P. 1
PRO DIA NASCER FELIZ Resenha Crítica

PRO DIA NASCER FELIZ Resenha Crítica

|Views: 6.579|Likes:
Publicado porClaudia Pungartnik

More info:

Published by: Claudia Pungartnik on Oct 29, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/01/2013

pdf

text

original

PRO DIA NASCER FELIZ ± CONSCIENTIZAÇÃO EDUCACIONAL BRASILEIRA

Pro dia nascer feliz não é apenas um documentário que trata da educação nas escolas brasileiras, é um filme que nos faz pensar. Seu diretor, João Jardim é um egresso da publicidade e da televisão, e cuja formação no jornalismo foi complementada na Universidade de Nova Iorque em cinema. Vinte anos se passaram desde que se formou e isso se reflete em seu trabalho neste filme. Esta ³obra-prima´, executada de forma engenhosa do ponto de vista da edição, retrata de forma corajosa o dia -a-dia das escolas e a fragilidade do sistema e de seus personagens principais: alunos e professores. Este documentário de 2005 mostrou aos brasileiros, durante

inacreditáveis quarenta semanas de exibição nos cinemas, uma realidade que o Brasil não queria ver. João Jardim dá o tom do seu filme logo nas primeiras cenas, quando faz um recorte de outro documentário feito em 1962, no qual o narrador pergunta se a tal ³juventude transv iada´ da época não carecia apenas de ³oportunidade de ir à escola, de um futuro´. O autor dá um salto no tempo e explica para o espectador que tudo mudou, afinal quarenta anos depois, há vagas para todos entrarem nas escolas. E arremata que mesmo assim, me tade dos que entraram na escola, não termina o ensino fundamental. É assim que o autor nos introduz em sua jornada pela busca de respostas. ³Pro dia nascer feliz´ desnuda a fragilidade do sistema educacional brasileiro. Mostra a realidade da vida de jovens no contexto escolar, seus sonhos e frustrações e a expectativa no futuro incerto, enfrentando diariamente o paradoxo que a vida lhes impõe: a escola deveria ser a base da educação na construção de seu futuro. Também assim achava o teórico Talcot t Parsons (1974), discípulo de Durkheim, quando afirmou que deve ria haver uma troca equivalente, onde tanto o indivíduo quanto a sociedade deveriam se beneficiar deste arranjo educacional. Esta forma conservadora de perceber a educação está longe de fazer sentido no lado de cá do Equador, como mostra este filme.

demonstrado empiricamente no filme. por exemplo. que mora no centro urbano. Em contrapartida. reproduz valores. chorando a falta da escola e seus amigos. escritora do Fanzine da escola e cercada das possibilidades que a o interior sequer pode imaginar. que fora do contexto social real dos alunos menos favorecidos. um grupo de amigas discute. econômico. O autor-diretor nos propõe este mosaico cultural da educação do Brasil. Percebem sua realidade privilegiada e chegam a expressar o medo de interagir com outras pessoas que não fazem parte do mesmo convívio social. cada uma em sua cidade. uma da cidade grande do sudeste. não aceita seu lugar e virá a ser retratada pelas câmeras um ano depois como ³acomodada´ pela sua ida e vinda do trabalho para casa. tradicional escola paulistana. Porém. educacional que permeia m suas vidas. Em outro momento do filme. a outra. aceitáveis e únicos. que a escola de ambas forma falsos cidadã os. deprimida. dotada de entendimento de seu destino. Seus mundos divergem quando se pensa em todos os segmentos da sociedade. pontuando. idéias e cultura da classe privilegiada como sendo os verdadeiros. dentro de um sistema democrático e injusto. igualmente extraordinária poetisa. para ³não evidenciar as diferenças . seu próprio ³ olhar de dentro da bolha´. outra do interior do nordeste. que tem objetivos maiores que não cabem em seu pequeno mundo. Esta desigualdade só se desfaz quando percebemos o discurso do papel da escola. Esta moça da cidade. Duas jovens poetisas são retratadas nesta estória. dentro da escola da elite. cultural. Seus depoimentos verbais e não -verbais contribuem para marcar as diferenças e contrastes de comunidades não menos divergentes en tre si. e acabam por aceitar seu fracasso escolar e social como responsabilidade exclusiva de si mesmos. e a abundância do Colégio Santa Cruz.Jovens estudantes e professores se expõem numa realidade de riqueza e pobreza. em Pernambuco. se acomodando sem lutar por mudanças. que são submissos àqueles melhores que eles. fica evidente. Primeiro a moça do inte rior. Este abismo que separa estas duas jovens tão parecidas não é apenas geográfico. a precariedade das estruturas da pequena escola de Manari. de onde saíram diversas figuras proeminentes da nossa história.

criando uma espécie de relativização do caos instalado na vida destes jovens. tantos problemas na área da saúde. devemos priorizá -los agora e nos próximos governos. Este processo sistêmico de estudo. Está mais do que provado que essa realidade precisa mudar em caráter urgente e esta pode vir a ser a contribuição deste cineasta para as futuras gerações. As alunas vivem sob o estresse do bom desempenho e se cobram com a mesma intensidade. A educação deve ser motivo de preocupação e a juventude está diretamente ligada a esta realidade. Sendo jovem a próxima geração responsável. Ao contrário das outras escolas. A disciplina é rígida e a cobrança se apóia no interesse dos pais. currículo e assim estará apto para desempenhar sua função no mercado de trabalho no futuro. da segurança e a falta de tantos confortos básicos. podemos usar o discurso do documentário de João Jardim como um alerta. seja ela qual for. mas o futuro do nosso país. esta propõe um desafio ao estudante. Esta percepção de mundo se modifica quando em uma reunião de alunos numa escola da periferia do Rio de Janeiro.de modo brutal´. em Caxias. É a ideologia a serviço da falta de conteúdo e bens materiais. Seu s discursos corroboram com a ideia de que a escola contribui para o processo de reprodução da formação social posto pelo capitalismo. ambiente escolar e família. é a descontextualização da cultura pós moderna. onde cada um deve desempenhar seu papel. Todos são levados a se conformar com a situação. segundo Jameson (2006). que é permeado pela busca d a qualidade. sob pena da justiça da lei ou dos bandidos. com jovens que não conhecem o outro lado da história e nem pretendem conhecer. percebemos a violência explícita e implícita vivida no dia -a-dia daqueles jovens. Desta forma. Num mundo de tanta miséria e fome. . criando novas formas de estímulo para que decidam por si mesmos governar não somente suas vidas. a qual conduz os indivíduos a aceitarem sua condição social. ratificam o projeto do neoliberalismo do bom desempenho. Seu discurso reflete uma segmentação de classes dentro das classes. O aluno é avaliado pelo seu rendimento escolar. lembramos que Althusser (1985) definiu a escola como aparelho ideológico do estado.

Aparelhos Ideológicos de Estado . Tradução de Carolina Araújo. Fredric. 2 ed. A virada cultural: Reflexões sobre o pós-moderno.REFERÊNCIAS ALTHUSSER. Louis. Rio de Janeiro: Edições Graal. 1985 JAMESON. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2006 .

1974 .PARSONS. T. O sistema das sociedades modernas . São Paulo: Pioneira.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->