P. 1
CUSTOS DE PRODUÇÃO

CUSTOS DE PRODUÇÃO

|Views: 3.656|Likes:
Publicado porguidaguereiro

More info:

Categories:Types, Business/Law
Published by: guidaguereiro on Oct 17, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as XLSX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/14/2013

pdf

text

original

A empresa Madeira Bom, ldª é uma pequena unidade fabril do sector do mobiliário, que fab - Cadeiras Simples - Cadeiras

Acolchoadas -Mesas de Pinho - Mesas em Fabrico Exóticas

O processo de fabrico ésimples e não estao defenidos Centros de Responsabilidae! A empresa utiliza o Sistema de Custeio Total2 e reclassifica os Custos Industriais em Consu Mão de Obra Directa e Gastos Gerais de Fabrico para apurar o custo dos produtos. As Cadeiras Simples constituem um produto Semi Acabado, pois podem ser vendidas direc Em relação ao mªês de janeiro,obteve-se a seguinte informação: Quant. De EI de produtos Quant. Produção Quant. Vendida Acabados Cadeira Simples 100 500 550 cadeira Alcochoada 25 100 105 Mesa Pinho 50 250 200 Mesa Madeira Exotica 10 50 60 Descrição

Informações adicionais: - As existências iniciais são valorizadas ao custo deProduçao; -Nas quantidades Vendidas do produto "Cadeira Simples" estão incluidas 100 unidades qu -O Produto " Cadeiras Simples" é incorporado no processo de fabrico peloCusto de Produçã -Os elementos referidos na 2ªlinha não incluem o custo do produto Semi-Acabado; - Nos custos do pessoal há ainda a considerar uma Taxa de Imputação Teorica relativa aos - Nos GGF, a MOIndirecta representa 50% do valor apresentado; PRETENDE_SE: 1 - Apuramento dos Resultados por Produtos 2 - Demonstração de Resultados por Funções e por Produtos CUSTO INDUSTRIAL UNITÁRIO DE CADA PRODUTO DESCRIÇÃO MATERIAIS CONSUMIDOS MOD GGF: MOI OUTROS GGF CIP: CADEIRA SIMPLES CÁLCULOS 500/500*1,6% 2000*0,50/500*1,6 2000*0,50/500 VALOR 2.00 € 1.60 € 3.20 € 2.00 € 8.80 €

DESCRIÇÃO MATERIAIS CONSUMIDOS MOD GGF:

CÁLCULOS 200/100*1,60

VALOR 1.00 € 3.20 €

MOI OUTROS GGF PROD.SEMI-ACAB. INCORP CIP: CADEIRA ACOLCHOADA

200*0,50/100*1,6 200*0,50/100

1.60 € 1.00 € 8.80 € 15.60 €

DESCRIÇÃO MATERIAIS CONSUMIDOS MOD GGF. MOI OUTROS GGF CIP: MESA PINHO

CÁLCULOS 500/250*1,60 1500*0,50/250*1,6 1500*0,50/250

VALOR 4.00 € 3.20 € 4.80 € 3.00 € 15.00 €

DESCRIÇÃO MATERIAIS CONSUMIDOS MOD GGF: MOI OUTROS GGF CIP: MESA MADEIRA CIP: CADEIRA SIMPLES CIP: CADEIRA ACOLCHOADA CIP: MESA DE PINHO CIP: MESA DEMADEIRA

CÁLCULOS 500/50*1,6 300*0,50/50*1,6 300*0,50/50

VALOR 25.00 € 16.00 € 4.80 € 3.00 € 48.80 € 8.80 € 15.60 € 15.00 € 48.80 €

VALORIZAÇÃO DAS EXISTENCIAS FINAIS PRODUTOS CADEIRA SIMPLES CADEIRA ACOLCHOADA MESA PINHO MESA MADEIRA TOTAL Ei+Qp-Qv 100+500-550 25+100-105 50+250-200 10+50-60 Q EfxCIP 50 20 100 0 VALOR 440.00 € 312.00 € 1,500.00 € € 2,252.00 €

VALORIZAÇÃO DAS EXISTENCIAS INICIAIS E DA VARIAÇÃO DAS EXISTENCIAS: EXISTENCIAS INICIAIS QUANTIDADE VALOR 100 880.00 € 25 390.00 € 50 750.00 € 10 488.00 €

PRODUTOS CADEIRA SIMPLES CADEIRA ACOLCHOADA MESA PINHO MESA MADEIRA

ΔE = (Ef-Ei) 440.00 € 78.00 € 750.00 € 488.00 €

TOTAL

2,508.00 €

256.00 €

DETERMINAÇÃO DAS COMPRAS PARA CONSUMOS (PASSAGEM CONTABILISTICA PO

PRODUTOS CADEIRA SIMPLES CADEIRA ACOLCHOADA MESA PINHO MESA MADEIRA TOTAL

MATERIAIS CONSUMIDOS CÁLCULOS VALOR 500*2 1,000.00 € 100*1 100.00 € 250*4 1,000.00 € 50*25 1,250.00 € 3,350.00 €

DETERMINAÇÃO DO VALOR DE VENDA DE CADA PRODUTO VALOR DE VENDA CÁLCULOS VALOR 550-100*10 4,500.00 € 105*20 2,100.00 € 200*15 3,000.00 € 60*60 3,600.00 € 13,200.00 €

PRODUTOS CADEIRA SIMPLES CADEIRA ACOLCHOADA MESA PINHO MESA MADEIRA TOTAL

DETERMINAÇÃO DO CUSTO DE VENDAS DE CADA PRODUTO VALOR DE VENDA CÁLCULOS VALOR 550-100*8,80 3,960.00 € 105*15,60 1,638.00 € 200*15,00 3,000.00 € 60*48,80 2,928.00 € 11,526.00 €

PRODUTOS CADEIRA SIMPLES CADEIRA ACOLCHOADA MESA PINHO MESA MADEIRA TOTAL

DETERMINAÇÃO DO RESULTADO DE CADA PRODUTO

PRODUTOS CADEIRA SIMPLES CADEIRA ACOLCHOADAMESA PINHO VENDAS 4,500.00 € 2,100.00 € 3,000.00 € CUSTO DAS VENDAS 3,960.00 € 1,638.00 € 3,000.00 € RESULTADO 540.00 € 462.00 € €

mobiliário, que fabrica 4 produtos distintos:

sabilidae! ustriais em Consumos de Materiais, produtos. ser vendidas directamente ou serem acolchoadas numa nova fase de fabrico. Consumo unitário de Materiais 2.00 € 1.00 € 4.00 € 25.00 €

