P. 1
Texto Integral Dupla

Texto Integral Dupla

|Views: 493|Likes:
Publicado porJoel Sulino Simao

More info:

Published by: Joel Sulino Simao on Oct 26, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/26/2012

pdf

text

original

Álvaro Fernandes

1
)
Integral Dupla

Considere uma superfície definida numa região fechada e limitada R do plano
xy.
( y , x f z =


R é a projeção
da superfície
sobre o plano xy.

Traçando-se retas paralelas aos eixos ox e oy, respectivamente, recobrimos a região R por
pequenos retângulos. Considere somente os retângulos que estão totalmente contidos
em R, numerando-os de 1 até n (figura 1).
k
R



Em cada retângulo , escolha um ponto
k
R ( )
k k k
y , x P e forme a soma

( )
k
n
1 k
k k
A y , x f ∆

=
,

onde é a área do retângulo .
k k k
y . x A ∆ ∆ = ∆
k
R

Suponha que mais retas paralelas aos eixos coordenados são traçadas, tornando as
dimensões dos retângulos cada vez menores (figura 2). Isso é feito de tal maneira que a
diagonal máxima dos retângulos tende a zero quando n tende ao infinito.
k
R
Nessa situação, se
∞ → n
lim ( )
k
n
1 k
k k
A y , x f ∆

=

existe, ele é chamado de integral dupla de ( ) y , x f sobre a região R.

Denotamos este limite como ou ( ) dA y , x f
R

∫∫
( ) dxdy y , x f
R

∫∫
ou . ( ) dydx y , x f
R

∫∫
Álvaro Fernandes
2
∞ → n
lim

= ( )
k
n
1 k
k k
A y , x f ∆
=
( ) dA y , x f
R

∫∫


Observações:

1. A região R é denominada região de integração.
2. A soma

é chamada de soma de Riemann de sobre R. ( )
k
n
1 k
k k
A y , x f ∆
=
( y , x f z = )

Veremos que se , a integral dupla pode ser interpretada como um ( ) 0 y , x f z ≥ = volume.


INTERPRETAÇÃO GEOMÉTRICA DA INTEGRAL DUPLA


Suponha sobre R. Observe que ( ) 0 y , x f z ≥ = ( )
k k k
A y , x f ∆ representa o volume de um
prisma reto, cuja base é o retângulo e cuja altura é
k
R ( )
k k
y , x f (figura 3).



A soma de Riemann

representa uma aproximação do volume da porção
do espaço compreendida abaixo do gráfico
( )
k
n
1 k
k k
A y , x f ∆
=
( ) y , x f z = e acima da região R do plano xy.


Assim, quando , a ( ) 0 y , x f ≥ ( ) dA y , x f
R

∫∫
( ) y , x f =
nos dá o volume do sólido delimitado
superiormente pela superfície , inferiormente pela região R e lateralmente pelo
cilindro vertical cuja base é o contorno de R (figura 4).
z


Obs.: Se , a nos dá o volume do sólido, porém com o sinal
negativo.
( ) 0 y , x f ≤ ( ) dA y , x f
R

∫∫
Álvaro Fernandes
3
)

Propriedades da integral dupla.

Sejam e funções contínuas sobre a região R, então: ( ) y , x f ( y , x g

a) , para todo k real. ( ) ( ) dA y , x f . k dA y , x f . k
R R

∫∫ ∫∫
=

b) ( ) ( ) | | ( ) ( ) dA y , x g dA y , x f dA y , x g y , x f
R R R

∫∫ ∫∫ ∫∫
± = ± .

c) Se a região R é composta de duas subregiões R
1
e R
2
que não tem pontos em comum,
exceto os pontos de fronteira, então ( ) ( ) ( dA y , x f dA y , x f dA y , x f
2 1
R R R

∫∫ ∫∫ ∫∫
+ = ) .




CÁLCULO DAS INTEGRAIS DUPLAS

De acordo com o tipo de região de integração R, podemos calcular a integral dupla de
duas formas:


• Se R é uma região do tipo I, então . ( ) ( )
( )
( )
dydx y , x f dA y , x f
x g
x g
b
a R
2
1
∫ ∫ ∫∫
=

• Se R é uma região do tipo II, então . ( ) ( )
( )
( )
dxdy y , x f dA y , x f
y h
y h
d
c R
2
1
∫ ∫ ∫∫
==


Álvaro Fernandes
4

EXERCÍCIOS

1. Calcule
∫∫
, onde R é a região retangular ( ) dA xy 8 1
R
+ ( ) { } 3 x 0 , 2 y 1 y , x
2
≤ ≤ ≤ ≤ ℜ ∈ / .

Proposição: Se R é a região retangular ( ) { } d y c , b x a y , x
2
≤ ≤ ≤ ≤ ℜ ∈ / , então
. ( ) ( ) dxdy y , x f dydx y , x f
b
a
d
c
d
c
b
a
∫ ∫ ∫ ∫
=


2. Calcule
∫∫
. A região R está representada na figura 1. ( dA y x 4
R
− − )


3. Calcule
∫∫
. A região R está representada na figura 2. dA y
R



4.Calcule , onde R é a região retangular de vértices ( ) dA xy sen y
R

∫∫
( ) ( ) ( ) ( π π π π , 0 D , 1 C , 2 , 1 B , 2 , 0 A e ).


5. Calcule
∫∫
, sendo R a região delimitada por dxdy e
R
-x
2
4 x 0 y , y 4 x = = = e .


6. Calcule
∫∫
. A região R está representada na figura 3. dA xy
R





figura 1

figura 2

figura 3


Respostas:

1) 57. 2) 15/4. 3) (e
3
/3)-( e
2
/4)+(5/12).
4) 1+(π/2).
5) (1-e
-16
)/8. 6) 0.

Álvaro Fernandes
5
EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO: VOLUMES DE SÓLIDOS

Se , a nos dá o volume do sólido delimitado superiormente pela
superfície , inferiormente pela região R e lateralmente pelo cilindro vertical
cuja base é o contorno de R.
( ) 0 y , x f ≥
z =
( ) dA y , x f
R

∫∫
( ) y , x f



7. Calcule o volume do sólido delimitado superiormente pelo plano y x 4 z − − = ,
inferiormente pela região R delimitada por 0 y , 2 x , 0 x = = = e ( ) ( ) 2 1 4 x y + = e
lateralmente pelo cilindro vertical cuja base é o contorno de R.

8. Calcule o volume do sólido no primeiro octante, delimitado pelo plano 2 y z = − e
pelo cilindro vertical que contorna a região plana delimitada por e
2
x y = x y = . Esboce
o sólido.

9. Calcule o volume do sólido no primeiro octante, delimitado pelos cilindros
e 16 y x
2 2
= + 16 z x
2 2
= + . Esboce o sólido.

10. Calcule o volume do sólido delimitado pelas superfícies abaixo. Esboce o sólido.
2
x 1 z − = (cilindro parabólico) e pelos planos 0 y , 0 z = = e 4 y x = + .

Respostas:
7) 15/4. 8) 2/5. 9) 128/3. 10) 16/3.

Álvaro Fernandes
6

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO: ÁREAS DE REGIÕES PLANAS

Se na expressão fazemos ( ) dA y , x f
R
∫∫
( ) 1 y , x f = , obtemos que nos dá a área da
região de integração R:
dA
R
∫∫



Área (R) = ( ) dA 1
R

∫∫

11. Calcule a área da região R mostrada na figura abaixo:


12. Calcule a área da região plana limitada pelas curvas abaixo. Esboce os gráficos e
identifique a região.



( )
¦
¦
¹
¦
¦
´
¦
≤ ≤ =
≤ ≤ =
≤ ≤ − =
≤ ≤ =
e
x
e y 1 , e x
e x 0 , e y
1 x 0 , x 1 y
e x 1 , x ln y









Respostas:
11) 146/9.
12) e
e
– (5/2) ≅ 12,65.

Álvaro Fernandes
7
MUDANÇA DE VARIÁVEIS EM INTEGRAIS DUPLAS

Em algumas situações, uma integral dupla é bastante longa e trabalhosa de ser
resolvida no sistema de coordenadas cartesianas xy. Com uma simples e conveniente
mudança de coordenadas (variáveis) podemos simplificar estes cálculos.

Teorema: Sejam ( ) ( ) v , u y y v , u x x = = e as equações que definem uma transformação
de coordenadas de um sistema uv para o sistema xy. Então:

( ) ( ) ( ) ( )
( )
( )
dudv
v , u
y , x
v , u y , v , u x f dxdy y , x f
' R R


=
∫∫ ∫∫
,

onde R

é a região R descrita no sistema uv e
( )
( ) v , u
y , x


é o determinante da matriz jacobiana
de x e y em relação a u e v, dado por

( )
( )
v
y
u
y
v
x
u
x
v , u
y , x








=


.

COORDENADAS POLARES

As equações θ = θ = sen r y cos r x definem a transformação de coordenadas do
sistema polar para o sistema cartesiano. O determinante da matriz jacobiana, neste caso,
é dado por
e

( )
( )
r
cos r sen
sen r cos
, r
y , x
=
θ θ
θ − θ
=
θ ∂



Logo,

( ) ( ) θ θ θ =
∫∫ ∫∫
drd r sen r , cos r f dxdy y , x f
' R R
, onde R

é a região R descrita no
sistema de coordenadas polares.

Obs.1: Para o cálculo das integrais duplas podemos considerar

π ≤ θ ≤ ≥ 2 0 r e 0 .

Obs.2: Das equações θ = θ = sen r y cos r x e , obtemos as relações

2 2 2
r y x = + e ( ) x y arctg = θ .
Álvaro Fernandes
8

Exemplo: Mostre que a área de uma circunferência de raio a é
2
a π usando integral dupla
em coordenadas cartesianas e polares.



Usando integral dupla em coordenadas cartesianas:

( ) { }
2 2 2 2
x a y x a , a x a / y , x R − ≤ ≤ − − ≤ ≤ − =

Área = ( ) ( ) dx x a 2 dydx 1 dydx 1
a
a
2 2
a
a
x a
x a
R
2 2
2 2

∫ ∫ ∫ ∫∫
− −

− −
− = = = . . . (exercício)

Calculando por substituição trigonométrica ( )

π
− ∈ =
2
π
,
2
t , t sen a x , obtemos:

. . . =
2
a
a
2 2 2
a
a
x
arcsen a x a x π =
|
.
|

\
|
+ −

.

Usando integral dupla em coordenadas polares:

( ) { } π ≤ θ ≤ ≤ ≤ θ = 2 0 , a r 0 / , r ´ R

Área = ( ) ( )
2
2 2
0
a
0
2 2
0
2
0
a
0
´ R R
a d
2
a
d
2
r
drd r rdrd 1 dydx 1 π = θ = θ = θ = θ =
∫ ∫ ∫ ∫ ∫∫ ∫∫
π π π
.

Realmente as coordenadas polares simplificaram bastante este cálculo!!!


Exercício: Descreva as regiões circulares abaixo em coordenadas polares.


Álvaro Fernandes
9

EXERCÍCIOS

1. Calcule ( )dxdy y x sen
R
2 2
+
∫∫
, onde R é a região da figura abaixo.



2. Calcule
( )
dxdy e 2
R
y x
2 2

∫∫
+
4 y x
2 2
= +
, onde R é a região do plano xy delimitada por
. 1 y x
2 2
= + e

3. Calcule ( ) dxdy 1
R

∫∫
, onde R é a região da figura abaixo.



4. Calcule ( ) dxdy y x
4
0
y y 4
0
2 2
2


+
∫ ∫
. Esboce a região de integração.

5. Calcule o volume do sólido delimitado pelas superfícies abaixo. Esboce as superfícies.

a)
¦
¹
¦
´
¦
+ =
=
= +
de) (parabolói
(plano)
(cilindro)
2 2
2 2
y x z
0 z
1 y x

b)
¹
´
¦
+ =
− − =
de) (parabolói
de) (parabolói
2 2
2 2
y x z
y x 9 z


Resp: 1)
( ) ( )
4
4 cos 1− π
. 2) ( ) e e 2
4
− π . 3)
4
3 3 6 − + π
. 4) π 12 . 5.a) . v . u
2
π
5.b) . v . u
4
81π

y ) ≥ 0 . a superiormente pela superfície z = f ( x . a negativo. yk )∆Ak k =1 n 2 = ∫∫R f (x . Obs.Álvaro Fernandes n →∞ lim ∑ f (xk . A soma de Riemann ∑ f (xk . y ) sobre R. cuja base é o retângulo Rk e cuja altura é f ( xk . A soma ∑ f (xk . 2. Veremos que se z = f ( x .: Se f ( x . y ) e acima da região R do plano xy. y k )∆Ak representa o volume de um prisma reto. yk )∆Ak k =1 n é chamada de soma de Riemann de z = f ( x . y ) dA nos dá o volume do sólido delimitado ∫∫R f (x . y k ) (figura 3). inferiormente pela região R e lateralmente pelo cilindro vertical cuja base é o contorno de R (figura 4). Assim. a integral dupla pode ser interpretada como um volume. y ) ≥ 0 sobre R. y ) dA Observações: 1. y ) ≥ 0 . ∫∫R f (x . yk )∆Ak k =1 n representa uma aproximação do volume da porção do espaço compreendida abaixo do gráfico z = f ( x . y ) . y ) ≤ 0 . Observe que f ( xk . y ) dA nos dá o volume do sólido. quando f ( x . A região R é denominada região de integração. porém com o sinal . INTERPRETAÇÃO GEOMÉTRICA DA INTEGRAL DUPLA Suponha z = f ( x .

y ) e g ( x . y )] dA = ∫∫R f (x . y ) dxdy . y ) funções contínuas sobre a região R. y ) dA + ∫∫ f ( x . y ) dA . Sejam f ( x . então ∫∫ f ( x . y ) dA . 1 g2 ( x ) ∫∫R f ( x . y )dA == ∫ d c ∫h ( y ) f (x . y ) ± g (x . podemos calcular a integral dupla de duas formas: f ( x . 1 h2 ( y ) .Álvaro Fernandes 3 Propriedades da integral dupla. y )dA = ∫ b • Se R é uma região do tipo I. então • Se R é uma região do tipo II. y ) dA = ∫∫ f ( x . para todo k real. CÁLCULO DAS INTEGRAIS DUPLAS De acordo com o tipo de região de integração R. ∫∫R [ f (x . exceto os pontos de fronteira. y ) dA .∫∫R f (x . f (x . y ) dA ± ∫∫R g (x . R R1 R2 c) Se a região R é composta de duas subregiões R1 e R2 que não tem pontos em comum. então ∫∫R a ∫g ( x ) f (x . então: a) b) ∫∫R k . y ) dA = k . y ) dydx .

B(1. A região R está representada na figura 2. A região R está representada na figura 3. C (1. 6) 0. Calcule ∫∫R e -x dxdy . Calcule 4.Calcule y sen( xy ) dA . 3.π ) e D(0 . 0 ≤ x ≤ 3 . figura 2 figura 3 3) (e3/3)-( e2/4)+(5/12). y )∈ ℜ 2 / a ≤ x ≤ b. b 2. 5. ∫∫R ∫∫R y dA . y ) dydx = ∫ d c ∫a f (x . A região R está representada na figura 1. Calcule ∫∫R xy dA . y = 0 e x = 4 . 5) (1-e-16)/8. c ≤ y ≤ d } . 2 6. . 2) 15/4. então ∫a ∫c b d f ( x . figura 1 Respostas: 1) 57. y )∈ ℜ 2 / 1 ≤ y ≤ 2. π 2 ).π ) . onde R é a região retangular {(x . onde R é a região retangular de vértices A(0 . } Proposição: Se R é a região retangular {(x . y ) dxdy . Calcule ∫∫R (1 + 8 xy ) dA .Álvaro Fernandes 4 EXERCÍCIOS 1. sendo R a região delimitada por x = 4 y . 4) 1+(π/2). Calcule ∫∫R (4 − x − y ) dA . π 2 ).

Calcule o volume do sólido delimitado pelas superfícies abaixo. z = 1 − x 2 (cilindro parabólico) e pelos planos z = 0 . 8. y ) ≥ 0 . 10) 16/3. y = 0 e x + y = 4 . inferiormente pela região R e lateralmente pelo cilindro vertical cuja base é o contorno de R. delimitado pelos cilindros x 2 + y 2 = 16 e x 2 + z 2 = 16 . ∫∫R f (x . 8) 2/5. . y = 0 e y = ( x 4 ) + (1 2 ) e lateralmente pelo cilindro vertical cuja base é o contorno de R. y ) dA nos dá o volume do sólido delimitado superiormente pela 7. x = 2 . a superfície z = f ( x . Respostas: 7) 15/4. Esboce o sólido. 9. y ) . Esboce o sólido. Calcule o volume do sólido no primeiro octante. inferiormente pela região R delimitada por x = 0 . Calcule o volume do sólido delimitado superiormente pelo plano z = 4 − x − y . 10. Esboce o sólido. delimitado pelo plano z − y = 2 e pelo cilindro vertical que contorna a região plana delimitada por y = x 2 e y = x . 9) 128/3.Álvaro Fernandes 5 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO: VOLUMES DE SÓLIDOS Se f ( x . Calcule o volume do sólido no primeiro octante.

1 ≤ y ≤ ee  Respostas: 11) 146/9.Álvaro Fernandes 6 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO: ÁREAS DE REGIÕES PLANAS Se na expressão ∫∫R f (x . Calcule a área da região R mostrada na figura abaixo: 12. Calcule a área da região plana limitada pelas curvas abaixo. . obtemos ∫∫R dA que nos dá a área da região de integração R: Área (R) = ∫∫R (1) dA 11. y ) dA fazemos f (x .0 ≤ x ≤ 1   x  y = e . y ) = 1 .65. 12) ee – (5/2) ≅ 12. 1 ≤ x ≤ e  y = 1 − x. Esboce os gráficos e identifique a região.0 ≤ x ≤ e x = e.  y = ln( x ).

Obs. uma integral dupla é bastante longa e trabalhosa de ser resolvida no sistema de coordenadas cartesianas xy. Obs. ∂y ∂v COORDENADAS POLARES As equações x = r cos θ e y = r sen θ definem a transformação de coordenadas do sistema polar para o sistema cartesiano. y ) dxdy = ∫∫ f ( x(u .Álvaro Fernandes MUDANÇA DE VARIÁVEIS EM INTEGRAIS DUPLAS 7 Em algumas situações. y ) dxdy = ∫∫R' f (r cos θ.v ). obtemos as relações x 2 + y 2 = r 2 e θ = arctg ( y x ) .v ) e y = y (u .r sen θ) r drdθ .1: Para o cálculo das integrais duplas podemos considerar r ≥ 0 e 0 ≤ θ ≤ 2π . y ) é o determinante da matriz jacobiana ∂ (u .v ) onde R’ é a região R descrita no sistema uv e de x e y em relação a u e v. dado por ∂(x . y ) dudv .θ) sen θ r cos θ Logo.2: Das equações x = r cos θ e y = r sen θ . Então: ∫∫R f ( x . y (u . ’ ∫∫R f (x . y ) cos θ − r sen θ = =r ∂ (r . Com uma simples e conveniente mudança de coordenadas (variáveis) podemos simplificar estes cálculos.v ) ∂x ∂ ( x . ∂ (u . onde R é a região R descrita no sistema de coordenadas polares. neste caso.v ) as equações que definem uma transformação de coordenadas de um sistema uv para o sistema xy. . O determinante da matriz jacobiana. y ) ∂u = ∂ (u .v )) R' ∂(x .v ) ∂y ∂u ∂x ∂v . Teorema: Sejam x = x(u . é dado por ∂ ( x .

. obtemos:  2 2  x .θ) / 0 ≤ r ≤ a . 2 Realmente as coordenadas polares simplificaram bastante este cálculo!!! Exercício: Descreva as regiões circulares abaixo em coordenadas polares. 0 ≤ θ ≤ 2π} Área = ∫∫R (1) dydx = ∫∫R´ (1) rdrdθ = ∫ ∫ r drdθ = ∫ 0 0 0 2π a 2π r2 2 a dθ = 0 2π ∫ 0 a2 dθ = πa 2 . . − a 2 − x 2 ≤ y ≤ a 2 − x 2 Área = { } ∫∫R (1) dydx = ∫ a a2 − x2 −a − a 2 − x 2 ∫ (1) dydx = ∫ a 2 a 2 − x 2 dx = . .  . = x a − x + a arcsen  = πa 2 .Álvaro Fernandes 8 Exemplo: Mostre que a área de uma circunferência de raio a é πa 2 usando integral dupla em coordenadas cartesianas e polares. y ) / − a ≤ x ≤ a . (exercício) −a  π π Calculando por substituição trigonométrica x = a sen(t ). t ∈ − . . . Usando integral dupla em coordenadas cartesianas: R = (x .  a  −a 2 2 2 a Usando integral dupla em coordenadas polares: R´ = {(r .

onde R é a região da figura abaixo. 2 4 4 4 ( ) . 2. Esboce a região de integração. 3.v. Calcule ∫∫R 2e (x 2 + y2 ) dxdy . 4) 12 π .b) u .  x 2 + y 2 = 1 (cilindro)  a)  z = 0 (plano)  2 2  z = x + y (parabolóide)  z = 9 − x 2 − y 2 (parabolóide) b)  2 2  z = x + y (parabolóide) Resp: 1) 81π π(1 − cos(4 )) π+6 −3 3 π . 3) . Calcule o volume do sólido delimitado pelas superfícies abaixo. Calcule ∫0 ∫0 4 4 y− y2 (x 2 + y 2 dxdy . 5. ) 5. Esboce as superfícies.v.Álvaro Fernandes 9 EXERCÍCIOS 1. 2) 2π e 4 − e . onde R é a região do plano xy delimitada por x2 + y2 = 1 e x2 + y2 = 4 . 4.a) u . onde R é a região da figura abaixo. Calcule ∫∫R (1) dxdy . Calcule ∫∫R sen(x 2 + y 2 ) dxdy . 5.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->