Você está na página 1de 43

SISTEMA DE CUSTEIO TOTAL E SISTEMA DE CUSTEIO VARIÁVEL

exercicio 1

A empresa Frigo Ártico, Lda. Fabrica Caixas Frigoríficas para o mercado interno. Da Contabilidade
Analítica do mês de Janeiro do ano N, obteve-se a seguinte informação relativamente ao produto
"Caixas Frigoríficas":

Custo de produção unitário fixo 1.00 €


Custo de produção unitário variável 2.00 €
Quantidade produzida no mês (unidades) 100
Quantidade vendida no mês (unidades) 150
Preço de venda unitário 4.00 €
Nota: não há existências finais

O critério valorimétrico utilizado pela empresa na valorização das saídas de armazém é o FIFO

Do Balanço do ano anterior (N-1) retiraram-se, relativamente às existências finais do produto


"Caixas Frigoríficas", os seguintes valores:

Custo Fixo Unitário 2.00 €


Custo Variável Unitário 1.00 €

PRETENDE-SE:
1 - Demonstração dos Resultados pelos Sistemas de Custeio Total e Variável para o mês de
Janeiro.
2 - Explicação analítica da diferença dos Resultados obtidos pelos dois Sistemas de Custeio.

1 - DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS PELOS SISTEMAS DE CUSTEIO TOTAL E VARIÁVEL

SISTEMA DE CUSTEIO TOTAL SISTEMA DE CUSTEIO VARIÁVEL


DESCRIÇÃO DESCRIÇÃO
Vendas (a) 600.00 € Vendas
Custo das Vendas (b) 450.00 € Custo das Vendas (c)
150.00 €
Custos Industriais não incorporados Custos Ind. não incorporados (d)
150.00 €

(a) = 150 x 4,00 €


(b) Pelo Sistema de Custeio Total:
100 (quantidade vendida e que foi produzida no mês) x (1,00 € + 2,00 €) = 300,00 €
50 (quantidade vendida para além das quantidades produzidas no mês) x 3,00 € = 150,00 €
(c) Pelo Sistema de Custeio Variável:
100 x 2,00 € (custo produção unitário variável para as quantidades produzidas no mês)
50 x 1,00 € (custo de produção unitário fixo para as quantidades vendidas para além da produç
(d) = 100 (quant. Produzida no mês e que foi vendida) x 1,00 € = 100,00 €

2 - APURAMENTO DA DIFERENÇA DE RESULTADOS

Sistema de Custeio Total 150.00 €


Sistema de Custeio Variável 250.00 €
Diferença de Resultados 100.00 €

JUSTIFICAÇÃO DA DIFERENÇA DE RESULTADOS:


- Como toda a produção foi vendida, não há diferença de resultados (relativa à produção).
- Como se recorreu às Existências Iniciais, houve uma diferença favorável ao Sistema de Custeio
Variável e de valor igual ao custo fixo unitário incorporado nas exsistências vendidas.
Ex. In. x Custo Fixo = 50 unidades x 2,00 € = 100,00 €
- O valor das Existências Iniciais consumidas no sistema de custeio total é superior pois também
engloba custos fixos.
- No sistema de custeio variável, a referida parcela de custos fixos foi imputada ao período ante-
rior em que se fabricaram os produtos.
ARIÁVEL

Contabilidade
te ao produto

1.00 €
2.00 €
100
150
4.00 €

m é o FIFO

o produto

2.00 €
1.00 €

mês de

Custeio.

E VARIÁVEL

CUSTEIO VARIÁVEL

600.00 €
250.00 €
350.00 €
100.00 €
250.00 €

0,00 €
0 € = 150,00 €

no mês)
a além da produç

150.00 €
250.00 €
100.00 €

dução).
ma de Custeio
das.

pois também

período ante-
exercicio 2

A "sociedade Fabril JFR, SA., possui duas fábricas, uma das quais fabrica o produto A e a outra
os produtos B e C.
Durante o ano N produziram-se 200,000 unidades de A,
250,000 unidades de B,
150,000 unidades de C,
não havendo existências iniciais.
Os custos de produção terminada foram os seguintes:
(Valores em euros)
A B
Matéria Prima consumida 1,400,000 2,000,000
Mão de Obra directa 700,000 800,000
Amortizações 1,000,000 500,000
Gastos Gerais de Fabrico Variáveis 200,000 300,000
Gastos Gerais de Fabrico Fixos 500,000 200,000

