P. 1
materia sobre feridas

materia sobre feridas

4.5

|Views: 11.533|Likes:
Publicado poranon-326786

More info:

Published by: anon-326786 on Jul 20, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/02/2013

pdf

text

original

Uma alimentação adequada é sempre necessária a uma boa cicatrização.

As feridas, em especial as crónicas, requerem uma nutrição equilibrada e até adequada às suas necessidades especificas de cicatrização. A Direcção geral de Saúde apresenta no seu site algumas publicações com sugestões para uma alimentação saudável. São textos acessíveis, em formato PDF, mas que clarificam os princípios de uma alimentação saudável. Parecem-me especialmente úteis para formação em grupo e para providenciar material de leitura aos utentes. Ajudam a simplificar a linguagem e servem como um elemento de orientação para o profissional de saúde.

http://www.dgs.pt?cr=7781 http://www.dgs.pt?cr=11243 http://www.dgs.pt?cr=11241 http://www.dgs.pt?cr=11242 http://www.dgs.pt?cr=11244

PUClas 2

April 30, 2008 By: cancela Category: Ulcera de pressão, Avaliação/Medição Ferida, Diversos No Comments →

EPUAP - Classificação das úlceras de pressão
Como prometido, apresento a versão 2 do programa PUClas ( PUClas2 ) que está disponivel no site da European Pressure Ulcer Advisory Panel. (A provocação para forçar o feedback não resultou ). O PUClas é um programa desenvolvido pela EPUAP, para servir de ferramenta de estudo ao tema Úlcera de Pressão, especialmente no que respeita à sua classificação.Um claro melhoramento em relação à versão original. Muito bem organizado e ilustrado. Um trabalho a não perder para uma boa compreensão da dinâmica que envolve a classificação da ulceração dos tecidos, provocada por pressão excessiva. Estão ainda disponíveis os testes da versão 1 e 2. Na página de escolha do idioma também é possível encontrar alguns exercícios sobre prevenção de úlceras de pressão. Pena que ainda não esteja disponível em Português. O teste da versão puclas 2 acrescenta uma explicação sumária da ferida mas suficiente para se perceber a posição dos Autores. As figuras têm os endereços para a versão portuguesa e para os exercícios em Inglês.

Preparação do Leito da Ferida
March 11, 2008 By: cancela Category: Conceitos no Tratamentos de Feridas, Diversos 1 Comment → Este é um tema fundamental no debate sobre a cicatrização de uma ferida. Apesar de cada ferida estar inserida num contexto global da pessoa sua portadora, conseguir as condições necessárias à sua cicatrização é essencial para o encerramento. A manutenção do meio ideal no leito das feridas, é também um factor determinante para a cicatrização. O delicado equilíbrio existente entre a capacidade de gerar um meio húmido adequado e a maceração dos tecidos, é muito ténue. Requer capacidade de observação e espírito crítico por parte do profissional de saúde. A preparação do leito da ferida vai depender de vários factores como a etiologia da ferida, as condições da pessoa e o material disponível para o seu tratamento. A motivação do profissional é um ponto sempre a considerar, mas vamos admitir que está presente e é adequada. Dentro deste tema há vários conceitos, como por exemplo o conceito TIME, que ajudam

a direccionar as decisões sobre o tratamento adequado. Falarei destes conceitos em futuras oportunidades. Este tema tem vários artigos publicados on-line. Irei colocar os endereços de alguns desses artigos e o texto será actualizado conforme forem surgindo novos artigos. Se tiverem conhecimento de algum artigo ou endereço que não esteja neste texto por favor coloquem em comentário.

A incontornável EWMA… temática

…e mais endereços com a mesma

http://www.bu.edu/woundbiotech/woundcare/Woundbedpr.html http://www.thefreelibrary.com/Wound+bed+preparation:+clinical+considerati ons-a0123515378 http://www.guideline.gov/summary/summary.aspx?doc_id=9830&nbr=5254& ss=6&xl=999

Exsudado
December 16, 2007 By: cancela Category: Livros/Artigos Recomendados, Conceitos no Tratamentos de Feridas, Diversos No Comments →
Exudado en las heridas y utilidad de los apósitos Wound exudate and the role of dressings

Um excelente documento sobre o que é o exsudado das feridas e a sua interacção com os apósitos utilizados. O documento está dividido em: Boas práticas, o que é o exsudado?, o que nos diz o exsudado, avaliação do exsudado e controle do exsudado. Um trabalho verdadeiramente sistematizador do tema, produzido pela World Union of Wound Healing Societies (WUWHS). Principios de las mejores prácticas: Exudado en las heridas y utilidad de los apósitos. Un documento de consenso. London: MEP Ltd, 2007. http://www.gneaupp.org/docs/pos8_gneaupp.pdf …e em Inglês para quem preferir.

PUSH Tool
December 16, 2007 By: cancela Category: Ulcera de pressão, Avaliação/Medição Ferida, Diversos No Comments →

P U S H Tool
A ferramenta PUSH para medição e avaliação da progressão de úlceras de pressão foi apresentada em 1998 pela NPUAP (National Pressure Ulcer Advisory Panel), uma associação norte americana, que se dedica ao estudo das úlceras de pressão. A PUSH-PT, versão portuguesa, que se encontra no site do Gaif, tem validação para a população portuguesa. Uma parceria Gaif e CEIS. Como ferramenta de investigação, as escalas validadas não devem ser alteradas. Os endereços em baixo são relativos a sites onde se encontra a escala e instruções de uso.

http://www.npuap.org/PDF/push3.pdf http://www.gaif.net/artigos/EscaladeCicatrizacaoInstrAvaliacao.pdf http://www.lhcr.org/PDF/nh/PUSH%20Tool_1.6.04_P187.pdf http://www.novartisnutrition.com/pdfs/us/moreproductinfo/PUSH_Tool_03.pdf http://www.cfmc.org/files/nh/PUSHTool_Frantz092603-rev.pdf http://www.o-wm.com/article/1868 http://www.scielo.br/pdf/rlae/v13n3/v13n3a04.pdf

Visitrak
December 08, 2007 By: cancela Category: Avaliação/Medição Ferida, Diversos No Comments →
Um sistema de medição da ferida, muito útil para quem pretende fazer investigação.

Permite utilizar vários métodos de avaliação da progressão da ferida, que incluem a medição da altura pela largura, a contagem de quadrados de uma grelha e a medição precisa da área da ferida. Este ultimo apresenta claras vantagens para um estudo em que se pretenda rigor na avaliação da progressão da ferida. http://wound.smith-nephew.com/UK/node.asp?NodeId=3066

Feridas cirúrgicas: Revisão de conceitos
December 07, 2007 By: Ricardo Ribeiro Category: Conceitos no Tratamentos de Feridas, Feridas Agudas/Traumáticas 1 Comment → FERIDAS CIRÚRGICAS: REVISÃO DE CONCEITOS

Autor: Enfermeiro Ricardo Ribeiro

Objectivo: Apresentar conceitos sobre feridas cirúrgicas Introdução O tratamento de feridas é desde há muito uma das principais áreas de intervenção dos enfermeiros. Sendo a presença de ferida um factor que influencia a qualidade de vida dos indivíduos, os enfermeiros têm como objectivo da sua actuação no tratamento de feridas curar a ferida, proporcionando o máximo de qualidade de vida possível ao indivíduo. As finalidades do tratamento de feridas são prevenir a contaminação, facilitar a cicatrização e aliviar a dor. Definição de ferida cirúrgica (more…)

Réguas
December 07, 2007 By: cancela Category: Avaliação/Medição Ferida, Diversos No Comments → A utilidade das coisas simples.

Para quem está habituado a fotografar feridas, certamente vai ficar satisfeito com estas imagens. São páginas A4 com réguas de vários laboratórios, para quando acabarem as originais. Quantas vezes já não desesperamos ao gastar a última régua, em dia de fotografia ás feridas em estudo… Estes ficheiros estão em JPEG e ao imprimir a qualidade pareceu-me boa. Se não estiverem aceitaveis informem, que substituo por ficheiros em formato PDF. 10cm: 3M(pdf) B|Braun Convatec Johnson&Johnson Hartmann 15cm: Johnson&Johnson2 Convatec(pdf) 17cm: Smith&Nephew(pdf)

MousEyes
December 04, 2007 By: cancela Category: Avaliação/Medição Ferida, Diversos No Comments → O conhecido programa para medição de feridas através de imagens digitais, é disponibilizado pelo autor. Visitem a sua página. http://www.hope-academic.org.uk/staff/rtaylor/

A Gneaupp tem um documento do autor com instruções, traduzido para espanhol. http://www.gneaupp.org/documentos/externos/mouseyes.pdf

Ulceras de Perna de etiologia Venosa
September 26, 2007 By: cancela Category: Ulcera de Perna de etiologia Venosa, Conceitos no Tratamentos de Feridas Comments Off
Ulcera de Perna de Etiologia Venosa As úlceras venosas representam o maior número de feridas crónicas tratadas em saúde comunitária. São factor de grande despesa de recursos materiais e humanos. O tratamento deste problema deve ser realizado por profissionais experientes e formados na sua correcta abordagem. As úlceras venosas causas um grande desconforto aos seus portadores o que implica que, para alem da cura, o conforto seja também um objectivo do tratamento. Requerem, por isso, uma atenção especial no sentido de se optimizar os cuidados. Carlos Cancela

Abordagem holistica a feridas de difícil cicatrização

A EWMA lançou o documento de Maio de 2008. Debruça-se sobre a abordagem a feridas de difícil cicatrização. Um texto realizado por autores de referência, com qualidade inquestionável. “Enquanto alguma atenção tem sido colocada na compreensão dos factores biológicos que influenciam o atraso na cicatrização, relativamente pouca tem sido colocada nos factores psicossociais envolvidos. Este documento tem como meta equilibrar este balanço e olhar como todos estes factores possam ter um impacto na cicatrização e afectar a vida do paciente.” C. Moffat (Tradução Livre)
Como é costume, a imagem tem o link para o documento. Boa leitura.

PUClas 2
April 30, 2008 By: cancela Category: Ulcera de pressão, Avaliação/Medição Ferida, Diversos No Comments →

EPUAP - Classificação das úlceras de pressão
Como prometido, apresento a versão 2 do programa PUClas ( PUClas2 ) que está disponivel no site da European Pressure Ulcer Advisory Panel. (A provocação para forçar o feedback não resultou ). O PUClas é um programa desenvolvido pela EPUAP, para servir de ferramenta de estudo ao tema Úlcera de Pressão, especialmente no que respeita à sua classificação.Um claro melhoramento em relação à versão original. Muito bem organizado e ilustrado. Um trabalho a não perder para uma boa compreensão da dinâmica que envolve a classificação da ulceração dos tecidos, provocada por pressão excessiva. Estão ainda disponíveis os testes da versão 1 e 2. Na página de escolha do idioma também é possível encontrar alguns exercícios sobre prevenção de úlceras de pressão. Pena que ainda não esteja disponível em Português. O teste da versão puclas 2 acrescenta uma explicação sumária da ferida mas suficiente para se perceber a posição dos Autores. As figuras têm os endereços para a versão portuguesa e para os exercícios em Inglês.

PUSH Tool
December 16, 2007 By: cancela Category: Ulcera de pressão, Avaliação/Medição Ferida, Diversos No Comments →

P U S H Tool
A ferramenta PUSH para medição e avaliação da progressão de úlceras de pressão foi apresentada em 1998 pela NPUAP (National Pressure Ulcer Advisory Panel), uma associação norte americana, que se dedica ao estudo das úlceras de pressão. A PUSH-PT, versão portuguesa, que se encontra no site do Gaif, tem validação para a população portuguesa. Uma parceria Gaif e CEIS. Como ferramenta de investigação, as escalas validadas não devem ser alteradas. Os endereços em baixo são relativos a sites onde se encontra a escala e instruções de uso.

http://www.npuap.org/PDF/push3.pdf http://www.gaif.net/artigos/EscaladeCicatrizacaoInstrAvaliacao.pdf http://www.lhcr.org/PDF/nh/PUSH%20Tool_1.6.04_P187.pdf http://www.novartisnutrition.com/pdfs/us/moreproductinfo/PUSH_Tool_03.pdf http://www.cfmc.org/files/nh/PUSHTool_Frantz092603-rev.pdf http://www.o-wm.com/article/1868 http://www.scielo.br/pdf/rlae/v13n3/v13n3a04.pdf

PUClas
December 08, 2007 By: cancela Category: Ulcera de pressão, Diversos No Comments →

Pressure Ulcer Classification
Tom Defloor, Michael Clark. Uma classificação de úlceras de pressão apresentada num formato que permite aprofundar conhecimentos sobre o tema. Para alem da componente teórica, tem um teste prático com imagens, que ajuda a perceber as nossas capacidades na avaliação da ferida. Devo dizer que em algumas fotos, especialmente quando se tem de escolher se a ferida é ou não uma ulcera de pressão ou se o eritema é ou não branqueável, as fotos atrapalham um bocado. Provavelmente na prática clínica seria mais fácil. Ainda assim um bom teste aos nossos conhecimentos.Clicando nas imagens encontram os links da versão inglesa (EPUAP) e espanhola (GNEAUPP). Quando encontrar on-line a versão portuguesa e a versão Puclas2, acrescento. Bons Treinos.

LUMT
December 04, 2007 By: cancela Category: Ulcera de Perna de etiologia Venosa No Comments →

http://www.sjhc.london.on.ca/parkwood/programs/services/wound/keast1.pdf “LUMT” uma sigla que me despertou a atenção. “Leg Ulcer Measurement Tool”. Um conceito relativamente recente que envolve a temática dos registos. Este texto de 2004 apresenta alguns dados interessantes relativamente aos USA. Leiam e comentem.

Compreender a terapia de compressão
September 29, 2007 By: cancela Category: Ulcera de Perna de etiologia Venosa No Comments → Um trabalho de referência elaborado pela EWMA sobre a terapia de compressão. É de grande valor para todos aqueles que sentem necessidade de perceber os conceitos que envolvem a terapia de compressão. O documento está em PDF.

