Você está na página 1de 25

Teoria e Prática

Processos Circulares

Série Da Reflexão à Ação


Kay Pranis

Teoria e Prática

Processos Circulares

Tradução de:
Tônia Van Acker
Título original: The Little Book of Circle Processes
Copyright @ 2010
Coordenação editorial: Lia Diskin
Capa e projeto gráfico: Vera Rosenthal
Produção e Diagramação: Tony Rodrigues
Revisão: Júlio Bierrenbach

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Pranis, Kay
Processos Circulares / Kay Pranis ; tradução de Tônia Van Acker.
- São Paulo : Palas Athena, 2010.

Título original: “The little book of circle processes”

1. Administração de conflitos 2. Círculos - Práticas restaurativas 3.


Círculos restaurativos 4. Mediação 5. Solução de problemas I. Título.

10-10308 CDD-303.69

Índices para catálogo sistemático:


1. Conflitos : Mediação : Sociologia 303.69
2. Mediação de conflitos : Sociologia 303.69

1ª edição, setembro de 2010


Todos os direitos reservados e protegidos
pela Lei 9610 de 19 de fevereiro de 1998.
É proibida a reprodução total ou parcial, por quaisquer meios,
sem a autorização prévia, por escrito, da Editora.

Direitos adquiridos para a língua portuguesa por Palas Athena Editora


Rua Leôncio de Carvalho, 99 – Paraíso
04003-010 – São Paulo, SP – Brasil
Fone (11) 3289-5426
www.palasathena.org.br
editora@palasathena.org.br
Conteúdo

Prefácio de Celia Passos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
A renovação de coisas ancestrais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Sobre este livro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Contexto histórico .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Uma visão geral dos Círculos .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

2 Círculos na prática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Como funciona um Círculo de Construção de Paz? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Tipos de Círculo de Construção de Paz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
Aplicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31

3 Estudo de caso –
Virando a página depois de uma greve . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

4 Fundamentos dos círculos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39


Valores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Sabedoria ancestral .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
O processo Circular como praticado
em comunidades de fé .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
K ay Pranis – Processos Circulares

5 Estudo de caso –
Encontrando entendimento na sala de aula .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47

6 Elementos-chave dos círculos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49


Elementos estruturais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
A importância de contar histórias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
Foco nos relacionamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
Estágios do processo do Círculo .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61

7 Estudo de caso –
Superação após um crime violento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65

8 Organizando um círculo de diálogo .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69


1 Estágio – Adequação .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
o
70
2o Estágio – Preparação .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
3o Estágio – Encontro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
4o Estágio – Acompanhamento .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75

9 Estudo de Caso –
Em busca de respeito entre gerações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77

10 Os círculos em perspectiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
O efeito de construção do senso comunitário .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
Em que o Círculo difere de outros
processos similares? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
Desafios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
Conteúdo

11. Estudo de caso –


Encontrando vínculos dentro da família . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89

12. Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91

Anexo 1: O processo do Círculo nas escolas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95


Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
Prefácio

K ay Pranis apresenta, nesta obra, uma visão dos Processos


Circulares, sua filosofia, a natureza do processo e aplica-
bilidade dos diversos tipos Círculo, nos diferentes contextos
e com distintos propósitos. Oferece um roteiro para organi-
zar Círculos, indicando as perspectivas, impactos e desafios
a serem vencidos. Ao intercalar o tema com as histórias de
alguns Círculos em que atuou e os resultados alcançados, Kay
dá concretude ao tema que trabalha. Articula, com maestria,
as bases e fundamentos teóricos com as narrativas e roteiro
para a aplicação prática e, com isso, transmite de forma sim-
ples e objetiva sua vasta experiência, acumulada ao longo de
anos, atuando como facilitadora de Círculos e participando
de seminários e capacitações nos Estados Unidos e em outros
países, dentre os quais Canadá, Austrália e Japão.
Os Processos Circulares apresentados por Kay são ali-
cerçados na forma de diálogo e rituais de aborígenes e em
culturas ancestrais sem que sua obra derive de uma tradição
aborígene específica ou se inspire apenas em recursos das
antigas tradições. Ao longo do tempo os Processos Circulares
passaram por adaptações, agregando, além dessas primeiras
fontes de inspiração, princípios e práticas contemporâneos
inseridos nos métodos para transformação dos conflitos, nas
práticas restaurativas, na comunicação não-violenta, na escuta

•9•
K ay Pranis – Processos Circulares

qualificada e na construção de consenso, para o alcance de


soluções que expressam as necessidades individuais e, ao
mesmo tempo, as do grupo.
Conhecer o trabalho da Kay Pranis me estimulou a apro-
fundar os estudos sobre Círculos e a buscar conhecê-la pes-
soalmente. Participei de dois cursos ministrados por ela. O
primeiro, Implementing Restorative Justice Circle Processes
in Schools and Community e o segundo, An Overview of
Restorative Justice and Peacemaking Circles A Training for
Schools, Community, and Justice Organizations – ambos
promovidos pelo Global Issues Resource Center, Cuyahoga
Community College, The Supreme Court of Ohio, and Ohio
Resource Network, em Cleveland, Ohio, Estados Unidos. A
experiência foi indescritível. Kay é daquelas pessoas cujo
encontro produz uma conexão profunda, estimula e encoraja
mudanças pessoais significativas que promovem alterações
no entorno. Prefaciar a edição brasileira de uma obra de Kay
é antes de tudo um motivo de orgulho.
Os Círculos combinam de forma harmônica o antigo e o
novo. Para algumas culturas os Círculos são considerados
espaços sagrados. E de fato são. Evocam o melhor das pes-
soas. Conduzem ao reaprendizado da convivência e ensinam,
na prática, a lidar com as diferenças. Ressurgem como uma
alternativa de comunicação ao modelo de reunião contempo-
râneo, hierarquizado, que reflete posicionamentos competiti-
vos e expressa a cultura de dominação em que vivemos, onde
o poder e o controle estão quase sempre presentes e servem
como estímulos constantes para os conflitos e a violência nas
mais variadas formas.
Assim, muito além de uma representação geográfica, os
Círculos são uma forma de estabelecer uma conexão pro-
funda entre as pessoas, explorar as diferenças ao invés de

• 10 •
Introdução

exterminá-las e ofertar a todos igual e voluntária oportunida-


de de participar, falar e ser ouvido pelos demais sem interrup-
ção. Além disso, na hipótese de estar envolvida uma tomada
de decisão, os Círculos oferecem a construção do consenso.
A forma geométrica representada pela organização das
pessoas, simboliza os princípios fundamentais de liderança
compartilhada: igualdade, conexão e inclusão, e proporciona
foco, comprometimento e participação de todos em ambiente
seguro e respeitoso.
No Brasil, assim como em outros países, os Círculos vêm
sendo identificados como ferramentas de suma importância
para as práticas restaurativas, com aplicabilidade em inú-
meras áreas, por promoverem o encontro de seres humanos
em sua essência e na mais profunda expressão da verdade.
O ritual do Círculo ajuda a unir as pessoas tornando-se um
instrumento eficiente para a promoção da Cultura da Paz.
Seus resultados são surpreendentes em escolas, onde cria um
clima positivo em sala de aula ou no recreio, resolve problemas
de comportamento, conflitos e estimula reflexões e troca de
experiências. A experiência tem demonstrado que os jovens
respondem muito bem quando são convidados ou quando
aceitam o convite para participar de um Círculo. Ali aprendem
a agir de acordo com os valores vivenciados.
O relato de uma situação de violência escolar comprova
esta afirmativa. Uma jovem, autora de uma agressão à uma
colega de escola, pede a diretora para instalar um Círculo
Restaurativo. Foram adotadas as providências iniciais (Pré-
Círculo) e, uma vez aceitos os convites, o Círculo foi instala-
do. Participaram a professora da turma, a adolescente que
o solicitou, a que aceitou o convite (receptora da agressão),
as respectivas mães e um pequeno grupo de amigos mais
próximos de ambas, além da facilitadora. Todos puderam se