Preço Unitário de Venda 10.00 € 20.00 € 15.00 € 60.00 €

Custo de MOD (Global) 500.00 € 200.00 € 500.00 € 500.00 €

GGF Globais 2,000.00 € 200.00 € 1,500.00 € 300.00 €

100 unidades que foram consumidas internamente; oCusto de Produção; -Acabado; eorica relativa aos encargos Sociais equivalentes a 60%daqueles;

VALOR 2.00 € 1.60 € 3.20 € 2.00 € 8.80 €

VALOR 1.00 € 3.20 €

1.60 € 1.00 € 8.80 € 15.60 €

VALOR 4.00 € 3.20 € 4.80 € 3.00 € 15.00 €

VALOR 25.00 € 16.00 € 4.80 € 3.00 € 48.80 € 8.80 € 15.60 € 15.00 € 48.80 €

VALOR 440.00 € 312.00 € 1,500.00 € € 2,252.00 €

ISTENCIAS:

ΔE = (Ef-Ei) 440.00 € 78.00 € 750.00 € 488.00 €

256.00 €

NTABILISTICA POR ARMAZEM)

S ALOR 00.00 € 0.00 € 00.00 € 50.00 € 50.00 €

ALOR 00.00 € 00.00 € 00.00 € 00.00 € 00.00 €

ALOR 60.00 € 38.00 € 00.00 € 28.00 € 26.00 €

MESA MADEIRA 3,600.00 € 2,928.00 € 672.00 €

TOTAL 13,200.00 € 11,526.00 € 1,674.00 €

A Empresa " Única Lda" comercializa um unicoproduto. Da contabiloidade Analiti Custos Fixos Globais - 1000€ Quantidades adquiridas e vendidas - 1000 unidades Preço de venda unitário - 5€ Custo Variavel unitário - 3€ 1 000 € 1,000 5.00 € 3.00 €

Os pressupostos da Teoria do Custo-Volume-Resultado saorespeitados pela empr PRETENDE-SE: 1 2 3 4 5 Ponto Critico em Quantidades Ponto Critico em Valor Margem de Segurança Estimativa do resultado Demonstração de resultados.

RESOLUÇÃO: 1- PONTO CRITICO EM QUANTIDADE Qe = Custos Fixos Preço de venda unitário-Custo Variável Unitário Qe = Custos Fixos Margem de cobertura unitária

Qe =

1 000 € 2.00 €

=

500

2 - PONTO CRITICO EM VALOR

Ve =

Qe x Preço venda Unitário

Ve =

500 x 5,00€

=

###

3 - MARGEM DE SEGURANÇA

A Margem de Segurança representa o possivel decrescimo nos proveitos o valor total das vendas. Ou seja representa a perda operacional potencial. Margem de Segurança em quantidades: é a diferença entre quantidade

do ponto de equilibrio. MSq = 1.000-500= 500

Margem de segurança em valor :é a diferença entre o valor das vendas actuais ( MSv = (1000x5,00)- 2.500€= ###

4 - ESTIMATIVA DO RESULTADO (Qr-Qe)- MBC= (1.000-500)x(5,00€-3,00€)= ###

5 - DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DESCRIÇÃO Vendas Custo das Vendas Resultado Operacional Bruto Custos Fixos ñ Incorporados Resultado QUANT. PV UNIT. 1,000 5.00 € 1,000 3.00 €

5,000.00 3,000.00 2,000.00 1,000.00 € 1,000.00

€ € € €

abiloidade Analitica obteve-se a seguinte informação relativa a um mês.

eitados pela empresa nas condições referidas:

mo nos proveitos que pode ocorrer antes que se concretize al potencial. tre quantidade de vendas actuais (ou esperadas) e a quantidade de vendas

vendas actuais (ou esperadas)e o valo das vendas do ponto de equilibrio.

A Empresa AHT, Lda comercializa um único produto.

Relativamente aos dois ultimos meses,obtiveram-se, a partir dosregistos da Cont No primeiro mês: Custos Fixos Globais Custos Variaveis unitários Preço de Venda Unitários Quantidade Vendida 150.00 € 5.00 € 10.00 € 50

No segundo mês: - A Empresa viu-se forçadad a reduzir o seu preço de venda em 10% PRETENDE-SE:

1 - Ponto critico em Quantidade e em Valor e estimativa do Lucro para o 2 - ponto critico em Quantidade e em valor e estimativa do novo resulta Nota : Poderecorrer-se á metodologia dos Resultados Diferenciais.

Resolução:

1 - Ponto Crítico em Quantidades e em Valor e Estimativa do Lucro para o
MC =Margem de Cobertura P.V.Unit C. V . Unit. MC . [2] [3] [4]=[2-3] 10.00 € 5.00 € 5.00 €

Custos Fixos [1] 150.00 €

Qe (unidades) [5]=[1/4] 30

2 - Ponto Crítico em Quantidades e em Valor e Estimativa do Novo Resulta
MC =Margem de Cobertura P.V.Unit C. V . Unit. MC . [2] [3] [4]=[2-3] 9.00 € 5.00 € 4.00 €

Custos Fixos [1] 150.00 €

Qe (unidades) [5]=[1/4] 37.5

osregistos da Contabilidade Analitica,os seguinte elementos:

do Lucro para o primeiro mês. do novo resultado para o segundo mês os Diferenciais.

do Lucro para o 1º mês

Ve [2]x[5] 300.00 €

Q. Vend [6] 50

Estimativa do Lucro [7]=[6-5]x[2-3] 100.00 €

do Novo Resultado para o 2º mês

Ve [2]x[5] 337.50 €

Q. Vend [6] 50

Estimativa do Lucro [7]=[6-5]x[2-3] 50.00 €

Com base nos elementos obtidos na Contabilidade Analitica reslativamente a um mês da E quadro seguinte, pretende-se:

1 - O ponto Critico em Valor 2 - O Lucro Liquido estimado para um volume de Vendas de 1.200€, admitindo que seman produto. Descrição Quantidade Vendida Preço de Venda Unitário Custo Variável Unitário Custos Fixos Globais Unidades KILOS € € € Produtos B 300 4 2