A actual produção de A esgota a capacidade instalada, que na produção de B e C está a ser


utilizada a 70%
O encargo com a estrutura administrativa e comercial ascendeu a
2,000,000 euros,
dos quais 300,000 euros específicos de A
200,000 euros específicos de B
e 100,000 euros referentes ao produto C
os restantes 1,400,000 euros são custos comuns que são repartidos
pelos produtos em função do valor de vendas.
As vendas e os custos variáveis foram os seguintes:

A B
Vendas em quantidades (unidades) 200,000 240,000
Preço de venda médio (euros) 30 25
Comissões (% sobre as vendas) 2% 2%
Transportes (variáveis - valores em €) 100,000 150,000
Outros custos variáveis (valores em €) 50,000 50,000

PRETENDE-SE:
1 - Cálculo das margens sobre custos variáveis unitários e dos pontos criticos por produtos,
em quantidades e valor.
2 - Cálculo do Ponto Crítico Global e da Margem de Segurança.
3 - Demonstração de Resultados sob a óptica do custeio variável.
RESOLUÇÃO

QUESTÃO 1 A
PRODUÇÃO - em unidades (valores do enunciado) 200,000
Matéria Prima Consumida - valores em € (do enunciado) 1,400,000
Mão de Obra Directa - valores em € (do enunciado) 700,000
Gastos Gerais de Fabrico Variáveis - valores em € (do enunciado) 200,000
Total 2,300,000
CUSTO VARIÁVEL FABRIL (VALOR EM %) 11.5

VENDAS - em unidades (valores do enunciado) 200,000


Comissões 120,000
Transportes 100,000
Outros Custos Variáveis 50,000
Total Custos Variáveis Não Fabris 270,000
CUSTO VARIÁVEL NÃO FABRIL UNITÁRIO (VALOR EM %) 1.35

Preço de Venda (preço unitário - ver enunciado) 30


CUSTOS VARIÁVEIS (unitários)
Fabris 11.5
Não Fabris 1.35
MARGEM UNITÁRIA (VALOR EM %) 17.15

CUSTOS FIXOS
Fabris 1,500,000
Não Fabris 883,333
Total dos Custos Fixos 2,383,333
Ponto Crítico em Quantidades 138,970
Ponto Crítico em Valor 4,169,096

Valor das Vendas 6,000,000


Total das Vendas 14,400,000
Coeficiente de Imputação 0.1

QUESTÃO 2 - PONTO CRÍTICO GLOBAL = CUSTOS FIXOS / MARGEM DE SEGURANÇA E MARGEM DE SEGURANÇA
MARGEM DE SEGURANÇA
Primeiro temos de determinar a MARGEM PONDERADA

A B
Vendas em quantidades (unidades) (ENUNCIADO) 200,000 240,000
Margem Unitária (valor em %) 17.15 11.27
Totais 3,430,000 2,704,000
Margem Ponderada de Vendas

Custos Fixos (valor em €) 2,383,333 1,483,333

Ponto Crítico Global (valor em €)

Margem de Segurança

Custo das Vendas - Não Fabris A B


Comissões 120,000 120,000
Transportes 100,000 150,000
Outros Custos Variáveis 50,000 50,000
270,000 320,000

Amortizações 1,000,000 500,000


Gastos Gerais de Fabrico Fixos 500,000 200,000
1,500,000 700,000
QUESTÃO 3 - DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS SOB A ÓPTICA DO CUSTEIO VARIÁVEL
A B
1. Vendas 6,000,000 6,000,000
2. Custo das Vendas
2.1. Fabris 2,300,000 2,976,000
2.2. Não Fabris 270,000 320,000
3. Margem 3,430,000 2,704,000
4. Custos de Estrutura
4.1. Industriais
4.2. Não Industriais
5. Resultados Antes de impostos
o A e a outra

lores em euros)
C
1,000,000
500,000
400,000
100,000
200,000

está a ser

são repartidos

C
120,000
20
2%
100,000
30,000

produtos,
B C
250,000 150,000
2,000,000 1,000,000
800,000 500,000
300,000 100,000
3,100,000 1,600,000
12.4 10.7

240,000 120,000
120,000 48,000
150,000 100,000
50,000 30,000
320,000 178,000
1.33 1.48

25 20

12.4 10.7
1.33 1.48
11.27 7.85

700,000 600,000
783,333 333,333
1,483,333 933,333
131,657 118,896
3,291,420 2,377,919

6,000,000 2,400,000

RGEM DE SEGURANÇA

C TOTAL
120,000
7.85
942,000 7,076,000
0.4914

933,333 4,800,000

9,768,231

47.42%

C TOTAL
48,000 288,000
100,000 350,000
30,000 130,000
178,000 768,000

400,000 1,900,000
200,000 900,000
600,000 2,800,000
A DO CUSTEIO VARIÁVEL
C TOTAL
2,400,000 14,400,000

1,280,000 6,556,000
178,000 768,000
942,000 7,076,000

2,800,000
2,000,000
2,276,000
exercicio 3

A Sociedade APS, SA. acabou de assinar um contrato de fornecimento no mercado interno


para o ano N, em regime de excusividade, com a Empresa BETA, de
do produto B a 1,060.00 € /tonelada, a satisfazer regularmente durante o ano.
Assim, a Sociedade APS encara a hipótese da expansão do produto A no mercado interno
e até a possibilidade de exportar, para o que iniciou já diligências nesse sentido.
A empresa está a laborar a 50% da sua capacidade normal.
A fim de fundamentar a tomada de decisões, elaborou estimativas para o ano N que a seguir
se apresentam:

A B
CUSTOS DE PRODUÇÃO/TON.
Matérias Primas 720.00 € 675.00 €
Mão de Obra Directa 165.00 € 180.00 €
Gastos Gerais de Fabrico
- Variáveis 135.00 € 120.00 €
- Fixos num total de 860,000.00 €

CUSTOS NÃO INDUSTRIAIS


Fixos num total de 1,200,000.00 €
Variáveis (com as vendas) =
5.0%
Preço de Venda unitário de A =
1,480.00 €

PRETENDE-SE:
1 - A quantidade a vender do produto A para que a empresa obtenha um Resultado Anual de
313,600.00 €
2 - O Ponto Crítico e o seu significado.
3 - O fundamento da opção a tomar perante as seguintes alternativas face ao que está pedido
no ponto 1:
3.1 - Aumentar a quota de mercado do produto A (+20%) mediante campanhas publicitárias na
televisão, rádio e outros meios de comunicação social (180.000,00 €) e reforço da equipa
de vendas (custos fixos 140.000,00 € e custos variáveis 80.000,00 €).
3.2 - Exportar 500 ton. de A para um país estrangeiro de US$ 1.600/ton, com encargos de expediçao e de venda de 144,00€/ton. Admita
que a cotação do dolar actual é de 1 Us$ - 1,25€
R E S O L U Ç Ã O

QUESTÃO 1

Custo Variável A B
- Industrial
Matérias Primas 720.00 € 675.00 €
Mão de Obra Directa 165.00 € 180.00 €
Gastos Gerais de Fabrico 135.00 € 120.00 €
Total Custo Variável Industrial 1,020.00 € 975.00 €
- Não Industrial 74.00 € 53.00 €
TOTAL 1,094.00 € 1,028.00 €
Margem 57,600.00 €

QA x 1.480 - QA x 1.094 + 57.600 = 860.000 + 1.200.000 + 313.600 = 6.000 ton

A quantidade a vender de A vezes o seu preço unitários de venda


menos
a quantidade a vender de A vezes o seu custo unitário
mais
a margem libertada por B
tem de ser igual
aos custos fixos de produção de A
mais
os custos fixos não industriais de A
mais
o Resultado que se pretende obter do produto A

QUESTÃO 2

Produção: 6,000
Aumento da produção nos termos da pergunta 3.1 + 20%
Aumento da produção nos termos da pergunta 3.1 1,200
Acréscimo de Proveitos:
- Preço Unitário de Venda 1,480.00 €
- Custo Variável Unitário 1,094.00 €
Acréscimo de Proveitos/ton 386.00 €
Acréscimo de Proveitos para as 1.200 ton a mais 463,200.00 €
Acréscimo de Custos:
- Fixos (equipa de vendas - está no enunciado) 140,000.00 €
- Variáveis (equipa de vendas e campanhas pub) 260,000.00 €
Acréscimo de Custos: 400,000.00 €
Resultado 63,200.00 €

QUESTÃO 3

Proveitos dados do enunciado - ponto 3.2 640,000.00 €


Custos
Produção (500 ton a exportar x C.InVariav.Unit de A) 510,000.00 €
Expedição e Vendas (144€/ton x 500 ton a exportar) 72,000.00 €
Total dos Custos 582,000.00 €
Resultado 58,000.00 €
1,800 toneladas
o ano.

al.

nda de 144,00€/ton. Admita


ton

ton
exercicio 4

a sociedade fabril de móveis do centro SA, dedica-se à produção de móveis para cozinha, tendo em
certo periodo fabricado:

Modelos de cozinhas unidades


cozinhas modelo F 12
cozinhas modelo T 8
cozinhas modelo X 10

durante o periodo a contabilidade de custos apurou os seguintes valores no custeio de cada ordem
de fabrico (equivalente ao modelo referenciado):

valores em Euros
modelo F (16)modelo T (8) modelo X (10)
materiais aplicados 3,280 2,760 2,820
mão de obra directa 2,450 1,850 1,980
5,730 4,610 4,800

os gastos gerais de fabrico (custos indirectos) do periodo somaram 12 246€ e incluiram :

energia electrica 1,260


àgua 450
materias subsidiarias 760
amortizações 1,946
direcção fabril 750
pessoal indirecto 3,230
ferramentas 600
seguro de incendio 150
vencimentos férias 1,200
subsidio ferias 1,100
conservação anual 800
12,246

admitindo que a base de repartição dos gastos gerais de fabrico era a mão de obra directa imputada
o calculo de base de imputação é:

(1) total dos gastos gerais de fabrico 12,246


(2) total da mão de obra directa 6,280
(1) / (2) coeficiente de imputação 1.95
O CUSTO DE PRODUÇÃO de cada modelo de cozinhas é o seguinte :

modelo F modelo T Modelo X


16 8 10
materiais directos 3,280.00 2,760.00 2,820.00
mão de obra directa 2,450.00 1,850.00 1,980.00
gastos gerais de fabrico 4,777.50 3,607.50 3,861.00
10,507.50 8,217.50 8,661.00
custo unitário 656.72 1,027.19 866.10

CÁLCULO DO CUSTO DE PRODUÇÃO BASEADO NAS ACTIVIDADES (ABC)


(CUSTEIO BASEADO NAS ACTIVIDADES)

OS PROCESSOS DE PRODUÇÃO SÃO OS SEGUINTES:


Maquinação: onde as placas de madeira são serradas e aprelhadas - "cost driver"
Montagem: onde se juntam as diversas componentes - "cost driver"
Acabamento: onde o processo se identifica com as operações finais de pintura e/ou envernizamento - "cos
driver": numero de unidades

durante o mesmo periodo foi possivel separar os custos indirectos (gastos gerais de fabrico) da seguinte forma:

cost driver
GGF (€
F T
maquinação 5,340 60 28
montagem 3,300 480 240
acabamento 3,606 16 8

cálculo do CUSTO DE PRODUÇÂO de cada cozinha:

modelo F modelo T Modelo X


materias diversos 3,280.00 2,760.00 2,820.00
mão de obra directa 2,450.00 1,850.00 1,980.00

G G Fabrico
maquinação 44.5 2,670.00 1,246.00 1,424.00
montagem 3.3 1,584.00 792.00 924.00
acabamento 106.059 1,696.94 848.47 1,060.59
total gastos gerais fabrico 5,950.94 2,886.47 3,408.59
custo total 11,680.94 7,496.47 8,208.59
custo unitário 730.06 937.06 820.86
ara cozinha, tendo em

custeio de cada ordem

e incluiram :

e obra directa imputada,


Total
8,860.00
6,280.00
12,246.00
27,386.00

ES (ABC)

nvernizamento - "cos

brico) da seguinte forma:

ost driver
X
32
280
10

total
8,860.00
6,280.00

5,340.00
3,300.00
3,606.00
12,246.00
27,386.00
exercicio 5

A BomGado, Lda. Explora uma fábrica de rações, instalada em edifício próprio. O processo
produtivo consiste, sinteticamente, no seguinte:

As matérias primas são constituídas essencialmente por cereais, que


a empresa adquire em gão (milho, trigo, aveia, cevada, etc.), farinha
de peixe, sêmea de trigo, minerais (cálcio, etc.) e vitaminas. Todas
essas matérias primas são armazenadas no
Armazém de Matérias Primas
quer a granel (silos) quer nas embalagens que são adquiridas.

Para fabricar certo tipo de rações procede-se à moagem de cereais,


sendo depois as farinhas, assim obtidas, misturadas nas proporções
definidas e adicionando-se as restantes matérias primas.
Moagem e Mistura

A ração assim obtida pode ser vendida neste estado ou sujeita a uma
operação posterior que a reduz a grânulos.
Granulação

A ração dos tipos (farinada ou granulada) é depois ensacada.


Embalagem

A empresa calcula os custos de produção individualizando os custos directos (matérias pri-


mas, mão de obra directa) e repartindo os custos indirectos pelas seguintes actividades e
"cost drivers":

"COST DRIVER"
Armazém de Matérias Primas / Produtos Acabados tonelada produzida
Moagem e Mistura Hm
Granulação Hm
Embalagem HH

Em determinado período do ano n foram calculados os seguintes valores relativos à contabi-


bilização dos custos de fabrico:

Unidade Custo unitário (euros)


M1 ton. 300
M2 ton. 250
Matérias Primas
M3 ton. 40
M4 ton. 1,000
Mão de Obra Directa HH 3.75
Armaz. Matérias Primas ton. 5
Moagem e Mistura HM 300
Actividades:
Granulação HM 40
Embalagem HM 20
PRODUÇÃO
Fabricam-se apenas dois tipos de rações, designadas por F10 (não granulado) e F12 (granula-
do). As quantidades fabricadas foram:
F10 2,200 tons.
F12 1,350 tons.

CONSUMO DE MATÉRIAS PRIMAS (em tons.)

Para F10 Para F12


M1 1,110 670
M2 615 360
M3 545 335
M4 44 36.4

MÃO DE OBRA DIRECTA E ACTIVIDADE DAS SECÇÕES

Para F10 Para F12


Mão de Obra Directa 2000 HH 1600
Armazém de Matérias Primas ton. prod. ton. prod.
Moagem e Mistura 235 HM 140
Secções
Granulação 20
Embalagem 215 HM 140

PEDE-SE:
Questão 1 - Calcule o Custo de Produção de F10 e F12
Questão 2 - Compare tais custos admitindo que repartia os gastos gerais de fabrico em função
do valor das horas de MOD

CUSTO DE PRODUÇÃO (TOTAL E UNITÁRIO) DE F10 E F12

F10 (tons.) F12 (tons.)


Custo
2,200 Valor 1,350
Unitário
Matérias Primas Quantid. Quantid. Valor
M1 300 1,110 333,000 670 201,000
M2 250 615 153,750 360 90,000
M3 40 545 21,800 335 13,400
M4 1,000 44 44,000 36 36,400
Total Matérias Primas 552,550 340,800
MOD 3.75 2,000 7,500 1,600 6,000
MP e MOD 560,050 346,800
Actividades:
Ac. Mat. Primas (tons) 5 2,200 11,000 1,350 6,750
Moagem e Mist. (Hm) 300 235 70,500 140 42,000
Granulação (Hm) 40 0 - 20 800
Embalagem (Hh) 20 215 4,300 140 2,800
85,800 52,350
Custo Total 645,850 399,150
Custo Unitário 293.57 295.67
F10 (tons.) F12 (tons.)
Custo
2,200 Valor 1,350
Unitário
Matérias Primas Quantid. Quantid. Valor
M1 300 1,110 333,000 670 201,000
M2 250 615 153,750 360 90,000
M3 40 545 21,800 335 13,400
M4 1,000 44 44,000 36 36,400
Total Matérias Primas 552,550 340,800
MOD 3.75 2,000 7,500 1600 6,000
GGF 38.38 2,000 76,750 1600 61,400
MOD+GGF 84,250 67,400
MP + MOD + GGF 636,800 408,200
Custo Unitário 289.45 302.37
4.11 -6.70

A diferença entre os dois sistemas de custeio (ABC no quadro acima e custeio tradicional neste último
quadro) reside nos valores dos custos unitários atribuiveis a cada um dos produtos na medida em que
se utilizou uma base de imputação dos GGF no segundo quadro.
OST DRIVER"
ada produzida
Hm
Hm
HH

unitário (euros)
300
250
40
1,000
3.75
5
300
40
20
Para F12
HH
ton. prod.
HM
HM
HM

1,045,000
1,045,000

adicional neste último


tos na medida em que
A empresa JCP, S.A., produz, em série, dois produtos aqui referenciados por P1 e P2. 1. DETERMINAÇÃO DOS CUSTOS UNITÁR
Os dados contabilísticos para o período N são os seguintes:
Sabemos que:
1. VENDAS
Existências Iniciais + Produção Efectiva
Produtos Quantidades (Unid.) Preços de Venda (€) ou
P1 20,000 200.00 € Produção Efectiva = Existências Finais
P2 30,000 300.00 € abr
Pe =
2. Stocks Iniciais
Temos os seguintes dados
2.1 De produtos em vias de fabrico
como conheço as Vendas dos
UNIDADES MO E GGF
PRODUTOS MP em €
FÍSICAS Coef. Acab. Custos (€)
P1 1,500 45,000.00 € 40% 24,000.00 € Vendas (Quadro 1)
P2 3,000 180,000.00 € 60% 108,000.00 € Stock Final (Quadro 3.2)
225,000.00 € 132,000.00 € Vendas + Stock Final
Stock Inicial (Quadro 2.2)
NOTA: a incorporação das MP (matérias primas) faz-se no início Produção Terminada
do processo produtivo, pelo que se admite um coeficiente de
acabamento de 100%. Conhecida a Produção Terminada (Pt) pode-se
Pe =
2.2 De produtos acabados
PRODUTO P1
PRODUTOS QUANT. MP em € CUSTOS TOTAIS Matéria Prima
P1 2,000 45,000.00 € 240,000.00 € Unidades
% de
P2 3,000 180,000.00 € 510,000.00 € Físicas
acabamento
225,000.00 € 750,000.00 €
Pt 20,000 100%
3. Stocks Finais 171,000.00 € Ef de PAcab 2,000 100%
Ei de PVF 1,500 100%
3.1 De produtos em vias de fabrico
Pe
UNIDADES COEFICIENTES DE ACABAMENTO
PRODUTOS
FÍSICAS M.P. M.O G.G.F. PRODUTO P2
P1 2,000 100% 30% 30% Matéria Prima
P2 1,000 100% 60% 60% Unidades
% de
Físicas
acabamento
3.2 De produtos acabados
Pt 32,000 100%
PRODUTOS QUANT. Ef 1,000 100%
P1 2,000 Ei 3,000 100%
P2 5,000
Pe
4. Conta de Fabricação
Conhecida a Produção Efectiva (Pe) vamos agora ca
FABRICAÇÃO (Produção Efectiva) para podermos calcular a
Saldo de Abertura 357,000.00 € Como o enunciado nada diz sobre os coeficiente
Matérias Primas 3,157,500.00 € Produção anterior como
Mão-de-Obra 1,270,200.00 € Terminada ?
G.G. Fabrico 3,634,000.00 € Este processo
a) a composição relativa dos produt
5.Outros dados b) não há alteração nos c
c) e mesmo que houvesse, tal alteraçã
5.1. Gastos de Vendas
P1
1,300,000.00 €
Custo Total Quant.
5.2. Critérios Valorimétricos adoptados MP 45,000.00 € 1,500
MO+GGF 24,000.00 € 600
FIFO Para a produção em curso
CUSTO MÉDIO Para a produção terminada
CÁLCULO DOS COEFIC
P R E T E N D E - S E:
1) Determinação dos custos unitários e globais da produção efectiva (Pe)
Pe (Produção Coef.
do período. Produtos
efectiva) equivalência
2) Cômputo dos custos totais da produção terminada (Pt).
3) Cálculo do valor da produção em vias de fabrico no final do período. P1 20,500 1
4) Determinação das margens de lucro bruto auferido em cada um dos pro- P2 30,000 2
dutos, admitindo que os gastos de venda se repartem proporcionalmen-
te ao valor de vendas.
REPARTIÇÃO DOS CUST