Directrizes da EWMA

Ulceras de Perna de etiologia Venosa
September 26, 2007 By: cancela Category: Ulcera de Perna de etiologia Venosa, Conceitos no Tratamentos de Feridas Comments Off
Ulcera de Perna de Etiologia Venosa As úlceras venosas representam o maior número de feridas crónicas tratadas em saúde comunitária. São factor de grande despesa de recursos materiais e humanos. O tratamento deste problema deve ser realizado por profissionais experientes e formados na sua correcta abordagem. As úlceras venosas causas um grande desconforto aos seus portadores o que implica que, para alem da cura, o conforto seja também um objectivo do tratamento. Requerem, por isso, uma atenção especial no sentido de se optimizar os cuidados. Carlos Cancela

As Feridas Crónicas
September 26, 2007 By: cancela Category: Feridas Crónicas Comments Off
As feridas crónicas representam um grande desafio para um profissional de saúde. Desde a resistência da patologia ao tratamento instituído até ao comportamento do utente com um problema crónico, são inúmeras e varias as competências necessárias. Há diversas definições para feridas crónicas e todas elas enquadram bem o problema. Brevemente serão colocadas algumas definições. Carlos Cancela

As feridas cirúrgicas limpas cicatrizam, de forma geral, rapidamente. As feridas crónicas, onde se incluem as úlceras de pressão e úlceras de hipertensão venosa, levantam problemas complexos que podem ser abordados de forma simultânea. A colonização bacteriana das feridas crónicas é uma constante, com o consequente risco de representar uma porta de entrada para infecções profundas ou sistémicas (celulite, osteomielite, septicémia). Deste modo, deve ser dada a maior atenção aos cuidados locais, nomeadamente à limpeza cirúrgica e à utilização de pensos adequados, factores que reduzem os riscos apontados e facilitam o processo cicatricial. Não deve ser utilizada antibioticoterapia local ou sistémica para resolver problemas de colonização. Caso se verifique infecções com envolvimento mais profundo (erisipela, celulite) está indicada a antibioticoterapia sistémica.

Consegue-se diminuição da dor e recuperação mais rápida com pensos de alginatos, hidrocolóides, hidrogeles e hidropolímeros. A escolha entre os diferentes produtos varia em função de três parâmetros principais: a) antecedentes pessoais (história de alergias ou intolerâncias); b) características clínicas da ferida (bordos, extensão, profundidade, localização, infecção secundária e fase de cicatrização); c) sintomatologia geral da ferida (dor, hemorragia, sinais inflamatórios). Estas diferentes classes de pensos promovem: 1 - a cicatrização em meio húmido, propicia a migração celular, nomeadamente de macrófagos; 2 - a protecção contra a conspurcação por outras bactérias e traumatismos, além de um maior conforto para o doente. De modo sintético, são estas as características de cada tipo de penso: Hidrocolóides - Composição: polímeros de carboximetilcelulose (em pectina ou gelatina), em filme de poliuretano; - Propriedades: moderadamente absorventes; semipermeáveis (permitem trocas gasosas); aderentes à pele sã (não aderentes à ferida); boa moldagem às superfícies irregulares; - Indicações: feridas pouco exsudativas; promovem a granulação; podem ser usados em todos os estádios da cicatrização; - Efeitos adversos: maceração ao nível dos bordos; odor fétido; - Apresentação: placas adesivas de dimensões variáveis ou pasta; - Modo e ritmo de aplicação: substituição cada 5 a 7 dias; não necessitam de penso secundário. Hidrogeles - Composição: polímeros de celulose (carboximetilcelulose), hidratados a 75%; - Propriedades: libertam água no leito da ferida, hidratando-a; pouco absorventes; não aderentes; impermeáveis; transparentes (permitem inspecção); - Indicações: feridas desidratadas, sem exsudado; favorecem a re-epitelização; - Efeitos adversos: “repassamento” do penso, quando mal ocluído; - Apresentação: placas não adesivas de dimensões variáveis; geles;

- Modo e ritmo de aplicação: substituição cada 3 a 5 dias; necessitam de penso secundário adequado (ex: película oclusiva de poliuretano ou hidrocolóide). Alginatos - Composição: polímeros de ácidos algínicos (alginato de cálcio); - Propriedades: muito absorventes e hemostáticos; favorecem o desbridamento da ferida; permeáveis; não aderentes; - Indicações: feridas muito exsudativas ou hemorrágicas; podem ser aplicados em feridas infectadas; diminuem o odor; - Efeitos adversos: exsicação da ferida (podem associar-se a hidrogeles); - Apresentação: compressas não adesivas; - Modo e ritmo de aplicação: substituição cada 3 a 5 dias; necessitam de penso secundário (película oclusiva de poliuretano). Hidropolímeros - Composição: “espuma” de poliuretano hidrofílica revestida de filme impermeável (também designados por “Hidrocelulares”); - Propriedades: muito absorventes; não aderentes à ferida; moldáveis; - Indicações: em todos os estádios do processo cicatricial; em todos os tipos de feridas (incluindo “cavidades”); diminuem o odor; - Efeitos adversos: exsicação das feridas; - Apresentação: compressas adesivas e não adesivas de espuma adaptáveis às cavidades; - Modo e ritmo de aplicação: substituição de 3 a 5 dias; as apresentações não adesivas necessitam de penso secundário. Carvão activado Os apósitos de carvão activado são constituídos por duas camadas (interna e externa) de tecido não tecido no interior das quais existe uma camada intermédia de carvão activado. Este caracteriza-se por apresentar uma elevada capacidade de desodorização uma vez que adsorve à sua superfície as moléculas responsáveis pelo mau cheiro. Para além dessas moléculas, absorve água, bactérias e outros componentes presentes no exsudado. Essas propriedades fazem com que estes apósitos estejam indicados em feridas com mau odor, infectadas ou com quantidade moderada de exsudados nomeadamente úlceras de pressão e de perna (de origem vasculares ou diabética), bem como em feridas oncológicas. No caso de feridas pouco exsudativas o penso pode aderir à pele pelo que, pode ser aplicado hidrogel na ferida previamente à aplicação do penso.

Para que o carvão permaneça activo durante mais tempo alguns pensos associam ao carvão activado alginatos e carboximetilcelulose (ex. Carboflex®) para absorção de exsudados. Outros pensos associam ao carvão activado prata, a qual tem propriedades bactericidas (Actisorb Silver®). Estes apósitos não devem ser cortados, devido ao risco de dispersam das partículas de carvão na ferida constituindo corpos estranhos. Requerem um penso secundário e a sua mudança deve ser diária em feridas infectadas, podendo permanecer mais tempo nos casos e feridas pouco exsudativas.

Aquacel: - uma hidrofibra "uma compressa de tecido nao tecido constituida por fibras de hidrocoloide (carboximetilcelulose)"; - absorve os fluidos da ferida (apenas verticalmente) formando um gel; - utilizado em feridas com exsudado elevado a moderado; - Hidrogel: - constituido por polimeros organicos complexos que contêm uma elevada percentagem de agua (entre 30 a 90%); - para feridas com exsudado fraco a moderado; - cria um ambiente húmido na ferida; - facilita a autólise, granulação, epitelização; - nao usar em feridas altamente exsudativas; - alguns necessitam de penso secundário (ex: hidrocoloide); - podem macerar a pele circundante; - pode ser usado com pensos com actividade microbiana. Já agora uma achega sobre desbridamento autolítico: "A autólise consiste na degradação natural dos tecidos desvitalizados utilizando as enzimas do organismo e a humidade do leito da ferida para rehidratar, amolecer e liquefazer o tecido necrosado" Indicado em feridas com tecido necrosado e exsudado ligeiro a moderado.

Se queremos, num tratamento, potenciar o efeito autolitico, o mais acertado será potenciar a acção do hidrogel com um hidrocoloide, mantendo assim o leito da ferida numa humidade excelente para se dar este tipo de desbridamento.

