVA, Marcio Antonio da. Currículo de Matemática do Ensino Médio: em busca de critérios para escolha e organização de conteúdos. 2009. 248f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->