Você está na página 1de 94

física

mecânica
QUESTÕES DE VESTIBULARES
2008/1 (1o semestre)
2008/2 (2o semestre)

sumário
TÓPICO PÁGINA

I - CINEMÁTICA
I - vestibulares 2008/1 ........................................................................................ 2
I - vestibulares 2008/2 ...................................................................................... 16
II - LEIS DE NEWTON
II - vestibulares 2008/1 ..................................................................................... 22
II - vestibulares 2008/2 ..................................................................................... 36
III - ENERGIA
III - vestibulares 2008/1 .................................................................................... 43
III - vestibulares 2008/2 .................................................................................... 61
IV - ESTÁTICA
IV - vestibulares 2008/1 ................................................................................... 70
IV - vestibulares 2008/2 ................................................................................... 74
V - GRAVITAÇÃO
V - vestibulares 2008/1 .................................................................................... 75
V - vestibulares 2008/2 .................................................................................... 80
VI - HIDROSTÁTICA
VI - vestibulares 2008/1 ................................................................................... 82
VI - vestibulares 2008/2 ................................................................................... 90
VII - HIDRODINÂMICA
VII - vestibulares 2008/1 .................................................................................. 94

Correções, sugestões e/ou comentários:


japizzirani@gmail.com 1
(UFTM-2008) - ALTERNATIVA: D
I - CINEMÁTICA Sinalizando a saída de um estacionamento, as duas lâmpa- das
I - vestibulares 2008/1 da placa, fixa na parede, alternam o acendimento, chamando a
atenção dos pedestres que caminham sobre o passeio.
VESTIBULARES - 2008/2 - PÁG. 16

(PUCRIO-2008) - ALTERNATIVA: C
Um veleiro deixa o porto navegando 70 km em direção leste. Em
seguida, para atingir seu destino, navega mais 100 km na dire-
ção nordeste. Desprezando a curvatura da terra e admitindo que
todos os deslocamentos são coplanares, determine o desloca-
mento total do veleiro em relação ao porto de origem.
(Considere 2 = 1,40 e 5 = 2,20)
a) 106 Km d) 284 Km
b) 34 Km e) 217 Km
*c) 154 Km
A alternância ocorre de tal forma que o circuito faz que uma
mesma lâmpada pisque oito vezes a cada dez segundos. Consi-
(PUCRIO-2008) - ALTERNATIVA: B derando que uma lâmpada acenda somente quando a outra apa-
Uma bola é lançada verticalmente para cima, a partir do solo, e gue e que o tempo de permanência do acendimento de uma
atinge uma altura máxima de 20 m. Considerando a aceleração lâmpada é sempre igual ao da outra, a freqüência de um ciclo
da gravidade g = 10 m/s2, a velocidade inicial de lançamento e o completo é, em Hz,
tempo de subida da bola são: a) 0,2.
a) 10 m/s e 1s d) 40 m/s e 4s b) 0,4.
*b) 20 m/s e 2s e) 50 m/s e 5s c) 0,6.
c) 30 m/s e 3s *d) 0,8.
e) 1,6.
(PUCRIO-2008) - ALTERNATIVA: B
Um objeto em movimento uniforme variado tem sua velocidade
(UFTM-2008) - RESPOSTA: FAZER
inicial v0 = 0,0 m/s e sua velocidade final vf = 2,0 m/s, em um Se a calota de um carro que se desloca com movimento retilíneo
intervalo de tempo de 4s. A aceleração do objeto, em m/s2, é: uniforme se desprende da roda, no momento em que toca o solo,
a) 1/4 ainda em rotação, seu centro de massa desenvolve velocidade
*b) 1/2 escalar, relativamente ao chão, menor que a velocidade escalar
c) 1 desenvolvida pelo carro, em m/s, distanciando-se deste.
d) 2 a) Suponha que uma calota solta-se da roda de um carro e, em
e) 4 contato e sem escorregamento com o chão, gire com freqüência
de 2 Hz. Se o diâmetro da calota é de 32 cm e considerando =
(UDESC-2008) - ALTERNATIVA: D 3, determine a velocidade de um ponto externo da calota.
A maior roda gigante do mundo em funcionamento, chamada b) Se antes de se desprender, a calota possui a mesma veloci-
Estrela de Nachang , fica localizada na China e tem 160 m de dade angular que a roda e o pneu do carro, explique o motivo
altura. Em fevereiro de 2008 começará a funcionar o Observa- pelo qual o centro de massa da calota não desenvolve a mesma
dor de Singapura , com 165 m de altura e 150 m de diâmetro, que, velocidade escalar de translação que o carro. Insira em sua
movendo-se com velocidade constante, leva aproximadamente explicação uma expressão matemática do movimento circular
40,0 minutos para completar uma volta. A distância percorrida uniforme, relacionando o movimento da calota com o do pneu,
pelas cabines do Observador de Singapura, após completar destacando a influência de seus termos para sua justificativa do
uma volta, e sua velocidade angular média são, respectivamen- movimento diferenciado dos centros de massa da calota e do
te, iguais a: carro.
a) 165 m; 0,157 rad/min.
b) 165 m; 40,0 rad/min. (FEI-2008) - ALTERNATIVA: A
c) 160 m; 0,157 rad/min. Um automóvel percorre, em trajetória retilínea, 22.803,25 m em
*d) 150 m; 0,157 rad/min. 0,53 h. Qual é a velocidade média do automóvel em km/h?
e) 150 m; 40,0 rad/min. *a) 43,025
b) 43,037
(UFTM-2008) - ALTERNATIVA: C c) 43,250
Ainda usada pelos índios do amazonas, a zarabatana é uma d) 43,253
arma de caça que, com o treino, é de incrível precisão. A arma e) 43,370
constituída por um simples tubo, lança dardos impelidos por um
forte sopro em uma extremidade. Suponha que um índio aponte
sua zarabatana a um ângulo de 60º com a horizontal e lance um (FEI-2008) - ALTERNATIVA: D
dardo, que sai pela outra extremidade da arma, com velocidade Um automóvel A passa por um posto com movimento progressi-
de 30 m/s. Se a resistência do ar pudesse ser desconsiderada, vo uniforme com velocidade de 54 km/h. Após 10 minutos, um
a máxima altitude alcançada pelo dardo, relativamente à altura da outro automóvel B, que está parado, parte do mesmo posto com
extremidade da qual ele sai seria, em m, de aproximadamente movimento progressivo uniforme com velocidade de 72 km/h .
a) 19. Após quanto tempo depois da passagem do automóvel A pelo
b) 25. Dados:
posto, os dois se encontram?
*c) 34. g = 10 m/s2 a) 10 min
d) 41. b) 20 min
sen60° =
e) 47. c) 30 min
cos60° = *d) 40 min
e) 50 min
japizzirani@gmail.com 2
(FEI-2008) - ALTERNATIVA: D (UFF/RJ-2008) - ALTERNATIVA: E
Um disparador de bolinhas está disposto na vertical. Ao se acio- Em um dos seus projetos, o Grupo de Ensino do Instituto de Físi-
nar o disparador, uma bolinha é lançada e atinge a altura máxima ca da UFF desenvolve atividades que permitam a alunos com de-
de 22,05m acima da saída do disparador. Qual é a velocidade da ficiências visuais terem experiências sensoriais diretas de fenô-
bolinha ao sair do disparador? (adote g = 10 m/s2) menos físicos. Numa dessas atividades, objetos pesados são
a) 15 m/s presos a um barbante separados por distâncias bem definidas.
b) 19 m/s Inicialmente, o conjunto é mantido na vertical, segurando-se o
c) 20 m/s objeto mais alto e mantendo-se o mais baixo no chão. Em segui-
*d) 21 m/s da, o conjunto é solto, permitindo que o aluno ouça os sons emi-
e) 22 m/s tidos ao fim da queda de cada objeto. Dois destes arranjos, cha-
mados I e II, são mostrados na figura abaixo. Em ambos os arran-
jos as distâncias entre os objetos 1 e 2 e 2 e 3 são, respectiva-
(FEI-2008) - ALTERNATIVA: C mente, iguais a d e 3d. No arranjo I a distância entre os objetos 3
Um atirador dispara um revólver formando um ângulo de 37º com e 4 é 3d, enquanto no arranjo II a distância entre eles é 5d.
a horizontal, em uma região plana, a uma altura de 2 m do solo. O Escolha a alternativa que exibe corretamente a relação entre os
projétil atinge o solo a 88,8 m do ponto de lançamento. Qual é a intervalos de tempo decorridos entre os sons emitidos pela che-
velocidade com que o projétil deixou o revólver? gada ao chão dos objetos 2 e 3 (T) e 3 e 4 (T ’) nos 2 arranjos.
Dados: cos 37º = 0,8
sen 37º = 0,6
g = 10 m/s2
a) 10 m/s
b) 20 m/s
*c) 30 m/s
d) 40 m/s
e) 50 m/s

(FEI-2008) - ALTERNATIVA: C
O gráfico da velocidade de crescimento de um eucalipto clonado
é mostrado abaixo. Após quanto tempo o eucalipto atingirá uma
altura de corte de 22 m?
a) 500 dias
b) 750 dias
*c) 1 000 dias
d) 1 200 dias
e) 1 500 dias

arranjo I arranjo II
a) T < T’ T = T’
b) T = T’ T < T’
(UFRJ-2008) - RESPOSTA: c) T = T’ T > T’
Heloísa, sentada na poltrona de um ônibus, afirma que o passa-
geiro sentado à sua frente não se move, ou seja, está em repou- d) T > T’ T < T’
so. Ao mesmo tempo, Abelardo, sentado à margem da rodovia, *e) T > T’ T = T’
vê o ônibus passar e afirma que o referido passageiro está em
movimento.

(UFPR-2008) - ALTERNATIVA: NO FINAL


Em relação aos conceitos de movimento, considere as seguintes
afirmativas:
1. O movimento circular uniforme se dá com velocidade de módulo
constante.
2. No movimento retilíneo uniformemente variado, a aceleração é
variável.
3. Movimento retilíneo uniformemente variado e movimento circu-
lar uniforme são dois exemplos de movimentos nos quais um ob-
De acordo com os conceitos de movimento e repouso usados jeto em movimento está acelerado.
em Mecânica, explique de que maneira devemos interpretar as 4. Movimento retilíneo uniforme ocorre com velocidade constan-
afirmações de Heloísa e Abelardo para dizer que ambas estão te e aceleração nula.
corretas. Assinale a alternativa correta.
-) Somente as afirmativas 1, 2 e 3 são verdadeiras.
GABARITO OFICIAL: Em Mecânica, o movimento e o repouso de -) Somente as afirmativas 1, 2 e 4 são verdadeiras.
um corpo são definidos em relação a algum referencial. Para -) Somente as afirmativas 1, 3 e 4 são verdadeiras.
dizer que tanto Heloísa quanto Abelardo estão corretos, deve- -) Somente as afirmativas 3 e 4 são verdadeiras.
mos interpretar a afirmação de Heloísa como “o passageiro não -) Somente as afirmativas 2 e 4 são verdadeiras.
se move em relação ao ônibus”, e a afirmação de Abelardo como
“o passageiro está em movimento em relação à Terra (ou à rodo- Resposta correta: Somente as afirmativas 1, 3 e 4 são verdadei-
via)”. ras.
japizzirani@gmail.com 3
(UFCG/PB-2008) - ALTERNATIVA: C b) Substituindo os dados da tabela na equação obtida no item a
A figura é o gráfico construído a partir do movimento de um auto- obtemos para a aceleração a = 5,0 cm/s2.
móvel em uma estrada retilínea em relação ao chão, considerado c) O valor da velocidade inicial e da posição inicial podem ser ob-
um referencial inercial. tidos através do sistema acima e do valor da aceleração obtido
no item a, encontrando-se os valores
v (m/s) v0 = -35 cm/s e x0 = 192,5 cm .

(UNEMAT/MT-2008) - ALTERNATIVA: B
Um ônibus escolar deve partir de uma determinada cidade con-
duzindo estudantes para uma universidade localizada em outra
cidade, no período noturno. Considere que o ônibus deverá che-
gar à universidade às 19 horas, e a distância entre essas cida-
des é de 120 km, com previsão de parada de 10 minutos num de-
terminado local situado a 70 km antes da cidade de destino. Se o
ônibus desenvolver uma velocidade escalar média de 100km/h,
qual deve ser o horário de partida desse ônibus?
a) 18 horas.
t (s) *b) 17 horas e 48 minutos.
c) 18 horas e 10 minutos.
d) 17 horas e 58 minutos.
De acordo com as informações obtidas e considerando o melhor
e) 17 horas e 38 minutos.
modelo para o movimento, pode-se afirmar, EXCETO, que
a) de 6,0 s a 18 s o movimento do automóvel é uniformemente
acelerado.
(UNIOESTE/PR-2008) - ALTERNATIVA: E
b) entre 50s e 56s o automóvel permaneceu em repouso.
Em 1913, o físico dinamarquês Niels Bohr propôs um modelo pa-
*c) entre 20s e 35s o automóvel permaneceu em repouso.
ra a estrutura do átomo de hidrogênio, o qual foi chamado de Mo-
d) entre 56s e 60s o automóvel teve um movimento uniformemen-
delo de Bohr. De acordo com o Modelo de Bohr, num átomo de hi-
te acelerado, com aceleração de módulo aproximadamente igual
drogênio, o elétron move-se sob a ação de uma força de origem
a 2,0 m/s2. elétrica, descrita pela lei de Coulomb, a qual equaciona a atração
e) entre t = 20 s e t = 30 s o automóvel percorreu uma distância que o núcleo do átomo exerce sobre o elétron. Com relação ao
de aproximadamente 1,6 × 102 m. Modelo de Bohr, assinale a alternativa correta.
a) O movimento do elétron do átomo em torno do núcleo é carac-
(UFPR-2008) - REPOSTA: NO FINAL terizado por um vetor velocidade constante.
Um experimento de cinemática, utilizado em laboratórios de Físi- b) A força coulombiana que age sobre o elétron atua como força
ca, consiste de um longo trilho retilíneo sobre o qual pode desli- centrípeta, em reação à força centrífuga que o elétron exerce
zar um carrinho. Esse sistema é montado de tal forma que o atri- sobre o núcleo.
to entre o trilho e o carrinho pode ser desprezado. Suponha que c) Como o elétron está em equilíbrio, seu vetor de velocidade é
um estudante mediu para alguns instantes a posição correspon- constante.
dente do carrinho, conforme anotado na tabela abaixo: d) A energia total de cada elétron pode ser expressa como a so-
ma de uma energia cinética e uma energia potencial nuclear.
*e) Num átomo de hidrogênio, o elétron descreve uma órbita
circular de raio 5,0 × 10-11 m, a uma velocidade igual a 2,0 × 106
Considere que nesse experimento o carrinho move-se com ace- m/s. Neste caso, o elétron está sujeito a uma aceleração radial
leração constante. igual a 8,0 × 1019 km/s2.
a) Deduza uma equação para a aceleração do carrinho em fun-
ção dos dados disponíveis, apresentando-a na forma literal.
b) Calcule o valor da aceleração utilizando a equação deduzida (UECE/CE-2008) - ALTERNATIVA: D
no item a e os dados medidos. Uma partícula puntiforme tem, em certo instante t, a velocidade,
c) Calcule a posição e a velocidade do carrinho no instante t = 0. em m/s, dada por v0 = 1,0 i - 2,0 j + 5,0 k. Dois segundos depois,
GABARITO OFICIAL: sua velocidade, em m/s, é dada por v2 = 4,0 i - 2,0 j + 1,0 k. No
a) Dados t1, t2, t3, x1, x2 e x3 temos pela equação horária do Movi- intervalo de tempo considerado, o módulo da aceleração média,
mento Retilíneo Uniformemente variado, em m/s2, é:
a) 25,0
b) 5,0
c) 1,0
*d) 2,5

(UECE/CE-2008) - ALTERNATIVA: C
Uma roda de raio R, dado em metros, tem uma aceleração angu-
lar constante de 3,0 rad/s2. Supondo que a roda parta do repou-
resolvendo esse sistema para a obtem-se: so, assinale a alternativa que contém o valor aproximado do mó-
dulo da aceleração linear total, em m/s2, de um ponto na sua peri-
feria, depois de 1 segundo da partida.
a) 3,6R
Para a obtenção da solução acima foram utilizadas as equações b) 6,0R
(2)-(1) e (3)-(1). Também pode ser utilizada outra combinação *c) 9,5R
das equações (1), (2) e (3). d) 8,0R
japizzirani@gmail.com 4
(FUVEST-2008) - ALTERNATIVA: A (UTFPR-2008) - ALTERNATIVA: A
Dirigindo-se a uma cidade próxima, por uma auto-estrada plana, No interior de uma nuvem de tempestade geram-se relâmpagos.
um motorista estima seu tempo de viagem, considerando que Suponha que alguém resolva observar este fenômeno e medir
consiga manter uma velocidade média de 90 km/h. Ao ser sur- os instantes em que eles são vistos e os momentos em que são
preendido pela chuva, decide reduzir sua velocidade média para ouvidos os seus estrondos característicos. O cronômetro é zera-
60 km/h, permanecendo assim até a chuva parar, quinze minutos do, no momento que foi avistado o primeiro relâmpago, e quando
mais tarde, quando retoma sua velocidade média inicial. Essa o som do primeiro trovão chega ao seu ouvido, o cronômetro in-
redução temporária aumenta seu tempo de viagem, com relação dica 6 segundos. O cronômetro continua acionado e quando é
à estimativa inicial, em avistado o segundo relâmpago ele indica 40 segundos; quando o
*a) 5 minutos. b) 7,5 minutos. som do seu respectivo estrondo chega ao seu ouvido, o cronô-
c) 10 minutos. d) 15 minutos. metro indica 44 segundos. Calcule a velocidade de aproximação
e) 30 minutos. da nuvem supondo que a velocidade do som seja constante e
igual a 340 m/s.

(FUVEST-2008) - ALTERANTIVA: D

*a) 17 m/s.
b) 15 m/s.
c) 19 m/s.
d) 7m/s.
e) 10 m/s.

(UTFPR-2008) - ALTERNATIVA: C
Um astronauta em órbita da Terra flutua dentro da espaçonave,
como podemos ver nas imagens transmitidas pela televisão. Com
Uma regra prática para orientação no hemisfério Sul, em uma relação a este fato, podemos afirmar que:
noite estrelada, consiste em identificar a constelação do Cruzei- a) a força da gravidade é nula devido à grande distância que a
ro do Sul e prolongar três vezes e meia o braço maior da cruz, espaçonave se encontra da Terra.
obtendo-se assim o chamado Pólo Sul Celeste, que indica a dire- b) há um equilíbrio entre a força gravitacional e a força centrífu-
ção Sul. Suponha que, em determinada hora da noite, a conste- ga que proporciona uma aceleração nula.
lação seja observada na Posição I. Nessa mesma noite, a cons- *c) tanto a espaçonave como o astronauta estão sujeitos à força
telação foi/será observada na Posição II, cerca de gravitacional e ambos possuem a mesma aceleração em direção
a) duas horas antes. ao centro da Terra, provocando a ilusão de ausência de peso.
b) duas horas depois. d) a força centrípeta é igual à força centrífuga, o que provoca
c) quatro horas antes. uma resultante de forças nula.
*d) quatro horas depois. e) a força de atração gravitacional da Terra é igual a da Lua, pro-
e) seis horas depois.
vocando uma aceleração resultante nula.

(UFCE-2008) - ALTERNATIVA: A
(UTFPR-2008) - ALTERNATIVA: C Um trem, após parar em uma estação, sofre uma aceleração, de
O vencedor da maratona de Curitiba de 2005 completou a prova acordo com o gráfico da figura ao lado, até parar novamente na
em 2 horas e 20 minutos. Considerando que a distância desta próxima estação. Assinale a alternativa que apresenta os valo-
corrida é de 42 km, pode-se afirmar que:
res corretos de t f , o tempo de viagem entre as duas estações, e
a) a velocidade média do vencedor foi de aproximadamente 25
da distância entre as estações.
km/h.
b) a aceleração média do vencedor foi aproximadamente 9,8 m/
s2 .
*c) a cada 3 minutos, o vencedor percorreu, em média, 900 m.
d) não é possível calcular uma velocidade média neste caso.
e) a velocidade do vencedor foi constante durante a corrida.

(UTFPR-2008) - ALTERNATIVA: D
Quando o sinal abre, um carro parado inicia um movimento unifor-
memente acelerado, sendo, neste mesmo instante, ultrapassado
por um caminhão que se move com velocidade constante v0. A
velocidade do carro, no momento que alcança o caminhão, é:
(Desconsidere os comprimentos dos veículos).
a) 1,1.v0
b) 1,2.v0 *a) 80s, 1600m
b) 65s, 1600m
c) 1,5.v0
c) 80s, 1500m
*d) 2,0.v0 d) 65s, 1500m
e) 2,5.v0 e) 90s, 1500m
japizzirani@gmail.com 5
(FGVSP-2008) - ALTERNATIVA: D - RESOLUÇÃO NO FINAL (FGVSP-2008) - ALTERANTIVA: B - RESOLUÇÃO NO FINAL
Sobre o teto da cabine do elevador, um engenhoso dispositivo O engavetamento é um tipo comum de acidente que ocorre quan-
coordena a abertura das folhas da porta de aço. No topo, a polia do motoristas deliberadamente mantêm uma curta distância do
engatada ao motor gira uma polia grande por intermédio de uma carro que se encontra à sua frente e este último repenti namente
correia. Fixa ao mesmo eixo da polia grande, uma engrenagem diminui sua velocidade. Em um trecho retilíneo de uma estrada,
movimenta a corrente esticada que se mantém assim devido a um automóvel e o caminhão, que o segue, trafegam no mesmo
existência de outra engrenagem de igual diâmetro, fixa na extre- sentido e na mesma faixa de trânsito, desenvolvendo, ambos,
midade oposta da cabine. velocidade de 108 km/h. Num dado momento, os motoristas vêem
As folhas da porta, movimentando-se com velocidade constan- um cavalo entrando na pista. Assustados, pisam simultaneamen-
te, devem demorar 5 s para sua abertura completa fazendo com te nos freios de seus veículos aplicando, respectivamente, acele-
que o vão de entrada na cabine do elevador seja de 1,2 m de rações de intensidades 3 m/s2 e 2 m/s2. Supondo desacelerações
largura. constantes, a distância inicial mínima de separação entre o pára-
choque do carro (traseiro) e o do caminhão (dianteiro), suficien-
te para que os veículos parem, sem que ocorra uma colisão, é,
em m, de
a) 50.
*b) 75.
c) 100.
d) 125.
e) 150.

RESOSUÇÃO FGVSP-2008: ALTERNATIVA B

Velocidade dos veículos em m/s:

Deslocamento do carro:

Dados:
diâmetro das engrenagens .................... 6 cm
diâmetro da polia menor ......................... 6 cm
diâmetro da polia maior .......................... 36 cm
............................................................. 3

Nessas condições, admitindo insignificante o tempo de acelera- Deslocamento do caminhão:


ção do mecanismo, a freqüência de rotação do eixo do motor de-
ve ser, em Hz, de
a) 1.
b) 2.
c) 3.
*d) 4.
e) 6.

RESOLUÇÃO: ALTERNATIVA D Menor distância segura entre os veículos:


Velocidade de abertura de uma das lâminas da porta:

Cálculo da freqüência da engrenagem:


(UEPG/PR-2008) - RESPOSTA OFICIAL: SOMA = 11 (01+02+08)
A respeito dos conceitos de velocidade média, velocidade cons-
tante e velocidade instantânea, assinale o que for correto.

01) No movimento variado, a média das velocidades é obtida pela


razão entre a soma das n velocidades instantâneas pelo nú-
A freqüência da engrenagem é a mesma da polia maior, assim, mero delas.

02) No movimento variado, a velocidade instantânea varia e, com


exceção de um ponto, ela é sempre diferente da velocidade mé-
Relacionando a polia maior com a menor, dia.

04) No movimento variado, a velocidade média é menor que a


velocidade instantânea.

08) No movimento uniforme, a velocidade é constante e numeri-


camente igual à velocidade média.
japizzirani@gmail.com 6
(MACK-2008) - O texto seguinte se refere às questões 54 (UNESP-2008) - ALTERNATIVA: D
e 55. Os movimentos de dois veículos, I e II, estão registrados nos grá-
Na ilustração abaixo, A e B são pontos de uma mesma reta tan- ficos da figura.
gente à circunferência no ponto B, assim como C e D são pontos
de uma outra reta tangente à mesma circunferência no ponto C.
Os segmentos BC e AD são paralelos entre si e a medida do
ângulo é 1,30 rad.

DADOS:
Raio da circunferência = R
med AB = med = CD = 2R
sen 0,65 rad = 0,6
cos 0,65 rad = 0,8
sen 1,30 rad = 0,964
cos 1,30 rad = 0,267

Sendo os movimentos retilíneos, a velocidade do veículo II no ins-


tante em que alcança I é
a) 15 m/s.
b) 20 m/s.
c) 25 m/s.
*d) 30 m/s.
e) 35 m/s.

(UNESP-2008) - ALTERNATIVA: D
54. ALTERNATIVA: B Em um aparelho simulador de queda livre de um parque de diver-
Dois pequenos corpos passam, simultaneamente, pelo ponto A e sões, uma pessoa devidamente acomodada e presa a uma pol-
dirigem-se ambos para o ponto D. Sabe-se que um deles descre- trona é abandonada a partir do repouso de uma altura h acima do
ve a trajetória ABCD, com velocidade escalar constante v1, e solo. Inicia-se então um movimento de queda livre vertical, com
que o outro segue a trajetória AD, com velocidade escalar cons- todos os cuidados necessários para a máxima segurança da
tante v2. Se ambos chegam juntos ao ponto D, podemos afirmar pessoa. Se g é a aceleração da gravidade, a altura mínima a par-
que a relação entre essas velocidades é tir da qual deve-se iniciar o processo de frenagem da pessoa,
a) v1/ v2 = 1 com desaceleração constante 3g, até o repouso no solo é
a) h/8.
*b) v1/ v2 = 53/44 b) h/6.
c) v1/ v2 = 3/2 c) h/5.
d) v1/ v2 = 5/3 *d) h/4.
e) v1/ v2 = 22 /9 e) h/2.

(UNESP-2008) - RESPOSTA: = 30 rad/s


55. ALTERNATIVA: E Pesquisadores têm observado que a capacidade de fertilização
Considerando que a massa do corpo 1 é m, enquanto ele estiver dos espermatozóides é reduzida quando estas células repro-
descrevendo o arco BC da circunferência ilustrada, a força cen- dutoras são submetidas a situações de intenso campo gravi-
trípeta que nele atua tem intensidade tacional, que podem ser simuladas usando centrífugas. Em ge-
a) FC = mv12/2 ral, uma centrífuga faz girar diversos tubos de ensaio ao mesmo
tempo; a figura representa uma centrífuga em alta rotação, vista
b) FC = m2v1/R
de cima, com quatro tubos de ensaio praticamente no plano ho-
c) FC = mv1/2 rizontal.
d) FC = 2.mv12
*e) FC = mv12/R

(MACK-2008) - ALTERNATIVA: B
Duas cidades, A e B, são interligadas por uma estrada com 50 km
de comprimento. Em certo instante, um automóvel parte do repou-
so, da cidade A rumo à cidade B, com aceleração escalar cons-
tante de 1,0m/s2, durante 20 s. Após esse tempo, sua velocidade
escalar permanece constante. No instante em que esse automó-
vel parte da cidade A, um outro automóvel passa pela cidade B,
dirigindo-se à cidade A, com velocidade escalar constante de
108 km/h. A distância, relativa à cidade A, medida ao longo da es-
trada, em que ocorre o encontro desses dois automóveis, é
a) 20,12 km As amostras são acomodadas no fundo de cada um dos tubos
*b) 19,88 km de ensaio e a distância do eixo da centrífuga até os extremos
c) 19,64 km dos tubos em rotação é 9,0 cm. Considerando g = 10 m/s2, cal-
d) 19,40 km cule a velocidade angular da centrífuga para gerar o efeito de
e) 19,16 km uma aceleração gravitacional de 8,1 g.
japizzirani@gmail.com 7
(UNIFESP-2008) - ALTERNATIVA: D (UFSCar-2008) - RESPOSTA:
A função da velocidade em relação ao tempo de um ponto mate- a) f = 1/30 0,033 Hz b) motor/ espeto = 4
rial em trajetória retilínea, no SI, é v = 5,0 – 2,0 t. Por meio dela po- Diante da maravilhosa visão, aquele cãozinho observava aten-
de-se afirmar que, no instante t = 4,0 s, a velocidade desse pon- tamente o balé galináceo. Na máquina, um motor de rotação cons-
to material tem módulo tante gira uma rosca sem fim (grande parafuso sem cabeça),
a) 13 m/s e o mesmo sentido da velocidade inicial. que por sua vez se conecta a engrenagens fixas nos espetos,
b) 3,0 m/s e o mesmo sentido da velocidade inicial. resultando assim o giro coletivo de todos os franguinhos.
c) zero, pois o ponto material já parou e não se movimenta mais.
*d) 3,0 m/s e sentido oposto ao da velocidade inicial. ver slide:
e) 13 m/s e sentido oposto ao da velocidade inicial. UFSCar - 2008 - Q.36

(UFSCar-2008) - ALTERNATIVA: A
Os dois registros fotográficos apresentados foram obtidos com
uma máquina fotográfica de repetição montada sobre um tripé,
capaz de disparar o obturador, tracionar o rolo de filme para uma
nova exposição e disparar novamente, em intervalos de tempo
de 1 s entre uma fotografia e outra.

ver slide:
UFSCar - 2008 - Q.11

a) Sabendo que cada frango dá uma volta completa a cada meio


minuto, determine a freqüência de rotação de um espeto, em Hz.
A placa do ponto de ônibus e o hidrante estão distantes 3 m um b) A engrenagem fixa ao espeto e a rosca sem fim ligada ao mo-
do outro. Analise as afirmações seguintes, sobre o movimento tor têm diâmetros respectivamente iguais a 8 cm e 2 cm. Determi-
realizado pelo ônibus: ne a relação entre a velocidade angular do motor e a velocidade
I. O deslocamento foi de 3 m. angular do espeto ( motor/ espeto).
II. O movimento foi acelerado.
III. A velocidade média foi de 3 m/s.
IV. A distância efetivamente percorrida foi de 3 m.
Com base somente nas informações dadas, é possível assegu-
rar o contido em (UEPG/PR-2008) - RESPOSTA: SOMA = 14 (02+04+08)
*a) I e III, apenas.
Um projétil é lançado, no vácuo, com velocidade inicial V0, for-
b) I e IV, apenas.
c) II e IV, apenas. mando um ângulo 0 acima da horizontal. Sobre este evento,
d) I, II e III, apenas. assinale o que for correto.
e) II, III e IV, apenas. 01) Os movimentos nas direções horizontal e vertical são simul-
tâneos e dependentes um do outro.
02) Em qualquer instante do movimento, a velocidade do projétil é
sempre tangente à sua trajetória e sua intensidade é dada por v
(PUCPR-2008) - ALTERNATIVA: B (GABARITO OFICIAL) = vx2 + vy2.
A velocidade média de um automóvel é nula num certo intervalo 04) A trajetória descrita pelo projétil é parabólica.
de tempo. Nesse intervalo de tempo: 08) O alcance horizontal do projétil depende de V0 e 0.
I. A distância percorrida pelo automóvel é necessariamente nula. 16) No instante em que o projétil atinge a altura máxima, sua
II. O deslocamento do automóvel é necessariamente nulo. velocidade é dada por V = 0. (OBS.: V negrito é vetor)
III. No caso de um movimento unidimensional, a posição do auto-
móvel troca de sinal, necessariamente.
IV. No caso de um movimento unidimensional, a aceleração do
automóvel troca de sinal, necessariamente.
Analise as afirmações acima e marque a alternativa que contém (VUNESP-2008) - ALTERNATIVA: B
todas e apenas as afirmações corretas. Sobre o movimento circular e uniforme, é correto afirmar que
a) Apenas II e III. a) o deslocamento vetorial é igual ao deslocamento escalar.
*b) Apenas II. *b) o vetor velocidade de um móvel varia durante o movimento.
c) Apenas I e II. c) a velocidade linear é constante, mas a angular não.
d) Apenas I. d) a velocidade linear é sempre igual à velocidade angular.
e) II, III e IV. e) a aceleração tangencial é igual à aceleração centrípeta.
japizzirani@gmail.com 8
(VUNESP-2008) - ALTERNATIVA: B (UFERJ-2008) - ALTERNATIVA: D
Uma pessoa atira um corpo verticalmente para cima, com veloci- Um estudante lança, verticalmente para cima, um pequeno cor-
dade V, atingindo altura máxima H. Desprezando-se as forças po, num local em que se pode desprezar a resistência do ar. O
dissipativas, pode-se afirmar que, durante a subida, o movimen- objeto é lançado da altura de seu ombro. Fazendo a análise
to é gráfica do movimento do corpo, o aluno desenha os gráficos a
a) uniformemente retardado, com aceleração nula no ponto mais seguir:
alto.
*b) uniformemente retardado, com velocidade nula no ponto mais
alto.
c) uniforme, com tempo de subida igual ao tempo de descida.
d) uniformemente acelerado, com tempo de subida maior que o
de descida.
e) uniformemente acelerado, com aceleração nula no ponto mais
alto.

(PUCRS-2008) - ALTERNATIVA: D
INSTRUÇÃO: Responder à questão abaixo com base no gráfico
a seguir, o qual representa as posições ocupadas por um veícu-
lo em função do tempo.

Sobre os gráficos são feitas as seguintes afirmativas:


I- O gráfico I pode representar como varia a posição do objeto
lançado em função do tempo.
II- O gráfico II pode representar como varia a posição do objeto
lançado em função do tempo.
III- O gráfico III pode representar a velocidade do objeto lançado
Um veículo passa pela cidade A, localizada no quilômetro 100, às durante sua descida.
10h, e segue rumo à cidade C (localizada no quilômetro 500) IV- O gráfico IV pode representar a aceleração do objeto lança-
passando pela cidade B (localizada no quilômetro 300). do em função do tempo.
Nessas circunstâncias, é correto afirmar que o veículo passa V- O gráfico III pode representar a aceleração do objeto lançado
pela cidade B às em função do tempo.
a) 2,5h *d) 12,5h Sobre as afirmações feitas, podemos dizer que são corretas:
b) 3,0h e) 13,0h a) I, III e V, apenas.
c) 11,5h b) I e IV, apenas.
c) II e IV, apenas.
*d) I, II e IV, apenas.
(UEM/PR-2008) - ALTERNATIVA: E e) II e V, apenas.
Quanto tempo um móvel viajando com uma velocidade constante
de 15 km/h levará para percorrer um trajeto, em linha reta, cor-
respondente a 3 cm, em uma carta topográfica cuja escala é (UFMG-2008) - RESPOSTA: FAZER
1:100.000? d) 30 minutos Um astronauta, de pé sobre a superfície da Lua, arremessa uma
a) 15 minutos *e) 12 minutos pedra, horizontalmente, a partir de uma altura de 1,25 m, e veri-
b) 45 minutos fica que ela atinge o solo a uma distância de 15 m. Considere que
c) 10 minutos o raio da Lua é de 1,6 × 106 m e que a aceleração da gravidade
na sua superfície vale 1,6 m/s2.
(UEM/PR-2008) - ALTERNATIVA: B Com base nessas informações,
O gráfico da figura abaixo descreve a posição S , em metros, em 1. CALCULE o módulo da velocidade com que o astronauta
função do tempo t, em segundos, de um objeto que realiza um arremessou a pedra.
Movimento Retilíneo Uniforme em cada trecho. 2. CALCULE o módulo da velocidade com que, nas mesmas
condições e do mesmo lugar, uma pedra deve ser lançada, tam-
bém horizontalmente, para que, após algum tempo, ela passe
novamente pelo local de lançamento.

(UEL-2008) - ALTERNATIVA: C
Com relação a um corpo em movimento circular uniforme e sem
atrito, considere as afirmativas seguintes:
I. O vetor velocidade linear é constante.
Com base nesses dados, é correto afirmar que II. A aceleração centrípeta é nula.
a) a aceleração do objeto no intervalo de 0 s a 1 s é 1 m/s2. III. O módulo do vetor velocidade é constante.
*b) a velocidade média do objeto no intervalo de 0 s a 4 s é de 0,5 IV. A força atua sempre perpendicularmente ao deslocamento.
m/s. Assinale a alternativa que contém todas as afirmativas corretas.
c) a aceleração do objeto é decrescente no intervalo de 4 s a 6 a) I e IV.
s. b) II e III.
d) a velocidade média do objeto no intervalo de 0 s a 6 s é de 1 m/ *c) III e IV.
s. d) I, II e III.
e) a maior velocidade do objeto ocorre no intervalo de 2 s a 4 s. e) I, II e IV.
japizzirani@gmail.com 9
(UERJ-2008) - ALTERNATIVA: A (UERJ-2008) - ALTERNATIVA: D
Uma bicicleta de marchas tem três engrenagens na coroa, que Um feixe de raios paralelos de luz é interrompido pelo movimento
giram com o pedal, e seis engrenagens no pinhão, que giram com das três pás de um ventilador. Essa interrupção gera uma série
a roda traseira. Observe a bicicleta abaixo e as tabelas que de pulsos luminosos. Admita que as pás e as aberturas entre
apresentam os números de dentes de cada engrenagem, todos elas tenham a forma de trapézios circulares de mesma área,
de igual tamanho. como ilustrado abaixo.
ver slide:
UERJ - 2008 - Q.22

Se as pás executam 3 voltas completas por segundo, o intervalo


de tempo entre o início e o fim de cada pulso de luz é igual, em
segundos, ao inverso de:
a) 3
b) 6
c) 12
*d) 18

(UERJ-2008) - ALTERNATIVA: 42 - C e 43 - B
Utilize as informações a seguir para responder as questões de
números 42 e 43.
Em um jogo de voleibol, denomina-se tempo de vôo o intervalo de
tempo durante o qual um atleta que salta para cortar uma bola
está com ambos os pés fora do chão, como ilustra a fotografia.
ver slide:
UERJ - 2008 - Q.42

Cada marcha é uma ligação, feita pela corrente, entre uma en-
grenagem da coroa e uma do pinhão.
Suponha que uma das marchas foi selecionada para a bicicleta
atingir a maior velocidade possível. Nessa marcha, a velocidade
angular da roda traseira é R e a da coroa é C.
A razão R / C
equivale a:
*a) 7/2
b) 9/8
c) 27/14
d) 49/24
Considere um atleta que consegue elevar o seu centro de gravi-
dade a 0,45 m do chão e a aceleração da gravidade igual a 10m/
s 2.
(UERJ-2008) - ALTERNATIVA: B
Duas partículas, X e Y, em movimento retilíneo uniforme, têm ve-
42. O tempo de vôo desse atleta, em segundos, corresponde
locidades respectivamente iguais a 0,2 km/s e 0,1 km/s. Em um
aproximadamente a:
certo instante t1, X está na posição A e Y na posição B, sendo a a) 0,1
distância entre ambas de 10 km. As direções e os sentidos dos b) 0,3
movimentos das partículas são indicados pelos segmentos ori- *c) 0,6
entados AB e BC, e o ângulo ABC mede 60º, conforme o esque- d) 0,9
ma. Sabendo-se que a distância mínima entre X e Y vai ocorrer
em um instante t2 , o valor inteiro mais próximo de t2 - t1 , em 43. A velocidade inicial do centro de gravidade desse atleta ao
segundos, equivale a: saltar, em metros por segundo, foi da ordem de:
a) 24 a) 1
*b) 36 *b) 3
c) 50 c) 6
d) 72 d) 9
japizzirani@gmail.com 10
(UNICAMP-2008) - RESPOSTA: a) 240 km/h b) 60 m/h (UFU/UFLA-2008) - ALTERNATIVA: A
Uma possível solução para a crise do tráfego aéreo no Brasil en- As andorinhas saem do hemisfério norte no inverno e voam para
volve o emprego de um sistema de trens de alta velocidade co- o hemisfério sul em busca de áreas mais quentes.
nectando grandes cidades. Há um projeto de uma ferrovia de Duas andorinhas A1 e A2 são capturadas no hemisfério norte a
400 km de extensão que interligará as cidades de São Paulo e caminho do hemisfério sul. Em suas pernas são colocados trans-
Rio de Janeiro por trens que podem atingir até 300 km/h. missores e, então, essas aves são soltas. Passados 40 dias, a
a) Para ser competitiva com o transporte aéreo, estima-se que a andorinha A1 é capturada na África, a 12.000 Km da posição
viagem de trem entre essas duas cidades deve durar, no máxi-
mo, 1 hora e 40 minutos. Qual é a velocidade média de um trem original. Vinte dias após essa captura, a andorinha A 2 chega à
que faz o percurso de 400 km nesse tempo? Austrália, tendo percorrido 18.000 Km a partir da posição origi-
b) Considere um trem viajando em linha retacom velocidade cons- nal. Com base nessas informações, pode-se afirmar que as
tante. A uma distância de 30 km do final do percurso, o trem inicia velocidades médias das andorinhas A1 e A2 são respectivamen-
uma desaceleração uniforme de 0,06 m/s2, para chegar com ve- te
locidade nula a seu destino. Calcule a velocidade do trem no *a) v1 = 25/2 km/h e v2 = 25/2 km/h.
início da desaceleração. b) v1 = 25/4 km/h e v2 = 25/3 km/h.
c) v1 = 25/6 km/h e v2 = 25/3 km/h.
(VUNESP-2008) - ALTERNATIVA: E
d) v1 = 25/3 km/h e v2 = 25/6 km/h.
Dois veículos, A e B, partem simultaneamente do repouso de um
mesmo ponto e suas velocidades escalares variam com o tempo
de acordo com o gráfico a seguir (UFU/UFLA-2008) - ALTERNATIVA: B
Um pássaro está em repouso sobre uma árvore e avista uma
mosca 6 metros abaixo. Esse inseto possui velocidade horizon-
tal constante de 1 m/s, como ilustra a figura a seguir. O pássaro
parte em linha reta, com uma aceleração constante, e captura a
mosca a uma distância de 10 m .

Durante os primeiros 20 s, o corpo A mantém uma aceleração es-


calar constante, maior que a de B também constante e, ao final
desse período, está 60 m à frente de B. A partir de t = 20 s, pas-
sam a manter aceleração escalar de mesma intensidade. O valor
dessa aceleração escalar comum a A e a B a partir de t = 20 s é,
em m/s2, igual a
a) 5,0. Com base nessas informações, pode-se afirmar que a acelera-
b) 4,0. ção e velocidade do pássaro, ao capturar a mosca, são dadas
c) 2,0. por:
d) 0,5. a) a = 5/16 m/s2 e v = 5/4 m/s
*e) 0,2. *b) a = 5/16 m/s2 e v = 5/2 m/s
c) a = 5/8 m/s2 e v = 5/2 m/s
(VUNESP-2008) - RESPOSTA: FAZER d) a = 5/8 m/s2 e v = 5/4 m/s
João, brincando com seu amigo skatista Paulo, lança para ele
uma bola com velocidade inicial V0 = 10 m/s, numa direção que (UFU/UFLA-2008) - ALTERNATIVA: A
Recentemente, pesquisadores utilizaram a bactéria Mycoplasma
faz um ângulo com a horizontal. Como João exagerou na força,
Móbile para girar micro-rodas (rodas de tamanho micrométrico).
a bola passa bem acima de Paulo, que não consegue pegá-la.
Uma parte de uma micro-roda foi escurecida com a intenção de
Quando a bola passa exatamente sobre a cabeça de Paulo, no
marcá-la, possibilitando observar o movimento de rotação. A fi-
ponto mais alto de sua trajetória, ele parte com seu skate com
gura abaixo é uma versão de uma seqüência de fotos dessa
velocidade VP, constante, com o objetivo de pegá-la na mesma micro-roda tiradas em intervalos de 5s entre cada uma.
altura de que partiu da mão de João.

Considerando desprezível a resistência do ar, sen = 0,96, cos Com base nessa figura, pode-se afirmar que a menor velocidade
= 0,30 e g = 10 m/s2, determine: angular é
a) qual deve ser a velocidade de Paulo, para que consiga seu *a) 2 rotações por minuto (rpm).
objetivo? b) 6 rotações por minuto (rpm).
b) qual a distância d, que separa João de Paulo, no momento em c) 4 rotações por minuto (rpm).
que a bola é lançada? d) 3 rotações por minuto (rpm).
japizzirani@gmail.com 11
(VUNESP-2008) - ALTERNATIVA: E (VUNESP-2008) - ALTERNATIVA: C
Lança-se uma bola obliquamente para cima. Considere o movi- A figura mostra uma bola de golfe sendo arremessada pelo joga-
mento da bola no plano vertical x0y e que o semieixo 0y é posi- dor, com velocidade de 40 m/s, formando um ângulo de 60º com
tivo no sentido ascendente. Desprezando a resistência do ar, o a horizontal. A bola atinge o solo após 7 s do lançamento. Des-
gráfico que traduz como varia o módulo da componente vertical prezando a resistência do ar, a altura máxima e a distância que a
da velocidade da bola Vy em função do tempo t é bola atinge o solo em relação ao ponto de lançamento são, res-
pectivamente:

a) d) Dados: g = 10 m/s2, sen 60º = e cos 60º =


ÿ ÿ

a) 40 m e 35 m.
b) 50 m e 71 m.
*e) *c) 60 m e 140 m.
b) d) 70 m e 270 m.
e) 80 m e 320 m.

c)
(CEFETSP-2008) - ALTERNATIVA: B
A distância média entre a Lua e a Terra é de 3,82 × 108m. Adotan-
do que a velocidade da luz no vácuo vale 3,00 × 10 8m/s, o
intervalo de tempo necessário para que um feixe de luz, que
partiu da Lua, atinja a Terra é de:
a) 47s
(VUNESP-2008) - ALTERNATIVA: D *b) 1,27s
Dois corpos, A e B, são abandonados simultaneamente próximos c) 0,78min
à superfície da Terra. O corpo A tem massa m e, após 2 segun- d) 1min16s
dos em queda livre, apresenta velocidade v, percorrendo uma e) 1min27s
distância d. O corpo B, de massa 2m, após os 2 segundos de
queda livre, apresenta, desprezada a resistência do ar, veloci-
dade (CEFETSP-2008) - ALTERNATIVA: A
a) v/2 e terá percorrido uma distância d/4. Uma partícula se move em uma trajetória retilínea, de acordo com
b) v/2 e terá percorrido uma distância 2d. o gráfico de velocidade em função do tempo mostrado na figura.
c) v e terá percorrido uma distância d/2. A distância percorrida pela partícula, no intervalo de 0 a 0,2 s, em
*d) v e terá percorrido uma distância d. metros, vale:
e) 2v e terá percorrido uma distância d/2. *a) 0,2
b) 0,4
c) 1,1
d) 2,2
(VUNESP-2008) - ALTERNATIVA: B e) 10
O gráfico apresenta a relação entre o quadrado da velocidade
de um corpo que se desloca ao longo de uma trajetória retilínea
em função do tempo.

(UFSC-2008) - RESPOSTA: 01 + 02 + 08 = 11
Um carro com velocidade de módulo constante de 20 m/s percorre
a trajetória descrita na figura, sendo que de A a C a trajetória é
retilínea e de D a F é circular, no sentido indicado.

Sendo as unidades do sistema internacional, a aceleração do


corpo tem valor aproximadamente igual a Assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).
a) 0,15 m/s2. *01. O carro tem movimento uniforme de A até C.
*b) 0,25 m/s2. *02. O carro tem movimento uniforme de A até F.
04. O carro tem aceleração de A até C.
c) 0,45 m/s2.
*08. O carro tem aceleração de D até F.
d) 0,65 m/s2. 16. O carro tem movimento retilíneo uniformemente variado de D
e) 0,85 m/s2. até F.
japizzirani@gmail.com 12
(UFLA-2008) - ALTERNATIVA: A (UFPB-2008) - ALTERNATIVA: D
Um veículo (A) vem trafegando por uma rua, quando, inadverti- Uma bola de bilhar sofre quatro deslocamentos sucessivos re-
damente, um ciclista (B) entra nessa rua, a certa distância à presentados pelos vetores d1, d2, d3 e d4 apresentados no dia-
frente do veículo, no mesmo sentido e com velocidade constan- grama abaixo.
te. Imediatamente, para evitar o choque, o motorista aciona os
freios, de forma a desacelerar o veículo uniformemente, até al-
cançar o ciclista sem tocá-lo, o qual continua com sua velocida-
de constante. Considerando como instante inicial (t0 = 0) o ins-
tante em que o motorista aciona o freio, o gráfico que melhor re-
presenta o movimento do veículo (A) e do ciclista (B) é:

*a) c)

b) d)

(UFMS-2008) - ALTERNATIVA: C O deslocamento resultante d da bola está corretamente descrito


Uma rodovia, plana e retilínea, possui uma lombada eletrônica
onde os veículos devem trafegar com uma velocidade máxima em:
^
de 30 km/h num intervalo de 20 metros, compreendido entre os a) d = -4 ^i + 2 j
pontos B e C, veja na figura. Um veículo se aproxima, com velo- ^ ^
cidade de 90 km/h, e quando está no ponto A, que está a 40 me- b) d = -2 i + 4 j
tros do ponto B, começa a reduzir uniformemente a velocidade,
e quando chega no ponto B está na velocidade limite de 30 km/h, c) d = 2 ^i + 4 j^
e assim permanece com essa velocidade até o ponto C. A partir
do ponto C, acelera uniformemente, e após trafegar 40 metros *d) d = 4 ^i + 2 ^j
do ponto C, chega ao ponto D na velocidade original de 90 km/h.
Considere que, se não houvesse a lombada eletrônica, o veículo e) d = 4 ^i + 4 j^
trafegaria todo o trajeto, compreendido entre os pontos A e D, a
uma velocidade constante de 90 km/h, e dessa forma o tempo da
viagem seria menor. Assinale a alternativa que corresponde ao (UFPB-2008) - ALTERNATIVA: A
valor dessa diferença no tempo da viagem. Um ônibus urbano percorre, no início de seu itinerário, o seguinte
trajeto:
1. Parte do terminal e percorre uma distância de, aproximada-
mente, 1200m no sentido sul-norte por 15min;
2. Pára e permanece por 5min em um ponto de ônibus e, em
seguida, desloca-se mais 800m, durante 10min, também no sen-
tido sul-norte.
Com base nessas informações, é correto afirmar que o valor da
velocidade escalar média desse ônibus, no trajeto descrito, é:
a) 7,2 s. *a) 4 km/h
b) 4,0 s. b) 8 km/h
*c) 3,2 s. c) 12 km/h
d) 1,6 s. d) 6 km/h
e) 2,4 s. e) 2 km/h

(UFPB-2008) - ALTERNATIVA: E (UFPB-2008) - ALTERNATIVA: B


O motor de um carro é programado de modo a causar, nesse Em uma partida de futebol, o goleiro bate um tiro de meta com a
carro, um deslocamento que varia no tempo de acordo com a bola no nível do gramado. Tal chute dá à bola uma velocidade
expressão x= t + t 2 , onde x é o deslocamento, t é o inicial de módulo 20m/s e um ângulo de lançamento de 45°. Nes-
sas condições, a distância mínima que um jogador deve estar do
tempo, e e são constantes. Nesse contexto, as unidades
ponto de lançamento da bola, para recebê-la no seu primeiro
das constantes e , no sistema MKS, são respectivamente:
a) m/s, m contato com o solo, é: (Adote g = 10 m/s2)
a) 30m
b) m/s2, m
*b) 40m
c) m, m2/s2 c) 20m
d) s, m/s d) 10m
*e) m/s, m/s2 e) 5m
japizzirani@gmail.com 13
(FAZU-2008) - ALTERNATIVA: D (MED.ITAJUBÁ-2008) - ALTERNATIVA: A
Num passeio promovido pelo Jeep Clube de Minas Gerais, o na- Uma jogadora de vôlei de 1,72 m imprime a seu próprio corpo um
vegador recebe uma planilha onde se diz que um trecho de 10km impulso que resulta numa aceleração ascendente. A velocidade
deve ser percorrido à velocidade média de 30km/h. Se o veículo inicial necessária para alcançar uma altura de 80 cm acima do
iniciar o trajeto às 11h00min, ele deverá chegar ao final do refe- solo será: (considere g = 10 m/s²)
rido trecho às: *a) 4 m/s
a) 11h30 min b) 5 m/s
b) 11h10 min c) 8 m/s
c) 12h40 min d)10 m/s
*d) 11h20 min e) Nenhuma das Respostas Anteriores.
e) 14h00 min
(UFRRJ-2008) - ALTERNATIVA: A
As explosões das bombas atômicas, em agosto de 1945, sobre
as cidades de Hiroxima e Nagasáqui, deixaram todo o mundo
(FAZU-2008) - ALTERNATIVA: D
apavorado diante do poder bélico utilizado contra o próprio ser
Um corpo é lançado do solo verticalmente para cima. Sabe-se
humano e a certeza de que os tempos seriam outros para as
que, durante o decorrer do terceiro segundo do seu movimento
nações.
ascendente, o móvel percorre 15m. A velocidade com que o cor-
Um dos causadores da destruição das edificações fora
po foi lançado do solo era de:
doepicentro foi o deslocamento de ar. Segundo o físico Naomi
Adote g = 10 m/s2 Shohno, esse deslocamento de ar provocado pelas bombas
a) 10 m/s percorreu 740 m no segundo posterior à explosão, 4 km nos
b) 20 m/s primeiros 10 segundos e 11 km nos primeiros 30 segundos.
c) 30 m/s (Fontes: Superinteressante, ano 09, nº 07, 1995; Veja, 02/08/95)
*d) 40 m/s Portanto, as velocidades médias de deslocamento do ar até o
e) 50 m/s primeiro segundo, até o décimo segundo e até o trigésimo segun-
do foram, respectivamente, de:
*a) 2664 km/h; 1440 km/h e 1320 km/h
b) 740 km/h; 400 km/h e 367 km/h
(FAZU-2008) - ALTERNATIVA: C c) 2664 km/h; 400 km/h e 1320 km/h
Uma partícula descreve um movimento retilíneo uniforme, segun- d) 2664 km/h; 1173,6 km/h e 751,2 km/h
do um referencial inercial. A equação horária da posição, com e) 751,2 km/h; 1173,6 km/h e 2664 km/h
dados no S.I., é x = -2 + 5t. Neste caso podemos afirmar que a
velocidade escalar da partícula é:
a) - 2m/s e o movimento é retrógrado.
(UFRRJ-2008) - RESPOSTA: a) 45 m b) 3,0 s
b) - 2m/s e o movimento é progressivo.
Verificar as condições dos freios do seu automóvel é condição
*c) 5m/s e o movimento é progressivo
essencial para se evitarem acidentes. Suponha que você esteja
d) 5m/s e o movimento é retrógrado.
dirigindo em uma estrada, completamente horizontal e reta, a
e) - 2,5m/s e o movimento é retrógrado.
uma velocidade constante de 108 km/h, quando vê um cachorro
parado no meio da pista, a 50 m do ponto onde você se encontra.
Imediatamente aciona os freios do veículo, desacelerando cons-
tantemente, à razão de 36 km/h a cada segundo. Com base
(FAZU-2008) - ALTERNATIVA: A nessas considerações, responda:
Uma bola é lançada de uma torre, para baixo. A bola não é deixa- a) Para saber se o cachorro será ou não atropelado, calcule a
da cair mas, sim, lançada com uma certa velocidade inicial para distância percorrida pelo automóvel, em metros, até parar com-
baixo. Sua aceleração para baixo é (g refere-se à aceleração da pletamente.
gravidade): b) Calcule o tempo, em segundos, decorrido entre o instante em
*a) exatamente igual a g. que o freio foi acionado até a parada do veículo.
b) maior do que g.
c) menor do que g.
d) inicialmente, maior do que g, mas rapidamente estabilizando (UFABC-2008) - RESPOSTA: fA = fB, TA = TB, A = B e VA< VB
em g. Mesmo com as modernas furadeiras existentes, o arco-de-pua
e) inicialmente, menor do que g, mas rapidamente estabilizando ainda é utilizado para fazer furos em madeira. Enquanto o operá-
em g. rio apóia seu peito ou uma de suas mãos sobre o disco localiza-
do na extremidade oposta à da broca, auxiliado pelo manete,
localizado no meio da ferramenta, faz girar o conjunto e, conse-
qüentemente, a broca.
Compare, qualitativamente, as gran-
(MED.ITAJUBÁ-2008) - ALTERNATIVA: C dezas freqüência, período, veloci-
A caminhada é praticada tanto por atletas como por indivíduos dade angular e velocidade escalar
em busca dos benefícios que esta atividade física traz, aumen- do movimento do ponto A, localiza-
tando o condicionamento físico e proporcionando a médio e lon- do na superfície lateral da broca,
go prazo significativa melhoria na qualidade de vida. com o do ponto B, no centro geo-
Se um homem desenvolve a velocidade de 100 passos por minu- métrico do manete, justificando cada
to, se considerarmos que seu passo tem comprimento constante comparação.
de 80 cm e se ele pratica caminhada durante 1 hora e 20 minutos
no dia, determine a distância, em Km, percorrida neste dia.
a) 10 UFABC - 2008 - Q.04
b) 8
*c) 6,4
d) 12
e) Nenhuma das Respostas Anteriores
japizzirani@gmail.com 14
(UFRGS-2008) - ALTERNATIVA: 01-D e 02-E

(U.F. VIÇOSA-2008) - ALTERNATIVA: B


O gráfico abaixo representa a posição s de um carro em função
do tempo t, que se move em linha reta em uma superfície plana e
horizontal.

Com base na análise do gráfico, é INCORRETO afirmar que:


a) entre os instantes 5 s e 10 s o carro encontra-se parado.
*b) entre os instantes 0 s e 14 s o movimento do carro é unifor-
memente variado.
c) a velocidade média entre os instantes 10 s e 14 s é 1,25 m/s.
d) a velocidade instantânea do carro no instante 3 s é 1 m/s.

japizzirani@gmail.com 15
(FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: E
I - CINEMÁTICA Em uma obra, um pedreiro deixa cair acidentalmente um tijolo
I - vestibulares 2008/2 que, ao chegar próximo ao chão, danifica um automóvel estaci-
onado próximo. A perícia determinou que a velocidade vertical do
impacto do tijolo no momento da colisão era 30 m/s. Se a altura do
(VUNESP/UNICID-2008/2) - ALTERNATIVA: D automóvel é de 1,5 m, de que altura no edifício o tijolo caiu?
A comitiva presidencial, composta por um comboio de 50 m de Obs.: Tomar como referência o solo e adotar g = 10 m/s2.
extensão, avança com velocidade constante de 60 km/h. O tem- a) 60,0 m
po gasto por esta comitiva para que ela atravesse completamen- b) 61,5 m
te uma via de 20 m de largura está entre os instantes c) 56,5 m
a) 1 s a 2 s. *d) 4 s a 5 s. d) 51,5 m
b) 2 s a 3 s. e) 5 s a 6 s. *e) 46,5 m
c) 3 s a 4 s.

(VUNESP/UNICID-2008.2) - ALTERNATIVA: B (FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: C


Leia a tirinha para responder a questão de número 41. Em uma tacada, um jogador de golfe deseja obter a máxima dis-
tância possível em um campo plano. Qual é o ângulo com a hori-
zontal que a velocidade da bola deverá ter no momento em que
esta abandona o local da tacada?
a) 15°
b) 30°
*c) 45°
d) 60°
e) 90°

(VUNESP/UNINOVE-2008/2) - ALTERNATIVA: C
Leia a tirinha a seguir.

41. A pedra de amolar gira com velocidade angular constante de


2 rad/s quando a espada toca um ponto de sua extremidade.
Considerando a espada em repouso e sabendo que a pedra tem
diâmetro de 60 cm, a velocidade de um ponto da pedra que toca
a espada, em m/s é de
a) 0,3.
*b) 0,6.
c) 1,0.
d) 1,2.
e) 2,4.
(Bill Watterson, As Aventuras de Calvin e Haroldo)
(FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: C
A velocidade de um ciclista em função do tempo é dada pelo grá- Considerando as informações da tirinha e admitindo que a sua
fico abaixo. Qual é a distância percorrida pelo ciclista após 50 s? velocidade e a do Sr. Jones sejam constantes, ou seja, não le-
a) 500 m vando em conta os prováveis problemas de trânsito das 5 horas,
b) 400 m o encontro entre vocês na estrada ocorreria às
*c) 350 m a) 5h 20min.
d) 300 m b) 5h 30min.
e) 250 m *c) 5h 40min.
d) 12h 40min.
(FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: C e) 13h.
Um automóvel com velocidade de 108 km/h passa por um policial
parado à beira da estrada. Imediatamente após sua passagem, o (UECE-2008/2) - ALTERNATIVA: D
policial inicia uma perseguição com sua moto acelerando a uma Um passageiro está caminhando para o oeste, dentro de um trem
taxa constante de 0,5 m/s2. Qual é a distância percorrida pelo que se move, em alta velocidade, para o leste. Para uma pessoa
policial até alcançar o automóvel? que está parada na estação, enquanto o trem passa, esse pas-
a) 600 m sageiro
b) 900 m a) está parado.
*c) 3 600 m b) se move para o oeste.
d) 1 800 m c) se move para o leste, na mesma velocidade que o trem.
e) 7 200 m *d) se move para o leste, um pouco mais lentamente que o trem.
japizzirani@gmail.com 16
(VUNESP/UNINOVE-2008/2) - ALTERNATIVA: D (FURG/RS-2008/2) - ALTERNATIVA: E (GABARITO OFICIAL)
É muito comum no nosso cotidiano encontrarmos dispositivos Um lançamento de projétil é a composição de dois movimentos:
que contenham partes em movimento de rotação: ponteiros e en- um, analisado horizontalmente, e o outro, verticalmente. Analise
grenagens em relógios, o tanque de uma máquina de lavar rou- os gráficos abaixo:
pas em movimento de centrifugação, rodas e motores dos mais
variados tipos de veículos, CDs durante a reprodução de uma
música, etc. A tabela mostra alguns valores típicos de freqüência
de rotação para alguns desses dispositivos, em rpm.

Dispositivo Freqüência de
Rotação (RPM)
Ponteiro dos segundos de um relógio 1
Disco de vinil (antigo LP) 33,3
CD sendo reproduzido num CD player 300
Tanque da máquina de lavar roupas em Pode-se dizer que:
500 I) o gráfico I pode representar o módulo da velocidade horizontal,
processo de centrifugação
Motor de um automóvel 1 000 em função do tempo.
II) o gráfico II pode representar o módulo da velocidade vertical,
Considerando os valores da tabela, é correto afirmar que em função do tempo.
a) a velocidade angular de um disco de vinil é maior que a do tan- III) o gráfico III pode representar a altura do projétil,em função do
que de uma máquina de lavar roupas. tempo.
b) o período de rotação de um CD é menor que o de um motor de Estão corretas as afirmativas:
automóvel. a) Apenas II
c) o período de rotação do ponteiro dos segundos de um relógio b) I e II
é menor que o de um CD. c) I e III
*d) o período de rotação de um disco de vinil é maior que o do d) Apenas III
tanque de uma máquina de lavar roupas. *e) II e III
e) a velocidade angular de um motor de automóvel é menor que
a de um ponteiro dos segundos de um relógio. (UNIMONTES/MG-2008/2) - ALTERNATIVA: C
Analise os seguintes gráficos:

(VUNESP/UNINOVE-2008/2) - ALTERNATIVA: E
Um objeto é lançado do solo verticalmente para cima e passa pe-
lo ponto A, durante a subida, com velocidade escalar de módulo
10 m/s. Após atingir a altura máxima, passa pelo ponto B, durante
a descida, com velocidade escalar de módulo 15 m/s.

Os gráficos acima que representam o movimento de aceleração


constante diferente de zero são
a) I e II, apenas.
b) I e III, apenas.
Desprezando todas as forças dissipativas e adotando g = 10 m/ *c) II e III, apenas.
s2, a distância d entre os pontos A e B vale, em metros, d) II e IV, apenas.
a) 1,25. d) 5,00.
b) 2,50. *e) 6,25.
(UNEMAT/MT-2008/2) - ALTERNATIVA: E
c) 3,75.
Um carro de fórmula 1 se desloca com velocidade em m/s, obe-
decendo a função horária V = 60 – 9t, onde t é medido em se-
(UNIMONTES/MG-2008/2) - ALTERNATIVA: A gundos. A partir dessas informações, assinale a alternativa in-
Um motorista ultrapassa um comboio de 10 caminhões que se correta.
move com velocidade média de 90 km/h. Após a ultrapassagem, a) No instante de 7 segundos, o movimento do carro é retrógrado
o motorista decide que irá fazer um lanche num local a 150 km de retardado.
distância, onde ficará parado por 12 minutos. Ele não pretende b) A velocidade inicial do carro em km/h é 216 km/h.
ultrapassar o comboio novamente até chegar ao seu destino c) No instante de 5 segundos, o movimento do carro é progres-
final. O valor mínimo da velocidade média que o motorista deveria sivo retardado.
desenvolver para retomar a viagem, após o lanche, à frente do d) O carro está em processo de frenagem, e deverá parar no
comboio, seria, aproximadamente, instante aproximado de 6,66 segundos.
*a) 102,3 km/h. c) 116,0 km/h. *e) No instante de 6 segundos, o movimento do carro é retrógra-
b) 100,8 km/h. d) 108,0 km/h. do retardado.

japizzirani@gmail.com 17
(UTFPR-2008/2) - ALTERNATIVA: B (UFTM-2008/2) - ALTERNATIVA: E
Partindo do repouso, um corpo desliza em linha reta sobre um Sobre uma mesma trajetória, associada ao piso de uma rodovia,
plano inclinado, com aceleração constante de 2,0 m/s2. Se o dois automóveis movimentam-se segundo as funções horárias
deslocamento sobre o plano foi de 9,0 m, a velocidade média ne- s1 = -20 - 20·t e s2 = 10 + 10·t, com valores escritos em termos do
sse deslocamento, em m/s, foi aproximadamente igual a: sistema internacional. Nessas condições, os dois veículos
a) 2,5. d) 5,0. a) se encontrarão no instante 1s.
*b) 3,0. e) 6,1. b) se encontrarão no instante 3s.
c) 4,1. c) se encontrarão no instante 5s.
d) se encontrarão no instante 10s.
(UTFPR-2008/2) - ALTERNATIVA: D *e) não se encontrarão.
A aceleração da gravidade na Lua é aproximadamente igual a 1/
6 da aceleração da gravidade terrestre. Um objeto é solto em (CEFETMG-2008/2) - ALTERNATIVA: E
queda livre, a partir de uma altura h próxima da superfície da Lua Referindo-se aos movimentos de forma abrangente, afirma-se:
e atinge o solo lunar no intervalo de tempo tL. O mesmo objeto, I – Quando um objeto descreve movimento circular uniforme, seu
solto em queda livre da mesma altura h na proximidade da super- vetor aceleração mantém-se constante em módulo e direção.
II – Quando um corpo descreve movimento retilíneo uniforme,
fície da Terra atinge o solo terrestre no intervalo de tempo tT. A
seu vetor velocidade mantém-se constante em módulo e dire-
relação entre os intervalos de tempo tL e tT é, aproximadamente: ção.
a) tL = 6 tT . III – Um móvel com aceleração de 5,0 m/s2 apresenta, em cada
b) tL = 3 tT . segundo, uma variação de 5,0 m/s em sua velocidade.
c) tL = 2 3 tT . IV – A velocidade de um corpo pode se alterar quando se modi-
fica o referencial adotado.
*d) tL = 6 tT . São corretas apenas as afirmativas
e) tL = 2 tT . a) I e III.
b) I e IV.
(MACK-2008/2) - ALTERNATIVA: D c) II e III.
Observa- se que um ponto mater ial par te do repouso e descre- d) I, II e IV.
ve um movimento retilíneo, com a posição (x) variando com o *e) II, III e IV.
tempo (t), de acordo com o gráfico abaixo. Nos intervalos de
tempo (0 s; 4 s) e (4 s; 14 s), os movimentos são uniformemente (CEFETMG-2008/2) - ALTERNATIVA: A
variados e distintos. O valor absoluto da aceleração escalar Um automóvel desloca-se em uma avenida plana e reta, com ve-
desse ponto mater ial , no movimento ocorrido entre os instantes locidade constante. Ao se aproximar de um semáforo, o motoris-
4 s e 14 s, vale ta aciona os freios, produzindo um movimento uniformemente
a) 1,2 m/s2. variado, parando em 3,0 segundos. Seja d1 a distância percorri-
b) 1,6 m/s2. da no primeiro segundo, após o início da freada, e d3 a distância
c) 1,8 m/s2. percorrida no último segundo. A razão entre d1 e d3 é
*d) 2,0 m/s2. *a) 5.
e) 2,4 m/s2. b) 4.
c) 3.
d) 2.
e) 1.
(UDESC-2008/2) - RESPOSTA: a) vI = 20/3 m/s e vII = 0 ou 20/3 m/
s b) zero c) 4,5 s (PUCSP-2008/2) - ALTERNATIVA: D
Dois móveis (I e II) partem do repouso e deslocam-se simultane- Em um experimento escolar, um aluno deseja saber o valor da
amente, em uma estrada retilínea. O gráfico abaixo mostra suas velocidade com que uma esfera é lançada horizontalmente, a
posições. partir de uma mesa. Para isso, mediu a altura da mesa e o alcan-
ce horizontal atingido pela esfera, encontrando os valores mos-
trados na figura. Adote g = 10 m/s2.
ver slide:
PUCSP - 2008.2 - Q.16

Determine:
a) a velocidade de cada um dos móveis, no instante 3,0 s.
b) a aceleração do móvel I, no instante 6,0 s.
c) o instante de tempo em que os móveis se encontram.

(UEG/GO-2008/2) - RESPOSTA: 12 km
Um objeto tem a sua velocidade em quilômetros por hora descrita
pela função real v(t) = 3t, em que t representa o tempo. O espaço
percorrido por esse automóvel pode ser determinado calculan- A partir destas informações e desprezando as influências do ar,
do-se a área delimitada pelo gráfico da função v(t) e o eixo do o aluno concluiu corretamente que a velocidade de lançamento
tempo t, em um período de tempo fixado. Determine o espaço da esfera, em m/s, era de
percorrido por esse objeto no período de tempo de t0 = 1h a t1 = a) 3,1 b) 3,5 c) 5,0
3h. *d) 7,0 e) 9,0
japizzirani@gmail.com 18
(UNESP-2008/2) - ALTERNATIVA: C (U.C.SUL/RS-2008/2) - ALTERNATIVA: D
Segundo se divulga, a Big Tower do parque de diversões Beto Em um famoso desenho animado da década de oitenta, uma ga-
Carrero World possui uma torre radical com 100 m de altura. tinha era sempre perseguida por um apaixonado gambá. Os epi-
Caso o elevador estivesse em queda livre por todo esse trecho, sódios basicamente consistiam nas maneiras que a gatinha en-
e considerando o valor da aceleração da gravidade como sendo contrava para fugir. Imaginemos que ela, prestes a ser alcançada
10,0 m/s2, e que o elevador parte do repouso, conclui-se que e em desespero, se atirasse em um precipício. Ao pular, ela es-
sua velocidade ao final dos 100 m seria de taria com velocidade vertical inicial nula. Qual a velocidade verti-
a) 33,2 m/s. cal inicial que o gambá deveria ter para, ao se lançar também pe-
b) 37,4 m/s. lo precipício 2 segundos depois, conseguir alcançar a gatinha
*c) 44,7 m/s. exatamente 4 segundos após ela ter saltado? Considere a ace-
d) 49,1 m/s. leração da gravidade como 10 m/s2.
e) 64,0 m/s. a) 15 m/s
b) 20 m/s
(UNESP-2008/2) - RESPOSTA: 45,8 dias c) 25 m/s
Na fronteira K-T, entre os períodos Cretáceo e Terciário, ocorreu d) 30 m/s
a extinção dos dinossauros. A teoria mais conhecida para expli- e) 35 m/s
car essa extinção supõe que um grande meteoro, viajando a 70
000 km/h, teria atingido o nosso planeta, dando origem à cratera
(UFC/CE-2008/2) - RESPOSTA: a) aA = - 3 m/s2 e aB = - 4 m/s2
de Chicxulub no golfo do México, com cerca de 170 km de diâme-
tro. Supondo que ele tenha vindo de um grupo de asteróides pró- b) xA = 20t - 1,5t2 (SI) e xB = 25t - 1,5t2 (SI)
ximos de Marte, que dista por volta de 77 × 106 km da Terra, c) vA = 20 - 3t (SI) e vB = 25 - 4t (SI) d) 12,5 m
determine, em dias, o tempo que teríamos para tentar nos prepa- O gráfico da figura abaixo representa a variação da velocidade
rar para o impacto caso o mesmo ocorresse na atualidade. Su- com o tempo para dois carros, A e B, que viajam em uma estrada
ponha que 70 000 km/h seja a velocidade média do asteróide em retilínea e no mesmo sentido. No instante t = 0s o carro B ultra-
relação à Terra e que, no momento de sua detecção, estivesse a passa o carro A. Nesse mesmo instante, os dois motoristas
77 × 106 km de distância. Desconsidere o deslocamento da Terra percebem um perigo à frente e acionam os freios simultanea-
mente. Tomando como base o gráfico, determine:
pelo espaço.

(UNESP-2008/2) - RESPOSTA: 75O


A atleta brasileira Daiane dos Santos teve seu salto “duplo twist
carpado” analisado por pesquisadores do Laboratório de Biofísica
da Escola de Educação Física da USP. Nesse estudo, verificou-
se que, na última parte do salto, o seu centro de massa descre-
veu uma parábola, que a componente vertical da velocidade ini-
cial da atleta foi de 5,2 m/s e que ela levou 1 s para percorrer uma
distância horizontal de 1,3 m até atingir o chão. Adotando g = 10
m/s2, determine o ângulo inicial aproximado do salto.

a) a aceleração dos dois carros.


b) a equação horária da posição para os dois carros.
c) a equação horária da velocidade para os dois carros.
c) a distância entre os dois carros no instante em que suas
(UNESP-2008/2) - RESPOSTA: 2,0 m velocidades são iguais.
Um jogador de futebol deve bater uma falta. A bola deverá ultra-
passar a barreira formada 10 m à sua frente. Despreze efeitos
de resistência do ar e das dimensões da bola. Considere um (UFLA/MG-2008/2) - ALTERNATIVA: B
O gráfico abaixo foi elaborado considerando o movimento de um
ângulo de lançamento de 45O, g = 10 m/s2, cos 45O = sen 45O =
veículo ao longo de uma rodovia. Nos primeiros 15 minutos, o
2/2, e uma velocidade inicial de lançamento v0 = 5 5 m/s. De- veículo desenvolveu velocidade constante de 80 km/h. Nos 15
termine qual é a altura máxima dos jogadores da barreira para minutos seguintes, 60 km/h e, na meia hora final, velocidade
que a bola a ultrapasse. constante de 100 km/h. Pode!se afirmar que a velocidade média
do veículo durante essa 1 hora de movimento foi de:
(ACAFE-2008/2) - ALTERNATIVA: C
No entendimento dos movimentos dos corpos utilizam-se com a) 80 km/h.
freqüência os conceitos de velocidade e de aceleração. Assim, *b) 85 km/h.
para um corpo que se desloca em movimento retilíneo e no sen- c) 70 km/h.
tido da esquerda para a direita em relação a um dado referencial, d) 90 km/h.
é correto afirmar que:
a) A velocidade e a aceleração são expressas nas mesmas
unidades de medidas.
b) A velocidade e a aceleração são nulas.
*c) A velocidade não é nula e a aceleração pode ser nula.
d) A velocidade é nula e a aceleração não é nula.

japizzirani@gmail.com 19
(UFU/UNIFAL-2008/2) - ALTERNATIVA: D (UEM/PR-2008/2) - RESPOSTA: SOMA = 29 (01+04+08+16)
Um avião, deslocando-se paralelamente a uma planície a uma al- Um objeto ao nível do mar é lançado obliquamente com velocida-
tura H e com velocidade horizontal vO, libera em um dado instante de inicial de 100,0 m/s, com um ângulo de lançamento tal que o
um artefato. cos( ) = 0,6 (obs.: despreze a resistência do ar). Considere g =
10,0 m/s2. Assinale o que for correto.
*01) As componentes horizontal e vertical da velocidade no ins-
tante de lançamento são vx = 60,0 m/s e vy = 80,0 m/s.
02) Desprezando a resistência do ar, o objeto não retorna ao
nível de lançamento.
*04) O alcance máximo do objeto é superior a 500 m.
*08) O tempo necessário para o objeto atingir o alcance máximo
é 16,0 s.
*16) O módulo da componente da velocidade no eixo paralelo ao
solo se mantém constante durante o percurso.

(UEPG/PR-2008/2) - RESPOSTA: SOMA = 11 (01+02+08)


Um objeto é solto, a partir do repouso, em queda livre. Após dois
segundos, a distância vertical percorrida pelo objeto é igual a y e
sua velocidade é v. Sobre este movimento, assinale o que for
As componentes horizontal (vx) e vertical (vy) da velocidade do correto.
artefato no exato instante em que esse artefato passa pelo pon- Considere: y(t) = (1/2)gt2 e v(t) = gt
to A, a uma altura p do solo, são:
*01) Após seis segundos, a velocidade do objeto será igual a 3v.
*02) Após quatro segundos, a distância vertical percorrida pelo
a) vx = vo vy = + 2g(p - H) objeto será igual a 4y.
04) Após seis segundos, a distância vertical percorrida pelo
b) vx = 2gp vy = - 2gH objeto será igual a 12y.
*08) Após cinco segundos, a distância vertical percorrida pelo
objeto e sua velocidade serão, respectivamente, iguais a 6,25y e
c) vx = 2gH vy = - 2gp 2,5v.
16) Após seis segundos, a velocidade do objeto será igual a 6v.
*d) vx = vo vy = - 2g(H - p)
(UFMS-2008/2) - ALTERNATIVA: B
Seja um rio sem curvas e de escoamento sereno sem turbulên-
(UFLA/MG-2008/2) - RESPOSTA: FAZER cias, de largura constante igual a L. Considere o escoamento
Um trem de metrô parte da estação A e chega à estação B; o representado por vetores velocidades paralelos às margens e
diagrama de sua velocidade em relação ao tempo é mostrado que cresce uniformemente com a distância da margem, atingindo
ao lado.Calcule: o valor máximo vmax no meio do rio. A partir daí a velocidade de
escoamento diminui uniformemente atingindo o valor nulo nas
margens. Isso acontece porque o atrito de escoamento é mais
intenso próximo às margens. Um pescador, na tentativa de atra-
vessar esse rio, parte da margem inferior no ponto O com um
barco direcionado perpendicularmente às margens e com velo-
cidade constante em relação à água, e igual a u. As linhas pon-
tilhadas, nas figuras, representam possíveis trajetórias descri-
tas pelo barco ao atravessar o rio saindo do ponto O e chegando
ao ponto P na margem superior. Com fundamentos nos conceitos
da cinemática, assinale a alternativa correta.

a) A distância entre as estações A e B.


b) A equação da velocidade do trem no intervalo de 40 a 50 s.

(UEM/PR-2008/2) - RESPOSTA: SOMA = 20 (04+16)


Em relação ao movimento de dois corpos de massas diferentes
lançados verticalmente para cima simultaneamente, em um de-
terminado local da terra e com a mesma velocidade inicial, assi-
nale o que for correto (obs.: despreze a resistência do ar e
adote g = 10 m/s2).
01) Os corpos chegarão ao solo juntos, pois ambos estão sob a
ação da mesma força. a) A figura A representa corretamente a trajetória do barco; e o
02) Na altura máxima da trajetória, as acelerações dos corpos tempo t para atravessar o rio é igual a t = L/(vmax+u).
serão zero. *b) A figura B representa corretamente a trajetória do barco; e o
*04) Se os corpos forem lançados com uma velocidade inicial de tempo t para atravessar o rio é igual a t = L/u.
10,00 m/s, 1,50 s após o lançamento, eles estarão a 3,75 m do c) A figura C representa corretamente a trajetória do barco; e o
solo. tempo t para atravessar o rio é igual a t = L/u.
08) Se os corpos forem lançados com uma velocidade inicial de d) A figura B representa corretamente a trajetória do barco; e o
10,00 m/s, 1,50 s após o lançamento, o módulo do vetor veloci- tempo t para atravessar o rio é igual a t = L/(u+vmax).
dade será 3,75 m/s, com sentido para cima. e) A figura D representa corretamente a trajetória do barco; e o
*16) Ambos estarão sujeitos a uma aceleração constante. tempo t para atravessar o rio é igual a t = L/u.
japizzirani@gmail.com 20
(FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: C (UEPG/PR-2008/2) - RESPOSTA: SOMA = 11 (01+02+08)
A velocidade de um ciclista em função do tempo é dada pelo Um objeto é solto, a partir do repouso, em queda livre. Após dois
gráfico abaixo. Qual é a distância percorrida pelo ciclista após segundos, a distância vertical percorrida pelo objeto é igual a y e
50 s? sua velocidade é v. Sobre este movimento, assinale o que for
a) 500 m correto.
b) 400 m Considere: y(t) = (1/2)gt2 e v(t) = gt
*c) 350 m *01) Após seis segundos, a velocidade do objeto será igual a 3v.
d) 300 m *02) Após quatro segundos, a distância vertical percorrida pelo
e) 250 m objeto será igual a 4y.
04) Após seis segundos, a distância vertical percorrida pelo
objeto será igual a 12y.
(FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: C *08) Após cinco segundos, a distância vertical percorrida pelo
Um automóvel com velocidade de 108 km/h passa por um policial objeto e sua velocidade serão, respectivamente, iguais a 6,25y e
parado à beira da estrada. Imediatamente após sua passagem, o 2,5v.
policial inicia uma perseguição com sua moto acelerando a uma 16) Após seis segundos, a velocidade do objeto será igual a 6v.
taxa constante de 0,5 m/s2. Qual é a distância percorrida pelo
policial até alcançar o automóvel?
a) 600 m d) 1 800 m (U.F. VIÇOSA-2008/2) - ALTERNATIVA: C
b) 900 m e) 7 200 m Uma partícula de massa 10 kg é lançada verticalmente para cima
*c) 3 600 m com uma velocidade de módulo v = 36 km/h. Desconsiderando a
resistência do ar e considerando a aceleração da gravidade
local coma 10 m/s2, o valor da altura máxima atingida pela partí-
(FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: C cula a partir do ponto de lançamento é igual a
Em uma tacada, um jogador de golfe deseja obter a máxima dis- a) 36 m.
tância possível em um campo plano. Qual é o ângulo com a b) 64 m.
horizontal que a velocidade da bola deverá ter no momento em *c) 5 m.
que esta abandona o local da tacada? d) 10 m.
a) 15° d) 60°
b) 30° e) 90°
*c) 45°

(FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: E
Em uma obra, um pedreiro deixa cair acidentalmente um tijolo
que, ao chegar próximo ao chão, danifica um automóvel estaci-
onado. A perícia determinou que a velocidade vertical do impacto
do tijolo no momento da colisão era 30 m/s. Se a altura do auto-
móvel é de 1,5 m, de que altura no edifício o tijolo caiu?
Obs.: Tomar como referência o solo e adotar g = 10 m/s2.
a) 60,0 m d) 51,5 m
b) 61,5 m *e) 46,5 m
c) 56,5 m

(UECE-2008/2) - ALTERNATIVA: B
Um nadador olímpico, que mantém uma velocidade de módulo
igual a 2,0 m/s em águas paradas, precisa cruzar um rio de 50 m
de largura, cuja correnteza é de 1,0 m/s. Usando 5 = 2,24 e 3
= 1,73 , é correto afirmar que
a) se ele levar em conta a correnteza e cruzar perpendicular-
mente à margem, chegando diretamente na margem oposta, o
tempo que ele gasta para cruzar o rio é 22,32 s.
*b) se ele levar em conta a correnteza e cruzar perpendicular-
mente à margem, chegando diretamente na margem oposta, o
tempo que ele gasta para cruzar o rio é 28,90 s.
c) se ele ignorar a correnteza e nadar deixando o rio carregá-lo,
o tempo que ele gasta para cruzar o rio é 22,32 s, chegando à
outra margem a 22,32 m, rio abaixo.
d) se ele ignorar a correnteza e nadar deixando o rio carregá-lo,
o tempo que ele gasta para cruzar é 28,90 s, chegando à outra
margem a 28,90 m, rio abaixo.

(UECE-2008/2) - ALTERNATIVA: B
Um atleta olimpico atinge a marca de 9,0 m na prova de salto em
distancia. Supondo que o angulo inicial do seu salto foi de 30O, e
assumindo que seu movimento comporta-se como o movimento
de um projetil sem resistencia do ar, a magnitude de sua veloci-
dade inicial foi de
(Use g = 10 m/s2)
a) 6,7 m/s. c) 11,6 m/s.
*b) 10,2 m/s. d) 13,4 m/s.
japizzirani@gmail.com 21
II - LEIS DE NEWTON (UDESC-2008) - RESPOSTA a) 20 m/s b) 27 m; não c) -4 m/s2
Uma ambulância equipada com uma equipe médica, formada por
II - vestibulares 2008/1 um médico e dois enfermeiros, possui massa igual a 1600 kg. Ao
VESTIBULARES - 2008/2 - PÁG. 36 ser acionada para atender a um socorro, percorre uma pista
plana e horizontal. Com base nesse contexto, resolva as situa-
ções-problema abaixo. (Se necessário adote g = 10 m/s2)
(PUCRIO-2008) - ALTERNATIVA: B a) A ambulância, ao realizar uma curva, descreve uma trajetória
A primeira Lei de Newton afirma que, se a soma de todas as circular de raio igual a 80,0 m. A força centrípeta atuante sobre o
forças atuando sobre o corpo é zero, o mesmo carro, ao longo da curva, é de 8000 N. Calcule o valor da veloci-
a) terá um movimento uniformemente variado. dade da ambulância, sabendo que ela é constante em toda a
*b) apresentará velocidade constante. curva.
c) apresentará velocidade constante em módulo, mas sua b) Para dirigir prudentemente, recomenda-se manter do veículo
direção pode ser alterada. da frente uma distância mínima de 4,0 m para cada 16 km/h. Em
d) será desacelerado. um determinado instante a ambulância segue um caminhão e
e) apresentará um movimento circular uniforme. ambos estão a 108 km/h. Considerando que a ambulância res-
peite a recomendação anterior, qual a distância mínima que se-
(PUCRIO-2008) - ALTERNATIVA: E para os dois veículos? Se os dois veículos começarem a
Um balão de ar quente, de massa desprezível, é capaz de le- desacelerar no mesmo instante, a uma taxa constante de 2,50 m/
vantar uma carga de 100 kg mantendo durante a subida uma s2, ocorrerá a colisão entre eles? Justifique sua resposta.
velocidade constante de 5,0 m/s. Considerando a aceleração da c) A ambulância, andando a uma velocidade de 20 m/s, avista o
gravidade igual a 10 m/s2, a força que a gravidade exerce (peso) local do acidente em que irá prestar o socorro e freia, com uma
no sistema (balão + carga), em Newtons, é: aceleração constante, percorrendo 50,0 m em 5,00 s, até parar.
a) 50 b) 100 c) 250 d) 500 *e) 1000 Calcule sua desaceleração.

(UDESC-2008) - ALTERNATIVA: C
Um bloco desliza sem atrito sobre uma mesa que está em repou- (UDESC-2008) - RESPOSTA a) 7500 N b) 9600 N; sim c) 0,4
so sobre a Terra. Para uma força de 20,0 N aplicada horizontal- Um engenheiro civil, trabalhando em um projeto de construção
mente sobre o bloco, sua aceleração é de 1,80 m/s2. Encontre o de estradas, faz algumas hipóteses: considera que um carro de
peso do bloco para a situação em que o bloco e a mesa estejam massa de 1200 kg transita por uma estrada plana e horizontal e,
sobre a superfície da Lua, cuja aceleração da gravidade é de ao realizar uma curva, descreve uma trajetória circular de raio
1,62 m/s2. igual a 100,0 m. A velocidade do carro é constante e em módulo
a) 10 N b) 16 N *c) 18 N d) 14 N e) 20 N igual a 90,0 km/h, em toda a curva. (Se necessário adote g = 10
m/s2)
(UDESC-2008) - RESPOSTA a) 16 N b) 460 N a) Calcule o valor da força centrípeta atuante sobre o carro.
Interessado em estudar o movimento de queda dos corpos, um b) Considerando que o coeficiente de atrito estático entre os
estudante de Ciência da Computação resolve fazê-lo por meio pneus e a pista é de 0,80, calcule o valor máximo da força de
de um programa que ele testará em seu computador. Antes de atrito estático que pode ser exercida pela estrada sobre o carro.
elaborar o programa resolve solucionar o problema, executando O carro conseguirá fazer a curva nessa velocidade (90,0 km/h),
ele mesmo os cálculos. O corpo que irá estudar possui massa de sem perigo de derrapagens? Justifique sua resposta
1,00 kg e cai livremente em um dado instante com velocidade c) Em dias de chuva, carros com pneus próprios para pista seca
igual a 30,0 m/s. (Se necessário adote g = 10 m/s2) conseguem fazer a curva, sem derrapar, a uma velocidade má-
a) Que força constante deve ser aplicada para parar o corpo em xima igual a 72,0 km/h. Nessas condições, calcule o coeficiente
5,0 s? de atrito estático entre os pneus e a pista.
b) Que força constante deve ser aplicada para que o corpo
pare, depois de ter percorrido 1,0 m? (UFRRJ-2008) - ALTERNATIVA: B
Aproveitando o tempo ocioso entre um compromisso e outro,
Paulo resolve fazer compras em um supermercado. Quando pre-
(UDESC-2008) - RESPOSTA a) 0,5 m b) 1/2 enche completamente o primeiro carrinho com mercadorias, uti-
Ao realizar a simulação do movimento do bloco A, conforme liza-se de um segundo, que é preso ao primeiro por meio de um
figura abaixo, um engenheiro de produção e sistemas conside- gancho, como demonstra a figura.
rou desprezível o atrito e as massas das polias. (Se necessário
adote g = 10 m/s2) UFRRJ - 2008 - Q.38

Figura adaptada de http://www.fisicalegal.net

Sabe-se que as massas dos carrinhos estão distribuídas unifor-


memente, e que seus valores são iguais a m1 = 40 kg e m2 = 22
kg. Paulo puxa o carrinho com uma força constante de módulo
igual a 186 N.
Admitindo que o plano é perfeitamente horizontal e que é
desconsiderada qualquer dissipação por atrito, a aceleração
máxima desenvolvida pelos carrinhos é de
a) Quando o móvel A se desloca 1,00 m para a direita, quantos
a) 2,2 m/s2 d) 8,5 m/s2
metros o bloco B desce? Justifique a sua resposta. 2
b) Qual é a relação entre as intensidades das trações, nos *b) 3,0 m/s e) 12,1 m/s2
2
blocos A e B? c) 4,6 m/s
japizzirani@gmail.com 22
(FEI-2008) - ALTERNATIVA: C (UFRJ-2008) - RESPOSTA: NO FINAL
Qual é a marcação do dinamômetro abaixo? Uma mola de constante elástica k e comprimento natural L está
a) 0 N presa, por uma de suas extremidades, ao teto de um elevador e,
b) 50 N pela outra extremidade, a um balde vazio de massa M que pen-
*c) 100 N de na vertical. Suponha que a mola seja ideal, isto é, que tenha
d) 150 N mas- sa desprezível e satisfaça à lei de Hooke.
e) 200 N

(FEI-2008) - ALTERNATIVA: E
Na representação abaixo, qual é o mínimo coeficiente de atrito
estático para o corpo permanecer em repouso?
Dados: sen = 0,8
cos = 0,6
g = 10 m/s2
a) 0,25
b) 0,50
c) 0,75
d) 1,25
*e) 1,33 a) Calcule a elongação x0 da mola supondo que tanto o elevador
quanto o balde estejam em repouso, situação ilustrada na figura
(FEI-2008) - ALTERNATIVA: C 1, em função de M, k e do módulo g da aceleração da gravidade.
Assinale a alternativa correspondente a uma afirmação correta. b) Considere, agora, uma situação na qual o elevador se mova
a) A força normal é reação da força peso. com aceleração constante para cima e o balde esteja em repou-
b) A lei da ação e reação só é válida onde existe gravidade. so relativamente ao elevador. Verifica-se que a elongação da
*c) A força resultante é o produto da massa pela aceleração. mola é maior do que a anterior por um valor d, como ilustra a
d) A lei da inércia não é válida no vácuo. figura 2.
e) A aceleração de um corpo depende da massa e da velocida-
de do corpo.

(FATECSP-2008) - ALTERANTIVA: D
Uma corrente com dez elos, sendo todos de massas iguais, está
apoiada sobre o tampo horizontal de uma mesa totalmente sem
atrito. Um dos elos é puxado para fora da mesa, e o sistema é
abandonado, adquirindo, então, movimento acelerado. No ins-
tante em que o quarto elo perde contato com a mesa, a acelera-
ção do sistema é
a) g
b) (2/3).g
c) (3/5).g
*d) (2/5).g
e) (1/10).g Calcule o módulo da aceleração do balde em termos de k, M e d.

(UFRJ-2008) - RESPOSTA: NO FINAL RESPOSTA UFRJ-2008


Uma força horizontal de módulo F puxa um bloco sobre uma me- GABARITO OFICIAL: As forças aplicadas no balde são o seu
sa horizontal com uma aceleração de módulo a, como indica a peso, de módulo Mg, orientada para baixo, e a força elástica da
figura 1. mola, orientada para cima, de módulo F = kx, sendo x o módulo da
elongação da mola.
(a) Nessa situação, a força resultante sobre o balde é nula, uma
vez que o balde tem aceleração nula. Portanto, temos –Mg + kx0
= 0, donde x0 = Mg/k.
(b) Nessa nova situação, o balde está acelerado, de modo que a
força resultante sobre ele satisfaz à Segunda Lei de Newton
k(x0 + d) – Mg = Ma, onde a é o módulo da aceleração do balde.
Sabe-se que, se o módulo da força for duplicado, a aceleração Lembrando que kx0 = Mg, temos kd = Ma, donde a= kd/M.
terá módulo 3a , como indica a figura 2. Suponha que, em ambos
os casos, a única outra força horizontal que age sobre o bloco
(UFCE-2008) - RESPOSTA NO FINAL
seja a força de atrito - de módulo invariável f - que a mesa exer-
Duas esferas, de mesmo volume (V) e com densidades diferen-
ce sobre ele.
Calcule a razão f / F entre o módulo f da força de atrito e o módu- tes 1 e 2, caem, sem atrito, atraves de um fluido com densida-
lo F da força horizontal que puxa o bloco. de . Determine:
a) as forcas que atuam nas esferas.
RESPOSTA UFRJ-2008 b) a razao entre as aceleracoes de cada uma das esferas.
GABARITO OFICIAL: Aplicando a Segunda Lei de Newton à situ- RESPOSTA UFCE - 2008:
ação da figura 1, temos F - f = m a. a) PESOS: P1 = 1Vg e P2 = Vg
2
Aplicando a Segunda Lei de Newton à situação ilustrada na
EMPUXOS: E1 = E2 = Vg
figura 2, temos 2F - f = m 3 a
Resolvendo o sistema formado por essas duas equações, obte- b)
mos f / F = 1 / 2
japizzirani@gmail.com 23
(UFF/RJ-2008) - ALTERNATIVA: A (UFPR-2008) - RESPOSTA: NO FINAL
Professores do Instituto de Física da UFF estudam a dinâmica do Uma caixa se movimenta sobre uma superfície horizontal e, quan-
movimento de placas geológicas que compõem a crosta terres- do sua velocidade tem módulo 10 m/s, passa a subir uma rampa,
tre, com o objetivo de melhor compreender a física dos terremo- conforme indicado na figura. Sabendo que o coeficiente de atrito
tos. Um sistema simples que exibe os elementos determinantes entre o bloco e o material da rampa é 0,75, calcule até que altura,
desta dinâmica é composto por um bloco apoiado sobre uma me- em relação à superfície horizontal, a caixa irá subir nessa ram-
sa horizontal rugosa e puxado por uma mola, como mostrado pa.
abaixo. A mola é esticada continuamente por uma força F de mó-
dulo crescente, mas o bloco permanece em repouso até que o
atrito não seja mais suficiente para impedir seu deslocamento.

Enquanto não houver deslizamento, é correto afirmar que: RESPOSTAUFPR-2008


*a) o módulo da força que o bloco faz sobre a mola é igual ao Considere a seguinte figura:
módulo da força de atrito sobre o bloco;
b) o módulo da força de atrito sobre o bloco é maior que o módulo
da força que a mola faz sobre o bloco;
c) o módulo da força de atrito depende da força normal sobre o
bloco, já que a normal é a reação ao peso;
d) o módulo da força que a mola faz sobre o bloco é maior que o
módulo da força que o bloco faz sobre a mola;
e) o módulo da força de atrito sobre o bloco não muda enquanto
a mola é esticada.
Resultante na direção do movimento:
(UFPR-2008) - ALTERNATIVA: NO FINAL
O empregado de uma transportadora precisa descarregar de R = P.sen + .N
dentro do seu caminhão um balcão de 200 kg. Para facilitar a ta- R = m.a = mgsen + .mgcos a = 12 m/s2
refa do empregado, esse tipo de caminhão é dotado de uma ram- v2 = v02 - 2a.d d = 25/6 m
pa, pela qual podem-se deslizar os objetos de dentro do cami- sen = h/d h = 2,5 m
nhão até o solo sem muito esforço. Considere que o balcão está
completamente sobre a rampa e deslizando para baixo. O em- OUTRA SOLUÇÃO PARA UFPR-2008:
pregado aplica nele uma força paralela à superfície da rampa, Quando forças dissipativas atuam num sistema, o trabalho delas
segurando-o, de modo que o balcão desça até o solo com velo- será igual à variação da energia mecânica total, logo
cidade constante. Desprezando a força de atrito entre o balcão
e a rampa, e supondo que esta forme um ângulo de 30º com o
E = Wfa mgh – (1/2)mv02 = –fa.d = – N.d (I)
solo, o módulo da força paralela ao plano inclinado exercida pelo
empregado é: da figura acima tem-se:
-) 2000 N N = mgcos e d = h/sen
-) 1000 3 N Substituindo-se na equação (I) tem-se: h = 2,5 m
-) 2000 3 N
-) 1000 N (U.F. VIÇOSA-2008) - ALTERNATIVA: D
-) 200 N Em um autódromo completamente plano e horizontal, um veículo
Resposta correta: 1000 N parte da largada no instante t = 0 e percorre as curvas C1, C2, C3,
C4 e C5, conforme indicado na figura abaixo, com uma velocidade
(PUCMINAS-2008) - ALTERNATIVA: B constante em módulo.
Um carro está movendo-se para a direita com uma determinada
velocidade, quando os freios são aplicados. Assinale a opção
que dá o sentido correto para a velocidade v do carro, sua ace-
leração a e a força resultante F que atua no carro enquanto ele
freia.

Sabendo que o raio de C2 > C1 = C3 > C4 = C5, o gráfico que melhor


representa a força que atua sobre o veículo ao percorrer o
circuito é:

japizzirani@gmail.com 24
(PUCMINAS-2008) - ALTERNATIVA: B (UNIOESTE/PR-2008) - ALTERNATIVA: A
A figura representa um vagão, que se move em trilhos retos hori- Um dos métodos que podem ser usados para medir experimen-
zontais, com um pêndulo simples pendurado em seu teto, estan- talmente o coeficiente de atrito estático entre um corpo e uma su-
do o pêndulo em repouso em relação ao vagão. perfície consiste em colocar o corpo sobre uma superfície que
pode ser elevada em torno de um eixo posicionado em uma de
suas extremidades, conforme mostra a figura abaixo. Deve-se
elevar a extremidade livre até que o corpo esteja na eminência
de escorregar e, então, anotar o ângulo . Supondo que o corpo
tem peso P e realizando o procedimento conforme descrito, qual
deve ser o valor do coeficiente de atrito estático?
I. O vagão 1 está em movimento uniformemente variado.
II. O vagão 2 move-se para a direita em movimento acelerado.
III. O vagão 2 move-se para a direita em movimento retardado.
IV. O vagão 3 move para a esquerda em movimento acelerado.
V. O vagão 3 move-se para a direita em movimento retardado.
São CORRETAS as afirmações:
a) I, II, III e V estão corretas.
*b) II, IV e V apenas.
c) III, IV e V apenas.
d) I, II, III e IV.

(PUCMINAS-2008) - ALTERNATIVA: 33-B e 34-A


As questões 33 e 34 referem-se ao texto a seguir. *a) tg
Um dos atrativos da vida na Lua em geral era, sem dúvida algu- b) cos
ma, a baixa gravidade, produzindo uma sensação de bem- c) sen
estar generalizada. Contudo, isso, apresentava os seus peri- d) sen + cos
gos e era preciso que decorressem algumas semanas até que e) sen - cos
o emigrante procedente da Terra conseguisse adaptar-se. Um
homem que pesasse na Terra noventa quilogramas-força (90
kgf) poderia descobrir, para grande satisfação sua, que na Lua (UECE/CE-2008) - ALTERNATIVA: B
seu peso seria de apenas 15 kgf. Se deslocasse em linha reta Assinale a alternativa que, de acordo com a física newtoniana,
e velocidade constante, sentiria uma sensação maravilhosa, contém apenas grandezas (físicas) que não dependem do refe-
como se flutuasse. Mas, assim que resolvesse alterar o seu rencial inercial adotado.
curso, virar esquinas ou deter-se subitamente, então percebe- a) Trabalho e energia cinética
ria que sua massa continuava presente. *b) Força, massa e aceleração
(Adaptado de 2001: Uma odisséia no espaço, de Arthur C.Clark apud c) Massa, energia cinética e aceleração
Beatriz Alvarenga e Antonio Maximo Ribeiro da Luz. Curso de Física.) d) Temperatura e velocidade

33. Considerando-se a gravidade na Terra como 10 m/s2 e 1kgf


(UECE/CE-2008) - ALTERNATIVA: B
= 10 N, é CORRETO afirmar que a gravidade na Lua será: Ao bloco da figura a seguir, é dada uma velocidade inicial v, no
a) nula, a pessoa estaria sujeita apenas aos efeitos de sua pró- sentido de subida do plano inclinado, fixo ao chão. O coeficiente
pria massa.
de atrito entre o bloco e o plano é e a inclinação do plano é .
*b) aproximadamente de 1,6 m/s2. QUESTÃO 33
c) aproximadamente 10m/s2, o que mudaria para o emigrante
terrestre na Lua é sua massa, que diminuiria.
d) aproximadamente 10m/s2 e estaria na vertical para cima, faci-
litando a flutuação e o deslocamento dos objetos.

34. Considere um corpo na Lua, colocado em uma superfície pla-


na e que, sobre ele, atue uma força horizontal conforme ilustra-
do a seguir. Os coeficientes de atrito estático e cinético entre o
objeto e a superfície sobre a qual ele está apoiado valem respec-
tivamente e = 0,2 e c = 0,1.
Denotando por g a aceleração da gravidade, a distância que o
bloco se moverá, até parar, ao subir ao longo do plano inclinado
é:

a)
F = 1,34 N
*b)
Assinale a afirmação CORRETA sobre o objeto.
*a) Irá adquirir uma aceleração de aproximadamente 0,5 m/s2.
b) Não entrará em movimento, pois a força externa é menor que c)
a força de atrito máxima.
c) Irá adquirir uma aceleração de 1,67 m/s2.
d)
d) Irá deslocar-se em movimento retilíneo uniforme.
japizzirani@gmail.com 25
(UFTPR-2008) - ALTERNATIVA: A (UTFPR-2008) - ALTERNATIVA: C
Um corpo de peso P encontra-se em equilíbrio sobre um plano in- Três blocos estão ligados através de cordas esticadas e muito
clinado, conforme a representação figurada. Se o ângulo do pla- leves; eles repousam sobre uma superfície horizontal com atrito
no com a horizontal é de 30º e o atrito entre as superfícies em desprezível, conforme mostra a figura. As massas dos blocos
contato é desprezível, a força de tração na corda é igual a: são m1 = 10Kg, m2 = 20Kg e m3 = 30Kg. O sistema entra em movi-
mento quando os blocos são puxados para a direita com uma
força constante F3 = 12N. Seja T1 a tensão na corda que une os
blocos de massa m1 e m2 e T2 a tensão na corda que une os blo-
cos de massa m2 e m3.

Pode-se afirmar que:


a) T2 = 2T1.
*a) 0,5.P b) ( 3/3).P c) ( 3/2).P
b) T1 = 2T2.
d) 2.P e) 3.P
*c) T2 = 6,0N .
d) T1 = 1,2N .
(UTFPR-2008) - ALTERNATIVA: C e) F3 = T2 + T1.
O sofá de Dona Amélia pesa 300 N. Durante uma limpeza, ela te-
ve de deslocá-lo sobre o piso da sala com velocidade constante.
Para tal, foi necessário aplicar uma força horizontal de intensida- (FGVSP-2008) - ALTERNATIVA: A - RESOLUÇÃO NO FINAL
de de 1,0 × 102 N. O coeficiente de atrito dinâmico entre o bloco Uma caixa encontra-se sobre um plano horizontal e sobre ela
e o piso da sala vale: uma força constante de intensidade atua horizontalmente da es-
a) 3,0 × 10 querda para a direita, garantindo-lhe um movimento retilíneo e
b) 3,3 × 10 uniforme.
*c) 3,3 × 10-1
d) 1,5 × 10-1
e) 2,0 × 10-1

(UTFPR-2008) - ALTERNATIVA: B
Soldados do Corpo de Bombeiros, em certos casos de salvamen-
to, costumam fazer a manobra representada na figura a seguir.
Considerando que o soldado, suspenso na corda está parado,
Com base nas leis de Newton, analise:
sua massa seja de 60 kg e que TA e TB sejam as trações na cor-
da, respectivamente, nos lados esquerdo e direito. I. Uma pessoa, dentro da caixa e impedida de ver o exterior, teria
(Dado: g = 10 m/s2; sen30º = cos60º = 0,5; sen60º = cos30º = dificuldade em afirmar que a caixa possui movimento relativa-
0,87) mente ao plano horizontal.

II. A força resultante sobre a caixa é um vetor horizontal, que


possui sentido da esquerda para a direita e intensidade igual a
.

III. O componente do par ação/reação correspondente à força é


outra força que atua sobre a caixa, horizontalmente, com a mes-
ma intensidade de , porém de sentido da direita para a esquerda.
Está correto o contido em
*a) I, apenas.
b) III, apenas.
c) I e II, apenas.
d) II e III, apenas.
Considerando estas informações, analise as seguintes afirma-
e) I, II e III.
ções:
I) As trações TA e TB seriam iguais ainda que o bombeiro não esti- RESOLUÇÃO FGVSP-2008
vesse no ponto médio da corda.
II) Os valores de TA , TB e P serão iguais se for igual a 30º. I. Correto. Uma vez que o movimento é retilíneo e uniforme, os
es- tados dinâmicos de repouso ou MRU são similares, confor-
III) Os valores de TA , TB e P serão iguais se for igual a 45º.
me enuncia a primeira lei de Newton.
Estão corretas:
a) apenas I.
II. Errado. A garantia de que ocorre um movimento retilíneo unifor-
*b) apenas II.
me, nesse caso, se dá devido a uma força resultante nula.
c) apenas III.
d) II e III, apenas.
III. Errado. Os componentes ação/reação não atuam no mesmo
e) I, II e III. corpo.
japizzirani@gmail.com 26
(FGVRJ-2008) - ALTERNATIVA: B (UNESP-2008) - ALTERNATIVA: A
A experiência ilustrada abaixo representa um relógio de areia Certos automóveis possuem um recurso destinado a manter a
que está apoiado sobre uma balança digital, considerando os velocidade do veículo constante durante a viagem. Suponha que,
seguintes tempos: t = 0 h , t = 0,001 h e t = 1 h, em que h repre- em uma parte de uma estrada sem curvas, o veículo passe por
senta hora(s). um longo trecho em subida seguido de uma longa descida, sem-
pre com velocidade constante. Desprezando o efeito de atrito
com o ar e supondo que o controle da velocidade é atribuído ex-
clusivamente ao motor, considere as afirmações:
I. Durante o percurso, a resultante das forças aplicadas sobre o
automóvel é constante e não nula.
II. Durante o percurso, a resultante das forças aplicadas sobre o
automóvel é nula.
III. A força tangencial aplicada pela pista às rodas tem mesmo
sentido da velocidade na descida e contrário na subida.
Estão corretas as afirmações:
*a) II, apenas.
b) I e II, apenas.
c) I e III, apenas.
d) II e III, apenas.
e) I, II e III.

(UNESP-2008) - RESPOSTA NO FINAL


Dois corpos, A e B, atados por um cabo, com massas mA = 1 kg
e mB = 2,5 kg, respectivamente, deslizam sem atrito no solo ho-
rizontal sob ação de uma força, também horizontal, de 12 N apli-
cada em B. Sobre este corpo, há um terceiro corpo, C, com mas-
sa mC = 0,5 kg, que se desloca com B, sem deslizar sobre ele. A
figura ilustra a situação descrita.

Na situação 2, a medida do peso do relógio de areia:


a) permanece constante.
*b) diminui e depois aumenta.
c) aumenta.
d) aumenta e depois diminui.
e) aumenta de forma contínua.
Calcule a força exercida sobre o corpo C.
(MACK-2008) - ALTERNATIVA: C
RESPOSTAUNESP-2008:
No sistema a seguir, o fio e a polia são considerados ideais e o
Supondo que a força pedida é a resultante sobre o corpo C,
atrito entre as superfícies em contato é desprezível. Abandonan-
temos:
do-se o corpo B a partir do repouso, no ponto M, verifica- se que,
após 2 s, ele passa pelo ponto N com velocidade de 8 m/s. RC = mC × = 0,5 × 3 RC = 1,5 N
Sabendo-se que a massa do corpo A é de 5 kg, a massa do cor- Observação: se interpretarmos que a força pedida é a exercida
po B é pela Terra, teríamos PC = 5,0 N. Se considerássemos a força pe-
dida a que o corpo B exerce sobre o C, teríamos FBC = 5,2 N.

(UNIFESP-2008) - ALTERNATIVA: C
Na figura está representado um lustre pendurado no teto de uma
sala.

Nessa situação, considere as seguintes forças:


I. O peso do lustre, exercido pela Terra, aplicado no centro de
gravidade do lustre.
Dados: II. A tração que sustenta o lustre, aplicada no ponto em que o lus-
tre se prende ao fio.
g = 10m/s2
III. A tração exercida pelo fio no teto da sala, aplicada no ponto em
cos 37o = 0,8 que o fio se prende ao teto.
sen 37o = 0,6 IV. A força que o teto exerce no fio, aplicada no ponto em que o
fio se prende ao teto.
a) 1 kg Dessas forças, quais configuram um par ação-reação, de acor-
b) 2 kg do com a Terceira Lei de Newton?
*c) 3 kg a) I e II. d) I e III.
d) 4 kg b) II e III. e) II e IV.
e) 5 kg *c) III e IV.
japizzirani@gmail.com 27
(UNIFESP-2008) - ALTERNATIVA: A (PUCRS-2008) - ALTERNATIVA: E
Uma menina deixa cair uma bolinha de massa de modelar que se Um objeto largado de um avião descreve uma trajetória parabó-
choca verticalmente com o chão e pára; a bolinha tem massa 10 lica como mostra a linha tracejada da figura a seguir. Se a resis-
g e atinge o chão com velocidade de 3,0 m/s. Pode-se afirmar tência do ar é desprezada, a força resultante que age sobre o
que o impulso exercido pelo chão sobre essa bolinha é vertical, projétil na posição indicada pode ser representada pelo vetor
tem sentido para
*a) cima e módulo 3,0·10-2 N·s.
b) baixo e módulo 3,0·10-2 N·s. a) A
c) cima e módulo 6,0·10-2 N·s.
b) B
d) baixo e módulo 6,0·10-2 N·s.
e) cima e módulo igual a zero. c) C

(PUCPR-2008) - ALTERNATIVA: A d) D
Na figura é mostrado o gráfico da força resultante que atua so-
bre um modelo de automóvel em função do tempo. O modelo está *e) E
inicialmente em repouso e tem massa 0,200 kg. Analise as afir-
mações abaixo:

(UEM/PR-2008) - ALTERNATIVA: B
Em um pêndulo cônico (representado na figura abaixo), a boli-
nha descreve um movimento circular uniforme no plano horizon-
tal. O comprimento da trajetória da bolinha é de aproximadamen-
te 62,8 m e o ângulo formado entre o fio pendular e a vertical é de
45º. Considere g = 10,0 m/s2 e = 3,14 . Nessas condições, a
velocidade escalar da bolinha é, aproximadamente,
a) 12,0 m/s.
*b) 10,0 m/s.
c) 5,0 m/s.
d) 15,0 m/s.
e) 1,0 m/s.
I. O módulo da velocidade do modelo é máxima e constante entre
os instantes 2s e 4s.
II. O modelo pára momentaneamente no instante 7s.
III. Entre 2s e 4s, a aceleração a velocidade do modelo diminui.
IV. Após o instante 10s o modelo fica em repouso.
Marque a alternativa que contém todas e apenas as afirmações
corretas.
*a) I e II.
b) II e III.
c) Apenas II. (UEM/PR-2008) - ALTERNATIVA: A
d) Apenas I. Um homem deseja manter suspensa e em repouso uma caixa de
e) II, III e IV. massa M. Para isso, ele faz uso de cordas e de polias. Qual es-
quema abaixo ele deve usar para manter a caixa suspensa em
repouso com menor esforço e por quê? Considere desprezíveis
(FATECSP-2008) - ALTERNATIVA: A o atrito da corda com as polias, as massas das cordas e as mas-
Um corpo de massa 400g, apoiado num plano inclinado de 37o sas das polias.
com a horizontal e perfeitamente liso, é preso à extremidade de
uma mola que tem sua outra extremidade fixa. Na condição de
equilíbrio do corpo a mola apresenta deformação de 5,0 cm. São
dados: g = 10 m/s2 , sen 37o = 0,60 e cos 37o = 0,80.

*a) Ele deve usar o esquema A, pois precisaria exercer uma


força com a metade da intensidade do peso da caixa.
b) Ele deve usar o esquema B, pois precisaria exercer uma for-
ça com a metade da intensidade do peso da caixa.
A constante elástica da mola, em N/m, vale: c) Ele deve usar o esquema A, pois precisaria exercer uma for-
*a) 48 ça com um terço da intensidade do peso da caixa.
b) 36 d) Ele deve usar o esquema B, pois precisaria exercer uma for-
c) 24 ça com um terço da intensidade do peso da caixa.
d) 18 e) Ele pode usar qualquer um dos esquemas, pois o número de
e) 12 polias é o mesmo nos dois esquemas.
japizzirani@gmail.com 28
(UEM/PR-2008) - ALTERNATIVA: C (UFMG-2008) - ALTERNATIVA: A
O desenho abaixo ilustra um trabalhador puxando por uma cor- Durante uma aula de Física, o professor Domingos Sávio faz,
da um carrinho que se desloca em linha reta. para seus alunos, a demonstração que se descreve a seguir.
Inicialmente, dois blocos - I e II - são colocados, um sobre o ou-
tro, no ponto P, no alto de uma rampa, como representado nesta
figura:

Em seguida, solta-se o conjunto formado por esses dois blocos.


Despreze a resistência do ar e o atrito entre as superfícies en-
O puxão da corda efetuado pelo trabalhador pode ser descrito
volvidas. Assinale a alternativa cuja figura melhor representa a
como uma força que
posição de cada um desses dois blocos, quando o bloco I esti-
a) possui somente magnitude.
b) possui somente direção. ver passando pelo ponto Q da rampa.
*c) possui direção e magnitude.
d) não possui nem direção nem magnitude. *a)
e) realiza um torque.
(UEM/PR-2008) - ALTERNATIVA: A
O gráfico abaixo representa uma relação entre a força gra-
vitacional F e a massa m de um objeto próximo à superfície da
Terra. b)

c)

O coeficiente angular da reta fornece


*a) a aceleração da gravidade. d)
b) a constante universal da gravitação.
c) o momento do objeto.
d) o peso do objeto.
e) o torque.
(UFERJ-2008) - ALTERNATIVA: A (GABARITO OFICIAL) (UFMG-2008) - ALTERNATIVA: A
Nos Jogos Paraolímpicos de Athenas de 2004, o nadador Devido a um congestionamento aéreo, o avião em que Flávia via-
Clodoaldo Francisco da Silva tornou-se o maior nome do Brasil java permaneceu voando em uma trajetória horizontal e circular,
na competição, com seis medalhas de ouro e uma de prata. No com velocidade de módulo constante. Considerando-se essas
entanto, vários outros atletas também obtiveram grandes mar- informações, é CORRETO afirmar que, em certo ponto da traje-
cas nesta Olimpíada, como por exemplo Terezinha Guilhermina tória, a resultante das forças que atuam no avião é
que quebrou recordes brasileiros nas provas de corrida, cor- *a) horizontal.
respondentes aos 400m, 800m e 1500 metros rasos. Embora b) vertical, para baixo.
haja diferenças flagrantes entre atletas olímpicos e paraolímpicos, c) vertical, para cima.
do ponto de vista dos conceitos físicos, sob vários aspectos, d) nula.
eles podem ser considerados como idênticos. Por exemplo, para
que a eficiência máxima por atleta seja alcançada durante uma (UERJ-2008) - ALTERNATIVA: C
prova de corrida, é necessário, que no momento do contato A figura abaixo representa um sistema composto por uma rolda-
entre o solo e o pé do atleta, o pé esteja parado em relação ao na com eixo fixo e três roldanas móveis, no qual um corpo R é
solo. Considere que as forças de atrito cinético e de atrito está- mantido em equilíbrio pela aplicação de uma força F, de uma
tico, que podem atuar sobre o pé, sejam representadas por FC e determinada intensidade.
FE, respectivamente. No instante em que o pé do atleta toca o Considere um sistema análogo, com maior número de roldanas
solo, estas forças que atuam sobre ele estão corretamente re- móveis e intensidade de F inferior a 0,1% do peso de R.
presentadas na alternativa: Consideranfo os fios e as roldansas ideais, o menor número
* possível de roldanas móveis para manter esse novo sistema em
equilíbrio deverá ser igual a:
a) 8
b) 9
*c) 10
d) 11

japizzirani@gmail.com 29
(UERJ-2008) - ALTERNATIVA: 34-C e 35- D (UERJ-2008) - RESPOSTA: 2,5 kg
UTILIZE AS INFORMAÇÕES A SEGUIR PARA RESPONDER ÀS Os corpos A e B, ligados ao dinamômetro D por fios inextensíveis,
QUESTÕES DE NÚMEROs 34 E 35. deslocam-se em movimento uniformemente acelerado. Observe
Desde Aristóteles, o problema da queda dos corpos é um dos a representação desse sistema, posicionado sobre a bancada
mais fundamentais da ciência. Como a observação e a medida de um laboratório.
diretas do movimento de corpos em queda livre eram difíceis de
realizar, Galileu decidiu usar um plano inclinado, onde poderia
estudar o movimento de corpos sofrendo uma aceleração mais
gradual do que a da gravidade.
MICHEL Rival
Adaptado de Os grandes experimentos científicos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

Observe, a seguir, a reprodução de um plano inclinado usado no


final do século XVIII para demonstrações em aula.

A massa de A é igual a 10 kg e a indicação no dinamômetro é igual


a 40 N. Desprezando qualquer atrito e as massas das roldanas
e dos fios, estime a massa de B. Considere g = 10 m/s2.

(UERJ-2008) - RESPOSTA: 0,75


Um bloco de massa igual a 1,0 kg repousa em equilíbrio sobre um
plano inclinado. Esse plano tem comprimento igual a 50 cm e al-
cança uma altura máxima em relação ao solo igual a 30 cm.
Calcule o coeficiente de atrito entre o bloco e o plano inclinado.

(UNICAMP-2008) - RESPOSTA: a) 0,036 N.m b) 3,2 m


O irrigador rotativo, representado na figura, é um dispositivo
bastante utilizado para a irrigação de jardins e gramados. Para
Adaptado de Os dez mais belos experimentos científicos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.
seu funcionamento, o fluxo de água de entrada é dividido em três
terminais no irrigador. Cada um destes terminais é inclinado em
relação ao eixo radial para que a força de reação, resultante da
Admita que um plano inclinado M1, idêntico ao mostrado na figu-
mudança de direção dos jatos de água no interior dos terminais,
ra, tenha altura igual a 1,0 m e comprimento da base sobre o solo proporcione o torque necessário para girar o irrigador. Na figura,
igual a 2,0 m. Uma pequena caixa é colocada, a partir do repou-
os vetores coplanares F1, F2 e F3 representam as componentes
so, no topo do plano inclinado M1 e desliza praticamente sem
das forças de reação perpendiculares aos vetores r1, r2 e r3
atrito até a base. Em seguida, essa mesma caixa é colocada, nas
respectivamente.
mesmas condições, no topo de um plano inclinado M2, com a
mesma altura de M1 e comprimento da base sobre o solo igual a
3,0 m.

34. A razão v1/v2 entre as velocidades da caixa ao alcançar o


solo após deslizar, respectivamente, nos planos M1 e M2, é igual
a:
a) 2
b) 2
*c) 1
d) 1/ 2

35. A razão t1/ t2 entre os tempos de queda da caixa após desli-


zar, respectivamente, nos planos M1 e M2 , é igual a:
a) 2
b) 2
c) 1
*d) 1/ 2

(UERJ-2008) - RESPOSTA: 120 m a) Se os módulos das forças F1, F2 e F3 valem 0,2N e os módu-
Um elevador que se encontra em repouso no andar térreo é aci- los de r1, r2 e r3 são iguais a 6,0 cm, qual é o torque total (mo-
onado e começa a subir em movimento uniformemente acelerado
mento resultante das forças) sobre o irrigador, em relação ao
durante 8 segundos, enquanto a tração no cabo que o suspende
seu centro, produzido pelos três jatos de água em conjunto?
é igual a 16.250 N. Imediatamente após esse intervalo de tempo,
b) Considere que os jatos de água sejam lançados horizontal-
ele é freado com aceleração constante de módulo igual a 5 m/s2, mente da extremidade do irrigador a uma altura de 80 cm do solo
até parar. Determine a altura máxima alcançada pelo elevador, e com velocidade resultante de 8,0 m/s. A que distância horizon-
sabendo que sua massa é igual a 1.300 kg e que g = 10 m/s2. tal do ponto de lançamento, a água atinge o solo?
japizzirani@gmail.com 30
(UFOP-2008) - ALTERNATIVA: A (UNIMONTES-2008) - ALTERNATIVA: A
Assinale a alternativa incorreta. Um carrinho de massa 10kg é empurrado, horizontalmente, so-
*a) O período de um pêndulo de comprimento l é menor na Lua do bre uma superfície plana horizontal, com força constante de
que na Terra. 20N. A força de atrito entre as rodas do carrinho e o piso vale 5N.
b) A força de empuxo sobre um objeto mergulhado em um fluido A aceleração do movimento do carrinho é igual a
é menor na Lua do que na Terra. (Dado: g = 10 m/s2)
c) Os tempos de queda de uma pena e de um martelo, ambos *a) 1,5 m/s2.
“largados” em um mesmo instante, a uma mesma altura, na Lua,
são iguais. b) 2,5 m/s2.
d) A força que mantém a Lua em órbita da Terra é da mesma na- c) 2,0 m/s2.
tureza da força que mantém a Terra em órbita do Sol. d) 3,0 m/s2.

(UNIMONTES-2008) - ALTERNATIVA: B
(UFOP-2008) - RESPOSTA: FAZER
Na figura abaixo, representamos um sistema formado por dois
A massa de um elevador é de 500kg . Considere g =10m/s2 e
corpos de massas m1= 4 kg e m2=6 kg. As coordenadas do
resolva os itens a seguir.
a) Calcule a força de tensão no cabo do elevador quando ele centro de massa do sistema, XCM e YYM, são, respectivamente,
está em repouso e quando está subindo com velocidade cons- a) 2,0 m e 1,5 m.
tante. *b) 2,2 m e 1,2 m.
b) Suponha que, ao iniciar a subida, o elevador possua uma c) 3,0 m e 2,2 m.
d) 2,5 m e 3,0 m.
aceleração de 2m/s2. Calcule a força de tensão no cabo do ele-
vador, nesse instante.
c) O cabo do elevador pode suportar uma força de tensão máxi-
ma de 104 N. Calcule a aceleração máxima que se pode comuni-
car ao elevador sem que o cabo arrebente.

(UFJF-2008) - ALTERNATIVA: A
Um carrinho desliza sem qualquer tipo de atrito ao longo da ram- (UNIMONTES-2008) - ALTERNATIVA: A (GABARITO OFICIAL)
pa indicada na figura, a seguir, cuja parte baixa é um arco de Uma bola de futebol é abandonada de uma altura H = 500m em
circunferência. No ponto mais baixo da rampa, a força resultante relação ao solo da Terra e o atinge com uma velocidade VT. A
sobre o carrinho é melhor representada por qual seta? mesma experiência é realizada na Lua, sendo a bola abandona-
da da mesma altura H em relação ao solo lunar, atingindo-o com
velocidade VL. Levando-se em conta a influência da atmosfera
terrestre sobre a bola, marque a alternativa em cujos gráficos
sejam possíveis representações CORRETAS das funções velo-
cidade versus tempo, nos dois casos.

*a)

*a) seta A
b) seta B
c) seta C b)
d) seta D
e) seta E (Seta de comprimento nulo; a força resultante no ponto
mais baixo é nula.)
c)
(VUNESP-2008) - ALTERNATIVA: E
Uma caixa, contendo uma geladeira com massa to-
tal de 120 kg, é colocada no interior da cabine de um
elevador que sobe em movimento uniformemente d)
acelerado com aceleração de 2 m/s2.
Se a embalagem tem base quadrada de 80 cm de
lado e considerando g = 10 m/s2, a razão entre a
força exercida pela embalagem no piso do elevador
e a área na qual se distribui essa força, em N/m2, é (CEFETSP-2008) - ALTERNATIVA: C
a) 985. d) 1 875. Um sistema constituído por uma mola
b) 1 100. *e) 2 250. ideal e uma massa de 50 g foi montado
c) 1 200. ao lado de uma régua milimetrada. A si-
tuação I da figura mostra a mola NÃO
(UNIFEI-2008) - RESPOSTA: v’ = - 0,13 m/s. O sentido do movi- distendida. O sistema é, então, levado
mento será o mesmo do movimento inicial do carrinho de massa até a posição indicada na situação II,
500 g. permanecendo em repouso nessa po-
Um carrinho de massa igual a 250 g move-se numa superfície sição. A constante elástica da mola, em
lisa, sem atrito, com uma velocidade escalar de 1,2 m/s. Ele N/m vale:
colide e gruda num outro carrinho de massa 500 g, que se movia a) 0,63
Adote g = 10 m/s2
na mesma direção e em sentido contrário ao primeiro carrinho. b) 58
Sabendo-se que o módulo da velocidade desse segundo carrinho *c) 63
antes da colisão era de 0,80 m/s, qual é a velocidade dos d) 68
carrinhos após a colisão? e) 400
japizzirani@gmail.com 31
(UFSC2008) - RESPOSTA: SOMA = 20 (04 + 16) (UFPB-2008) - ALTERNATIVA: B
No livro Viagem ao Céu, Monteiro Lobato afirma que quando jo- A superfície de uma mesa é constituída de dois materiais distin-
gamos uma laranja para cima, ela sobe enquanto a força que tos, A e B. Um bloco de metal com massa igual a 2,0kg é lançado
produziu o movimento é maior que a força da gravidade. Quando sobre essa mesa com velocidade inicial de 5,0m/s. Inicialmente,
a força da gravidade se torna maior, a laranja cai. o bloco desliza sobre o material A e, a seguir, passa a deslizar
Assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S). sobre o material B. Os coeficientes de atrito cinético entre o blo-
01. Realmente na subida, após ser lançada pela mão de alguém, co e os dois materiais são, respectivamente, Ac = 0,35 e Bc =
haverá uma força maior do que o peso para cima, de modo a 0,25 e estão, representados no gráfico a seguir, em função da
conduzir a laranja até uma altura máxima. posição d.
02. Quando a laranja atinge sua altura máxima, a velocidade é
nula e todas as forças também se anulam.
*04. Supondo nula a resistência do ar, após a laranja ser lançada
para cima, somente a força peso atuará sobre ela.
08. Para que a laranja cesse sua subida e inicie sua descida, é
necessário que a força da gravidade seja maior que a menciona-
da força para cima.
*16. Supondo nula a resistência do ar, a aceleração da laranja
independe de sua massa.
Nesse contexto, a distância percorrida pelo bloco até atingir o
repouso é: (Adote g = 10 m/s2)
a) 2,0 m c) 1,0 m e) 3,0 m
(UFMS-2008) - RESPOSTA: SOMA = 018 (002 + 016) *b) 4,0 m d) 5,0 m
Dois trapezistas, que são crianças, possuem massas iguais a M,
e cada um deles segura em cordas que estão presas a um ponto
comum da extremidade esquerda de outra corda que passa por (UFPB-2008) - ALTERNATIVA: A
duas roldanas presas no teto. Na extremidade direita dessa ou- A figura abaixo representa uma situação de equilíbrio entre dois
tra corda, um outro trapezista, adulto, de massa 2M, está tam- blocos, com massa igual a m1 e a m2 respectivamente, ligados
bém pendurado e mantém o sistema em equilíbrio, veja a Fig. 01. por um fio passando por uma roldana, ambos com massa des-
Inicialmente os trapezistas estão em repouso, mas, quando qui- prezível.
serem, podem girar com relação a um eixo vertical independen-
temente, como mostram as figuras 02, 03 e 04. Desprezando a
massa da corda e outras forças dissipativas, é correto afirmar:

Desprezando-se, também, o atrito entre os blocos e as superfí-


cies, a relação entre os ângulos e é:

(ITA-2008) - ALTERNATIVA: C - RESOLUÇÃO NO FINAL


Numa dada balança, a leitura é baseada na deformação de uma
mola quando um objeto é colocado sobre sua plataforma. Consi-
derando a Terra como uma esfera homogênea, assinale a opção
que indica uma posição da balança sobre a superfície terrestre
onde o objeto terá a maior leitura.
a) Latitude de 45o.
(001) Na situação correspondente à Fig. 02, as duas crianças b) Latitude de 60o.
trapezistas estão em equilíbrio. c) Latitude de 90o.
*(002) Na situação correspondente à Fig. 03, o trapezista adulto d) Em qualquer ponto do Equador.
está em equilíbrio. e) A leitura independe da localização da balança
(004) Na situação correspondente à Fig. 04, todos os trapezistas já que a massa do objeto é invariável.
estão em equilíbrio na direção vertical.
(008) Todos os trapezistas permanecem em equilíbrio vertical RESOLUÇÃO:
somente na situação da Fig. 1. Devido à rotação da Terra, a maior indicação da balança se dará
*(016) Quando todos os trapezistas estão em equilíbrio vertical, em latitude elevada, sendo a maior possível nos pólos, já que em
a força tensora, na corda que passa pelas roldanas, é igual a outro local a força elástica (leitura da balança) não é igual ao
2Mg. peso, devido ao movimento de rotação da Terra.
japizzirani@gmail.com 32
(ITA-2008) - ALTERNATIVA: B (PUCCAMP-2008) - ALTERNATIVA: B
Na figura, um bloco sobe um plano inclinado, com velocidade Na superfície da Terra, onde g = 10 m/s2, um corpo de massa 2,0
inicial V0 . Considere o coeficiente de atrito entre o bloco e a kg apresenta peso P. Na superfície de Júpiter, onde a aceleração
superfície. Indique a sua velocidade na descida ao passar pela gravitacional vale 26 m/s2,
posição inicial. a) o peso do corpo é de 520 N.
*b) o peso do corpo é de 52 N.
c) o peso do corpo é de 52 kg.
d) a massa do corpo é de 52 kg.
e) a massa do corpo é de 5,2 kg.

(UECE-2008/2) - ALTERNATIVA: D
Um objeto tem uma velocidade constante ao longo do eixo -x,
orientada no sentido negativo.
Podemos afirmar, corretamente, que
a) a posição do objeto deve ser negativa.
b) a velocidade escalar média do objeto deve ser negativa.
* c) a aceleração do objeto deve ser negativa.
*d) a força resultante no objeto deve ser nula.

(MED.ITAJUBÁ-2008) - ALTERNATIVA: B
Considere um passageiro, sentado no banco de um veículo, vol-
tado para a frente do mesmo. Com o veículo em movimento ele
sente que suas costas comprimem o encosto do banco. Pode-se
afirmar que:
a) O movimento do veículo é uniforme.
*b) O movimento do veículo é acelerado.
c) O movimento do veículo é retardado.
d) O veículo descreve uma curva com velocidade constante.
(UEG-2008) - ALTERNATIVA: A e) Nenhuma das Respostas Anteriores
A força-G, ou “G-force”, como é mostrada nas corridas de Fór-
mula 1, é equivalente a uma unidade da aceleração da gravida- (UEG/GO-2008) - RESPOSTA NO FINAL
de na superfície da Terra. Com mudanças rápidas no vetor Uma partícula de massa m1 se encontra inicialmente na posição
velocidade de uma pessoa, a força-G pode ser multiplicada a x = L. Sobre o mesmo eixo e na posição x = 0 se encontra outra
valores extraordinários. Exemplo disso aconteceu no Grande partícula de massa m2 (m1 > m2) que, posteriormente, será lançada
Prêmio do Canadá 2007, no acidente ocorrido com o piloto
Robert Kubica. Neste caso, Kubica foi submetido a 75-G. com velocidade v0 ao encontro de m1. As forças resultantes
Disponível em: <http://www.autosport.com/> Acesso em: 6 set. 2007. sobre as massas m1 e m2 são F1 = 2F0 e F2 = -F0, respectivamen-
[Adaptado]. te, e F0 é uma constante.
Com relação à força-G, é CORRETO afirmar:(Dado: g = 10 m/s2) Tendo em vista esses dados, responda ao que se pede.
a) Se Kubica estava a 270 km/h (75 m/s) e sentiu 75-G, significa a) O centro de massa desse sistema, antes do lançamento, se
que ele reduziu sua velocidade a zero em 0,1 segundos. encontra mais próximo de qual corpo? Justifique.
b) Em uma curva, com o módulo da velocidade constante, os b) Em um tempo qualquer, encontre a aceleração do centro de
pilotos não experimentam forças-G. massa do sistema.
c) Ela depende da sua massa, ou seja, quanto maior for a massa c) No mesmo tempo descrito acima, encontre a velocidade e a
maior será a força-G. posição do centro de massa do sistema descrito anteriormente.
d) Ela tem relação direta com as dimensões do nosso planeta e
sua unidade é o Newton.
RESPOSTA: UEG-2008:
a)
(PUCCAMP-2008) - ALTERNATIVA: A
Num velódromo, a pista apresenta uma inclinação com a hori-
zontal num trecho em curva de raio R. Um ciclista com velocidade
escalar v faz uma curva horizontal com as mãos soltas e sem
contar com a atrito entre os pneus e a pista. A aceleração local
da gravidade é g. Nessas condições, Como m1 > m2, a posição do centro de massa estará mais próxi-
*a) tg = mo de m1.

b)

b) tg =

c) sen = c)

d) cos =

e) sec =

japizzirani@gmail.com 33
(UFABC-2008) - ALTERNATIVA: C (UFRRJ-2008) - ALTERNATIVA: C
“Lançada a bomba, a tripulação do B-29 assume tática evasiva, Arcos de pedra semicirculares são estruturas que têm resistido
que permite seu retorno à base.” ao tempo. As rochas quebram mais facilmente quando submeti-
Supondo que a tripulação não realizasse a manobra evasiva e das à tensão do que à compressão. Considere o arco de pedras
mantivesse o vôo em trajetória reta e horizontal com velocidade da figura ao lado.
constante e, levando-se em conta a resistência do ar sobre o
artefato nuclear, bem como o fato de que essa bomba não pos-
suía sistema próprio de propulsão, a situação que melhor des-
creve a trajetória da bomba entre os instantes t0 (lançamento) e
t (momento da explosão) é:

a)

Sabendo que o sistema está em equilíbrio, o vetor que melhor


representa a resultante das forças que todos os blocos vizinhos
b) exercem sobre o bloco A é

a) vetor nulo. b) *c)

d) e)

(UFABC-2008) - RESPOSTA: m = 100 kg e F = 2000 N


Um mecânico afirma ao seu assistente que é possível erguer e
manter um carro no alto e em equilíbrio estático, usando-se um
contrapeso mais leve do que o carro. A figura mostra, fora de
*c) escala, o esquema sugerido pelo mecânico para obter o seu
intento.

d)

e)

Considerando as polias e os cabos como ideais e, ainda, os


cabos convenientemente presos ao carro para que não haja
movimento de rotação, determine a massa mínima do contrapeso
e o valor da força que o cabo central exerce sobre o carro, com
massa de 700 kg, quando esse se encontra suspenso e em
equilíbrio estático.
Dado: Adote g = 10 m/s2.
japizzirani@gmail.com 34
(UNIFENAS-2008) - ALTERNATIVA: E
Analisando a situação-problema de um elevador, indique a
assertiva correta com relação ao tipo de movimento descrito.

a) Movimento retilíneo uniforme e ascendente;


b) Movimento retilíneo uniformemente variado do tipo acelerado e
descendente;
c) Movimento retilíneo uniformemente variado do tipo progressi-
vo;
d) Movimento retilíneo uniformemente variado do tipo retrógrado
e ascendente;
*e) Movimento retilíneo uniformemente variado do tipo acelerado
e ascendente.

(UFRRJ-2008) - RESPOSTA: 50 minutos


A figura mostra uma situação fictícia que ilustra a relação exis-
tente entre uma força e o seu tempo de aplicação. Uma pequena
força, aplicada por um longo tempo, pode produzir um efeito
significativo.
UFRRJ - 2008 - Q.9

Gonik, Larry & Huffman, Art, Ilustração ilustrada à Física, São Paulo:
Harbra, 1994, pág. 66 (com modificações).

Considere um caminhão com velocidade constante de 90km/h,


de massa igual a 30 toneladas, e um homem, como ilustrado na
figura, que exerce uma força constante, contrária ao sentido do
movimento do caminhão, de módulo igual a 250N.
Calcule o tempo, em minutos, necessário para que o caminhão
pare, considerando que a única força de resistência é aquela
feita pelo homem. Admita que o homem suporte o impacto inicial
do caminhão e o aquecimento em seus pés.
japizzirani@gmail.com 35
(FAZU-2008/2) - ALTERNATIVA: E
II - LEIS DE NEWTON Duas forças horizontais, perpendiculares entre si e de intensi-
II - vestibulares 2008/2 dades 6,0 N e 8,0 N, agem sobre um corpo de 2 kg que se encon-
tra sobre uma superfície plana e horizontal. Desprezando os
atritos, o módulo da aceleração adquirida por esse corpo é:
a) 1 m/s2
(UDESC-2008/2) - ALTERNATIVA: B
Um corpo repousa sobre uma superfície sem atrito, quando uma b) 2 m/s2
força constante de 1,0 N, paralela à superfície, movimenta-o c) 3 m/s2
com uma aceleração constante de 1,0 m/s2. A força atua durante d) 4 m/s2
1,0 s. A massa do corpo é, portanto, de: *e) 5 m/s2
a) 1,0 N.s3/m. *b) 1,0 N.s2/m. c) 1,0 N.s/m.
2
d) 1,0 N.m/s . e) 1,0 N.m/s. (FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: B
Sabendo-se que o peso de um satélite na Lua é de 3 200 N, qual
é a massa deste satélite na Terra? Dado: gLua = 1,6 m/s2.
(UDESC-2008/2) - ALTERNATIVA: A
Um estivador empurra uma caixa em um piso plano com uma a) 200 kg
força horizontal F. Considerando que a caixa é deslocada com *b) 2 000 kg
velocidade constante, é correto afirmar: c) 20 kg
*a) A intensidade da força de atrito entre o piso e a caixa é igual d) 20 000 kg
à intensidade de F. e) 3 200 kg
b) A intensidade da força de atrito entre o piso e a caixa é menor
do que a intensidade de F. (FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: A
c) O somatório das forças que atuam sobre a caixa é diferente Na representação abaixo, qual é a força normal entre o corpo B
de zero. e o solo?
d) A força F e a força de atrito entre a caixa e o piso possuem Dados: mA = 10 kg
mesma direção e mesmo sentido. mB = 20 kg
e) Não existe atrito entre a caixa e o piso. cos = 0,6
sen = 0,8
(UNISA-2008/2) - ALTERNATIVA: A g = 10 m/s2
Um bloco de 4 kg desliza sobre um plano horizontal sujeito às *a) 260 N
forças F1 = 20 N, horizontal e para a esquerda, e F2 = 8 N, ho- b) 240 N
rizontal e para a direita. A aceleração do corpo é: c) 300 N
d) 340 N
*a) 3 m/s2 para a esquerda
e) 360 N
b) 3 m/s2 para a direita
c) 7 m/s2 para a esquerda
d) 7 m/s2 para a direita (FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: C
Um trator deve puxar um bloco de concreto com 50 toneladas em
e) 5 m/s2 para a esquerda
um piso plano. Sabendo-se que a máxima tração suportada pelo
(VUNESP/UNICID-2008/2) - ALTERNATIVA: D cabo é de 5,0.105 N e que o cabo amarrado ao bloco faz um ân-
Dois pedreiros removem uma pilha de tijolos do terreno ao redor gulo de 45° com a horizontal, qual é o máximo coeficiente de atri-
da casa para o andar superior que está sendo construído. Sobre to entre o bloco e o chão para que o trator arraste o bloco com
a laje, o primeiro pedreiro aguarda a chegada de cada tijolo que velocidade constante sem romper o cabo?
está sendo lançado pelo seu companheiro, que se encontra no Obs.: Considerar e = d e g = 10 m/s2.
nível do chão. Dados: cos 45° = 0,7 e sen 45° = 0,7
a) 0,43
b) 1,25
*c) 2,33
d) 3,25
e) 4,50

(FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: D
No exercício anterior, o bloco foi arrastado por 20 m e o cabo foi
mantido com a máxima tração suportada. Qual foi o trabalho rea-
Desprezando-se a resistência imposta pelo ar, em qualquer pon- lizado pelo trator?
to da trajetória, a direção e o sentido do vetor que representa a a) 1,0 kJ
força resultante sobre um tijolo que sobe está melhor represen- b) 10 kJ
tados em c) 100 kJ
*d) 7,0 MJ
e) 7,0 GJ

(FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: A
Sabendo-se que o peso de um satélite na Lua é de 3 200 N, qual
é a massa deste satélite na Terra? Dado: g Lua = 1,6 m/s2.
*a) 2 000 kg
b) 200 kg
c) 20 kg
d) 20 000 kg
e) 3 200 kg
japizzirani@gmail.com 36
(UTFPR-2008/2) - ALTERNATIVA: E (PUCMINAS-2008/2) - ALTERNATIVA: C
Em relação ao Movimento Circular Uniforme, NÃO é correto afir- No livro de Jonathan Swift “As viagens de Gulliver”, o viajante
mar que: imaginário Lemuel Gulliver passou um tempo de sua vida no reino
a) é um movimento de aceleração tangencial nula. de Lilliput, onde todas as coisas vivas – homens, árvores, grama
b) o vetor aceleração centrípeta é diferente de zero e sempre – eram semelhantes às de nosso mundo, exceto pelo fato de se-
aponta para o centro da trajetória. rem formadas em uma escala muito pequena. Os lilliputianos, por
c) o módulo da velocidade é constante e a direção do vetor velo- exemplo, não tinham mais do que 15cm de altura e eram cons-
cidade é variável. truídos proporcionalmente como nós. Gulliver visitou também
d) quando um carro, em alta velocidade, faz uma curva muito fe- Brobdgnag, um país de coisas gigantes, cujos habitantes eram
chada, apresenta elevado valor para o módulo da aceleração exatamente como nós, porém, 12 vezes maiores. Na realidade,
centrípeta. Lilliput e Brobdgnag não existem. Galileu (1564-1642), no seu
*e) para um corpo não sair da trajetória circular, os vetores for- trabalho “Duas Novas Ciências”, mostra, através de diálogos
ça centrípeta e aceleração centrípeta devem apresentar senti- entre uma pessoa de senso comum e um cientista, que modelos
dos opostos. muito pequenos ou muito grandes de homens não poderiam ser
como nós. Baseados no texto de “Duas Novas Ciências”, pode-
se concluir que o peso de um habitante de Brobdgnag seria
(PUCMINAS-2008/2) - ALTERNATIVA: D aproximadamente 1728 vezes o nosso, e seus ossos seriam
A figura representa duas massas idênticas, ligadas por uma cor- 144 vezes mais resistentes.
da de massa desprezível, que passa por uma Considere, por exemplo, um cubo de lado L apoiado sobre uma
polia sem atrito; as massas estão a diferentes superfície horizontal, sem atrito sobre o qual atua uma força F.
alturas em relação ao mesmo referencial. Pode- Observa-se que, quando a força F é aplicada a este corpo, ele
se afirmar que: percorre ao final de 10 s uma distância de 80m. Se um cubo idên-
a) a massa da esquerda irá descer. tico a este, mas de lado L/2, for submetido à mesma força F, ao
b) a massa da direita irá descer . final dos mesmos 10s ele percorrerá uma distância de:
c) as massas não se movem. a) 160m
*d) só haverá movimento das massas se houver b) 320m
impulso inicial *c) 640m
d) 1080m

(VUNESP/UNINOVE-2008/2) - ALTERNATIVA: E
Um carrinho de massa M é utilizado para levar uma carga de
(PUCMINAS-2008/2) - ALTERNATIVA: A massa m para o alto de um plano inclinado. Quando ele está car-
A mesma força horizontal é aplicada a objetos de diferentes regado, é necessária uma força F = 1 000 N para que ele suba
massas. Assinale o gráfico que melhor representa a aceleração em movimento retilíneo e uniforme. Depois de descarregar sua
em função da massa. carga, é necessária uma força f = 800 N para que ele desça
vazio o mesmo plano inclinado, também em movimento retilíneo e
uniforme. Nesse movimento, considere desprezíveis todas as
forças dissipativas

*a) c)

b) d)

Assim, a relação M/m entre a massa do carrinho vazio e a massa


(PUCMINAS-2008/2) - ALTERNATIVA: A da carga vale
Um bloco de 5 Kg e um bloco de 10 Kg deslizam por um plano in- a) 1/4.
clinado sem atrito. Pode-se afirmar que: b) 4/5.
*a) ambos têm a mesma aceleração. c) 5/4.
b) o bloco de 5 Kg tem o dobro da aceleração do bloco de 10 Kg. d) 2.
c) o bloco de 10 Kg tem o dobro da aceleração do bloco de 5 Kg. *e) 4.
d) a aceleração dos blocos depende da força normal do plano
sobre eles. (UNIMONTES/MG-2008/2) - ALTERNATIVA: A
Um corpo cuja massa é 10 kg descreve uma trajetória circular de
raio R, com velocidade de módulo igual a 20 m/s. Nele atua uma
(PUCMINAS-200/2) - ALTERNATIVA: B
Em relação à energia cinética dos dois blocos da questão ante- força centrípeta F1. Se o raio da trajetória diminui 25%, o novo
rior, considerando-se ambos inicialmente em repouso, pode-se valor da força centrípeta, F2, que atua no corpo é
afirmar que a energia cinética: *a) F2 = (4/3)F1.
a) do segundo bloco será 64 vezes maior que a do primeiro.
b) F2 = F1.
*b) do segundo bloco será 8 vezes maior que a do primeiro.
c) dos dois blocos será a mesma. c) F2 = (1/3)F1.
d) do primeiro bloco será 2 vezes maior que a do segundo. d) F2 = 2F1.
japizzirani@gmail.com 37
(VUNESP/UNINOVE-2008/2) - ALTERNATIVA: A (UNIMONTES/MG-2008/2) - ALTERNATIVA: A
Um bloco de massa 4 kg move-se em linha reta sobre uma super- Um bloco de massa M encontra-se, em repouso, sobre a super-
fície plana e horizontal. Entre ele e a superfície existe atrito ape- fície plana de uma mesa, preso por fios inextensíveis e de massa
nas no trecho AB de sua trajetória. Fora desse trecho, o atrito é desprezível, em lados opostos a dois blocos menores, cujas
desprezível. massas são m1 = m2 = m (veja a figura). As roldanas podem girar
sem atrito e sua massa é também desprezível. O coeficiente de
atrito estático entre as superfícies da mesa e da base do bloco é
e
, e o valor da aceleração da gravidade nolocal é g. Sobre a
força de atrito estático que atua no bloco, é CORRETO afirmar
que
*a) é nula.
b) é igual a m.g .
c) é igual a 2.m.g .
Sabe-se que o bloco passa pelo ponto A no instante 1 s, pelo
d) é igual a M.g. e .
ponto B no instante 3 s e que sua velocidade escalar durante o
movimento varia de acordo com o gráfico.

