Veris

ENC-01

Aluno:Rodrigo Eduardo Gomes Professor: Paulino NG

Turma:ENC-01 Data:

Uma geral sobre ÉTICA
“Naqueles dias, não havia reis em Israel; cada um fazia o que parecia direito aos seus olhos.” Juízes 17:6 e 21:25

O mundo em que vivemos é um mundo marcado pelo relativismo, onde o certo e o errado nunca foram tão banalizados. Para a maioria das pessoas, os padrões morais e valores sociais ficam a critério de cada um. Por isso, vivemos num mundo altamente individualista que prevalece nas relações sociais, educacionais, econômicas, na religião e no trabalho.

1-DEFINIÇÃO Segundo o Dicionário Aurélio, “ética é o estudo dos juízos de apreciação que se refere à conduta humana susceptível de qualificação do ponto de vista do bem e do mal”. Etimologicamente, ética vem do grego ETHOS, e tem seu correlato no latim MORALE com o mesmo significado; conduta relativa aos costumes. Podemos concluir que, etimologicamente, ética e moral são palavras sinônimas.

2-CONCEITOS Éticas é princípio, moral são aspectos de condutas específicas. Ética é permanente, moral é temporal. Ética é universal, moral é cultural. Ética é regra, moral é conduta de regra. Ética é teoria, moral é a prática.

3-ALTERNATIVAS ÉTICAS Os estudiosos desse assunto geralmente agrupam as alternativas éticas de acordo com o seu princípio orientador fundamental. As principais são: humanística, natural e religiosa. Éticas humanísticas: hedonismo, utilitarismo, existencialismo. Hedonismo – ensina individualismo.

1

Veris
ENC-01

Aluno:Rodrigo Eduardo Gomes Professor: Paulino NG

Turma:ENC-01 Data:

Utilitarismo – tem como princípio orientar o que for útil para o maior número de pessoas (nazismo). Existencialismo – defende que o certo e o errado são relativos a cada indivíduo e que não existem valores morais e espirituais absolutos. que o certo é aquilo que é agradável

Ética naturalística: esse nome é geralmente dado ao sistema ético que toma como base o processo e as leis da natureza. O certo é o natural – a natureza dá o padrão a ser seguido.

Ética religiosa: é o sistema de valores que procura na divindade (Deus ou deuses) o motivo maior de suas ações e decisões. Como cristãos entendemos que éticas baseadas no homem e na natureza são inadequadas por que: • Não oferecem base bíblica para justificar a misericórdia, o perdão e o amor; • • Estão em constante mudança e não tem como oferecer paradigma duradouro.

4-ÉTICA NO TRABALHO

A adoção de princípios éticos e comportamentais reflete o tipo da organização da qual fazemos parte e o tipo de pessoa que somos. Sendo a ética inerente à vida humana, sua importância é bastante evidenciada na vida profissional, porque cada um tem responsabilidades. Ética no trabalho individual e social, envolvendo pessoas que dela se beneficiam. A ética é ainda indispensável ao profissional porque, na ação humana, o “fazer” e o “agir” estão interligados. O “fazer” diz respeito à competência, à eficiência que todo profissional deve possuir para exercer bem a sua profissão. O “agir” refere-se à conduta do profissional, ao conjunto de atitudes que deve assumir no desempenho de sua profissão. É fundamental ter sempre em mente que há uma série de atitudes que não estão descritas nos códigos de todas as profissões, mas que são comuns a todas as atividades que uma pessoa pode exercer (Código de Ética). Para que se seja ético no trabalho é preciso, antes de tudo, ser honesto em qualquer situação. Outras qualidades são consideradas importantes para o exercício de qualquer profissão, tais como: competência, sigilo, prudência, coragem, compreensão, perseverança, humildade, responsabilidade, otimismo, solidariedade, comprometimento, respeito, transparência, excelência etc.