Caso o enfermeiro "experimente" um hidrogel para humedecer a ferida.....e logo de seguida "espete" com uma hidrofibra em cima que irá certamente absorver toda a humidade, é sem duvida um tratamento a reprovar! Depois admiram-se dem quando se retira o Aquacel...metade da ferida venha com ele (tudo seco). Isto dá para resolver, se logo por cima das compressas que estarão em cima do Aquacel for colocado uma pelicula de biofilme, que controle a transpiraçao da ferida, nao permitindo que fique seca tao intensamente. No tratamento duma ferida crónica o meio húmido é fundamental para o processo de cicatrização pelo que quando se pretende desbridar tecido desvitalizado a acção de um hidrogel deve ser potenciada por um tipo de penso que promova essa humidade como é o caso dos hidrocolóides, ou seja, favorecendo a fibrinólise e simultaneamente promover o crescimento de tecido de granulação. Em feridas com pouco exsudado este é o tratamento mais adequado no meu ponto de vista. Para proceder ao desbridamento de tecido desvitalizado podemos potenciar a acção do hidrogel com o ulcerase, contudo o uso da colagenase tá contra-indicado em complemento de pensos que contenham na sua composição prata ou zinco como já aqui foi dito. No entanto, no caso de feridas moderada a altamente exsudativas com presença de tecido necrótico e/ou fibrinoso não vejo o porquê e não usar uma hidrofibra com o hidrogel já que este apósito tem efeito absorvente mas a sua absorção faz-se na vertical, não macerado a região circundante ao contrário do hidrocolóides... Tudo depende da quantidade de exsudado e do tempo de permanência do penso. FERID AS

Abrangendo todos os tipos de feridas como traumas e queimaduras, úlceras de pressão, úlcera venosa e arterial, além das deiscências cirúrgicas. Utilizamos de recursos terapêuticos específicos para cada tipo de ferida, com avaliação dos fatores relacionados às condições clínicas de cada paciente, ao estágio do ferida. Úlcera de pressão Úlcera venosa ou arterial Úlcera diabética Queimaduras Traumas Feridas cirúrgicas As características de um curativo para uma boa evolução da cicatrização de uma ferida se dão por: Eficácia em sua atuação: facilita a remoção do tecido necrótico, impede a formação de espessamentos da fibrina, não aderir ao leito da ferida, impedir a contaminação e o crescimento bacteriano, manter um grau de umidade adequado no leito da ferida para estimular a formação do tecido de granulação, proteger a lesão das agressões externas e estimule a epitelização. Eficácia na aplicação: facilidade de aplicação, facilidade de retirada, que permite prolongar o tempo inter-trocas. Boa aceitação: não ser irritante nem alergizante, não produza dor, uso fácil e confortável. Os produtos utilizados são biológicos, como alginato de cálcio, gel ou placa hidrocolóide, carvão ativado, entre outros. O produto é selecionado de acordo com o tipo e condições da ferida. processo cicatricial, ao tipo, tamanho e forma da

ÚL CERA DE PRES SÃO

A pressão por um período prolongado numa determinada área do corpo leva a uma isquemia local, que se agrava com a continuidade da pressão, pois impede a devida circulação sanguínea local, desencadeando uma escara. A avaliação de um portador de feridas requer do profissional conhecimento científico e perspicácia. As orientações a seguir são básicas e não tem intenção de dirigir nenhum tratamento, ficando a cargo de cada profissional a responsabilidade de cada conduta. PREVENINDO O SURGIMENTO DE ÚLCERA DE PRESSÃO

Mudança de decúbito cada 2 horas; Nutrição e hidratação oral adequada; Hidratação da pele com emoliente; Não massagear nas protuberâncias ósseas para evitar o rompimento dos pequenos vasos sanguíneos; Evitar a força do cisalhamento ( o corpo desliza fazendo fricção entre a pele e o músculo ou o osso) na posição fowler ou sentado na poltrona; Utilizar de colchão apropriado conforme condições físicas do paciente; Utilizar de almofada apropriada para a poltrona.

TRATANDO A ÚLCERA DE PRESSÃO GRAU I O estágio I da úlcera de pressão é avaliado pela observação da pele íntegra, eritema que não regride após eliminação da pressão com diminuição da sensibilidade na área. Todas as orientações do item anterior, permanecendo o filme transparente por até 7 dias.

Úlcera de pressão Grau I

TRATANDO A ÚLCERA DE PRESSÃO GRAU II O estágio II da úlcera de pressão é avaliado pelo comprometimento da epiderme e/ou derme, pode-se observar abrasão e/ou flictemas e eritema. Todas as orientações do item prevenção; Possíveis curativos conforme avaliação da ferida: Hidropolímero; Filme transparente; Tela não-aderente; Placa de hidrogel; Hidrocolóide. Com quadro colonizado ou infectado: Curativo iodado não-aderente.

Úlcera de pressão Grau II

Curativo de hidropolímero

TRATANDO A ÚLCERA DE PRESSÃO GRAU III O estágio III da úlcera de pressão apresenta perda total da pele, celulite, erosão, fáscia muscular exposta, presença de necrose, exsudato. Todas as orientações do item prevenção; Atenção ao exame clínico e os exames complementares, seguindo as orientações médicas. Alternativas de curativos conforme avaliação do estado da ferida, respeitando o processo de cicatrização: Com Com Com Com Com necrose seca: hidrogel associado ao filme transparente ou hidrocolóide tecido desvitalizado mole (cinza, marrom ou amarelo): hidrogel tecido desvitalizado duro: hidrogel tecido desvitalizado mole e úmido: hidrogel ou alginato quadro de colonização ou de infecção: curativo de carvão

ativado e prata, associado com hidrogel se necessário. Com tecido de granulação: curativo de colágeno com alginato - regenerador celular; hidrogel – mantém o meio úmido alginato – mantém o meio úmido hidropolímero – proteção e absorção do exsudato Fase de Epitelização: - Hidropolímero - Filme transparente - Tela não-aderente - Placa de hidrogel

Úlcera de pressão grau III

TRATANDO DA ÚLCERA GRAU IV O estágio da úlcera de pressão Grau IV apresenta destruição de músculo, podendo afetar tendões e ossos, infecção, necrose, exsudato e odor fétido. Todas as orientações do item anterior; Alternativas de curativos conforme avaliação do estado da ferida: Com Com Com Com Com necrose seca: hidrogel associado ao filme transparente ou hidrocolóide tecido desvitalizado mole (cinza, marrom ou amarelo): hidrogel tecido desvitalizado duro: hidrogel tecido desvitalizado mole e úmido: hidrogel ou alginato quadro de colonização ou de infecção: curativo de carvão

ativado e prata, associado ao hidrogel se necessário. Com exposição de osso ou tendão: proteger com hidrogel ou tela

não-aderente Com tecido de granulação: - curativo de colágeno com alginato regenerador celular; hidrogel – mantém o meio úmido; - alginato – mantém o meio úmido - hidropolímero – proteção e absorção do exsudato. Fase de Epitelização: - Hidropolímero - Filme -

Úlcera de pressão grau IV

ÚL CERAS VENOSAS D

A PERN A

A doença venosa é o fator que mais contribui para as ulcerações dos membros inferiores. Outras causas comuns de úlceras, nos membros inferiores, são: insuficiência arterial, pressão e neuropatia. Quando o retorno venoso está comprometido devido ao mal funcionamento da válvulas ou da bomba muscular, a pressão sanguínea nos membros inferiores aumenta e permanece elevada (hipertensão venosa). A hipertensão venosa prolongada pode levar a edema, alterações teciduais e, por fim, à ulceração. Os fatores que perturbam a função normal do sistema venoso podem ser: trombose venosa profunda, insuficiência cardíaca congestiva, incompetência valvular, obesidade, gravidez e atrofia muscular. A cicatrização desse tipo de úlcera geralmente é lenta. As úlceras venosas também têm um índice de recidiva muito alto. As causas potenciais de úlceras nas pernas podem ser: Insuficiência venosa, insuficiência arterial, neuropatia diabética, pressão , anemia falciforme, artrite reumatóide, Lúpus sistêmico, carcinoma de célula escamosa, melanoma maligno, carcinoma basocelular O diagnóstico apropriado das úlceras venosas é essencial, assim como o acompanhamento médico da hipertensão venosa e seus efeitos.

