P. 1
HUTUS E TUTSIS

HUTUS E TUTSIS

|Views: 5.213|Likes:
Publicado porw_lippold

More info:

Published by: w_lippold on Oct 17, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as RTF, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/20/2013

pdf

text

original

BaHUTU E BaTUTSI: CONFLITOS EM RUANDA E BURUNDI

João Batista dos Santos* Luís* Walter Lippold* A mídia brasileira mostra-nos com freqüência imagens dos conflitos africanos que ainda persistem no continente. São imagens fortes: crianças mortas ou famélicas, massacres de civis desarmados, migrações e campos de refugiados. Ultimamente os conflitos no Sudão e na região do Lago Kivu, na fronteira de Ruanda, Burundi e Congo, têm sido manchete nos jornais e telejornais 1. Mas o que fica implícito na visão midiática é que estes conflitos se devem a um “tribalismo inerente” dos africanos; são conflitos étnicos “típicos” do devir africano. Ao aprofundarmos esta questão com uma visão crítica, veremos que a raiz do problema não é tão simplista, existem vários aspectos que confluem para dar origem as estes conflitos que vão além do problema étnico, quebrando com a explicação mecanicista e geralmente fragmentada da mídia. Vamos neste artigo analisar o caso do conflito entre BaHutu e BaTutsi2 em Burundi e Ruanda, que se alastrou pelas regiões fronteiriças e países vizinhos e gerou milhões de mortos e refugiados. Apesar da bibliografia parca, buscaremos cinco aspectos que demonstrem a origem e a lógica deste conflito, aproximando-se de uma visão processual. Além disso, estaremos saindo do campo da visão que dita ser a África um continente mergulhado na irracionalidade. Vamos analisar as diferenças entre BaHutu e BaTutsi antes da chegada do colonialismo, diferenças estas que foram cristalizadas pelo colonizador
* Pós-graduandos do Curso de Especialização em História do Mundo Afro-Asiático da FAPA. 1 Na Zero Hora de 17.08.2004 há a seguinte notícia: “Vítimas de massacre são sepultadas - Em meio a um forte esquema de segurança, centenas de pessoas sepultaram ontem em uma vala comum, no meio de uma plantação de algodão, os corpos das 163 vítimas de um massacre de refugiados congoleses da etnia tutsi, no Burundi, região central da África. Extremistas invadiram o campo de refugiados de Gatumba, mantido pelas Nações Unidas, na noite de sexta-feira passada. Um sobrevivente narrou o ataque, dizendo que foi acordado pelo som dos invasores, da etnia hutu, tocando tambores e gritando que matariam todos os tutsis do Congo.” 2 Na língua local (Kiryarwanda) BA significa plural e MU singular. Assim o plural de Tutsi é BaTutsi.

2

alemão e belga. Vamos observar também o papel da geopolítica colonialista, que juntou e espalhou etnias dentro de estados, que geralmente antecediam a nação. É necessário também problematizar o aspecto econômico, isto é a desestruturação causada pelo colonizador na economia autóctone, além das atuais disputas neocoloniais entre transnacionais, principalmente EUA, França e Alemanha, pelo potencial mineral de Burundi e Ruanda. Os conflitos entre BaTutsi e BaHutu vieram intensificando-se desde o processo de descolonização de Ruanda e Burundi3 e tiveram sua culminância em 1994, mais precisamente após o assassinato dos dois presidentes BaHutu4 destes países.
Refugiados tutsi, exilados há anos em Uganda, organizaram um pequeno exército (a Frente Patriótica Ruandesa – FPR), que penetrou no norte de Ruanda em outubro de 1990, sendo expulsos um mês depois pelo exército. Sentindo-se desgastado e ameaçado internamente, o governo massacrou tutsis em 1991 e 1992, como meio de fomentar uma divisão étnica, com vistas a permanecer no poder. (VIZENTINI, 2003, p.111)