2

Veris
ENC-01

Aluno:Rodrigo Eduardo Gomes Professor: Paulino NG

Turma:ENC-01 Data:

5-VIRTUDES PROFISSIONAIS

São obrigatórios os deveres de um profissional e devem ser levadas em conta as qualidades pessoais que também concorrem para o enriquecimento de sua atuação profissional, algumas delas facilitando o exercício da profissão. Muitas destas qualidades poderão ser adquiridas com esforço e boa vontade, aumentando neste caso o mérito do profissional que, no decorrer de sua atividade, consegue incorporá-las à sua personalidade, procurando vivenciá-las ao lado dos deveres profissionais. Virtudes tais como responsabilidade, lealdade e iniciativa são fundamentais para a formação dos recursos humanos. Senso de responsabilidade é o elemento fundamental da empregabilidade. Sem responsabilidade a pessoa não pode demonstrar lealdade, nem espírito de iniciativa. A lealdade é o segundo dos três principais elementos que compõem a empregabilidade. Um funcionário leal se alegra quando a organização ou seu departamento é bem sucedido, defende a organização, tem orgulho de fazer parte dela, fala positivamente sobre ela e a defende de críticas.

6-ÉTICA NO TRABALHO

Ter a iniciativa de fazer algo no interesse da organização significa, ao mesmo tempo, demonstrar lealdade pela organização. Ter iniciativa não quer dizer apenas iniciar um projeto no interesse da organização ou da equipe, mas também assumir responsabilidade por sua complementação e implementação. Existem outras qualidades que são importantes no exercício de uma profissão. São elas: Honestidade – está relacionada à confiança que nos é depositada, com a responsabilidade perante o bem de terceiros e a manutenção de seus direitos. A honestidade é a primeira virtude no campo profissional. É um princípio que não admite relatividade, tolerância ou interpretações circunstanciais. Sigilo – o respeito aos segredos das pessoas, dos negócios e das empresas deve ser desenvolvido na formação de futuros profissionais, pois se trata de algo muito importante. Uma informação sigilosa é algo que nos é confiado e cuja preservação de silêncio é obrigatória.

3

Veris
ENC-01

Aluno:Rodrigo Eduardo Gomes Professor: Paulino NG

Turma:ENC-01 Data:

Competência – é o exercício do conhecimento de forma adequada e persistente a um trabalho ou profissão. Devemos buscá-la sempre. “A função de um citarista é tocar cítara, e a de um bom citarista é tocá-la bem.” (ARISTÓTELES, P.24). Prudência – faz com que o profissional analise situações complexas e difíceis com mais facilidade e de forma mais profunda e minuciosa; contribui para a maior segurança, principalmente das decisões a serem tomadas. A prudência é indispensável nos casos de decisões sérias e graves, pois evita os julgamentos apressados e as lutas ou discussões inúteis. Coragem – todo profissional precisa ter coragem, pois ela nos ajuda a reagir às críticas injustas, e a nos defender dignamente quando estamos cônscios de nosso dever. Temos que ter coragem para tomar decisões, indispensáveis e importantes para a eficiência do trabalho, sem levar em conta possíveis atitudes ou atos de desagrado dos chefes ou colegas. Perseverança – qualidade difícil de ser encontrada, mas necessária, pois todo trabalho está sujeito a incompreensões, insucessos e fracassos que precisam ser superados, prosseguindo o profissional em seu trabalho, sem se entregar a decepções ou mágoas. É louvável a perseverança dos profissionais que precisam enfrentar os problemas do subdesenvolvimento. Compreensão – qualidade que ajuda muito um profissional, porque é bem aceito pelos que dele dependem em termos de trabalho, facilitando a aproximação e o diálogo, tão importante no relacionamento profissional. Humildade – o profissional precisa ter humildade suficiente para admitir que não seja o dono da verdade, e que o bom senso e a inteligência são propriedade de um grande número de pessoas. Imparcialidade – é uma qualidade tão importante que assume as características do dever, pois se destina a se contrapor aos preconceitos, a reagir contra os mitos (em nossa época dinheiro, técnica...), a defender os verdadeiros valores sociais e éticos, assumindo principalmente uma posição justa nas situações que terá que enfrentar. Para ser justo é preciso ser imparcial; logo, a justiça depende muita da imparcialidade.

