P. 1
A Matematica e a Arte de Escher

A Matematica e a Arte de Escher

4.83

|Views: 10.122|Likes:
Publicado porfmonteiro5

More info:

Published by: fmonteiro5 on Jul 13, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/13/2013

pdf

text

original

Mauritis Cornélio Escher

(1898-1970)

Você já viu alguma obra do artista Escher?

Se você não lembra é porque, provavelmente, não viu nenhuma. Olhar as imagens criadas por Escher é uma experiência inesquecível. Seus desenhos, porém, não nasciam de passes de mágica. Sua obra está apoiada em conceitos matemáticos, relacionados principalmente com a geometria.

Escher usou três octraedros para fazer a figura central de Starts.

Conheça um pouco de sua história
Mauritis Cornelis Escher, nasceu em Leeuwarden na Holanda em 1898, faleceu em 1970 e dedicou toda a sua vida às artes gráficas. Na sua juventude não foi um aluno brilhante, nem sequer manifestava interesse pelos estudos, mas os seus pais conseguiram convencê-lo a entrar na Escola de Belas Artes de Haarlem para estudar arquitetura. Alguns anos depois, deixou a escola para iniciar nas técnicas da gravura, dedicando-se ao desenho, à litografia e à xilogravura.

Esquema de uma queda d'água de Escher.

A sua obra e a Matemática

Após terminar os estudos Mauritis resolve viajar por todo o Mundo! As passagens por diferentes culturas, inspiraram a mente de Escher, nomeadamente a passagem por Alhambra, em Granada, onde conheceu os azulejos mouros. Este contato com a arte árabe está na base do interesse e da paixão de Escher pela divisão regular do plano em figuras geométricas que se transfiguram, se repetem e refletem, pelas pavimentações. Porém, no preenchimento de superfícies, Escher substituía as figuras abstrato - geométricas, usadas pelos árabes, por figuras concretas, perceptíveis e existentes na natureza, como pássaros, peixes, pessoas, répteis, etc.

Em seus simples desenhos e repetidos em série no plano, aplicava múltiplas deslocações e deformações geométricas. Estas séries repetem-se até ao infinito, unicamente limitadas pelos limites do papel! Nunca abandonou os ideais geométricos da translação, simetria, rotação e inclinação. De um modo geral, Escher substituiu as aborrecidas figuras geométricas por outras mais belas e atraentes, criando um maior sentido do uso da Geometria.

M. C. Escher. Circle limit

Caminhando pelas obras de Maurits Cornelis Escher chegamos a uma rica variedade de elementos, além dos já apresentados, destacaremos: a perspectiva, a ilusão de óptica, a aproximação com o infinito, os paradoxos e as paisagens.

O que é ilusão de óptica?" São ilusões que "enganam" o sistema visual humano. "O que são paradoxos?" O paradoxo pode ser um argumento que, apesar de aparentemente correto, apresenta uma conclusão ou conseqüência contraditória.

M. C. Escher. Relativity

Viajando no mundo de Escher
Quase toda a metade superior da estampa é a imagem refletida da metade inferior. A escada superior, onde um bicho desce da esquerda para a direita, reflete-se duas vezes: no meio e no lado inferior. Na escada, no canto superior direito, neutraliza-se a oposição entre subida e descida: duas filas de bichos avançam lado a lado; contudo, uma sobe, enquanto a outra desce.

Neste desenho reproduz-se duas vezes a mesma imagem, cada uma delas dum ponto de vista diferente. A metade inferior mostra a vista de um observador que esteja no rés do chão. A metade superior mostra o que ele veria se estivesse no segundo andar. O ladrilho que se encontra no centro da composição serve de chão no cenário superior, contudo, este vai servir de teto no cenário inferior.

Três casas estão colocadas perto umas das outra. A da esquerda vê-se de fora, a da direita a de dentro e a do centro vê-se facultativamente de dentro ou de fora. Em baixo à esquerda, um homem sobe uma escada para uma plataforma. Perto do homem adormecido encontrará uma bacia em forma de concha. Do lado direito alguém sobe uma outra escada, mas então, o

Um pátio interior é rodeado por um edifício cujo telhado consiste numa escadaria onde tanto se pode subir como descer, sem que no entanto se consiga chegar nem acima M. C. Escher. Ascending and descending nem abaixo.

A água de uma cascata põe em movimento a roda de um moinho e corre depois para baixo, numa calha inclinada entre duas torres, em ziguezague, até ao ponto em que a queda d’água de novo começa. Ambas as torres são da mesma altura, mas a da direita está, contudo, um andar mais baixo do que a da esquerda.
M. C. Escher. Watterfall

No piso inferior, no interior da casa, está encostada uma escada pela qual sobem duas pessoas. Mas chegadas a um piso acima, estão de novo ao ar livre e M.C. Escher. Belvedere têm de voltar a entrar no

Escher, sem conhecimento matemático prévio mas através do estudo sistemático e da experimentação descobre todos os diferentes grupos de combinações isométricas que deixam um determinado ornamento inariante. A reflexão é brilhantemente utilizada na xilografia "Day and Night", uma das gravuras mais emblemáticas da carreira

Os campos lavrados, de forma geométrica,elevam-se em direção ao céu e se transformam, aos poucos, em aves brancas e pretas

Desde o início que um dos seus fascínios era a representação tridimensional dos objetos na nevitável bidimensionalidade do papel. Escher, explorou em profundidade as leis da perspectiva e desafiou essas leis nas representações bidimensionais e tridimensionais, provocando o conflito das representações.
M.C. Escher.Drawing hands (paradoxos visuais)

Dono de uma personalidade humilde, Escher, não se considerava artista nem matemático. Mas a verdade é que transportou para os seus desenhos estruturas matemáticas complexas, perspectivas espaciais que necessitam sempre de um apurado segundo

São todos estes aspectos matemáticos aliados à mente artística de Escher que resultam num trabalho tão original e extraordinário. Escher foi reconhecido pelo mundo, pelos seus desenhos de ilusões espaciais, de construções impossíveis, onde a geometria se transforma em arte ou a arte em geometria.

“...apesar de não possuir qualquer conhecimento nas ciências exatas, sinto muitas vezes que tenho mais em comum com os matemáticos do que com os meus colegas artistas...” Escher

Referências Bibliográficas
     

www.texas.net/escher, acessado em 09/07/08. www.cs.unc.edu/~davemc/Pic/Escher, acessado em 09/07/08. www.znet.com/~wchow/escher.htm, acessado em 10/07/08. http://prof.ccems.pt/matematicaonline/Esc her/browser.html, acessado em 10/07/08. http://mathematikos.psico.ufrgs.br/escher. html, acessado em 10/07/08. http://www.educ.fc.ul.pt/icm/icm2001/icm2 1, acessado em 11/07/08.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->