Pe (Produção Coef.
Produtos
efectiva) equivalência

P1 20,000 1
P2 30,800 1.5
ETERMINAÇÃO DOS CUSTOS UNITÁRIOS E GLOBAIS DA PRODUÇÃO EFECTIVA (Pe) P1
Descrição Custo
Quant.
Unitário
M.P. 39.22 € 20,500
stências Iniciais + Produção Efectiva = Existências Finais + Produção Terminada M.O. 19.19 € 20,000
ou seja: G.G.F. 54.89 € 20,000
odução Efectiva = Existências Finais + Produção Terminada - Existências Finais 113.31 €
abreviando: 113.1
Pe = Ei + Pt - Ef REPARTIÇÃO
SÍNTESE DOS CUSTOS (UNIT
Temos os seguintes dados: Ei (quadro 2) e Ef (quadro 3)

onheço as Vendas dos produtos acabados posso então calcular a produção terminada DESCRIÇÃO

P1 P2 Cálculos MATÉRIAS PRIMAS


) 20,000 30,000 [a] - Stock Inicial
o 3.2) 2,000 5,000 [b] - Produção do Período (A)
nal 22,000 35,000 [c] = [a] + [b] Subtotal
dro 2.2) 2,000 3,000 [d]
da 20,000 32,000 [e] = [c] - [d] CONVERSÃO DE M.O. E G.G.F.
- Stock Inicial
a Produção Terminada (Pt) pode-se calcular a Produção Efectiva (Pe) a partir da fórmula - Produção do Período (A)
Pe = Ei + Pt - Ef Subtotal
TOTAL
PRODUTO P1
Matéria Prima M.O. + G.G.F. (A) = Pe - Ef

Unidade de % de Unidade de
2) CÔM
acabament acabamento acabament

20,000 100% 20,000 Como se depreende do ponto 5.2. - Critérios Valorimétricos a


2,000 30% 600 Assim, à quantidade física da Produção Terminada (Pt) vamos
22,000 40% 20,600 (FIFO) o primeiro a integrar os custos dos produtos que trans
1,500 600
20,500 20,000 À diferença entre a Produção Terminada (Pt) e o Stock Inicial
aplica-se o Custo Unitário da Produção Efectiva (Pe).
PRODUTO P2
Matéria Prima M.O. + G.G.F. Contabilisticamente os valores encontrados têm o seguinte m
de 8.150.683,23 € preenchendo, assim, a lacuna indicada no
Unidade de % de Unidade de
acabament acabamento acabament

32,000 100% 32,000 3) CÁL


1,000 60% 600
33,000 60% 32,600 M.P.
3,000 1,800 PRODUTOS
Quant. Custo Unitário
30,000 30,800
P1 2,000 39.22 €
odução Efectiva (Pe) vamos agora calcular os coeficientes de equivalência entre os produtos P2 1,000 78.45 €
ectiva) para podermos calcular a repartição dos custos comuns pelos diferentes produtos
nciado nada diz sobre os coeficientes de equivalência vamos utilizar os custos do período
anterior como ponto de partida

Este processo é válido porque:


a) a composição relativa dos produtos mantem-se dum período para o outro
b) não há alteração nos custos dos diferentes factores Exist. Iniciais de PVF
e mesmo que houvesse, tal alteração atingiria de igual modo os dois produtos M.P
M.O.
P1 P2 G.G.F.
Custo
Coeficiente Custo Total Quant. Custo Unitário Coeficiente
Unitário
30.00 € 1 180,000.00 € 3,000 60.00 € 2
40.00 € 1 108,000.00 € 1,800 60.00 € 1.5

CÁLCULO DOS COEFICIENTES DE EQUIVALÊNCIA

VENDAS
Produção Efectiva Custo Unitário da
Repartição dos Custos CUSTO DOS PRODUTOS VENDIDOS
Equivalente Mat. Prima
MARGEM BRUTA
20,500.00 € 804,083.85 € 39.22 € GASTOS DE VENDAS
60,000.00 € 2,353,416.15 € 78.45 € MARGEM LÍQUIDA
80,500.00 € 3,157,500.00 €
REPARTIÇÃO DOS CUSTOS DAS MATÉRIAS PRIMAS