• 11 •
K ay Pranis – Processos Circulares

expressar utilizando o bastão de fala (talking peace), um dos


elementos-chave do Círculo. A jovem agredida foi a primeira
a falar sobre a humilhação que sentiu. Entretanto, o momen-
to mais forte do Círculo ocorreu quando a mãe da menina
autora do ato agressivo relatou suas dificuldades com a recen-
te separação do marido, o sofrimento pelo qual passavam e
seu reconhecimento da falta de habilidade para lidar com a
filha em um momento no qual ela mesma mal podia suportar
seu próprio sofrimento. Afirmou que sabia que a filha vinha
desenvolvendo um comportamento inadequado, diante do
qual se sentia impotente. O relato, de forma tão sincera e
emocionada, produziu no grupo forte solidariedade. A jovem
autora da agressão, por sua vez, assumiu a responsabilidade
pelo que fez e se colocou de forma muito verdadeira. Narrou
sua história a partir da separação dos pais. Relatou o quanto
se sentia perdida e cheia de incertezas e como encontrou no
comportamento agressivo uma forma sentir-se forte e pode-
rosa. Todos tiveram a oportunidade de se expressar de forma
respeitosa sobre seus sentimentos e foram ouvidos com muita
atenção. As várias rodadas do bastão de fala possibilitaram
a compreensão mútua, a assunção de responsabilidades e a
construção de um acordo com base nas necessidades de todos
os envolvidos. Ao final, no acordo construído, ficou acertado
que a jovem autora da agressão permaneceria na escola após o
horário de aula, dois dias por semana, durante dois meses para
estudar e, eventualmente, auxiliar outras crianças mais novas
que apresentassem dificuldades no aprendizado, sempre sob a
orientação de uma professora. Passado algum tempo, durante
o acompanhamento do acordo (pós-círculo), as meninas rela-
taram o quanto gostaram de participar do Círculo e como foi
útil para elas. Afirmaram que não se conheciam bem antes,
mas que ambas agora estavam permanecendo na escola para

• 12 •
Introdução

estudar juntas e melhorar as notas. Muitas vezes ao realizar


o acompanhamento, percebemos que o processo ultrapassa
as formalidades inerentes ao Círculo e os efeitos se ampliam.
Também nos locais de trabalho, em comunidades e vizi-
nhanças, os Círculos têm servido para gerar empatia, compro-
metimento, criar vínculos e estabelecer limites, promovendo
a convivência harmoniosa entre pessoas. São ferramentas
igualmente poderosas. O Círculo de Conversa por vezes é
bastante simples e promove grandes mudanças. É um espaço
para contar histórias, compartilhar e, também, para construir
novas narrativas. O resultado quase sempre é a redução dos
conflitos e um forte sentimento de unidade.
No âmbito do Judiciário, os Círculos Restaurativos têm
possibilitado a resolução de litígios de diversas naturezas,
inclusive nas esferas familiar e penal, cuja carga emocional é
muito grande. Promovem a melhora qualitativa das relações
interpessoais e a solução de controvérsias de forma consciente
e comprometida. No Círculo é possível acolher os sentimentos e
necessidades de todos. É um espaço para as pessoas diretamen-
te envolvidas nos conflitos e também para suas redes de perti-
nência, ou rede primária. Em regra, os Círculos Restaurativos
superam outras ferramentas mediativas para transformação
de conflitos. Quando participam dos encontros, tais redes pri-
márias o fazem com o objetivo de dar suporte às partes, sem
que sejam construídos espaços para suas demandas pessoais.
Os Círculos ganham matizes e dinâmicas específicas de
acordo com sua motivação e o propósito ao qual se destinam,
envolvendo maior ou menor complexidade. Há os Círculos
de Conversa, de Celebração, de Resolução de Conflitos, de
Reintegração, Apoio, Sentença, Recuperação, Compreensão,
Comunitários, de Aprendizagem Compartilhada, entre tantos
outros.

• 13 •
K ay Pranis – Processos Circulares

A obra de Kay Pranis é tão encantadora quanto necessária


para esse conturbado momento de nossa existência. Somos
testemunhas dos danos decorrentes de nossa desconexão, e
também do poder de cura que a conexão tem, quando se faz
sentir. Os Círculos são espaços de encontro. Precisamos, mais
do que nunca, encontrar maneiras de compreender e respei-
tar nossas diferenças e reconhecer a valiosa contribuição de
cada pessoa, para criar um espaço comum qualitativamente
diferenciado.
Cabe um alerta. Entrar em contato com a verdade com-
partilhada, estabelecer um compromisso com a não-violên-
cia, reconhecer a interdependência que rege a vida e nos une
incondicionalmente, restabelecer a confiança mútua – são
um ideal e também um desafio. Mas esse compromisso é tão
necessário como o ar que respiramos. Vale aceitar o convite.

Celia Passos
Diretora Fundadora do ISA – ADRS

• 14 •
1
Introdução
“Somos todos amantes e todos destruidores. Todos têm medo e, ao mes-
mo tempo, querem desesperadamente confiar. Esta é parte de nossa luta.
Precisamos contribuir para que surja em nós o mais belo e nos afastemos
dos poderes da escuridão e da violência. É preciso aprender a dizer: ‘Esta é
minha fragilidade. Devo conhecê-la e usá-la de forma construtiva’”.
Jean Vanier1

A RENOVAÇÃO DE TRADIÇÕES ANCESTRAIS

N ossos ancestrais se reuniam num círculo em torno do


fogo. As famílias se reuniram em volta da mesa da cozi-
nha durante séculos. Hoje a Comunidade está aprendendo a
se reunir em círculo para resolver problemas, apoiar uns aos
outros, e estabelecer vínculos mútuos.
Uma nova forma de congregar as pessoas, chegar ao
entendimento mútuo, fortalecer relacionamentos e resolver
problemas grupais está florescendo nas comunidades do
Ocidente. Mas essa nova metodologia é muito antiga. Ela se
inspira, por exemplo, na antiga tradição dos índios norte-
americanos de usar um objeto chamado bastão de fala, que
passa de pessoa para pessoa dentro do grupo, e que confere a
seu detentor o direito de falar enquanto os outros ouvem. Essa
antiga tradição se mescla aos conceitos contemporâneos de
democracia e inclusão, próprios de uma complexa sociedade
multicultural.

• 15 •
K ay Pranis – Processos Circulares

Os Círculos de Construção de Paz estão sendo usados em


variados contextos. Dentro dos bairros eles oferecem apoio
para aqueles que sofreram em virtude de um crime – e ajudam
a estabelecer a sentença daqueles
que o cometeram. Nas escolas,
Os círculos estão criam um ambiente positivo na
sendo usados sala de aula e resolvem problemas
em bairros, de comportamento. No local de
escolas, locais trabalho, ajudam a tratar de con-
de trabalho, flitos. No âmbito da assistência
centros de social, desenvolvem sistemas de
assistência social apoio mais orgânicos, capazes de
e no sistema ajudar pessoas que estão lutando
judiciário. para reconstruir suas vidas.
O processo do Círculo é um
processo que se realiza através do
contar histórias. Cada pessoa tem uma história, e cada his-
tória oferece uma lição. No Círculo as pessoas se aproximam
das vidas umas das outras através da partilha de histórias
significativas para elas. Como sugerem as três ilustrações
a seguir, as histórias unem as pessoas pela sua humanidade
comum e as ajudam a apreciar a profundidade e beleza da
experiência humana.
•••
Um menininho da primeira série chega esbaforido para a funcionária
que supervisiona o recreio, exclamando: “Dona Teresa, Dona Teresa!
Preciso de um bastão de fala!” Dona Teresa põe a mão no bolso e tira
um pequeno dinossauro de plástico, oferecendo-o à criança. Ele agarra
o dinossauro e sai correndo para reencontrar um grupo de alunos que,
minutos antes, estavam discutindo. Com a ajuda do bastão de fala, os
pequenos discutem suas diferenças e encontram uma solução com a qual
todos concordam.

• 16 •
Introdução

Em Minnesota, legisladores, analistas de políticas públicas, admi-


nistradores governamentais e agentes da vara da infância e adolescência
estão sentados com adolescentes infratores a fim de discutir a política
estatal para menores infratores naquele estado. Quando o bastão de fala
vai passando em volta da mesa, cada pessoa tem igual oportunidade de
ouvir e expor sua perspectiva. Todos escutam atentamente a pessoa que
estáfalando.Depoisdeescutarediscutircuidadosamente,cadamesachega
a uma posição de consenso no tocante ao item em discussão.
•••
Num bairro de uma pequena cidade do interior, um adolescente
e sua mãe integram um Círculo junto com cerca de uma dúzia de
membros da comunidade e profissionais do judiciário, incluindo um
promotor e um advogado de defesa fornecido pelo estado. O grupo se
levanta e dá as mãos como mostra de gratidão pela oportunidade de
reunirem-se como comunidade para oferecer apoio a esse adolescente e
sua família. O bastão de fala vai passando e as pessoas se apresentam.
Cada um dá boas-vindas ao jovem e sua mãe.
Na segunda volta do bastão os participantes do Círculo perguntam
aojovemsobreseuprogressonaescola,seucomportamentoemcasaeseus
interesses. Dois membros do Círculo visitaram sua escola e se oferecem
para ajudá-lo a recuperar-se nas matérias acadêmicas. A mãe do jovem
expressasuapreocupação,poisachaqueeleestásaindodecasasemocon-
sentimento dela. Fala ainda de seus temores sobre o que pode acontecer
quando ele está na rua à noite.
Àmedidaqueobastãovaicirculandoentreospresentes,elespartilham
osmedoseansiedadesdesuaprópriaadolescência.Nodiálogocomojovem,
expressamseuinteresseecuidado,mastambémsuasexpectativasemrelação
a frequência na escola, lições de casa, e permissão da mãe para sair de casa.
Tanto o jovem como a mãe reagem calorosamente às manifestações
deapoioepreocupaçãodoCírculo.Ambosconseguemouvirumaooutro
melhor através do uso do bastão de fala, e saem com uma compreensão
mais clara das preocupações e frustrações do outro.

• 17 •
K ay Pranis – Processos Circulares

O jovem promete que irá respeitar o acordo, e o grupo marca um


próximo encontro circular para verificar seu progresso. O grupo se levanta
e dá as mãos para celebrar o fechamento de um trabalho produtivo.
•••
Círculos de Construção de Paz como estes, antes descri-
tos, reúnem pessoas que se tratam como iguais e mantêm
trocas honestas sobre questões difíceis e experiências dolo-
rosas, num ambiente de respeito e atenção amorosa para
com todos. Esses Círculos estão
sendo realizados em contextos
A filosofia cada vez mais variados, ofere-
dos Círculos cendo espaços onde pessoas com
reconhece que visões muito divergentes podem
todos precisam se reunir para falar francamente
ajuda e que, sobre conflito, dor e raiva, e sair
ajudando os se sentindo bem em relação a si
outros, estamos mesmas e aos outros.
ao mesmo A filosofia subjacente aos
tempo, ajudando Círculos reconhece que todos
a nós mesmos. precisam de ajuda e que, ajudan-
do os outros, estamos ao mesmo
tempo, ajudando a nós mesmos.
Os participantes do Círculo se beneficiam da sabedoria
coletiva de todos. Seus integrantes não estão divididos em
provedores e recebedores. Os Círculos recebem o aporte
da experiência de vida e sabedoria do conjunto de partici-
pantes, gerando assim uma nova compreensão do problema
e possibilidades inéditas de solução.
Os Círculos de Construção de Paz reúnem a antiga
sabedoria comunitária e o valor contemporâneo do res-
peito pelos dons, necessidades e diferenças individuais num
processo que:

• 18 •
Introdução

• Respeita a presença e dignidade de cada participante;


• Valoriza as contribuições de todos os participantes;
• Salienta a conexão entre todas as coisas;
• Oferece apoio para a expressão emocional e espiritual;
• Dá voz igual para todos.

SOBRE ESTE LIVRO


A presente obra é uma visão geral dos Círculos de
Construção de Paz e foi concebida para familiarizar os lei-
tores com a natureza do processo, a filosofia que o embasa
e os modos de aplicação dos Círculos. Não se trata de uma
descrição detalhada do processo nem de uma explicação sobre
como conduzir os Círculos.
Descreveremos como conduzir um Círculo de Diálogo sim-
ples mas tal explicação não constitui preparação suficiente
para liderar Círculos mais complexos. Para ser facilitador de
um Círculo é preciso muito mais do que arrumar as cadei-
ras em roda. Recomenda-se que os facilitadores passem por
um treinamento antes de conduzirem um Círculo envolvendo
circunstâncias de conflito, emoções fortes, ou situações de
vitimização.2

CONTEXTO HISTÓRICO
Os Círculos de Construção de Paz descendem diretamen-
te dos tradicionais Círculos de Diálogo comuns aos povos
indígenas da América do Norte. Reunir-se numa roda para
discutir questões comunitárias importantes é algo que faz
parte das raízes tribais da maioria dos povos. Essas práticas
ainda são cultivadas entre povos indígenas do mundo todo e
temos em relação a eles uma imensa dívida de gratidão, pois
mantiveram vivas práticas que vieram a ser fonte de sabedoria
e inspiração para as nossas culturas ocidentais modernas.

• 19 •
K ay Pranis – Processos Circulares

Por mais de 30 anos, na sociedade contemporânea em


geral, longe dos olhares da maioria, os Círculos vêm sendo
praticados em pequenos grupos de pessoas não indígenas.
Em especial grupos de mulheres vêm utilizando amplamente
os Processos Circulares formais principalmente no contexto
de partilha de experiências pessoais dentro de uma comu-
nidade de apoio. Alguns indivíduos levaram a experiência
dos Círculos Pessoais para contextos públicos, mas o esforço
sistemático para utilizá-los em processos públicos contempo-
râneos, como na justiça criminal, é algo relativamente novo
e partiu do trabalho iniciado em Yukon, Canadá, no início da
década de 1990.

Visão Geral dos Círculos

Um Círculo de Construção de Paz é uma forma


de reunir as pessoas de modo que:

• Todos sejam respeitados;


• Todos tenham igual oportunidade de falar sem serem
interrompidos;
• Os participantes se expliquem contando sua história;
• Todos são iguais. Ninguém é mais importante que o outro;
• Aspectos emocionais e espirituais da experiência indivi-
dual são acolhidos.

Os Círculos de Construção de Paz são úteis


quando duas ou mais pessoas:

• Precisam tomar decisões conjuntas;


• Discordam;
• Precisam tratar de uma experiência que resultou em danos
para alguém;

• 20 •
Introdução

• Querem trabalhar em conjunto como uma equipe;


• Desejam celebrar;
• Querem partilhar dificuldades
• Desejam aprender uns com os outros.

O Círculo de Construção de Paz é forte


o suficiente para conter:

• Raiva
• Frustração
• Alegria
• Dor
• Verdade
• Conflito
• Visões de mundo diferentes
• Sentimentos fortes
• Silêncio
• Paradoxos

Este livro é sobre processos em círculo originados no con-


texto público, ou seja, Círculos utilizados mais no contexto de
construção do senso comunitário do que o de desenvolvimen-
to pessoal, muito embora todos os círculos eficazes acabem
levando ao engajamento pessoal dos envolvidos, ligando-os
de modo profundo e pessoal e, portanto, contribuindo para
seu desenvolvimento pessoal. Nos Estados Unidos os Círculos
de Construção de Paz foram introduzidos com a filosofia da
justiça restaurativa, que inclui todos os envolvidos (as vítimas
de um crime, os perpetradores, e a comunidade) num proces-
so de compreensão dos danos e criação de estratégias para
reparação dos mesmos.3

• 21 •
K ay Pranis – Processos Circulares

O processo em Círculo de Construção de Paz começou nos


Estados Unidos dentro do escopo da justiça criminal do estado
de Minnesota. Oferecia-se um caminho para incluir as víti-
mas de um crime, seus perpetradores e a comunidade numa
parceria com o poder judiciário, a fim de determinar a reação
mais eficaz a um crime para promover o bem-estar e a segu-
rança de todos. Os objetivos do Círculo incluem: desenvolver
um sistema de apoio àqueles vitimados pelo crime, decidir a
sentença a ser cumprida pelos ofensores, ajudá-los a cumprir
as obrigações determinadas e fortalecer a comunidade a fim
de evitar crimes futuros.
Hoje, comunidades rurais,
suburbanas e urbanas estão uti-
lizando o processo em casos de
Processos
crime envolvendo adultos e ado-
circulares estão
lescentes. Os Círculos acontecem
presentes na
em uma ampla gama cultural de
maioria das
comunidades, incluindo afro-
tradições.
descendentes, euro-americanas,
asiáticas, latinas, cambojanas e
de índios norte-americanos.
Embora os Círculos tenham começado no contexto das
varas criminais e das audiências de sentenciamento, os ofi-
ciais de condicional encontraram novas aplicações para essa
abordagem dentro do sistema judiciário. Profissionais inova-
dores começaram a usar os círculos para facilitar a integração
de egressos da prisão, e também para aumentar a eficácia
da supervisão comunitária sobre as pessoas em liberdade
condicional.
Os Círculos em Minnesota surgiram no contexto da
justiça criminal mas logo começaram a ser utilizados em
outros contextos. Voluntários que trabalhavam nos círculos

• 22 •
Introdução

restaurativos logo viram que o processo seria útil em muitas


situações não relacionadas ao crime, e levaram os Círculos
para as escolas, locais de trabalho, assistência social, igrejas,
associações de bairro e famílias.
A disseminação dos Círculos de Construção de Paz foi
espontânea e orgânica e as sementes se espalharam de um
lugar para o outro muito mais pelo interesse e compromisso
individual das pessoas do que devido a planejamento estra-
tégico e implementação organizada.

• 23 •