A 100 5 1

Nota: Admita que o processo económkco e tecnológico da Empres respeita os pre " Custo-Volume-Resultado"

1º Passo: Cálculo da estrutura das Vendas Descrição Quantidade Vendida Preço de Venda Unitário Volume de Vendas Estrutura de vendas Unidades KILOS € € % A 100 5 500 11.36% Produtos B 300 4 1200 27.27%

O produto Mix éconstituido pelas percentagens relativas de cada produto no volume de ven produto Mix (A,B,C) = Produto Mix (11,27,62) 2º Passo: cálculo das Margens de Contribuição Unitárias Descrição Preço de Venda Unitário Custo variável Unitário Margem de Contribuição em Valor Margem de Contribuição em % Unidades € € € % A 5 1 4 80% Produtos B 4 2 2 50%

3º Passo: Cálculo da margem de contribuição do Mix (médiaponderada) Margem Contribuição Mix = ((80x11,36)+(50x27,27)+(33,33x61,36))/100 =

4º Passo: Cálculo do ponto Crítico em Valor.

Ve= (Custos Fixos)/(Margem de Cobertura em %)

###

5º Passo : Cálculodo lucro liquido estimado (1.200-1.157,89) x43% 18.11

nte a um mês da Empresa Conjuntex, Lda apresentados no

mitindo que semantem a proporcionalidade entre as vendas de cada

odutos C 600 4.5 3 Total

500

s respeita os pressupostos da teoria

odutos C 600 4.5 2700 61.36% Total

4400

o no volume de vendas Global:

odutos C 4.5 3 1.5 33%

derada) 43% 0.43

A Empresa LXM,SA dedica-se á reparação de máquinas industriais, dispondo de oficinas no Os clientes dirigem-se á oficina e apresentam as deficiencias que observam, sendo estas re na ficha de obra para cada cliente.

A contabilidade Analitica está organizada pelo Metodo das secções homgeneas,encontrand definidas na parte fabril quatro secções: Mecanica, Electricidade,Serralharia e Gastos Comu os respectivos Custos Directos mensais foram os seguintes: SECÇÕES Mecanica Electricidade Serralharia Gastos Comuns CUSTOS DIRECTOS MENSAIS 15,300.00 € 9,375.00 € 5,000.00 € 13,125.00 €

Os custos com a secção de gastos comuns são repartidos proporcionalmente ás Horas - Ho e a unidade de custeio é o dia.

os custos das restantes secções são imputadas aos respectivos beneficiarios,com base nas directa aplicada (Hh) conforme Mapa das actividades das secções.

Apuram-se os custos directamente em relação a cada obra que incluem os custos das repa oficinas e o custo dos trabalhos especificos encomendados ao exterior,por não serem da es

No final do mês anterior a empresa LXM,SA tinha em curso duas obras que transitaram par os seguintes custos: Obra nº 51 ### Obra nº 52 6,000.00 € No mês em estudo, verificou-se oseguinte movimento nas obras: Iniciaram-se as obras nº 53 e 54 Concluiram-se as obras nº 51,52 e 53 A Actividade das secções principais (em Hh) distribui-se no mês do seguinte modo: DESCRIÇÃO Obra nº 51 Obra nº 52 Obra nº53 Obra nº 54 Secção Mecanica secção Electricidade Total MECANICA 1,200 1,600 2,300 3,600 300 9,000 ELECTRICIDADE 650 1,200 2,300 200 150 4500

Os valores dos diversos materiais utilizadosnas obras durante o mês foram:

Obra Obra Obra Obra

nº 51 nº 52 nº53 nº 54

2,150.00 3,350.00 6,875.00 5,150.00

€ € € €

os valores dos trabalhos encomendados ao exterior durante o mês foram os seguintes: Obra nº 51 Obra nº 53 2,450.00 € 3,480.00 €

No mês em estudo obtiveram-se ainda as seguintes informações: facturacão obra nº 51 Obra nº52 Obra nº 53 Custos comerciais globais Custos administrativos Custos Financeiros Pretende-se:

### ### ### 1,300.00 € 1,100.00 € 3,070.00 €

1- mapa dos custos das secções evidenciando o custo das unidades de obra impu 2- custo de produção das diferentes obras incluindo as obras em curso 3- demonstração de resultados por funçoes e por obra relativos ao mês em estud

1- Mapa dos custosMecanica das secções evidenciando o custo das unidades de obra impu 9.000 Hh Electricidade 9.000 Hh Serralharia 4.000 Hh Custos Directos Reembolsos Mecanica Electicidade G. Comuns Subtotal Custo Total Unidade Obra unidade imputação unidade Custeio 15,300.00 € 9,375.00 €

300 150 450.00 € 6,750.00 € 7,200.00 € 22,500.00 € 2.50 €

750.00 € 3,375.00 € 4,125.00 € 13,500.00 € 3.00 €

2- Custo de produção das diferentes obras incluindo as obras em curso Obra 51 Obra 52 Descrição Hh Valor Hh

Materiais Custos de transformação Mecanica Electricidade Serralharia Subtotal Subcontratações Obras em curso Noinicio do mês No fim do mês Subtotal Custo Total

2,150.00 €

1,200 650 400

3,000.00 1,950.00 800.00 5,750.00

€ € € €

1,600 1,200 900

2,450.00 €

4,000.00 € 4,000.00 € 14,350.00 €

3- Demonstração de resultados por funçoes e por obra relativos ao mês em estud Descrição Obra 51 Obra 52 Volume de vendas 15,250.00 € 21,250.00 € Custo das Vendas 14,350.00 € 18,750.00 € ROB - Resultado Operacional Bruto 900.00 € 2,500.00 € Custos Comerciais Custos Administrativos Custos Financeiros Resultado

spondo de oficinas nosarredores de Lisboa. servam, sendo estas resgistadas pelo Encarregado

omgeneas,encontrando-se alharia e Gastos Comuns.

almente ás Horas - Homem das outras secções

ficiarios,com base nas horas de mao de obra

em os custos das reparações efectuadas nas or,por não serem da especialidade da empresa.

s que transitaram para o mês em estudo com

eguinte modo: SERRALHARIA 400 900 1,900 800

ELECTRICIDADE 650 1,200 2,300 200 150 4500

4000

ram os seguintes:

dades de obra imputação ecusteio em curso os ao mês em estudo

dades de obra imputação ecusteio rralharia 4.000 Hh Gastos Comuns 5,000.00 € 13,125.00 €