Em termos de tratamento da úlcera, é importante eliminar ou controlar os obstáculos à cicatrização, como infecção, tecido desvitalizado ou materiais estranhos no leito da ferida, mantendo um ambiente ideal para a cicatrização, com o uso de absorventes, hidratantes ou curativos protetores adequados. Úlcera com tecido necrótico As úlceras venosas raramente apresentam tecido necrótico ou desvitalizado significante, porém devem ser eliminados quando presentes através de algum tipo de desbridamento. Um dos métodos é o desbridamento autolítico, por meio de curativos que retêm a umidade para manter as enzimas endógenas na superfície da ferida, de modo que digiram os tecidos desvitalizados. É o método mais seletivo e menos invasivo, ainda que seja o mais demorado.

Úlcera infectada ou colonizada

Para permitir o processo de cicatrização, a úlcera deve estar com o ambiente controlado em níveis bacterianos. Para este controle temos a alternativa do curativo de carvão ativado e prata, que é constituída de uma almofada de não tecido envolvendo um tecido carbonizado impregnado com prata. As bactérias e as moléculas de odor são adsorvidas nos poros do tecido carbonizado e a prata elimina as bactérias. Quando houver úlcera superficial colonizada temos a alternativa do curativo iodado não-aderente.

Úlcera venosa com tecido desvitalizado

Tratado com hidrogel com alginato para o desbridamento autolítico e curativo de carvão ativado e prata para a descolonização.

Após 4 dias, com troca do curativo a cada 2 dias.

Úlcera superficial limpa Nesta fase o excesso de umidade deve ser controlado para evitar a hipergranulação e permitir o processo de epitelização. As alternativas para se alcançar esta finalidade são os curativos de hidropolímeros, as telas não-aderentes e os colágenos.

Úlcera venosa superficial com tecido de granulação

Após curativos com tela não-aderente com troca cada 3 dias, trocando-se somente o curativo secundário (gaze ou acolchoada) diariamente, para evitar o excesso de um idade. Pode ser associado com o curativo de colágeno para acelerar a epitelização.

Úlceras hipergranuladas A hipergranulação é resultado de excesso de umidade na fase de epitelização. Nas hipergranulações discretas podemos utilizar a telanão aderente. Nas mais elevadas podemos utilizar do curativo iodado não-aderente. Em ambos os casos, troca-se a tela a cada 2-3 dias, trocando-se somente as coberturas secundárias (gaze ou acolchoada) diariamente, evitando-se o excesso de umidade na ferida. Uma das terapias para a insuficiência venosa são as ataduras de compressão externa prolongada e graduada, aplicadas desde o antepé até imediatamente abaixo do joelho. A compressão neutraliza muitos dos efeitos da hipertensão, em especial o edema. Para o paciente, as instruções, o apoio e o reforço da necessidade e de um compromisso vitalício com a terapia são imprescindíveis não só para o tratamento de uma úlcera, mas também par evitar ocorrências futuras.

ÚLCERAS DO PÉ DIABÉTICO

A ulceração no pé diabético é uma das complicações no paciente diabético. As complicações mais graves como infecções, gangrena ou amputação podem ser evitadas através de uma intervenção precoce e agressiva, com exames médicos regulares e instruções em caráter contínuo. O tipo de conduta selecionado para o tratamento da ferida dependerá da avaliação da ferida. O padrão de cuidados com as feridas são os mesmos aplicados como a manutenção de leito da ferida úmido, que sejam absorventes e protetores.

As metas do tratamento localizado devem incluir: Remoção do tecido necrótico Proteção da ferida Manutenção da umidade do leito da ferida Proteção do tecido circunvizinho Absorção de exsudato Prevenção de infecções Eliminação dos espaços mortos Um conceito básico para a seleção de curativos é: se estiver em exsudação, absorva-a. Se estiver seca, forneça umidade. Devido a diversidade de curativos disponíveis, será mais fácil agrupá-los por tipo de produto e função e em seguida proceder à seleção de acordo

com a avaliação da ferida. Hidrogéis: são produtos baseados em água e polímeros. Hidratam as feridas secas, hidratam e amaciam os tecidos necróticos e auxiliam no desbridamento autolítico. Carvão ativado e prata: Almofada contendo carvão ativado impregnado com prata 0,15%, com cobertura de baixa aderência. O carvão ativado absorve o exsudato, retém as bactérias e filtra o odor; A prata exerce ação bactericida. Colágeno: quando combinado a um alginato, facilitam a hemostasia, estimulam o desbridamento autolítico e atraem granulócitos e fibroblastos para o leito da ferida, promovendo proliferação celular. No paciente com ferida crônica ou comprometida, isso é benéfico, pois a produção natural do colágeno pelo organismo está freqüentemente abaixo do normal. Gazes Impregnadas: são impregnadas com vaselina, emulsões oleosas ou com antimicrobiano; fornecem umidade adequada, proteção e permite a passagem do exsudato. O curativo iodado não-aderente libera o PVPI gradativamente diminuindo a carga bacteriana local. Alginatos: são placas ou ramas de fibras absorventes e combinadas, fabricadas a partir de sais de algas marinhas que se transformam em gel à medida que absorvem o exsudato, mantendo o leito da ferida úmido, estimula o desbridamento autolítico. Alguns curativos com alginato se acham combinados com colágeno, o qual é benéfico na promoção da hemostasia, regeneração e reconstrução da ferida. Espumas: são almofadas absorventes fabricadas com poliuretano ou com hidropolímeros e projetadas para conduzir o exsudato para fora, protegendo o tecido circunjacente à ferida ; algumas se expandem suavemente de forma a preencher o espaço morto, podendo apresentar uma borda adesiva. Os curativos de espuma podem ser utilizados tanto como curativos primários como secundários. Fatores de Crescimento : derivado de plaquetas, normalmente encontrado no sangue, é distribuído sob a forma de gel para ser aplicado às feridas. Promove a migração celular e a proliferação das células necessárias à cicatrização das feridas.

Filmes transparentes: são filmes de poliuretano transparente, elástica e estéril. Ocluem a ferida, aderem somente à pele íntegra e possuem uma taxa de transmissão de vapor úmido por causa do diâmetro dos poros, podendo ser impermeáveis ou semipermeáveis, permitindo a liberação de gases e evaporação de água. Barreira bacteriana e viral; mantém ambiente úmido entre a ferida e a cobertura, favorecendo a cicatrização. Por serem transparentes, permitem uma visualização da ferida.Também utilizada como curativo secundário.