M.O. G.G.F.
Produção Efectiva
Repart. Prop. Dos Repart. Prop. Dos
Equivalente Custo Unitário Custo Unitário
Custos Custos

20,000.00 € 383,746.22 € 19.19 1,097,885.20 € 54.89 €


46,200.00 € 886,453.78 € 28.78 2,536,114.80 € 82.34 €
66,200.00 € 1,270,200.00 € 3,634,000.00 €
P1 P2
Custo Total do
Custo Total Custo Unitário Quant. Custo Total Período

804,083.85 € 78.45 € 30,000 2,353,416.15 € 3,157,500.00 €


383,746.22 € 28.78 € 30,800 886,453.78 € 1,270,200.00 €
1,097,885.20 € 82.34 € 30,800 2,536,114.80 € 3,634,000.00 €
2,285,715.27 € 189.57 € 5,775,984.73 € 8,061,700.00 €
189.4
REPARTIÇÃO DOS CUSTOS DE M.O E DE G.G.F.
NTESE DOS CUSTOS (UNITÁRIOS E GLOBAIS) DA PRODUÇÃO EFECIVA (Pe)

P1 P2
CUSTOS TOTAIS
Quantidade Custo Unitário Custo Total Quantidade Custo Unitário Custo Total

1,500 45,000.00 € 3,000 180,000.00 € 225,000.00 €


18,500 39.22 € 725,636.65 € 29,000 78.45 € 2,274,968.94 € 3,000,605.59 €
20,000 770,636.65 € 32,000 2,454,968.94 € 3,225,605.59 €

600 24,000.00 € 1,800 108,000.00 € 132,000.00 €


19,400 74.08 € 1,437,182.48 € 30,200 111.12 € 3,355,895.17 € 4,793,077.64 €
20,000 1,461,182.48 € 32,000 3,463,895.17 € 4,925,077.64 €
113.31 € 2,231,819.12 € 189.57 € 5,918,864.11 € 8,150,683.23 €

2) CÔMPUTO DOS CUSTOS TOTAIS DA PRODUÇÃO TERMINADA (Pt)

Critérios Valorimétricos adoptados (ver enunciado), aplica-se o FIFO à Produção em Curso.


ção Terminada (Pt) vamos deduzir a Ei de Produtos em Vias de Fabrico, cujo valor é, face a este critério
os dos produtos que transitam para o armazém de produtos acabados.
nada (Pt) e o Stock Inicial dos Produtos em Vias de Fabrico (aqui designada por Produção do Período)
ção Efectiva (Pe).

ontrados têm o seguinte movimento: A Débito - Produtos Acabados e a Crédito - Fabricação pelo valor
sim, a lacuna indicada no crédito da conta "Fabricação", apresentada no ponto 4. do enunciado.

3) CÁLCULO DO VALOR DA PRODUÇÃO EM VIAS DE FABRICAÇÃO

M.P. M.O. + G.G.F.


TOTAL
Valor Quant. Custo Unitário Valor
78,447.20 € 600 74.08 € 44,448.94 € 122,896.15 € 113.31 €
78,447.20 € 600 111.12 € 66,673.41 € 145,120.62 € 189.57 €
156,894.41 € 111,122.36 € 268,016.77 €

a Conta de Fabricação teria o seguinte aspecto:

FABRICAÇÃO
niciais de PVF 357,000.00 Produção Terminada (Pt) 8,150,700.00
3,157,500.00 Exist. Finais de PVF 268,000.00 arredondado
1,270,200.00
3,634,000.00
8,418,700.00 8,418,700.00

4) DETERMINAÇÃO DAS MARGENS DE LUCRO

P1 P2 TOTAL
4,000,000.00 € 9,000,000.00 € 13,000,000.00 €
2,231,819.12 € 5,548,935.10 € 7,780,754.23 €
1,768,180.88 € 3,451,064.90 € 5,219,245.77 €
400,000.00 € 900,000.00 € 1,300,000.00 €
1,368,180.88 € 2,551,064.90 € 3,919,245.77 €

2,246,900.00 € 5,510,600.00 € 7,757,500.00 €


-15,080.88 € 38,335.10 € 23,254.23 €