Total 42,800.00 €

3,000.00 € 3,000.00 € 8,000.00 € 2.00 € 13,125.00 € 0.75 €

750.00 € 450.00 € 13,125.00 € 14,325.00 € 57,125.00 €

em curso Obra 52 Valor

Obra 53 Hh Valor

Obra 54 Hh Valor

3,350.00 €

6,875.00 €

###

4,000.00 3,600.00 1,800.00 9,400.00

€ € € €

2,300 5,750.00 € 2,300 6,900.00 € 1,900 3,800.00 € ### 3,480.00 €

3,600 9,000.00 € 200 600.00 € 800 1,600.00 € ###

6,000.00 € 6,000.00 € ###

0 0 ###

os ao mês em estudo Obra 52 Obra 53 21,250.00 € 28,500.00 € 18,750.00 € 26,805.00 € 2,500.00 € 1,695.00 €

Total 65,000.00 € 59,905.00 € 5,095.00 € 1,300.00 € 1,100.00 € 3,070.00 € 375.00 €

Mecanica Unidades de Obra

9.000Hh = 15.300+6.750+150Hh (Elect.) 9.000-150 Hh = 22.050 8.850 Hh = 22.050 Hh = 22.050/8.850 Hh = 2.50 €

4.500Hh= Electricidade Unidades de obra 9.375+3.375+300Hh(MEC) 4.500-300Hh = 12.750 4.200Hh =12.750 Hh = 12.750/4.200 Hh= 3.00 € Serralharia Unidades de Obra Hh =(5.000+3.000)/4.000 Hh= 2.00 €

A Empresa Boas Rações SA dedica-se o fabrico de rações que comercializa a granel e em s Para a sua produção utiliza dois conjuntos de matérias primas (cereais e outros, como por e e esta estruturada nos seguintes centros de custos industriais. Armazem (de Materias Primas e de Produtos Acabados) Produção Embalagem Serviçpos de Manutenção (SM) gastos Comuns (GC) Distribuição de Energia (DE) Da analise aos registos contabilisticos de um mês retiraram-se os seguintes elementos: Custos de Funcionamento

DESCRIÇÃO Custos Directos (€) Reembolsos: Manutenção (Hh) Distribuição Energia (KWH) (%)

ARMAZEM 350.00 €

PRODUÇÃO 1,830.00 €

12 10%

190 35%

NOTAS:

1 - Os custos de Armazem são apenas suportados pelos produtos acabados; a imputaçao d as quantidades de produto embalado saidas no mês e a unidade de custeio é o da (mas) m

2 - A imputação dos gastos comuns é proporcional aos custos directos das secções de prod 3 - a actividade da secção distribuição de energia e 82,000 Kwh

Informação sobre stocks

COMPRA DE MATERIAS DESCRIÇÃO Cereais Outras Embalag Compras (Ton)/Produçao (Ton) 279 113 Existência Final (Ton) 15 12 Custo Unitário de Compra (€) 18.00 € 15.00 € 0.12 €

PROD./PROD.ACABAD Granel 170 20

Informação sobre consumos por produtos acabados

DESCRIÇÃO

A GRANEL

EM SACOS 50KGS

Cereais (Ton) Outras matérias (Ton) Secçaode produção (Hm) Secção de Embalagem (Hm)

131 55 300 0

133 46 222 342

Nota: No consumo dos sacos há um desperdicio de 5% dos efectivamente utilizad PRETENDE-SE:

1 - Custo da Unidade de Obra das Secções de Produção e Embalagem 2 - Custo Industrial Unitário de cada Produto 3 - Demonstração de Resultados por funções e por Produtos sabendo que a empr e de 50% no produto embalado, sobre os valores dos repectivos custos indus

RESOLUÇÃO: 1 - Cálculo das Actividades das secções Produção = Hm (granel)+Hm (sacos) = Hm Produção = 300Hm (granel) + 222Hm (sacos) = 522

Manutenção (Hh)=Armazem+Produção+Embalagem+GC+DE = Hh Manutençao = 12+190+108+32+38 = Quant. Vend. Prod. Acab.Emb. (sacos de 50Kgs)= 380 Ei+Produção=venda+Ef 0+175=venda+15 venda = 175-15

Venda =

160 Ton

Cálculo das Prestações Reciprocas entre as Secções Manutenção (SM) e distribui DE: 82.000Kwh = DE : Kwh = 780+38Hh 818 = 82,000

0.01

SM : 380Hh = SM: Hh =

220+(15%x82.000x0,009976) = 342.7 = 0.901842 380

KWH= Hh =

0.01 0.901842

Calculo do reembolso da Secção gastos Comuns (GC) Cust.Unit Custos Directos (€) Recebe da manutenção (Hh) Recebe da Dist. Energia 20% de 82.000Kwh 32 16400 0.901842 0.01

Produção Embalagem Total

C.Directos 1,830.00 € 440.00 € 2,270.00 €

Reembolso dos GC 0.806 € 0.1938 €

1 - Mapa de custos de Transformação Produção (Hm) Embalagem (Hm) 522 342 Q. valor Q. Valor 1,830.00 € 440.00 € 190 28700 171.35 € 286.30 € 413.13 € 870.78 € 2,700.78 € 5.17 € 108 97.40 € 16400 163.60 € 99.33 € 360.33 € 800.33 € 2.34 €

Actividade Custos Directos Reembolsos Manutenção D. Energia G.Comuns Subtotal Custo Global Unidade Obra

Manutenção (Hh) 380 Q.

0 12300

2 -Mapa de custos de Produção

Raçao granel 170Ton Raçao Bem.175Ton=175. Unid Fisica Custo Un Quant valor Quant. MATÉRIAS Cereais Ton Outras Ton Embalagem Sacos Subtotal C.TRANSFORMAÇAO Produção Hm Embalagem Hm Armazem Ton Subtotal CUSTO GLOBAL CUSTO UNITARIO 18.00 € 15.00 € 0.12 € 131 ### 55 825.00 € ### 5.17 € 2.34 € 2.77 € 300 ### 222 342 175 133 46 3675

170 470.29 € ### ### 30.62 €

iza a granel e em sacos de 50Kgs e outros, como por exemp a farinha de peixe

ntes elementos:

EMBALAGEM 440.00 €

SM 220.00 €

GC 320.00 €

DE 780.00 €

108 20%

0 15%

32 20%

38 0%

ados; a imputaçao doscustos de armazem é proporcional teio é o da (mas) mantendo-se a responsabilidade no Sector fabril.

das secções de produção e embalagem e a unidade de custeio é o dia.

