Natureza Humana vs.

Formas de Governo
Ao longo da História das ideias políticas muitos foram os autores que dissertaram acerca da natureza e essência humana. Contudo, quatro deles concentraram se neste aspecto da teoria política de maneira mais aprofundada. Dois deles tendendo para um ponto de vista mais absolutista e dois deles para uma perspectiva claramente mais liberal. Contudo, os quatro autores baseiam as suas teorias acerca da natureza do ser humano antes de lhe ser imposto factores sociais. Isto é, os quatro autores, absolutistas e liberais, analisam a essência humana antes de estes fazerem parte de um Estado Político; ou seja, antes da existência de um contrato social.

John Locke (1632-1704)
John Locke é conhecido como o Pai do Liberalismo. É de igual modo o principal representante do empirismo britânico e um dos mais importantes contratualistas. Na sua obra ³Segundo Tratado sobre o Governo´, John Locke disserta sobre a passagem do Estado de Natureza para a vida em sociedade, focando-se nas vantagens e desvantagens de cada um. A natureza humana é, em Locke, boa, racional, livre e igual com direito à vida e à propriedade. Segundo John Locke, no Estado de Natureza os homens são todos iguais, nenhum homem possui mais do que outro. No Estado de Natureza não há subordinação, há antes uma total liberdade. Locke acredita que o Estado Natureza ou Estado Pré Social é aquele no qual os homens coexistem segundo as regras da razão e sem a presença de uma autoridade que julgue as suas diferenças. O homem no Estado Natureza possui perfeita liberdade para ordenar os seus actos, de acordo com as leis da natureza, sem ter que pedir autorização para agir a qualquer outra pessoa ou entidade. Cada ser humano é livre de dispor do seu corpo, mas nenhum ser humano deve utilizar essa liberdade para abusar dos outros. De acordo com Locke a violência e a agressão têm um carácter insensato e irracional, quem pratica a violência são os homens que renunciaram à razão e abandonaram os princípios da natureza humana. John Locke afirma que no Estado de Natureza cada homem tem o direito de fazer prevalecer a lei da natureza: quem prejudica o próximo é um criminoso e todos os seres humanos têm o direito de o punir.
1

Devido aos perigos gerados neste Estado de Guerra. à liberdade e à propriedade privada. graças à autoridade de uma entidade superior. e a fim de suprimirem-se estas falhas e estes defeitos do Estado de Natureza. Na sua obra. entregando-o a um corpo político criado por esse mesmo pacto. este deve ser resolvido em benefício da liberdade e da privacidade. a principal e praticamente exclusiva função do Estado é a de preservar as leis e direitos naturais do ser humano. ou a Sociedade Política apenas vem proteger e garantir o respeito pelas liberdades e direitos do ser humano. Rousseau discorre acerca do contrato social que dá lugar à transição do Estado Selvagem para o Estado Político. ³Contrato Social´. dos deveres e principalmente dos direitos naturais de cada indivíduo. e também para se evitar o Estado de Guerra. onde falta a garantia do respeito pelos direitos naturais. que tem como objectivo principal a protecção dos direitos e liberdades dos homens.Surge desta maneira o Estado de Guerra. O Estado Político é concebido como uma garantia das leis. guiados pela razão. O Estado de Natureza em Locke é um Estado racional onde os homens. Onde quer que surja um conflito. a principal tarefa da entidade estadual será a de garantir o direito à privacidade. sem entidade superior comum na terra dispõem da autoridade para julgar entre eles. que só terá um fim quando o último transgressor for punido. Jean Jacques Rousseau (1712-1778) Jean Jacques Rousseau é o segundo e último autor do grupo de contratualistas liberais. como por exemplo o direito à vida. os seres humanos decidem renunciar ao direito de executar a justiça com as próprias mãos. Rousseau entende o Estado Natureza ou Estado Selvagem um pouco como Platão entende a Idade de Ouro. Rousseau foi a figura marcante do contratualismo e do Iluminismo francês. Nesta medida. John Locke acredita assim que a natureza humana é intrinsecamente boa e que o Estado Social. os seres humanos acordam em estabelecer uma vida em sociedade. Rousseau acredita que o Estado Selvagem é uma 2 . Locke determina um Estado Pré-Social marcado pela paz e pela cooperação sob o domínio da razão. Na teoria política de John Locke. que no Estado Político ou Sociedade Política existe. A Humanidade só deixa o Estado Natureza quando consente fazer parte de uma comunidade com o objectivo de proteger os seus direitos de propriedade. Mas este Estado não é perfeito.

