Você está na página 1de 2

NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO DA MATEMÁTICA

SEMANA 6
PÓLO TRÊS RIOS
Aluna : Maria Helena Maques Loth
Tutor: Carlos França

Como funciona o taxímetro

O princípio básico do aparelho é simples: o taxímetro só precisa identificar quando o táxi


está parado ou está andando. Em cada uma dessas situações, é registrada uma tarifa diferente. No
final, o preço total da corrida vai ser proporcional à distância percorrida e ao tempo parado no
trânsito. O que pouca gente sabe é que essa invenção bem bolada já tem mais de um século de
idade. Seu nascimento remonta ao tempo das carruagens:em 1891, o engenheiro alemão Wilhelm
Bruhn criou um contador para evitar que os cocheiros cobrassem os olhos da cara. Os motoristas
não ficaram muito felizes com aquela geringonça que tirava deles o poder de negociação _ até
então, o valor do transporte era decidido na base do acordo entre passageiro e condutor. A coisa
ficou tão feia que alguns cocheiros resolveram “homenagear” o engenheiro Bruhn jogando-o dentro
de um rio. Hoje, as tarifas são definidas pelos órgãos públicos de transporte de cada cidade. Há
ainda outros custos que podem ser incluídos no valor da corrida, como o transporte de bagagens ou
um acréscimo caso a corrida seja para outro município.

O preço da mordomia

Valor da corrida depende da distância percorrida e do tempo que o carro fica


parado.

1 – A cobrança da corrida do táxi começa no instante em que o passageiro entra no carro. Nesse
momento, o taxímetro exibe a tarifa inicial, denominada bandeirada. Em Juiz de Fora, essa tarifa é
de 3,00 reais ( “bandeira 1”) ou 3,50 reais ( “ bandeira 2”).
2 – Em seguida, entra em ação um microprocessador embutido no taxímetro. É ele que identifica
quando o carro está andando ou está parado.
3 – Para saber se o táxi está andado ou não, o microprocessador precisa estar conectado ao
odômetro, uma peça presa ao eixo do carro que calcula a quilometragem percorrida.
4 – Com o carro andando, o microprocessador recebe pulsos elétricos do odômetro. A cada
quilômetro percorrido, a conta cresce. O valor depende do dia e da hora: Em Juiz de Fora, de
segunda a sábado, das 6 às 20 h ( a chamada “bandeira 1”), o quilômetro custa 1,50 real. Se for
noite, domingo ou feriado(“bandeira 2”) , o valor vai para 1,80 real.
5 – Quando o táxi está parado, o taxímetro não recebe pulsos elétricos, mas a corrida fica mais cara
a cada minuto parado, que em Juiz de Fora custa 30 centavos.

Atividades:

1- Com os dados do texto crie uma fórmula para determinar o preço de uma corrida de táxi em
função do tempo ( em minutos) em que o carro fica parado e da quilometragem rodada. Faça uma
fórmula para “bandeira 1” e outra para “bandeira 2”

2 – Usando a planilha abaixo, atribua valores as variáveis, tempo e quilometragem e calcule o valor
da corrida.
Preço damordomia– bandeira1
Bandeirada Quilometragem Tempo emespera Valor do Km Valor do Min Valor dacorrida
3,00 1,50 0,30 3,00
3,00 1,50 0,30 3,00
3,00 1,50 0,30 3,00
3,00 1,50 0,30 3,00
3,00 1,50 0,30 3,00
3,00 1,50 0,30 3,00
3,00 1,50 0,30 3,00
3,00 1,50 0,30 3,00
3,00 1,50 0,30 3,00
3,00 1,50 0,30 3,00
3,00 1,50 0,30 3,00
3,00 1,50 0,30 3,00

3 – Crie uma tabela para simular os valores de corridas na bandeira 2, usando a planilha 2 que está
em branco:

4- Essa mesma planilha serve para simular o preço de uma corrida de táxi em qualquer cidade onde
os taxistas façam uso do taxímetro? O que deve ser alterado?

5- Há cidades em que é possível, sabendo o endereço de origem e de destino, simular na internet o


valor de uma corrida. Pesquise o nome de duas ruas da cidade do Rio de Janeiro, vá ao endereço
http://precodotaxi.com
e faça uma estimativa do valor de uma corrida de táxi entre dois pontos dessas ruas.

Interesses relacionados