4

Veris
ENC-01

Aluno:Rodrigo Eduardo Gomes Professor: Paulino NG

Turma:ENC-01 Data:

Otimismo – o profissional precisa e deve ser otimista para acreditar na capacidade de realização da pessoa humana e no poder do desenvolvimento, enfrentando o futuro com energia e bom humor.

Ética na Engenharia
Os engenheiros encontram problemas éticos na sua ação, por exemplo, situações de conflito de interesses, responsabilidade pela saúde e segurança do público, segredos industriais e propriedade intelectual, prendas de fornecedores, honestidade na apresentação de resultados de ensaios e de investigação, etc... As associações profissionais foram respondendo a esta realidade elaborando códigos, que representam o consenso existente em determinado momento quanto às normas de conduta que os respectivos membros devem utilizar, Nesta secção são apresentados diversos exemplos relevantes de códigos éticos de associações profissionais.

American Society of Mechanical Engineers (ASME) Code of Ethics of Engineers: The Fundamental Principles
 

i - using their knowledge and skill for the enhancement of human welfare; ii - being honest and impartial, and serving with fidelity the public, their employers and clients;

iii - striving to increase the competence and prestige of the engineering profession.

The Fundamental Canons

1- Engineers shall hold paramount the safety, health and welfare of the public in the performance of their professional duties.
5

Veris
ENC-01

Aluno:Rodrigo Eduardo Gomes Professor: Paulino NG

Turma:ENC-01 Data:

 

2 - Engineers shall perform services only in the areas of their competence. 3 - Engineers shall continue their professional development throughout their careers and shall provide opportunites for the professional development of those engineers under their supervision.

4 - Engineers shall act in professional matters for each employer or client as faithful agents or trustees, and shall avoid conflicts of interest.

5 - Engineers shall build their professional reputation on the merit of their services and shall not compete unfairly with others.

 

6 - Engineers shall associate only with reputable persons or organizations. 7 - Engineers shall issue public statements only in an objective and thruthful manner.

O ASME Board on Professional Practice and Ethics dá apoio aos membros na procura de soluções para casos concretos, à luz do código acima.

Estatuto da Ordem dos Engenheiros, decreto-lei 119/92 de 30 de Junho, deveres decorrentes do exercício da atividade profissional art. 86 - Deveres do engenheiro para com a comunidade

1 - É dever fundamental de o engenheiro possuir uma boa preparação, de modo a desempenhar com competência as suas funções e contribuir para o progresso da engenharia e da sua melhor aplicação ao serviço da Humanidade.

 

2 - O engenheiro deve defender o ambiente e os recursos naturais. 3 - O engenheiro deve garantir a segurança do pessoal executante, dos utentes e do público em geral.

4 - O engenheiro deve opor-se à utilização fraudulenta, ou contrária ao bem comum, do seu trabalho.

5 - O engenheiro deve procurar as melhores soluções técnicas, ponderando a economia e a qualidade da produção ou das obras que projetar dirigir ou organizar.

Art. 87 - Deveres do engenheiro para com a entidade empregadora e para com o cliente
6

Veris
ENC-01

Aluno:Rodrigo Eduardo Gomes Professor: Paulino NG

Turma:ENC-01 Data:

1 - O engenheiro deve contribuir para a realização dos objetivos económico-sociais das organizações em que se integre, promovendo o aumento da produtividade, a melhoria da qualidade dos produtos e das condições de trabalho, com o justo tratamento das pessoas.

2 - O engenheiro deve prestar os seus serviços com diligência e pontualidade, de modo a não prejudicar o cliente nem terceiros, nunca abandonando, sem justificação, os trabalhos que lhe forem confiados ou os cargos que desempenhar.

3 - O engenheiro não deve divulgar nem utilizar segredos profissionais ou informações, em especial as científicas e técnicas obtidas confidencialmente no exercício das suas funções, salvo se, em consciência, considerar poderem estar em sério risco exigências de bem comum.

4 - O engenheiro só deve pagar-se pelos serviços que tenha efetivamente prestado e tendo em atenção o seu justo valor.

5 - O engenheiro deve recusar a sua colaboração em trabalhos cujo pagamento esteja subordinado à confirmação de uma conclusão predeterminada, embora esta circunstância possa influir na fixação da remuneração.

6 - O engenheiro deve recusar compensações de mais de um interessado no seu trabalho quando possa haver conflitos de interesses ou não haja o consentimento de qualquer das partes.

Art. 88 - Deveres do engenheiro no exercício da profissão

1 - O engenheiro, na sua atividade associativa profissional, deve pugnar pelo prestígio da profissão e impor-se pelo valor da sua colaboração e por uma conduta irrepreensível, usando sempre de boa fé, lealdade e isenção, quer atuando individualmente, quer coletivamente.

 

2 - O engenheiro deve opor-se a qualquer concorrência desleal. 3 - O engenheiro deve usar da maior sobriedade nos anúncios profissionais que fizer ou autorizar.

4 - O engenheiro não deve aceitar trabalhos ou exercer funções que ultrapassem a sua competência ou exijam mais tempo do que aquele de que disponha.

5 - O engenheiro só deve assinar pareceres, projetos ou outros trabalhos profissionais de que seja autor ou colaborador.
7

Veris
ENC-01

Aluno:Rodrigo Eduardo Gomes Professor: Paulino NG

Turma:ENC-01 Data:

6 - O engenheiro deve emitir os seus pareceres profissionais com objetividade e isenção.

7 - O engenheiro deve, no exercício de funções públicas, na empresa e nos trabalhos ou serviços em que desempenhar a sua atividade, atuar com a maior correção e de forma a obstar a discriminações ou desconsiderações.

8 - O engenheiro deve recusar a sua colaboração em trabalhos sobre os quais tenha de se pronunciar no exercício de diferentes funções ou que impliquem situações ambíguas.

Art. 89 - Dos deveres recíprocos dos engenheiros

1 - O engenheiro deve avaliar com objetividade o trabalho dos seus colaboradores, contribuindo para a sua valorização e promoção profissionais.

2 - O engenheiro apenas deve reivindicar o direito de autor quando a originalidade e a importância relativas da sua contribuição o justifiquem, exercendo esse direito com respeito pela propriedade intelectual de outrem e com as limitações impostas pelo bem comum.

3 - O engenheiro deve prestar aos colegas, desde que solicitada, toda a colaboração possível.

4 - O engenheiro não deve prejudicar a reputação profissional ou as atividades profissionais de colegas, nem deixar que sejam menosprezados os seus trabalhos, devendo quando necessário, apreciá-los com elevação e sempre com salvaguarda da dignidade da classe.

5 - O engenheiro deve recusar substituir outro engenheiro, só o fazendo quando as razões dessa substituição forem corretas e dando ao colega a necessária satisfação.

Este código resulta de um 'Projeto de Código Deontológico' que a Ordem dos Engenheiros publicou em 1989, do qual se retira a afirmação ' .... no exercício das suas tarefas profissionais, o engenheiro deve realizar-se a si próprio, contribuir para a valorização dos outros e dignificar o próprio trabalho. Assim se exprime, na diversidade das tarefas, a dimensão ética do trabalho do engenheiro'. (Como curiosidade regista-se que a redação adoptada no estatuto resulta quase integralmente daquele projeto, exceto no ponto 3 do artigo 89: 'O engenheiro deve prestar aos
8

Veris
ENC-01

Aluno:Rodrigo Eduardo Gomes Professor: Paulino NG

Turma:ENC-01 Data:

colegas, desde que solicitada, toda a colaboração possível', cuja redação no projeto era (art.10, #1) 'O engenheiro deve prestar aos colegas toda a colaboração possível'). Os exemplos anteriores (ASME, e Ordem dos Engenheiros) ilustram as preocupações de natureza ética na óptica de associações profissionais tradicionais da engenharia. Os engenheiros docentes universitários devem, naturalmente, respeitar as normas de conduta próprias de engenheiros, mas também as de docentes. E quais são estas? Do livro 'Teaching Engineering' de Wankat e Oreovicz (da Purdue University) retirei um sumário de declaração da AAUP (American Association of University Professors).

