Você está na página 1de 5
aa Con) O QUE VOCE PRECISA SABER SOBRE MONTAGENS SMD Grande parte dos equipamentos comerciais atuais uti- liza a técnica de montagem em superficie (SMT) com emprego de components ultra-miniaturizados para mon- tagem em superficie chamados SMD. Como funciona este tipo de montagem @ o que podemos fazer em termos pré- ticos para realizar montagens com essa tecnologia & 0 que discutiremos neste artigo. Na tecnologia de montagem con- vencional os componentes possuem invélucros que séio muito maiores que ‘05 préprios elementos ativos em seu interior, @ que podem ser manuseados ‘com facilidade por um operador huma- To, Veja transistor na figura 1. De fato, se 0s transistores tivessem um invéluero com dimensées da mes- ma ordem que a pequena pastiha de silico que ele é propriamente, nossos dedos teriam dificuldades em manuseé-lo, entéo o que dizer de fa- er uma montagem utlizando-o de for- ma direta? Entratanto, a necessidade de se ‘colocar cada vez mais componentes numa placa levando-a a ter dimensoes cada vez menores, fez com que o montador humano fosse deixado de 4 Newton @. Praga lado em fungéo da montagem feita por maquinas. Assim, considerando-se que para ‘a maquina néo existe uma dimensao minima que ela possa manusear, 0 problema de termos componentes ‘muito pequenos deixou de existir. ‘A tecnologia de montagem em su- perficie ou SMT (Surface Mounting Pastiha ‘(Elemento atv) Fig. 1 - transistor propriamente dio & 2 pequena pasta, Technology) que faz uso de compo- nentes para montagem em superficie ou SMD (Surface Mounting Devices) 60 resultado desta miniaturizagao que encontramos nos principais tipos de aparelhos comerciais. Mas, se esta tecnologia leva a mon- tagens muito compactas com compo- nentes ultraminiaturizados, de que maneira os humanos que devem re- parar tais aparelhos com suas maos ou ainda desejem fazer montagens pessoais usando tais componentes se comportam? Atengdo para figura 2. Neste artigo falaremos um pouco dos componentes usados nas monta- gens em superficie, e como podemos Fig, 2- Montagens mais compactas