OD./PROD.ACABADOS Em sacos 175 15

EM SACOS 50KGS

133 46 222 342

tivamente utilizados.

bendo que a empresa pratica margens de 35% no produto a granel tivos custos industriais.

Hm

Hh

nda+Ef

o (SM) e distribuição de energia (DE)

342.70

Total 320.00 28.86 163.60 512.46 € € € €

16400

Reembolso dos GC 413.13 99.33 512.46

Total 2,243.13 € 539.33 € 2,782.46 €

Manutenção (Hh) 380 Valor 220.00 € € 122.70 € 122.70 € 342.70 € 0.90 €

Gastos Comuns Q. Valor 320.00 € 28.86 € 163.60 € 192.46 € 512.46 €

Dist. Energia 82000 Q. Valor 780.00 € 38 0 34.27

Armazém (Ton) 160 Q. Valor ### 12 10.82 € 8200 81.80 € 92.62 € ### 2.77 €

32 16400

34.27 € 814.27 € 0.0099 €

em.175Ton=175.000Kgs Valor Total 2,394.00 690.00 441.00 3,525.00 1,148.61 800.33 484.12 2,433.05 5,958.05 34.05 € € € € 4,752.00 1,515.00 441.00 6,708.00 € € € €

€ 2,700.78 € € 800.33 € € 442.62 € 4,455.51 € € 11,163.51 € €

DE 780.00 €

38 0%

Total 3,940.00 € 342.70 € 818.00 € 512.46 1,673.16 € 5,613.16 €

A Minorte SA dedica-se á produção de barcos de recreio e trabalha por encomenda. Nos cascos emfibra adquiridos externamente pela Empresa, são implementados osmotores após o que os barcos transitam para a secçãodeAcabamento, onde se processam os divers de Pintura. Existe ainda uma secção de Oficina Electrica que presta os serviços da sua especialidade. Com apoio á actividade descrita existe uma secção auxiliar designada por Manutençºão,cu atrás referidas proporcionalmente aos custos directos de cada uma. Nofinal de Janeiro de 2009 encontravam-se em curso 2 encomendas,que transitaram para Materiais 180,000.00 € 230,000.00 € Montagem 1,200 2,500 50

Encomenda nº 88 Encomenda nº 90 Fornecedores Encomenda nº 88 Encomenda nº 90 Encomenda nº 91 Montagem Oficina Electrica

Custos Transforma 10,000.00 € 41,000.00 € Acabamento 3,500 5,000

Em Fevereiro de 2009 concluiram-se estas encomendas e iniciou-se a nº91.

A Actividade das secções principais, cuja unidade de obra é a Hh, distribuui-se da seguinte Montagem 30,000.00 € Acabamento 63,000.00 € Pintura 5,000.00 € Of. Electrica 30,000.00 €

Os materiais aoplicados nas obras foram os seguintes: Obra nº88 25,000.00 € Obra nº90 15,000.00 € Obra nº 91 250,000.00 €

A facturação domês envolveu os seguintes valores: Obra nº 88 290,000.00 € Pretende-se: Tendo em conta que a Empresa adopta o custeio real Total: 1 - Mapa de Custos das Secções com apuramento docusto das unidades de obra. 2 - Custo Industrial das Obras terminadas em fevereiro. 3 - Resultado Operacional Bruto de Fevereiro. Obra nº 90 400,000.00 €

1 - Mapa das Secçôes Montagem Custo Unitário

Custo Unitário Custos Directos Reembolsos Manutenção Montagem Oficina Electrica Subtotal CUSTO TOTAL UNIDADE DE OBRA

Hh Q

3,750 V ### 6,000.00 €

12.13 13.56

700 9,490.58 € ### ### 12.13 €

X - Custo da unidade de obra da Oficina Y - Custo da Unidade de obra da Montagem 2.700x=30.000+6.000+50y 3.750y=30.000+6.000+700x 2.700x=36.000+50y X= 3.750y=36.000+700x Y=

2 -Custo das Obras: Custo Unitário Custos do Més - Materiais Custos de Transformação - Montagem - Pintura - Acabamentos - Oficina Electrica Subtotal TOTAL PRODUTOS EM VIAS DE FABRICO (1/02) - Materiais - Custos de Transformação Subtotal PRODUTOS ACABADOS - Materiais - Custos deTransformação Subtotal PRODUTOS EM VIAS DE FABRICO (28/02) - Materiais - Custos de Transformação Subtotal TOTAL Obra nº 88 Q

12.13 € 13.95 € 8.89 € 13.56 €

1,200 250 3,500 500

3 - Resultado Operacional Bruto Obra nº 88 VENDAS 290,000.00 € CUSTOS DAS VENDAS 270,953.76 € RESULTADO OPERACIONAL BRUTO19,046.24 € Obra nº 90 400,000.00 € 353,319.18 € 46,680.82 €

r encomenda. ementados osmotores na secção de Montagem processam os diversos acabamentos, passando posteriormenteá secção

a sua especialidade. a por Manutençºão,cujos custos são imputados ás 4 secções principais

que transitaram para Fevevreiro de 2009 com os seguintes custos: Custos Transformação 10,000.00 € 41,000.00 € Pintura 250 180 Ofic. Electr 500 1,500 700 Hh

ribuui-se da seguinte forma: Of. Electrica 30,000.00 € Manutenção 25,600.00 €

es de obra.