Summary of AAUP Statement on Professional
The professor recognizes special responsibilities:

1 - Seek and state truth in subject as he or she sees it. Intellectual honesty must be practiced.

2 - Encourage students in the pursuit of learning. The professor will respect students, avoid exploiting students and honestly evaluate students.

3 - Respect colleagues and defend their right of free inquiry. Acknowledge academic debts and accept faculty responsibility for institutional governance.

4 - Determine amount and character of outside work with due regard to paramount responsibility within institution to be an effective teacher and scholar. Give due notice of intent to leave.

5 - As a citizen speak as an individual bound by the rights and obligations of a citizen.

9

Veris
ENC-01

Aluno:Rodrigo Eduardo Gomes Professor: Paulino NG

Turma:ENC-01 Data:

Ética na Computação
Nos tempos atuais a questão da ética em computação, tem tomado cada vez mais o foco dos grandes fóruns da computação. Sobretudo quando se trata de questões que se prendem a segurança dos sistemas, uma vez que boa parte das medidas de segurança em si ou o complemento das mesmas depende sobremaneira da postura ética dos usuários do sistema. Sendo assim podemos começar por frisar temas mais candentes relacionados à ética em computação:  Acesso não autorizado (Exemplos: vírus, hackers);  Propriedade intelectual (Exemplos: plágio e pirataria de software);  Privacidade;   Confidencialidade; Competência profissional.

A interação dos profissionais de Tecnologia da Informação (TI)
Esta interação dos usuários dos computadores dá-se principalmente pelos (sistemas) de software que eles desenvolvem e pelas soluções tecnológicas que criam. Anteriormente, muitos dos

problemas éticos não existiam e os problemas que ocorriam eram mais simples. Por exemplo, não havia problema de acesso não autorizado, pois os computadores operavam isoladamente. Hoje com a explosão da internet, cloud computing tudo mudou drasticamente. Agrava-se a isto, o fato de o número de profissionais de computação também ter crescido consideravelmente. Em alguns casos, já há leis relacionadas à computação aprovadas ou em discussão, tanto no Brasil como nos mais diversos países. Temas já consolidados em lei não costumam estar no domínio da ética, a não ser quando são controvertidos e sem consenso na sociedade.

A maior dificuldade em se falar de ética na computação é que, como qualquer pessoa de qualquer área de estudo pode estudar informática, inclusive pessoas que não fazem qualquer curso superior, fica difícil de se criar uma regulamentação que todo profissional do setor deve seguir ao se deparar com situações em que é preciso julgar o que é correto e o que é incorreto. Não existe um código de ética oficial, como na Medicina ou no Direito, mesmo porque se houvesse, não abrangeria a todos os praticantes da área, atingindo apenas àqueles que tomassem conhecimento através de disciplinas da graduação, talvez eletivas.

10

Veris
ENC-01

Aluno:Rodrigo Eduardo Gomes Professor: Paulino NG

Turma:ENC-01 Data:

Casos de ética não ligada à computação
Vale desde já ressaltar que uma vez que a computação tem hoje invadido quase todas as áreas da sociedade. Nem todas as questões éticas que envolvam o uso de Sistemas de Informação devem ser ligadas a ética na computação. Para ilustrar vejamos os dois seguintes casos: 

A quebra do sigilo bancário do caseiro Francenildo de Brasília. Nesse caso houve crime contra o sistema financeiro nacional e suas leis. O acesso ao sistema bancário foi feito de dentro da instituição, por um funcionário legalmente contratado e autorizado a usar o sistema. O extrato bancário foi então passado pelo funcionário ao seu superior e foi depois tornado público. Não houve, portanto, a participação de funcionários da área de TI da instituição – um ponto fundamental nos casos de ética em computação – e nem também qualquer falha do sistema.

Houve então um crime por computador, que não envolve questões éticas em computação. 

Outro caso, do mesmo setor, mas de natureza bastante diferente, ocorreu há poucos meses. Um cliente de um banco na Inglaterra estava insatisfeito com os serviços prestados pelo banco do qual era cliente e resolveu dar vazão à sua raiva colocando como sua senha no sistema de acesso a informações bancárias por telefone uma palavra que traduzida livremente seria algo como “LloydsÉumaPorcaria”. Dias depois ao usar o sistema, percebeu que a senha havia sido mudada e ao ligar para o banco, descobriu que a nova senha, modificada por um funcionário do banco, era “NãoÉNão”. O cliente tentou então mudar a senha para outras palavras provocativas, como “BarclaysÉmelhor”, mas não teve sucesso. O caso ganhou a mídia, correu o mundo e vários comentários foram publicados em blogs e jornais. Deixando de lado a excelente demonstração do fino humor inglês, o caso levanta questões éticas interessantes.

Aparentemente, o funcionário que trocou a senha não era da área de TI. Logo depois do caso tornar-se público o banco emitiu um comunicado informando que o funcionário havia sido demitido. Se fosse apenas este o problema, não se caracterizaria um problema de ética em computação. Mas há outras questões a considerar: o que se pode dizer de uma empresa que permite que seus funcionários tenham acesso às senhas de seus clientes e até possam modificála? Por que os profissionais de computação que fizeram (ou instalaram) o sistema não armazenaram as senhas de forma criptografada e sem a possibilidade de ser modificada, a não ser pelo cliente? Deveriam estes profissionais ao menos ter alertado seus superiores de que havia uma falha de segurança do sistema? Outros sistemas do banco têm o mesmo problema?
11

Veris
ENC-01

Aluno:Rodrigo Eduardo Gomes Professor: Paulino NG

Turma:ENC-01 Data:

Como resultado, a imagem do banco saiu arranhada no episódio por ter sido revelada uma falha grave de seu comportamento ético como organização, um funcionário foi demitido e a competência dos profissionais de TI envolvidos foi posta em xeque e, talvez, suas carreiras tenham sido irremediavelmente prejudicadas. Este episódio ilustra bem a importância da ética profissional, em especial o tema da competência profissional e envolve também assuntos técnicos de engenharia de software (como especificar e implementar requisitos não funcionais) e de segurança computacional.

Casos de falta de ética em computação  Caso Revlon:
Em 1988, uma das maiores empresas de cosméticos do mundo, a Revlon, contratou uma pequena empresa de software chamada Logisticon Inc, para desenvolver o software de controle de estoque pela quantia de US$ 600.000. Em outubro de 1990, o vice presidente de desenvolvimento de software da Revlon, Nathan Amitait tentou romper o contrato alegando que o sistema tinha ficado "aquém das expectativas” Neste ponto, a Revlon devia a Logisticon US$ 180.000, mas não quis pagar até que o trabalho referente à primeira fase do contrato estivesse completo. O presidente da Logisticon Donald Gallagher acusou os outros sistemas da Revlon por qualquer defeito de funcionamento do sistema de estoque e reclamou o pagamento. A Revlon recusou. As 02h30min da manhã do dia 16 de outubro de 1990, o pessoal de sistemas da Revlon relatou uma queda genaralizada no sistema de estoque. Um fax da Logisticon, no dia seguinte, relatou que a empresa tinha desabilitado o software na última noite, mas com todos os cuidados para não corromper nenhum dado. O fax dizia ainda que se a Revlon usasse ou tentasse restaurar o software de propriedade da Logisticon haveria uma possibilidade real de perda dos dados, pela qual a Logisticon não se responsabilizaria. O fax terminava dizendo que, quando e se um acordo fosse encontrado referente a pagamentos atrasados, o sistema poderia ser reestabelecido em poucas horas. Durante os próximos 3 dias, as vendas dos dois centros de 3 distribuição afetados foram
12

