P. 1
Tratamento de esgoto (saneamento)

Tratamento de esgoto (saneamento)

4.82

|Views: 22.285|Likes:
CURSO DE TRATAMENTO DE ESGOTO
CURSO DE TRATAMENTO DE ESGOTO

More info:

Published by: Gustavo Henrique Wanderley on Jul 28, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/24/2013

pdf

text

original

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

Capítulo 1: Introdução ao Tratamento de esgoto:

1.1 Introdução:

A vazão que deve entrar numa estação de tratamento de esgoto é um dos principais parâmetros para se projetar estações de tratamento de esgoto. A vazão tanto serve para o dimensionamento das unidades do sistema de tratamento, quanto para o estudo de autodepuração e enquadramento na legislação vigente. Anteriormente a vazão de esgoto afluente a ETE é importante conhecer também os principais tipos de sistemas de esgotamento sanitário existentes: a. Sistema de esgotamento Unitário ou Combinado: águas residuárias (domésticas e industriais), águas de infiltração (água do solo que penetra nas tubulações) e águas pluviais são coletadas pela mesma tubulação. b. Sistema separador absoluto: as águas residuárias e águas de infiltração veiculam por tubulação independente da água de chuva. No Brasil, devido a quantidade de chuvas, é adotado o sistema separador absoluto. Os problemas encontrados são os das ligações clandestinas de água de chuva nas redes de esgoto, causando um aumento na vazão de projeto.

“ apenas 10 % dos nossos esgotos são tratados e 30 % são coletados adequadamente”

No Brasil, dos cerca de 160 milhões de habitantes, apenas 48 milhões recebem rede coletora de esgoto sanitário e apenas 16 milhões de pessoas tem seus esgotos tratados. Existem os sistemas locais de tratamento de esgoto que não necessitam de rede coletora, pois os mesmos são tratados no local da sua geração. Este tipo de sistema tem sido ótima solução para várias localidades. Para o projetar as Estações de Tratamento de Esgoto deve-se quantificar e qualificar o melhor possível tanto o esgoto doméstico quanto o industrial. Veremos no capítulo 1 metodologias para a caracterização e quantificação.

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

51

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

1.2 Vazões de Projeto (esgoto):

a) Verificação no Local: Para elaboração de projetos de pequenas comunidades ou indústrias que já tenham prontas suas instalações, principalmente o sistema de coleta construído. A medição de vazão pode ser de forma manual, com apenas um balde de volume aferido e um cronômetro pode-se determinar a vazão de uma pequena comunidade. Q ⇒ Vazão de esgoto; V ⇒ Volume do recipiente; T ⇒ Tempo de enchimento; Q = V / T; “A vazão é igual ao volume do recipiente dividido pelo tempo em que o mesmo foi preenchido pelo líquido”.

Para melhor precisão deve ser feito o maior número de amostras durante um dia. O ideal é medir a vazão 24 vezes por dia durante 1 mês.

b) Medição através de micro medição da água: Caso exista um controle e confiabilidade no sistema de micro medição e conhecimento do coeficiente de retorno, pode-se calcular a vazão de esgoto. A micro medição é a somatória dos volumes que passam pelos hidrômetros das edificações. O coeficiente de retorno representa a fração da água que retorna ao sistema coletor de esgoto, sendo a outra parte infiltrada nos jardins ou destinada as galerias de água pluvial. Esta metodologia deve considerar a vazão devido a infiltração na rede coletora de esgoto.

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

52

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

Tabela 1: Valores usuais do coeficiente de retorno ( CR ). Condição Grandes Cidades cr 0,85 Cidades médias 0,8 Cidades Pequenas 0,7

c) Vazão através da estimativa populacional: Este método é usado principalmente quando o projeto da ETE prever um crescimento populacional durante o tempo de operação. Para isso deve-se estudar vários parâmetros como tendência do crescimento populacional, código de obras, plano diretor, planejamento municipal e etc. O valor encontrado nos dá a estimativa de uma população futura que nos dará o consuma de água e de esgoto.

c.1) Método aritmético:
Ka = ( p2 – p1 ) / ( t2 – t1 ); P1 = População do penúltimo senso; P2 = População do último senso; T1 = ano do penúltimo senso; T2 = ano do último senso; T = ano da projeção; P = População estimada para o ano de projeção.

P = P2 + Ka ( t – t2 ) onde

Método bom para ser utilizado para uma estimativa do crescimento populacional em no máximo 5 anos de projeção.

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

53

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

c.2) método do prolongamento manual:

As previsões das populações futuras podem ser estimadas prolongando-se manualmente a curva, de acordo com a tendência geral verificada, usando um julgamento próprio. No prolongamento manual podem ser utilizados gráficos de locais semelhantes como comparação para a minimização do erro. Este método requer bom senso e conhecimento de locais similares para a comparação. Deve ser sempre usado como parâmetro de comparação de outros métodos de estimativa populacional.

c.3) método geométrico:
Kg = (ln P 2 – ln P1 ) / (T2 – T1 ); P1 = População do penúltimo senso; P2 = População do último senso; T1 = ano do penúltimo senso; T2 = ano do último senso; T = ano da projeção; P = População estimada para o ano de projeção.

ln P = ln P2 + Kg ( T – T2 ) onde

Neste método o crescimento populacional é pressuposto ilimitado, portanto também deve ser usado para tempos curtos de no máximo 5 anos.

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

54

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

c.4) método da curva logística: P = K / (1 + e a – b . t );
P0 = População relativa ao tempo T0 ;

K = 2 P0 P1 P2 – ( P1 )2 ( P0 + P2 ) P0 P2 – ( P1 )2

P1 = População relativa ao tempo T1 ; P2 = População relativa ao tempo T2 ; P = População estimada para o ano de projeção;

b=-

1 0,4343d

log P0 ( K – P1 ) P1 ( K – P0 )

T1 – T0 = T2 – T1 ; P0 , P1 e P2 devem ser tais que Po < P1 < P2 ; P0 , P1 e P2 devem ser tais que Po x P2 < P1 ;

a=

1 0,4343

log ( K – P0 ) P0

d = intervalo constante entre os anos To , T1 e T2 .

A curva logística possui três trechos distintos: crescimento acelerado, crescimento retardado e estabilização. Considera-se neste método um limite de saturação (K). O método é bom para estimativa em até 20 anos, apesar de que se deve sempre comparar este método com o do prolongamento manual. Quanto maior o número de informações sobre a população melhor será a estimativa da vazão.

d) Cálculo da vazão média de esgoto tendo-se estimada a população:
P ⇒ população estimada; q ⇒ Consumo per capita de água; cr ⇒ Coeficiente de retorno de esgoto; Q ⇒ Vazão do esgoto.

Q = p . q . cr / 1000 ( m3 /d ); Q = p . q . cr / 86400 ( l / s );

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

55

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

Tabela 2: Consumo per capita de água(q). Porte da comunidade Faixa da população (hab.) Povoado rural < 5.000 Vila 5.000 – 10.000 Pequena localidade 10.000 – 50.000 Cidade média 50.000 – 250.000 Cidade Grande > 250.000 Fonte: Sperling, M. V.(1996) Tabela 3: Valores típicos do consumo de água(q): Estabelecimento Unidade Aeroporto Passageiro Alojamento Residente Banheiro Público Usuário Bar Freguês Cinema / Teatro Assento Escritório Empregado Hotel Hóspede Hotel Empregado Indústria (esgoto sanitário ) Empregado Lanchonete Freguês Lavanderia – Comercial Máquina Loja Banheiro Loja Empregado Loja de Departamento Banheiro Loja de Departamento Empregado Restaurante Refeição Clínica de Repouso Residente Clínica de Repouso Empregado Escola rica Estudante Escola média Estudantes Prisão Detento Prisão Empregado Fonte: NBR 7229, Metcalf & Eddy (1991).

Consumo per capita- q (l/hab.dia) 90 – 140 100 – 160 110 – 180 120 – 220 150 – 300

Vazão (l/unidade.dia) 15 130 25 15 8 50 150 50 70 15 3000 1500 40 2000 40 40 400 50 100 60 400 50

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

56

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

Tabela 4: Consumo de água industrial: Ramo Tipo Unidade Consumo de água (m3 / unidade produzida) 40 20 8 0.4 8 8 15 15 4 3 500 600 50 130 50 50 30 5 150 150 200 220 110 l/d 15 150 50 125 500 0,3 13 115 80 25 25 10 16

1 ton. de açúcar 1 ton. de produto 1 ton. de açúcar 1 boi / 2,5 porcos 1000 l de leite 1000 l de leite 1 Ton. de margarina Cervejaria 1000 l de cerveja Padaria 1 ton. De pão Refrigerantes 1000 l de refr. Têxtil Algodão 1 ton. Produto Lã 1 ton. Produto Rayon 1 ton. Produto Nylon – polyester 1 ton. Produto Lavanderia de lã 1 ton. Produto Tinturaria 1 ton. Produto Couro Curtume 1 ton. Pele Sapato 1000 pares Polpa e Fabricação de Polpa 1 ton. Produto Papel Embranquecimento de Polpa 1 ton. Produto Fabricação de Papel 1 ton. Produto Polpa e papel integrados 1 ton. Produto Químicas Tinta 1 empregado Vidro 1 ton. Vidro Sabão 1 ton. de sabão Ácido, Base e Sal 1 ton. de cloro Borracha 1 ton. Produto Borracha sintética 1 ton. Produto Refinaria de petróleo 1 barril (117 l ) Detergente 1 ton. Produto Amônia 1 ton. Produto Dióxido de Carbono 1 ton. Produto Gasolina 1 ton. Produto Farmacêuticos (vitaminas) 1 ton. Produto Mineração Carvão 1 ton. Carvão Ferro 1 m3 minério Fonte.: CETESB (1976), Metcalf & Eddy ( 1991) .

Alimentar

Frutas legumes em conservas Doces Açúcar de Cana Matadouros Laticínios Laticínios Margarina

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

57

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

Uma maneira de conseguir o valor mais real possível do consumo per capita (q) é através da verificação real, ou seja, uma pesquisa nas edificações similares: 1. Escolhe-se residências ou indústrias com mesmas características da estudada; 2. Verifica a micromedição (através dos hidrômetros) em 12 meses; 3. Verifica a população do bairro ou unidade de produção da indústria estudada; 4. 5. q = Volume micromedido / (365 dias x população) ou q = volume micromedido / produção;

6. Verifica se sistemas produtivos são similares no caso de indústria e se população tem mesma característica no caso de residências. obs.: Caso seja inviável o estudo acima deve-se considerar o valor médio da tabela 2.

e) Vazão de projeto: Sabe-se que a organização social faz com que os homens tenham atitudes similares. A grande maioria da população usa a água próximo das 12:00 e das 18:00 horas, causando um pico de vazão em alguns horários como mostrado no gráfico 1. Com a variação da vazão variando durante o dia, algumas unidades do sistema de tratamento de esgoto devem ser projetadas para a vazão máxima. Deve-se considerar também as variações de consumo pela mudança de hábito devido às variações de clima nas diversas estações do ano. Tendo sido prática a adoção dos seguintes coeficientes de variação da vazão média de água: K1 = 1,2 ( coeficiente do dia de maior consumo – devido principalmente a temperatura ); K2 = 1,5 ( coeficiente da hora de maior consumo – devido aos hábitos humanos ); K3 = 0,5 ( coeficiente da hora de menor consumo ); Assim: Qmáximo-dia (Qdmáx) = K1 . Q ; Qmáximo-horário (Qhmáx ) = K1 . K2 . Q ; Qmínimo ( Qmín )= K 3 . Q. Deve-se adicionar aos valores acima a vazão devida a infiltração na rede coletora de esgoto. A norma NBR 9649 da ABNT, diz: “TI, Taxa de contribuição de infiltração,
Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ 58

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

depende de condições locais tais como: Nível de água do lençol freático, natureza do subsolo, qualidade da execução da rede, material da tubulação e tipo de junta utilizado. O valor entre 0,05 a 1,0 l/s.km adotado deve ser justificado”. Tabela 5: Taxas de infiltração recomendadas para projetos: Autoria Local TI (l/s.km) Metcalf & Eddy Inc. EUA 0,15 a 0,6 SABESP Estado de São Paulo 0,05 a 0,5 NBR 9649 – ABNT Brasil 0,05 a 1,0 J.R.Campos & F.Y.Hanai Araraquara 0,17

Ano 1981 1984 1986 1997

Gráfico 1: Curvas de demanda de água da cidade de Campinas:
CURVA DE DEMANDA
2 1,9 1,8 1,7 1,6 1,5 1,4 1,3 1,2 1,1 1 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 0
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24

CURVA DE DEMANDA
45 40 35 TEMPERATURA 30 25 20 15 10 5 0 2 1,9 1,8 1,7 1,6 1,5 1,4 bomba 1,3 1,2 1,1 1 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 0 DEMANDA
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24

45 40 35 TEMPERATURA 30 25 20 15 10 5 0 HORA GERÊNCIA DE OPERAÇÃO DE ÁGUA - SANASA - OPA

DEMANDA

curva de demanda temperatura

curva de demanda temperatura

HORA

GERÊNCIA DE OPERAÇÃO DE ÁGUA - SANASA - OPA

CURVA DE DEMANDA
2 1,9 1,8 1,7 1,6 1,5 1,4 1,3 1,2 1,1 1 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 0
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24

CURVA DE DEMANDA
2 1,9 1,8 1,7 1,6 1,5 1,4 1,3 1,2 1,1 1 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 0
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24

45 45 40 35 30 25 20 15 10 5 0 HORA GERÊNCIA DE OPERAÇÃO DE ÁGUA - SANASA - OPA TEMPERATURA curva de demanda temperatura 40 35 30 TEMPERATURA 25 20 15 10 5 0 HORA GERÊNCIA DE OPERAÇÃO DE ÁGUA - SANASA - OPA DEMANDA

DEMANDA

curva de demanda temperatura

Como pode-se verificar nos gráficos acima, os valores de vazão de pico e mínima deram 1,5 e 0,5 respectivamente, coerentes com os adotados nos projetos da cidade de Campinas. Os gráficos foram monitorados pelo Eng º Emerson Marçal Júnior através de
Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ 59

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

macro medição na saída do reservatório pulmão, que abastece 90 % da cidade de Campinas. O trabalho tinha como finalidade o controle de perdas d’água e serviu como dados técnicos para o setor de planejamento e projetos.