(UNIMONTES/MG-2008/2) - ALTERNATIVA: A
Um corpo de massa m = 8 kg é puxado por uma força F = 100N
sobre uma superfície lisa, sem atrito (veja a figura). A aceleração
do corpo, durante a subida, é
*a) 7,5 m/s2.
b) 5,0 m/s2. g = 10 m/s2
c) 2,5 m/s2. sen 30O = 0,50
d) 10,5 m/s2. cos 30O = 0,86

Adotando g = 10 m/s2, o coeficiente de atrito entre o bloco e a


superfície, no trecho AB, vale
*a) 0,1.
b) 0,2. (UNIFOR/CE-2008/2) - ALTERNATIVA: B
c) 0,3. Um bloco de massa 0,50 kg escorrega para baixo por um plano
d) 0,4. inclinado de 37O com a horizontal. São dados: coeficiente de atri-
e) 0,5. to entre o bloco e o plano = 0,50; aceleração local da gravidade
g = 10 m/s2; sen 37O = 0,60 e cos 37O = 0,80.
Enquanto a velocidade do bloco aumenta de 2,0 m/s para 4,0 m/
(FURG/RS-2008/2) - ALTERNATIVA: B
s, a distância por ele percorrida é, em metros,
Um bloco com massa M = 3 kg, encontra-se disposto sobre um
a) 2,0
plano inclinado de 30º com a horizontal, conforme mostra a figu-
*b) 3,0
ra. Considere g=10m/s2 e que o coeficiente de atrito estático en- c) 4,0
tre o bloco e o piso é igual a 0,75. Podemos dizer que d) 5,0
e) 6,0

(UNIFOR/CE-2008/2) - ALTERNATIVA: B
Dois blocos A e B cujas massas são mA = 4,0 kg e mB = 16 kg,
respectivamente, estão apoiados sobre uma plano horizontal.
O coeficiente de atrito entre os blocos e o plano vale 0,25 e a
aceleração da gravidade 10 m/s2. Uma força F, de intensidade
100 N, formando um ângulo com a horizontal (sen = 0,60 e
cos = 0,80) é aplicada no bloco B, como mostra a figura.

a) o bloco fica parado e a força de atrito é maior que a compo-


nente da força peso ao longo do plano.
*b) o bloco fica parado e a força de atrito é igual a componente
da força peso paralela ao plano. Nestas condições, a intensidade da força de tração no fio que
c) o bloco fica parado e a força de atrito é menor que a compo- une os dois blocos, em newtons, vale
nente da força peso ao longo doplano. a) 3,0
d) o bloco desce o plano inclinado e a força de atrito é menor que *b) 13
a componente da força peso paralela ao plano. c) 23
e) o bloco desce o plano inclinado e a força de atrito é maior que d) 33
a componente da força peso paralela ao plano. e) 43
japizzirani@gmail.com 38
(PUCRS-2008/2) - ALTERNATIVA: C (MACK-2008/2) - ALTERNATIVA: C
Medidas referentes ao movimento de uma pequena bola, rolando Em uma competição de balonismo, observa-se que um aeróstato
para baixo pela encosta de um terreno em declive, foram (balão de ar quente) desce verticalmente com velocidade cons-
registradas na tabela a seguir. tante de 0,5 m/s. Esse aeróstato, com o lastro e o tripulante, pesa
6 000 N e a força ascensional (empuxo), que age sobre o con-
junto, tem intensidade de 5 200 N. Sabendo que a intensidade da
resistência do ar que age sobre o balão independe do sentido do
seu movimento, o peso de lastro que devemos abandonar para
que esse balão suba verticalmente com a mesma velocidade
constante, não variando a intensidade do empuxo, é de
a) 800 N
b) 1 200 N
*c) 1 600 N
d) 2 000 N
e) 3 200 N

(MACK-2008/2) - ALTERNATIVA: C
Um bloco de peso 200 N, apoiado sobre uma superfície horizon-
A figura que melhor representa a forma aproximada do terreno tal e perfeitamente lisa, é mantido em equilíbrio estático pela ação
referido é das forças F1, F2 e F3. Sendo a intensidade da forças F2 e F3
respectivamente iguais a 140 N e 80 N, a intensidade da força F1
é
a) d) a) 60 N.
b) 80 N.
*c) 100 N.
d) 120 N.
e) 140 N.
b) e)

*c) (UEG/GO-2008/2) - RESPOSTA NO FINAL


Consideremos um corpo esférico, semelhante a uma bola de
futebol, abandonada do repouso de uma grande altitude em rela-
ção ao solo. Durante a queda, seu peso (P = mg) permanecerá
(PUCRS-2008/2) - ALTERNATIVA: A constante, enquanto a força de resistência do ar (F1) terá sua
Vamos supor que você esteja em um supermercado, aguardan- intensidade crescente à medida que o corpo ganha velocidade
do a pesagem de uma quantidade de maçãs em uma balança de (Fr = Kv2). Essa etapa de movimento acelerado tem sua duração
molas cuja unidade de medida é o quilograma-força. limitada, visto que atingida certa velocidade-limite (vlim), a força
A leitura da balança corresponde
de resistência assumirá intensidade igual à força peso. A partir
*a) ao módulo da força normal, pois essa é a força de interação
daí, a força resultante será nula, de modo que o corpo prosse-
entre as maçãs e a balança, cujo valor é supostamente igual ao
guirá sua queda em movimento retilíneo uniforme. Considerando
do módulo do peso das maçãs.
essas informações e desprezando as variações de campo
b) tanto ao valor do módulo da força peso quanto ao do módulo
gravitacional, construa o gráfico da intensidade da força resul-
da força normal, pois ambas constituem um par ação-reação,
tante em função da velocidade.
segundo a terceira lei de Newton.
RESOLUÇÃO
c) ao módulo do peso das maçãs, pois essa é a força de interação
entre as maçãs e a balança.
d) ao módulo da força resultante sobre as maçãs.
e) à quantidade de matéria de maçãs.

(UTFPR-2088/2) - ALTERNATIVA: D
Uma bola foi lançada horizontalmente no ar e descreve a trajetó-
ria parabólica figurada. Considerando que nesse caso a resis-
tência do ar é pequena mas não desprezível, a resultante das
forças que atuam sobre a bola, na posição indicada, pode ser
adequadamente representada pelo vetor:

a) A

b) B
Em t=0, a força é máxima e vale mg.
c) C Uma vez atingida a velocidade limite, a resultante for nula, ou se-
ja:
*d) D

e) E
japizzirani@gmail.com 39
(CEFETSP-2008/2) - ALTERNATIVA: D (VUNESP/FTT-2008/2) - ALTERNATIVA: A
Considere o salto de um pára-quedista em ambiente onde o ar te- Uma força , não nula, age na direção do movimento de um siste-
nha sempre a mesma densidade, esteja parado em relação ao ma constituído por dois corpos, A e B, que se encontram numa
solo, e onde a aceleração da gravidade seja g = 10 m/s2. Leve superfície plana, horizontal, lisa e sem atrito, conforme figura
em conta que o peso total do pára-quedista com seu equipamen- abaixo.
to seja P, e que ele caia até alcançar uma velocidade constante,
chamada de velocidade terminal, VT,antes da abertura do pára-
quedas. Sobre este sistema pode-se afirmar:
a) A aceleração sobre ele, do início do salto ao momento da aber- Desprezando quaisquer outras perdas, sob as leis da mecânica
tura, aumenta a partir de zero até alcançar g; clássica, pode-se concluir que
b) A aceleração, do início do salto ao momento em que alcança *a) os corpos vão se movimentar aceleradamente.
b) os corpos vão se movimentar com velocidade constante.
VT, mantém-se constante com um valor igual a g;
c) os corpos podem não se movimentar.
c) A aceleração, do início do salto ao momento em que alcança d) o corpo B não tem influência na aceleração do conjunto.
VT, mantém-se constante com um valor inferior a g; e) os trabalhos realizados pelos corpos A e B são idênticos.
*d) Do início do salto ao momento em que alcança VT, a acelera-
ção sobre ele diminui, de l0m/s2 até se anular; (UNESP-2008/2) - ALTERNATIVA: D
Observe a figura, que representa um sistema de freios. Sabe-se
e) Em momento algum, a força que o corpo dele exerce sobre a
Terra se iguala à força gravitacional da Terra sobre ele. que o cabo de cima está sob uma tensão T1 = 800 N e que os ca-
bos de baixo, sujeitos às tensões T2 e T3, fazem um ângulo
(CEFETSP-2008/2) - ALTERNATIVA: B de 120O entre si e que | T2 | = | T3 |. ver slide:
Leia as afirmativas a seguir: UNESP - 2008.2 - Q.38
I -A força normal de apoio de uma superfície sobre um bloco é
sempre vertical e igual ao peso;
II -Peso e normal formam um par de forças de ação e reação;
III -Forças de ação e reação podem se anular pois, atuam num
mesmo corpo, têm mesmo módulo e direção e sentidos opostos;
IV -Um corpo pode ter velocidade e aceleração em sentidos o
postos.
V -Um corpo sob ação de uma força resultante, terá aceleração
no mesmo sentido desta força.
Sobre as afirmativas, podemos dizer:
a) São verdadeiras apenas as afirmativas I, II e III;
*b) São verdadeiras apenas as afirmativas IV e V;
c) São verdadeiras apenas as afirmativas II e III;
d) São verdadeiras apenas as afirmativas III, IV e V;
e) São verdadeiras apenas as afirmativas II e IV.

(CEFETMG-2008/2) - ALTERNATIVA: A
Um bloco está pendurado por três cabos conforme ilustra a fi- Adotando sen 60O = 0,9 e cos 60O = 0,5, pode-se afirmar que o
gura. O cabo 1 forma com a horizontal um ângulo , o cabo 2 módulo da tensão em um desses dois cabos, T2 ou T3, na condi-
forma com a horizontal um ângulo e o cabo 3 é vertical. Sabe- ção de equilíbrio de forças, será de
se que 30º < < . a) 400 N.
b) 560 N
c) 670 N.
*d) 800 N.
e) 870 N.

Sendo T1, T2 e T3 as tensões nos cabos, é correto afirmar que


*a) T1 < T2 < T3.
b) T1 = T2 < T3.
c) T1 < T2 = T3.
d) T1 > T2 = T3.
e) T1 > T2 > T3.

(CEFETMG-2008/2) - ALTERNATIVA: D
Um veículo Vectra de massa 1.800 kg gasta, em uma pista de
teste, 10,0 s para ser acelerado do repouso a 90 km/h, segundo
informações do fabricante. Se, durante essa arrancada, a ace-
leração do carro se manteve constante, o valor da força resul-
tante sobre ele vale, em newtons,
a) zero. b) 1.800. c) 3.600.
*d) 4.500. e) 5.400.
japizzirani@gmail.com 40
(UNESP-2008/2) - RESPOSTA: cabo I suporta 12 m/s 2 e cabo II
suporta 4 m/s2, portanto, a resposta é 4 m/s2.
Um rebocador puxa duas barcaças pelas águas de um lago tran-
qüilo. A primeira delas tem massa de 30 toneladas e a segunda,
20 toneladas. Por uma questão de economia, o cabo de aço I que
conecta o rebocador à primeira barcaça suporta, no máximo, 6 ×
105 N, e o cabo II, 8 × 104 N.

Desprezando o efeito de forças resistivas, calcule a aceleração


máxima do conjunto, a fim de evitar o rompimento de um dos ca-
bos.

(U.C.SUL-2008/2) - ALTERNATIVA: C
Uma balança é construída para indicar a massa de uma pessoa
que sobe nela. O mecanismo de medida da balança é baseado
em uma mola interna, que, ao ser contraída, apresenta uma rela-
ção proporcional linear com a massa indicada. Suponha que,
quando a mola for contraída em 0,05 m a partir do seu estado
relaxado, o ponteiro da balança indique 50 kg. Se a constante de
elasticidade da mola for k = 250 N/m, qual a força que estará
sendo exercida na mola quando uma pessoa de 80 kg estiver
sobre a balança?
a) 10 N b) 15 N *c) 20 N d) 25 N e) 30 N

(UFOP-2008/2) - RESPOSTA: FAZER


Um estudante de Física executou um experimento de Mecânica,
colocando um bloco de massa m = 2kg sobre um plano homogê-
neo de inclinação regulável, conforme a figura abaixo:

(UFMS-2008/2) - RESPOSTA: SOMA = 009 (001+008)


A figura abaixo mostra duas massas iguais a m, presas nas
extremidades de uma mola de constante elástica K e que obede-
ce à lei de Hooke. Um fio mantém esse sistema suspenso em um
teto. Todo o sistema está em equilíbrio, até que uma tesoura corta
o fio que mantém o sistema suspenso. Considere a massa da
mola desprezível, a aceleração da gravidade uniforme e igual a g
O aluno iniciou o experimento com o plano na horizontal e foi au-
no local e assinale a(s) proposição(ões) correta(s).
mentando gradativamente o declive até observar que, com o =
45O, o bloco começou a moverse. Observou ainda que o objeto
levou um intervalo de tempo igual a 0,5s para percorrer 50cm do
plano. Considerando essas afirmações e adotando g = 10m/ s2,
faça o que se pede:
a) Represente e nomeie, na figura, todas as forças que agem
sobre o bloco.
b) Calcule o coeficiente de atrito estático entre o bloco e o plano.
c) Calcule o coeficiente de atrito dinâmico entre o bloco e o plano.

(FATEC-2008/2) - ALTERNATIVA: C
Quatro pessoas estão no interior de um veículo em repouso. Em
um dado instante, o motorista começa a aplicar uma força, com
as mãos, no párabrisa dianteiro. Verificando que os outros esta-
vam intrigados, comentou que a aplicação de uma força irá pro-
vocar movimento no sistema, constituído de carro e passagei-
ros. Cada um dos passageiros forneceu uma justificativa.
I. Sempre que aplicarmos uma força interna no sistema (carro + *(001) Imediatamente após cortar o fio, a força resultante na
ocupantes), este irá adquirir movimento. massa superior será de 2mg.
II. A força interna irá provocar a variação na quantidade de movi- (002) Imediatamente após cortar o fio, as duas massas cairão
mento do sistema (carro + ocupantes). com aceleração da gravidade.
III. A aplicação de uma força externa provocará o movimento do (004) Enquanto o sistema estiver em equilíbrio e suspenso pelo
sistema (carro + ocupantes). fio ao teto, a força aplicada pela mola será igual a 2mg.
De acordo com as justificativas, está correto o que se afirma *(008) Imediatamente após cortar o fio, a aceleração resultante
apenas em na massa superior será maior que a aceleração resultante da
a) I. b) II. massa inferior.
*c) III. d) I e II. (016) Depois de cortar o fio e enquanto o sistema cai, o centro de
e) I e III. massa do sistema oscilará enquanto cai em queda livre.
japizzirani@gmail.com 41
(FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: A
Na representação abaixo, qual é a força normal entre o corpo B
e o solo?
Dados: mA = 10 kg
mB = 20 kg
cos = 0,6
sen = 0,8
*a) 260 N
b) 240 N
c) 300 N
d) 340 N
e) 360 N

(FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: C
Um trator deve puxar um bloco de concreto com 50 toneladas em
um piso plano. Sabendo-se que a máxima tração suportada pelo
cabo é de 5,0.105 N e que o cabo amarrado ao bloco faz um
ângulo de 45° com a horizontal, qual é o máximo coeficiente de
atrito entre o bloco e o chão para que o trator arraste o bloco com
velocidade constante sem romper o cabo?
Obs.: Considerar e = d e g = 10 m/s2.
Dados: cos 45° = 0,7 e sen 45° = 0,7
a) 0,43
b) 1,25
*c) 2,33
d) 3,25
e) 4,50

(U.F. VIÇOSA-2008/2) - ALTERNATIVA: B


Um bloco de massa M é colocado em um plano inclinado, como
mostrado na figuara a seguir. Sabendo que o bloco está em
repouso, mas na iminência de escorregar, é CORRETO afirmar
que o coeficiente de atrito estático entre as duas superfícies
do bloco e do plano é:

a) cotg
*b) tg
c) mg sen
d) mg cos

(U.F. VIÇOSA-2008/2) - ALTERNATIVA: B


Um bloco de massa M é puxado por uma força de módulo F sobre
uma superfície plana e horizontal (figura abaixo). O bloco move-
se com velocidade constante. O coeficiente de atrito cinético
entre o bloco e a superfície, em função de F, M e e da acelera-
ção da gravidade g é:

a)

*b)

c)

d)

japizzirani@gmail.com 42
(UDESC-2008) - RESPOSTA a) 17500 N b) 25 m c) 12 m/s
III - ENERGIA Um engenheiro mecânico realiza alguns testes com exempla-
III - vestibulares 2008/1 res dos carros que são projetados e desenvolvidos por uma
indústria automobilística.
VESTIBULARES - 2008/2 - PÁG. 61
Resolva as situações-problema elaboradas a partir dos testes
feitos por esse engenheiro. (Se necessário adote g = 10 m/s2)
(PUCRIO-2008) - ALTERNATIVA: A
a) Um boneco de 70 kg é colocado em um carro instrumentado
Um patinador de massa m2 = 80 kg, em repouso, atira uma bola
para testes de impacto. O carro colide com uma parede rígida a
de massa m1 = 2,0 kg para frente com energia cinética de 100 J.
90 km/h e entra em repouso, durante a colisão, no intervalo de
Imediatamente após o lançamento, qual a velocidade do patinador
tempo de 0,10 s (tempo médio de um piscar de olhos e suficiente
em m/s? (Despreze o atrito entre as rodas do patins e o solo)
para a parte dianteira do carro amassar).
*a) 0,25 b) 0,50
Calcule a força que o cinto de segurança exerce sobre o bone-
c) 0,75 d) 1,00
co, durante a colisão.
e) 1,25 b) Calcule a distância mínima necessária para reduzir a velocida-
de de um carro de 1200 kg, inicialmente a 72 km/h, para uma
(UDESC-2008) - ALTERNATIVA: B
velocidade final de 36 km/h, em uma pista que oferece um coefi-
Moto-perpétuo é uma máquina cujo funcionamento é auto ali-
ciente de atrito estático de 0,60 entre a pista e os pneus.
mentado, sem a necessidadede um agente externo. Ou seja, um
c) Um carro de 1200 kg, movendo-se com velocidade de 30 m/s,
moto-perpétuo é uma máquina que operaria indefinidamente, sem
colide com outro carro de 1800 kg estacionado na beira da pista
consumo de energia ou ação externa, apenas por conversões
de testes. Considerando que a colisão é perfeitamente inelástica,
internas de energia. A máquina apresentada na figura abaixo é
calcule a velocidade de cada um dos carros depois da colisão.
um exemplo de motoperpétuo e foi objeto de estudo do físico e
matemático Simon Stevin.

(UDESC-2008) - RESPOSTA: a) 350 J b) 50 m/s c) 100 m/s


d) nenhum
O gráfico abaixo representa a energia cinética de uma partícula
de massa 80,0 g, sujeita somente a forças con- servativas, em
função da sua posição x. A energia mecânica da partícula é de
450,0 J. (Se necessário adote g = 10 m/s2)

É correto afirmar, sobre o funcionamento dessa máquina:


a) A corrente se move por si, pois há mais bolas portanto, mais
peso no lado esquerdo da rampa, provocando um movimento de
rotação no sentido anti-horário.
*b) A corrente não se move sozinha pois, se isso ocorresse,
estaria violando o Princípio de Conservação de Energia.
c) Há necessidade de se fornecer energia para que essa máqui-
na comece a funcionar. Uma vez em movimento, a corrente se
move ininterruptamente, por inércia.
d) A corrente se move por si, pois a rampa do lado direito é mais
inclinada do que a do lado esquerdo, provocando um movimento a) Determine a energia potencial da partícula para x = 2,00 m.
de rotação, no sentido horário. b) Calcule a velocidade da partícula para x = 6,00 m.
e) A corrente não se move sozinha, porque existe muito atrito c) Determine a velocidade máxima da partícula.
entre as rampas e a corrente. d) Determine os pontos em que a partícula permanece em repou-
so.
(UDESC-2008) - RESPOSTA a) 2,6 J b) 2,27 m/s c) 3,2 m
Os atletas brasileiros tiveram um ótimo desempenho nos jogos
Pan-Americanos de 2007 e garantiram o 3o lugar geral para o
(UDESC-2008) - RESPOSTA a) 16,3 N b) 4 m/s
Brasil na competição. (Se necessário adote g = 10 m/s2) Um bloco de massa igual a 5,0 kg é mantido em repouso sobre
a) O time de basquete masculino contribuiu com uma medalha de um plano inclinado de 30° em relação à horizontal. O coeficiente
ouro, ganhando a final sobre o time de Porto Rico. Sabendo que de atrito estático entre o bloco e o plano é igual a 0,20. Utilize os
uma bola de basquete com massa de 650 g alcança a altura de valores da tabela abaixo para efetuar seus cálculos. (Se neces-
1,4 m após colidir com o solo, ao ser liberada de uma altura de sário adote g = 10 m/s2)
1,8 m, calcule a energia perdida pela bola e despreze a resistên-
cia do ar.
b) Diversos recordes foram quebrados na competição; especi-
almente na natação, pelo menos dez deles foram obtidos por
nadadores brasileiros, e o menor tempo estabelecido foi de apro-
ximadamente 22 s na prova de 50 m livre masculino. Conside-
rando que o somatório das forças sobre o nadador é zero,
calcule sua velocidade média. a) Calcule a intensidade da força, paralela ao plano inclinado,
c) O salto com vara masculino, modalidade também vencedora necessária para sustentar o bloco, na iminência de deslizar pla-
de uma medalha de ouro, utiliza-se de técnicas que otimizam a no abaixo.
conversão de energia do atleta. Considere a situação em que o b) Considere, agora, que a altura na qual se encontra o bloco em
saltador consiga 100% de conversão, e que ele se desloque relação à horizontal é de 0,80 m, e que não há atrito entre o bloco
com velocidade de 8,0 m/s. Calcule a altura máxima que seu e o plano. Ao ser solto, o bloco desliza livremente. Calcule a
centro de massa alcança. velocidade do bloco, ao chegar à base do plano.
japizzirani@gmail.com 43
(UFTM-2008) - ALTERNATIVA: A (UFTM-2008) - RESPOSTA: a) 20 m b) 36 J
Para perfurar concreto ou mesmo pedras, furadeiras de im- Enquanto limpava externamente os vidros de um edifício, o ope-
pacto impulsionam a broca, rápida e violentamente para frente, rário deixa acidentalmente cair seu relógio de pulso.
enquanto esta gira. O resultado é uma série de golpes radiais Considere:
que fincam a broca e a auxiliam no trabalho de perfuração. Uma • que antes da queda do relógio, a velocidade deste, relativa-
dessas furadeiras troca forças com a parede, conforme indica o mente ao chão, era nula;
gráfico. • g = 10 m/s2;
• desprezível a ação do ar sobre o movimento de queda do reló-
gio.
a) Sabendo que o relógio atinge o chão com velocidade de 20 m/
s, determine a altura de sua queda.
b) Se a massa do relógio é de 180 g, determine a energia dissi
pada no choque contra o solo, sabendo que toda a energia me-
cânica que o relógio possuía é transferida para o chão.

(FEI-2008) - ALTERNATIVA: B
Um balde de massa 3kg contém 10 litros de água e é erguido com
velocidade constante, por uma força vertical F do fundo de um
poço de 20 m de profundidade até a borda do poço. Qual é o
Se ao fazer um furo essa máquina demanda um tempo de 20 s, trabalho realizado pela força vertical? Despreze a massa da
o impulso radial total transferido para a parede, é, em N.s, de corda e adote g = 10 m/s2.
*a) 20. a) 260 J
b) 40. *b) 2 600 J
c) 200. c) 1 300 J
d) 400. d) 130 J
e) 800. e) 2 000 J

(UFTM-2008) - ALTERNATIVA: C (FEI-2008) - ALTERNATIVA: B


16. O ponteiro dos minutos de um relógio de parede tem compri- Uma usina hidroelétrica precisa que o gerador forneça uma po-
mento 12 cm e consiste em uma haste de secção retangular, tência de 100 MW. Se a vazão de água através do gerador é Q =
feita homogeneamente em latão. 200 m3/s, qual é a diferença de altura entre o gerador e a superfí-
cie do lago?
Obs.: Desprezar os atritos e considerar g = 10 m/s2.
a) 20 m
*b) 50 m
c) 75 m
d) 100 m
e) 200 m

(UFRJ-2008) - RESPOSTA: a) gb/3 b) cos = 17/18


Dois pêndulos com fios ideais de mesmo comprimento b estão
suspensos em um mesmo ponto do teto. Nas extremidades livres
do fio, estão presas duas bolinhas de massas 2m e m e di-
mensões desprezíveis. Os fios estão esticados em um mesmo
plano vertical, separados e fazendo, ambos, um ângulo de 60o
No intervalo compreendido entre 9h00 às 9h30min, o trabalho com a direção vertical, conforme indica a figura.
realizado pelo peso do ponteiro, tomado em seu centro de mas-
sa, será, em J,
Dados: • massa do ponteiro dos minutos = 25 g
• aceleração da gravidade local = 10 m/s2
a) 1 × 10–2.
b) 2 × 10–2.
*c) 3 × 10–2.
d) 5 × 10–2.
e) 9 × 10–2.

(UEPG/PR-2008) - RESPOSTA: SOMA = 15 (01+02+04+08)


A respeito de energia, assinale o que for correto.
01) Energia potencial é aquela que se encontra armazenada num Em um dado momento, as bolinhas são soltas, descem a partir do
determinado sistema e pode ser utilizada a qualquer momento repouso, e colidem no ponto mais baixo de suas trajetórias, onde
para realizar trabalho. se grudam instantaneamente, formando um corpúsculo de mas-
02) No sistema conservativo, o decréscimo da energia potencial sa 3m .
é compensado por um acréscimo da energia cinética. a) Calcule o módulo da velocidade do corpúsculo imediatamente
04) A energia está relacionada com a capacidade de produzir após a colisão em função de b e do módulo g da aceleração da
movimento. gravidade.
08) A energia pode ser transformada ou transferida, mas nunca b) Calcule o ângulo que o fio faz com a vertical no momento em
criada ou destruída. que o corpúsculo atinge sua altura máxima.
japizzirani@gmail.com 44
(UFF/RJ-2008) - ALTERNATIVA: E (UFPR-2008) - ALTERNATIVA: NO FINAL
Dois carrinhos podem deslizar sem atrito sobre um trilho de ar Um reservatório com capacidade para armazenar 3000 L de
horizontal. A colisão entre eles foi registrada, utilizando sensores água encontra-se a 6 m acima do solo. Um certo aparelho de
de movimento, e as respectivas velocidades, durante o proces- GPS, ao funcionar, consome uma corrente de 200 mA quando ali-
so, estão ilustradas no gráfico. O carrinho de massa m2 estava mentado com uma tensão de 9 V. Supondo que toda energia po-
inicialmente em repouso. tencial da água pudesse ser transformada em energia elétrica
para alimentar o aparelho de GPS, o tempo máximo durante o
qual ele poderia funcionar é:
-) 1 hora.
-) 20 minutos.
-) 12 horas.
-) mais de 24 horas.
-) 5000 segundos.
Resposta correta: mais de 24 horas.

(PUCMINAS-2008) - ALTERNATIVA: C
Uma esfera pesada e uma esfera leve caem livremente, soltas
no mesmo instante, de uma certa altura em relação ao chão.
Desprezando-se o atrito com o ar, elas terão, durante a queda, o
mesmo valor de:
a) energia potencial.
b) quantidade de movimento.
*c) velocidade.
d) energia cinética.

(PUCMINAS-2008) - ALTERNATIVA: A
Duas crianças A e B, de massas iguais, vão entrar em uma pisci-
na e começam a se mover no mesmo instante. A criança A cai
verticalmente de uma prancha a 5m acima da água. A criança B
desliza, a partir da mesma altura de 5m, por um escorregador.
Assinale a opção que identifica corretamente as relações entre Ignorando-se a resistência do ar e o atrito, as crianças chegam
as massas m1 e m2 dos dois carrinhos e entre as energias ciné- à água:
ticas totais do sistema antes ( Eca ) e depois ( Ecd ) da colisão.
a) 3m2 = 2m1 ; 2Ecd = Eca
b) 2m2 = m1 ; 3Ecd = 2Eca
c) m2 = m1 ; Ecd = Eca
d) 3m2 = m1 ; 3Ecd = Eca
*e) m2 = 2m1 ; 3Ecd = Eca

(UFCG-PB-2008) - ALTERNATIVA: A
Um garoto construiu um estilingue utilizando duas molas idênti-
cas de comprimento L e constante elástica k (figura a).

*a) em instantes diferentes, mas com a mesma velocidade.


b) ao mesmo tempo e com a mesma velocidade.
c) ao mesmo tempo e com diferentes velocidades.
d) em instantes diferentes e com diferentes velocidades.

(UNEMAT/MT) - ALTERNATIVA: A
O volume de água necessário para acionar cada turbina de uma
Central Hidrelétrica é de aproximadamente 600 m 3/seg., “condu-
zido” através de um conduto forçado de queda nominal de 118
Para o lançamento, uma pedra é “puxada” por uma distância d ao
metros. Se cada turbina geradora assegura uma potência de
longo da direção perpendicular à configuração inicial das molas
600.000 kw, qual é a perda de energia nesse processo de trans-
(figura b). Pode-se afirmar que a energia potencial desse siste-
formação de energia mecânica em elétrica?
ma, para essa nova configuração, vale,
Considere: g = 10 m/seg2
*a) kd2 + 2kL( L – L2 + d2 )
d = 103 Kg/m3 (densidade da água)
b) kd + kL( L – L + d2 )
2
*a) 15 %
c) 2kd2 + kL( 1 – L2 + d2 ) b) 17 %
2
c) 25 %
d) 2kd + kd( 1 – L2 + d2 ) d) 10 %
e) kd2 e) 20 %
japizzirani@gmail.com 45
(UNIOESTE/PR-2008) - ALTERNATIVA: B (FUVEST-2008) - ALTERNATIVA: D
Considere a seguinte situação: uma bola de futebol foi chutada
por um jogador com um ângulo de 30 graus acima da horizontal
com uma velocidade inicial de módulo 20,0 m/s, passando a
executar um movimento em duas dimensões, em um plano verti-
cal. Suponha que a resistência do ar seja desprezível e que a
aceleração da gravidade não varie, tendo sempre o valor de
10,0 m/s2.
Com base no enunciado acima, considere as afirmativas a se-
guir:
I. A força que acelera a bola de futebol tem um valor que depen-
de da altura na qual a bola estiver situada.
II. O movimento da bola de futebol pode ser decomposto nas di-
reções horizontal e vertical e os movimentos nas duas direções No ”salto com vara”, um atleta corre segurando uma vara e, com
podem ser considerados independentes entre si. perícia e treino, consegue projetar seu corpo por cima de uma
III. A quantidade de movimento da bola é uma grandeza escalar barra. Para uma estimativa da altura alcançada nesses saltos, é
que se conserva durante o movimento da bola. possível considerar que a vara sirva apenas para converter o
IV. A energia mecânica da bola é uma grandeza escalar que po- movimento horizontal do atleta (corrida) em movimento vertical,
de ser expressa em kW·h e que se conserva durante o movi- sem perdas ou acréscimos de energia. Na análise de um desses
mento da bola. saltos, foi obtida a seqüência de imagens reproduzida acima.
Estão corretas apenas as afirmativas: Nesse caso, é possível estimar que a velocidade máxima atingi-
a) I e II. da pelo atleta, antes do salto, foi de, aproximadamente, (DADO:
*b) II e IV.
g = 10 m/s2)
c) III e IV.
d) I, II e III. a) 4 m/s
e) I, III e IV. b) 6 m/s
c) 7 m/s
*d) 8 m/s
(UNIOESTE/PR-2008) - ALTERNATIVA: B e) 9 m/s
Um carrinho de brinquedo é solto a partir do repouso para percor-
rer uma pista sinuosa como mostra a figura abaixo. Depois de
descer a rampa de altura h, o carrinho encontra uma lombada, (FUVEST-2008) - RESPOSTA NA PÁGINA SEGUINTE
cuja elevação acompanha a forma de um semicírculo de raio r. Duas pequenas esferas iguais, A e B, de mesma massa, estão
Supondo que não exista nenhum atrito agindo no brinquedo, qual em repouso em uma superfície horizontal, como representado
o valor máximo da razão h/r, para que o carrinho permaneça em no esquema abaixo. Num instante t = 0 s, a esfera A é lançada,
contato com a pista na parte superior da lombada? com velocidade V0 = 2,0 m/s, contra a esfera B, fazendo com
que B suba a rampa à frente, atingindo sua altura máxima, H, em
t = 2,0 s. A o descer, a esfera B volta a colidir com A , que bate na
parede e, em seguida, colide novamente com B. Assim, as duas
esferas passam a fazer um movimento de vai e vem, que se
repete.

a) 1/2.
*b) 3/2.
c) 4/3.
d) 5/3.
e) 5/2.

(UNIOESTE/PR-2008) - ALTERNATIVA: A
Abaixo, são descritas duas situações de aplicação de Física. Em
cada descrição, foi deixada uma lacuna em branco. (Adote g =
10 m/s2 e densidade da água = 103 kg/m3). a) Determine o instante tA, em s, no qual ocorre a primeira colisão
I) Um engenheiro está dimensionando um motor para ser usado entre A e B.
num poço, cuja profundidade é de 20 m, para elevar 600 litros de b) Represente, no gráfico da página de respostas, a velocidade
água por minuto. Supondo-se que haja no motor uma perda de da esfera B em função do tempo, de forma a incluir na represen-
energia de 20%, o motor deve ter a potência de ........ kW. tação um período completo de seu movimento.
II) O calor de combustão de um combustível é de 20 x 106 J/L. Sa- c) Determine o período T, em s, de um ciclo do movimento das
bendo-se que um carro apresenta o rendimento de 15 km/L quando esferas.
é abastecido com este combustível, a potência desenvolvida pe-
lo carro, quando roda a 30 m/s vale ..........kW.
Assinale a alternativa que mostra, ordenadamente, os valores
numéricos que preenchem corretamente as lacunas nas situa- NOTE E ADOTE: Os choques são elásticos. Tanto o
ções acima descritas. atrito entre as esferas e o chão quanto os efeitos de
*a) 2,5; 40. rotação devem ser desconsiderados.
b) 2,0; 40000.
c) 2,5; 40000.
d) 150; 40. Considere positivas as velocidades para a direita e
e) 2,4; 40. negativas as velocidades para a esquerda.

japizzirani@gmail.com 46
FUVEST-2008 - RESOLUÇÃO DA QUESTÃO DA PÁG. ANTERIOR (UTFPR-2008) - ALTERNATIVA: B
a) Como não há atrito, o movimento até a 1a colisão é uniforme: Uma revista informa que certo modelo de automóvel possui um
V0 = s/ t 2,0 = 1,6/tA tA = 0,8 s motor de 100 CV. Sabendo-se que 1 CV é aproximadamente
igual a 736 W, a informação indica que esse motor, no intervalo
de tempo de 1,00 s, é capaz de:
b) Como a colisão entre A e B é elástica e unidimensional e as
esferas têm massas iguais, haverá troca de velocidades na co- a) exercer um torque de 7,36 . 104 Nm.
lisão. A esfera B também gastará t2 = 0,8 s para chegar ao início *b) realizar um trabalho de 7,36 . 104 J.
da rampa. A subida da rampa levará um tempo t3 dado por: c) aplicar uma força de translação de 7,36 . 105 N.
t = t1 + t2 + t3 d) dissipar uma potência de 7,36 kW.
2,0 = 0,8 + 0,8 + t3 t3 = 0,4 s e) ter um rendimento de 73,6%.
Sendo o movimento na rampa uniformemente variado, o tempo
de subida na rampa será igual ao tempo de descida (0,4s) e, pela (UTFPR-2008) - ALTERNATIVA: D
conservação da energia mecânica, a velocidade escalar da es- Uma pessoa de 70 kg de massa está viajando num avião que se
fera B, ao voltar ao plano horizontal, será negativa (inversão no encontra a 2000 m de altitude e com velocidade de 720 km/h,
sentido do movimento), porém com o mesmo módulo, 2,0 m/s. O conforme indica o radar do aeroporto. Sobre a energia mecânica
tempo gasto para percorrer 1,6 m volta a ser de 0,8 s; na 2 a dessa pessoa, nessas condições, considere as seguintes afir-
colisão, haverá nova troca de velocidades entre B e A e, nova- mações: (Considere g = 10 m/s2).
mente, mais 0,8 s para percorrer 1,6m até atingir o anteparo. Na I) A energia cinética da pessoa em relação ao avião é 1,4 . 106 J.
colisão elástica com o anteparo, a bola inverte o sentido de sua II) A energia potencial da pessoa em relação à superfície da Terra
velocidade e o ciclo se reinicia. é de 1,4 . 106 J.
III) A energia mecânica da pessoa em relação a um ponto fixo na
superfície da Terra é 2,8 . 106 J.
A(s) afirmação(ões) correta(s) é(são):
a) apenas I.
b) apenas II.
c) apenas I e II.
*d) apenas II e III.
e) I, II e III.

((UFCE-2008) - RESOLUÇÃO NO FINAL


A figura abaixo descreve a situação inicial de um sistema onde
duas molas estão comprimidas por uma massa M, com seus
comprimentos somados resultando L . As molas têm constantes
elásticas k1 e k2 , sendo que k1 = 2k2 , seus comprimentos sem
deformação somados resultam 2L , e as molas possuem massas
desprezíveis. Posteriormente, o sistema é liberado, e a massa M
c) O período T do ciclo corresponde ao tempo desde a partida de
é lançada. Desconsidere atritos.
A no instante t = 0 até o retorno de A ao anteparo no instante t =
4,0 s, portanto:
T = 4,0s

(FUVEST-2008) - RESPOSTA NO FINAL


A usina hidrelétrica de Itaipu possui 20 turbinas, cada uma for-
necendo uma potência elétrica útil de 680 MW, a partir de um
desnível de água de 120 m. No complexo, construído no Rio Pa-
raná, as águas da represa passam em cada turbina com vazão
a) Calcule a energia armazenada no sistema na situação inicial.
de 600 m3/s.
b) Determine a velocidade da massa M quando ela perde o con-
a) E stime o número de domicílios, N, que deixariam de ser aten- tato com o sistema de molas, em termos das grandezas L , M, e
didos se, pela queda de um raio, uma dessas turbinas interrom-
k2 (ou k1 ).
pesse sua operação entre 17h30min e 20h30min, considerando
que o consumo médio de energia, por domicílio, nesse período,
seja de quatro kWh. RESOLUÇÃO:
b) E stime a massa M, em kg, de água do rio que entra em cada a) O conjunto composto pelas duas molas de constantes elásti-
turbina, a cada segundo. cas k1 e k2, associadas em série, tem uma constante elástica
c) E stime a potência mecânica da água P, em MW, em cada tur-
equivalente keq = k1.k2/(k1 + k2) e está comprimido de L , já que o
bina.
comprimento sem deformação somado das duas molas é 2L.
Portanto, a energia armazenada no sistema é
NOTE EADOTE:
EPE = keq.L2/2 = k1L2/6 = k2L2/3, em que, k1= 2k2)
Densidade da água = 103 kg/m3
1 MW = 1 megawatt = 106 W b) Ao ser liberada a massa M, sua velocidade pode ser obtida
1 kWh = 1000 W × 3600 s = 3,6 × 106 J igualando a energia potencial armazenada no conjunto de molas
g = 10 m/s2 com a energia cinética da massa M no instante da perda de
contato.

Respostas: a) N = 5,1 · 105 domicílios


b) M = 6,0 · 105 kg
c) P = 720 MW
japizzirani@gmail.com 47
(FGVSP-2008) - ALTERNATIVA: C - RESOLUÇÃO NO FINAL (PUCSP-2008) - ALTERNATIVA: A
Ao passar pelo ponto A, a uma altura de 3,5 m do nível de refe- O automóvel da figura tem massa de 1,2 · 103 kg e, no ponto A,
rência B, uma esfera de massa 2 kg, que havia sido abandonada desenvolve uma velocidade de 10 m/s. Estando com o motor
de um ponto mais alto que A, possui velocidade de 2 m/s. A es- desligado, descreve a trajetória mostrada, atingindo uma altura
fera passa por B e, em C, a 3,0 m do mesmo nível de referência, máxima h, chegando ao ponto B com velocidade nula. Conside-
sua velocidade torna-se zero. A parcela de energia dissipada rando a aceleração da gravidade local como g = 10m/s2 e sa-
por ações resistentes sobre a esfera é, em J,
bendo-se que, no trajeto AB, as forças não conservativas reali-
Dado: g = 10 m/s2
zam um trabalho de módulo 1,56 · 105 J, concluímos que a altura
h é de
a) 10.
b) 12.
*c) 14.
d) 16.
e) 18.

*a) 12 m
b) 14 m
RESOLUÇÃO FGVSP-2008:
c) 16 m
Calculo da energia mecânica em A:
d) 18 m
e) 20 m

(PUCSP-2008) - ALTERNATIVA: B
Um garoto corre com velocidade de 5 m/s em uma superfície ho-
rizontal. Ao atingir o ponto A, passa a deslizar pelo piso encera-
do até atingir o ponto B, como mostra a figura.

Cálculo da energia mecânica em C:

Cálculo da “perda” por realização de trabalhos resistentes:

T = 74 – 60 = 14J

(FGVRJ-2008) - ALTERNATIVA: A
Suponha, num problema hipotético, que um boneco no formato
de um homem é solto, a partir do repouso, do topo de um edifício
de 202,0 m de altura, sobre um colchão de ar de 2,0 m de espes-
sura apoiado no solo, como ilustrado na figura abaixo. Considere Considerando a aceleração da gravidade g = 10m/s2 , o coefi-
g a aceleração da gravidade terrestre e despreze o efeito da re- ciente de atrito cinético entre suas meias e o piso encerado é de
sistência do ar. a) 0,050
Se a espessura do colchão vale 0,5 m quando o boneco atingir o *b) 0,125
repouso, o valor da desaceleração que o boneco sofre vale: c) 0,150
*a) 133,3 g d) 0,200
b) 1,2 g e) 0,250
c) 5,0 g
d) 2,0 g (MACK-2008) - ALTERNATIVA: B
e) 266,6 g A figura mostra o instante em que uma esfera
de 4 kg é abandonada do repouso, da posi-
ção P, e cai sobre a mola ideal de constante
elástica 2.102 N/m. O maior valor da velocida-
de atingida por essa esfera, no seu movimen-
to descendente, é
a) 3 m/s
*b) 4 m/s
c) 5 m/s
d) 6 m/s
e) 7 m/s Dado: g = 10 m/s2

japizzirani@gmail.com 48
(MACK-2008) - ALTERNATIVA: C (UNESP-2008) - RESPOSTA: F = 3800 N (OBS.: teorema do impul-
Durante sua apresentação numa “pista de gelo”, um patinador de so Q = I(resultante), no caso a resultante é a força da cama
60 kg, devido à ação exclusiva da gravidade, desliza por uma menos o peso do atleta).
superfície plana, ligeiramente inclinada em relação à horizontal,
conforme ilustra a figura a seguir. O atrito é praticamente des- Um atleta, com massa de 80 kg, salta de uma altura de 3,2 m so-
prezível. Quando esse patinador se encontra no topo da pista, bre uma cama elástica, atingindo exatamente o centro da cama,
sua velocidade é zero, e ao atingir o ponto mais baixo da trajetó- em postura ereta, como ilustrado na figura.
ria, sua quantidade de movimento tem módulo

Dado: g = 10 m/s2

a) 1,20 × 102 kg.m/s.


Devido à sua interação com a cama, ele é lançado novamente
b) 1,60 × 102 kg.m/s.
para o alto, também em postura ereta, até a altura de 2,45 m aci-
*c) 2,40 × 102 kg .m/s. ma da posição em que a cama se encontrava. Considerando que
d) 3,60 × 102 kg.m/s. o lançamento se deve exclusivamente à força de restituição da
e) 4,80 × 102 kg.m/s. cama elástica e que a interação do atleta com a cama durou 0,4
s, calcule o valor médio da força que a cama aplica ao atleta.
Considere g = 10 m/s2.
(UNESP-2008) - ALTERNATIVA: A
O teste Margaria de corrida em escada é um meio rápido de me- (UNIFESP-2008) - ALTERNATIVA: A
dida de potência anaeróbica de uma pessoa. Consiste em fazê- Na figura estão representadas duas situações físicas cujo obje-
la subir uma escada de dois em dois degraus, cada um com 18 tivo é ilustrar o conceito de trabalho de forças conservativas e
cm de altura, partindo com velocidade máxima e constante de dissipativas.
uma distância de alguns metros da escada. Quando pisa no 8.º Situação I
degrau, a pessoa aciona um cronômetro, que se desliga quando
pisa no 12º degrau. Se o intervalo de tempo registrado para uma
pessoa de 70 kg foi de 2,8 s e considerando a aceleração da
gravidade igual a 10 m/s2, a potência média avaliada por este mé-
todo foi de
*a) 180 W.
b) 220 W.
c) 432 W. Situação II
d) 500 W.
e) 644 W.

(UNESP-2008) - RESPOSTA: h = h0 × f 6
Em recente investigação, verificou-se que uma pequena gota de Em I, o bloco é arrastado pela força sobre o plano horizontal; por
água possui propriedades elásticas, como se fosse uma partí- causa do atrito, quando a força cessa o bloco pára. Em II, o blo-
cula sólida. Em uma experiência, abandona-se uma gota de uma co, preso à mola e em repouso no ponto O, é puxado pela força
altura h0 , com uma pequena velocidade horizontal. Sua trajetó- sobre o plano horizontal, sem que sobre ele atue nenhuma força
ria é apresentada na figura. de resistência; depois de um pequeno deslocamento, a força
cessa e o bloco volta, puxado pela mola, e passa a oscilar em
torno do ponto O.
Essas figuras ilustram:
*a) I: exemplo de trabalho de força dissipativa (força de atrito),
para o qual a energia mecânica não se conserva;
II: exemplo de trabalho de força conservativa (força elástica),
para o qual a energia mecânica se conserva.
b) I: exemplo de trabalho de força dissipativa (força de atrito),
para o qual a energia mecânica se conserva;
II: exemplo de trabalho de força conservativa (força elástica),
para o qual a energia mecânica não se conserva.
c) I: exemplo de trabalho de força conservativa (força de atrito),
para o qual a energia mecânica não se conserva;
II: exemplo de trabalho de força dissipativa (força elástica), para
o qual a energia mecânica se conserva.
Na interação com o solo, a gota não se desmancha e o coeficien- d) I: exemplo de trabalho de força conservativa (força de atrito),
te de restituição, definido como f, é dado pela razão entre as para o qual a energia mecânica se conserva;
componentes verticais das velocidades de saída e de chegada II: exemplo de trabalho de força dissipativa (força elástica), para
da gota em uma colisão com o solo. Calcule a altura h atingida pe- o qual a energia mecânica não se conserva.
la gota após a sua terceira colisão com o solo, em termos de h0 e) I: exemplo de trabalho de força dissipativa (força de atrito);
e do coeficiente f. Considere que a componente horizontal da ve- II: exemplo de trabalho de força conservativa (força elástica),
locidade permaneça constante e não interfira no resultado. mas em ambos a energia mecânica se conserva.
japizzirani@gmail.com 49
(UNIFESP-2008) - RESPOSTA NO FINAL (EAFIMG-2008) - ALTERNATIVA: C
A figura representa um pêndulo balístico usado em laboratórios Considere a descida de uma esfera pelas superfícies ‘AB’, ‘BC’,
didáticos. e ‘CD’ desenhada abaixo:
ver slide: Obs: - Considere que a esfera parte do ponto ‘A’ com velocidade
UNIFEST - 2008 - Q.12 inicial zero. - Considere as superfícies sem atrito.

A esfera disparada pelo lançador se encaixa em uma cavidade


do bloco preso à haste ! em conseqüência ambos sobem até fi-
Julgue entre verdadeiras e falsas as afirmativas abaixo: (consi-
carem presos por atrito em uma pequena rampa, o que permite
medir o desnível vertical h do centro de massa do pêndulo (con- dere g = 10m/s2)
junto bloco-esfera) em relação ao seu nível inicial. Um aluno tra- I. Só há aceleração no trecho ‘AB’.
balha com um equipamento como esse, em que a massa da es- II. A esfera percorre o trecho ‘BC’ com velocidade constante.
III. A esfera passa em ‘C’ com velocidade de 3,0 m/s e chega em
fera é mE = 10 g, a massa do bloco é mB = 190 g e a massa da
‘D’ com velocidade de aproximadamente 6,3 m/s.
haste pode ser considerada desprezível. Em um ensaio experi-
IV. O tempo que a esfera gastará para percorrer o trecho ‘BC’
mental, o centro de massa do conjunto bloco-esfera sobe h = 10
será de aproximadamente 0,66s.
cm.
Podemos dizer que:
a) Qual a energia potencial gravitacional adquirida pelo conjunto
a) todas as afirmativas são verdadeiras.
bloco-esfera em relação ao nível inicial?
b) apenas as afirmativas III e IV são falsas.
b) Qual a velocidade da esfera ao atingir o bloco?
*c) apenas a afirmativa I é falsa.
Suponha que a energia mecânica do conjunto blocoesfera se
d) todas as afirmativas são falsas.
conserve durante o seu movimento e adote g = 10 m/s2.
(FATECSP-2008) - ALTERNATIVA: D
RESPOSTA: Um corpo é lançado verticalmente para cima, a partir do solo,
a) Eg = (mE + mB)g Eg = 0,20 J considerado como nível zero de energia potencial. Ao atingir 4,0
m de altura, sua energia potencial é de 32 J, e sua energia ci-
b) A velocidade inicial do pêndulo (vBE) é dada por: nética é de 8,0 J. Considere g= 10 m/s2 e despreze a resistência
(mB + mE)v 2BE = (mB + mE).g.h vBE = 2 m/s do ar. A velocidade de lançamento do corpo é, em m/s,
a) 40 *d) 10
No momento em que a esfera atinge o bloco, temos uma colisão b) 30 e) 5,0
perfeitamente inelástica. Assim a velocidade vE da esfera nesse c) 20
momento é dada por:
Qantes = Qdepois mEvE = (mE + mB)v vE = 28 m/s
(UDESC-2008) - RESPOSTA a) b) 5 N c) 14 m/s

(UFSCar-2008 - ALTERNATIVA: B Uma mola, cuja constante elástica é de 300 N/m, encontra-se
O trabalho realizado por uma força conservativa independe da comprimida em 10,0 cm. Encostado na mola segura-se um bloco
trajetória, o que não acontece com as forças dissipativas, cujo de massa 10,0 g, apoiado em um plano horizontal. Ao se soltar o
trabalho realizado depende da trajetória. São bons exemplos de bloco, ele acelera até perder o contato com a mola. Nesse inter-
forças conservativas e dissipativas, respectivamente, valo, a força de atrito com o piso realiza um trabalho resistente
a) peso e massa. de 0,5 J. (Se necessário adote g = 10 m/s2)
*b) peso e resistência do ar.
c) força de contato e força normal.
d) força elástica e força centrípeta.
e) força centrípeta e força centrífuga.

(FATECSP-2008) - ALTERNATIVA: C
Uma máquina térmica, operando com rendimento de 20%, de-
senvolve potência útil de 2,0.103 W enquanto consome carvão
de poder calorífico 3,6.107 J/kg. O uso de 10 kg de carvão pode-
ria proporcionar o funcionamento da máquina por um intervalo de a) Trace o gráfico do módulo da força elástica em função da
tempo, em horas, de deformação da mola.
a) 1,0 d) 24 b) Calcule a intensidade da força de atrito.
b) 4,0 e) 72 c) Calcule a velocidade adquirida pelo corpo, ao passar pela
*c) 10 posição zero (0,0 cm).
japizzirani@gmail.com 50
(UFPel-2008) - ALTERNATIVA: E (VUNESP-2008) - ALTERNATIVA: C
Uma criança peralta senta-se em um balanço improvisado, con- Um corpo de massa m é lançado de cima de uma rampa de 6 m de
forme a figura abaixo. Ali permaneceu por um certo tempo, em altura e extensão de 10 m, com velocidade de 2 2 m/s. Ao
equilíbrio, até que uma das cordas rebentou e ela caiu partindo chegar à base da rampa, ponto B da figura, a velocidade do
do repouso. corpo é nula devido à força de atrito existente entre ele e a ram-
pa. Nessas condições, desprezando-se os atritos do ar e consi-
derando g = 10 m/s2, o coeficiente de atrito vale:

a) 0,5.
b) 0,6.
*c) 0,8.
d) 1,0.
e) 1,2.

Desprezando a resistência do ar, a massa das cordas, conside-


rando g = 10m/s2, cos 30° = 0,87, cos 60° = 0,5, cos 45° = sen 45° (VUNESP-2008) - ALTERNATIVA: D
= 0,7 e que a criança de massa 40 kg estivesse a 1,8m acima do Submete-se um corpo de massa 10 kg, inicialmente em repouso,
solo, analise as afirmativas abaixo. sobre uma superfície plana e sem atrito, a uma força resultante
I. As forças exercidas por cada uma das cordas, para manter a F que varia em função do tempo, como mostra o gráfico. Nesse
criança em equilíbrio, são, aproximadamente, 365 N e 294 N. movimento,
II. A velocidade da criança ao atingir o solo tem módulo igual a 6
m/s.
III. A energia potencial e a velocidade da criança, quando ela está
a 80cm acima do solo, é, respectivamente, igual a 320J e 2 5
m/s.
IV. A energia mecânica da criança, quando ela está sentada no
balanço é igual àquela que ela apresenta quando atinge o solo.
Estão corretas as afirmativas
a) somente I, II e III. d) somente I, III e IV.
b) somente II, III e IV. *e) I, II, III e IV.
c) somente II e IV.
a) a velocidade não varia entre 0 e 20 s.
b) em t = 20 s, o corpo inverte seu sentido.
(UEPG/PR-2008) - RESPOSTA: V = 10 m/s c) a velocidade média é de 5 m/s.
Com base na figura abaixo, calcule a menor velocidade com que *d) há variação de quantidade de movimento de 1000 N.s.
o corpo deve passar pelo ponto A para ser capaz de atingir o e) o impulso médio de 0 a 20 s é nulo.
ponto B. Despreze o atrito e considere g = 10 m/s2.

(VUNESP-2008) - RESPOSTA: FAZER


Uma bola, de massa 1 kg, é lançada verticalmente para baixo, de
uma altura de 100 m, com velocidade de m/s, rebatendo no solo
e tornando a subir a uma altura de 45 m. Desprezando-se o atrito
do ar e considerando g = 10 m/s2, determine:
a) a velocidade com que a bola chega ao solo.
b) a energia dissipada no contato com o solo

(PUCRS-2008) - ALTERNATIVA: D
INSTRUÇÃO: Para responder à questão 2, considere o texto e as
(UEPG/PR-2008) - RESPOSTA: SOMA = 30 (02+ 04+08+16) afirmativas sobre o movimento de uma locomotiva.
Duas pequenas esferas de massas m1 e m2 se aproximam uma No fim das linhas de metrô, em algumas estações, existe uma
mola horizontal, colocada na direção dos trilhos, cuja função é
da outra com velocidades V1i e V2i e experimentam um choque amortecer uma eventual colisão da locomotiva. Num pequeno
frontal, como se observa na figura abaixo. Sobre este evento,
descuido do condutor, uma locomotiva de 1,2x104 kg, movendo-
assinale o que for correto.
se com velocidade de 3,0m/s, colide com uma dessas molas,
vindo a parar. Sabendo que a mola tem constante elástica de
2,0x106 N/m, e supondo que não haja dissipação de energia me-
01) Se o choque for perfeitamente elástico, a energia cinética é cânica, são feitas as seguintes afirmativas:
conservada, porém a quantidade de movimento não é conserva- I. A variação da energia cinética da locomotiva é de -5,4x104 J.
da. II. O trabalho realizado pela força restauradora (elástica) da mola
02) Se o choque for inelástico, a energia cinética não é conser-
sobre a locomotiva durante a compressão é de 5,4x104 J.
vada, porém a quantidade de movimento é conservada.
04) Se o choque for perfeitamente elástico, e m1 = m2 e V2i = 0, III. A variação do momento linear da locomotiva é de -3,6x104 kg
m/s.
então V1f = 0 e V2f = V1i 2) Está / Estão correta(s) apenas as afirmativas
08) Se o choque for perfeitamente inelástico, com m1 = m2 e V2i a) I.
= 0, então Vf = 1/2V1i b) II.
c) I e II.
16) Se o choque for perfeitamente elástico, com m2 muito maior *d) I e III.
que m1 e V2i = 0, então V1f -V1i e V2f 0 e) II e III.
japizzirani@gmail.com 51
(UEM/PR-2008) - ALTERNATIVA: B (UEL-2008) - ALTERNATIVA: B
Se uma das rodas de um automóvel parado permanecesse apoi- Em um jogo de sinuca, as bolas estão dispostas como mostrado
ada sobre o pé de uma pessoa, muito provavelmente o pé seria na figura a seguir. A bola branca é tacada com uma força de 100
esmagado; entretanto, se o mesmo automóvel passasse em alta N, que age na mesma por 0, 2 s, chocando-se contra a bola 1.
velocidade sobre o pé da pessoa, provavelmente não causaria Após a colisão, a bola 1 é também colocada em movimento, sen-
dano. Analisando essa afirmação, assinale a alternativa correta. do que o ângulo entre a direção do movimento de ambas e a dire-
a) Em alta velocidade, provavelmente não causaria dano, pois o ção do movimento inicial da bola branca é igual a 45O.
carro tornar-se-ia mais leve. Considerando que:
*b) Em alta velocidade, provavelmente não causaria dano, pois o • cada bola tem massa igual a 0, 4 kg;
impulso exercido sobre o pé com o carro em movimento seria • a colisão é perfeitamente elástica;
muito menor do que com o carro parado. • não há atrito entre a mesa e as bolas;
c) Causaria dano ao pé com o carro parado, pois a variação da • cos(45O) = 0, 7.
quantidade de movimento seria muito maior do que com o carro Assinale a alternativa que mais se aproxima do módulo do vetor
em movimento. velocidade da bola branca após a colisão.
d) A afirmação está incorreta, pois sempre causaria danos e de a) 25 m/s.
mesma proporção, pois a intensidade da força exercida pelo *b) 35 m/s.
carro nas duas situações é a mesma. c) 55 m/s.
e) Causaria maior dano com o carro parado devido ao fato de o d) 65 m/s.
atrito estático ser maior que o atrito cinético. e) 75 m/s.

ver slide:
(UEM/PR-2008) - ALTERNATIVA: D UEL - 2008 - Q.25
Sobre aviões de acrobacia que executam loopings (movimento
circular cuja trajetória ocorre em um plano vertical em relação ao
horizonte) no céu, é correto afirmar que, durante a execução
do looping,
a) a aceleração centrífuga é duas vezes maior que a centrípeta.
b) a energia potencial gravitacional se anula durante o looping.
c) existe somente energia rotacional na execução da manobra.
*d) a aceleração centrípeta torna-se mais intensa que a acelera-
ção da gravidade. (UNICAMP-2008) - RESPOSTA: a) 4,0 m/s b) para m = 3,0 g
e) a aceleração centrífuga reduz-se a um quarto da centrípeta. M = 720 g
Um experimento interessante pode ser realizado abandonando-
(UFMG-2008) - ALTERNATIVA: D se de certa altura uma bola de basquete com uma bola de pin-
Observe o perfil de uma montanha russa representado nesta fi- gue-pongue (tênis de mesa) em repouso sobre ela, conforme
mostra a figura (a). Após o choque da bola de basquete com o
gura:
solo, e em seguida com a bola de pingue-pongue, esta última
atinge uma altura muito maior do que sua altura inicial.

Um carrinho é solto do ponto M, passa pelos pontos N e P e só


consegue chegar até o ponto Q. Suponha que a superfície dos
trilhos apresenta as mesmas características em toda a sua ex-
tensão. Sejam ECN e ECP as energias cinéticas do carrinho,
respectivamente, nos pontos N e P e ETP e ETQ as energias
mecânicas totais do carrinho, também respectivamente, nos pon-
tos P e Q.
Considerando-se essas informações, é CORRETO afirmar que
a) ECN = ECP e ETP = ETQ.
b) ECN = ECP e ETP > ETQ.
c) ECN > ECP e ETP = ETQ.
*d) ECN > ECP e ETP > ETQ. a) Para h = 80 cm, calcule a velocidade com que a bola de bas-
quete atinge o solo. Despreze a resistência do ar e considere g
= 10 ms2.
(UFMG-2008) - RESPOSTA: FAZER
Em julho de 1994, um grande cometa denominado Shoemaker Le- b) Abandonadas de uma altura diferente, a bola de basquete, de
vi 9 atingiu Júpiter, em uma colisão frontal e inelástica. De uma massa M, reflete no solo e sobe com uma velocidade de módulo
nave no espaço, em repouso em relação ao planeta, observou- V = 5,0 m/s. Ao subir, ela colide com a bola de pingue-pongue que
está caindo também com V = 5,0 m/s, conforme a situação repre-
se que a velocidade do cometa era de 6,0 x 104 m/s antes da sentada na figura (b). Considere que, na colisão entre as bolas,
colisão. Considere que a massa do cometa é 3,0 x 1014 kg e que a energia cinética do sistema não se conserva e que, imediata-
a massa de Júpiter é 1,8 x 1027 kg. mente após o choque, as bolas de basquete e pingue-pongue
Com base nessas informações, CALCULE sobem com velocidades de V’b = 4,95 m/s e V’p = 7,0 m/s, res-
1. a velocidade, em relação à nave, com que Júpiter se deslocou pectivamente. A partir da sua própria experiência cotidiana, faça
no espaço, após a colisão. uma estimativa para a massa da bola de pingue- pongue, e,
2. a energia mecânica total dissipada na colisão do cometa com usando esse valor e os dados acima, calcule a massa da bola de
Júpiter. basquete.
japizzirani@gmail.com 52
(UNICAMP-2008) - RESPOSTA: a) 7.10-6 m2 b) 20 m/s (UFJF-2008) - ALTERNATIVA: B
Nas cenas dos filmes e nas ilustrações gráficas do Homem-ara- Dois carros de corrida percorrem a mesma distância de um tre-
nha, a espessura do cabo de teia de aranha que seria necessá- cho retilíneo, sendo acelerados a partir do repouso por forças
rio para sustentá- lo é normalmente exagerada. De fato, osfios iguais e constantes. A massa m1 do carro número 1 é maior do
de seda da teia de aranha são materiais extremamente resisten- que a massa m2 do carro número 2. Sejam E1 e E2 as energias, e
tes e elásticos. Para deformações L relativamente pequenas,
um cabo feito de teia de aranha pode ser aproximado por uma p1 e p2 os momentos lineares dos carros de números 1 e 2, res-
pectivamente. Na chegada, valem as seguintes afirmações so-
mola de constante elástica k dada pela fórmula k = (1010.A/L) N/
bre essas grandezas (desprezar qualquer atrito):
m, onde L é o comprimento inicial e A a área da seção transversal
do cabo. Para os cálculos abaixo, considere a massa do Ho- a) E1 = E2 e p1 = p2
mem-aranha M = 70 kg e g = 10 m/s2. *b) E1 = E2 e p1 > p2
c) E1 > E2 e p1 = p2
d) E1 > E2 e p1 > p2
e) Não é possível chegar a alguma conclusão com os dados for-
necidos.

(UFJF-2008) - RESPOSTA: a)25,2×10-2J b)12,6×10-4 W c) 100 m


Uma pessoa deixa uma moeda cair, e, então, ouve-se o barulho
do choque dela com o piso. Sabe-se que a massa da moeda é de
12,6 g (12,6 4 ) e que cai de uma altura de 2 m.
Adote g = 10 m/s2.
a) Calcular a energia cinética com que a moeda chega ao piso.
b) No primeiro toque com o piso, 0,05% da energia da moeda é
convertida em um pulso sonoro que dura 0,1 segundo. Calcular
a potência do pulso sonoro.
c) Supondo-se que a propagação das ondas seja a mesma em
todas as direções e que, para se ouvir o barulho, a intensidade
sonora no local deva ser no mínimo 10-8 W/m2, calcular a distân-
cia máxima em que se pode ouvir a queda.

(UFJF-2008) - RESPOSTA: a) gr b) 5r/2 c) figura ao


lado
Um carrinho de massa m desliza ao longo de um circui-
to de uma montanha russa, contendo um loop de raio r
a) Calcule a área A da seção transversal do cabo de teia de ara-
(Figura abaixo). Tratando o carrinho como uma massa
nha que suportaria o peso do Homem-aranha com uma deforma-
puntiforme, e desprezando todo o tipo de atrito:
ção de 1,0 % do comprimento inicial do cabo.
b) Suponha que o Homem-aranha, em queda livre, lance vertical-
mente um cabo de fios de teia de aranha para interromper a sua
queda. Como ilustra a figura (2a), no momento em que o cabo se
prende, a velocidade de queda do Homem-aranha tem módulo
V0. No ponto de altura mínima mostrado em (2b), o cabo de teia
atinge uma deformação máxima de L = 2,0 m e o Homem-aranha
tem, nesse instante, velocidade V = 0. Sendo a constante elás-
tica do cabo de teia de aranha, neste caso, k = 7700 N/m, calcule
V 0. a) Calcule a velocidade mínima no ponto P para o carrinho não
perder contato com a pista nesse ponto.
(UFOP-2008) - RESPOSTA: FAZER b) Calcule o valor mínimo da altura h, onde o carrinho é solto do
Considere uma colisão unidimensional de duas partículas A e B, repouso, para percorrer o circuito, sem perder contato com a
de mesma massa, com módulos de velocidade VA e V B na dire- pista no ponto P.
ção do eixo x, conforme a figura abaixo: c) Supondo-se que a altura de onde ele é solto do repouso é su-
ficiente para fazer uma volta completa no loop, faça um diagra-
ma das forças que atuam sobre o carrinho, quando ele passa
pelo ponto Q, identificando cada uma das forças.

(VUNESP-2008) - ALTERNATIVA: C
Os automóveis têm, em sua traseira, lâmpadas de freio que acen-
dem apenas durante o intervalo de tempo em que o motorista aci-
ona os freios. São luzes de alerta para o motorista que vem logo
atrás. Num veículo existem duas dessas lâmpadas, cada uma
com potência de 20 W, alimentadas por uma bateria de 12 V.
Considere um trecho de 2 km percorrido com velocidade média
de 72 km/h, em que o motorista mantém o pedal de freio acionado
a) Supondo que o choque seja elástico, mostre que V ’A = VB e
durante 10% do tempo total da viagem. A energia elétrica utiliza-
V ’B = VA , ondeV ’A e V ’B são, respectivamente, os módulos das da para acender as duas lâmpadas de freio do veículo, nesse
velocidades das partículas A e B depois do choque. intervalo de tempo é, em joules, igual a
b) Supondo agora que o choque seja inelástico, onde uma das a) 20. d) 2 000.
partículas “gruda” na outra, mostre que v ’ = (1/2)×|VA - VB|, onde b) 200. e) 4 000.
v ’ é a velocidade final das duas partículas em conjunto. *c) 400.
japizzirani@gmail.com 53
(UFJF-2008) - RESPOSTA NO FINAL (VUNESP-2008) - RESPOSTA: a) 1,5 rad/s b) 0,9 m/s
Um bate-estaca é um dispositivo utilizado no início da construção A figura representa a vista de cima, em dois instantes diferentes,
de um edifício. Ele consiste em um mecanismo que provoca a de duas esferas A e B de massas iguais, presas a duas hastes
queda de uma grande massa (o martelo) sobre uma estaca para rígidas de massas desprezíveis, apoiadas numa superfície pla-
encravá-la no solo. Depois da queda, a estaca e o martelo se na, horizontal e perfeitamente lisa. As hastes têm comprimentos
movem juntos para baixo, sendo que o conjunto (martelo + esta- 0,6 m e são presas num pino fixo no ponto O, podendo girar li-
ca) adquire, imediatamente após o impacto, uma velocidade v. vres de qualquer resistência. A partir do instante t = 0, A é colo-
Supondo-se que o solo seja muito mole, essa velocidade pode cada para girar no sentido anti-horário com velocidade angular
ser considerada constante durante um certo intervalo de tempo constante A, e colide de forma perfeitamente elástica com B,
e, durante esse intervalo, a energia e o momento transferidos ao que estava parada na posição indicada na figura I. Devido à coli-
solo podem ser desprezados. As massas da estaca e do marte- são, B sai do repouso e três segundos depois da partida de A, a
lo são me e mm respectivamente. situação é a representada na figura II, com B se movendo com
a) Admitindo-se que o martelo caia de uma altura h sobre a velocidade de módulo constante VB.
estaca, calcule o módulo da velocidade v adquirida pelo conjunto
martelo + estaca imediatamente após o choque.
b) Calcule o valor da energia “perdida” durante o golpe do marte-
lo contra a estaca. Expresse o resultado em termos de h, mm e
me.
c) Para onde vai essa energia “perdida”?
RESPOSTA:
a) b)
=

c) É convertida em som, calor e deformação plástica

Sabendo que até o instante t = 3s houve apenas uma colisão en-


(VUNESP-2008) - ALTERNATIVA: A tre A e B, desprezando o intervalo de tempo de contato entre as
Um bloco de massa M é abandonado do alto de um plano inclina- esferas durante o choque e adotando = 3, determine:
do de altura H e, após chocar-se com uma mola ideal na parte a) a velocidade angular A, em rad/s, com que se movia a esfera
mais baixa da rampa, volta a subir atingindo uma altura h, onde A antes de colidir em B.
pára instantaneamente.
b) a velocidade escalar VB, em m/s, da esfera B, na situação da
figura II.

(VUNESP-2008) - ALTERNATIVA: E
Um astronauta abandona uma pedra do topo de uma cratera
lunar. Quando a pedra atinge a metade do percurso, sua veloci-
dade corresponde a uma fração da velocidade final de impacto.
Desprezadas as forças resistivas, essa fração corresponde a
Sabendo que nesse movimento pode-se considerar desprezível
a resistência do ar, indique a alternativa que mostra corretamen- a)
te o trabalho realizado pela força de atrito desde a partida na al-
tura H até a parada na altura h.
*a) M.g.(h - H) b)
b) M.g.(H - h)
c) (M.g.H)/2
d) 2.M.g.h c)
e) (M + m).g.(h - H)

(UNIFEI-2008) - RESPOSTA: N = 200 d)


O número de rodas d’água existentes na Inglaterra, no final do
século XI, foi estimado como sendo aproximadamente igual a
6000. Ainda hoje, no interior do Brasil, existem moinhos movidos *e)
a rodas d´água para obtenção, por exemplo, do fubá. Supõe-se
que, em média, a potência de uma máquina hidráulica destas é de (UNIMONTES-2008) - ALTERNATIVA: B
2,0 hp. Se a potência que as turbinas de um Boeing 747 devem Uma força é chamada de conservativa quando
gerar para manter o avião em velocidade de cruzeiro é de 0,30 a) não realiza trabalho.
MW, em termos de rodas d´água, quantas delas seriam neces- *b) o trabalho por ela realizado não depende da trajetória de seu
sárias para manter no ar um Boeing 747? Suponha que 1,00 hp ponto de aplicação.
= 750 W c) realiza apenas trabalho positivo.
d) o trabalho por ela realizado não depende da massa do corpo
(VUNESP-2008) - ALTERNATIVA: A em que está aplicada.
Trabalho é uma grandeza escalar que pode ser expressa no
Sistema Internacional por joule, que é resultado da relação entre (UNIMONTES-2008) - ALTERNATIVA: D
as unidades Uma nave espacial é constituída por estágios. Cada vez que um
*a) kg.m2.s-2. estágio é lançado fora, a nave adquire maior velocidade. Isso
b) kg.m2.s-1. está de acordo com o princípio da
a) gravitação universal.
c) kg.m-2.s-2.
b) inércia.
d) kg.m-2.s-1. c) independência dos movimentos.
e) kg.m-1.s-1. *d) conservação da quantidade de movimento.
japizzirani@gmail.com 54
(UFU-2008) - RESPOSTA NO FINAL (UNIMONTES-2008) - ALTERNATIVA: C
Considere as informações a seguir. Uma bola de aço de 0,5kg de massa, amarrada a uma corda, é
A fórmula de Harris-Benedict é dada, de forma aproximada, por: abandonada quando a bola está na horizontal, descrevendo um
EH = 66 + (14 x massa) + (6 x altura) – (7 x idade) arco de circunferência (ver figura). Na parte mais baixa de sua
Ela fornece uma estimativa da energia, em Kcal, de que um ho- trajetória, a bola atinge um bloco de aço de mesma massa, inici-
mem necessita ao longo de um dia para manter suas funções vi- almente em repouso, que está sobre uma superfície sem atrito,
tais. Nessa fórmula, a massa deve ser calculada em Kg, a altura numa colisão perfeitamente elástica. A velocidade do bloco, ime-
em cm e a idade em anos. diatamente após a colisão, é
Com base nessas informações, faça o que se pede. a) 3,0 m/s.
a) Calcule a energia EH para uma pessoa de 10 anos de idade, b) 2,0 m/s.
*c) 4,0 m/s.
pesando 50 Kg e tendo 1,50 m de altura.
d) 1,0 m/s.
Suponha que essa pessoa suba uma rampa de inclinação 30O,
carregando, paralelamente à rampa, com velocidade cons-
tante, um corpo (“mala”) de massa igual a 10 Kg, em um local
onde a gravidade é g = 10m/s2, conforme ilustrado na figura (UNIMONTES-2008) - ALTERNATIVA: D
abaixo. Um corpo de massa 2,0 kg percorre a trajetória ABC, parando em
C. O trecho AB é perfeitamente liso, mas, a partir do ponto B,
existe atrito, com = 0,5. A distância do trecho BC é igual a
a) 2,0 m.
b) 3,0 m.
c) 5,0 m.
*d) 4,0 m.

(CEFETSP-2008) - ALTERNATIVA: D
Um corpo de massa 30 kg se desloca 2,5 m sobre umasuperfície
plana e horizontal (figura) sob a ação da força F. Considerando
os dados da figura, o trabalho realizado por F, em joules, vale:
a) 75
b) 45
b) Qual é o valor da força aplicada ao corpo (“mala”) por essa c) 30
pessoa? *d) 25
c) Suponha que toda a energia EH do item (a) seja gasta para e) 12
movimentar o corpo (“mala”) conforme a descrição acima. Deter-
mine a distância percorrida por essa pessoa.
Dado: considere 1 cal = 4J

(UFSC-2008) - RESPOSTA: SOMA = 86 (02+04+16+64)


Um pêndulo balístico é um aparato experimental que permite de-
terminar a velocidade de um projétil. Na Figura I estão represen-
tados o projétil de massa m e velocidade inicial , bem como um
bloco de massa M, inicialmente em repouso. Após o impacto, o
projétil se aloja no bloco e este se eleva a uma altura máxima y,
conforme representação na Figura II.

(UNIMONTES-2008) - ALTERNATIVA: D
Uma bola de massa 0,5kg, movendo-se a 6,0m/s, é rebatida por
um jogador, passando a se mover com velocidade de 8,0m/s,
numa direção perpendicular à direção inicial de seu movimento.
O impulso que o jogador imprime à bola tem módulo igual a
a) 2 kg·m/s.
b) 4 kg·m/s.
c) 3 kg·m/s. Assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).
*d) 5 kg·m/s. 01. O projétil, logo após se alojar no interior do bloco, perde toda
a sua energia cinética e toda a sua quantidade de movimento.
(UNIMONTES-2008) - ALTERNATIVA: A *02. O sistema formado pelo projétil mais o bloco atingirá uma
Duas pedras, sendo uma de 5kg e outra de 10kg, estão a 40m de altura máxima, à direita, a qual dependerá da velocidade inicial
altura em relação ao solo (considerando, nesse caso, a referên- do projétil.
cia zero da energia potencial), num local onde o campo *04. Sendo a colisão característica deste processo perfeita-
gravitacional é constante e homogêneo. Podemos afirmar COR- mente inelástica, haverá perda de energia cinética.
RETAMENTE que 08. É impossível aplicar a lei de conservação da quantidade de
*a) a pedra de maior massa tem maior energia potencial, consi- movimento ao processo acima.
derando os dados apresentados. *16. Utilizando-se o princípio de conservação da energia mecâ-
b) ambas têm igual energia potencial porque o campo é constan- nica, pode-se calcular a altura máxima atingida pelo bloco de
te. massa M.
c) a pedra de menor massa tem maior energia potencial porque o 32. A energia cinética inicial é igual à metade da energia cinética
campo é homogêneo. final para o processo dado.
d) os dados apresentados são insuficientes para uma compara- *64. O sistema formado pelo projétil mais o bloco atingirá uma
ção entre as energias potenciais das pedras. altura máxima, à direita, que dependerá das massas M e m.
japizzirani@gmail.com 55
(UFLA/MG-2008) - ALTERNATIVA: C (UFMS-2008) - RESPOSTA: SOMA = 006 (002+004)
Todo sistema de unidades é composto por padrões arbitrários de Para encher um reservatório retangular de água, pode-se utilizar
grandezas físicas. Joãozinho, um astuto estudante que mora duas torneiras que, quando abertas, jorram água horizontalmen-
nos grotões da Serra da Canastra, sabendo disso, criou seu te. As duas torneiras são idênticas isto é, possuem secções
próprio sistema de unidades - o Sistema JACU (Johnny Arbitrary transversais dos orifícios de saída de água iguais. Ambas as
Concepts Units). Para isso, utilizou como medida arbitrária de torneiras estão conectadas a um único condutor que as alimenta
distância o tchirim (leia-se tirinho de espingarda); de massa, o de água. Assim, quando as duas torneiras estão abertas, os al-
cadjiquim (leia-se cadiquinho); e de tempo, o minutim (leia-se mi- cances horizontais dos jatos de água, na base horizontal do re-
nutinho). Pode-se afirmar que a grandeza física ENERGIA, no servatório, são reduzidos para 2/3 do alcance quando se abre
sistema JACU,é dada por: apenas uma das torneiras, veja a ilustração. Considere que o
a) (tchirim)1 . (cadjiquim)2 . (minutim)-1 tempo necessário para encher o reservatório quando se utiliza
b) (tchirim)1 . (cadjiquim)0 . (minutim)-3 apenas uma torneira é t1. Com base nessas informações e atra-
*c) (tchirim)2 . (cadjiquim)1 . (minutim)-2 vés dos fundamentos da mecânica dos fluídos, assinale a(s)
proposição(ões) correta(s).
d) (tchirim)2 . (cadjiquim)2 . (minutim)-2

(UFLA/MG-2008) - ALTERNATIVA: D
Considere um bloco de massa M em repouso, sobre uma super-
fície horizontal isenta de atrito. Uma força F constante atua so-
bre esse bloco, ao longo de uma distância D, de forma que esse
atinge uma velocidade v1. Em seguida, repete-se a operação
sobre esse mesmo bloco, também inicialmente em repouso, mas,
desta vez, a força F atua sobre o corpo ao longo de uma distân-
cia 2D, atingindo uma velocidade v2. Pode-se afirmar que a razão (001) Abrindo-se as duas torneiras, o reservatório ficará cheio
V1/v2 é no tempo igual a t1/2.
*(002) Abrindo-se as duas torneiras, a vazão total que alimenta
a) 1/2 o reservatório é 4/3 da vazão que alimenta o reservatório, quan-
do apenas uma torneira está aberta.
b) 2
*(004) Quando se abrem as duas torneiras, a pressão, no interi-
c) 2
or do condutor que as alimenta, é menor do que quando se abre
*d) (1/2) apenas uma torneira.
(008) Abrindo-se as duas torneiras, a velocidade com que a
água sai das torneiras é a metade da velocidade de saída da
(UFMS-2008) - ALTERNATIVA: E
água quando está aberta apenas uma torneira.
O motor de um veículo desenvolve uma potência máxima de
(016) O alcance da água é reduzido quando se abrem as duas
45.000w (~60hp) em uma estrada plana e horizontal, alcançan-
torneiras, porque o tempo de queda de um elemento de água que
do uma velocidade máxima e constante de 100 km/h. Nessa
sai da torneira, até atingir a base do reservatório, é menor do que
condição, toda a potência do motor é consumida pelo trabalho
quando se abre apenas uma torneira.
realizado pela força de arrasto Fa que é proporcional e contrária
à velocidade, isto é, Fa = -bV, onde b é uma constante de pro-
porcionalidade e V é o vetor velocidade do veículo. A potência (UFPB-2008) - ALTERNATIVA: D
instantânea de um veículo é dada pelo produto da força motriz Uma esfera metálica está suspensa por um fio com massa des-
prezível. A esfera, inicialmente em repouso, é largada de uma po-
pela velocidade do veículo, isto é, Potência = Fmotriz x V. Veja a
sição em que o fio faz um ângulo de 60° com a vertical, conforme
figura ilustrando essas forças aplicadas no veículo quando está a figura ao lado. Considerando que o fio tem 0,4m de comprimen-
desenvolvendo a potência máxima. Com base nos conceitos da
to e que g = 10 m/s2, conclui-se que a esfera atinge o ponto mais
dinâmica dos corpos rígidos e dos fluidos, assinale a alternativa
correta. baixo de sua trajetória com uma velocidade de:
a) 6 m/s c) 1 m/s e) 3 m/s
b) 4 m/s *d) 2 m/s

(UFPB-2008) - ALTERNATIVA: E
Pai e filho são aconselhados a correr para perder peso. Para
que ambos percam calorias na mesma proporção, o instrutor da
academia sugeriu que ambos desenvolvam a mesma quantidade
de movimento. Se o pai tem 90kg e corre a uma velocidade de
2m/s , o filho, com 60kg , deverá correr a:
a) 1 m/s c) 4 m/s *e) 3 m/s
b) 5 m/s d) 2 m/s

(ITA-2008) - ALTERNATIVA: A
a) A força motriz, quando o carro desenvolve a potência máxima,
Define-se intensidade I de uma onda como a razão entre a potên-
é menor que 1500 N.
cia que essa onda transporta por unidade de área perpendicular
b) A força de arrasto aplicada no carro, quando ele desenvolve
à direção dessa propagação. Considere que para uma certa on-
a potência máxima, é menor que a força motriz.
da de amplitude a, freqüência f e velocidade v, que se propaga
c) A constante de proporcionalidade b é maior que 60Ns/m.
em um meio de densidade , foi determinada que a intensidade é
d) A constante b de proporcionalidade não depende da área da
secção transversal do carro. dada por: I = 2 2fx v.ay. Indique quais são os valores adequa-
*e) Para o veículo desenvolver uma velocidade constante igual a dos para x e y, respectivamente.
50 km/h, nessa mesma pista, basta o motor desenvolver uma *a) x = 2; y = 2 b) x = 1; y = 2 c) x = 1; y = 1
potência igual a ¼ da potência máxima. d) x = -2; y = 2 e) x = -2; y = -2
japizzirani@gmail.com 56
(ITA-2008) - ALTERNATIVA: D (ITA-2008) - ALTERNATIVA: D
Na figura, um gato de massa m encontra-se parado próximo a Numa brincadeira de aventura, o garoto (de massa M) lança-se
uma das extremidades de uma prancha de massa M que flutua por uma corda amarrada num galho de árvore num ponto de al-
em repouso na superfície de um lago. A seguir, o gato salta e al- tura L acima do gatinho (de massa m) da figura, que pretende
cança uma nova posição na prancha, à distância L. Desprezan- resgatar. Sendo g a aceleração da gravidade e H a altura da
do o atrito entre a água e a prancha, sendo o ângulo entre a plataforma de onde se lança, indique o valor da tensão na corda,
velocidade inicial do gato e a horizontal, e g a aceleração da gra- imediatamente após o garoto apanhar o gato para aterrisá-lo na
vidade, indique qual deve ser a velocidade u de deslocamento da outra margem do lago.
prancha logo após o salto.

(ITA-2008) - ALTERNATIVA: C
Um aro de l kg de massa encontra-se preso a uma mola de mas-
sa desprezível, constante elástica k = 10N/m e comprimento ini- (UNIFENAS-2008) - ALTERNATIVA: 23 B - 24 A
cial L0 = 1 m quando não distendida, afixada no ponto O. A figura
mostra o aro numa posição P em uma barra horizontal fixa ao ENUNCIADO DAS QUESTÕES 23 E 24
longo da qual o aro pode deslizar sem atrito. Soltando o aro do Um atleta de 2 m de estatura realiza um salto com vara no final de
ponto P, qual deve ser sua velocidade, em m/s, ao alcançar o uma corrida, partindo do repouso, acelerando, uniformemente,
ponto T, a 2 m de distância? durante 10s. No momento em que o salto é iniciado, sua velocida-
de era de 36 km/h. Desprezando os efeitos do ar e sabendo que
o módulo da aceleração da gravidade seja igual a 10 m/s2,

23) Obtenha a altura máxima do salto com relação ao solo.


a) 5,0 m.
*b) 6,0 m.
c) 5,5 m.
d) 4,5 m.
e) 4,0 m.

24) Encontre o módulo da aceleração do atleta durante a corrida.


*a) 1 m/s2.
b) 1,5 m/s2.
c) 2 m/s2.
d) 2,5 m/s2.
e) 3 m/s2.
japizzirani@gmail.com 57
(UEG/GO-2008) - ALTERNATIVA: C (UFRRJ-2008) - RESPOSTA: a) 11% b) 216 000 casas
O “Circo do Faustão” é um reality show do programa “Domingão Durante o programa de racionamento de energia elétrica implan-
do Faustão”, no qual os famosos fazem números e apresenta- tado no Brasil no início desta década, um estudante de Física
ções de circo. A modelo Gianne Albertoni, ao lado do professor resolveu verificar o rendimento de uma das turbinas geradoras
Wander Rabello, encarna uma trapezista mascarada e vence o de energia elétrica. O volume de água necessário para acionar
“Circo do Faustão”. O professor e a modelo saem do ponto A a cada turbina da Central Hidrelétrica de Itaipu é de cerca de 700m³
partir do repouso, suspensos em um trapézio. Quando chegam por segundo, caindo de uma altura de 113 metros. Se cada turbi-
ao ponto B, o professor, ao mesmo tempo em que deixa o trapézio, na geradora assegura uma potência de 700 000 kW, pergunta-
empurra horizontalmente a modelo e atinge o solo no ponto C, a se:
uma distância r do ponto E, enquanto Gianne Albertoni permane- a) qual a perda (em porcentagem) de energia nesse processo
ce no trapézio. A figura abaixo ilustra a situação descrita. de transformação de energia (mecânica em elétrica)?
b) sabendo que o consumo médio de energia elétrica de uma
residência por dia é de 10 kWh, quantas residências poderiam
ser mantidas por essa energia perdida em uma turbina, nesse
mesmo período?

(UFRRJ-2008) - RESPOSTA: a) 120 J b) - 104 J


Um funcionário de uma transportadora, desejando colocar vári-
as caixas na carroceria de um caminhão, desenvolve um dispo-
sitivo que consiste numa rampa de madeira apoiada na extremi-
dade do veículo, conforme ilustra a figura.

Despreze a resistência do ar, as dimensões dos corpos e a mas-


sa do trapézio. Para se calcular a altura máxima que a modelo
Gianne Albertoni atinge, é CORRETO utilizar a seguinte seqüên-
cia de conhecimentos de Física:
a) Conservação da energia mecânica, conservação da quanti-
dade de movimento (momento linear), lei da gravitação universal
e, novamente, conservação da quantidade de movimento.
b) Movimento harmônico simples, conservação da energia me-
cânica, lançamento horizontal e, novamente, conservação da
energia mecânica.
*c) Conservação da energia mecânica, conservação da quanti-
dade de movimento (momento linear), lançamento horizontal e, A altura da carroceria em relação ao solo é igual a 1,0 m, e o
novamente, conservação da energia mecânica. funcionário aplica a cada caixa uma força constante de 60 N,
d) Segunda lei de Kepler, conservação da energia mecânica, paralela à rampa. Se considerarmos que cada caixa tem massa
lançamento horizontal e, novamente, conservação da energia igual a 30 Kg, que o coeficiente de atrito c da caixa com a rampa
mecânica. vale 0,20, e que a extensão da rampa é de 2,0 m, pergunta-se:
(Use g = 10 m/s2)
a) Quanto vale o trabalho realizado pela força aplicada à caixa?
(UFRRJ-2008) - ALTERNATIVA: B b) Quanto vale o trabalho realizado pela força de atrito?
Nos momentos de lazer, nos parques de diversões,
freqüentemente, vemos famílias inteiras divertindo-se nos mais
variados brinquedos. Um dos que mais chamam a atenção é a (UFABC-2008) - RESPOSTA: H/h = 9/4
montanha-russa. Observe o esquema a seguir. Em um filme sobre o rei das selvas, Tarzã está sobre uma árvore,
a uma altura H do solo plano e horizontal, quando avista Jane
parada sobre o solo. Agarrado a um cipó esticado, partindo do
UFRRJ - 2008 - Q.37
repouso e sem dar qualquer impulso, Tarzã avança num movi-
mento circular, em direção a Jane, alcançando-a e enlaçando-a
em um choque inelástico, no instante em que o cipó fica na
posição vertical. Juntos, atingem o galho de outra árvore a uma
altura h do solo, onde Tarzã larga o cipó, e lá permanecem. A
figura mostra o movimento feito por Tarzã.

Figura adaptada de http://br.geocities.com/saladefisica8/energia/


emecanica.htm
Neste pequeno trecho, o carrinho da montanha-russa passa
pelo ponto A com velocidade de 54 km/h. As alturas ha e hb valem,
respectivamente, 15 metros e 25 metros. Desconsiderando toda
e qualquer forma de atrito, a velocidade com que o carrinho Admitindo-se que a massa de Tarzã seja o dobro da de Jane, e
atingirá o ponto B será de (use g = 10 m/s2). desprezando-se a massa do cipó e qualquer tipo de resistência
a) 12 km/h *b) 18 km/h c) 21 km/h ao movimento, determine a razão entre a altura H e a máxima
d) 24 km/h e) 31 km/h altura h que eles podem atingir (H/h).
japizzirani@gmail.com 58
(UFRGS-2008) - ALTERNATIVA: A (U.F. VIÇOSA-2008) - ALTERNATIVA: A
Assinale a alfirmativa CORRETA:
*a) Conforme o princípio da conservação da energia mecânica, a
soma da variação da energia potencial com a variação da ener-
gia cinética de um corpo é nula, quando apenas forças
conservativas atuam no corpo.
b) Conforme o princípio da conservação da energia mecânica, a
soma da energia potencial com a energia cinética de um corpo é
nula, quando apenas forças dissipativas atuam no corpo.
c) A soma da energia potencial com a energia cinética de um
corpo é nula, quando apenas forças conservativas atuam no
corpo.
d) A soma da variação da energia potencial com a variação da
energia cinética de um corpo é nula, quando apenas forças
dissipativas atuam no corpo.

(U.F. VIÇOSA-2008) - ALTERNATIVA: A


Em prédios nos quais não há elevador, normalmente utiliza-se um
sistema de roldanas para transportar objetos pesados até os
apartamentos, evitando levá-los pela escada. Considere o siste-
(UFRGS-2008) - ALTERNATIVA: ma de 3 roldanas, como mostrado na figura abaixo.
Considerando a ausência de forças dissipativas e que o objeto
encontra-se em repouso no nível da rua e na altura final deseja-
da, a energia necessária para transportá-lo utilizando esse sis-
tema, em comparação àquela necessária para o transporte pe-
las escadas, é:
*a) a mesma.
b) 2 vezes menor.
c) 3 vezes menor.
d) 3 vezes maior.

(UFRGS-2008) - ALTERNATIVA: C
A figura que segue representa uma esfera que desliza sem rolar
sobre uma superfície perfeitamente lisa em direção a uma mola
(UFRGS-2008) - ALTERNATIVA: D em repouso. A esfera irá comprimir a mola e será arremessada
Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas do de volta. A energia mecânica do sistema é suficiente para que a
texto abaixo, na ordem em que aparecem. esfer suba a rampa e continue em movimento.
Nos quadrinhos a seguir, vemos uma andorinha em vôo perse-
guindo um inseto que tenta escapar. Ambos estão em MRU e,
depois de um tempo, a andorinha finalmente consegue apanhar
o inseto.

Considerando t0 o instante em que ocorre a máxima compressão


da mola, assinale, entre os gráficos abaixo, aquele que melhor
representa a possível evolução da energia cinética da esfera.
a) d)

b) e)

Nessas circunstâncias, pode-se afirmar que, imediatamente após


apanhar o inseto, o módulo da velocidade final da andorinha é
................ módulo de sua velociade inicial, e que o ato de apa- *c)
nhar o inseto pode ser considerado uma colisão .......... .
a) maior que o - inelástica
b) menor que o - elástica
c) maior que o - elástica
*d) menor que o - inelástica
e) igual ao - inelástica
japizzirani@gmail.com 59
(U.F. VIÇOSA-2008) - ALTERNATIVA: A
Uma bola de massa M1 e velocidade V colide com outra bola de
massa M2, inicialmente em repouso (Figura 1, abaixo).

A bola de massa M1 passa a se mover com velocidade V1, cuja


direção faz um ângulo com o eixo x, e a bola de massa M2
passa a se mover com velocidade V2 (Figura 2, abaixo).

O ângulo entre a direção de V2 e o eixo x é:

*a)

b)

c)

d)

japizzirani@gmail.com 60
(VUNESP/UNICID-2008/2) - ALTERNATIVA: B
III - ENERGIA Na análise dimensional de um cálculo feito por um aluno, ele es-
III - vestibulares 2008/2 creveu

(UDESC-2008/2) - ALTERNATIVA: D
É certo tratar-se do cálculo do valor numérico da grandeza física
Um veículo tipo X, cuja massa é de 1200 kg, colide com um
conhecida por
veículo tipo Y, cuja massa é de 1300 kg. A colisão acontece em
a) energia.
um ângulo reto, quando ambos atravessam um cruzamento, du-
*b) força.
rante uma tempestade de neve. A velocidade dos veículos, ao
c) potência.
entrarem nesse cruzamento, é de 144 km/h e 90 km/h, respecti-
d) pressão.
vamente. Despreze a força de atrito, e admita que os veículos se
e) quantidade de movimento.
mantenham unidos um ao outro, logo após a colisão.

(VUNESP/UNICID-2008.2) - ALTERNATIVA: A
Leia a tirinha para responder a questão de número 42.

Assinale a alternativa que melhor representa a trajetória dos


veículos, depois da colisão, com base nas informações e na fi-
gura acima.
a) C b) B c) A
*d) D e) E

(UDESC-2008/2) - ALTERNATIVA: E

42. O atrito entre a espada e a pedra de amolar realiza um traba-


lho que surte em aquecimento da lâmina de aço. Se o coeficiente
de atrito entre a lâmina e a pedra tem valor 0,2 e a força de rea-
ção normal sobre a lâmina tiver valor constante de 200 N, a
energia térmica dissipada no decorrer de 20 voltas completas da
pedra de amolar é, em J,
Dados: =3
raio da pedra de amolar = 0,3 m
*a) 1 440.
b) 1 320.
c) 1 260.
d) 1 110.
e) 1 060.
Nos quadrinhos acima, o coelho de pelúcia, após o artifício utili-
zado pelo personagem Cebolinha, altera a direção de movimen-
to. Sobre essa mudança, é correto afirmar: (VUNESP/UNICID-2008/2) - ALTERNATIVA: B
a) A Lei Zero de Newton (Lei da Cinemática) diz que corpos de Quando uma pessoa dá um salto e cai sobre seus pés intuitiva-
inércia pequena podem mudar suas trajetórias, evitando coli- mente deixa seus joelhos ligeiramente flexionados. Em termos
sões; portanto, o coelho realiza o movimento mostrado no qua- físicos, esta ação se justifica para
drinho. a) diminuir a energia transferida ao corpo da pessoa durante
b) O raio de curvatura no movimento do coelho é muito pequeno, o choque.
permitindo a realização do movimento. *b) aumentar o tempo de interação entre a pessoa e o chão.
c) A força centrífuga que age sobre o coelho é maior que a força c) acrescentar energia potencial elástica ao valor da energia
centrípeta, possibilitando a realização do movimento. mecânica.
d) A força inercial contida no coelho é suficiente para desviar d) fazer com que a interação ocorra durante um movimento
sua trajetória inicial. uniforme.
*e) A direção do movimento do coelho pode ser alterada apenas e) diminuir a força peso e conseqüentemente minimizar a
com a ação de forças externas. interação.
japizzirani@gmail.com 61
(VUNESP/UNICID-2008/2) - ALTERNATIVA: A (FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: D
Na sala do raio-X, a mesa em que deitam os pacientes é movida Uma cidade pequena possui 6 400 residências e, no horário de
mecanicamente sobre roletes. O movimento se dá em torno de pico, cada residência utiliza uma potência de 5 000 W. Sabendo-
dois eixos horizontais x e y. Ao deslocar-se um paciente de pe- se que a usina que abastece a cidade possui uma diferença de
so 1 000 N por uma distância de 0,3 m em direção a x e 0,4 m em 50 m de altura entre o gerador e a superfície do lago, qual é a va-
direção a y, o trabalho realizado nesse deslocamento pelo peso zão necessária nos momentos de pico para atender toda a cida-
do paciente é, em J, de? Suponha que não haja perdas nos processos de geração e
*a) 0,0. transmissão de energia e que g = 10 m/s2.
b) 0,1. a) 8 m3/s
c) 0,3.
d) 0,4. b) 16 m3/s
e) 0,5. c) 32 m3/s
*d) 64 m3/s
(VUNESP/UNICID-2008/2) - ALTERNATIVA: E e) 128 m3/s
Suponha que uma ambulância de massa 1 100 kg esteja se mo-
vimentando com velocidade de 15 m/s. Se sua velocidade for (UTFPR-2008/2) - ALTERNATIVA: C
duplicada, a energia cinética dessa ambulância será, relativa- Duas pessoas, cujas massas são m1 e m2, estão em pé, uma
mente à energia que possuía a 15 m/s, defronte a outra, sobre uma superfície na qual o atrito é despre-
a) a quarta parte. zível. Num determinado momento, elas se empurram e seus cor-
b) a metade. pos vão em sentidos opostos, numa mesma direção, percorren-
c) a mesma.
do as distâncias x1 e x2 (sendo x1 a distância percorrida pela
d) o dobro.
*e) o quádruplo. pessoa de massa m1 e x2 a distância percorrida pela pessoa de
massa m2). É possível afirmar que, para um mesmo intervalo de
(UFOP-2008/2) - ALTERNATIVA: C tempo:
Um soldado lança uma granada que explode ainda no ar. Despre-
zando os efeitos de resistência do ar, podemos dizer que a tra-
jetória da granada antes de explodir e a trajetória do centro de
massa do sistema formado pelos estilhaços da granada após a
explosão são, respectivamente:
a) uma parábola e uma reta vertical.
b) um arco de circunferência e uma reta vertical.
*c) uma mesma parábola em ambos os casos.
d) uma parábola e uma hipérbole.

(UFOP-2008/2) - ALTERNATIVA: D
As grandezas físicas - espaço, tempo, velocidade, aceleração,
força e energia cinética - são utilizadas para descrever as ca-
racterísticas do movimento de um objeto. Assinale a alternativa
incorreta:
a) A velocidade de um corpo que se move com aceleração cons-
tante 10m/s2 varia de 10m/s em cada segundo.
b) Um corpo em movimento retilíneo uniforme com velocidade de
10m/s percorre 10m em cada segundo. (VUNESP/UNINOVE-2008/2) - ALTERNATIVA: D
c) A aceleração de um corpo de massa 2kg que se movimenta Dois carros de massas iguais estão trafegando por uma mesma
sob a ação de uma força de 20N é 10m/s2. estrada reta, plana e horizontal e, imprudentemente, o carro de
*d) A energia cinética de um corpo de massa 2kg que se move trás não está mantendo uma distância segura do carro da frente.
com velocidade constante 10m/s é 200J . Devido a uma freada mais brusca dada pelo motorista do carro
da frente, ocorre uma colisão inelástica entre eles.
(FAZU-2008/2) - ALTERNATIVA: C
Uma força constante age sobre um objeto de 5,0 kg e eleva a sua
velocidade de 3,0 m/s para 7,0 m/s em um intervalo de tempo de
4,0 s. Qual a potência devido à força?
a) 29,8 W
b) 11,1 W
*c) 25,0 W
d) 36,1 W
e) 40,0 W

(FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: B
Um corpo de massa m é arrastado para cima em uma rampa que
faz um ângulo com a horizontal, por uma força F paralela à
rampa. Se o corpo é deslocado de uma distância d, e g é a ace-
leração da gravidade, qual é o trabalho realizado pela força nor- Sabendo que imediatamente antes da colisão os carros estavam
mal? a 108 km/h e a 72 km/h, a velocidade dos veículos imediatamente
a) WN = mgd após a colisão, em m/s, será
*b) WN = 0 a) 10.
b) 15.
c) WN = mgd sen
c) 20.
d) WN = mgd tg *d) 25.
e) WN = mgd cos e) 30.
japizzirani@gmail.com 62
(UFTM-2008/2) - RESPOSTA: FAZER (UNIMONTES/MG-2008/2) - ALTERNATIVA: D
A partir do repouso no ponto A, um carrinho metálico desce a Um sapo de determinada espécie, adaptada a climas frios, en-
rampa e encontra na parte mais baixa, B, um mecanismo que lhe contra-se sobre um pedaço de madeira que bóia na superfície
dá velocidade suficiente para que ele suba a continuação da de um lago, com parte do seu volume submerso. O pedaço de
rampa até o ponto C, a uma altura de 0,8 m em relação a B. O madeira está a pouca distância da margem do lago. A água en-
mecanismo é constituído por dois roletes de borracha que giram contra-se em estado líquido, mas sua temperatura está próxima
rapidamente e em sentidos opostos. Quando o carrinho passa da de congelamento. Em determinado instante, o sapo salta em
por eles, é pressionado e obrigado a adquirir a mesma velocida- direção à margem, atingindo-a próximo à fronteira com a água
de escalar dos roletes girantes. (veja a figura). Num outro dia, enquanto repousava sobre o mes-
Dado: g = 10 m/s2 mo pedaço de madeira numa situação idêntica à descrita anteri-
ormente, ocorreu uma queda brusca de temperatura que levou
ao congelamento da superfície do lago e à fixação do pedaço de
madeira à superfície rígida. O sapo efetuou novo salto, caindo no
mesmo local (veja a figura).

a) Determine a velocidade escalar do carrinho, em B, após sua


saída do mecanismo.
b) Admitindo que a pressão sobre o carrinho não altera a veloci-
dade de rotação dos roletes de borracha e sendo cada rolete
idêntico e de diâmetro igual a 0,08 m, determine a freqüência de
rotação de cada rolete.

(UNIMONTES/MG-2008/2) - ALTERNATIVA: D
O senso comum faz uma pessoa normal temer permanecer dian-
te de um ônibus em movimento, mesmo quando ele vem com bai-
xa velocidade, porque consideramos sua massa muito grande.
Do mesmo modo, teme-se permanecer diante de um ciclista em
alta velocidade. Considerando um conjunto ciclista mais bicicle-
ta, com massa total igual a 80 kg, movendo-se a 20 m/s, e um ôni-
bus de 4.000 kg, movendo-se a 0,4 m/s, ambos em linha reta,
pode-se afirmar CORRETAMENTE que os dois têm
a) o mesmo impulso.
b) igual energia cinética.
c) acelerações diferentes. Sobre as duas situações descritas, é CORRETO afirmar:
*d) a mesma quantidade de movimento. a) A velocidade horizontal do sapo em relação ao pedaço de ma-
deira, no instante em que salta, é a mesma nas duas situações.
b) Na situação II, o momento linear transferido para o pedaço de
(UFU/UNIFAL-2008/2) - RESPOSTA: a) vB = (2gL)1/2 b) T = 3mg,
madeira, no momento do salto, é nulo.
vertical para cima c) vC = [Lg(3/2 - cos )]1/2 = (2gLcos )1/2 c) Na situação I, o momento linear transferido para o pedaço de
= 60O madeira, no momento do salto, é nulo.
Um pêndulo simples, constituído de um fio de massa desprezível *d) A velocidade horizontal do sapo em relação à margem do
e de comprimento L, tem uma de suas extremidades presa a um lago, no instante em que salta, é a mesma nas duas situações.
eixo no ponto O e na outra extremidade existe uma partícula de
massa M. Abandona-se esse pêndulo na posição horizontal, no
ponto A, a partir do repouso, conforme figura abaixo. Esse pên- (UNIFOR/CE-2008/2) - ALRTERNATIVA: A
dulo realiza um movimento no plano vertical, sob ação da acele- Um corpo de massa 100 g desliza pela pista em forma de semi-
ração gravitacional g. circunferência, de raio 1,6 m, a partir do repouso no ponto A.

Ao passar pelo ponto inferior B, sua velocidade é de 3,0 m/s. O


trabalho da força de atrito no deslocamento do corpo de A até B
a) A velocidade da partícula no exato instante em que ela passa tem módulo, em joules,
no ponto mais baixo de sua trajetória (ponto B). *a) 0,35
b) A intensidade, a direção e o sentido da tensão com que o fio b) 0,80
atua sobre a partícula, nesse ponto B. c) 1,2
c) A velocidade da partícula (em função de ) no exato instante d) 1,6
em que a força de tensão sobre a partícula é (3/2)Mg, ponto C. e) 2,8
japizzirani@gmail.com 63
(UNIMONTES/MG-2008/2) - ALTERNATIVA: A (PUCRS-2088/2) - ALTERNATIVA: E
Um atleta de massa 87,5 kg, praticante de bungee jumping (veja Um jovem de massa 60 kg patina sobre uma superfície horizontal
as figuras), pula de uma estrutura de 187 m de altura, preso a de gelo segurando uma pedra de 2,0 kg. Desloca-se em linha re-
uma corda, cujo comprimento natural (comparável ao compri- ta, mantendo uma velocidade com módulo de 3,0 m/s. Em certo
mento de equilíbrio de uma mola) é 72 m e cujo coeficiente de momento, atira a pedra para frente, na mesma direção e sentido
elasticidade é K = 35 N/m (comparável ao coeficiente de uma do seu deslocamento, com módulo de velocidade
mola). de 9,0 m/s em relação ao solo.
Desprezando-se a influência da resistência do ar sobre o siste-
ma patinador-pedra, é correto concluir que a velocidade do pa-
tinador em relação ao solo, logo após o lançamento, é de
a) 3,0 m/s, para trás.
b) 3,0 m/s, para frente.
c) 0,30 m/s, para trás.
d) 0,30 m/s, para frente.
*e) 2,8 m/s, para frente.

(UTFPR-2008/2) - ALTERNATIVA: A
A transformação de energia mecânica em elétrica em uma usina
hidroelétrica se deve ao impacto da água que faz girar as turbi-
nas. Perdas de energia ocorrem principalmente por atrito nos ei-
xos. Calcule a porcentagem aproximada de perda em relação à
energia total em uma das turbinas de Itaipu. Considere que a po-
tência de cada turbina é de 700 × 106 W, a altura de queda da
água igual a 110 m e a vazão igual a 700 m3/s. A densidade vo-
lumétrica da água é 103 kg/m3 e g = 10 m/s2.
*a) 9%.
b) 90%.
c) 1%.
d) 5%.
e) Zero, pois o sistema é conservativo.

(UTFPR-2008/2) - ALTERNATIVA: E
A figura esquematiza o movimento periódico de um trapezista,
modelado como um pêndulo simples, ou seja, o cabo é inextensí-
vel, a massa do cabo é muito menor que a do corpo suspenso, e
é desconsiderada a resistência do ar. Os pontos A e C indicam
as situações de máxima altura, e o ponto B a de mínima altura.
Sob o ponto de vista dos procedimentos adotados na mecânica,
está INCORRETO afirmar, a respeito do trapezista, que:

Considerando que o rapaz se move em queda livre enquanto a


corda não começa a ser esticada, num local onde g = 10 m/s2, a
menor distância que ele chegará do solo é
*a) 25 m.
b) 50 m.
c) 40 m.
d) 30 m. a) ele descreve um movimento com aceleração variável.
b) a sua energia mecânica é a mesma em A, B e C.
(UNIFOR/CE-2008/2) - ALTERNATIVA: D c) a força gravitacional sobre ele é a mesma em A, B e C.
Um canhão dispara uma granada com velocidade de 100 m/s, d) ao passar por B sua energia cinética é máxima.
*e) ao passar por C sua aceleração é nula.
numa direção que forma um ângulo com a horizontal (sen =
0,60 e cos = 0,80).
Ao atingir a altura máxima a granada explode dividindo-se em du- (UECE-2008/2) - ALTERNATIVA: D
as partes iguais. Imediatamente após a explosão, uma das par- Quando dois corpos colidem, o momento linear total é conserva-
tes é lançada verticalmente para baixo com velocidade de 120 m/ do. Podemos afirmar, corretamente, que
s. Nesse instante, o módulo da velocidade da outra parte, em m/ a) somente forças lineares estão presentes.
s, será de b) mais forças lineares do que não lineares estão presentes.
a) 60 *d) 200 c) a resultante das forças externas é maior do que a das forças
b) 80 e) 400 internas.
c) 100 *d) a resultante das forças no sistema é nula.
japizzirani@gmail.com 64
(UDESC-2008/2) - RESPOSTA: a) 5000 J b) 135 N c) 9,6 m/s (UFTM-2008/2) - ALTERNATIVA: B
Um adolescente com massa de 50 kg escorrega em um tobogã Em uma quermesse, um homem atira rolhas de cortiça com uma
reto, de 20 m de comprimento, cuja inclinação é de 30O com a ho- espingarda de ar comprimido, em pequenas caixas numeradas.
rizontal. O coeficiente de atrito dinâmico entre o adolescente e o O objetivo é derrubar as caixas. Contudo, ao acertar determina-
tobogã é de 0,30. (Dado: g = 10 m/s2) da caixa, a rolha de massa 5 g, transferindo toda sua energia,
Para a questão abaixo, considere: consegue apenas empurrar a caixa sem a derrubar. Se a rolha
sen(30°) = 0,50 atinge seu alvo com velocidade de 28 m/s, o módulo do trabalho
cos(30°) = 0,90 da força de atrito, em J, é, aproximadamente,
sen(60°) = 0,90 a) 1.
cos(60°) = 0,50 *b) 2.
a) Calcule a energia potencial quando o adolescente estiver no c) 3.
topo do tobogã. d) 4.
b) Calcule o valor da força de atrito entre o adolescente e o e) 5.
tobogã, durante o escorregamento.
c) Considerando que o adolescente parte do repouso, no topo (CEFETSP-2008/2) - ALTERNATIVA: A
do tobogã, determine a sua velocidade quando atinge a base. Considere dois automóveis idênticos, A e B.
No mesmo intervalo de tempo, a velocidade de A varia de 18 km/
(UDESC-2008/2) - RESPOSTA: a) 1,0 kW b) 8,0 m/s e 6400 J h até 54 km/h, e a velocidade de B varia de 54 km/h até 90 km/h.
Em uma construção, um motor é utilizado para operar um eleva- Sobre as potências dos automóveis, PA e PB, pode-se afirmar:
dor que transporta uma carga de tijolos de massa igual a 200 kg. *a) PB o dobro de PA.
A carga é elevada do chão até o terceiro andar, a uma altura de
b) PB igual a PA.
10 m. Considere g = 10 m/s2.
c) PB equivale à metade de PA.
a) Considerando que o elevador opera com velocidade constan-
te, e leva 20 segundos para completar o transporte da carga, d) PB 50% maior que PA.
determine a potência mínima a ser desenvolvida pelo motor. e) PB corresponde à terça parte de PA.
b) Considerando que o elevador eleva a carga com uma acelera-
ção de 3,20 m/s2, determine a velocidade da carga no ponto de
chegada e o trabalho realizado pela força resultante. (CEFETSP-2008/2) - ALTERNATIVA: A
Um bloco de massa de 40 kg desliza em um plano, de comprimen-
to 50m e inclinação de 60O em relação à horizontal. Considere g
(UDESC-2008/2) - RESPOSTA: FAZER
Uma balança que suporta até 1,0 ton é usada para medir a mas- = 10m/s2.
sa de sacos de grãos e tem 4 molas idênticas, localizadas nas Os valores aproximados da força de compressão do bloco so-
extremidades de sua plataforma quadrada. Quando uma quanti- bre o plano, e do trabalho realizado sobre o bloco pela força
dade de 500 kg de grãos é colocada sobre a plataforma, suas normal de apoio, são, respectivamente:
*a) 200 N e 0 J (zero)
molas são comprimidas em 10 cm. Considere g = 10 m/s2.
b) 350 N e 0 J (zero)
a) Encontre a constante elástica da mola.
c) 420 N e 173,2 J
b) As 4 molas são substituídas por uma única mola, localizada no
d) 500 N e 17320 J
centro da balança. Encontre a energia potencial elástica da mola,
e) 200 N e 17320 J
quando a quantidade de 500 kg de grãos é colocada sobre a
balança. Considere a constante elástica 100 x 103 N/m.
c) Esboce o gráfico da energia potencial elástica da mola, em (VUNESP/SENAC-2008/2) - ALTERNATIVA: E
função de seu deslocamento compressivo. O ajudante de carga de um caminhão carrega uma caixa de fer-
mento, de massa 10,0 kg, por uma distância que equivale, em
linha reta, a 15,0 m.
(UDESC-2008/2) - RESPOSTA: a) -1,0 m/s2 b) 450 J c) fazer ver slide:
Um corpo de massa igual a 1,0 kg tem aplicado sobre ele uma SENAC - 2008.2 - Q.04
força F, que provoca o movimento descrito pelo gráfico abaixo.
O corpo desloca-se sobre uma linha reta.

Se, durante o deslocamento, a altura da caixa em relação ao solo


se manteve constante e igual a 1,10 m, pode-se afirmar que o
trabalho da força peso da caixa, nesse percurso, tem valor igual
a) Encontre a aceleração do corpo, no intervalo de tempo entre a
30 s e 90 s. a) 1 500 J.
b) Encontre o trabalho realizado pela força F, no intervalo de b) 1 100 J.
tempo entre 0 s e 30 s. c) 150 J.
c) Esboce o gráfico da aceleração do corpo, em todo o intervalo d) 110 J.
de tempo mostrado no gráfico acima. *e) zero.
japizzirani@gmail.com 65
(CEFFETMG-2008/2) - ALTERNATIVA: B (UNESP-2008/2) - ALTERNATIVA: A
Sobre o movimento uniforme de um caminhão carregado que so- Suponha que, em uma partida de futebol americano, os dois jo-
be uma ladeira, usando uma marcha forte, afirma-se: gadores que aparecem em primeiro plano na figura sofram uma
I – A energia cinética se conserva. colisão inelástica frontal, à mesma velocidade escalar relativa-
II – A energia mecânica se conserva. mente ao solo.
III – O trabalho realizado pelo peso é nulo.
IV – O trabalho realizado pelo motor é positivo.
São corretas apenas as afirmativas
a) I e III.
*b) I e IV.
c) II e III.
d) I, II e IV.
e) II, III e IV.

(VUNESP/FTT-2008/2) - ALTERNATIVA: E
Um corpo de massa m e energia cinética E1 desloca-se numa
superfície plana, horizontal e sem atrito, chocando-se com outro
corpo também de massa m, que se encontra parado. Após o
choque, os dois corpos permanecem unidos com uma energia
cinética E2. A relação E1/E2 vale
a) 1/8. d) 1.
b) 1/4. *e) 2. Nesse caso, desprezando o efeito do atrito de seus pés com o
c) 1/2. solo e da ação de forças internas, pode-se concluir que,
*a) em caso de massas iguais, os jogadores ficarão parados no
(VUNESP/FTT-2008/2) - ALTERNATIVA: B ponto da colisão.
Em usinas hidroelétricas, uma grande quantidade de água é acu- b) independentemente do valor de suas massas, os dois jogado-
mulada em lagos para que, através de sua queda, possa movi- res ficarão parados no ponto de colisão.
mentar turbinas que, acopladas mecanicamente a geradores elé- c) como o jogador da direita tem maior massa, eles irão se des-
tricos, possam gerar energia elétrica. A seqüência que melhor locar para a direita.
traduz os tipos de energia envolvidos ao longo do processo é: d) não importa qual a massa dos jogadores, ambos irão recuar
a) mecânica potencial, cinética, cinética, mecânica girante. após a colisão.
*b) mecânica potencial, cinética, mecânica girante, elétrica. e) em função de suas massas, o jogador que tiver a maior massa
c) mecânica potencial, cinética, elétrica, elétrica. recuará.
d) cinética, mecânica girante, elétrica, elétrica.
e) cinética, cinética, elétrica, mecânica girante. (UNESP-2008/2) - RESPOSTA: 8,0 × 105 J
OBS.: A velocidade do jato é v e do carrinho v0, para se chegar
(UNESP-2008/2) - ALTERNATIVA: E na resposta acima considerou-se v = v0.
As pirâmides do Egito estão entre as construções mais conheci-
Um carrinho move-se para a esquerda com velocidade v0, quan-
das em todo o mundo, entre outras coisas pela incrível capacida-
do passa a ser empurrado para a direita por um jato d’água que
de de engenharia de um povo com uma tecnologia muito menos
desenvolvida do que a que temos hoje. A Grande Pirâmide de produz uma força proporcional ao módulo de sua velocidade, Fv
Gizé foi a construção humana mais alta por mais de 4 000 anos. = C · v.
ver slide:
UNESP - 2008.2 - Q.39

Tomando C = 200 N.s/m e v0 = 20 m/s, calcule o trabalho da força


F necessária a ser produzida pelo motor do carrinho, a fim de
manter sua velocidade constante durante 10 s.

(U.C.SUL/RS-2008/2) - ALTERNATIVA: E
A função do sabonete no ato de lavar é múltipla: auxilia na higie-
ne, perfuma e também diminui o atrito entre as mãos para que
uma escorregue mais fácil sobre a outra. Para isso é necessário
Considere que, em média, cada bloco de pedra tenha 2 tonela- que a mistura do sabonete com a água se interponha entre as
das, altura desprezível comparada à da pirâmide e que a altura duas mãos, diminuindo o atrito, o que provoca a redução da dis-
da pirâmide seja de 140 m. Adotando g = 10 m/s2, a energia po- sipação de energia da pessoa no ato de lavá-las. Suponha que,
tencial de um bloco no topo da pirâmide, em relação à sua base, ao esfregar as mãos sem sabonete, a taxa de dissipação seja
é de de 50 W e, com o sabonete, a taxa seja de 6 W. Sob essas con-
a) 28 kJ. dições, quanta energia será economizada pela pessoa, ao lavar
b) 56 kJ. as mãos com sabonete, se esse procedimento durar 15 segun-
c) 280 kJ. dos ininterruptos?
d) 560 kJ. a) 250 J b) 330 J c) 440 J
*e) 2 800 kJ. d) 550 J *e) 660 J
japizzirani@gmail.com 66
(UFOP-2008/2) - RESPOSTA: FAZER (UFC/CE-2008/2) - ALTERNATIVA: A
A figura representa, de forma esquemática, uma calha completa- Uma corrente de água colide com a lâmina de uma turbina esta-
mente lisa por onde uma partícula de massa m = 0,01kg poderá cionária. A corrente incidente tem uma velocidade de 18,0 m/s,
movimentar-se. Considere g = 10m/ s2, h1 = 0,6m, h2 = 1,0 m e h3 enquanto que a corrente de saída tem uma velocidade de –18,0
= 0,4m. m/s. A massa de água que atinge a lâmina, por segundo, é de 25
kg. Assinale a alternativa que contém o valor correto da força
média exercida pela água na lâmina.
*a) 900 N
b) 450 N
c) 90 N
d) 45 N
e) 9 N

(UFC/CE-2008/2) - RESPOSTA: 4,76×10-3 cv


Qual a potência, em cv, que um ciclista deve imprimir à sua bici-
cleta para que esta atinja uma velocidade de 3,6 km/h em 10
segundos, partindo do repouso em uma pista horizontal? Des-
preze a resistência do ar, considere que o sistema ciclista mais
bicicleta tem uma massa de 70 kg e que 1cv = 735W.

a) Descreva as condições de equilíbrio da partícula quando ela


for colocada nos pontos B , C e D , respectivamente. (UFU/UNIFAL-2008/2) - ALTERNATIVA: B
b) Calcule a energia potencial gravitacional da partícula nos pon- Dois objetos pequenos de massas m1 e m2, tal que m2 = 2m1,
tos A e C . estão fixos a molas idênticas de constantes elásticas iguais a k.
c) Calcule a velocidade mínima com que devemos lançar a Essas molas estão igualmente comprimidas de uma distância x,
partícula a partir do ponto A para que ela possa ultrapassar o na horizontal, sobre uma superfiície sem atrito, conforme a figu-
ponto C . Nestas condições, calcule a velocidade com que a par- ra.
tícula passa pelo ponto D .

(UFOP-2008/2) - RESPOSTA: FAZER


Um projétil de massa m = 1,0kg é lançado do solo com uma velo-
cidade de módulo v0 = 10m/s, fazendo um ângulo de 45O com a
horizontal. Despreze qualquer movimento de rotação do projétil e
a resistência do ar. Considere que a aceleração da gravidade no
local é g = 10m/s2 e sen45O = cos 45O = 2/2 .
a) Descreva o movimento do projétil desde o lançamento até a
sua queda.
b) Esboce, no diagrama abaixo, o comportamento da energia ci-
nética, da energia potencial gravitacional do projétil e da energia
mecânica total, desde o instante de seu lançamento até o seu
Após esses objetos serem soltos, pode-se afirmar que, ao per-
retorno ao solo, a uma distância x do ponto de lançamento.
derem contato com a mola (no ponto em que as molas não estão
nem comprimidas nem distendidas),
a) ambos os objetos possuirão a mesma quantidade de movi-
mento (momento linear).
*b) esses dois objetos possuirão a mesma energia cinética.
c) o objeto de massa m1 terá o dobro da velocidade daquele de
massa m2.
d) ambos os objetos possuirão a mesma velocidade.

(UFLAMG-2008/2) - ALTERNATIVA: A
O termo trabalho tem, popularmente, uma aplicação muito am-
pla como realização de serviço. Na Física, o conceito de tra-
balho é preciso. Analise as quatro afirmativas abaixo e, a seguir,
marque a alternativa CORRETA.
c) Calcule a altura máxima atingida pelo projétil.
d) Calcule a distância máxima alcançada pelo projétil. IO trabalho é numericamente igual à área sob uma curva num
diagrama força versus tempo.
(UFC/CE-2008/2) - ALTERNATIVA: E II. Apenas a força resultante atuante sobre um corpo pode reali-
Para armazenar uma energia de 10 J em uma mola que obedece zar trabalho.
à lei de Hooke, exercemos uma força de 200N. Lembrando que III. Se apenas as forças conservativas atuarem sobre uma par-
não existe atrito, assinale a alternativa que contém os valores tícula, sua energia cinética não é alterada.
corretos da distância que a mola terá sido comprimida e da cons- IV. O trabalho realizado por uma força conservativa é igual à
tante elástica da mola. diminuição na energia potencial associada àquela força.
a) 0,1 m e 200 N/m
b) 1 m e 20 N/m *a) Apenas a afirmativa IV está correta.
c) 0,1 m e 20 N/m b) Apenas as afirmativas I e III estão corretas.
d) 1 m e 200 N/m c) Apenas as afirmativas III e IV estão corretas.
e) 0,1 m e 2000 N/m d) Apenas as afirmativas I e II estão corretas.

japizzirani@gmail.com 67
(UFU/UNIFAL-2008/2) - ALTERNATIVA: D (UEM/PR-2008/2) - RESPOSTA: SOMA = 17 (01+16)
Um vagão plataforma de massa M, transportando um homem de O gráfico abaixo representa o módulo da força que atua na
massa m sentado sobre ele, desloca-se sobre trilhos retilíneos mesma direção do deslocamento de uma caixa de 100 kg. A
longos e sem atrito, com velocidade constante v0. caixa é puxada por um motor que gasta 10 s para arrastar a
O homem começa a se deslocar em sentido oposto ao movimen- caixa nos 10 primeiros metros e mais 10 s para arrastar a caixa
to e, na extremidade do vagão, esse homem salta horizontalmen- mais 20 metros. Assinale o que for correto.
te com velocidade u (em relação a v0, velocidade inicial do va-
gão).

*01) A potência desenvolvida pelo motor nos 20 metros finais do


percurso é 50 W.
02) Os trabalhos realizados pelo motor em ambos os trechos
são diferentes.
04) A potência desenvolvida pelo motor durante todo o percurso
da caixa é 100 W.
08) A potência desenvolvida pelo motor não depende do tempo
de duração da transferência de energia.
*16) A aceleração com que a caixa é arrastada nos 10 primeiros
metros é 0,5 m/s2.

(FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: B
Um corpo de massa m é arrastado para cima em uma rampa que
faz um ângulo com a horizontal, por uma força F paralela à
rampa. Se o corpo é deslocado de uma distância d, e g é a
aceleração da gravidade, qual é o trabalho realizado pela força
normal?
(UFLA/MG-2008/2) - RESPOSTA: FAZER
O diagrama abaixo apresenta a variação de energia potencial a) WN = mgd
gravitacional em relação ao tempo de um corpo de massa *b) WN = 0
1kg, que foi arremessado verticalmente para cima, com veloci- c) WN = mgd sen
dade inicial v0, a partir da posição inicial h0 = 0. Considerando g = d) WN = mgd tg
10 m/s2, calcule: e) WN = mgd cos

(FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: D
Uma cidade pequena possui 6 400 residências e, no horário de
pico, cada residência utiliza uma potência de 5 000 W. Sabendo-
se que a usina que abastece a cidade possui uma diferença de
50 m de altura entre o gerador e a superfície do lago, qual é a
vazão necessária nos momentos de pico para atender toda a
cidade? Suponha que não haja perdas nos processos de gera-
ção e transmissão de energia.
Adote g = 10 m/s2 e água = 1000 kg/m3.
a) 8 m3/s *d) 64 m3/s
3
b) 16 m /s e) 128 m3/s
3
c) 32 m /s
a) A velocidade inicial v0
b) A energia potencial no instante t = 1 s (UEPG/PR-2008/2) - RESPOSTA OFICIAL: SOMA = 31
c) A energia cinética no instante t = 1 s (01+02+04+08+16)
Em uma competição de regularidade, um ciclista desce uma la-
deira, com forte vento contrário a seu movimento. Para manter
(UEM/PR-2008/2) - RESPOSTA: SOMA = 19 (01+02+16) sua velocidade constante, o ciclista pedala com vigor. Conside-
Um objeto de massa 10 kg é lançado de baixo para cima sobre rando M a massa do ciclista mais a massa da bicicleta, v sua
um plano inclinado de superfície áspera, formando um ângulo de velocidade e o ângulo formado pela ladeira com a horizontal,
45º com a horizontal. Na altura de 2,00 m, relativa ao plano hori- assinale o que for correto sobre esse movimento de descida da
zontal, o objeto entra em repouso. Considere g = 10,00 m/s2. ladeira pelo ciclista.
Assinale o que for correto. *01) O trabalho realizado pelo vento é um trabalho dissipativo.
*01) A distância percorrida pela projeção ortogonal do objeto *02) A potência desenvolvida pelo ciclista é igual a M.g.sen.v.
sobre a base horizontal do plano inclinado é 2,00 m. *04) A energia potencial diminui, ao passo que a energia cinética
*02) O espaço percorrido pelo objeto sobre o plano inclinado é permanece constante.
aproximadamente 2,82 m. *08) O trabalho realizado pelo ciclista é, em módulo, igual ao
04) A velocidade inicial do objeto é menor que 40 m/s. trabalho realizado pelo vento.
08) A energia cinética na altura máxima é 100 J. *16) O componente da força do vento que realiza trabalho é, em
*16) A energia potencial na altura máxima é 200 J. módulo, igual a Mg sen .
japizzirani@gmail.com 68
(UFMS-2008/2) - ALTERNATIVA: C (U.F. VIÇOSA-2008/2) - ALTERNATIVA: B
Alguns acidentes aéreos têm acontecido durante o pouso de Um bloco de massa m = 40 kg possui uma velocidade constante
aviões nas pistas devido ao fato de o comprimento dessas pis- de módulo igual a 5 m/s. Durante um certo intervalo de tempo,
tas ser demasiadamente curto. A figura mostra uma pista de uma força constante de módulo igual a 400 N é aplicada sobre o
comprimento L com coeficiente de atrito entre os pneus do avião bloco. Em virtude desta força ele passa a desenvolver uma ve-
e a superfície da pista constante. Considere um avião que come- locidade constante de módulo 10 m/s. O trabalho realizado pela
ça a frenagem através dos pneus no início da pista no ponto A, força é:
com a velocidade inicial Vo. A aceleração da frenagem que é a) 0 J
contrária à velocidade permanece constante e máxima durante a *b) 1500 J
frenagem, fazendo o avião parar no final da pista no ponto B, c) Não pode ser calculado, pois não é conhecido o sentido da
veja a figura. Desprezando a resistência do ar, assinale a alter- força.
nativa correta. d) Não pode ser calculado, pois não foi fornecido o deslocamen-
to.

a) O tempo t que o avião leva, para entrar em repouso a partir do


ponto A, é igual a t = L/Vo.
b) Para o avião atingir o repouso na metade do comprimento da
pista e com a mesma aceleração máxima, deverá iniciar a
frenagem no ponto A com uma velocidade igual à metade de Vo.
*c) Se, durante a frenagem, os pneus estavam na iminência de
deslizar, podemos afirmar que o coeficiente de atrito estático e,
entre os pneus e a pista, pode ser determinado por e= Ec /LP.
Onde Ec corresponde à energia cinética do avião no ponto A, e
P corresponde ao peso do avião.
d) Se, durante a frenagem do avião, os pneus estão na iminência
de deslizar na pista, a força de atrito aplicada nos pneus não
realiza trabalho no avião, porque os pneus não escorregam na
pista.
e) A distância mínima que o avião leva, para atingir o repouso,
depende da massa do avião.

(FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: C
Um trator deve puxar um bloco de concreto com 50 toneladas em
um piso plano. Sabendo-se que a máxima tração suportada pelo
cabo é de 5,0.105 N e que o cabo amarrado ao bloco faz um
ângulo de 45° com a horizontal, qual é o máximo coeficiente de
atrito entre o bloco e o chão para que o trator arraste o bloco com
velocidade constante sem romper o cabo?
Obs.: Considerar e = d e g = 10 m/s2.
Dados: cos 45° = 0,7 e sen 45° = 0,7
a) 0,43
b) 1,25
*c) 2,33
d) 3,25
e) 4,50

(FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: D
No exercício anterior, o bloco foi arrastado por 20 m e o cabo foi
mantido com a máxima tração suportada. Qual foi o trabalho rea-
lizado pelo trator?
a) 1,0 kJ
b) 10 kJ
c) 100 kJ
*d) 7,0 MJ
e) 7,0 GJ

(U.F. VIÇOSA-2008/2) - ALTERNATIVA: C


Uma partícula de massa 10 kg é lançada verticalmente para cima
com uma velocidade de módulo v = 36 km/h. Desconsiderando a
resistência do ar e considerando a aceleração da gravidade
local de 10 m/s2, o valor da altura máxima atingida pela partícula
a partir do ponto de lançamento é igual a:
a) 36 m *c) 5 m
b) 64 m d) 10 m
japizzirani@gmail.com 69
(PUCMINAS-2008) - ALTERNATIVA: A
IV - ESTÁTICA Uma placa de publicidade, para ser colocada em local visível, foi
IV - vestibulares 2008/1 afixada com uma barra homogênea e rígida e um fino cabo de
aço à parede de um edifício, conforme ilustração.
VESTIBULARES - 2008/2 - PÁG. 74

(UFPR-2008) - RESPOSTA: NO FINAL


O extremo superior de uma tábua uniforme, de comprimento d e
massa m, apóia-se numa parede lisa, e o extremo inferior está
apoiado no solo, conforme mostra a figura. Considere que a
tábua está em equilíbrio e na iminência de escorregar. Desenhe
na própria figura todas as forças que estão atuando nessa tá-
bua e obtenha uma expressão literal para o coeficiente de atrito
entre a tábua e o solo em função das variáveis dadas.
Considerando-se a gravidade como 10m/s2, o peso da placa co-
mo 200 N, o comprimento da barra como 8 m, sua massa como 10
kg, a distância AC como 6 m e as demais massas desprezíveis,
pode-se afirmar que a força de tração sobre o cabo de aço é de:
*a) 417 N
b) 870 N
c) 300 N
d) 1200 N

(UECE-2008) - ALTERNATIVA: B
Uma gangorra de um parque de diversão tem três assentos de
cada lado, igualmente espaçados um do outro, nos respectivos
RESOLUÇÃO UFPR-2008 lados da gangorra. Cinco assentos estão ocupados por garotos
GABARITO OFICIAL: cujas respectivas massas e posicões estão indicadas na figura.

Assinale a alternativa que contém o valor da massa, em kg, que


deve ter o sexto ocupante para que a gangorra fique em equilí-
brio horizontal.
a) 25
De acordo com o diagrama de forças representado acima, temos
*b) 29
para o equilíbrio estático:
c) 35
Fx = 0 NP = fa = NS d) 50
Fy = 0 NS = mg
(UEL-2008) - ALTERNATIVA: A
MB = 0 fa cos + mg sen = NS sen Na figura seguinte, está ilustrada uma engenhoca utilizada para
Resolvendo o sistema acima obtemos retirar água de poços. Quando acionada a manivela, que possui
um braço de 30 cm, a corda é enrolada em um cilindro de 20 cm
= tan , de diâmetro, após passar, dando uma volta completa, por um ci-
lindro maior de 60 cm de diâmetro, o qual possui um entalhe para
onde é o ângulo entre a parede e a tábua no ponto B. conduzir a corda sem atrito. De acordo com os conhecimentos
de mecânica, qual é, aproximadamente, a força mínima que deve
(PUCMINAS-2008) - ALTERNATIVA: D (GABARITO OFICIAL) ser aplicada à manivela para manter o sistema em equilíbrio?
Uma haste, com massa uniformemente distribuída ao longo do Considere que a força peso do balde cheio de água é 100 N.
seu comprimento, encontra-se em equilíbrio, na horizontal, apoi- *a) 33 N.
ada no ponto P, tendo duas massas M e M’ nas suas extremida- b) 50 N.
des, conforme a figura abaixo. c) 66 N.
d) 100 N.
e) 133 N.

Nessas condições, é CORRETO afirmar:

a) M’ < M OBS.: Para a resposta ser a alternativa ver slide:


b) M’ = M D é necessário que a massa da haste UEL - 2008 - Q.24
c) M < M’ < 2M seja desprezível e não uniformemente
*d) M’ = 2M distribuida como está no enunciado.
japizzirani@gmail.com 70
(FUVEST-2008) - RESOLUÇÃO NA COLUNA DA DIREITA RESOLUÇÃO FUVEST-2008:
Para carregar um pesado pacote, de massa M = 90 kg, ladeira
acima, com velocidade constante, duas pessoas exercem for- a)
ças diferentes. O Carregador 1, mais abaixo, exerce uma força
F1 sobre o pacote, enquanto o Carregador 2, mais acima, exerce
uma força F2.

Para o equilíbrio, o somatório dos torques em relação ao centro


de massa (CM) deve ser nulo:
F1 · d1 = F2 · d2
No esquema da página de respostas estão representados, em
F 1 · 4 = F2 · 8 F1/F2 = 2
escala, o pacote e os pontos C1 e C2, de aplicação das forças,
assim como suas direções de ação. (Adote g = 10m/s2) b) Para o equilíbrio do pacote, a força resultante deve ser nula:
a) Determine, a partir de medições a serem realizadas no esque- F1 + F2 = P = mg F1 + F2 = 900
ma da página de respostas, a razão R = F1/F2, entre os módulos Sendo F1 = 2F2 , vem:
das forças exercidas pelos dois carregadores.
F1 = 600 N e F2 = 300 N
b) Determine os valores dos módulos F1 e F2, em newtons.
c) Indique, no esquema da página de respostas, com a letra V, a
c) Para que F1 = F2 , os traços de d1 e d2 deverão ser iguais e,
posição em que o Carregador 2 deveria sustentar o pacote para
que as forças exercidas pelos dois carregadores fossem iguais. portanto, o traço de F2 deve valer 4 unidades de distância e o
ponto V está indicado na figura.
Note e adote:
A massa do pacote é distribuída uniformemente e, portan- (FGVSP-2008) - ALTERNATIVA: D
to, seu centro de massa, CM, coincide com seu centro Usado no antigo Egito para retirar água do rio Nilo, o shaduf pode
geométrico. ser visto como um ancestral do guindaste. Consistia de uma
haste de madeira onde em uma das extremidades era amarrado
ver slide:
um balde, enquanto que na outra, uma grande pedra fazia o pa-
FUVEST - 2008 - Q.01
pel de contra-peso. A haste horizontal apoiava-se em outra ver-
ticalmente disposta e o operador, com suas mãos entre o extre-
mo contendo o balde e o apoio (ponto P), exercia uma pequena
força adicional para dar ao mecanismo sua mobilidade.

Dados:
Peso do balde e sua corda .................... 200 N
Peso da pedra e sua corda .................... 350 N
Para o esquema apresentado, a força vertical que uma pessoa
deve exercer sobre o ponto P, para que o shaduf fique horizon-
talmente em equilíbrio, tem sentido
a) para baixo e intensidade de 100 N.
b) para baixo e intensidade de 50 N.
c) para cima e intensidade de 150 N.
*d) para cima e intensidade de 100 N.
e) para cima e intensidade de 50 N.
japizzirani@gmail.com 71
(UFSCar-2008) - ALTERNATIVA: B (UEPG/PR-2008) - RESPOSTA OFICIAL: SOMA = 19 (01+02+16)
Quando novo, o momento total do binário de forças mínimas, Sobre equilíbrio mecânico, assinale o que for correto.
iguais, constantes e suficientes para atarraxar o regulador ao 01) Quando um corpo se encontra em equilíbrio mecânico sob a
botijão de gás, tinha intensidade 2Fd (N.m). ação de apenas três forças, elas são coplanares e concorren-
tes.
ver slide:
02) Quando o momento resultante de um sistema de forças em
UFSCar - 2008 - Q.14
relação a um ponto é nulo, isto significa que a resultante desse
sistema é nula ou que o seu suporte passa pelo ponto conside-
rado.
04) Um corpo encontra-se em equilíbrio mecânico quando a soma
vetorial das forças que agem sobre ele é nula.
08) A condição para que um corpo se encontre em equilíbrio
mecânico é que ele esteja em repouso.
16) A resultante das forças que agem sobre um corpo em equi-
líbrio é nula.

(VUNESP-2008) - ALTERNATIVA: C
Uma régua homogênea encontra-se presa em um suporte trian-
gular, no ponto central B, por meio de um rolamento fixo e per-
pendicular ao plano da régua. Se na régua forem aplicadas as
forças F1, F2 e F3, de iguais módulos e cujas linhas de ação
pertencem ao plano da régua, pode-se afirmar que o sistema de
Agora, quebrado como está, a intensidade das novas forças mí-
forças pro- voca, na régua, no ponto
nimas, iguais e constantes, capazes de causar o mesmo efeito,
deve ser maior que F em
a) 1/4. d) 2/3.
*b) 1/3. e) 3/4.
c) 1/2.

(PUCPR-2008) - ALTERNATIVA GABA OFICIAL: B - RESPOSTA


CORRETA: 210 N (RESOLUÇÃO NO FINAL)
Um funcionário do serviço de manutenção da PUCPR deseja ins-
talar uma escada de 4 metros de comprimento na fachada de um
dos blocos para limpar as janelas do andar superior. Entretanto,
ele planeja apoiar a escada com cuidado para evitar algum dano
à estrutura envidraçada. Para isto ele usa uma corda como mos-
trado na figura.

a) A, movimento de rotação e translação.


b) A, apenas movimento de translação.
*c) A, apenas movimento de rotação.
d) B, movimento de rotação e translação.
e) B, apenas movimento de translação.
O peso da escada é igual a 300 N. A força de tração na corda é
aproximadamente igual a: (UFPB-2008) - ALTERNATIVA: A
(DADOS: sen 45O = cos 45O 0,70 ; sen 15O 0,26; cos 15O Quatro forças, de mesmas intensidades, são aplicadas em pontos
0,97; sen 30O = 0,5; cos 30O 0,87 ; tan 60O 1,73) diferentes (A, B, C, D) de uma barra homogênea, presa à
a) 690 N d) 300 N superfície de uma mesa por um pino localizado no ponto B,
b) 580 N e) 460 N conforme a figura ao lado.
c) 750 N

RESOLUÇÃO PUCPR-2008:

MA = 0 2.T = 1,4.300 T = 210 N

Considerando que as distâncias AB = BC = CD, acerca dos


torques (T) relativos ao ponto B, causados pelas forças aplicadas
nos diferentes pontos, é correto afirmar:
*a) TD > TA > TC > TB
b) TC > TB > TD > TA
c) TB > TC > TD > TA
d) TA > TD > TC > TB
e) TD > TB > TA > TC
japizzirani@gmail.com 72
(ITA-2008) - ALTERNATIVA: B (UFABC-2008) - RESPOSTA: V = 1,0 m/s
A figura mostra uma barra de 50 cm de comprimento e massa A canaleta AB mostrada a seguir tem 20 m de comprimento e
desprezível, suspensa por uma corda OQ, sustentando um peso massa uniformemente distribuída ao longo de toda sua exten-
de 3000 N no ponto indicado. Sabendo que a barra se apóia sem são.
atrito nas paredes do vão, a razão entre a tensão na corda e a Apoiada em seu ponto médio (M), a canaleta encontra-se na
reação na parede no ponto S, no equilíbrio estático, é igual a horizontal, em equilíbrio estático, tendo, sobre ela, uma esfera de
5,0 kg em repouso no ponto C, a 1,0 m de M e, na extremidade
oposta (B), um balde vazio de 0,50 kg, como mostra a figura.

A partir de certo instante, abre-se uma torneira que derrama


água dentro do balde à razão de 0,50 L/s e, nesse mesmo ins-
tante, dá-se um impulso horizontal na esfera, que a faz rolar com
velocidade constante V no sentido da extremidade A da canaleta.
Considerando-se a densidade da água igual a 1,0 kg/L e g = 10
m/s2, determine o valor de V, em m/s, para que a canaleta perma-
neça na horizontal, em equilíbrio estático, até que a esfera atinja
a extremidade A.

(UFRGS-2008) - ALTERNATIVA: A
Pinças são utilizadas para manipulação de pequenos objetos.
Seu princípio de funcionamento consiste na aplicação de forças
opostas normais a cada um dos braços da pinça. Na figura
abaixo, está representada a aplicação de uma força no ponto A,
a) 1,5 que se encontra a uma distância OA de um ponto de apoio loca-
*b) 3,0 lizado em O. No ponto B, é colocado um objeto entre os braços
c) 2,0 da pinça, e a distância deste ponto ao ponto de apoio é OB =
d) 1,0 4×OA.
e) 5,0

(UEG-2008) - ALTERNATIVA: C
A figura abaixo mostra Mônica, Cebolinha, Cascão e Anjinho
brincando em uma gangorra homogênea.

Sabendo-se que a força aplicada em A é de 4 N em cada braço,


qual é a força transferida ao objeto, por braço?
*a) 1 N.
b) 4 N.
c) 8 N.
d) 16 N.
e) 32 N.

(U.F. VIÇOSA-2008) - ALTERNATIVA: B


A figura abaixo ilustra uma balança muito usada na feira, com-
posta por um prato, uma barra que pode girar sobre o apoio e um
bloco deslizante, que permite equilibrar o sistema quando o bra-
ço está na posição horizontal.

Para que a gangorra fique em equilíbrio horizontal, bastaria uni-


camente que Sabendo que a massa do bloco é 3 vezes maior que a do prato
a) o cavalete de apoio fosse deslocado para certa posição mais e que a balança é capaz de pesar um corpo de massa 14 vezes
distante da Mônica. maior que a do prato, o tamanho mínimo de L, desprezando a
b) a resultante das forças do sistema fosse nula. massa da barra, é:
*c) o cavalete de apoio fosse deslocado para certa posição a) 47 cm.
mais próxima da Mônica. *b) 50 cm.
d) o somatório dos torques (momentos de uma força) fosse c) 30 cm.
nulo. d) 42 cm.
japizzirani@gmail.com 73
(UTFPR-2008/2) - ALTERNATIVA: C
IV - ESTÁTICA Uma tábua de peso 200 N está apoiada na posição horizontal
IV - vestibulares 2008/2 sobre dois cavaletes, conforme mostra a figura. No ponto C, es-
tá representada uma caixa de argamassa de peso 300 N. As for-
ças exercidas sobre os cavaletes A e B, em N, são respectiva-
mente iguais a:
(UFOP-2008/2) - ALTERNATIVA: B
a) 300 e 200.
Um andaime é sustentado por dois cabos (1) e (2). Um homem
b) 200 e 300.
está sobre o andaime, de acordo com a figura, de modo que a >b.
*c) 230 e 270.
Nessa situação é correto afirmar a respeito dos módulos das
d) 310 e 190.
tensões T1 e T2 dos cabos: e) 240 e 260.

a) T1 = T2 e não nulos
*b) T1 < T2 (UFTM-2008/2) - ALTERNATIVA: A
Ao apontar seu lápis, além de uma pequena força aplicada sobre
c) T1 > T2
ele na direção do apontador, o menino aplica um binário de for-
d) T1 e T2 são nulos ças, orientado conforme o desenho.
ver slide:
UFTM - 2008.2 - Q.18

(PUCMINAS-2008/2) - ALTERNATIVA: C
A torre inclinada de Pisa tem 54,5m de altura (aproximadamente
a altura de um edifício de 18 andares) e foi construída no século
XII. Algum tempo após sua construção, o terreno cedeu, e a torre
começou a inclinar. Atualmente, ela está com um desvio de 4,5 m.
Os engenheiros da época perguntaram, e os de hoje ainda per-
guntam se a torre cai ou não. Assinale a resposta que indica a
condição que deve ser satisfeita para que a torre não caia. Se a intensidade do momento total do binário aplicado sobre o lá-
a) A condição necessária e suficiente para que um ponto mate- pis tem intensidade de 5 N.m, supondo que a força de atrito entre
rial sujeito a um sistema de forças esteja em equilíbrio é que seja os dois dedos que giram o lápis tem a mesma intensidade, a for-
nula a força resultante do sistema de forças. ça impressa por cada dedo ao girar o lápis de diâmetro 1 cm é,
b) A condição necessária e suficiente para que um corpo esteja em N,
em equilíbrio é que a soma dos momentos das forças aplicadas *a) 500.
nele seja nula. b) 1 000.
*c) A condição de equilíbrio de um corpo apoiado é que a vertical c) 1 500.
baixada do centro de gravidade do corpo passe pela base de d) 2 000.
apoio. e) 2 500.
d) A condição de equilíbrio de um corpo suspenso é que o centro
de suspensão S e o centro de gravidade do corpo estejam na
mesma vertical. (UEM/PR-2008/2) - RESPOSTA: SOMA = 07 (01+02+04)
Uma pessoa de peso P = 500 N caminha sobre uma tábua apoi-
ada em uma extremidade A e em um suporte giratório B, que fun-
(VUNESP/UNINOVE-2008/2) - ALTERNATIVA: A ciona como um apoio de gangorra e está a 4,0 m de distância de
Numa cozinha, um forno microondas de 20 kg está apoiado em A. O peso da tábua é Pt = 800 N e seu comprimento é 6,0 m.
equilíbrio sobre uma prateleira horizontal de massa desprezível,
Assinale o que for correto.
sustentada por dois suportes verticais A e B, conforme a figura.
*01) A máxima distância que a pessoa pode caminhar sobre a tá-
bua para que ela fique em equilíbrio, partindo do ponto A em dire-
ção a B, é 5,6 m.
*02) A soma algébrica dos torques é nula até o ponto de equilíbrio
em que a tábua está na iminência de girar.
*04) A distância que a pessoa anda desde o ponto B até o mo-
mento do giro é 1,6 m.
08) A soma algébrica dos momentos angulares não varia além do
ponto de equilíbrio.
16) A tábua não girará independentemente da distância que a
pessoa se encontre desde o ponto A.
Admitindo que a massa do forno esteja distribuída uniformemen-
te por seu volume e adotando g = 10 m/s2, as intensidades das
forças verticais NA e NB, que os suportes exercem sobre a pra-
teleira são
*a) NA = 175 N e NB = 25 N.
b) NA = 150 N e NB = 50 N.
c) NA = 100 N e NB = 100 N.
d) NA = 50 N e NB = 150 N.
e) NA = 25 N e NB = 175 N.
japizzirani@gmail.com 74
(UECE/CE-2008) - ALTERNATIVA: D
V - GRAVITAÇÃO Suponha que a Terra se mova em torno do Sol em uma órbita cir-
V - vestibulares 2008/1 cular de raio r = 1,5 × 1011 m. Considerando a constante da
VESTIBULARES - 2008/2 - PÁG. 80 gravItação universal G = 6,8 × 10-11 Nm2/kg2 e um ano (período de
revolução da Terra em torno do Sol) T = 3,0 × 10 7s, assinale a
alternativa que contém a ordem de grandeza da massa do Sol
(UDESC-2008) - ALTERNATIVA: A (em kg).
O raio da órbita do Urano em torno do Sol é 2,90 × 1012 m. Consi- a) 1044
derando o raio de órbita da Terra 1,50 × 1011 m, o período de
revolução do Urano em torno do Sol, expresso em anos terres- b) 1033
tres, é de: c) 1036
*a) 85,0 anos. *d) 1030
b) 1,93 anos.
c) 19,3 anos. (UECE/CE-2008) - ALTERNATIVA: D
d) 1,50 anos. Duas cascas esféricas concêntricas, de densidades uniformes,
tem massas M1 (raio r1) e M2 (raio r2), como mostra a figura.
e) 150 anos.

(UFCG/PB-2008) - ALTERNATIVA: A
Em 1789, Henry Cavendish mediu a constante gravitacional G da
equação da força gravitacional proposta por Newton quase cem
anos antes. Embora outras constantes sejam conhecidas com
grande precisão, o melhor valor obtido para G é 6,6742 × 10-11
m3/(s2kg). Com a medida de G, Cavendish conseguiu determinar,
pela primeira vez, a massa da Terra (M). Para tal ele comparou o
peso de um objeto de massa (m) com a força exercida pela Terra
sobre ele (F) utilizando a equação de Newton. Sendo 10 m/s2 a
aceleração da gravidade na superfície da Terra e (R) o seu raio,
pode-se afirmar que Cavendish, obteve para a massa da Terra: Assinale a alternativa que contém o valor da força gravitacional
sobre uma partícula de massa m localizada entre as cascas, a
*a) 1,5 × 1011(R)2 kg. b) 1,5 × 1011(R) kg. uma distância d dos seus centros.
11 2
c) 6,7 × 10 (R) kg. d) 6,7 × 1011(R) kg.
11 1/2
e) 1,5 × 10 (R) kg. a)

(UFPR-2008) - ALTERNATIVA: NO FINAL


A descoberta de planetas extra-solares tem sido anunciada, b)
com certa freqüência, pelos meios de comunicação. Numa des-
sas descobertas, o planeta em questão foi estimado como tendo **
o triplo da massa e o dobro do diâmetro da Terra. Considerando c)
a aceleração da gravidade na superfície da Terra como g, assi-
nale a alternativa correta para a aceleração na superfície do
planeta em termos da g da Terra. *d)
-) 3/4 g.
-) 2 g.
-) 3 g. (FGVSP-2008) - ALTERNATIVA: C - RESOLUÇÃO NO FINAL
-) 4/3 g. Sendo k a constante eletrostática e G a constante de gravi tação
-) 1/2 g. universal, um sistema de dois corpos idênticos, de mesma mas-
Resposta correta: 3/4 g. sa M e cargas de mesma intensidade +Q, estarão sujeitos a uma
força resultante nula quando a relação for igual a
(UNIOESTE/PR-2008) - ALTERNATIVA: E
Considere as afirmativas abaixo, relativas à Lei de Gravitação a) d)
Universal de Newton entre dois corpos e suas consequências:
I) A constante universal G pode ser expressa em m/s2 e depende
do local onde ocorrem as forças.
b) e)
II) Como a força gravitacional atua sobre um corpo de forma dire-
tamente proporcional à sua massa, próximo à superfície terres-
tre, um corpo pesado deve cair mais rapidamente do que um cor-
po leve.
*c)
III) A lei formulada por Newton depende do inverso do quadrado
da distância, da mesma forma como a força coulombiana.
IV) Caso dupliquemos o valor da massa de cada um dos dois
corpos e quadrupliquemos o valor dadistância entre os dois cor- RESOLUÇÃO FGVSP-2008:
pos, a atração gravitacional será reduzida a 25% de seu valor
inicial.
Assinale a alternativa cuja(s) afirmativa(s) é(são) correta(s).
a) I.
b) II.
c) I e III.
d) II e III.
*e) III e IV.
japizzirani@gmail.com 75
(UNESP-2008) - ALTERNATIVA: B (UFSCar-2008) - ALTERNATIVA: E ver slide:
A órbita de um planeta é elíptica e o Sol ocupa um de seus focos, Leia a tirinha. UFSCar - 2008 - Q.13
como ilustrado na figura (fora de escala). As regiões limitadas
pelos contornos OPS e MNS têm áreas iguais a A.

Não é difícil imaginar que Manolito desconheça a relação entre a


força da gravidade e a forma de nosso planeta. Brilhantemente
traduzida pela expressão criada por Newton, conhecida como a
lei de gravitação universal, esta lei é por alguns aclamada como
a quarta lei de Newton. De sua apreciação, é correto entender
que:
a) em problemas que envolvem a atração gravitacional de cor-
pos sobre o planeta Terra, a constante de gravitação universal,
Se tOP e tMN são os intervalos de tempo gastos para o planeta inserida na expressão newtoniana da lei de gravitação, é cha-
mada de aceleração da gravidade.
percorrer os trechos OP e MN, respectivamente, com velocida-
b) é o planeta que atrai os objetos sobre sua superfície e não o
des médias vOP e vMN, pode-se afirmar que contrário, uma vez que a massa da Terra supera muitas vezes a
a) tOP > tMN e vOP < vMN. massa de qualquer corpo que se encontre sobre sua superfície.
*b) tOP = tMN e vOP > vMN. c) o que caracteriza o movimento orbital de um satélite terrestre
c) tOP = tMN e vOP < vMN. é seu distanciamento do planeta Terra, longe o suficiente para
que o satélite esteja fora do alcance da força gravitacional do
d) tOP > tMN e vOP > vMN. planeta.
e) tOP < tMN e vOP < vMN. d) a força gravitacional entre dois corpos diminui linearmente
conforme é aumentada a distância que separa esses dois cor-
pos.
(UNESP-2008) - RESPOSTA: M/8 *e) aqui na Terra, o peso de um corpo é o resultado da interação
O período de revolução T e o raio médio r da órbita de um planeta atrativa entre o corpo e o planeta e depende diretamente das
que gira ao redor de uma estrela de massa m satisfazem à rela- massas do corpo e da Terra.
ção (m.T2.)/r3 = 4 2/G, onde G é a constante de gravitação uni-
versal. Considere dois planetas e suas respectivas estrelas. O (UFPel-2008) - ALTERNATIVA: A
primeiro, o planeta G581c, recentemente descoberto, que gira Costuma-se dizer que a Lua está sempre caindo sobre a Terra.
em torno da estrela Gliese581 e o nosso, a Terra, girando ao Por que a Lua não cai sobre a Terra, afinal?
redor do Sol. Considere o período de revolução da Terra 27 ve- *a) Porque a Lua gira em torno da Terra.
zes o de G581c e o raio da órbita da Terra 18 vezes o raio da ór- b) Porque a aceleração da gravidade da Lua é menor que a da
bita daquele planeta. Determine qual seria a massa da estrela Terra.
Gliese581 em unidades da massa M do Sol. c) Porque ambas, Terra e Lua, se atraem com forças de mesmo
módulo, mesma direção e sentidos opostos.
d) Porque a massa da Terra é maior que a massa da Lua.
e) Porque o raio da Lua é menor que o raio da Terra.
(UNESP-2008) - RESPOSTA: g’ = 1,5.g
Em abril deste ano, foi anunciada a descoberta de G581c, um no-
vo planeta fora de nosso sistema solar e que tem algumas seme-
(VUNESP-2008) - ALTERNATIVA: E
lhanças com a Terra. Entre as várias características anunciadas
Sobre as Leis de Kepler, pode-se afirmar que
está o seu raio, 1,5 vezes maior que o da Terra. Considerando
a) só são válidas se as trajetórias forem circulares e não elípticas.
que a massa específica desse planeta seja uniforme e igual à da
b) só são válidas para planetas e não para os satélites ao seu
Terra, utilize a lei da gravitação universal de Newton para calcu-
redor.
lar a aceleração da gravidade na superfície de G581c, em ter-
c) a velocidade tangencial dos planetas é sempre constante.
mos da aceleração da gravidade g, na superfície da Terra.
d) os tempos dos planetas para completar as órbitas em torno do
Sol são iguais.
*e) quanto mais próximo do Sol, maior a velocidade tangencial do
(UNIFESP-2008) - ALTERNATIVA: C planeta.
A massa da Terra é aproximadamente oitenta vezes a massa da
Lua e a distância entre os centros de massa desses astros é
(UFRRJ-2008) - RESPOSTA: 5,8 × 103 kg/m3
aproximadamente sessenta vezes o raio da Terra. A respeito do
sistema Terra-Lua, pode-se afirmar que Henry Cavendish , físico e químico inglês, em uma carta enviada
a) a Lua gira em torno da Terra com órbita elíptica e em um dos em 1783 ao seu amigo Rev. John Michell, discutiu a possibilidade
focos dessa órbita está o centro de massa da Terra. de construir um instrumento para “pesar a Terra”. Na realidade,
b) a Lua gira em torno da Terra com órbita circular e o centro de por meio da lei de gravitação de Isaac Newton, ele estava deter-
massa da Terra está no centro dessa órbita. minando o valor da constante G.
*c) a Terra e a Lua giram em torno de um ponto comum, o centro Com base na Lei da Gravitação de Newton, calcule um valor
de massa do sistema Terra-Lua, localizado no interior da Terra. aproximado para a densidade média da Terra.
d) a Terra e a Lua giram em torno de um ponto comum, o centro Dados:
de massa do sistema Terra-Lua, localizado no meio da distância Constante universal de Gravitação = 6,7 × 10-11 N.m2/kg2
entre os centros de massa da Terra e da Lua. Aceleração da gravidade = 10 m/s2
e) a Terra e a Lua giram em torno de um ponto comum, o centro Raio médio da Terra = 6.400 km
de massa do sistema Terra-Lua, localizado no interior da Lua. Utilize = 3.
japizzirani@gmail.com 76
(UEM/PR-2008) - ALTERNATIVA: C (UERJ-2008) - RESPOSTA: 15 (RESOLUÇÃO NO FINAL)
No diagrama abaixo, duas esferas carregadas positivamente, A A figura abaixo representa o instante no qual a resultante das
e B, de massas mA e mB, estão localizadas a uma distância d forças de interação gravitacional entre um asteróide X e os pla-
uma da outra. netas A, B e C é nula.

Assinale a alternativa cujo diagrama melhor representa a dire-


ção e o sentido da força gravitacional Fg e da força eletrostática
Fe agindo sobre a esfera A devido à massa e à carga da esfera
B.
Admita que:
d) • dA , dB e dC representam as distâncias entre cada planeta e o
a)
asteróide;
• os segmentos de reta que ligam os planetas A e B ao asteróide
são perpendiculares e dC = 2dA = 3dB ;
b) e) • mA , mB , mC e mX representam, respectivamente, as massas de
A, B, C e X e mA = 3mB.
Determine a razão mC/mB nas condições indicadas.
*c)
RESOLUÇÃO:

(UFERJ-2008) - ALTERNATIVA: A
“Plutão perde status de planeta”
Membros da União Astronômica Internacional (UAI) reunidos
em Praga, na República Tcheca, decidiram na manhã desta
quinta-feira que Plutão não será mais definido como um plane-
ta. O Sistema Solar agora fica com oito planetas: Mercúrio ,
Vênus,Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno . A comu-
nidade científica estabeleceu na capital tcheca que, para ser
um planeta, o astro precisa ser dominante em sua zona orbital,
o que não ocorre com Plutão”.
O Globo On line – Ciência 2007
De acordo com o texto acima, para que um corpo celeste seja (UEL-2008) - ALTERNATIVA: E
considerado um planeta, é necessário que ele exerça domínio Um corpo de massa m, com uma energia cinética desprezível em
gravitacional sobre corpos vizinhos, ou seja, a força gravitacional relação à sua energia potencial, está situado a uma distância r
gerada por ele seja mais intensa do que a força gravitacional do centro da Terra, que possui raio R, massa M e g = GM/R2.
gerada por quaisquer corpos de sua vizinhança. Sabe-se que a Suponha que esse corpo caia em direção à Terra. Desprezando
massa de Netuno é de, aproximadamente, 17 vezes a massa da os efeitos de rotação da Terra e o atrito da atmosfera, assinale a
Terra, enquanto que a massa de Plutão é aproximadamente 2000 alternativa que contém a relação que permite calcular a velocida-
vezes menor do que a massa do nosso planeta. Considere que de v do corpo no instante em que ele colide com a Terra.
os módulos das forças gravitacionais exercidas por Netuno e
Plutão sobre um corpo são representadas, respectivamente, por
FN e FP . Se essas forças forem calculadas com o corpo no pon-
to médio do segmento de reta que liga os centros de massa des-
ses planetas, a relação entre os módulos será expressa por
*a) FN = 3,4 × 104 FP .
b) FN = 1,2 × 102 FP .
c) FN = 3,4 × 103 FP .
d) FN = 1,2 × 10FP .
e) FN = FP . *

(UFOP-2008) - ALTERNATIVA: B
Imagine que a massa do Sol se tornasse subitamente 4 vezes (UFOP-2008) - RESPOSTA: FAZER
maior do que é. Para que a força de atração do Sol sobre a Terra Considere uma estação espacial hipotética, em órbita circular em
não sofresse alteração, a distância entre a Terra e o Sol deveria torno da Terra, a uma distância h da superfície do planeta, que
se tornar: equivale à metade do raio da Terra.
a) 4 vezes maior a) Explique o fenômeno da “ausência de peso” que os astronau-
*b) 2 vezes maior tas experimentam na estação.
c) 8 vezes maior b) Se a distância h dobrasse, de quanto seria a modificação do
d) 3 vezes maior período da órbita da estação?
japizzirani@gmail.com 77
(UNICAMP-2008) - RESPOSTA: a) 1,5 × 1040 kg b) 8,0 × 104 m/s (VUNESP-2008) - ALTERNATIVA: E
Observações astronômicas indicam que as velocidades de rota- Sobre a superfície da Terra, um objeto de massa m apresenta
ção das estrelas em torno de galáxias são incompatíveis com a peso P. Se esse objeto for transportado para uma altitude, rela-
distribuição de massa visível das galáxias, sugerindo que gran- tivamente ao solo, equivalente a duas vezes o raio da Terra,
de parte da matéria do Universo é escura, isto é, matéria que não apresentará, nessa posição, massa igual a
interage com a luz. O movimento de rotação das estrelas resulta
da força de atração gravitacional que as galáxias exercem so- a) e peso . d) m e peso .
ÿ ÿ ÿ
bre elas. A curva no gráfico abaixo mostra como a força gravi-
tacional , que uma galáxia de massa M exerce sobre b) m e peso . *e) m e peso .
ÿ ÿ
uma estrela externa à galáxia, deve variar em função da distân-
cia r da estrela em relação ao centro da galáxia, considerando- c) e peso .
se m = 1,0 × 1030 kg para a massa da estrela. A constante de ÿ ÿ
gravitação G vale 6,7×10-11 m3 kg-1s-2.
(UFRGS-2008) - ALTERNATIVA: C

a) Determine a massa M da galáxia.


b) Calcule a velocidade de uma estrela em órbita circular a uma
distância r = 1,6 × 1020 m do centro da galáxia.

(VUNESP-2008) - ALTERNATIVA: E
Saturno é um dos planetas do Sistema Solar que apresenta um
grande número de satélites naturais. A figura, fora de escala,
mostra dois deles, Titan e Tétis, e suas respectivas distâncias (UFSC-2008) - RESPOSTA: SOMA = 18 (02+16)
ao centro de Saturno, escritas em função do raio desse planeta, Considere o sistema constituído por um ponto material de massa
R. m e a Terra de massa MT. Admita que d é a distância do centro
ÿ ÿ
da Terra a m e que ÿ ÿ 37 formam um par de forças, conforme
a figura, devido à interação gravitacional entre as massas m e
M T.

Sabendo que o período de translação de Titan em torno de Saturno


é de cerca de 16 dias terrestres, o período de translação de
Tétis em torno desse planeta será, em dias terrestres, de apro-
ximadamente
a) 64. b) 32. c) 8. d) 4. *e) 2.

(CEFETSP-2008) - ALTERNATIVA: D
É muito freqüente se encontrar a frase “eppur si muove” (apesar
disso se ela move) atribuída a uma renomada figura da história
da física – Galileu Galilei. Ele a teria pronunciado após terminar
sua confissão às autoridades eclesiásticas, pela qual foi força-
do a negar uma hipótese defendida em seus textos. Essa hipóte-
se estava relacionada com
a) a queda dos corpos.
b) a irregularidade da superfície da Lua.
c) o impetus.
*d) o sistema heliocêntrico.
e) as origens da gravidade.
japizzirani@gmail.com 78
(UFPB-2008) - ALTERNATIVA: D
Tanto a energia cinética (K) como a energia potencial (U) de um
satélite em órbita circular em torno de um planeta dependem do
raio (r) da órbita. Essas dependências estão melhor representadas
pelo gráfico:

a) *d)

b) e)

c)

(ITA-2008) - ALTERNATIVA: D
A estrela anã vermelha Gliese 581 possui um planeta que, num
período de 13 dias terrestres, realiza em torno da estrela uma
órbita circular, cujo raio é igual a 1/14 da distância média entre o
Sol e a Terra. Sabendo que a massa do planeta é aproximada-
mente igual à da Terra, pode-se dizer que a razão entre as mas-
sas da Gliese 581 e do nosso Sol é de aproximadamente
a) 0,05.
b) 0,1.
c) 0,6.
*d) 0,3.
e) 4,0.

japizzirani@gmail.com 79
(PUCMINAS-2008/2) - ALTERNATIVA: D
V - GRAVITAÇÃO O valor da aceleração da gravidade sobre a superfície da Terra
V - vestibulares 2008/2 não é constante e varia com a latitude. A aceleração da gravida-
de varia também com a altitude em relação à superfície da Terra.
As tabelas seguintes ilustram essas variações.
(UDESC-2008/2) - ALTERNATIVA: D
Recentemente, os Estados Unidos lançaram um foguete para
destruir um satélite artificial em rota de colisão com a Terra. Um
satélite artificial é qualquer corpo feito pelo homem e colocado
em órbita ao redor da Terra. Atualmente, estão em órbita satélites
de comunicação científicos, militares e uma grande quantidade
de lixo espacial; estima-se que já foram lançados em torno de
4.600 satélites, e que apenas cerca de 500 deles continuam em
funcionamento.
Analise as afirmativas abaixo.
I. O satélite sofre a ação da força gravitacional da Terra.
II. A velocidade de rotação dos satélites em torno da Terra não
depende de suas massas.
III. Um satélite estacionário é aquele que tem a mesma velocidade
de rotação da Terra.
IV. Não existe força peso atuando sobre os satélites.
V. Na mesma órbita circular, dois satélites podem ter velocidades
diferentes.
Assinale a alternativa correta.
a) Somente as afirmativas II e V são verdadeiras.
b) Somente as afirmativas IV e V são verdadeiras.
c) Somente as afirmativas I e IV são verdadeiras.
*d) Somente as afirmativas I, II e III são verdadeiras.
e) Todas as afirmativas são verdadeiras.
Um satélite (S) está em órbita elíptica da Terra (T) considerada
(VUNESP/UNICID-2008/2) - ALTERNATIVA: C em repouso. Considere ainda que, quando o satélite estiver no
Se, por um lado, Kepler proporcionou uma descrição cinemática ponto A, ele se encontra a uma altitude de 100 km. São feitas al-
do sistema planetário, Newton analisou o aspecto dinâmico e, gumas afirmações sobre o satélite:
graças às leis de Kepler, descobriu, entre outras coisas, que as I. A energia cinética é maior em A que em B.
forças gravitacionais mantinham os planetas em órbita. II. A energia mecânica é maior em B que em A.
Considere as afirmativas seguintes. III. A energia mecânica é maior em A que em B.
I. A força gravitacional que atua sobre um planeta depende dire- IV. Se o satélite estiver a uma altitude de 300 km, as variações da
tamente da massa desse planeta. gravidade com a latitude poderão ser desprezadas para o cálcu-
II. Um planeta possui velocidade de translação constante em to- lo de sua energia mecânica.
da órbita elíptica percorrida em torno do Sol.
III. A distância que um planeta possui em relação ao Sol interfere
no seu período, ou seja, quanto maior a distância do planeta ao
Sol, maior será a duração de seu ano.
É correto o contido em
a) I, apenas. d) II e III, apenas.
b) II, apenas. e) I, II e III.
*c) I e III, apenas. A afirmação está CORRETA em:
a) I e III apenas
b) II apenas
(VUNESP/UNINOVE-2008/2) - ALTERNATIVA: B c) II, III e IV
Nicolau Copérnico, astrônomo polonês, publicou no ano de sua *d) I e IV apenas
morte, em 1543, o livro De Revolutionibus Orbium Coelestium
(Das Revoluções dos Mundos Celestes), no qual apresentou
seu modelo heliocêntrico de universo. Segundo ele, o Sol estava (CEFETSP-2008/2) - ALTERNATIVA: E
no centro do universo e a Terra e os demais planetas descrevi- Sobre os fenômenos celestes podemos afirmar:
am órbitas perfeitamente circulares em torno dele. Tal proposta a) Um satélite, estacionário em relação ao nosso planeta, deve
revolucionária foi se consolidando aos poucos, porém, em 1609, ter seu período de rotação igual ao período de translação ,da
uma nova concepção foi apresentada, na qual a Terra e os Terra;
demais planetas estariam em órbitas elípticas, e não circulares b) O valor da aceleração da gravidade na superfície de um pla-
em torno do Sol. O autor dessa nova proposta foi neta que possua uma determinada massa, é proporcional ao vo-
a) René Descartes. d) Galileu Galilei. lume do mesmo;
*b) Johannes Kepler. e) Giordano Bruno. c) A Terra, em seu movimento de transiação, ao se mover do afé-
c) Isaac Newton. lio para o periélio, sofre um processo de desaceleração.
d) A trajetória elíptica da Terra explica a sucessão entre as esta-
(UNIMONTES/MG-2008/2) - ALTERNATIVA: C ções do ano, em função das variações de distância. O inverno,
Em um sistema de estrelas binárias, cada estrela tem a mesma por exemplo, corresponde à Terra no ponto mais distante em re-
massa que o nosso Sol e uma gira em torno do centro de massa lação ao Sol;
da outra. A distância entre os centros de massa das estrelas é *e) Dois satélites artificiais da Terra, em órbitas de mesma altitu-
quatro vezes a distância da Terra ao Sol. Qual é o período de re- de, um de massa 500kg e outro de 10.000kg, apresentam a mes-
volução dessas estrelas, em anos terrestres? ma velocidade tangencial e estão sujeitos à mesma aceleração
a) 3 anos. b) 4 anos. *c) 8 anos. d) 2 anos. gravitacional, g.
japizzirani@gmail.com 80
(UNESP-2008/2) - ALTERNATIVA: B (UFC/CE-2008/2) - ALTERNATIVA: B
Analise o movimento de um planeta em diversos pontos de sua Um certo planeta tem a mesma densidade, suposta uniforme,
trajetória em torno do Sol, conforme aparece na figura. que a da Terra, mas tem metade do diâmetro da Terra. A relação
entre as velocidades de escape de um corpo na Terra e no dito
planeta vale:
a) 1/2
*b) 2
c) 4
d) 6
e) 8

(UFC/CE-2008/2) - RESPOSTA: 0,5


Calcule a razão, em módulo, entre a energia cinética e a energia
potencial de um satélite em órbita circular.

(UECE-2008/2) - ALTERNATIVA: A
O período orbital T, no sistema solar, está relacionado com a
distância média D dos planetas ao Sol. As variáveis que devem
ser plotadas em um gráfico linear para que se obtenha uma linha
reta são
Considerando os trechos entre os pontos A e B e entre os pon- *a) T2 versus D3.
tos C e D, pode-se afirmar que, b) T2 versus D.
a) entre A e B, a área varrida pela linha que liga o planeta ao Sol
c) T versus D3.
é maior do que aquela entre C e D.
d) T versus D.
*b) caso as áreas sombreadas sejam iguais, o planeta move-se
com maior velocidade escalar no trecho entre A e B.
c) caso as áreas sombreadas sejam iguais, o planeta move-se (UECE-2008/2) - ALTERNATIVA: B (CONFERIR)
com maior velocidade escalar no trecho entre C e D. A Lua está orbitando a Terra com um período de, aproximada-
d) caso as áreas sombreadas sejam iguais, o planeta move-se mente, 27 dias. Considerando 3, a constante da gravitação
com a mesma velocidade nos dois trechos.
universal G, aproximadamente, igual a 6,7 × 10-11 N m2/kg2, a
e) caso as áreas sombreadas sejam iguais, o tempo levado para
o planeta ir de A até B é maior que entre C e D. massa da Terra igual a 6,0 × 1024 kg e a massa da Lua igual a 7,0
× 1022 kg, a distância média entre a Terra e a lua é
(UFOP-2008/2) - RESPOSTA: FAZER a) 4 × 108 km.
As distâncias que separam a Terra da Lua e a Terra do Sol são, *b) 4 × 105 km.
respectivamente, 400.000km e 150 milhões de quilômetros. A
c) 6 × 103 km.
massa da Terra é, aproximadamente, 6 × 1024 kg e a do Sol é,
d) 6 × 108 km.
aproximadamente, 2 × 1030 kg .
a) Considerando-se apenas o sistema Terra-Lua, se a massa da
Terra triplicasse, qual deveria ser a distância entre a Lua e a
Terra, para que a força gravitacional se mantivesse constante?
b) Calcule a razão entre a força gravitacional que o Sol faz sobre
a Lua e aquela que a Terra exerce sobre a Lua. Considere a dis-
tância Lua-Sol, aproximadamente, igual à distância Terra-Sol.

(FATEC-2008/2) - ALTERNATIVA: B
Isaac Newton procurou unificar a física celeste com a física ter-
restre, ou seja, leis que regem movimentos observados no céu
podem explicar os movimentos observados na Terra.
O astrônomo inglês Edmund Halley, em 1758, aplicou a física
newtoniana para prever a aparição de um cometa, cometa de
Halley, que já havia sido observado em 1607 e 1682. Infelizmen-
te, não foi possível para Halley confirmar seus estudos.
A lei de Newton utilizada por Halley está descrita na alternativa
a) Todo corpo que atua sobre outro corpo, através de uma força,
recebe deste último uma força de reação de mesma direção, in-
tensidade e de mesmo sentido.
*b) Dois corpos de massas iguais ou distintas, separados por
uma distância, atraem-se devido a uma força de natureza gra-
vitacional, na direção que os une.
c) Todo corpo mantém seu estado de repouso ou em movimento
retilíneo uniforme, quando a somatória das forças sobre ele for
igual a zero.
d) Quando a somatória das forças em um corpo for igual a zero,
a velocidade do corpo é constante e ele descreve uma trajetória
circular.
e) A ação de uma força constante em um corpo é proporcional à
sua aceleração, tendo esta mesma direção e intensidade da
força.
japizzirani@gmail.com 81
(FEI-2008) - ALTERNATIVA: B
VI - HIDROSTÁTICA Quando colocamos água e óleo em um recipiente, verificamos
VI - vestibulares 2008/1 que o óleo permanece na parte de cima. Este fenômeno ocorre
porque:
VESTIBULARES - 2008/2 - PÁG. 90
a) a densidade da água é menor que a densidade do óleo.
*b) a densidade do óleo é menor que a densidade da água.
c) o óleo é mais viscoso que a água.
(UDESC-2008) - ALTERNATIVA: C
d) a água é mais fluida que o óleo.
Para suspender um carro de 1500 kg usa-se um macaco hidrá-
e) as moléculas da água são maiores que as moléculas do óleo.
ulico, que é composto de dois cilindros cheios de óleo, que se
comunicam. Os cilindros são dotados de pistões, que podem se
(FATECSP-2008) - ALTERNATIVA: A
mover dentro deles. O pistão maior tem um cilindro com área 5,0
Uma bexiga, inflada com ar, possui volume V quando imersa em
x103 cm2 , e o menor tem área de 0,010 m2. Qual deve ser a força
água e presa ao fundo do recipiente por um fio, que exerce na
aplicada ao pistão menor, para equilibrar o carro? (Se necessá-
bexiga tração T.
rio adote g = 10 m/s2)

a) 0, 030 N d) 7 ,5×104 N
b) 7 ,5×109 N e) 30 N O recipiente é rígido e possui tampa rígida e vedante, na qual há
*c) 300 N uma válvula que permite variar a pressão sobre o líquido por
meio de um compressor. Caso se aumente a pressão sobre o
líquido, podem variar os valores do volume V, da tração T e do
(UDESC-2008) - RESPOSTA a) 0,48 N b) 1,04.104 Pa empuxo E. Nessas condições,
Ao realizar a rotina em um hospital, um enfermeiro deverá exe- *a) V diminui, T diminui e E diminui.
cutar alguns procedimentos, levando em conta que: b) V diminui, T aumenta e E diminui.
I) a área da secção transversal de uma seringa hipodérmica é de c) V diminui, T diminui e E aumenta.
3,0 cm2 e a da agulha é de 0,6 mm2. d) V aumenta, T aumenta e E aumenta.
II) a transfusão de sangue é feita ligando à veia do paciente um e) V aumenta, T diminui e E aumenta.
tubo com uma bolsa contendo plasma, de densidade igual a 1,04
g/cm3, a uma altura H acima do da veia. (Se necessário adote g (UFF/RJ-2008) - ALTERNATIVA: D
= 10 m/s2) Dejetos orgânicos depositados no fundo da Baía de Guanabara
a) Para aplicar a injeção, calcule a força mínima exercida sobre liberam bolhas de gases poluentes quando se decompõem. O
êmbolo, para injetar o fluido na veia, considerando que a pres- diagrama abaixo representa uma bolha de gás que sobe no inte-
são sanguínea venosa é de aproximadamente 1600 Pa. rior de um líquido em duas posições,
b) Qual será a pressão do plasma ao entrar na veia do paciente, I e II, ao longo da subida.
para a transfusão de sangue, quando a bolsa de plasma estiver Identifique a opção que compara
1,0m acima da veia do paciente? corretamente as pressões (P) so-
bre a bolha, os módulos das resul-
(UFTM-2008) - RESPOSTA: a) 8000 N b) 2 ×105 Pa tantes das forças que o líquido faz
sobre a bolha (E) e os módulos das
Como defesa contra submarinos e navios de grande calado,
acelerações (A) do movimento da
minas submarinas eram implantadas em
bolha nas duas posições mostra-
diferentes profundidades, ancoradas ao
das:
fundo do mar e presas por fortes cor-
a) PI > PII, EI > EII, AI > AII *d) PI > PII, EI < EII, AI < AII
rentes. Um desses dispositivos, junta-
b) PI = PII, EI = EII, AI = AII e) PI > PII, EI < EII, AI = AII
mente com suas cargas explosivas e a
c) PI < PII, EI < EII, AI < AII
corrente que o ancora ao fundo, tem
massa de 200 kg. Com a forma de uma
(FUVEST-2008) - ALTERNATIVA: B
esfera de volume 1,0 m3, flutua silencio-
Um recipiente, contendo determinado volume de um líquido, é pe-
samente a uma profundidade de 20 m do sado em uma balança (situação 1). Para testes de qualidade, du-
nível do mar. as esferas de mesmo diâmetro e densidades diferentes, susten-
a) Sendo aproximadamente 1×103 kg/m3 tadas por fios, são sucessivamente colocadas no líquido da si-
o valor da densidade da água e 10 m/s2 o tuação 1. Uma delas é mais densa que o líquido (situação 2) e a
valor da aceleração da gravidade, de- outra menos densa que o líquido (situação 3). Os valores indica-
termine, em newtons, a intensidade da dos pela balança, nessas três pesagens, são tais que
força de tração da corrente em seu pon- a) P1 = P2 = P3
to de fixação ao solo oceânico. *b) P2 > P3 > P1
b) Suponha que os pinos detonadores somente ativem a bomba
c) P2 = P3 > P1
quando submetidos a uma pressão de 5 × 105 Pa. Considerando
d) P3 > P2 > P1
que a pressão atmosférica ao nível do mar tenha valor de 1 × 105
e) P3 > P2 = P1
Pa, determine a pressão mínima que deve ser exercida pelo
casco de uma embarcação, capaz de explodir o dispositivo.
japizzirani@gmail.com 82
(UFRJ-2008) - RESPOSTA: NO FINAL (UNIOESTE/PR-2008) - ALTERNATIVA: D
Realizando um experimento caseiro sobre hidrostática para seus Assinale a alternativa correta: (Adote g = 10 m/s2, 1 atm =
alunos, um professor pôs, sobre uma balança, um recipiente 1,013×105 Pa e densidade da água = 103 kg/m3.)
graduado contendo água e um pequeno barco de brinquedo, que
a) Um submarino que suporta uma pressão externa de 12,0 atm
nela flutuava em repouso, sem nenhuma quantidade de água em
pode descer até 150 m de profundidade no mar, sem que o cas-
seu interior. Nessa situação, a turma constatou que a balança
co se rompa, supondo que a água é incompressível.
indicava uma massa M1 e que a altura da água no recipiente era b) A cidade de Cascavel está a uma altitude de 781 m acima do ní-
h1 . Em dado instante, um aluno mexeu inadvertidamente no bar- vel do mar. No entanto, a pressão atmosférica em Cascavel tem
co. O barco encheu de água, foi para o fundo do recipiente e lá o mesmo valor que a pressão atmosférica no Rio de Janeiro, que
permaneceu em repouso. Nessa nova situação, a balança indi- se encontra ao nível do mar, porque a pressão exercida pelos
cou uma massa M2 e a medição da altura da água foi h2 . gases é constante.
c) Uma bomba de água deve produzir uma pressão manométrica
de 5,0 Pa para levar a água ao topo de um edifício de 50 m.
*d) Para manter o ambiente agradável para seus tripulantes, um
avião tem a cabine pressurizada. Isso significa que a pressão
interna é maior do que a externa, quando ele voa a grandes alti-
tudes.
e) A experiência de Torricelli comparou a pressão exercida por
uma coluna de mercúrio com a pressão atmosférica. Neste ex-
perimento, é necessário conhecer o diâmetro do tubo que con-
tém o mercúrio, porque a pressão de uma coluna líquida depende
do seu volume.

a) Indique se M1 é maior, menor ou igual a M2. Justifique sua (UFCG/PB-2008) - ALTERNATIVA: A


resposta. No ouvido médio existem três ossículos (martelo, bigorna e estri-
b) Indique se h1 é maior, menor ou igual a h2. Justifique sua bo). Eles transmitem a energia sonora da membrana timpânica
resposta. ao fluido do ouvido interno através da janela oval. As ondas so-
noras não são transmitidas facilmente do ar para o fluido, sendo
RESPOSTA UFRJ-2008 (GABARITO OFICIAL): (a) A massa do a maior parte da energia sonora refletida nas interfaces entre as
recipiente, da água e do barquinho sobre a balança é a mesma, várias partes do ouvido. Há, portanto, necessidade de amplia-
quer o barquinho esteja flutuando, quer esteja submerso. Por- ção da pressão na denominada janela oval, a fim de se produzir
tanto, M1 = M2. audição adequada. A força aplicada sobre a janela oval é a for-
(b) Quando o barquinho está flutuando, o empuxo sobre ele é ça sobre o tímpano ampliada por um fator 1,3 pelos ossículos
igual a seu peso e, portanto, maior do que o empuxo quando sendo a área do tímpano 17 vezes maior que a área da janela
submerso. De fato, o barquinho afundou porque o empuxo tor- oval. Pode-se afirmar que, aproximadamente, a pressão na ja-
nou-se insuficiente para equilibrar seu peso. Mas, sendo maior o nela oval é maior que a pressão no tímpano
empuxo no barquinho flutuando, o volume da água por ele deslo- *a) 22 vezes. b) 18,3 vezes. c) 17 vezes.
cado nesse caso é maior do que o volume da água por ele d) 13 vezes. e) 1,3 vezes.
deslocado no caso em que está submerso. Uma vez que o volu-
me dentro do recipiente sob o nível da superfície livre da água é
o volume da água acrescido do volume de água deslocado, con- (UFRGS-2008) - ALTERNATIVA: C
cluímos que o volume dentro do recipiente sob o nível da super- Assinale alternativa que preenche corretamente as lacunas do
fície livre é maior com o barquinho flutuando do que com o bar- texto que segue, na ordem em que aparecem.
quinho submerso. Mas o volume dentro do recipiente sob o nível A figura abaixo representa uma prensa hidráulica composta de
da superfície livre é proporcional à altura da superfície livre; dois pistões, de diâmetros d1 e d2. O motor aplica uma força axial
logo, a altura da superfície livre com o barquinho flutuando é de intensidade F1 = 100 N no pistão de diâmetro d1 = 0,05 m. Para
maior do que a altura da superfície livre com o barquinho submerso,
que se possa obter uma força de intensidade F2 = 10000 N no
isto é, h1 > h2 .
pistão de diâmetro d2, esse diâmetro deve ser igual a ......... , e a
(UECE/CE-2008) - ALTERNATIVA: B pressão transmitida será de ............ .
Um tubo em U, de seção transversal reta uniforme igual a 1 cm2,
contém água ( A = 103 kg/m3) em equilíbrio estático.

Assinale a alternativa que contém o volume de óleo ( O = 900 kg


m3), em centimetros cúbicos, que deve ser colocado em um dos
ramos do tubo para causar uma diferença de 2 cm entre as su- a) 0,26 m – 50,9 kPa
perfícies superiores do óleo e da água, conforme mostra a figu- b) 0,50 m – 12,7 kPa
ra. *c) 0,50 m – 50,9 kPa
a) 10 c) 40 d) 0,12 m – 50,9 kPa
*b) 20 d) 90 e) 0,12 m – 12,7 kPa
japizzirani@gmail.com 83
(FUVEST-2008) - RESPOSTA: a) R = 20/21 b) Patm = P + 1,0.104h (UTFPR-2008) - ALTERNATIVA: B
Em determinado dia, em Curitiba, um barômetro equilibra a pres-
(P em N/m2 e h em m) c) 1,05 × 105 N/m2
são atmosférica com a pressão exercida por uma coluna de
mercúrio de 68 cm de altura. Considerando a densidade do mer-
cúrio 13,6.103 kg/m3 e g = 10 m/s2, a pressão atmosférica medi-
da, em Pa (N/m2), tem um valor próximo de:
a) 8,2.104
*b) 9,2.104
c) 9,5.104
d) 1,0.105
e) 1,3.105

(UTFPR-2008) - ALTERNATIVA: D
Três corpos maciços de materiais diferentes, mas de mesma
forma e volume, flutuam num mesmo líquido, conforme mostra a
figura. Assim, pode-se afirmar que:

Para se estimar o valor da pressão atmosférica, Patm, pode ser


utilizado um tubo comprido, transparente, fechado em uma ex-
tremidade e com um pequeno gargalo na outra. O tubo, aberto e
parcialmente cheio de água, deve ser invertido, segurando-se
um cartão que feche a abertura do gargalo (Situação I). Em se- a) O material do corpo A tem densidade maior do que o do corpo
guida, deve-se mover lentamente o cartão de forma que a água C.
possa escoar, sem que entre ar, coletando-se a água que sai em b) O empuxo sobre os três corpos é o mesmo.
um recipiente (Situação II). A água pára de escoar quando a c) O empuxo sobre os três corpos não depende da densidade
pressão no ponto A, na abertura, for igual à pressão atmosférica do líquido.
externa, devendo-se, então, medir a altura h da água no tubo *d) O empuxo é maior sobre o corpo C.
(Situação III). Em uma experiência desse tipo, foram obtidos os e) O empuxo sobre os três corpos não depende da fração do
volume que ficou submersa.
valores, indicados na tabela, para V0, volume inicial do ar no tu-
bo, V, volume da água coletada no recipiente e h, altura final da
água no tubo. Em relação a essa experiência, e considerando a (UFCE-2008) - ALTERNATIVA: B
Situação III, Os dirigíveis do início do século XX eram aeronaves que voavam
a) determine a razão R = P/Patm, entre a pressão final P do ar no devido a serem preenchidos por um gás mais leve que o ar, ge-
tubo e a pressão atmosférica; ralmente o hidrogênio. Quando estacionados, eram atracados à
b) escreva a expressão matemática que relaciona, no ponto A, a terra por um cabo. Suponha que o cabo de atracação está preso
ao dirigível em um ponto localizado na mesma vertical que o cen-
Patm com a pressão P do ar e a altura h da água dentro do tubo; tro de massa do dirigível. Desprezando efeitos de ventos, do
c) estime, utilizando as expressões obtidas nos itens anteriores, peso da estrutura do dirigível e do cabo, e com base nos concei-
o valor numérico da pressão atmosférica Patm, em N/m2. tos de hidrostática, considere o dirigível nos casos a seguir:
NOTE EADOTE: I. Dirigível preenchido por hidrogênio
Considere a temperatura constante e des- II. Dirigível preenchido por hélio
considere os efeitos da tensão superficial. III. Dirigível preenchido por ar quente
g = 10 m/s2 e dág = 1 kg/m3. Dados:
= 1,29 kg/m³ (0 OC);
ar frio
(UTFPR-2008) - ALTERNATIVA: E ar quente
= 0,96 kg/m³ (37,8 OC);
A densidade do gelo é menor que a da água do mar. Isto explica, = 0,18 kg/m³ ;
hélio
qualitativamente, o fato de um iceberg flutuar no oceano. Apesar
hidrogênio
= 0,08 kg/m³.
de flutuar, parcela considerável do iceberg fica submersa. Con-
siderando que a densidade da água do mar seja igual a 1,0 3 g/ Assinale a alternativa que contém somente afirmações verda-
cm3 e que a densidade do gelo seja igual a 0,92 g/cm3, é possível deiras sobre a tensão T no cabo de atracação e o empuxo E so-
afirmar que aproximadamente: bre o dirigível, respectivamente.
a) 3% do volume total do iceberg fica acima do nível da água. a) T é igual em II e em III e E é igual em I e em III.
b) 35% do volume total do iceberg fica acimado nível da água. *b) T é maior em I que em III e E é igual em II e em III.
c) 45% do volume total do iceberg fica acima do nível da água. c) T é menor em II que em III e E é maior em I que em II.
d) 21% do volume total do iceberg fica acima do nível da água. d) T é maior em I que em II e E é menor em II que em III.
*e) 11% do volume total do iceberg fica acima do nível da água. e) T é menor em II que em III e E é menor em II que em III.
japizzirani@gmail.com 84
(UFCE-2008) - RESOLUÇÃO NO FINAL (UNESP-2008) - RESPOSTA: 10 000 bexigas
Duas esferas, de mesmo volume (V) e com densidades diferen- Um garoto de 24 kg vê um vendedor de bexigas infladas com gás
tes 1 e 2, caem, sem atrito, através de um fluido com densida- hélio e pede à mãe 10 delas. A mãe compra apenas uma, alegan-
de . Determine: do que, se lhe desse todas, o menino seria erguido do solo por
a) as forças que atuam nas esferas. elas. Inconformado com a justificativa, o menino queixa-se à sua
b) a razão entre as acelerações de cada uma das esferas. irmã, que no momento estudava empuxo, perguntando-lhe qual
seria o número máximo daquelas bexigas que ele poderia segu-
RESOLUÇÃO UFCE-2008: rar no solo. Considerando o volume médio de cada bexiga, 2 li-
tros, estime o número mínimo de bexigas necessário para levan-
tar o garoto. Em seus cálculos, considere a massa específica do
ar igual a 1,2 kg/m3, 1 litro = 10-3 m3 e despreze as massas do gás
e das bexigas.

(UNIFESP-2008) - ALTERNATIVA: C
A figura representa um tubo em U contendo um líquido L e fecha-
ÿ
do em uma das extremidades, onde está confinado um gás G; A
a) As forças, atuando nas esferas, estão mostradas na figura e B são dois pontos no mesmo nível.
acima, a saber, o empuxo (E) e a força peso (P). Para ambas as
esferas, o empuxo é o mesmo, uma vez que só depende do peso
do volume de fluido deslocado, ou seja, E = Vg . A força peso,
para uma esfera, fica dada por P1 = 1Vg; para a outra esfera,
P2= 2Vg. Apenas a força peso e a aceleração são característi-
cas de cada esfera.

b) esfera 1: Tomando a 2a Lei de Newton para o sistema de


forças dado acima.
P1 - E = m1.a1 = 1.V.a1 a1 = (1 - / 1)g
Sendo p 0 a pressão atmosférica local, pG a pressão do gás
confinado, pA e pB a pressão total nos pontos A e B (pressão de-
esfera 2: P2 - E = m2.a2 = 2.V.a2 a2 = (1 - / 2)g
vida à coluna líquida somada à pressão que atua na sua super-
fície), pode-se afirmar que:
a1/a2 = 2
( 1 - ) / [ 1( 2
- )] a) p0 = pG = pA = pB.
b) p0 > pG e pA = pB.
(FGVRJ-2008) - ALTERNATIVA: E *c) p0 < pG e pA = pB.
Um objeto cujo peso é 150,0 N e massa específica 1,5 kg/L, está d) p0 > pG > pA > pB.
completamente submerso em um frasco contendo dois fluidos e) p0 < pG < pA < pB.
que não se misturam (imiscíveis). Considere que L representa
litro(s) e, para fins de cálculos, o valor da aceleração da gravi-
dade terrestre como g = 10,0 m/s2 . Se as massas específicas (UNIFESP-2008) - RESOLUÇÃO NO FINAL
dos fluidos são 1,0 kg/L e 2,0 kg/L, respectivamente, o volume do Em uma atividade experimental, um estudante pendura um pe-
objeto que estará submerso no fluido mais denso vale: queno bloco metálico em um dinamômetro. Em seguida, ele imerge
a) 3,0 L inteiramente o bloco pendurado em um determinado líquido con-
b) 4,0 L tido em uma proveta; o bloco não encosta nem no fundo nem nas
c) 3,3 L paredes da proveta. Por causa dessa imersão, o nível do líquido
d) 2,5 L na proveta sobe 10 cm3 e a marcação do dinamômetro se reduz
*e) 5,0 L em 0,075 N.
a) Represente no caderno de respostas o bloco imerso no líqui-
do e as forças exercidas sobre ele, nomeando-as.
(UNESP-2008) - ALTERNATIVA: B
b) Determine a densidade do líquido.
Para que se administre medicamento via endovenosa, o frasco
deve ser colocado a uma certa altura acima do ponto de aplica- Adote g = 10 m/s2.
ção no paciente. O frasco fica suspenso em um suporte vertical
com pontos de fixação de altura variável e se conecta ao paci- RESOLUÇÃO UNIFESP-2008:
ente por um cateter, por onde desce o medicamento. A pressão
na superfície livre é a pressão atmosférica; no ponto de aplica- a)
ção no paciente, a pressão deve ter um valor maior do que a at-
mosférica. Considere que dois medicamentos diferentes preci-
sam ser administrados. O frasco do primeiro foi colocado em
uma posição tal que a superfície livre do líquido encontra-se a
uma altura h do ponto de aplicação. Para aplicação do segundo
medicamento, de massa específica 1,2 vezes maior que a do
anterior, a altura de fixação do frasco deve ser outra. Tomando
h como referência, para a aplicação do segundo medicamento
deve-se
a) diminuir a altura de h/5.
*b) diminuir a altura de h/6.
c) aumentar a altura de h/5.
d) aumentar a altura de 2h/5.
e) aumentar a altura de h/6. b) E = L
.VL.g 0,075 = L
.10.10-6.10 L
= 750 kg/m3
japizzirani@gmail.com 85
(UFSCar-2008) - ALTERNATIVA: B (PUCPR-2008) - ALTERNATIVA: E
Em repouso, o sistema de vasos comunicantes apresentado es- O recipiente com água e gelo mostrado na figura abaixo é solto
tá em equilíbrio, de acordo com a figura. em queda livre de uma pequena altura acima da superfície de
uma mesa. Procede-se cuidadosamente de modo que o recipien-
te caia com sua base paralelamente ao plano da mesa e, assim,
durante o impacto com a mesa, nenhuma água é derramada do
recipiente. Analise as afirmativas abaixo, relativas a esse pro-
cesso:

Quando o sistema é submetido a um movimento uniformemente


variado devido à ação de uma força horizontal voltada para di-
reita, o líquido deverá permanecer em uma posição tal qual o es-
quematizado em

a)

*b) I. Durante a queda, o gelo, a água e o recipiente caem juntos, to-


dos com a mesma aceleração e velocidade em qualquer instan-
te.
II. Durante a queda, por ser mais leve, o gelo tende a sair da água
e, se a queda fosse suficientemente longa, o gelo sairia da água
e ficaria para trás.
III. Durante o impacto sobre a mesa, o gelo afunda na água, como
conseqüência da “Primeira Lei de Newton” (lei da inércia).
c) IV. Durante o impacto sobre a mesa, o gelo não afunda. Perma-
nece como está, na superfície da água.
Marque a alternativa que contém todas e apenas as afirmações
corretas.
a) I e III.
b) I e II.
c) II e III.
d) d) Apenas III.
*e) I e IV.

(IFMG-2008) - ALTERNATIVA: B
Uma canoa da base retangular, medindo 1m de largura por 2m de
comprimento, está flutuando em um lago. Em um certo instante
entra uma pessoa na canoa e ela afunda 3 cm. A massa da
e) pessoa vale: (considere g = 10 m/s2 e densidade da água 1g/
cm3)
a) 55 kg
*b) 60 kg
(UFPel-2008) - ALTERNATIVA: B c) 65 kg
Analise cada uma das afirmativas que completam o texto, indi- d) 70 kg
cando se ela é verdadeira (V) ou falsa (F).
Um cubo oco de 4 cm de aresta externa flutua na água, deixando
(UNIMONTES-2008) - ALTERNATIVA: A
emersa a quarta parte de seu volume.
Um pedaço de gelo flutua em equilíbrio térmico com uma certa
( ) O volume de água que devemos introduzir no cubo, para que
quantidade de água depositada num recipiente como na figura.
ele possa ficar em equilíbrio no interior da massa líquida é 48
cm3.
( ) A capacidade volumétrica do cubo é de 12 cm3.
( ) Quando o cubo passa a ficar em equilíbrio - no interior da
massa líquida - a força de empuxo sobre ele torna-se igual a seu
peso, mais o peso do líquido (água), em seu interior.
( ) A força de empuxo sobre o cubo, depois de submerso, é igual
em qualquer profundidade no interior da massa líquida. À medida que o gelo se derrete, podemos afirmar que
Com base em seus conhecimentos sobre Hidrostática quais são, *a) o nível da água no recipiente e sua densidade não se alteram.
respectivamente, as indicações corretas? b) o nível da água no recipiente não se altera, mas sua densida-
a) V, F, V e V. de aumenta.
*b) F, F, V e V. c) o nível da água no recipiente diminui e sua densidade aumen-
c) V, V, V e F. ta.
d) V, V, F e F. d) o nível da água no recipiente aumenta, mas sua densidade
e) V, F, F e V. não se altera.
japizzirani@gmail.com 86
(VUNESP-2008) - ALTERNATIVA: B (UEM/PR-2008) - ALTERNATIVA: A
Um menino mantém uma bola de plástico totalmente imersa em um Assinale a alternativa cujo gráfico representa a pressão efetiva
tambor com água. Se ele quiser diminuir seu esforço e manter a (pressão manométrica) em função da profundidade de um pon-
bola ainda totalmente submersa, mexendo em apenas uma vari- to, exercida por uma coluna de água, em repouso, neste ponto.
ável, ele deverá Considere g = 10 m/s2 .
a) deixar a bola numa posição mais profunda.
*b) esvaziar a bola para que fique com um raio menor.
c) substituir a água por um líquido de maior densidade. *a)
d) substituir o material plástico por outro de menor densidade. d)
e) aumentar o volume de água no tambor.
(VUNESP-2008) - RESPOSTA: FAZER
Uma bolinha, de massa 20 g e volume 1x10-5 m3, está imersa em
água, comprimindo uma mola cuja constante elástica é k = 200 N/
m. Quando a mola está comprimida de 10 cm, o sistema é aban-
donado e a bolinha é arremessada para cima, atingindo a super-
fície da água após percorrer 1 m, conforme mostra a figura.
Dado: g = 10 m/s2 b) e)

a) Admitindo que toda a energia dissipada no sistema correspon-


da a 16% da energia armazenada na mola, com que velocidade c)
a bola chega à superfície?
b) Qual a intensidade da força resultante na bolinha no exato
instante do lançamento?

(PUCRS-2008) - ALTERNATIVA: C
Um manômetro de mercúrio de tubo aberto, como o mostrado na
(UFMG-2008) - RESPOSTA: FAZER
figura a seguir, está ligado a um recipiente contendo um gás.
Considere a experiência que se descreve a seguir, realizada pe-
Verifica-se que nessa situação o mercúrio atinge 30cm a mais
lo Professor Márcio:
no ramo da direita do que no ramo da esquerda, para uma pres-
Inicialmente, ele coloca um copo cheio de água, à temperatura
são atmosférica equivalente a uma coluna de mercúrio de 76cm
ambiente e prestes a transbordar, sobre um prato vazio, como
de altura.
mostrado na figura ao lado. Em seguida, lentamente, ele abaixa
um bloco de 18 g de gelo sobre a água, até que ele alcance o
equilíbrio mecânico. Considere que a densidade do gelo e a da
água são constantes e valem, respectivamente, 0,90 g/cm3 e 1,0
g/cm3.

A partir dessas informações, DETERMINE


1. a massa de água que transborda do copo para o prato, antes
Considerando as informações, é correto concluir que a pressão
que o gelo inicie seu processo de fusão. JUSTIFIQUE sua res-
do gás será equivalente àquela originada por uma coluna de
posta.
mercúrio cuja altura, em cm, é:
2. a massa de água no prato, após a fusão completa do gelo.
a) 30 d) 146
JUSTIFIQUE sua resposta.
b) 46 e) 152
*c) 106
(UERJ-2008) - ALTERNATIVA: C
Uma balsa, cuja forma é um paralelepípedo retângulo, flutua em
(UERJ-2008) - ALTERNATIVA: C
um lago de água doce. A base de seu casco, cujas dimensões
Um recipiente cilíndrico de base circular, com raio R, contém uma
são iguais a 20 m de comprimento e 5 m de largura, está paralela
certa quantidade de líquido até um nível h0. Uma estatueta de
à superfície livre da água e submersa a uma distância d 0 dessa
massa m e densidade , depois de completamente submersa
superfície. Admita que a balsa é carregada com 10 automóveis,
nesse líquido, permanece em equilíbrio no fundo do recipiente.
cada um pesando 1 200 kg, de modo que a base do casco per-
Em tal situação, o líquido alcança um novo nível h. A variação (h-
maneça paralela à superfície livre da água, mas submersa a uma
h0) dos níveis do líquido, quando todas as grandezas estão ex-
distância d dessa superfície. Se a densidade da água é 1,0×103
pressas no Sistema Internacional de Unidades, corresponde a:
kg/m3, a variação (d – d0), em centímetros, é de:
a) *c) a) 2
b) 6
*c) 12
b) d)
d) 24
japizzirani@gmail.com 87
(UEL-2008) - ALTERNATIVA: B (UNIFEI-2008) - RESPOSTA NO FINAL
A massa de um corpo é de 60 g e seu volume é de 100 cm3. Con- Dois balões iguais, após serem preenchidos com gás hélio, são
sidere que esse corpo esteja flutuando em equilíbrio na água. atritados com um tecido até que cada um adquira uma carga Q. A
Qual é a porcentagem de seu volume que ficará acima da super- massa M de cada balão é igual a 20,0 g. Após ligados a um corpo
fície da água? de massa 5,0 g, uma criança percebe que eles flutuam em
Considere a densidade da água igual a 1 g/cm3. equilíbrio, como se vê na figura.
a) 30%
*b) 40%
c) 60%
d) 80%
e) 90%

(VUNESP-2008) - ALTERNATIVA: C
Foi solicitado a um aluno que construísse dois gráficos. No grá-
fico I, deveria representar como varia a pressão à qual um mer-
gulhador fica submetido à medida em que afunda na água, em
função da profundidade h, considerando a densidade da água
constante. No gráfico II, deveria representar como varia a pres-
são atmosférica, em função da altitude h acima do nível do mar, a) Determine o valor de Q em coulomb.
considerando que a densidade da atmosfera diminui com a altitu- b) Determine em newtons o módulo da força de empuxo que atua
de. A alternativa que melhor representa os gráficos solicitados sobre os balões.
ao estudante, é

a)
/
Dado: k = 1 (4. . 0
) = 9,00 × 109 N.m2/C2

b)
(UNIMONTES-2008) - ALTERNATIVA: C
Um corpo de peso 12N aparenta ter apenas um terço de seu pe-
so quando é completamente mergulhado em água, cuja densida-
de é 1,0 g/cm3. A densidade do corpo é igual a
a) 1,0 g/cm3.
b) 2,0 g/cm3.
*c) 1,5 g/cm3.
d) 2,5 g/cm3.

(UFRRJ-2008) - ALTERNATIVA: C
*c) Aproveitando-se da distração da mãe, duas crianças resolvem
utilizar o tempo livre para brincar na cozinha.
A criança mais velha, conhecedora de algumas propriedades
físicas, demonstra ao irmão uma interessante experiência.
Coloca água numa jarra e acrescenta anilina, colorindo a água
(sem alterar sua densidade). Em seguida, acrescenta glicerina e
óleo mineral. Os líquidos não se misturam e se dispõem como
indicado na figura.
Sabendo que as massas específicas para a água, o óleo mineral
e a glicerina valem, respectivamente, 1g/cm3, 0,92 g/cm3 e 1,26
d)
g/cm3, a pressão total (absoluta) exercida num ponto qualquer
do fundo da jarra será aproximadamente igual a (Considere g =
10 m/s2 e Patm = 1,0. 105 N/m2).
a) 1,80.105 N/m2
b) 1,16.105 N/m2
*c) 1,04.105 N/m2
d) 2,10.105 N/m2
e) 2,24.105 N/m2
e)

japizzirani@gmail.com 88
(UFSC-2008) - RESPOSTA: 02 + 32 = 34 (UFMS-2008) - RESPOSTA: 001 + 004 + 016 = 021
Uma pessoa comprime um lápis entre os seus dedos, da maneira Um agricultor, na tentativa de retirar água de um poço, eleva do
indicada na figura. Adotando como A a área de superfície de chão um imenso tambor com paredes rígidas, com um orifício O
contato entre a ponta do lápis e o dedo polegar e como B a área em seu fundo que está a uma altura H1 do solo. Na tampa supe-
de contato entre o lápis e o dedo indicador, e admitindo-se que A rior do tambor, acopla-se um tubo de pequeno diâmetro e também
seja menor que B, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S). de paredes rígidas na forma de sifão; a outra extremidade desse
sifão desce verticalmente até abaixo da superfície da água do
poço. A superfície da água no poço está a uma profundidade
constante H2 abaixo do solo e na pressão atmosférica P0 = 105
N/m2. O desnível H, do ponto mais alto do sifão até o nível da água
na superfície do poço, é inferior a 10 metros. Considere que a
aceleração da gravidade no local é igual a 10 m/s2. Para iniciar o
teste, o agricultor enche todo o sistema tambor mais o sifão, com
água e fecha o orifício O do tambor com uma rolha, permanecen-
do todo o sistema cheio de água. Em seguida, o agricultor retira
a rolha do orifício O, esperando que a água do poço seja drena-
da continuamente saindo por esse orifício. Com fundamentos na
mecânica dos fluídos, assinale a(s) proposição(ões) correta(s).
01. A intensidade da força do polegar sobre A é maior que a do
indicador sobre B.
*02. A pressão exercida pela força do polegar sobre A é maior
que a do indicador sobre B.
04. A pressão exercida pela força do polegar sobre A é igual à
do indicador sobre B.
08. Pressão é sinônimo de força.
16. A pressão exercida por uma força sobre uma superfície só
depende da intensidade da força.
*32. A intensidade da força do polegar sobre A é igual à do
indicador sobre B.
(UFMS-2008) - RESPOSTA: 002 + 008 = 010
Em uma peixaria, o comerciante vende peixes ainda vivos aos
seus clientes. E para pesá-los, usa um aquário com água sem-
pre no mesmo nível, colocado sobre duas balanças. Uma das
balanças apóia a extremidade esquerda do aquário, e a outra
apóia a extremidade direita, eqüidistantes do centro de massa do
*(001) Antes de retirar a rolha, a pressão exercida pela água, na
aquário. O aquário está na horizontal e, quando não contém pei-
superfície interna da rolha, é menor que a pressão atmosférica
xes, as leituras das balanças são iguais, e sua soma é repre-
sentada por M, veja a Figura 1. Em seguida, o comerciante colo- Po.
ca o peixe vivo dentro do aquário, e o peixe permanece em re- (002) Ao tirar a rolha, como a água contida no interior do tambor
pouso, totalmente imerso na água sem movimentar as barbata- possui um grande peso, então ela começará a sair pelo orifício
nas, e do lado esquerdo do aquário, e assim o comerciante faz a O, diminuindo a pressão no seu interior, e assim o tubo na forma
leitura das balanças. A leitura da massa fornecida pela balança de sifão sugará a água do poço, e assim permanecerá continu-
da direita é anotada por MDP, e a da esquerda por MEP, totalizando amente.
*(004) A água do poço somente será drenada continuamente ao
uma soma indicada por MS, (MDP+MRP = MS), veja a Figura 2. Com retirar a rolha, se o nível do orifício O estiver abaixo do nível da
fundamentos na hidrostática, assinale a(s) proposição(ões) cor- superfície da água do poço.
reta(s). (008) A água somente sairá continuamente pelo orifício, ao tirar a
rolha, se a altura H1 for igual à altura H2.
*(016) Se o desnível H, entre o ponto mais alto do tubo e a
superfície da água do poço, for superior a 10 metros, não será
possível manter o tubo totalmente cheio de água, mesmo com a
rolha fechando o orifício O.

(U.F. VIÇOSA-2008) - ALTERNATIVA: B


(001) A diferença, entre as massas MS-M, não corresponde à Um bloco de alumínio é colado a uma placa de isopor e colocado
massa real do peixe, e sim a um valor menor que o da massa real em um recipiente com água. A placa de isopor flutua com metade
do peixe, porque a água aplica uma força de empuxo contrária do seu volume submerso (Figura 1). O sistema bloco-isopor é,
ao peso do peixe. então, invertido (Figura 2) e colocado novamente no recipiente
*(002) Quando o aquário está com o peixe, como na Figura 2, o com água de maneira que o bloco fica dentro da água, abaixo da
valor da força de empuxo sobre o peixe é igual ao seu peso. placa de isopor. É CORRETO afirmar que a placa de isopor:
(004) Quando o aquário está com o peixe, como na Figura 2, o
valor da massa, indicado na balança esquerda (MEP), será maior
que o valor da massa indicado pela balança direita (MDP).
*(008) A pressão exercida pela água, no fundo do aquário, é a
mesma em todos os pontos, independente de onde o peixe este-
ja em repouso. a) flutuará com mais da metade do seu volume submerso.
(016) Quando o aquário está com o peixe totalmente imerso, *b) flutuará com menos da metade do seu volume submerso.
como na Figura 2, o peso da água que o peixe deslocou é menor c) flutuará com metade do seu volume submerso.
que a força de atração gravitacional sobre o peixe. d) não flutuará, afundando.
japizzirani@gmail.com 89
(VUNESP/UNINOVE-2008/2) - ALTERNATIVA: A
VI - HIDROSTÁTICA
Uma esfera maciça é totalmente mergulhada em água pura (dágua
VI - vestibulares 2008/2 = 1,0 g/cm3). Em seguida, é retirada da água e é mergulhada to-
talmente em óleo (dóleo = 0,8 g/cm3). Devido à transferência da
(UDESC-2008/2) - ALTERNATIVA: E água para o óleo, a intensidade do empuxo sobre a esfera
O empuxo exercido pelo ar sobre um balão cheio de gás é igual *a) diminuiu em 20%.
a 130 N. A massa total do balão é de 10,0 kg. Sendo a densidade b) diminuiu em 80%.
do ar igual a 1,30 kg/m3 e g = 10 m/s2, o volume ocupado pelo c) aumentou em 20%.
balão e a força que uma pessoa deve exercer para mantê-lo no d) aumentou em 80%.
chão são, respectivamente: e) não variou.
a) 10 m3 e 130 N. b) 13 m3 e 100 N.
3
c) 17 m e 130 N. d) 17 m3 e 30 N. (FURG/RS-2008/2) - ALTERNATIVA: C
*e) 10 m3 e 30 N. Um objeto flutua parcialmente imerso numa piscina. Este fato se
dá porque
a) a pressão é maior na superfície do que em outras profundida-
(UDESC-2008/2) - ALTERNATIVA: A
des.
Em 1911, Ernest Rutherford, baseado no experimento de Geiger
b) a densidade da água é menor do que a densidade do objeto.
e Marsden, concluiu que um modelo atômico plausível é aquele
*c) o peso do volume de água deslocada é igual ao peso do
em que a carga positiva do átomo se concentra em uma pequena
objeto.
região central (núcleo) que contém praticamente toda a massa
d) a força de tensão superficial do líquido é a mesma do objeto.
do átomo, com os elétrons espalhados em torno de uma grande
e) segundo o princípio de Pascal, as forças de empuxo e peso
região nas vizinhanças do núcleo. Em outras palavras, o átomo
do objeto estão em equilíbrio.
seria vazio . Por exemplo, o raio de um átomo de hidrogênio é da
ordem de 10-10 m, enquanto o raio de seu núcleo é da ordem de
10-15 m. Considere que a massa do átomo de hidrogênio é da or- (UNIMONTES/MG-2008/2) - ALTERNATIVA: D
dem de 10-27 kg, e que a densidade pode ser calculada aproxi- Uma bola de raio R = 20 cm está flutuando em óleo, como mostra
madamente segundo a equação d = M/R3, na qual M é a massa e a figura abaixo. Metade dela está mergulhada no líquido. O valor
R o raio. Em quantas vezes a densidade do átomo de hidrogênio do empuxo sobre a bola é
aumentaria, no caso em que toda sua massa estivesse concen- a) 52 N.
trada apenas no núcleo? b) 56 N. Dados:
*a) 1015 d) 1017 c) 60 N. densidade do óleo = 0,9 g/cm3
5 *d) 48 N. g = 10 m/s2
b) 10 e) 103
18
c) 10

(FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: B
Um recipiente está cheio de água; um aluno retira a metade da
água e acrescenta o mesmo volume de óleo. Com base no ex-
posto podemos afirmar que: (UTFPR-2008/2) - ALTERNATIVA: D
a) a pressão no fundo do recipiente aumentou, pois o óleo é Sobre densidade dos corpos, analise as proposições abaixo e
mais denso que a água. marque a alternativa correta.
*b) a pressão no fundo do recipiente diminuiu, pois o óleo é me- I) Se um corpo é maciço e homogêneo, a densidade de seu ma-
nos denso que a água. terial é dada pela relação entre sua massa e seu volume.
c) a pressão no fundo do recipiente diminuiu, pois o óleo é mais II) Se um corpo A possui densidade 1 g/cm3 e um corpo B possui
denso que a água. densidade 2 kg/m3, a densidade de A é maior do que de B.
d) a pressão no fundo do recipiente aumentou, pois o óleo é me- III) A densidade de uma substância também pode ser medida pela
nos denso que a água. unidade kg/L (quilograma por litro).
e) a pressão no fundo do recipiente permaneceu a mesma, pois a) Somente a proposição I é correta.
foi colocado o mesmo volume que foi retirado. b) Somente a proposição II é correta.
c) Somente a proposição III é correta.
(UTFPR-2008/2) - ALTERNATIVA: D *d) Todas as proposições são corretas.
Nas afirmações abaixo marque (V) para verdadeiro ou (F) para e) Todas as proposições são incorretas.
falso:
Os praticantes do Balonismo levam no cesto do balão um cilindro
de gás com chama acesa para controlar a temperatura do ar no (UTFPR-2008/2) - ALTERNATIVA: E
interior do balão. Na figura abaixo está representado um reservatório R que con-
( ) Podemos afirmar que o ar aquecido no interior do balão apre- tém um gás e um manômetro de mercúrio de tubo aberto, ligado a
senta densidade inferior em relação ao do ar externo. R que mede a pressão exercida pelo gás. Considerando a pres-
( ) O ar externo é mais denso que o ar interno, logo o empuxo so- são atmosférica, igual a 760 mmHg e os dados indicados, pode-
bre o balão é maior que seu peso, conseqüentemente, o balão se concluir que a pressão exercida pelo gás no reservatório, em
sobe. milímetros de mercúrio, é igual a:
( ) Regulando a temperatura do ar interno, o balonista pode fazer a) 800.
o balão subir ou descer. b) 1000.
( ) A densidade do ar interno varia em proporção direta com sua c) 1240.
temperatura. d) 1420.
Assinale a seqüência correta: e) 1560.
a) V, V, V, V *d) V, V, V, F
b) V, F, V, V e) F, V, V, V
c) F, F, V, V
japizzirani@gmail.com 90
(MACK-2008/2) - ALTERNATIVA: C (VUNESP/SENAC-2008/2) - ALTERNATIVA: 01-D e 02-B
Em uma competição de balonismo, observa-se que um aeróstato Leia o texto para responder às questões de números 01 e 02.
(balão de ar quente) desce verticalmente com velocidade cons- Bolinhos de chuva
tante de 0,5 m/s. Esse aeróstato, com o lastro e o tripulante, pesa Ingredientes:
6 000 N e a força ascensional (empuxo), que age sobre o con- 1 xícara de farinha de trigo
junto, tem intensidade de 5 200 N. Sabendo que a intensidade da 1 ovo grande
resistência do ar que age sobre o balão independe do sentido do 1 colher pequena de fermento em pó (químico)
seu movimento, o peso de lastro que devemos abandonar para 1 colher pequena de açúcar
que esse balão suba verticalmente com a mesma velocidade 1 pitada de sal de cozinha
constante, não variando a intensidade do empuxo, é de água para dar consistência à mistura
a) 800 N Modo de preparo:
b) 1 200 N Misture bem todos os ingredientes, adicionando água à mistura
*c) 1 600 N para que se obtenha uma massa homogênea, nem muito líquida
d) 2 000 N nem muito consistente. Com o auxílio de duas colheres, deposite
e) 3 200 N pequenas porções da massa no óleo, previamente aquecido,
deixando um bom espaço entre cada bolinho para que possam
(UDESC-2008/2) - RESPOSTA: a) 4,8 N b) no fundo (maior den- girar espontaneamente à medida que estão sendo fritos. Após
sidade da bola) c) 2,0 N retirados do óleo e devidamente escorridos, polvilhe açúcar so-
Uma bola de volume 4,0 × 10-4 m3 e densidade 1,2 × 103 kg/m3 bre eles e um pouco de canela a gosto.
encontra-se suspensa por uma corda, logo acima de um tanque A fritura dos bolinhos de chuva é repleta de fenômenos físicos
com água, como mostra a figura abaixo. e químicos. Dos físicos, pode-se destacar o aumento do volume
dos bolinhos e a perda da massa de água por evaporação.
A densidade da água é 1,0 × 103 kg/m3 e g = 10 m/s2.
Devido a esses fenômenos, cada bolinho é capaz de girar por si
só sobre o óleo quente.

01. O bolinho de chuva, ao perder água no processo de fritura,


relativamente ao seu estado quando ainda cru,
a) mantém sua densidade e seu peso.
b) tem sua densidade aumentada, assim como seu peso.
c) tem sua densidade aumentada e seu peso diminuído.
*d) tem sua densidade diminuída, assim como seu peso.
e) tem sua densidade diminuída e seu peso aumentado.

02. Nos momentos iniciais da fritura, a massa do bolinho encon-


tra-se no fundo da panela, mergulhada no óleo. Conforme o pro-
a) Calcule a tração na corda. cesso se encaminha, a massa se desloca do fundo da panela
b) Quando a corda for cortada, qual será a posição de equilíbrio para a superfície. Durante a subida, duas forças, o peso (P) e o
da bola, com relação à água? Justifique sua resposta. empuxo (E), compõem-se em uma força resultante (Fres) que
c) Calcule o empuxo sobre uma bola de mesmo volume, que flu- tem intensidade dada por
tue sobre a água, deixando a metade de seu volume de fora.
Nesse caso, ignore a existência da corda. a) Fres = 0.
*b) Fres = P - E, direção vertical e sentido voltado para cima.
(CEFETMG-2008/2) - ALTERNATIVA: C c) Fres = P - E, direção vertical e sentido voltado para baixo.
Considerando os conceitos de pressão e densidade (massa d) Fres = P + E, direção vertical e sentido voltado para cima.
específica), assinale V para as afirmativas verdadeiras e F para
as falsas. e) Fres = P + E, direção vertical e sentido voltado para baixo.
( ) Ao aquecer o ar contido em um balão de festa junina, sua den-
sidade diminui. (VUNESP/FTT-2008/2) - ALTERNATIVA: C
( ) Quando três cubos de mesmo volume e densidades diferen- Uma caixa de madeira vazia de massa MC e densidade dC flutua
tes estão apoiados em uma superfície plana, o mais denso exer- em um líquido de densidade dL. A massa M que deve ser coloca-
ce menor pressão. da dentro dessa caixa para que a superfície superior da caixa
( ) A pressão exercida pelo salto alto da sandália de uma modelo, fique no nível do líquido, sem que este chegue a entrar na caixa,
durante um desfile, é, a cada passo, maior que a exercida pela é:
sola.
A seqüência correta encontrada de cima para baixo é
a) V, F, F.
b) V, V, F.
*c) V, F, V.
d) F, V, V.
e) F, V, F.

(U.F. VIÇOSA-2008) - ALTERNATIVA: A


Um balão cheio de hidrogênio é solto dentro de uma sala. O balão
sobe e, ao encostar em um teto horizontal, fica parado em equi-
líbrio. A alternativa que mostra CORRETAMENTE o número, a dire-
ção e o sentido das forças que atuam no balão é:

japizzirani@gmail.com 91
(PUCSP-2008/2) - ALTERNATIVA: C (UNESP-2008/2) - RESPOSTA: 70 g
O corpo A da figura, de peso 10 N e volume 400 cm3, é erguido 10 Utilizando-se a balança hidráulica da figura, composta por um
cm, com velocidade constante, por meio de um fio ideal no qual é tubo preenchido por um fluido e lacrado por dois êmbolos de
aplicada uma força de tração. Adote g = 10 m/s2. áreas diferentes, pode-se determinar a massa de um homem de
70 kg, ao colocá-lo sobre a plataforma S2 de 1 m2 e colocando-se
um pequeno objeto sobre a plataforma S1 de 10 cm2.

ver slide:
PUCSP - 2008.2 - Q.17

Determine o valor da massa do objeto colocado em S1, a fim de


manter o sistema em equilíbrio estático.

(U.C.S/RS-2008/2) - ALTERNATIVA: B
Uma criança ganha de presente um pacote com massinhas de
modelar. Amassando todas as massinhas umas contra as ou-
tras, ela faz uma bola. Aproveitando que sua mãe preparou um
balde com água e sabão para colocar roupas de molho, ela joga
Con siderando que o corpo permanece o tempo todo comple- a bola dentro do balde. A bola afunda. A criança retiraa da água
e modela novamente a massinha até que ela fique num formato
tamente imerso na água (d = 103 kg/m3), o trabalho, em joules,
aproximado de um barco. A criança recoloca-a na água na posi-
realizado pela força de tração indicada no dinamômetro D é de
ção normal de um barco e, para sua surpresa, ela não afunda.
a) 0,0 b) 0,4 *c) 0,6
Por quê?
d) 0,8 e) 1,0
a) A densidade de massa da água com sabão aumentou com o
aumento da área de contato com a massa de modelar.
*b) Com o aumento da área de contato com a água, a massa de
(UNESP-2008/2) - ALTERNATIVA: D modelar deslocou um volume maior de água com sabão, aumen-
Em uma aula sobre o princípio de Arquimedes, um professor co- tando o empuxo sobre a massa.
locou um objeto em forma de ovo para flutuar na água em três c) A densidade de massa da água com sabão diminuiu com o
posições distintas, tomando o cuidado de garantir que o objeto aumento da área de contato com a massa de modelar.
se mantivesse nas posições de equilíbrio que aparecem na figu- d) Com o aumento da área de contato com a água, a massa de
ra. Em seguida, perguntou aos seus estudantes, caso aconte- modelar deslocou um volume maior de água com sabão, diminu-
cesse, em qual, ou quais, das três situações o volume de líquido indo o empuxo sobre a massa.
deslocado seria maior. e) A mudança da forma arredondada para a achatada fez com
que aumentasse o volume do objeto, sem alterar o volume da
quantidade de água com sabão deslocada.

(UFU/UNIFAL-2008/2) - ALTERNATIVA: C
Dois corpos de mesma massa m e volumes V1 e V2 encontram-
se totalmente submersos em um líquido de densidade às pro-
fundidades h1 e h2, respectivamente, conforme figura a seguir.
Com base nessas informações, pode-se afirmar que o volume
deslocado será
a) maior na situação 1.
b) maior na situação 2.
c) maior na situação 3.
*d) igual nas três situações.
e) igual em 1 e 3 e menor em 2.

(U.C.SUL-2008/2) - ALTERNATIVA: A
É comum no inverno, quando as casas permanecem com as
janelas fechadas, que, ao se abrir uma porta empurrando-a para Estando os dois corpos totalmente submersos e em equilíbrio
dentro do recinto, outra porta, que está aberta no interior da (parados) no líquido, pode-se afirmar que
casa, se feche. Suponha uma casa fechada de tal maneira que, a) h1 = h2, única maneira dos dois corpos estarem simultanea-
quando uma porta for aberta para dentro dela, seja válido o Prin- mente em equilíbrio.
cípio de Pascal. Ao ser aberta, a porta exerce no ar interno da b) se V1 = 2V2, então, h2 = 2h1.
casa um acréscimo de pressão de 22 Pa, o que faz com que
*c) V1 = V2, e h1 e h2 podem assumir quaisquer valores (h1 = h2;
outra porta retangular, de 0,5 m de largura por 1,5 m de altura,
seja fechada. Qual a força exercida sobre a porta que se fe- ou h1 < h2; ou h1 > h2).
chou? d) as profundidades dos corpos (totalmente submersos) em equi-
*a) 16,5 N b) 22,0 N c) 25,5 N líbrio no líquido (h1 e h2) aumentam com a diminuição da densida-
d) 30,4 N e) 35,8 N de do líquido.
japizzirani@gmail.com 92
(ACAFE-2008/2) - ALTERNATIVA: A (UFMS-2008/2) - RESPOSTAOFICIAL: SOMA= 013 (001+004+008)
Observe o descrito na “tirinha” e analise as afirmações a seguir. A figura abaixo mostra um vaso com água, em cuja boca é solda-
do um tubo fino, aberto nas duas extremidades, e que não atinge
o fundo do vaso. Esse sistema também é chamado de Vaso de
Mariote. Inicialmente o vaso se encontra com água até o nível H
acima da extremidade inferior do tubo que está no ponto O. Um
registro no fundo do vaso, quando aberto, permite que a água
escoe para fora lentamente. Sejam os pontos A e B, localizados
inicialmente no mesmo nível H, nas superfícies da água que es-
tão no interior do vaso e no interior do tubo, respectivamente, e
os pontos C e D localizados no interior do vaso e do tubo, res-
pectivamente, e ambos no mesmo nível de O , veja a figura.
Considere a pressão atmosférica igual a PO, e despreze os efei-
tos de pressão cinética devido ao escoamento. Com fundamen-
tos na hidrostática, assinale a(s) proposição(ões) correta(s).

A B

*(001) Abrindo o registro para permitir a saída de água do interior


do vaso, as pressões, nos pontos C e D, diminuem.
(002) Abrindo o registro para permitir a saída de água do interior
do vaso, as pressões, nos pontos A e B, diminuem.
*(004) Abrindo o registro para permitir a saída de água do interior
do vaso, o nível do ponto B desce mais rapidamente que o nível
do ponto A.
*(008) Abrindo o registro para permitir a saída de água do interior
Fonte: http://www.cbpf.br/~caruso/tirinhas do vaso, a diferença de pressão entre os pontos D e B é sempre
l. A densidade da água do mar é maior do que a densidade do maior que a diferença de pressão entre os pontos C e A.
gelo do iceberg. (016) Antes de abrir o registro, a pressão no ponto A é igual no
ll A água do mar é mais pesada que o iceberg. ponto B, mas a pressão no ponto C é maior que no ponto D.
lll As intensidades das forças peso e empuxo, aplicadas ao
iceberg, são iguais se o iceberg estiver em equilíbrio.
lV A força peso é a única força que atua no iceberg. (FEI-2008/2) - ALTERNATIVA: B
V A intensidade da força de empuxo corresponde ao valor do Um recipiente está cheio de água; um aluno retira a metade da
volume de gelo submerso. água e acrescenta o mesmo volume de óleo. Com base no ex-
Estão corretas apenas as afirmações: posto podemos afirmar que:
*a) l e lII c) III e V a) a pressão no fundo do recipiente aumentou, pois o óleo é mais
b) II e IV d) IV e V denso que a água.
*b) a pressão no fundo do recipiente diminuiu, pois o óleo é
menos denso que a água.
(UEM/PR-2008/2) - RESPOSTA: SOMA = 04 (04)
c) a pressão no fundo do recipiente diminuiu, pois o óleo é mais
Considere o esquema abaixo que mostra um tubo em U aberto
denso que a água.
que contém dois líquidos A e B que não se misturam. Consideran-
d) a pressão no fundo do recipiente aumentou, pois o óleo é
do que os pontos 1 e 2 estão no mesmo nível, assinale o que for
menos denso que a água.
correto.
e) a pressão no fundo do recipiente permaneceu a mesma, pois
01) Se ha for duas vezes maior que hb e a densidade do líquido A foi colocado o mesmo volume que foi retirado.
for 0,8 g/cm3, então a densidade do líquido B será 0,4 g/cm3.
02) A pressão exercida pela coluna do líquido no ponto 1 é maior
que pressão exercida pela coluna do líquido no ponto 2. (UECE-2008/2) - ALTERNATIVA: C
Um cubo de gelo de água pura, sem bolhas de ar, é colocado
*04) Se ha for duas vezes maior que hb e a
dentro de um copo de água também pura, a temperatura ambien-
densidade do líquido A for 0,8 g/cm3, en- te, fazendo com que o nível da
tão a densidade do líquido B será 1,6 g/ água suba até a altura x, como
cm3. mostra a figura.
08) A pressão exercida pelas colunas dos Quando o sistema atingir o equi-
líquidos nos pontos 1 e 2 não depende líbrio térmico com o gelo totalmen-
das densidades dos líquidos, depende da te derretido, o valor final de x:
altura das colunas dos líquidos. a) aumenta.
16) Se o diâmetro do tubo em U fosse re- b) diminui.
duzido à metade, então as pressões *c) permanece o mesmo.
exercidas pelas colunas dos líquidos nos d) dependerá da temperatura ini-
pontos 1 e 2 dobrariam de valor. cial do gelo.
japizzirani@gmail.com 93
VII - HIDRODINÂMICA
VII - vestibulares 2008/1
VESTIBULARES - 2008/2: sem exercícios

(UFCG/PB-2008) - ALTERNATIVA: B
O termo Aneurisma é utilizado para designar a dilatação perma-
nente de um segmento de uma artéria, fazendo com que ela fi-
que com um diâmetro muito maior do que o normal. Utilizando
conceitos de hidrodinâmica pode-se afirmar que o aneurisma é
uma condição de grande risco, pois
a) com o aumento do segmento da artéria, a velocidade do san-
gue, neste ponto, aumenta e conseqüentemente a pressão tam-
bém aumenta podendo ocorrer a ruptura da artéria.
*b) com o aumento do segmento da artéria, a velocidade do
sangue, neste ponto, diminui e conseqüentemente a pressão
aumenta podendo ocorrer a ruptura da artéria.
c) mesmo com o aumento do segmento da artéria, a velocidade
do sangue não se altera, entretanto, há um aumento da pressão
podendo ocorrer a ruptura da artéria.
d) com o aumento do segmento da artéria, a vazão do sangue
neste ponto aumenta e conseqüentemente a pressão aumenta,
podendo ocorrer a ruptura da artéria.
e) com o aumento do segmento da artéria, a vazão do sangue
neste ponto diminui e conseqüentemente a pressão aumenta,
podendo ocorrer a ruptura da artéria.

(UFCG/PB-2008) - ALTERNATIVA: C
O sistema cardiovascular é constituído pelo coração, que é o ór-
gão propulsor do sangue, e uma rede vascular de distribuição.
Excitados periodicamente, os músculos do coração se contraem
impulsionando o sangue através dos vasos a todas as partes do
corpo. Esses vasos são as artérias. Elas se ramificam tornan-
do-se progressivamente de menor calibre terminando em diminu-
tos vasos denominados arteríolas. A partir destes vasos o san-
gue é capaz de realizar suas funções de nutrição e absorção
atravessando uma rede de vasos denominados capilares de
paredes muito finas e permeáveis à troca de substâncias entre
ele e os tecidos. O fluxo de sangue bombeado pelo coração para
a artéria aorta, de seção transversal média para uma pessoa
normal em repouso de 3 cm2 (3 × 10-4 m2), é da ordem de 5 litros
por minuto e ao chegar aos capilares, de diâmetro médio igual a
6 m (área 3 × 10-11 m2), o fluxo sanguíneo continua aproxima-
damente o mesmo e a velocidade média do sangue nesses va-
sos é da ordem de 5 × 10-4 m/s. Baseado no texto, pode-se
afirmar que a velocidade média do sangue na aorta e o número
estimado de vasos capilares de uma pessoa normal, valem res-
pectivamente,
a) 3 m/s; 6 × 109. b) 30 m/s; 6 × 106.
*c) 0,3 m/s; 6 × 109. d) 1,6 m/s; 6 × 106.
e) 16 m/s; 3 × 1010.

japizzirani@gmail.com 94