Com a conquista de Kigali pela FPR iniciou-se os massacres de BaHutu e a migração de 4 milhões de refugiados para os países vizinhos, principalmente para Tanzânia e para o Congo (ex-Zaire). As milícias BaHutu e BaTutsi eram as principais promotoras do massacre mútuo, o rádio foi usado por ambas as partes para fomentar o genocídio, justificando-o como cumprimento do “dever patriótico”. Atualmente, principalmente em Ruanda, o domínio Tutsi vem reprimindo e discriminando a população BaHutu. Somente são julgados e condenados os BaHutu, “esquecendo-se” do massacres perpetuados por BaTutsi. O ruandês Makunael (2004) escreve no sítio do Rebelión que:
Después de las elecciones de 2003, las asociaciones y actores de la vida pública que no han sostenido al FPR en su campaña, son 3 Em 1971-72 os BaTutsi no poder de Burundi massacraram mais de 600.000 BaHutu. 4 Após o fuzilamento do presidente do Burundi, o Hutu Mechior Ndadaye, por oficiais BaTutsi, seu sucessor, Cyprien Ntaryamira, acabou morrendo junto com Juvenal Habyarimana, o presidente de Ruanda num atentado ao avião, com dois mísseis terra-ar SAM 16, no dia 6 de abril de 1994, que os transportava de uma reunião regional ocorrida em Dar-es-Salaam

3

víctimas de discriminaciones que entorpecen sus actividades. Para afianzar mejor el control sobre estas asociaciones, el gobierno les obliga (incluso a aquellas que ya están acreditadas y realizan trabajos ya conocidos) a registrar y pedir cada año una autorización para ejercer sus actividades.

Apesar do discurso da FPR que diz que não existem BaHutu, BaTutsi e BaTwa, mas sim ruandeses, se um Hutu entra para a FPR, mesmo assim, ele não ascenderá a nenhum cargo público.
La discriminación alcanza también a los muertos. El gobierno organiza cada año, desde hace 10, el duelo en memoria de las víctimas del genocidio. Esta acción debe subsistir pues es útil y positiva. Por el contrario, el gobierno no organiza nada en memoria de las víctimas de masacres y crímenes de la guerra desde 1990 a 1994. Incluso las jurisdicciones Gachacha tienen prohibido tratar esos casos. El silencio sobre el atentado que costó la vida a los Jefes de Estado en 1994 (de Rwanda y de Burundi), se inscribe dentro del marco de la discriminación, que limita la aplicación de la justicia a las personas de una sola etnia. La discriminación étnica se manifiesta también en que no se ha perseguido a los autores de los asesinatos de los líderes hutu. La muerte de un tutsi pone en pie a todas las instituciones para juzgar a los culpables[...] (MAKUNAEL, 2004)

Adentremos agora nos cinco aspectos que, para nós, foram importantes para a deflagração dos conflitos entre BaTutsi e BaHutu. A região dos Grandes Lagos foi primeiramente povoada pelos pigmeus BaTwa, vindos da florestas congolesas; em meados do século VI, os ferreiros e agricultores Bantus chegavam a região impondo seu domínio. Já no século XV chegam a região os guerreiros e pastores BaTutsi, vindos da Etiópia. Os Bantus, denominados nesta região por BaHutu, sofreram a dominação Tutsi, que firmou-se como a classe dominante, já que possuía em suas mãos as artes da guerra (MELO, 1999, p.79). Organizou-se uma espécie de sociedade onde os BaTutsi, que eram 10% da população, formavam uma elite detentora dos rebanhos e terras. Os BaHutu , 90% da população, trabalhavam em troca de proteção militar numa espécie de relação

4

desigual muito assemelhada com a proteção feudal. Os aristocratas BaTutsi possuíam repugnância ao trabalho na terra, e o gado era um bem dos mais

importantes para essa elite. Além disso, os BaTutsi possuíam maior estatura que os BaHutu, elemento que seria aproveitado pelos colonizadores na cooptação dessa elite a partir da criação de uma ideologia racista. Segundo Vizentini (2003, p.111), o conflito entre Hutus e Tutsis “foi mostrado pela mídia como uma decorrência do ‘tribalismo tradicional’, mas na realidade resultou da deformação e reapropriação moderna de determinadas fraturas sociais da região”. Com a partilha colonial da África, Ruanda-Burundi passaram a pertencer à Alemanha que iniciou um processo de cooptação da elite Tutsi, aproveitando-se das estruturas tradicionais para dominar. Segundo Melo (1999, p.82): “O colonialismo alemão manteve a estrutura de dominação dos tutsis, resguardando a eles o acesso exclusivo das forças armadas, da educação e dos postos da administração colonial.” O Mwami (rei) passava a ser um fantoche da metrópole e a classe dominante Tutsi tornava-se submissa aos interesses coloniais, quebrando a relativa harmonia que havia entre as etnias, já que a elite não mais cumpria a sua parte na relação de proteção. Com a derrota alemã na I Guerra Mundial, as colônias de Ruanda e Burundi foram separadas e passaram à esfera de dominação belga que conseqüentemente formava um bloco colonial juntando-se o Congo. A colonização belga na África caracterizou-se por um excessivo paternalismo que jogou as massas ao atraso e miséria, já que estavam alijadas das necessidades básicas de um ser humano. Os belgas criaram uma ideologia racista onde se afirmava que os BaTutsi, eram negros “mais evoluídos”, ou seja, tinham uma ascendência branca, já que eram altos e vinham da região da Etiópia. Assim a maioria Hutu foi extremamente marginalizada na sociedade, não podendo, por exemplo, ingressar em escolas, que

5

exigiam altura mínima5. Antes do colonialismo, um MuHutu poderia tornar-se Tutsi, denotando-se aqui o caráter de classe travestido de etnia. Com a chegada do colonizador belga houve uma cristalização das diferenças em prol do principio de divide et impera; politizando estas diferenças, realçando-as e aproveitando-se delas, os belgas acenderam o estopim que iria estourar na descolonização de Ruanda e Burundi. Assim:
O aparecimento à luz do dia das contradições no seio do Terceiro Mundo, tanto no plano econômico como no político (pensemos nos acontecimentos do Corno Oriental da África, Sara Ocidental, África Central[...]), não é a expressão de nacionalismos antigos, pré-capitalistas, libertados pela independência recuperada. (AMIN, s.d., p. 133)

Poderíamos afirmar, à partir do trecho supracitado, que apesar de já existirem diferenças entre BaHutu e BaTutsi, os conflitos que explodiram nos processos de Independência em Ruanda e Burundi (ambos em1962), não eram algo que estava dormindo desde o advento do colonialismo na região, e com a retirada desastrosa dos belgas acordou; devemos visualizar estes conflitos como fruto da apropriação colonial que fomentou a divisão étnica para melhor dominar.
[...]etnicidade e identificação étnica em si não podem ser responsabilizadas pelos conflitos. A própria tradição multiétnica dos Estados africanos précoloniais e os exemplos de coexistência pacífica de diversas etnias demonstram que não existe automatismo entre multietnicidade e conflito. (Döpcke, 1999, p.100)

A geopolítica colonialista dividiu a África entre as potências européias no final do século XIX, isto fez com que se criassem unidades territoriais que separavam etnias que viviam juntas e vice-versa. Os BaHutu e BaTutsi ficaram espalhados em Ruanda, Burundi, Uganda e Congo Belga. Mas a questão da fronteira nesta região é complexa, não houve, por exemplo, choques por causa de disputas fronteiriças, os conflitos só ocorrem quando uma das etnias é expulsa do seu país e volta mais
5 Os BaHutu, no processo de Independência, costumavam cortar com facões pedaços das pernas de BaTutsi, eram um modo cruel e simbólico de exigir a igualdade.

6

tarde com um grupo de guerrilheiros prontos para lutar, como no caso da Frente Patriótica Ruandesa dos BaTutsi refugiados em Uganda. Segundo Döpcke (1999, p.78) as “fronteiras[...] não representam um fator importante nos conflitos entre os Estados, ou mesmo dentro deles.” Podemos afirmar que, no caso de Ruanda e Burundi, a fronteira não é uma causa direta do conflito, mas indiretamente ajudou na sua difusão. A migração causava uma pressão nas fronteiras, e os refugiados muitas vezes se armavam para voltar a Ruanda e Burundi, ajudando sua respectiva etnia. Muito antes da partilha da África, já existiam estados multiéticos, segundo Döpcke (1999, p.99) “a multietnicidade e as culturas e etnias politicamente divididas representam uma forte tradição africana desde a época pré-colonial, sobrevivendo até os dias atuais”. Desse modo, os conflitos entre BaHutu e BaTutsi aconteceram por causas de guerras e levantes contra o regime no poder. Em Ruanda e Burundi, estes conflitos estão ligados a questão político-social, que justamente tem um valor étnico. Em outras palavras, uma etnia era formada pela elite e a outra pela população pobre, com a colonização as rivalidades se acirraram. Segundo Vizentini (2003, p.91):
As fronteiras dos novos países [africanos] eram artificiais, tanto no que se refere ao mínimo critério de racionalidade geoeconômica como históricocultural. Grupos etno-linguísticos rivais eram reunidos dentro de um mesmo Estado, enquanto outros afins, muitas vezes o mesmo, encontravam-se separados por uma linha traçada a régua. O Estado antecedia à existência de uma nação.[...]Muito das futuras guerras civis resultariam, sobretudo, da distorção de determinadas estruturas africanas tradicionais pelos colonizadores.

Döpcke (1999, p.97) critica a visão hegemônica na historiografia que afirma serem as fronteiras artificiais, o principal motivo de instabilidade na África: “Virou clichê explicar a instabilidade política da África em parte em função do impacto das fronteiras herdadas do colonialismo. As fronteiras seriam ‘artificiais’, argumenta-se, por isso causam conflitos entre os Estados ou dentro deles”. Se analisarmos melhor,

7

veremos que toda fronteira é artificial, ou seja, uma construção histórica, seja na África ou mesmo na Europa. Um dos aspectos mais importantes, como afirmaram os dois autores, é a distorção e politização das fraturas étnicas. Outro aspecto que devemos analisar é a questão da desestruturação das economias autóctones pelo colonialismo, pois este processo teve um peso importante na configuração do conflito em Ruanda e Burundi, já que o aumento da fome e miséria é um dos maiores incentivos à violência.
Durante o período colonial, o perfil econômico da região foi modificado para satisfazer às necessidades do mercado europeu. Os agricultores foram obrigados a plantar café para a exportação e tiveram que importar seu alimento. A elite tutsi, associada ao colonialismo, perde sua legitimidade ao se tornar agente deste novo tipo de exploração, e quem nem o mínino necessário para a sobrevivência eram garantido aos hutus. (MELO, 1999, p.83)

Chaliand (1982, p.34) também coloca a distorção das economias – com “[...] monoculturas agrícolas, extração pura e simples das matérias primas minerais, sendo que o conjunto do sistema é regido pela desigualdade das trocas entre países industriais e países fornecedores. [...]” – como um fator gerador de conflitos. Além disso, os belgas não desenvolveram indústrias, exacerbando um paternalismo parecido com o dos portugueses.
O modo capitalista é aqui introduzido do exterior, pela dominação política. Não há desagregação das relações rurais pré-capitalistas, mas deformação por submissão às leis de acumulação do modo capitalista central que as domina. (AMIN, s.d., p.117)

Com esta infra-estrutura precária, realçando-se a relações de produção baseadas na superexeploração da força de trabalho campesina, que era essencialmente Hutu, a instabilidade superestrutural era inexorável principalmente no campo político. Atualmente cresce a importância da disputa por minérios na região dos conflitos entre BaHutu e BaTutsi, o exército ruandês da FPR é acusado de manter

8

uma rede militar no Congo para explorar minerais estratégicos como o coltan (columbita e tantanita) necessário na produção de tecnologia de ponta. A grandes corporações transnacionais começaram a financiar os conflitos para facilitar o saque do território congolês. Cabe lembrar que existe uma população Tutsi no Congo, chamada de Banyamulenges. A complexidade das redes de exploração de minério é enorme, existem interesses estadunidenses, franceses, alemães até mesmo cazaques, sem falar nos interesses dos países da região. A paquistanesaburundinesa Azazi Kulsum, uma contrabandista famosa na região dos Grandes Lagos, era muito próxima ao dirigente Hutu burundinês Leonard Nyangoma e até pouco tempo ela era a principal abastecedora de armas aos rebeldes ruandeses BaHutu. Hoje em dia, por causa do dinheiro, Azazi trabalha para a FPR Tutsi, que se encontra na região de Kivu para perseguir BaHutu e explorar minérios.
[...]a região, nos últimos anos, tem sido palco de disputa entre EUA e França pelas reservas minerais dos dois países [Ruanda e Burundi]. A França passou a denunciar a presença norte-americana em Ruanda e Uganda desde 1995. Além de financiar o exército ruandense, as empresas mineradoras norte-americanas contratam mercenários para treinar os soldados tutsi. De olho nas reservas de zinco, cobre e diamantes, os EUA despejam material bélico na região[...] Enquanto a França apóia os hutus, os tutsis assinam contratos cedendo o direito de exploração mineral às emrpesas mineradoras dos EUA. O Exército tutsi garante às mesmas uma força permanente de intervenção na defesa dos seus interesses. Prova disso foi a participação dos tutsis no golpe de Estado no Congo. Os tutsis, apoiados pelos norte-americanos derrubaram um governo apoiado pela França. (MELO, 1999, p.87)

Chaliand (1982, p.28) faz uma síntese que engloba o caso de Ruanda e Burundi:
O poder econômico[...]escapa inteiramente da África. A África é dependente do exterior no que se refere à ajuda pública, aos trabalhos essenciais de infra-estrutura, ao conjunto de exploração de suas riquezas minerais. (Grifo nosso)

Além da guerra civil há o problema das doenças, principalmente a AIDS que

9

desempenha um papel verdadeiramente malthusiano na África, pois 75% dos doentes do mundo são africanos. A cada ano nascem 600.000 crianças soropositivo, 90% são africanas. A falta de higiene, informação, juntamente com a avareza das corporações farmacêuticas, que se negam a permitir que os países pobres possam produzir os remédios necessários para o tratamento, condenando milhares de seres humanos a morte em prol do lucro. A cólera e o ebola são outras doenças que corroboram na mortandade africana; os campos de refugiados BaHutu no Congo e Tanzânia são freqüentemente assolados por epidemias de cólera. A vida humana vale pouco na África, justo neste continente onde ocorreu o processo de humanização, de onde saímos das trevas do instinto para a práxis humana. Alguns teóricos ligados diretamente ao status quo ideológico mundial, como Samuel Huntington, preferem creditar aos conflitos atuais no mundo - entre eles os de Ruanda e Burundi - uma origem cultural e não sócio-econômica e/ou política. Mas esta visão é típica daqueles que preferem ver a realidade fragmentada, negando as totalidades e suas interconexões dialéticas. Afirmar que os conflitos entre pobres e ricos, na Nova Ordem Mundial, são inexpressivos perto dos “choques civilizacionais” é algo tão errôneo como dizer que a França ajudava o regime do ditador Mobutu por afinidades culturais. As incursões BaTutsi no Congo aparentemente são efetuadas somente para reprimir os campos de refugiados BaHutu, mas como vimos o que mais pesa é a exploração “cultural” dos minérios congoleses. Outra prova da falácia desta teoria é a situação dos BaTutsi , refugiados em Uganda, que após a vitória da FPR, retornaram aos milhares para Ruanda: com a falta de terra e a desestruturação econômica do País, surgem gradativas diferenças entre os BaTutsi, demonstrando que a questão sócio-econômica continua a ser essencial para a compreensão da situação calamitosa em Ruanda e também

10

no Burundi. A situação atual de Ruanda e Burundi continua instável e não há projeções de uma síntese que supere as fissuras criadas entre BaHutu e BaTutsi. O colonialismo deixou sua marca indelével na região e o neocolonialismo continua a ditar as regras utilizando-se da divisão étnica para melhor pilhar as riquezas da região. Mas não podemos esquecer o elemento endógeno deste processo, ou seja, a sociedade précolonial da região. Os colonialistas iam adaptando-se às realidades locais para deformá-las e colocá-las a serviço da exploração colonial. Afirmamos isto para afastar-se das visões que ditam ser a história da África, somente a História do que os invasores fizeram no continente, mesmo não sendo a sociedade pré-colonial o aspecto mais relevante quanto à origem dos conflitos. Importância cabal tem o processo de cristalização e politização das diferenças entre BaTutsi e BaHutu pelos colonialistas alemães e belgas! Seguindo este argumento podemos compreender que o discurso étnico, é o modo como BaHutu e BaTutsi se utilizam para disputar o poder, lembrando-se que, principalmente para os BaTutsi, a saída democrática é inviável já que são minoria (15% da população em Ruanda). Com a Revolução Científica Tecnológica cresce a demanda por minerais raros como o coltan, surgindo uma nova configuração na região6: uma rede intrincada de contrabandistas, transnacionais e militares locais que ganha muito com o conflito, já que lucra não só com a exploração de minério, mas também com o comércio de armas. Este aspecto, atualmente é um dos maiores fomentadores dos conflitos étnicos. Enquanto isso o mundo branco-ocidental assiste nos telejornais as cenas chocantes de massacres numa espécie de vouyerismo do horror; é um mundo contraditório onde o bit, o DVD, a rede mundial digital de comunicação, a nano e a
6 Principalmente na margem congolesa do Lago Kivu.

11

biotecnologia, os supercondutores e aceleradores de partícula, convivem com a morte por subnutrição.

12

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AMIN, Samir. Classe e Nação na História e na Crise Contemporânea. Moraes, s.d. CHALIAND, Gerard. A Luta pela África: estratégias das potências. São Paulo: Brasiliense, 1982. DÖPCKE, Wolfgang. A vida longa das linhas retas: cinco mitos sobre as fronteiras na África Negra. Revista Brasileira de Política Internacional, Ano 42, nº1, p. 78-108, 1999. FLORÊNCIO, Fernando. O Ruanda no epicentro do sismo Zairense (Novas variações sobre o tema de David contra Golias. MAKUNAEL, M. Ruanda: Difícil camino de reconciliación después del genocidio y las masacres de 1994. 14 de junho de 2004. Disponível em: <http://www.rebelion.org> Acesso em: 15.08.2004 MELO, José Ernesto. Conflitos na África Central: Hutus e Tutsis, os condenados da raça. In: RIBEIRO, L.D. et al (org.) Contrapontos: Ensaios de História Imediata. Porto Alegre: Folha da História/Livraria Palmarinca Editora, p. 79-87, 1999. RIBEIRO, Luiz Dario. Descolonização Africana. Ciências&Letras, Porto Alegre, nº 21/22, p. 51-72, 1998. VIZENTINI, Paulo. África: relações internacionais e construção do EstadoNação. Ciências&Letras, Porto Alegre, nº 33, p.89-117, 2003.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->