Veris
ENC-01

Aluno:Rodrigo Eduardo Gomes Professor: Paulino NG

Turma:ENC-01 Data:

interrompidas, resultando na perda de milhões de dólares, e na dispensa temporária de centenas de trabalhadores. O sistema foi restaurado pela Logisticon no dia 19. No dia 22 de outubro a Revlon entrou judicialmente contra a Logisticon acusando-a de interferência em relações contratuais, transgressão, roubo de segredos comerciais, quebra de contrato e garantia. Uma das alegações da Revlon era de que a Logisticon não mencionou no contrato a existência do dispositivo de morte súbita (ou a bomba no software) dentro do sistema comprado.

 Caso Continental Can:
Uma empresa de Connecticut que desenvolveu uma base de dados de pessoal, na qual incluiu todos os seus empregados. Entremeado entre os dados típicos de pessoal, a empresa incluiu um campo (denominado a propósito red flag), que sinalizava quando a aposentadoria estava se aproximando, ou quando o indivíduo já estava habilitado a requerer a pensão. Durante toda a década de 80, a "facilidade” esteve ativa, e sempre que ela era sinalizada para alguém, a empresa o despedia, mesmo após décadas de serviços leais. Em 1991, uma corte federal em Newark, NJ, reconheceu o direito de ex-empregados, por demissão injusta, e determinou o pagamento de indenizações que chegaram ao montante de US$ 445 milhões.

Importância
Falhas éticas graves, quando ocorrem, podem causar severos prejuízos às organizações e às pessoas envolvidas.

Portanto, duma maneira muito sucinta com adoção de uma conduta de ética por parte dos profissionais de Informática (computação) teremos os seguintes benefícios: 

Serviços prestados com melhor qualidade (garantia de que os sistemas

funcionariam

como se pretende).

13

Veris
ENC-01

Aluno:Rodrigo Eduardo Gomes Professor: Paulino NG

Turma:ENC-01 Data:

A ética profissional seria mais bem estabelecida e seguida pelos usuários (cada um

procurando honrar contratos e responsabilidades).     Trabalhadores anti-profissionais ou antiéticos não teriam vez no mercado. Um conjunto de normas técnicas seria criado com objetivo de estabelecer limites. Unificação das variadas profissões da área e nomenclatura apropriada. Criação de um conselho de classe específico com normas mais cabíveis para área e

consequentes punições a desacatos em tais.   Prover resultados confiáveis para empregadores, clientes, usuários e público. Fornecer recursos que aumentem a qualidade de vida profissional (protegendo a

privacidade e aumentando a dignidade pessoal, estabelecendo limitações de acesso a informações restritas).  Usar a tecnologia da computação para fins benéficos nas mais diversas áreas de conhecimento humanos. “O futuro da computação profissional depende tanto da excelência técnica quanto da ética”.

Referencias
           

AAPAE - Australian Association for Professional Ethics American Association for the Advancement of Science home page Professional Ethics Report AAAS Scientific Freedom, Responsibility and Law Program Applied Ethics Resources on the Web (University of British Columbia) Association for Practical and Professional Ethics (Indiana) Center for Bioethics (University of Pennsylvania) Ethics and Genetics (University of Pennsylvania) Centre for Computing and Social Responsibility (De Montfort University, UK) Department of Science and Technology Studies (Cornell University) Ethics Center for Engineering and Science (Case Western Reserve University, Cleveland) Ethics in Science (Virginia Polytechnic Institute and State University) Science Ethics Resources on the Net (Virginia Polytechnic Institute and State University)
14

Veris
ENC-01

Aluno:Rodrigo Eduardo Gomes Professor: Paulino NG

Turma:ENC-01 Data:

  

Institute for Business and Professional Ethics (DePaul University, Chicago) National Center for Genome Resources (NCGR) home page Society on Social Implications of Technology (SSIT) of the Institute of Electrical and Electronics Engineers (IEEE) home page

  

Dicionário Aurélio. Bíblia Sagrada. Valeria Zerbini Souza VP Comercial Bridgestone.

15

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful