Você está na página 1de 66

Citologia Clínica

João Gonçalves
HUCFF-UFRJ
CITOLOGIA CLÍNICA CITOPATOLOGIA

CITOLOGIA DIAGNÓSTICA CITOLOGIA ONCÓTICA


CITOPATOLOGIA

Exame de células oriundas de vários

pontos do organismo para determinar

a causa e a natureza da doença.


Histórico

Os métodos citológicos datam

da metade do século XIX


Histórico

A. Donné, Paris 1845 F.A Pouchet, Paris 1847

Achados de células anormais

nos líquidos corporais:

Urina, escarro, as efusões e secreções gástricas


Histórico
Enquanto estudava os efeitos hormonais do ciclo menstrual,

Papanicolaou descobriu alterações celulares associadas

ao câncer do colo uterino


Histórico

1928- Papanicolaou e Babés – “pap test”


Histórico

George Papanicolaou Aureli Babés


Aplicações da Citopatologia

Triagem para Detecção Precoce de Câncer Assintomático

Diagnóstico de Câncer Sintomático

Acompanhamento de Pacientes Tratados para Câncer


Triagem para Detecção Precoce
de Câncer Assintomático

A aplicação mais importante da citopatologia na área


de prevenção de câncer é o exame de raspados da cérvice.

Bexiga, pulmão e endométrio são outros órgãos nos


quais a citopatologia é útil para a detecção de cânceres em
seus estágios iniciais.
Diagnóstico de Câncer Sintomático

A citopatologia pode ser usada individualmente


ou junto a outras modalidades para diagnosticar
tumores revelados por exames físicos ou radiológicos.
Acompanhamento de Pacientes
Tratados para Câncer

Detecção de recidivas

Desenvolvimento de metástase
Citopatologia cervical

A – CÉLULAS NORMAIS ; B – LSIL ; C – HSIL-DM ; D – HSIL –DA/CA IN SITU.


Citopatologia cervical

A – CÂNDIDA SPP ; B – TRICHOMONAS VAGINALIS ;


C – HERPES SIMPLES ; D –GARDNERELLA VAGINALIS.
Citopatologia pulmonar

A – EPITÉLIO BRÔNQUICO NORMAL ; B – CITOMEGALOVÍRUS ;


C – PNEUMOCYSTIS CARINII ; D –CORPÚSCULO FERRUGINOSO.
Citopatologia pulmonar

E – CARCINOMA ESCAMOSO ; F – ADENOCARCINOMA ;


G – CARCINOMA DE PEQUENAS CÉLULAS ; H –TUMOR CARCINÓIDE.
Citopatologia de efusões

A – CÉLULAS MESOTELIAIS BENIGNAS ; B – LINFOMA MALÍGNO ;


C – MESOTELIOMA MALÍGNO ; D –ADENOCARCINOMA OVARIANO.
Métodos Citológicos

Citologia Esfoliativa

Citologia Abrasiva

Citologia por Aspiração com Agulha Fina


Métodos Citológicos

"imprint" (técnica onde se "carimba" uma lâmina


com o fragmento retirado para estudo.

"squash" (técnica onde se "esmigalha" um minúsculo


fragmento de tecido entre duas lâminas.
Citologia Esfoliativa

Exame de células que são passadas espontaneamente


para os líquidos ou secreções corporais.

Escarro
Urina
Efusões:
(pleura, pericárdio e peritôneo)
Secreção mamária
Citologia Esfoliativa
Citologia Abrasiva

Células deslocadas das superfícies corporais


( pele, membranas mucosas e serosas)
por diferentes instrumentos

Raspados cervicais

Escovamento dos tratos gatrointestinais e respiratório

Raspado de lesões cutâneas, orais ou conjuntivais


Citologia Abrasiva
Citologia Abrasiva
Citologia por Aspiração com Agulha Fina
( PAAF )
Aspiração de células sob pressão negativa através
de uma agulha de calibre fino.

Qualquer órgão ou tecido pode ter uma amostra colhida por PAAF
PAAF DE TIREÓIDE
PULMÃO

FÍGADO
MAMA
Citopatologia
• O material coletado pode ser diretamente
estendido em lâminas imediatamente
após a colheita (esfregaço) ou entrifugado
(no caso de líquidos).
Citopatologia
Fotomicrografia do exame
citopatológico do líquido de
derrame pleural, com o diagnóstico de
carcinoma de pequenas células de
pulmão (“oat cell carcinoma”)

Derrame pleural de origem


indeterminada, coleta de
líquido de derrame pleural para
exame citopatológico
Citopatologia
Material para coleta de citologia cérvico-vaginal
Citopatologia
• Após a colocação do material na lâmina,
deve-se proceder à fixação imediata em
álcool por um tempo mínimo de 30
minutos, após o qual as lâminas serão
submetidas ao processo de coloração.
Citopatologia

Técnica do exame colpocitológico moderna.