Pintura

Acabamento

Ofic.Electrica

Manutenção

Hh Q

430 V ### ###

Hh Q

8,500 V ### ###

Hh Q

2,700 V ### 6,000.00 € 50 606.54 € 6,606.54 € ### 13.56 €

Manutenção Q

### ### 13.95 €

### ### 8.89 €

13.56 12.13

9.6 480 2690.67

0.19 9.33 13.56

9490.58 9.6 2.53

Obra nº 88 V 25,000.00 € 14,556.99 € 3,488.37 € 31,129.41 € 6,778.99 € ### 80,953.76 € ### 10,000.00 € ### ### 65,953.76 € ###

Obra nº 90 Q V 15,000.00 € 0 180 2,511.63 € 5,000 44,470.59 € 1,500 20,336.97 € ### 82,319.18 € ### 41,000.00 € ### ### ### ###

Obra nº 91 Q V ### 2,500 30,327.06 €

### ###

### 30,327.06 € ###

Total ### ### ###

Manutenção

Total

Manutenção V ###

Total 153,600.00 € 25,600.00 € 606.54 € 9,490.58 € 35,697.13 €

A Empresa BAC SA produz 2 produtos X e Y e um subproduto S em regime de produção con A Imputação de custos á produção é feita por imputação intermédia dos custosde transform PROCESSO DE FABRICO

CENTRO A -O processo de fabricação desenvolve-se sobre duas matérias primas M1 e M2 para o CENTRO B. Neste centro A verifica-se uma quebra normal de peso das matérias primas trans Assim o semi-produto obtido tem apenas 75% do peso das matérias utilizadas. Os GGF do Centro são imputados por quota teórica em finção dos custos reais de CENTRO B - Neste centro realizam-se duas operações de transformação distintas:

1ª Operação -Ao semi-produto recebido é imediatamente adicionada a matéria líquida M3, sendo a mistura sujeita a esta operação. Verifica-se aquu uma perda no fim desta operação separam-se em peso igual, o produto X,para venda e o se

2ª Operação -O semu-produto Y é aqui transformado. No final obtem-se o produ Não há aqui nenhuma perda de peso mas é variavel a proporção em que se obte dependendo da qualidade das matérias primas utilizadas. os custos MOD deste centro são imputados ás duas operações por quota teórica - de X+Y á saida da 1ª Operação - de Y á saida da 2ª Operação Os GGF são impuntados em função dos custos de MOD aplicados.

A Empresa distribui a sua produçaõ aos clientes. Tem um contrato com uma camionagem a de produtos principais e 25.00 € por ton de sub-produto. Utiliza-se o critério do lucro nulo paraz custear o sub-produto e o criterio de repartição prop separação para custear os produtos principais. Não existem produtos em fase de fabrico nem no inicio nem no fim de Janeiro do ano N. Em finais do ano N-1 preparam-se as seguintes estimativas para oAno N: Produção Semi-produto Custos de MOD Consumo Materias Primas GGF Consumo Materias Primas Custos de MOD Produção de sub-produto 2500 1,250.00 € 1,400.00 € 1,125.00 € 750,000 5 07000 € 450 ton

CENTRO A

CENTRO B

Em janeiro do ano N recolheram-se os seguintes elementos: Materias Primas Compras M1 (ton) 250 M2 (ton) 100 M3 (Lts)

Existencias Iniciais Existencias Finais

40 90

20

80,000 20,000

As existencias iniciais de M1 e M3 estavam valorizadas restectivamente por 12.500€ e 120 As compras de M1 foram feitas a 240€/ton e as de M2 a 875€/ton. o stock de materias primas é valorizadoa custo médio.

produziram-se 80 ton de Y. utiliza-seoFIFO para valorizar stocks de produtos acabados. os stocks iniciais de produtos acabados limitavam-se a 30 Ton de X valorizadas por 96.000 Custos do Mês MOD GGF VENDAS x y S Centro A 100,400.00 € 90,000.00 € QUANT. TON 140 60 40 Centro B 42,000.00 € 83,200.00 € PREÇO €/TON 4,500.00 € 2,100.00 € 55.00 €

PEDE-SE: 1- DETERMINE A PRODUÇÃO DO MÊS DE X E S. 2 - CALCULE O CUSTO INDUSTRIAL UNITÁRIO DE PRODUÇÃO DO MÊS.

RESOLUÇÃO:

1 - CÁLCULO DA PRODUÇÃO DO MÊS Consumos de M1 e M2 no Centro A ( Em Quantidades - Ton) M1 M2 Existencias Iniciais 40 0 Compras 250 100 Existencias Finais 90 20 Consumos 200 80 Quantidade (Ton) produzida á saida do Centro A Materias primas Consumidas Perda de Peso (25%) Semi-Produto Produzido

2,500 625 210

PRODUÇÃO NO CENTRO A Semi Produto Recebido 210 Consumos de M3 - Existencias Iniciais 80,000 - Compras 0 - Existencias Finais 20,000

ton Lts Lts Lts

- Consumos - Equivalencia Peso (x1,5) Perda de peso 1ª Operação (20%) Produção de X+Y

60,000 90 300 60 240

Lts Ton Ton Ton Ton

O enunciado diz: No fim desta operação separam-se em peso igual O produto X pronto para venda e oproduto Y X = 50% Y = 50% 150 120 Ton Ton

Produção na 2ªoperação Y= S= 80 40 120 ton ton ton é a produção indicada no enunciado

2 -CÁLCULO DO CUSTO INDUSTRIAL DA PRODUÇÃO DO MÊS

Cálculo das quotas técnicas: GGF Centro A = GGF estimados MOD estimada = 1,125.00 € 1,250.00 € =

MOD de B = Produção de X + Y e Y

MOD estimada (x+y) + Y

=

507,000.00 € 3900

=

Semi Produto M3 ( 750.000 lt) Perda de peso X+Y

2,500.00 ton 1,125.00 ton 3,625.00 ton 725.00 ton 2,900.00 ton 1,000 Y S 967 483 X 1,450 Y 1,000 S 500

X 1450

2ª Operação -O semi produto Y é aqui transformado. No final obtem-se o produto Y e o su Não há aqui nenhuma perda de peso mas é variável a proporção em que seobtem o produt dependendo da qualidade das matérias primasutilizadas. CÁLCULO DOS CUSTOS CONSUMO (CONJUNTOS) de X + Y Centro A 50,000.00 € 70,000.00 € 100,400.00 € 90,360.00 € Centro B 400,760.00 € 31,200.00 € 62,400.00 € 494,360.00 €

Mat. M1: Mat. M2: MOD GGF=

Mat. M3 MOD GGF

Existencias iniciais M1 (enunciado)= Consumos de M1 (1º quadro) = Preço compra/ton (enunciado) = M1 Existencias Iniciais Compras Custo Médio Ponderado Existencias iniciais M2 (enunciado)= Consumos de M2 (1º quadro) = Preço compra/ton (enunciado) =

12,500.00 € 200 240€ /ton QUANT.(TON) 40 250 290 120,000.00 € 80 875€ /ton Custo/ton 312.50 € 240.00 € 250.00 €

Existencias iniciais M3 Valor das Existencias Iniciais Valor Unitário (€/ton) Consumo Valor do Consumo

Litros 80,000

Ton 120 120,000.00 € 1,000.00 € 90 90,000.00 €

Cálculo dos Custos Especificos:

Produtos S X Y

Tons 40 120

Custos de Distribuição Unitário Total 25.00 € 1,000.00 € 50.00 € 6,000.00 €

Custos Industriais - Centro B - 2ª Operação:

MOD

GGF

1ª Operação (de X+Y) 2ª Operação (de Y)

31,200.00 € 10,400.00 € 41,600.00 €

83,200.00 €

Centro B

GGF 83,200.00 €

Centro B

GGF 83,200.00 €

MOD 41,600.00 €

Diz o enunciado que os custos de MOD do Centro B são imputados ás duas operações por q dos pesos de X+Y á saida da 1ª operação e de Y á saida da 2ª operação e que os GGf são im (ver enunciado). Custos Industriais (Y=80T)+(S=40T) MOD (80Tx130€) GGF (2x10,400€)

10,400.00 € 20,800.00 € 31,200.00 €

Custos não Industriais - Centro B - 2ª Operação 80x50€ 4,000.00 € Produto Y

Custos do Subproduto - Centro B - 2ª Operação 40x25€ 1,000.00 € Subproduto S

Custos especificos - Subproduto S do Centro B - = ###

Custos Industriais Custos não Industriais Custos do Subproduto Custos Especificos Toral dos custos do Centro B

31,200.00 € 4,000.00 € 2,200.00 € 1,000.00 € 34,000.00 €

Valor de Venda de X e Y no ponto de separação Produto X Preço/ton 4,500.00 €

Valor de Venda Custos Especificos Total

Quant. 120

Total 540,000.00 € 6,000.00 € 534,000.00 €

80%

Calculos dos custos Industriais

Custos Conjuntos Custos Especificos Total Custo Unitário

X(120Ton) 395,488.00 € 395,488.00 € 3,295.73 €

Y(80Ton) 98,872.00 € 30,000.00 € 128,872.00 € 1,610.90 €

S(40Ton) 1,200.00 € 1,200.00 € 30.00 €

de produção conjunta e continua. ustosde transformação a dois centros de custos.

primas M1 e M2 e obtem-se um semi-produto imediatamente transferido

as primas transformadas. as utilizadas. custos reais de MOD.

distintas:

onada a matéria primoa aquu uma perda normal de peso de 20%. Um litro (1L) de M3 pesa 1,5Kg. ara venda e o semi-produto Y.

obtem-se o produtoT e o sub-produto S. o em que se obtem o produto e o sub-produto,

or quota teórica emfunção dos pesos:

ma camionagem a quem paga0.00 € por ton. Distribuida 5

de repartição proporcional ao valor de venda no produto de

eiro do ano N.

or 12.500€ e 120.000€.

os acabados. zadas por 96.000€.

- Ton) TOTAL 0 350 110 280

0.90

###

produto Y e o sub-produto S. seobtem o produto e o sub-produto

83.000/42000=1,98 =

2

TOTAL 12,500.00 € 60,000.00 € 72,500.00 €

s operações por quota teorica em função que os GGf são imputados em função dos custos de MOD aplicados

Total 540,000.00 € 6,000.00 € 534,000.00 €

Quant. 80

Produto Y Preço/ton 2,100.00 €

Total 168,000.00 € 34,000.00 € 134,000.00 €

668,000.00 €

80%

20%

S(40Ton) 1,200.00 € 1,200.00 € 30.00 €

Total 494,360.00 € 31,200.00 € 525,560.00 €

A empresa JCP, S.A., produz, em série, dois produtos aqui referenciados por P1 e Os dados contabilisticos para o periodo N são os seguintes: 1 - Vendas Produtos P1 P2 Quant. (unid) Preços Venda (€) 20,000 200 € 30,000 300 €

2- Stocks Iniciais 2.1 - De produtos em vias de fabrico Produtos P1 P2 Unid. Fisicas 2,000 3,000 MP em € 45000 € 1 80000 € 2 25000 €

Nota: a incorporação das MP faz-se no inicio do processo produtivo, pelo que se 2.2 - De produtos acabados Produtos P1 P2 Quant. 1500 3000 MP em € 45000 € 1 80000 € 2 25000 €

3 - Stocks Finais 3.1 - De produtos em vias de fabrico Produtos P1 P2 Unid. Fisicas 2000 1000

Coeficientes de Acabam MP 100% 100%

3.2 - De produtos acabados Produtos P1 P2 Quant. 2000 5000

4 - Conta de Fabricação

Saldo de Abertura Materias Primas Mão-de-obra G.G: Fabrico

Fabricação 3 57000 31 57500 12 70200 36 34000

€ € Produção terminada ? € €

5 - Outros dados 5.1 - Gastos de Vendas 1300000 5.2 - Critérios Valorimétricos adoptados FIFO Custos médio Para produção em curso Para produção terminada

Pretende-se: 1- Determinação dos custos unitários e globais da produção efectica (Pe) 2- Cômputo dos custos totais da produção terminada (Pt) 3- Cálculo do valor da produção em vias de fabrico no final do período 4- Determinção das margens de lucro bruto auferido em cada um dos produtos, a que os gastos de venda se repartem proporcionalmente ao valor das vendas

Resolução
1- Determinação dos custos unitários e globais da produção efectiva (Pe) Ei + Produção efectiva = Ef + Produção Terminada ou seja : Pe=Ei+Pt-Ef P1 Vendas (Q. 1) Stock final (Q 3.2) Vendas + Stock Final Stock Inicial (Q 2.2) Produção Terminada 2 0000 2000 2 2000 2000 2 0000 P2 3 0000 5000 3 5000 3000 3 2000

Conhecida a Produção Terminada (PT)pode-se calcular a Produção Efectiva(Pe) a Produtos em vias de Fabrico Produto 1 Matéria Prima Unid. Fisicas % de acab. Pt 20,000 100% Ef 2,000 100% Ei 1,500 100%

Pe

Unid. Fisicas Pt Ef Ei Pe 32,000 1000 3,000

Produto 2 Matéria Prima % de acab. 100% 100% 100%

P1 MP MO + GGF Custo Total 45000 € 24000 € Quant. 1500 600

Cálculos dos Coeficientes de Equivalência
Produtos P1 P2 Pe 20,500 30,000 Coef. 1 2

Repartição dos cutos das Matérias Primas

Produtos P1 P2

Pe 20,000 30,800

Coef. 1 1.5

Descrição MP MO GGF

Custo Unit. 39.22 19.19 54.89 113.31

€ € € €

P1 Quant. 20,500 20,000 20,000

113.1 Repartição dos Cutos de MO e de GGF - Sintese dos custos (unitário e globais) d

Descrição Matérias Primas - Stock Inicial - Produção do Periodo (A) Subtotal Conversão de MO e GGF - Stock Inicial - Produção do Periodo (A) Subtotal TOTAL

Quant. 1500 1 8500 20,000

P1 Custo Unit.

