Você está na página 1de 7

Índia e China

Apesar de pertencerem ao mundo subdesenvolvido, a Índia e a China são


dois grandes e importantes países do continente asiático, destacando-se
por exercerem uma forte influência política, econômica e militar.
A índia é o segundo país mais populoso do mundo, com mais de 1 bilhão
de habitantes, e o fato de manter uma taxa de crescimento demográfico
em torno de 1,6% tem sido motivo de preocupação, devido ao grande
aumento populacional. Um dos aspectos mais notáveis dessa imensa
população diz respeito à sua grande diversidade étnica, religiosa e
cultural, que marca profundamente a vida da população e as estruturas
sociais do país.
A rivalidade religiosa constitui uma das principais causas de conflitos
sociais que constantemente ocorrem no país.
Índia – controle populacional
• Desde a década de 1960, há um rígido controle do crescimento
populacional na Índia, por meio do qual se tenta reduzir a pobreza,
a fome e a gravidade do quadro social existente no país. Para
efetuar esse controle foram tomadas várias medidas, entre as quais
podemos citar: a esterilização em massa da população de baixa
renda, a limitação do número de filhos para as famílias mais
carentes e a divulgação de métodos contraceptivos.
• A população com renda mais elevada pode ter até seis filhos.
• A questão do crescimento populacional na Índia está relacionada,
também, a aspectos culturais. Um exemplo é o fato de muitos
indianos acreditarem que, tendo um maior número de filhos, terão
maiores chances de viver confortavelmente quando forem idosos.
Índia – o hinduísmo e o sistema de castas
• O hinduismo é a principal religião da índia, mas também constitui
um sistema social, na medida em que divide a sociedade em
diferentes castas. Determinadas pela hereditariedade, as castas
constituem grupos de pessoas e famílias que se diferenciam uns
dos outros de acordo com a posição social que ocupam, com mais
ou menos privilégios e deveres.
• O sistema de castas estabelece uma rígida segregação social, por
meio da qual se explica o papel de cada indivíduo na sociedade.
Esse fato, na verdade, consolida as enormes desigualdades sociais
existentes no país, uma vez que a mudança de um indivíduo para
outra casta é considerada uma grande ofensa à religião hindu.
• Oficialmente, o governo indiano não reconhece mais a existência
das castas; porém, elas ainda hoje marcam profundamente a
sociedade e o modo de vida da população na índia.
Em que os hindus acreditam?
• Existem muitas maneiras de ser hindu. Não existem regras
estabelecidas. Mas a maioria dos hindus compartilham as mesmas
crenças básicas. Uma crença importante é a da reencarnação, que
significa que sua alma renascerá em outro corpo, humano ou
animal, depois da morte. Você poderá renascer muitas vezes mais,
num ciclo de morte e renascimento chamado samsara. O objetivo
de vida de um hindu é se libertar deste ciclo para alcançar moksha,
ou a salvação. Tendo uma vida de bondade, você poderá renascer
numa forma mais adiantada e aproximar-se de moksha. Isso
depende de suas ações e dos resultados delas, o que é conhecido
como carma.
• Para os hindus todos os animais são sagrados. Por isso, os hindus
não comem a carne de vários animais, principalmente, do gado
bovino, que vive solto nas cidades. Apenas o seu leite é utilizado
como forma de alimetação.
A Revolução verde na Índia
• O aumento populacional na Índia gerou sérios problemas com
relação à produção de alimentos. Com o objetivo de combater a
fome, o governo incentivou, a partir da década de 1960, a chamada
Revolução Verde. Essa revolução caracterizou-se pela
modernização das atividades agrícolas por meio da introdução de
técnicas avançadas de cultivo, como o uso de máquinas modernas
e sementes selecionadas. A Revolução Verde, embora tenha
gerado um grande aumento no volume da produção agrícola, não
solucionou o problema da fome no país.
• Isso se explica pelo fato de a Índia, assim como a imensa maioria
dos países subdesenvolvidos, destinar grande parte de sua
produção agrícola à exportação,o que diminui a oferta desses
gêneros no mercado interno.
A economia indiana
• Nas últimas décadas, o setor industrial da Índia passou a enfrentar
uma série de dificuldade, como a escassez de capital para novo
investimentos.
• Na tentativa de superar esses problemas, o governo indiano foi
obrigado a recorrer aos empréstimos do FMI, tendo que subordinar-
se às regras e à política econômica impostas por esse organismo.
Assim,em troca da ajuda financeira, o país teve que promover, a
partir da década de 1990, uma maior abertura da economia,
eliminando barreiras alfandegárias, diminuindo o protecionismo e
concedendo maior liberdade às importações e ao capital externo.
• Essas medidas provocaram um crescimento econômico de 8%, em
média, nos últimos anos.
• Em decorrência dessa nova política econômica, muitas empresas
particulares de capital indiano e mesmo as do governo, não têm
conseguido concorrer com as multinacionais, abrindo falência ou
sendo compradas pelas multinacionais.
Índia – questão militar
• O Sul da Ásia, principalmente a Índia, tem se apresentado como
uma região de grande instabilidade geopolítica, tanto em razão de
disputas territoriais e fronteiriças, como pela existência de
movimentos separatistas.
• Um dos focos de maior tensão nessa área é a Caxemira, situada no
norte da Índia, entre o Paquistão e a China, nas encostas da
Cordilheira do Himalaia.
• Desde que deixou de ser colônia da Inglaterra, a Caxemira está sob
o domínio indiano. No entanto, como a maioria da população que
vive nessa área é muçulmana, o Estado islâmico do Paquistão
reivindica a anexação da Caxemira ao seu território. Essa questão
já levou indianos e paquistaneses a se enfrentarem em três
guerras, ocorridas em 1947, 1957 e 1965.
• A disputa pela Caxemira pode , inclusive ameaçar a segurança
mundial, pois tanto Índia como o Paquistão desenvolveram
tecnologia de armas nucleares e já realizaram testes com bombas
atômicas.