fundamentalmente. a natureza humana é corruptível e por isso a razão humana é constantemente uma razão ³pragmática. Maquiavel encontra-se inserido no segundo grupo de autores. pela ambição de poder e pela propriedade material. um Estado Pré-Social e Pré-moral onde o Homem se assume como um agente livre e dotado de perfeição.´ 1 No entanto. Assim sendo. segundo Rousseau. util tarista e calculista´. Jean Jacques Rousseau vê. a moralidade humana nasce da necessidade. Segundo Maquiavel. Por i estas razões o Homem é capaz de ser corrompido sempre que os desejos se sobrepõem. O homem do Estado de Natureza é selvagem. o contrato social como um paradoxo. Maquiavel é acima de tudo cínico no modo como encara a natureza humana. Segundo Maquiavel. uma vez que o Homem não faz o bem a não ser quando é pressionado pela necessidade.espécie de Idade de Ouro onde os homens eram originalmente iguais e livres. O que com ele ganha é a liberdade civil e a propriedade de tudo o que possui. com o coração em paz e o corpo com saúde. guia-se pelas sensações e deseja apenas o que conhece. isto é. Rousseau afirma que o contrato social vai dividir a sociedade em classes. Para evitar as desigualdades. faz parte do grupo de autores que se concentrou na natureza humana de uma perspectiva mais absolutista. Rousseau acredita que o Estado Selvagem é o único Estado no qual as pessoas são verdadeiramente felizes e livres. bons e felizes. Nicolau Maquiavel afirmava ainda que todos os homens são movidos exclusivamente por interesses próprios e egoístas. O pensamento de Nicolau Maquiavel assume um pessimismo antropológico. 1 Jean Jacques Rousseau 3 . Maquiavel considera que todos os seres humanos são naturalmente seres egoístas e maus. Nicolau Maquiavel (1469-1527) Nicolau Maquiavel foi o fundador do pensamento e da ciência política moderna. ³O que o homem perde pelo contrato social é a liberdade natural e um direito ilimitado a tudo quanto aventura e pode alcançar. O Estado Natureza é. Nicolau Maquiavel acredita que a Natureza Humana é essencialmente má e que os seres humanos querem conseguir todos ganhos com o menor dos esforços. sendo que contrato social é indispensável e inevitável para o desenvolvimento. provenientes da propriedade privada é então concluído o con trato social. criando adversidades.

Maquiavel defendia um Estado que encontrava um fim em si mesmo. Na sua mais importante obra. o desejo de mandar e de ser reconhecido por todos como superior. visando sempre a satisfação dos seus desejos e a ganância.Maquiavel acredita que para controlar estes ³selvagens´ não há outro remédio senão um governo e um príncipe que absorvam todos os direitos e liberdades dos homens. é o medo da morte. é a lei da natureza (a lei do mais forte) no seu pior. afirmando que os soberanos poderiam utilizar todos os meios ± legítimos ou não ± para garantir a conquista. Thomas Hobbes afirma que o que move os homens é a vaidade. Hobbes disserta sobre a natureza humana e sobre a necessidade de um governo e sociedades. 4 . que consistem na liberdade dos homens de se unirem para preservar as suas vidas. O Estado Natureza é situação em que se encontram todos os seres humanos fora de uma comunidade ou sociedade política. Hobbes afirma que todos os homens se odeiam naturalmente uns aos outros e que o que os move. Thomas Hobbes Thomas Hobbes é o quarto membro deste grupo de autores que se debruçaram sobre a natureza humana. é de igual modo o Estado em que os homens disputam e decidem tudo através do direito natural e absoluto. mantém um pessimismo antropológico. Segundo Hobbes. o desejo de conservação e a luta pela vida. sendo que este Estado de Natureza é o sinónimo de Estado de Guerra. Assim sendo. Thomas Hobbes acredita que faz parte da natureza humana agir deliberadamente. no Estado de Natureza o que predomina é o direito à sobrevivência. Hobbes acredita que faz parte da natureza humana agir sempre em função da satisfação dos seus desejos e da ganância. Hobbes acredita que os seres humanos no Estado Natureza estão constantemente numa guerra de todos contra todos. assim como Maquiavel. Thomas Hobbes foi um filósofo e teórico político absolutista. Hobbes. a inveja. o Estado Selvagem é um estado caótico. o amor-próprio. fazendo tudo o que a sua razão lhes ditar. O homem deve garantir. a aquisição e a manutenção do seu poder. acima de tudo e qualquer princípio a sua própria existência. ³O Leviatã´. verdadeiramente. A natureza humana é destrutiva e uma cooperação de interesses próprios. Neste Estado o homem possui os chamados direitos naturais. governando através do medo e do autoritarismo.

educá-lo. Jean Jacques Rousseau e John Locke. de autor para autor. Estes dois grupos de autores acima referidos. Os dois absolutistas acreditam que a natureza humana é egoísta. Assim sendo. Cada autor. Rousseau e John Locke afirmam que o homem nasce com capacidade de raciocinar. A passagem ao Estado de Sociedade não é. e que apenas se preocupa em conseguir o que deseja com o menor dos esforços. livre. A Natureza Humana Como a Razão de Governo O Governo que resultar do contrato social varia. como pudemos ver. nada mais que o produto de uma razão utilitarista. em características e objectivos. para controlá-lo. Nicolau Maquiavel e Thomas Hobbes acreditam. acreditam que a natureza humana é intrinsecamente boa. que o contrato social deve absorver todos os direitos para haver igualdade. a única coisa que falta no Estado de Natureza é de facto a protecção e a garantia dos direitos e da propriedade dos cidadãos. Assim sendo os dois autores concebem que a única forma de governo adequada para estes humanos é um governo que domine o Estado Social. Iguais entre si. com direito à liberdade e com bondade no coração.A elaboração do pensamento de Hobbes assenta na inversão do princípio aristotélico de que o ser humano é um animal político. Têm uma concepção da natureza humana boa. subordinados ao governo. instaurada 5 . e num plano mais distante. então. torná-los a todos iguais. e acreditam num governo que venha providenciar apenas segurança e garantir o respeito pelos direitos de propriedade de cada ser humano. de igual modo. Hobbes e Maquiavel acreditam que o governo que emergir do contrato social deve absorver todos os direitos e liberdades humanas e reinar na base da opressão. Nicolau Maquiavel e Thomas Hobbes assumem uma opinião contrária à de John Locke e Rousseau. os liberais. Os dois liberais afirmam assim que ao governo cabe única e exclusivamente a tarefa de proteger os direitos e liberdades dos seus súbditos. procura encontrar uma forma de governo ideal para governar a sociedade política. racional e sociável. má e gananciosa. acreditam em concepções e formas de governo opostas. As formas de governo surgem então a partir das reflexões acerca da natureza humana. é imperativo haver um Estado (sujeito) acima de tudo e todos. Thomas Hobbes acredita que o governo que surgir do contrato social deve absorver todos os direitos do ser humano. de acordo com a sua opinião acerca da natureza humana.

6 . possuem uma visão pessimista da natureza humana e concluem que é imperativo que do contrato social surja um governo autoritário que controle e ³eduque´ a sociedade.pelo contrato social. contudo. Nicolau Maquiavel e Thomas Hobbes. a natureza humana é efectivamente boa e que apenas necessita de um governo limitado que se cinja à protecção dos direitos e liberdades da comunidade. esclarecem que este governo apenas deve ter a única e exclusiva tarefa de garantir e proteger os direitos do cidadão do Estado Social. Os autores que concebem a natureza humana como boa e racional admitem que é necessário um governo. Os dois autores absolutistas demonstram desta maneira que o ser humano não é de todo confiável e que necessita de um governo que lhe absorva os direitos e liberdades e que o guie para um caminho melhor. Os autores liberais demonstram assim que.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful