Você está na página 1de 1

ALMA SANTA

Tu és o quelso do pental genírio


Saltando as rimpas do fermim calério
Nos rúbios calos do pijon sidério

És o bartólio do bocal empírio,


Que ruge e passa no festim sitério,
Em ticoteios de partano estírio
Rompendo as zambas do hortomogêneo.

Teus lindos olhos que têm barcalantes


São carmentórios de carcê metálico,
Nas duas pélias por que pulsa Obálio
Em vertimbáceas do pental Perôneo