Citopatologia
• A coloração de rotina costuma ser a de Papanicolaou.
Esta coloração produz três cores básicas - azul
(núcleos), verde (citoplasma) e vermelho (citoplasma)
Após a coloração as lâminas são montadas com
bálsamo e cobertas por lamínulas.
CITOPATOLOGIA X HISTOPATOLOGIA (BIÓPSIAS)

Vantagens da Citopatologia

Limitações da Citopatologia

Precisão dos Métodos Citológicos


Vantagens da Citopatologia

Menos traumatismo

Maior superfície de amostragem

Tumores de difícil acesso

Diagnóstico rápido

Maior relação custo-eficácia


Limitações da Citopatologia

Classificação do tipo de tumor

Tamanho pequeno da amostra

Extensão e profundidade da lesão


Causas de Erro na Citologia

Amostragem inadequada

Fixação inadequada

Processamento das amostras


Precisão dos Métodos Citológicos

Coletor da amostra

Método de obtenção

Experiência do citologista
Precisão dos Métodos Citológicos

ESPECIFICIDADE APROXIMA-SE DE 100%


PARA DIAGNÓSTICO DE MALIGNIDADE

SENSIBILIDADE EM TORNO DE 80-90%


VARIAÇÃO COM O TIPO DE AMOSTRA
Precisão dos Métodos Citológicos
método sensi.b. especif.. VPP

• ci
. tologia 60% 90%

cervicografia 60% 50% 1-26%

colposcopia 43% 68% 4-13%

Guide to Clinical Preventive Services, Second Edition


Neoplastic Diseases Screening for Cervical Cancer
U.S. Preventive Services Task Force by Steven H. Woolf, MD, MPH.
Sistemas de Relato
Papanicolaou – 1943
(classes)

• CLASSE I
• CLASSE II
• CLASSE III
• CLASSE IV
• CLASSE V
Reagan (OMS) – 1953
(displasias)

• Displasia leve
• Displasia moderada
• Displasia acentuada
• Carcinoma “in situ”
Richart-1967
(Neoplasia intraepitelial -NIC)

• HPV
• NIC I
• NIC II
• NIC III
• Carcinoma invasor
Neoplasia intraepitelial

• NIC - CERVICAL
• NIVA - VAGINAL
• NIV - VULVAR
• NIA - ANAL
BETHESDA

• 1988
• 1991
• 2001
S IS T E M A B E T H E S D A

Q u a lid a d e d a a m o s t r a D e s c r it iv o
S a t is f a t ó r io A lt . R e a c io n a is
S a t is f a t ó r io m a s lim it a d o M ic r o f lo r a
In s a t is f a t ó r io

A t ip ia s d e S ig n if ic a d o In d e t e r m in a d o L e s ã o In t r a - E p it e lia l
ASCUS B a ix o G r a u ( H P V / N IC I )
AGUS A llt o G r a u ( N IC II/ N IC III )

C A R C IN O M A IN V A S O R
Escam oso
A d e n o c a r c in o m a
Qualidade da amostra
Amostra insatisfatória

• Lâminas quebradas
• Ausência de identificação
• Artefatos de dessecamento
• Superposição
• Obscurecimento
• Outras (especificar)
Obscurecimento por sangue
Obscurecimento por exsudato inflamatório e sangue
Alterações celulares benignas
• Inflamação
• Reparação
• Metaplasia escamosa imatura
• Atrofia com inflamação
• Radiação
• Outras (especificar)
Microbiologia
• Lactobacillus sp
• CocosBacilos Sugestivo de Gardnerella vaginalis
• Candida sp
• Trichomonas vaginalis
• Sugestivo de Chlamydia sp
• Actinomyces sp
• Efeito citopático compatível com vírus do grupo
Herpes
• Outros
Células epiteliais atípicas
(significado indeterminado)

• Escamosas
• Glandulares
• De origem indeterminada
DEFINIÇÃO
(ASCUS)
“Anormalidades celulares mais evidentes
do que aquelas atribuídas as alterações
reativas,mas que, qualitativamente ou
quantitativamente não permitem com
segurança o diagnóstico definitivo de
lesão intra-epitelial escamosa”
Bethesda
DEFINIÇÃO
(AGUS)
“ Células mostrando diferenciação
endocervical ou endometrial com atipia
nuclear que excede, obviamente, a
alterações reativas ou reparatórias, mas
que carecem de características
inequívocas de adenocarcinoma invasivo

Bethesda
Lesão Intra-Epitelial Cervical
Conceito

Espectro de anormalidades não invasivas


epiteliais cervicais tradicionalmente
classificadas como condilomas
planos,displasia/ carcinoma in situ e NIC.
( Sistema Bethesda)
Lesão Intra-Epitelial Cervical (SIL)

Lesão Intra-Epitelial Cervical de baixo grau(LSIL)

Lesão Intra-Epitelial Cervical de alto grau(HSIL)


Lesão Intra-Epitelial Cervical (SIL)

Lesão Intra-Epitelial Cervical de baixo grau


(LSIL)

Efeito Citopático por (HPV) e displasia leve ou

NIC I – Neoplasia intra-epitelial cervical grau I


Lesão Intra-Epitelial Cervical (SIL)

Lesão Intra-Epitelial Cervical de alto grau


(HSIL)
Displasia moderada , displasia acentuada e
Carcinoma escamoso “in situ”

NIC II – Neoplasia intra-epitelial cervical grau II

NIC III – Neoplasia intra-epitelial cervical grau III


Sistemas de Relato
Parâmetros Morfológicos Utilizados na Avaliação Citológica

Celularidade da Amostra

Arranjo Celular

Tamanho e Forma Celulares Citoplasma

Núcleo

Mitoses

Material Extracelular e Fundo Celular


Células escamosas normais sob diferentes influências hormonais