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

60

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

1.3 Cálculo da vazão de um rio: a ) Método manual para determinação da vazão instantânea:

O

método

manual

consiste

na

disposição de uma bola de isopor na superfície da água, que com a correnteza percorrerá uma distância pré-determinada (L1 + L2) e com a marcação do tempo consegue-se a velocidade média, onde velocidade média = L1(m) + L2 (m) dividido pelo tempo cronometrado (s). Para diminuir o erro deve-se fazer a tirada de tempo pelo menos 30 vezes. Para o cálculo da vazão deve-se saber a área da seção transversal do rio a cada 10 metros, o valor da seção média deve ser retirado através da média aritmética das várias seções encontradas no decorrer do comprimento L1 e L2 (soma > 50 metros). Através de uma régua mede-se a área da seção transversal com medidas a cada 2 metros, conforme figura abaixo.
“A metodologia descrita é imprecisa, mas na falta de equipamentos e dependendo da utilização, o método manual para determinação de vazão instantânea de um rio é uma solução bastante prática e de baixo custo. É uma metodologia ótima para determinação da vazão de córregos urbanos de pequena dimensão no controle da poluição”
L1 L2

O valor da vazão encontrada é em relação a velocidade superficial, pois é o local onde percorre o isopor, sabe-se que a vazão no centro é maior que a da superfície, portanto deve-se multiplicar a vazão encontrada por 1,2 para que se tenha um valor mais próximo do real.

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

61

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

b) Método para determinação da vazão instantânea através da adição de sais:

O método consiste na adição de sais no rio, através de uma vazão conhecida: Qm(l/s) . Sal-m(mg/l) = Qrio(l/s) . Sal-rio(mg/l) + Qad(l/s) . Sal.ad(mg/l); Onde Qm = Qrio + Qad = Vazão do rio (desconhecido) e do sal adicionado (conhecido); Sal-m = Concentração de sal na mistura (conhecido por análises) ; Sal-rio = Concentração de sal no rio antes da adição do sal (conhecido por análises); Sal-ad = Concentração de sal adicionada ao rio (conhecido por análises); Qad = Vazão adicionada de sal (conhecida);

Percebe-se que a única incógnita da equação acima é a vazão do rio, que pode ser facilmente determinada com algumas análises de sólidos dissolvidos fixos.

O
Distribuição uniforme do sal

problema

desta

metodologia é a quantidade de sal a ser despejada no rio, pois dependendo da concentração pode-se não ser aceito pelos órgãos de controle.

Outro problema é que a condição de mistura no rio não seja a ideal, para isso é necessário que a adição do sal seja feita uniforme em toda a seção desejada. Para determinação da vazão instantânea de um rio com o mínimo erro deve ser feito os dois métodos descritos acima. Lembre-se que a vazão do rio varia conforme as variações sazonais, portanto estes métodos não podem ser usados para cálculo de autodepuração ou como Q7,10 .

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

62

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

c - Cálculo do Q7,10. O Q7,10 é a medida necessária para o estudo de autodepuração de corpos d’água e consequentemente a definição da eficiência necessária da estação de tratamento de esgoto.
Q7,10 ⇒ vazão mínima anual de sete dias consecutivos e período de retorno de 10 anos; Qm ⇒ vazão média das mínimas anuais de um mês; C ⇒ relação Q7,10 e Qm; Xr ⇒ coeficiente relativo ao período de retorno; A,B ⇒ coeficientes tabelados; a,b ⇒ coeficientes tabelados; p ⇒ precipitação pluviométrica anual( mm/ano).

Q7,10 (l/s) = C . Xr . ( A + B). Qm; Qm = a + b . p (l/s . km2 ); ou seja: Q7,10 = C . Xr . ( A + B). ( a + b . p);

Tabela 6: coeficientes para determinação do Q7,10 ; Região A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U a -22,14 -29,47 -29,47 -22,14 -22,14 -22,14 -26,23 -29,47 -29,47 -29,47 -26,23 -26,23 -4,62 -26,23 -26,23 -26,23 -4,62 -4,62 -4,62 -4,62 -4,62 b Xr – 10 0,0292 0,706 0,0315 0,706 0,0315 0,748 0,0292 0,708 0,0292 0,708 0,0292 0,708 0,0278 0,632 0,0315 0,748 0,0315 0,708 0,0315 0,708 0,0278 0,689 0,0278 0,759 0,0098 0,759 0,0278 0,689 0,0278 0,689 0,0278 0,619 0,0098 0,633 0,0098 0,661 0,0098 0,661 0,0098 0,661 0,0098 0,594 A 0,3532 0,4174 0,4174 0,5734 0,4775 0,6434 0,4089 0,4951 0,6276 0,4741 0,4951 0,6537 0,6141 0,4119 0,3599 0,3599 0,6537 0,6141 0,5218 0,4119 0,4119 B 0,0398 0,0426 0,0426 0,0329 0,0330 0,0252 0,0332 0,0279 0,0283 0,0342 0,0279 0,0267 0,0257 0,0295 0,0312 0,0312 0,0267 0,0257 0,0284 0,0295 0,0295

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

63

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

Fonte: Assessoria de Recursos Hídricos do DAEE (1984) O valor encontrado deve ser multiplicado pela área da bacia a montante do ponto desejado para a instalação de uma estação de tratamento de esgoto. Na tabela abaixo verificam-se os rios monitorados no Estado de São Paulo. Tabela 7: Regionalização dos principais rios do Estado de São Paulo: RIOS DE SÃO PAULO REGIÃO Aguapeí S Alto Tietê (São Paulo até Piracicaba) G Baixo Tietê (Piracicaba até Mato Grosso) T Itararé I Jaguari K Mogi Guaçu N Paraíba do Sul H Paranapanema Q Pardo (afluente do Paranapanema) L Pardo (Efluente do Mogi) O Peixe R Piracicaba G Ribeira do Iguape E Santo Anastácio R São José dos Dourados U Sapucaí Mirim P Turvo M Fonte: Assessoria de Recursos Hídricos do DAEE (1984) C Z X Z Z X Y Z Z Z Y Z X X Z Z Y Y

Caso os órgãos de controle não tenham dados relativos a área de influência da bacia, e dependendo do tamanho do empreendimento, deve-se fazer o levantamento planialtimétrico para verificação da área de influência. Na falta de dados sobre o índice pluviométrico, deve-se adotar valores da região mais próxima, com as mesmas características que a estudada. Deve-se tomar o máximo cuidado para não cometer erros grotescos que podem levar ao super dimensionamento da estação de tratamento de esgoto, ou até a inviabilização de um empreendimento. Pode-se, também, ocorrer um subdimensionamento levando a ineficiência da estação de tratamento de esgoto, causando no rio um desenquadramento e conseqüente desrespeito a legislação. O projetista pode ser processado pelo artigo 33 da lei dos crimes ambientais. Para a cidade de Campinas, interior do Estado de São Paulo um valor médio usual é de 1300 mm/ano.
Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ 64

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

1.4)

Autodepuração dos corpos receptores: Autodepuração de corpos receptores é a capacidade que um corpo d’água

consegue restabelecer seu equilíbrio naturalmente após o despejo dos poluentes. No corpo d’água que recebe um lançamento de esgoto, ocorre o fenômeno do desequilíbrio ecológico, que é o aumento do número de indivíduos de uma única espécie com conseqüente desaparecimento de outras espécies (ver apostila zero página 26). A autodepuração acontece em etapas conforme a figura abaixo:

Águas limpas

degradação

decomposição

recuperação

águas limpas

Matéria Orgânica

distância

Bactérias

distância

Oxigênio Dissolvido

distância

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

65

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

Com o passar da distância o rio adquire novamente o teor de oxigênio dissolvido como antes do lançamento. Desta maneira dá a entender que o rio trata os esgotos e que não é necessário o tratamento. Acontece que se o rio estiver poluído, mesmo que apenas em alguns trechos, pode ser o suficiente para limitar alguns tipos de vida em sua total extensão. Exemplos são os peixes que sobem o rio para desovar, ou os que necessitam da piracema. Estudos do professor Godoy de Pirassununga mostram que os peixes sobem e descem o rio numa sincronia e pontualidade “britânica”. Com o monitoramento de peixes, ele conseguiu capturar várias vezes os mesmos peixes, no mesmo dia e mês só que em anos diferentes. A natureza tem seus mistérios e belezas, e este encanto não deve ser quebrado pelo homem, para isso é necessário que o homem trate seus esgotos e futuramente até diminua a produção do mesmo. Com isso o homem instituiu leis que limitam os lançamentos nos nossos rios. Através do estudo de autodepuração e do conhecimento das leis é que poderemos ver a eficiência necessária numa estação de tratamento de esgoto. O aspecto de maior importância no gerenciamento da qualidade da água, consiste na aplicação de modelos matemáticos que possibilitem a determinação das alterações provocadas pelas descargas nas águas dos rios, lagos, estuários e oceanos. O desenvolvimento de tais modelos requerem a aplicação de balanço de massa e modelos cinéticos. Torna-se possível, desta forma, prever a capacidade do sistema de receber efluente, além de quantificar os impactos causados por determinadas ações.

“Um dos modelos matemáticos mais utilizados para verificar a autodepuração de um corpo d’água que recebe lançamento de esgoto doméstico é o determinado por Streeter & Phelps, para o Rio Ohio”.

Um dos principais modelos matemáticos aplicados à qualidade da água foi desenvolvido por H. S. Streeter e E. B. Phelps em 1925, para o Rio Ohio. Este modelo é utilizado para prever o déficit da concentração de oxigênio num rio, causado pela descarga de águas residuárias. O modelo de decaimento de oxigênio de Streeter & Phelps na sua forma simples, correlaciona a taxa de variação do déficit de oxigênio com a distância e respectivas taxas espaciais de desoxigenação e reoxigenação.

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

66

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

A – Concentração no rio após a mistura com o despejo:
Cm ⇒ Concentração na misturo; Crio ⇒ Concentração no rio antes da mistura; Ce ⇒ Concentração no esgoto; Qrio ⇒ Q7,10 - Vazão crítica do rio; Qe ⇒ Vazão média do esgoto; Obs. As concentrações podem ser para vários parâmetros como OD, DBO, DQO...

Cm = (Qrio . Crio + Qe . Ce) / (Qrio + Qe);

B – Déficit inicial de Oxigênio no rio:
D0 ⇒ Déficit inicial de oxigênio, após a mistura; Cm⇒ OD logo após a mistura; ⇒ Obs.: usar concentração na mistura para verificar o oxigênio dissolvido na mistura, onde Crio = OD (oxigênio dissolvido no rio) Ce = OD (oxigênio dissolvido no esgoto) ou Cm = (Qrio . ODrio + Qe . ODe) / (Qrio + Qe);

Do = Cs - Cm

Tabela 8: Valores de oxigênio dissolvidos para o esgoto. Tipo de efluente OD (oxigênio dissolvido: mg/l) Esgoto Bruto Zero – 0,5 Tratamento primário Zero Tratamento Anaeróbio Zero Tratamento aerado 1 a 2 mg/l Lagoas facultativas 3 a 7 mg/l Fonte: Experiência do autor; Tabela 9: Valores de Oxigênio Dissolvido de Saturação e no Rio (mg/l): Altitude (m) 0 500 1000 10 11,3 10,7 10,1 14 10,4 9,8 9,3 18 9,5 9,0 8,5 22 8,8 8,3 7,9 26 8,2 7,8 7,3 30 7,6 7,2 6,8 Fonte: Adaptado de Sperling, M. V.(1996) Obs.: Os valores de Cs estão nas colunas de 2 a 5. Temperatura 1500 9,5 8,7 8,0 7,4 7,1 6,4 OD no rio Mg/l 8,29 7,62 6,97 6,48 6,11 5,7

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

67

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

C – Cálculo da DBO5 no rio após a mistura:
DBO5m ⇒ DBO5 na mistura; DBO5rio⇒ DBO5 rio antes da mistura; DBO5e ⇒ DBO5 no esgoto;

DBO5m = (Qrio . DBO 5rio + Qe . DBO 5e) / (Qrio + Qe);

D – Cálculo da Demanda Última no rio após a mistura: DBOu = DBO 5m / (1 – e – 5 . k1);
DBO5m ⇒ DBO5 na mistura; DBOu ⇒ DBO última; K1 ⇒ Coeficiente de desoxigenação;

Tabela 10: Valores de K1 para temperatura de 20º C: Origem Água residuária forte (DQO > 1000 mg/l) Água residuária fraca (DQO < 1000 mg/l) Efluente primário Efluente secundário Rios limpos Água potável Fonte: Metcalf & Eddy (1991);

K1 (dia-1) 0,4 0,35 0,30 0,20 0,15 0,10

Para temperaturas diferentes de 20ºC transformar o valor através da fórmula: K1T = K120 . θ (T – 20) onde T = temperatura do líquido; K120 = K1 a uma temperatura de 20ºC e θ = coeficiente de temperatura que é usualmente empregado com valor de 1,047. E - Cálculo do perfil de oxigênio dissolvido em função do tempo:
K2 ⇒ Coeficiente de reaeração; K1 ⇒ Coef. de desoxigenação; Do ⇒ Déficit inicial de OD; Cs ⇒ OD de saturação; DBOu ⇒ DBO última.

ODt = Cs – [ K1. DBO u ( e- k1 . T - e – k2 .T ) + Do . e – k2 . T ]; K2 – K1

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

68

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

Caso em algum ponto ODt for negativo o modelo de Streeter & Phelps passa a não mais ser válido. Tabela 11: Valores típicos de K2 para temperatura de 20ºC: Tipos de Corpos D’água K2 ( dia –1 ) Profundo Lagoa 0,12 Rio muito lento 0,23 Rio Lento 0,37 Rio Normau 0,46 Rio Rápido 0,69 Corredeiras >1,15 Fonte: Fair et al (1973), Arceivala(1981) apud Sperling(1996).

Raso 0,23 0,37 0,46 0,69 1,15 >1,61

Para temperaturas diferentes de 20ºC transformar o valor através da fórmula: K2T = K220 . θ (T – 20) onde T = temperatura do líquido; K120 = K1 a uma temperatura de 20ºC e θ = coeficiente de temperatura que é usualmente empregado com valor de 1,024. F – Cálculo do Tempo Crítico (onde ocorre a concentração mínima de oxigênio dissolvido): Tc = 1 . ln { K2 . [ 1 – Do . ( K2 – K1) ]}; K2 – K1 K1 DBO u . K1

G – Cálculo do déficit crítico e da concentração crítica de oxigênio: DC = K1 . DBO u . e – k1 . Tc e ODc = Cs – Dc; K2

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

69

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

1.5 Eficiência necessária para instalação do tratamento de esgoto: A eficiência necessária para a instalação de uma estação de tratamento de esgoto é verificada através da classe do rio no qual o esgoto será despejado. Com a classe do rio sabe-se qual é o valor mínimo de OD permissível pela legislação, portanto o valor de ODc deverá ser igual ao valor mínimo permito pela legislação.

Após verificado o ODc, consegue-se o valor do Déficit Crítico de Oxigênio. Através das equações G e F consegue-se 2 equações e 2 incógnitas (DBOu e Tc). Encontrando-se o valor da DBO u através de relação já citada consegue-se o valor da DBO5m, que através do balanço de massa consegue-se o valor da DBO 5 do efluente permitido. Assim pode-se conseguir a eficiência através de seguinte equação:

E = DBO 5a – DBO 5e . 100 DBO5a 1.6 Relações de concentração e vazão: -

DBO5a = DBO5 afluente a ETE; DBO5e = DBO5 efluente a ETE; E = Eficiência do tratamento;

Carga (kg /dia)= concentração (Kg /m3 ) . vazão (m3 /dia); Carga (Kg/dia)= população (hab) . carga per capita (Kg/hab.dia); Carga (kg/dia) = contribuição por unidade produzida(kg/unid) . produção (unid); Concentração(Kg/l) = carga per capita (Kg/hab.dia) / quota per capita (l/hab.dia);

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

70

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

1.7 Principais parâmetros:

O tratamento de esgoto consiste principalmente na separação de partículas sólidas do líquido. De maneira simplificada o esgoto poderia ser tratado com um simples filtro, acontece que nos esgotos existem partículas pequenas (dissolvidas) que inclusive passam por um filtro de papel. Os filtros sozinhos também causam problemas de constante entupimento. As partículas no esgoto podem ser classificadas quanto ao seu tamanho:
dispérside Átomos e moléculas Soluções propriamente ditas dispersóide dispersão

colóides Suspensões ou soluções coloidais

Partículas suspensas Poro papel fino

Suspensões

µm

10-1

100

10

102

103

104

105

106

107

As partículas classificadas como dispérside e como dispersóide necessitam de um pré-tratamento antes de uma filtração, pois devido ao pequeno tamanho passam pelo poro de um filtro de papel fino. Uma maneira é a união de várias partículas pequenas transformado-as em uma partícula grande. Este processo de união das partículas pode ocorrer através da adição de produtos químicos ou através de contato com bactérias (o processo biológico não é somente a união entre partículas, mas é um similar para o entendimento do estudante iniciante).

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

71

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

Outra classificação dos sólidos pode ser feita de acordo com a sua biodegradabilidade. Os sólidos podem ser biodegradáveis (voláteis) ou podem ser inertes (fixos). Sólidos biodegradáveis são aqueles que entram em decomposição através da ação de microrganismos. Sólidos inertes são aqueles que as bactérias não influenciam no seu estado inicial. Quase todo tipo de matéria orgânica é biodegradável e pode ser retirada do esgoto através de tratamento biológico. A

“Matéria orgânica é todo composto que tenha carbono na sua estrutura molecular” Exemplo: C6H12O6

quantificação de matéria orgânica pode ser feita através das análises de DBO, DQO, COT e SVT. A matéria orgânica pode ser separada através de precipitação química, onde a matéria é coagulada, floculada e posteriormente decantada ou pelo tratamento biológico aeróbio, anaeróbio ou facultativo. O esgoto em geral tem uma formação complexa, além da M.O. apresentada, tem também areia, sais, nutrientes e outros despejos das mais variadas origens. Nem sempre consegue-se a retirada de todos os materiais numa única unidade, por este motivo as estações de tratamento de esgoto são complexas, tendo várias unidades com objetivos diferentes. Tabela 12: Características de um esgoto doméstico Parâmetro Unidade Valor médio no Brasil Sólidos Totais mg/l 1200 Sólidos em suspensão totais mg/l 400 Sólidos em suspensão fixos mg/l 80 Sólidos em suspensão voláteis mg/l 330 Sólidos dissolvidos totais mg/l 800 Sólidos dissolvidos fixos mg/l 400 Sólidos dissolvidos voláteis mg/l 400 Sólidos sedimentáveis mg/l 15 DBO5 mg/l 350 DQO mg/l 600 Fósforo mgP/l 15 Nitrogênio Total MgN/l 50 Fonte: Experiência do autor na cidade de Campinas e cidade de São Carlos

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

72

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

1.8 Parâmetros para tratamento de efluentes industriais: Um importante parâmetro caracterizador dos despejos industriais é o equivalente populacional. Quando se fala que uma indústria tem um equivalente populacional de 10 habitantes, equivale a dizer que a carga de DBO do efluente industrial corresponde à uma carga gerada por uma população com 10 habitantes.

E.P.(equivalente populacional) = ___Carga de DBO da indústria ( kg/dia) . Contribuição per capita de DBO x produção O valor usualmente utilizado é o de 54g DBO/hab.dia aconselhado pela NB-570 da ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. Tabela 13: Equivalente populacional: Indústria Unidade de produção Conservas(frutas e legumes) 1 tonelada Açúcar de cana 1 tonelada de açúcar Laticínio sem queijaria 1000 l de leite Laticínio com queijaria 1000 l de leite Margarina 1 tonelada Matadouros 1 boi / 2,5 porcos Destilação de álcool 1 tonelada Cervejaria 1 m3 Refrigerantes 1 m3 Vinho 1 m3 Algodão 1 tonelada Tinturaria 1 tonelada Curtume 1 tonelada de pele Sapatos 1000 pares Fabricação de papel 1 tonelada Tinta 1 empregado Sabão 1 tonelada Refinaria de petróleo 1 barril (1171) PVC 1 tonelada Fundição 1 tonelada Laminação 1 tonelada Fonte: Sperling, M. V.(1996)

Equivalente populacional 500 50 20 – 70 90 – 700 500 70 – 200 4000 150 – 350 50 – 100 5 2800 2000 – 3500 1000 – 3500 300 100 – 300 20 1000 1 200 100 – 300 30 – 200

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

73

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

Tabela 14: Equivalentes populacionais Unidade 1000 litros de leite 1000 litros de leite 2,5 porcos 1 tonelada Curral 1 vaca Chiqueiro 1 porco Granja avícola 1 galinha Silo de ração 1 tonelada de ração Ou total Autoclave de Batatas 1 tonelada de batatas Piscicultura 100 kg de trutas Usina de Açúcar 1 tonelada de beterraba Mautaria 1 tonelada de cereais Cervejaria 1000 l de cerveja Destilaria 1000 l cereais Amidonaria 1 tonelada de milho ou trigo Indústria vinícola 1000 l de vinho 1 há de vinhedo Curtume 1 tonelada de pele Lanifício 1 tonelada de lã Alvejamento de Tecidos 1 tonelada do produto Tint.c/ corantes Sulfurados 1 tonelada do produto Indústria de Linho 1 tonelada de linho bruto Celulose ao sulfito 1 tonelada de celulose Pasta mecânica ao Papel 1 tonelada de madeira Fábrica de papel 1 tonelada de papel Lã sintética 1 tonelada de lã sintética Lavanderia 1 tonelada de roupa Vazamento de óleo mineral 1 tonelada de óleo Aterro sanitário de lixo 1 há de área Fonte: Karl e Klaus R. Imhoff (1986) Indústria Lacticínio sem queijaria Lacticínio com queijaria Matadouro Equivalente Populacional 25 – 70 45 – 230 20 – 200 130 – 400 5 – 10 3 0,12 – 0,25 4 – 11 / dia 200 – 650 25 – 50 80 45 –70 10 –100 150 – 350 2000 – 3500 500 – 900 100 – 140 35 – 60 1000 – 3500 2000 – 4500 1000 – 3500 2000 – 3000 700 – 1000 3500 – 5500 45 – 70 200 – 900 300 – 450 350 – 900 11000 45

Como pode-se perceber os valores das tabelas tabelas 13 e 14 são bem diferentes, isto deve-se principalmente as mudanças na forma de produção que tem a tendência de preocupação com a minimização dos resíduos gerados. A tendência mundial é o desfio

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

74

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

chamado de emissão zero, onde através de um banco de resíduos todo o material inaproveitado passe a ser matéria prima para outras indústrias.

1.9 Detalhes importantes da NB-570 / ABNT: Projeto de estações de tratamento de esgoto sanitário:

Requisitos para o projeto: Relatório do estudo do sistema de esgotamento sanitário; População atendida nas diversas etapas do plano; Características requeridas para o efluente tratado nas diversas etapas do plano; Definição do ponto onde será lançado o esgoto; Seleção de área para construção da ETE com levantamento Planialtimétrico (1:1000); Sondagens preliminares de reconhecimento do subsolo; Cota máxima de enchente na área selecionada; Padrões de lançamento das industrias nas redes coletora (ver NB – 1032).

Elaboração de projeto hidráulico-sanitário compreende, no mínimo, as seguintes atividades: Seleção e interpretação das informações disponíveis para o projeto; Definição das opções de processo para a fase líquida e para a fase sólida; Seleção dos parâmetros de dimensionamento e fixação de seus valores; Dimensionamento das unidades de tratamento; Elaboração dos arranjos em planta das diversas opções; Avaliação de custo das diversas opções; Comparação técnico-econômica e escolha da solução; Dimensionamento de órgãos auxiliares e sistemas de utilidades; Seleção dos equipamentos e acessórios; Locação definitiva das unidades, considerando a circulação de pessoas e veículos e o tratamento arquitetônico-paisagístico; Elaboração do perfil hidráulico em função do arranjo definitivo;

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

75

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

-

Elaboração de relatório do projeto hidráulico-sanitário, justificando as eventuais divergências em relação ao estudo de concepção.

Parâmetros básicos para projeto: Na falta de dados de campo utilizar os valores de 54 g de DBO 5 / hab.dia; Na falta de dados de campo utilizar os valores de 60 g de SS/hab.dia; Usar vazão máxima para estações elevatórias, canalizações, medidores e dispositivos de entrada e saída; Usar vazão média em todas as unidades e canalizações precedidas de tanques de acumulação com descarga em regime de vazão constante; Deve-se prever canalização de desvio (by-pass) para isolar a ETE; Deve ser previsto medidor de vazão afluente a ETE; A canalização de transporte de lodo deve ter velocidade entre 0,5 m/s e 1,8 m/s;

O relatório do projeto hidráulico-sanitário da ETE deve incluir: Memorial descritivo e justificativo, contendo informações a respeito do destino a ser dado aos materiais residuais retirados da ETE, explicitando os meios que devem ser adotados para o seu transporte e disposição, projetando-os quando for o caso: Memória de cálculo hidráulico; Planta de situação da ETE em relação à área de projeto e ao corpo receptor; Planta de locação das unidades; Fluxograma do processo e arranjo em planta (lay-out) com identificação das unidades de tratamento e órgãos auxiliares; Perfis hidráulicos das fases líquida e sólida nas diversas etapas; Plantas, cortes e detalhes; Planta de escavações e aterros; Especificações de materiais e serviços; Especificações de equipamentos e acessórios, indicando os modelos selecionados para elaboração do projeto; Orçamento; Manual de operação de processo, contendo no mínimo o seguinte: Parâmetros utilizados no projeto e descrição simplificada da ETE;
76

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

-

Fluxograma e arranjo em planta da ETE e modelo da ficha de operação; Procedimentos de operação com descrição de cada rotina e sua freqüência; Identificação dos problemas operacionais e procedimentos a adotar em cada caso;

1.10) Projeto de uma estação elevatória de esgotos: Na grande maioria das estações de tratamento de esgoto o interceptor chega na área da ETE numa cota inferior a dos reatores, portanto é necessário o bombeamento dos esgotos para cotas mais altas. Verifica-se na figura abaixo o projeto de uma EEE e reator UASB em fibra de vidro:

Autor: Eng º Emerson Marçal Júnior (1998) Percebe-se no esquema acima que a tubulação de esgoto chega numa cota abaixo do fundo do reator UASB, necessitando de um bombeamento até a parte superior do reator. a) Classificação das estações elevatórias de esgoto: Quanto ao tamanho: Pequenas (< 50 l/s), médias (50 a 500 l/s) e grandes (superior a 500l/s); Ejetor pneumático (< 0,02 m3 /s), Pré-moldada de poço úmido (0,006 à 0,03 m3 /s), Pré-moldada de poço seco ( 0,006 à 0,1 m3 /s) e convencional (>0,06 m3 /s). Quanto ao tipo de bomba: Com ejetor pneumático, com bomba tipo parafuso e com bomba centrífuga.
77

Quanto ao método construtivo: -

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

b) Estações elevatórias convencionais: Para elaboração de estudo de concepção de estações elevatórias de esgoto, os principais requisitos da NB-566 são: Estudo de concepção; Localização da estação; Níveis de enchente; Diretriz do conduto, quando houver; Localização do ponto de descarga do recalque. Levantamento topográfico, cadastramento da área; Sondagens para reconhecimento do solo e do nível do lençol freático; Vazões afluente e efluente para inicio e final de plano; Características do conduto afluente; Características do esgoto afluente.

Neste curso serão abordadas as estações elevatórias de esgoto convencionais, que são a grande maioria das EEE instaladas no Brasil. As estações elevatórias convencionais podem ser classificadas em:

-

Poço seco: Conjunto motor-bomba de eixo horizontal; Conjunto vertical de eixo prolongado – bomba não submersa; Conjunto motor-bomba de eixo vertical – bomba não submersa; Conjunto motor-bomba auto scorvante.
Nível máximo Válvula de gaveta Extravasor motor Válvula de retenção Nível Bomba

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

78

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

-

Poço úmido: Conjunto vertical de eixo prolongado – bomba submersa; Conjunto motor-bomba submerso.
Nível máximo

Válvula de gaveta Extravasor motor Válvula de retenção Nível Bomba

c) Dimensionamento do poço de sucção (bombas de rotação constantes): O volume útil mínimo do poço de sucção é determinado por: V = 0,25 . Q . T; onde T = Tempo de ciclo e Q = capacidade máxima da maior bomba. Fórmula indicada pela ABNT – NB569/1989 Tabela 15 – Recomendações para escolha do tempo de ciclo Autor o entidade Potência do motor SABESP < 300cv >300 cv Flomatcher Até 15 HP 20 a 50 HP 60 a 200 HP 250 a 600 HP Metcalf & Eddy Até 20 HP 20 a 100 HP 100 a 250 HP > 250 HP

Tempo de ciclo 10 mim Consultar fabricantes 10 mim 15 min 30 min 60 min 10 min 15 min 25 min Consultar fabricantes

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

79

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

Algumas recomendações da NB 569 / ABNT 1989: Não permitir a formação do vórtice; Não permitir descarga livre, nem velocidade > 0,60 m/s; Não permitir depósitos no fundo ou cantos do poço de sucção; Não permitir circulação que favoreça a tomada por uma ou mais bombas. O volume efetivo do poço de sucção é a relação entre o volume compreendido entre o fundo do poço e o nível médio de operação das bombas:

Ve = Qm x Td;

onde Td – Tempo de detenção no poço(min) < 30 min (NB – 569); Qm – Vazão média de projeto afluente à elevatória no início de operação (m3 /min) e é desejável Ve < Qm x 30.

d) Dimensionamento dos condutos:

Recomendações de velocidade da NB-569(1989): - Na sucção: 0,6 < V < 1,5 m/s; - No recalque: 0,60 < V < 3 m/s;

e) Dimensionamento do conjunto motor-bomba: H ⇒ Altura manométrica total; Hg ⇒ Altura geométrica Total; Hs ⇒ Perda de carga Total; H = Hg + Hs ; “ As perdas de cargas podem ser calculadas com um livro de hidráulica, caso seja um prédimensionamento considerar H = 1,4 . Hg”

-

Potência fornecida pela bomba: Pl = γ . Q . H; Pl = Potência líquida fornecida pela bomba, KW; N.m/s; γ = peso específico da água N/m3 ; Q = Vazão, m3 /s; H = Altura manométrica total, m.

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

80

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

-

Rendimento da bomba: η = Pl / Pb ; η = rendimento ou eficiência da bomba; Pb = potência consumida pela bomba, KW; N.m/s.

Obs. 1.: Para a escolha do tipo de bomba necessária é ideal consultar os fornecedores de bombas com seus respectivos catálogos e curvas de rendimento; Obs. 2.: Deve ser considerado a instalação de pelo menos 2 conjuntos motor-bomba;

f) Sistema de controle e operação das Bombas:

-

Sensor tipo bóia; Sensores pneumáticos; Sensores elétricos; Painel de comando elétrico: Comando liga-desliga das bombas; Chave seletora automático-manual; Chave seletora de bombas; Alarme e sinalização de defeitos; Sinalização de operação; Indicador de corrente (amperímetro); Indicador de tensão (voltímetro); Controle de rotação do motor; Supervisão do sistema.

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

81

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

g) Principais requisitos para o projeto de uma EEE:

-

Memorial descritivo da instalação; Memória de cálculo hidráulico; Especificações dos serviços em materiais; Orçamento; Desenhos; Arquitetura e urbanização, Fundação e estrutura, instalações prediais, tubulações, eletricidade, perfil hidráulico, esquemas e diagramas complementares;

- Manual de operação.

h) Recomendações de projeto gerais: instalações de “by-pass”; instalação de “Stop-Log”; instalação de equipamentos para remoção de sólidos grosseiros; instalação de dispositivos para medição; possibilidade de inspeção e manutenção; Para conseguir um bom projeto é necessário que o projetista conheça muito bem a operação de uma estação de tratamento de esgoto. Deve-se antes de iniciar um projeto, visitar pelo menos umas 10 estações elevatórias de esgoto. O conhecimento de problemas operacionais que ocorrem com o passar do tempo na operação de uma EEE e sua correção no projeto devem ser parte da rotina de um bom projetista. É normau a verificação de erros consecutivos de projetistas renomados, devido ao pouco tempo dos mesmos para realizarem visitas às instalações de seu projeto. Um bom projeto é feito 70 % fora do escritório e 30% dentro do escritório. Dentro do escritório somente é elaborado o dimensionamento. Os detalhes devem ser feitos através de visitas a instalações bem sucedidas.

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

82

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

1.11 Exercícios:

1. Quais são os principais tipos de sistemas de esgotamento sanitário? Qual é o sistema utilizado no Brasil?

2. Qual é a situação do esgotamento sanitário no Brasil? E do tratamento?

3. O que é sistema Local de tratamento?

4. Na seguinte indústria foi monitorado o despejo de esgoto no rio: ∞ ∞ 1 ∞ 2 25 14 ∞ 3 25 15 ∞ 4 25 16 ∞ 5 25 17 ∞ 6 25 18

T(s)

50 7 ∞ 19

50 8 ∞ 20

50 9 ∞ 21

50 10 ∞ 22

50 11 ∞ 23

Horas 0 T(s)

50 25

Horas 12 13

Obs: ∞ significa que não está saindo água da tubulação.

a) Qual é a vazão média entre as 7 e 12 horas? b) Qual é a vazão média entre 13 e 18 horas? c) Qual a vazão média entre 7 e 18 horas? d) Qual a vazão média diária?

5. Na mesma indústria do exercício 4 foi micromedido o seguinte volume: 7:00 horas do dia 12 de janeiro: 1083457 Litros; 7:00 horas do dia 13 de janeiro: 1150957 Litros;

a) Qual a vazão média diária de água? b) Calcular o coeficiente de retorno desta a indústria usando os valores do exercício 04?

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

83

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

6. Estimar a população para o ano de 2020?

Censo: 1970 - 250000 habitantes; 1980 – 350000 habitantes; 1990 – 425000 habitantes; 1998 – 475000 habitantes.

a) pelo método aritmético; b) pelo método do prolongamento manual; c) pelo método geométrico; d) pelo método da curva logística; e) Qual as 2 melhores alternativas? Justificar?

7. Determine usando os dados da alternativa e) da questão 6: a) Vazão média do consumo de água? b) Vazão máxima horária de água? c) Vazão máxima diária de água? d) Vazão média de esgoto? e) Vazão mínima de água?

8. Calcular a vazão de esgoto? a) população : 4000 hab.; b) população: 10000 hab.; c) população: 30000 hab.; d) população: 100000 hab.; e) população 300000 hab.; f) Bar com 100 fregueses por dia; g) Hotel com 50 hóspedes por dia e 5 funcionários; h) Escola particular com 15 funcionários; i) Restaurante com 200 refeições por dia;

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

84

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

9. Calcular a vazão da indústria? a) Cervejaria que produz 1000000 de litros por mês; b) Curtume que produz 10 toneladas por mês; c) Fábrica de papel que produz 1000 toneladas por ano;

10. No item d) da questão 7 não foi considerado a taxa de infiltração de água na rede de esgoto. Para projetar a estação de tratamento de esgoto é necessário este valor. Sabe-se que existem 100 km de rede de esgoto. Calcular a vazão média de projeto (vazão média + vazão devido a infiltração)?

11. Rascunhar no papel uma curva de demanda de água típica? Explicá-la?

12. Quais as metodologias para determinação da vazão instantânea de um rio?

13. Para medir a vazão de um rio uma equipe de Saneamento fez algumas medidas no rio: Área da Seção ( 10 m2 ) Distância (metros) 0 100 200 300 400 500 600 700 800 900 1000 11 12 15 14 14 8 9 9 8 8

1 T(s)
700

2

3

4

5

6

7

8

9

10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20
660 675 673 675

650 750 700 700 700 675 680

690 685 703 715 680 675 676 665

Qual é a vazão instantânea do rio (usar item 1.3 a)?

14. Qual a vazão instantânea do rio? Qrio = ?; SDFrio = 10 mg/l; Qsal = 1 l/s; SDFmistura = 100 mg/l; SDFsal = 1000 mg/l;

Qmistura = Qrio + Qsal ;

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

85

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

15. Calcular o Q7,10 do Rio Corumbataí ( rio afluente ao rio Piracicaba)? Área de influencia anterior a estação de tratamento de esgoto: 10000 há; 1 há = 10000 m2 ; Índice pluviométrico= 1300 mm / ano;

16. O que é poluição de um rio?

17. O que é autodepuração de um rio?

18. Dados: Qrio = 5000 l/s; DBOrio = 10 mg/l; Qe = 10 l/s; DBOe = 1500 mg/l; Calcular a concentração do rio após a mistura?

19. Dados: Qrio = 5000 l/s; OD rio = 7 mg/l; Qe = 10 l/s; OD e = 1 mg/l; OD saturação = 8 mg/l; Calcular o déficit inicial de OD no rio?

20. Com os dados das questões 18 e 19. Calcular a DBOu na mistura?

21. Usando os dados das questões anteriores, traçar o perfil de oxigênio dissolvido em função do tempo e da distância?

22. Qual o OD crítico? Qual o tempo e a distância que ocorrerá o OD critíco ? Obs.: Usar dados das questões acima.

23. Calcule a eficiência da ETE? a) DBO5afluente = 450 mg/l; DBO5efluente = 90 mg/l; b) DBO5afluente = 800 mg/l; DBO5efluente = 87 mg/l; c) DBO5afluente = 350 mg/l; DBO5efluente = 40 mg/l; d) DBO5afluente = 4500 mg/l; DBO5efluente = 500 mg/l;
Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ 86

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

24) Calcule a carga orgânica? a) DQO = 300 mg/l, Q = 100 l/s;

b) Com os valores da alternativa a) estimar a população; c) População de 10000 habitantes e carga per capta 54 g DBO / hab. Dia;

25) Como podem ser classificados os sólidos presentes no esgoto?

26) O que é matéria orgânica?

27) Qual é a carga orgânica? a) 3 toneladas de açúcar; b) 1 tonelada de papel; c) 10000 litros de vinho; d) 3000 porcos; e) 10000 galinhas; f) 100 vacas;

28) Quais os principais tipos de EEE (estações elevatórias de esgoto)?

29) Quais classificações podem ser dadas as estações elevatórias de esgoto?

30) Quais as principais funções de uma EEE?

31)Dimensionar um poço de sucção de uma EEE que tenha uma vazão de 1 l/s e H = 10 metros; Adotar: bomba;

32) Qual o conjunto motor – bomba poderia ser utilizado na questão anterior?

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

87

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

33. Qual o tipo de tratamento que você escolheria para este tipo de efluente? Características dos esgotos sanitários antes do sistema de tratamento e concentrações máximas admitidas do efluente tratado. Constituinte Esgoto Bruto Efluente Tratado (mg/l) (mg/l) Sólidos Totais 800 200 Dissolvidos Totais 550 190 Dissolvidos Fixos 330 185 Dissolvidos Voláteis 220 5 Suspensos Totais 250 10 Suspensos Fixos 60 3 Suspensos Voláteis 190 7 Sólidos Sedimentáveis 10 0 DBO5 250 10 COT 150 3 DQO 450 45 Nitrogênio (Total) 45 <5 Orgânico 20 <1 Amoniacal 25 0

34. Uma descarga em um pequeno córrego possui as seguintes características: Esgoto Inverno Verão 3 Q (m /s) 0,1 0,1 T(º C) 21 21 3 DBO5 (g/m ) 100 100 OD (g/m3 ) 0 0,0 -1 K20 ºC ( d ) 0,2 0,2 Córrego Inverno Verão Q (m3 /s) 3 1,5 T(º C) 12 25 DBO5 (g/m3 ) Zero Zero 3 Déficit de OD (g/m ) Zero Zero -1 Kt ( d ) 0,08 0,26 K2t ( d-1) 0,55 0,40 Determine o maior déficit de OD e a concentração de OD mínimo a jusante

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

88

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

35) Qual é a eficiência necessária da ETE A e da ETE B para remoção de DBO5?
Esgoto: DBO5 = 300 mg / l OD = zero mg/l Q = 100 l/s Rio: Qr = 100700 l/s

Rio classe 4

Rio classe 3

a

Qr = 30000 l/s

b

Esgoto: DBO5 = 300 mg / l OD = zero mg/l Q = 120 l/s

Distância entre o lançamento da cidade A e o rio principal = 5000 metros. Distância entre a cidade B e a interseção dos dois rios = 15000 metros.

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

89

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

1.11) Bibliografias Consultadas:

01. NB-570/ABNT(1990). Projeto de estações de tratamento de esgoto sanitário. Associação Brasileira de Normas Técnicas.

02. CAMPOS, J.R.(1990). Alternativas para Tratamento de Esgotos Sanitários. Consórcio Intermunicipal das bacias dos rios Piracicaba e Capivari. 03

03. NB-7229/ABNT(1993). Projeto, construções e operação de sistemas de tanques sépticos. Associação Brasileira de Normas Técnicas

04. FORESTI, E.(1998) – “Notas da aula de Processos e Operações em Tratamento de Resíduos SHS-705”, Pós Graduação em Hidráulica e Saneamento na Escola de Engenharia de São Carlos. 05. IMHOFF, K. R.(1986) – Manual Paulo. de Tratamento de Águas Residuárias. São

06. METCALF & EDDY(1979) – “Wastewater engineering – treatment, disposal, reuse”2nd ed.. New York. McGraw-Hill, p. 920.

07. NUNES, J.A.(1996) - Tratamento Físico Químico de Águas Residuárias Industriais. 2ª edição Editora J. Andrade.

08. TSUTIYA, M. J.& SOBRINHO, P. A.(1999) – Coleta e transporte de esgoto sanitário. 1ª Edição :Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

90

EEA – Empresa de Engenharia Ambiental Ltda.

eea@eea.eng.br

09. SPERLING, M. V. (1996) – Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. 1ª edição: Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental; Universidade Federal de Minas Gerais.

10. MARÇAL, E. J (1997) – Estudo de Autodepuração de esgotos sanitários: Relatório realizado na Sanasa – Campinas como parte do trabalho de despoluição de córregos urbanos.

11. NB-569/ABNT (1989) – Projeto de estações elevatórias de esgoto sanitário: Associação Brasileira de Normas Técnicas.

12. FORTES, J., CUNHA, C. (1994). Influência das águas continentais sobre as regiões costeiras: Enfoque da legislação atual. Qualidade de águas continentais no Mercosul. ABRH publicação n º 2, dez. 1994. 420p.

Curso de Tratamento de Esgoto – texto oferecido gratuitamente pela Empresa de Engenharia Ambiental - EEA Divulgação neste site (www.comitepcj.sp.gov.br) por iniciativa da Câmara Técnica de Saneamento (CT-SA) dos Comitês PCJ

91

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->