CUIDADOS COM OS PÉS

Além de todos os parâmetros importantes para serem controlados num paciente diabético, como o nível de glicemia, dieta, tabagismo, exercícios, etc., temos os cuidados básicos para a prevenção de úlceras: Examinar os pés diariamente; se necessário, usar um espelho. Lavar diariamente os pés e secá-lo bem, especialmente entre os dedos. Testar sempre a temperatura da água primeiro com as mãos. Hidratar a pele após o banho, quando a pele estiver ressecada. Não passar hidratante entre os dedos dos pés. Cortar as unhas dos pés em corte reto ou pedir ao médico ou ao enfermeiro especializado que as corte, caso se apresentem espessas ou duras. Usar diariamente meias que não tenham furos ou cerzidos grosseiros. Verificar a presença de objetos estranhos dentro dos sapatos antes de calçá-los. Antes de adquirir calçados, medir sempre os pés, de preferência à tarde, quando os pés atingem seu maior tamanho. Se houver deformidades, a melhor escolha será calçados terapêuticos/ortóticos. Consultar imediatamente um médico caso observar o desenvolvimento de bolhas ou ferimentos

ÚL CERAS VENOSAS D

A PERN A

A doença venosa é o fator que mais contribui para as ulcerações dos membros inferiores. Outras causas comuns de úlceras, nos membros

inferiores, são: insuficiência arterial, pressão e neuropatia. Quando o retorno venoso está comprometido devido ao mal funcionamento da válvulas ou da bomba muscular, a pressão sanguínea nos membros inferiores aumenta e permanece elevada (hipertensão venosa). A hipertensão venosa prolongada pode levar a edema, alterações teciduais e, por fim, à ulceração. Os fatores que perturbam a função normal do sistema venoso podem ser: trombose venosa profunda, insuficiência cardíaca congestiva, incompetência valvular, obesidade, gravidez e atrofia muscular. A cicatrização desse tipo de úlcera geralmente é lenta. As úlceras venosas também têm um índice de recidiva muito alto. As causas potenciais de úlceras nas pernas podem ser: Insuficiência venosa, insuficiência arterial, neuropatia diabética, pressão , anemia falciforme, artrite reumatóide, Lúpus sistêmico, carcinoma de célula escamosa, melanoma maligno, carcinoma basocelular O diagnóstico apropriado das úlceras venosas é essencial, assim como o acompanhamento médico da hipertensão venosa e seus efeitos. Em termos de tratamento da úlcera, é importante eliminar ou controlar os obstáculos à cicatrização, como infecção, tecido desvitalizado ou materiais estranhos no leito da ferida, mantendo um ambiente ideal para a cicatrização, com o uso de absorventes, hidratantes ou curativos protetores adequados.

Úlcera com tecido necrótico As úlceras venosas raramente apresentam tecido necrótico ou desvitalizado significante, porém devem ser eliminados quando presentes através de algum tipo de desbridamento. Um dos métodos é o desbridamento autolítico, por meio de curativos que retêm a umidade para manter as enzimas endógenas na superfície da ferida, de modo que digiram os tecidos desvitalizados. É o método mais seletivo e menos invasivo, ainda que seja o mais demorado.

Úlcera infectada ou colonizada

Para permitir o processo de cicatrização, a úlcera deve estar com o ambiente controlado em níveis bacterianos. Para este controle temos a alternativa do curativo de carvão ativado e prata, que é constituída de uma almofada de não tecido envolvendo um tecido carbonizado impregnado com prata. As bactérias e as moléculas de odor são adsorvidas nos poros do tecido carbonizado e a prata elimina as bactérias. Quando houver úlcera superficial colonizada temos a alternativa do curativo iodado não-aderente.

Úlcera venosa com tecido desvitalizado

Tratado com hidrogel com alginato para o desbridamento autolítico e curativo de carvão ativado e prata para a descolonização.

Após 4 dias, com troca do curativo a cada 2 dias.

Úlcera superficial limpa Nesta fase o excesso de umidade deve ser controlado para evitar a hipergranulação e permitir o processo de epitelização. As alternativas para se alcançar esta finalidade são os curativos de hidropolímeros, as telas não-aderentes e os colágenos.

Úlcera venosa superficial com tecido de granulação

Após curativos com tela não-aderente com troca cada 3 dias, trocando-se somente o curativo secundário (gaze ou acolchoada) diariamente, para evitar o excesso de um idade. Pode ser associado com o curativo de colágeno para acelerar a epitelização.

Úlceras hipergranuladas A hipergranulação é resultado de excesso de umidade na fase de epitelização. Nas hipergranulações discretas podemos utilizar a telanão aderente. Nas mais elevadas podemos utilizar do curativo iodado não-aderente. Em ambos os casos, troca-se a tela a cada 2-3 dias, trocando-se somente as coberturas secundárias (gaze ou acolchoada) diariamente, evitando-se o excesso de umidade na ferida. Uma das terapias para a insuficiência venosa são as ataduras de compressão externa prolongada e graduada, aplicadas desde o antepé até imediatamente abaixo do joelho. A compressão neutraliza muitos dos efeitos da hipertensão, em especial o edema. Para o paciente, as instruções, o apoio e o reforço da necessidade e de um compromisso vitalício com a terapia são imprescindíveis não só para o tratamento de uma úlcera, mas também par evitar ocorrências futuras.

ÚLCERAS DO PÉ DIABÉTICO

A ulceração no pé diabético é uma das complicações no paciente diabético. As complicações mais graves como infecções, gangrena ou amputação podem ser evitadas através de uma intervenção precoce e agressiva, com exames médicos regulares e instruções em caráter contínuo. O tipo de conduta selecionado para o tratamento da ferida dependerá da avaliação da ferida. O padrão de cuidados com as feridas são os mesmos aplicados como a manutenção de leito da ferida úmido, que sejam absorventes e protetores.

As metas do tratamento localizado devem incluir: Remoção do tecido necrótico Proteção da ferida Manutenção da umidade do leito da ferida Proteção do tecido circunvizinho Absorção de exsudato Prevenção de infecções Eliminação dos espaços mortos Um conceito básico para a seleção de curativos é: se estiver em exsudação, absorva-a. Se estiver seca, forneça umidade. Devido a diversidade de curativos disponíveis, será mais fácil agrupá-los por tipo de produto e função e em seguida proceder à seleção de acordo

