P. 1
As Massas de Ar- perturbação frontal

As Massas de Ar- perturbação frontal

|Views: 3.314|Likes:
Publicado poridaliateixeira2846

More info:

Published by: idaliateixeira2846 on Nov 04, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/19/2013

pdf

text

original

As Massas de Ar…

…e os Sistemas Frontais

Massas de ar

Porção da atmosfera horizontalmente homogénea, no que respeita à T.ª, à humidade e à densidade.

A área de origem (onde se formam) permite designar massas de ar: Equatoriais Tropicais Polares

acabando por se modificarem ao afastarem-se das regiões de origem.Massas de ar De acordo com a humidade as massas podem classificar-se como: – – Massa de ar marítima – formada no oceano Massa de ar continental – formada no continente De acordo com a T.ª. . podem ser: – – Massa de ar quente – vinda do equador Massa de ar frio – vinda dos pólos Nota: As características de uma massa de ar não são constantes.

).N. No Verão estão mais deslocadas para Norte e no Inverno chegam a atingir as regiões subtropicais .Massas de ar Da conjunção da humidade e da temperatura resultam 4 tipos de massas de ar que afectam a Europa: Tropical marítimo (TM) originam-se nas altas pressões subtropicais Tropical continental (TC) Polar marítimo (PM) Polar continental (PC) originam-se nas altas pressões polares (H.

•Provém das regiões oceânicas das altas latitudes ou pode resultar do ar continental que tem um longo trajecto marítimo •É menos frio que o ar polar continental e relativamente húmido •Provém. do interior dos continentes das médias e das altas latitudes •É muito frio e seco •Provém das regiões tropicais oceânicas •É muito quente e muito húmido •É proveniente das regiões tropicais. do interior dos continentes •É muito quente e seco . no Inverno.

Superfície frontal – é uma superfície de descontinuidade entre duas massas de ar de natureza física (T. humidade e densidade) e dinâmica (sentido de deslocação) diferentes. tem tendência a meter-se em cunha por debaixo do ar quente mais leve.Superfícies frontais e frentes – Noções gerais Frente – é a linha de intersecção da superfície frontal com a superfície da Terra. Superfície frontal polar – é uma superfície de contacto (que separa) entre o ar quente tropical e o ar frio polar. Esquema de uma superfície frontal .ª. Como o ar frio é mais pesado.

.Tipos de frentes e tipos de nuvens associadas As frentes (e as superfícies frontais) podem ser quentes e frias.frente ao longo da qual o ar quente substitui o ar frio.frente ao longo da qual o ar frio substitui o ar quente. – – Frente quente . Frente fria .

o que constitui como que uma “frente de batalha”.Formação e evolução da frente polar A superfície frontal polar encontra-se nos dois hemisférios. . a massa de ar frio polar desloca-se para sul e a massa de ar quente tropical para norte.N. fazendo-se se sentir nas latitudes médias. Deste deslocamento surge o confronto entre duas massas de ar completamente diferentes. afectando o clima português. onde disputam o ar frio polar e ao quente tropical. No H.

a interpenetração destas massas de ar vai sendo mais acentuada.Formação e evolução da frente polar Sistema frontal – é a associação de duas ou mais frentes 1. formando uma superfície frontal cada vez mais ondulada.º . .A frente não apresenta ondulações. dizendo-se estacionária – – O ar polar desloca-se de Este para Oeste O ar tropical desloca-se de Oeste para Este 2.º .

permitindo individualizar os respectivos sectores de ar quente e de ar frio .º . com as suas frentes quentes e frias.Formação e evolução da frente polar (cont.) 3.A frente polar tornou-se muito ondulada evoluindo para um sistema frontal.

.

– Frente quente. entre o ar quente tropical e o ar frio polar anterior Frente fria.Perturbação frontal– Quando a frente polar evolui para uma perturbação frontal é possível individualizar 3 sectores: Estes sectores são separados pela: – é a conjugação de duas frentes contíguas (1 fria e 1 quente) associadas a uma baixa pressão. entre o ar frio posterior e o ar quente tropical Perturbação frontal em plano horizontal (em cima) e vertical (em baixo) . no interior da qual o ar circula.

) Nota: as perturbações frontais da frente polar deslocam-se sempre de Oeste para Leste. uma vez que são transportadas pelos ventos de Oeste A frente polar acompanha o movimento aparente do sol. de Sudoeste para Nordeste. . ou por vezes.Perturbação frontal (cont. nas regiões de elevadas latitudes. No Verão. No Inverno é mais nítida e vigorosa. é menos activa e acantona-se mais para norte.

uma sucessão de estados de tempo. .Estados de tempo associados à passagem de um sistema frontal A passagem de um sistema frontal (ou de uma perturbação frontal) origina. nos diversos sectores.

que se vai aproximando.ª mantém-se relativamente constante ou aumenta gradualmente . sob a forma de chuviscos A T. Aproximação da frente quente/superfície frontal quente O lugar A está a ser afectado por ar frio polar e por uma superfície frontal quente (em altitude). com formação de nuvens altas e finas Aumenta a humidade Aumenta a precipitação.1. Aumenta nebulosidade.

2. Ao subir. Chuvas de longa duração e mais ou menos contínuas (chuviscos) Progressivo aumento da T. originando precipitação frontal. Céu muito nublado.ª Vento fraco . ocorre o processo adiabático. que lhe serve de rampa. Influência da frente quente/superfície frontal quente O ar quente por ser mais leve. eleva-se e desloca-se por cima do ar frio. As nuvens são de fraco desenvolvimento vertical (pouco espessas) devido ao fraco declive da superfície frontal.

alternando com boas abertas T.3.ª elevada Vento fraco . Sobre a influência de ar quente tropical Há uma melhoria do estado do tempo: Céu limpo ou pouco nublado Curtos períodos de chuva.

Aproximação e passagem da frente fria/superfície frontal fria Com a aproximação da frente fria surge novo período turbulento. pois o ar frio avança em cunha por debaixo do ar quente. acompanhadas de fortes trovoadas Diminuição da T. Céu muito nublado. grossas (aguaceiros) e muito intensas. As nuvens são de grande desenvolvimento vertical (muito espessas) devido ao grande declive da superfície frontal Chuvas de curta duração.ª Aumento da velocidade e intensidade do vento .4. obrigando-o a elevar-se e originando o processo adiabático.

5. Nota: O período de vida de um sistema frontal é curto (2/3 dias. no máx. o tempo vai melhorar progressivamente até ao desaparecimento total da nebulosidade: o céu tende a ficar limpo ou pouco nublado. Após a passagem da superfície frontal fria Baixas temperaturas Aguaceiros dispersos Pouco tempo depois da passagem da frente fria. 1 semana) . se outra perturbação frontal não lhe seguir.

resumo . Evolução de uma perturbação frontal – os diferentes estados de tempo .5.

A superfície frontal fria/frente fria deslocam-se mais rapidamente que a quente. no máx. . 2. Ocorre a oclusão.º . 3. havendo uma junção do ar frio posterior e anterior. Desaparece. assim.º .A frente fria atinge a frente quente.º . dando origem à superfície frontal oclusa/frente oclusa. 1 semana) 1. levando à ascensão forçada de todo o ar quente. reduzindo cada vez mais a distância que separa as duas frentes.O sector do ar quente vai sofrendo um progressivo estrangulamento.Oclusão de um sistema frontal O período de vida de um sistema frontal é curto (2/3 dias. o sistema frontal.

Oclusão de um sistema frontal .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->