39.22 €

600 19,400 20,000

74.08 €

2- Cômputo dos Custos totais da Produção

Como se depreende do ponto 5.2 - Criterios valorimétricos adoptados (ver enunciado) aplica-se o FIFO à produção em curso. Assim a quantidadse Fisica da Produção (PT) vamos deduzir a Ei de Produtos em vias deFab cujo valor é, face a este critério (FIFO) o primeiro a integrar os custos dos produtos que tra

À diferença entre a Produção terminada (Pt) e o Stock Inicial dos Produtos em vias de Fabri aplica-se oCusto Unitário da produção Efectiva (Pe) Contabilisticamente os valores encontrados tem o seguinte movimento; A Débito - Produtos Acabados A Crédito - fabricação pelovalor de 8,150,683.23 €

3 - Cálculo do valor da produção em vias de fabrico
Produtos P1 P2 M.P C. Unitário 39.22 € 78.45 €

Quant. 2,000 1,000

A conta de Fabricação teria o seguinte aspecto:
Exist. Iniciais de PVF M.P Fabricação 357,000.00 € Prod. Terminada 3,157,500.00 € Exist. Finais de PVF

M.O G.G.F

1,270,200.00 € 3,634,000.00 € 8,418,700.00 €

4 - Determinação das Margens de Lucro
P1 4,000,000.00 2,231,819.12 1,768,180.88 400,000.00 1,368,180.88

Vendas Custo dos produtos Vendidos Margem Bruta Gastos de vendas Margem liquida

€ € € € €

aqui referenciados por P1 e P2. uintes:

MO e GGF Coef. Acab. 40% 60% Custos (€) 24000 € 1 08000 € 1 32000 € admite um coeficiente de acabamento de 100%.

odutivo, pelo que se

Custos Totais 2 40000 € 5 10000 € 7 50000 €

Coeficientes de Acabamento MO GGF 30% 60%

30% 60%

odução efectica (Pe)

final do período em cada um dos produtos, admitindo nte ao valor das vendas

odução efectiva (Pe)

Cálculos a b c=a+b d e=c-d

r a Produção Efectiva(Pe) a partir da formula Pe=Ei+Pt-Ef+

Produto 1 Matéria Prima Unid. de Acab. 20,000 2,000 22,000

MO + GGF % de acab. Unid. de Acab. 100% 20,000 30% 600 40% 20,600

1,500 20,500

600 20,000

Produto 2 Matéria Prima Unid. de Acab. 32,000 1,000 33,000 3,000 30,000

MO + GGF % de acab. Unid. de Acab. 100% 32,000 60% 600 60% 32,600 1800 30,800

P1 Custo Unit. 30.00 € 40.00 € Coef. 1 1 Custo Total 1 80000 € 1 08000 €

P2 Quant. 3,000 1800

Pe Equivalente 20,500.00 € 60,000.00 € 80,500.00 €

Repartição Custos Custo Unit. MP 804,083.85 € 39.22 € 2,353,416.15 € 78.45 € 3,157,500.00 €

rimas

Pe Equivalente 20,000.00 € 46,200.00 € 66,200.00 €

MO Repar. Prop. Dos Custos 383,746.22 € 886,453.78 € 1,270,200.00 €

Custo Unitário 19.19 € 28.78 €

GGF Repar. Prop. Dos Custos 1,097,885.20 € 2,536,114.80 € 3,634,000.00 €

Custo Total 804,083.85 383,746.22 1,097,885.20 2,285,715.27

€ € € €

Custo Unit. 78.45 28.78 82.34 189.57

€ € € €

P2 Quant. 30,000 30,800 30,800

Custo Total 2,353,416.15 886,453.78 2,536,114.80 5,775,984.73

€ € € €

189.4 ustos (unitário e globais) da produção efectiva (A) = Pe-Ef Custo Total Descrição Quant. 3000 2 9000 32,000 P2 Custo Unit.

Matérias Primas 45,000.00 € - Stock Inicial 725,636.65 € - Produção do Periodo (A) 770,636.65 € Subtotal Conversão de MO e GGF € - Stock Inicial € - Produção do Periodo (A) € Subtotal € TOTAL

78.45 €

24000 1,437,182.48 1,461,182.48 2,231,819.12

1800 30,200 32,000

111.12 €

dução

doptados (ver enunciado)

a Ei de Produtos em vias deFabrico os custos dos produtos que transitam para o armazem de produtos acabados. dos Produtos em vias de Fabrico (aqui designada por Produção do Periodo)

movimento;

preenchendo assim a lacuna indicada no crédito da conta Fabricação apresentada no ponto 4 do enu

vias de fabrico
M.O. + G.G.F C.Unitário 600 74.08 € 600 111.12 €

P Valor 78,447.20 € 78,447.20 € 156,894.41 € Quant.

Valor 44,448.94 € 66,673.41 € 111,122.36 €

te aspecto:
8,150,683.23 € 268,016.77 €

8,418,700.00 €

P2 9,000,000.00 5,918,864.11 3,081,135.89 900,000.00 2,181,135.89

€ € € € €

Total 13,000,000.00 8,150,683.23 4,849,316.77 1,300,000.00 3,549,316.77

€ € € € €

cabamento de 100%.

P2 Custo Unit. 60.00 € 60.00 €

Coef. 2 1.5

GGF Custo Unitário 54.89 € 82.34 €

Custo Total do Periodo ### ### ### ###

Custo Total 180,000.00 € ### ###

Custos Totais 225,000.00 € 3,000,605.59 € 3,225,605.59 €

1 08000 € ### ### ###

1 32000 4,793,077.64 4,925,077.64 8,150,683.23

€ € € €

ada no ponto 4 do enunciado.

Total 122,896.15 € 145,120.62 € 268,016.77 €

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->