com a avaliação da ferida. Hidrogéis: são produtos baseados em água e polímeros. Hidratam as feridas secas, hidratam e amaciam os tecidos necróticos e auxiliam no desbridamento autolítico. Carvão ativado e prata: Almofada contendo carvão ativado impregnado com prata 0,15%, com cobertura de baixa aderência. O carvão ativado absorve o exsudato, retém as bactérias e filtra o odor; A prata exerce ação bactericida. Colágeno: quando combinado a um alginato, facilitam a hemostasia, estimulam o desbridamento autolítico e atraem granulócitos e fibroblastos para o leito da ferida, promovendo proliferação celular. No paciente com ferida crônica ou comprometida, isso é benéfico, pois a produção natural do colágeno pelo organismo está freqüentemente abaixo do normal. Gazes Impregnadas: são impregnadas com vaselina, emulsões oleosas ou com antimicrobiano; fornecem umidade adequada, proteção e permite a passagem do exsudato. O curativo iodado não-aderente libera o PVPI gradativamente diminuindo a carga bacteriana local. Alginatos: são placas ou ramas de fibras absorventes e combinadas, fabricadas a partir de sais de algas marinhas que se transformam em gel à medida que absorvem o exsudato, mantendo o leito da ferida úmido, estimula o desbridamento autolítico. Alguns curativos com alginato se acham combinados com colágeno, o qual é benéfico na promoção da hemostasia, regeneração e reconstrução da ferida. Espumas: são almofadas absorventes fabricadas com poliuretano ou com hidropolímeros e projetadas para conduzir o exsudato para fora, protegendo o tecido circunjacente à ferida ; algumas se expandem suavemente de forma a preencher o espaço morto, podendo apresentar uma borda adesiva. Os curativos de espuma podem ser utilizados tanto como curativos primários como secundários. Fatores de Crescimento : derivado de plaquetas, normalmente encontrado no sangue, é distribuído sob a forma de gel para ser aplicado às feridas. Promove a migração celular e a proliferação das células necessárias à cicatrização das feridas.

Filmes transparentes: são filmes de poliuretano transparente, elástica e estéril. Ocluem a ferida, aderem somente à pele íntegra e possuem uma taxa de transmissão de vapor úmido por causa do diâmetro dos poros, podendo ser impermeáveis ou semipermeáveis, permitindo a liberação de gases e evaporação de água. Barreira bacteriana e viral; mantém ambiente úmido entre a ferida e a cobertura, favorecendo a cicatrização. Por serem transparentes, permitem uma visualização da ferida.Também utilizada como curativo secundário.

CUIDADOS COM OS PÉS

Além de todos os parâmetros importantes para serem controlados num paciente diabético, como o nível de glicemia, dieta, tabagismo, exercícios, etc., temos os cuidados básicos para a prevenção de úlceras: Examinar os pés diariamente; se necessário, usar um espelho. Lavar diariamente os pés e secá-lo bem, especialmente entre os dedos. Testar sempre a temperatura da água primeiro com as mãos. Hidratar a pele após o banho, quando a pele estiver ressecada. Não passar hidratante entre os dedos dos pés. Cortar as unhas dos pés em corte reto ou pedir ao médico ou ao enfermeiro especializado que as corte, caso se apresentem espessas ou duras. Usar diariamente meias que não tenham furos ou cerzidos grosseiros. Verificar a presença de objetos estranhos dentro dos sapatos antes de calçá-los. Antes de adquirir calçados, medir sempre os pés, de preferência à tarde, quando os pés atingem seu maior tamanho. Se houver deformidades, a melhor escolha será calçados terapêuticos/ortóticos. Consultar imediatamente um médico caso observar o desenvolvimento de bolhas ou ferimentos

QUEIMADURAS O tratamento de queimaduras envolve a participação ativa de muitos profissionais, médicos e para-médicos, constituindo uma equipe multidisciplinar para uma assistência eficiente e que conduza para uma rápida reabilitação do paciente.

Grau da queimadura
Grau da queimadura significa determinar a profundidade do trauma térmico na pele.

Lesão de primeiro grau: atinge a camada mais externa da pele, a epiderme, que se apresenta hiperemiada na ausência de bolhas ou flictenas. EX: eritemas pelos raios solares ou por água aquecida; Lesão de segundo grau: atinge tanto a epiderme como a derme e apresenta uma superfície rósea e com bolhas ou flictenas. Ex: flictenas decorrentes de lesão térmica causada por líquido superaquecido; Lesão de terceiro grau: acomete a totalidade das camadas da derme, podendo também atingir outros tecidos, como o tecido subcutâneo, músculo e tecido ósseo. O aspecto é pálida e com uma superfície mais endurecida. Ex: queimadura elétrica ou térmica.;

O atendimento ao queimado abrange uma assistência ampla desde avaliação de Insuficiência respiratória, um acesso venoso eficiente para um suporte hemodinâmico, analgesia e resfriamento imediato da área queimada. O tratamento tópico segue o protocolo de cada instituição, atentando-se para que cada cliente caracteriza um caso com avaliação individual. As alternativas de coberturas variam conforme a necessidade da ferida:

Gazes Impregnadas: são impregnadas com vaselina, emulsões oleosas ou com antimicrobiano; fornecem umidade adequada, proteção e permitem a passagem do exsudato.

A gaze não-aderente é um viscose-rayon impregnada com petrolatum, que permite a troca do curativo sem dor, sendo trocado a cada 2-5 dias. Deve ser coberta com uma cobertura secundária para absorção do exsudato, que deverá ser trocada quando estiver saturada. Também utilizada para proteção de tendão ou osso. O curativo iodado não-aderente é impregnado com PVPI a 10%, liberando o PVPI gradativamente diminuindo a carga bacteriana local. Utilizado em pequenas regiões necessárias, com troca cada 2-3 dias, até 4 trocas, trocando-se somente o curativo secundário quando saturado.

Hidrogel em Placa: é um curativo oclusivo que consiste de polivinilpirrolidona e água, revestido por um filme de polietileno que protege ambos os lados. Mantém meio úmido que estimula o desbridamento autolítico; hidrata o leito minimizando a dor e o desconforto do paciente. Utilizada em queimaduras de primeiro e segundo grau; queimaduras de sol; áreas doadoras e receptoras de enxerto; podem ser fixadas com um filme transparente ou fita adesiva. Hidrogéis com alginato: são produtos baseados em água e polímeros. Hidratam as feridas secas, hidratam e amaciam os tecidos necróticos e auxiliam no desbridamento autolítico.O componente alginato aumenta a sua consistência facilitando a sua aplicação e permanência na lesão. Carvão ativado e prata: Almofada contendo carvão ativado impregnado com prata 0,15%, com cobertura de baixa aderência.Utilizada em feridas infectadas,

podendo ser associado ao hidrogel. O carvão ativado absorve o exsudato, retém as bactérias e filtra o odor; A prata exerce ação bactericida. Colágeno: quando combinado a um alginato, facilitam a hemostasia, estimulam o desbridamento autolítico e atraem granulócitos e fibroblastos para o leito da ferida, promovendo proliferação celular. No paciente com ferida crônica ou comprometida, isso é benéfico, pois a produção natural do colágeno pelo organismo está freqüentemente abaixo do normal. Na fase de epitelização pode ser associado com a gaze não-aderente ou hidropolímero. Alginatos: são placas ou ramas de fibras absorventes e combinadas, fabricadas a partir de sais de algas marinhas que se transformam em gel à medida que absorvem o exsudato, mantendo o leito da ferida úmido, estimula o desbridamento autolítico. Alguns curativos com alginato se acham combinados com colágeno, o qual é benéfico na promoção da hemostasia, regeneração e reconstrução da ferida. Espumas: são almofadas absorventes fabricadas com poliuretano ou com hidropolímeros e projetadas para conduzir o exsudato para fora, protegendo o tecido circunjacente à ferida ; algumas se expandem suavemente de forma a preencher o espaço morto, podendo apresentar uma borda adesiva. Os curativos de espuma podem ser utilizados tanto como curativos primários como secundários. Fatores de Crescimento : derivado de plaquetas, normalmente encontrado no sangue, é distribuído sob a forma de gel para ser aplicado às feridas. Promove a migração celular e a proliferação das células necessárias à cicatrização das feridas. Matriz de Regeneração Dérmica: é um sistema de duas camadas, usado para substituição dérmica, sendo uma camada de regeneração dérmica e uma camada epidérmica provisória. É indicada para o tratamento pós-excisional de lesões de espessura total e parcial, para as quais não há auto-enxerto suficiente disponível no momento da excisão, ou o auto-enxerto não é desejável devido à condição fisiológica do paciente.

Traumas
O atendimento da ferida traumática, deve seguir conforme avaliações médicas com necessidades cirúrgicas ou clínicas. Nos grandes traumas a limpeza da ferida é realizada sob anestesia, devendo-se lavar com SF para a retirada de corpos estranhos, hematomas e outros detritos, sendo desbridado todo o material necrótico. Na ferida traumática impossibilitada de reconstrução cirúrgica, segue-se o procedimento de um curativo que mantenha um ambiente úmido para evitar necroses e facilitar a proliferação celular, além de protege-la de

infecções. As alternativas de coberturas variam conforme a necessidade da ferida:

Gazes Impregnadas: são impregnadas com vaselina, emulsões oleosas ou com antimicrobiano; fornecem umidade adequada, proteção e permitem a passagem do exsudato.

A gaze não-aderente é um viscose-rayon impregnada com petrolatum, que permite a troca do curativo sem dor, sendo trocado a cada 2-5 dias. Deve ser coberta com uma cobertura secundária para absorção do exsudato, que deverá ser trocada quando estiver saturada. Também utilizada para proteção de tendão ou osso. O curativo iodado não-aderente é impregnado com PVPI a 10%, liberando o PVPI gradativamente diminuindo a carga bacteriana local. Utilizado em pequenas regiões necessárias, com troca cada 2-3 dias, até 4 trocas, trocando-se somente o curativo secundário quando saturado.

Hidrogéis com alginato: são produtos baseados em água e polímeros. Hidratam as feridas secas, hidratam e amaciam os tecidos necróticos e auxiliam no desbridamento autolítico.O componente alginato aumenta a sua consistência facilitando a sua aplicação e permanência na lesão. Hidrogel em Placa: é um curativo oclusivo que consiste de polivinilpirrolidona e água, revestido por um filme de polietileno que protege ambos os lados. Mantém meio úmido que estimula o desbridamento autolítico; hidrata o leito minimizando a dor e o

desconforto do paciente. Utilizada em lesões superficiais, queimaduras de primeiro e segundo grau; queimaduras de sol; áreas doadoras e receptoras de enxerto; podem ser fixadas com um filme transparente ou fita adesiva.

Carvão ativado e prata: Almofada contendo carvão ativado impregnado com prata 0,15%, com cobertura de baixa aderência.Utilizada em feridas infectadas, podendo ser associado ao hidrogel. O carvão ativado absorve o exsudato, retém as bactérias e filtra o odor; A prata exerce ação bactericida. Colágeno: quando combinado a um alginato, facilitam a hemostasia, estimulam o desbridamento autolítico e atraem granulócitos e fibroblastos para o leito da ferida, promovendo proliferação celular. No paciente com ferida crônica ou comprometida, isso é benéfico, pois a produção natural do colágeno pelo organismo está freqüentemente abaixo do normal. Na fase de epitelização pode ser associado com a gaze não-aderente ou hidropolímero. Alginatos: são placas ou ramas de fibras absorventes e combinadas, fabricadas a partir de sais de algas marinhas que se transformam em gel à medida que absorvem o exsudato, mantendo o leito da ferida úmido, estimula o desbridamento autolítico. Alguns curativos com alginato se acham combinados com colágeno, o qual é benéfico na promoção da hemostasia, regeneração e reconstrução da ferida. Espumas: são almofadas absorventes fabricadas com poliuretano ou com hidropolímeros e projetadas para conduzir o exsudato para fora, protegendo o tecido circunjacente à ferida ; algumas se expandem suavemente de forma a preencher o espaço morto,

podendo apresentar uma borda adesiva. Os curativos de espuma podem ser utilizados tanto como curativos primários como secundários.
Feridas Cirúrgicas

As incisões cirúrgicas e lacerações limpas são conduzidas para a cicatrização por primeira intenção, que é quando as bordas de uma ferida são reaproximadas na hora da lesão e aproximadas com suturas, grampos ou adesivos, onde a reepitelização se dá rapidamente. As alternativas de cobertura dependerão da característica da incisão. Nos casos de incisões que podem sofrer drenagem no pós-operatório, utilizam-se coberturas que são absorventes e trocadas em 24 horas ou 48 horas. Após este período, se as bordas estiverem bem aproximadas e a linha de sutura está seca, a incisão pode ser deixada aberta ao ar, ou utilizar de filmes transparentes para prevenção de infecção exógena, além de agilizar a epitelização, diminuir a dor e proporcionar conforto e sensação de proteção para o paciente. Quando as bordas da ferida não são possíveis de aproximação e um espaço é deixado para ser preenchido com tecido de granulação ocorre a cicatrização por segunda intenção, como no procedimento de ressecção de cisto pilonidal. Nos casos de feridas que se programam o fechamento primário retardado, ocorre a cicatrização por terceira intenção, isto é, mantem-se a ferida aberta, permitindo a cicatrização por segunda intenção e posteriormente se realiza a aproximação das bordas. Acontece nos casos de deiscências de incisão por infecção, fasciotomias, edemas, e outros. Nestes casos, as alternativas de coberturas de última geração deverão ser produtos que retenham umidade adequada no leito da ferida, que favoreçam a regeneração celular e bactericida quando necessário. Entre eles temos: Colágeno com alginato: Aplicadas em feridas limpas e úmidas, facilitam a hemostasia, estimulam o desbridamento autolítico e atraem granulócitos e fibroblastos para o leito da ferida, promovendo proliferação celular. Hidrogéis: são produtos baseados em água e polímeros. Hidratam as feridas cavitárias e auxiliam no desbridamento autolítico. O componente alginato de Na auxilia num maior período de retenção da umidade no leito da ferida.

Carvão ativado e prata: Aplicadas em casos de feridas infectadas ou colonizadas. Almofada contendo carvão ativado impregnado com prata 0,15%, com cobertura de baixa aderência.O carvão ativado absorve o exsudato, retém as bactérias e filtra o odor; A prata exerce ação bactericida. Gazes não-aderente: uma alternativa de cobertura nas lesões mais superficiais; é um viscose-rayon impregnada com petrolatum, favorece umidade adequada, proteção e permitem a passagem do exsudato. Alginatos: são placas ou ramas de fibras absorventes e combinadas, fabricadas a partir de sais de algas marinhas que se transformam em gel à medida que absorvem o exsudato, mantendo o leito da ferida úmido, estimula o desbridamento autolítico. Alguns curativos com alginato se acham combinados com colágeno, o qual é benéfico na promoção da hemostasia, regeneração e reconstrução da ferida. Espumas: são almofadas absorventes fabricadas com poliuretano ou com hidropolímeros e projetadas para conduzir o exsudato para fora, protegendo o tecido circunjacente à ferida ; algumas se expandem suavemente de forma a preencher o espaço morto, podendo apresentar uma borda adesiva. Os curativos de espuma podem ser utilizados tanto como curativos primários nos caso de feridas mais superficiais, ou como secundários nos casos de feridas mais profundas associados a outro produto que preencha o espaço morto.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->