Autora Vida e Obra Rachel de Queiroz, escritora da obra O Quinze nasceu na cidade de Fortaleza, no Ceará, dia 17 de novembro do ano

de 1910. Foi filha de Daniel de Queiroz Lima e Clotilde Franklin de Queiroz. Teve descendência direta com José de Alencar, famoso escritor romancista da primeira fase da geração Romântica, autor das obras Iracema e O Guarani . Em 1917, Rachel, em companhia dos pais que procuravam fugir dos horrores da terrível seca de 1915, migrou para o Rio de Janeiro. Essa passagem da vida da autora serviria de inspiração mais tarde para escrever O Quinze , sua primeira obra. Formou-se professora em 1925, aos 15 anos de idade. E sua formação acadêmica se conclui nesse período. Estreou no jornalismo em 1927, com o pseudônimo de Rita de Queluz. O livro O Quinze começou a ser escrito por Rachel em 1930. Com problemas de saúde, em face de uma congestão pulmonar e suspeita de tuberculose, é submetida a um rígido tratamento, e dessa forma obrigada a fazer repouso. Nesse período decidiu escrever um livro sobre a seca nordestina. O cotidiano de retirantes, crianças, e animais que vivem de maneira triste, amarga e sofrida devido à falta de água e alimentos, e toda a miséria que há na região Nordeste são retratados na obra. Todo o drama da exposição dos personagens ao ambiente horroroso o qual habitam é mostrado de forma profundamente real pela autora.

O romance enfoca a grande seca que atingiu o sertão nordestino no ano de 1915, por isso o nome O Quinze , e a conseqüência trazida pela mesma: a migração. Apesar de retratar a seca de 1915 a história continua mais atual do que nunca. A obra é considerada um romance regionalista e de temática social.

Estréia da Rede Globo de Televisão a novela "As Três Marias". Foi a primeira mulher a entrar para a Academia Brasileira de Letras. o Prêmio Machado de Assis. com o romance As Três Marias (1939). escrita em 1953. em 1978. Doralina". foi recebida em 4 de novembro de 1977 pelo acadêmico Adonias Filho. na sucessão de Cândido Mota Filho. Em 1931. Seu pai vem a falecer em 1948. Lampião . em 4 de agosto de 1977. Rachel conquista o prêmio da Sociedade Felipe d' Oliveira. Doralina". No ano de 1975.O romance de fundo social é mostrado aos pais de Rachel. É feita uma tiragem de mil exemplares. e A Beata Maria do Egito . ainda inédita em livro. e devido o sucesso diante da crítica o livro é enviado para o Rio de Janeiro e São Paulo. baseada no romance homônimo da escritora. publica o romance " Dôra. que decidem emprestar dinheiro para que a obra seja publicada. Eleita para a Cadeira de no 5. em 1957. no mês de março. Integra o quadro de Sócios Efetivos da Academia Cearense de Letras (ACL) "O Quinze". É publicada no ano de 1937 a obra Caminhos de Pedra . a editora francesa Stock lança "Dôra. ano em que publica "A Donzela e a Moura Torta ". . Recebe da Academia Brasileira de Letras. escrita para a televisão. intitulado João Miguel. Rachel recebe o prêmio de romance da Fundação Graça Aranha. pelo conjunto de sua obra. No ano de 1932 casa-se com o poeta José Auto da Cruz Oliveira e publica um novo romance. Rachel tem duas peças de teatro. Em 1980. é publicado no Japão pela editora Shinsekaisha e na Alemanha pela Suhrkamp. em 1939. de 1958 e além das duas escreveu a peça O Padrezinho Santo .

trabalhando especialmente na Comissão dos Direitos do Homem. onde serviu como delegada do Brasil. . na Rede Globo de Televisão. que é publicado posteriormente com o título " Tantos anos". Em 2003. Rachel de Queiroz faleceu no Rio de Janeiro em 4 de novembro de 2003. na Academia Brasileira de Letras. até sua extinção. em 1995. Inicia seu livro de memórias. o período entre a 1º Guerra e a 2º Guerra mundial mais conhecido como período entre guerras. o Prêmio Camões e da União Brasileira de Escritores. o Juca Pato. Já no Brasil o modernismo divide espaço com a revolução de 30 que leva Getúli o Vargas a presidência e faz com que tal institua o estado novo. Suas histórias e sua cozinha . em 1989. quando a escritora completou 90 anos de idade. recebe dos governos do Brasil e de Portugal. é inaugurado em Quixadá (CE). Em 2000. Contexto Histórico O Modernismo Brasileiro é dividido em três partes. a ascensão do Nazi -fascismo o Socialismoe o Comunismo. em 1967. a exposição "Viva Rachel". A geração da Prosa tem como contemporaneidade mundial a quebra da bolsa de valores em Nova Iorque no ano de 1929. esc rito em colaboração com a irmã Maria Luiza. em 1996. da minissérie "Memorial de Maria Moura". em colaboração Em novembro deste ano. e também é a época onde o país está se industrializando. recebe o Prêmio Moinho Santista. foi inaugurada. e a aparição de ditaduras através do totalitarismo. até o ano de 1930. Maria Luiza. adaptada da obra da escritora.Rachel foi membro do Conselho Federal de Cultura. Em 1993. Lança em 1992 o romance Memorial de Maria Moura . A Siciliano inicia o relançamento de sua obra completa. A segunda geração é iniciada no ano de 1930 e vai até o ano de 1945 e a terceira geração que vai do ano de 1945 até o ano de 1978. 1994 marca a estréia. o Centro Cultural Rachel de Queiroz. Participou da 21ª Sessão da Assembléia Ge ral da ONU. desde a sua fundação. a primeira geração ocorreu do ano de 1922 com inicio na semana de arte moderna em São Paulo. é publicada Não me Deixes com sua irmã. Pelo conjunto de sua obra. em 1966.

considerado então parte da estética modernista brasileira da segunda geração. . o parnasianismo. e às vezes lhe acontecia citar o Nordau ou o Renan da biblioteca do avô.O livro o O Quinze da autora Rachel de Queiroz é um livro do ano de 1930. e o romantismo. a avó encolhia os ombros e sentenciava que mulher que não casa é um aleijão. Ouvindo isso. Chegara até a se arriscar em leituras socialistas... As suas poucas tentativas de namoro tinham-se ido embora com os dezoito anos e o tempo de normalista.Esta menina tem umas idéias! Estaria com razão a avó? Porque. a intro dução do Realismo principalmente através da prosa nordestina e também o simbolismo. dizia alegremente que nascera solteirona. rabiscara dois sonetos. Há também a simplificação da linguagem utilizando gírias locais. Rachel consegue passar na sua história algumas características que são vitais para o reconhecimento do livro como modernista. vivida na região nordestina o que é o principal tema retratado nas histórias que retratam a região. A segunda geração foi à geração em que os autores utilizavam características em seus textos como: A consolidação e o amadurecimento do modernismo. exemplos disso é a relação do personagem com a seca. Conceição talvez tivesse umas idéias. e justamente dessas leituras é que lhe saíam as principais idéias.estranhas e absurdas à avó. . Um contexto histórico que é provado na obra é que uma das personagens principais Conceição é uma mulher com idéias socialistas identificado nesse trecho: Conceição tinha vinte e dois anos e não falava em casar. de fato. escrevia um livro sobre pedagogia. Um fato também e que a autora utiliza a analise psi cológica nos seus personagens. uma forma de mostrar que é a estética é menos radical do que a primeira geração.

orlada pela galharia negra da caatinga morta. Vicente sentia por toda parte u ma impressão ressequida de calor e aspereza. . onde a família da autora foi obrigada a fugir para escapar de tal. Novamente a cavalo no pedrês. transparente que doía. Verde.Outro fato a ser considerado é a relação dos personagens do livro com a seca da região.Então. depois do almoço vou lá. Os cascos do animal pareciam tirar fogo nos seixos do caminho. tremendo feito uma gaze repuxada. a idéia que nos dá e que a seca e a principal responsável pela infelicidade dos retirantes onde trás a desgraça e responsável também pela falta de comunicação no romance entre Conceição e Vicente. só algum juazeiro ainda escapou à devastação da rama. Lagartixas davam carreirinhas intermitentes por cima das folhas secas do chão que estalavam como papel queimado. Rachel de Queiroz soube muito bem utilizar os fatores da seca e a temática regional para criar esse livro. esse é o fator principal de inspiração para Rachel escrever O Quinze onde a seca é muito bem retratada nesse trecho: O moço foi entrando em casa: . Por isso O Quinze é considerado uma das principais obras da segunda geração modernista brasileira. no caso a seca que assombrou o Ceará em 1915. na monotonia cinzenta da paisagem. O céu. Vicente marchava através da estrada vermelha e pedregosa. vibrava.

com.sampa.e-biografias. .htm http://www.htm http://www.detetivez.art.angelfire.html http://www.hpg.br/literatura/resumo_livro/oquinze.Bibliografia http://www.passeiweb.br/rachel_de_queiroz.br/biografias/racheldequeiroz/ http://www.jornaldosamigos.com/de/queiroz/elementoscont.com/na_ponta_lingua/livros/analises_completas/o/o_quinze pagina 31.net/biografias/rachel_queiroz.php http://www.com.ig.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful