P. 1
Calcificações e Pigmentações patológicas

Calcificações e Pigmentações patológicas

|Views: 5.297|Likes:
Publicado porPatrícia S. Santos

More info:

Published by: Patrícia S. Santos on Nov 10, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/04/2013

pdf

text

original

Calcificações patológicas

Prof. Eduardo Gomes

Calcificações patológicas
‡ Sinonímia: mineralizações patológicas ou heterotópicas ‡ Conceito:
Deposição de sais (fosfatos, carbonatos e citratos) de cálcio (e também de ferro, magnésio, e outros) em tecidos frouxos não osteóides, em órgãos parenquimatosos, na parede dos vasos, e em pleuras ou meninges.

Calcificações patológicas
‡ Ocorrência:
As calcificações patológicas ocorrem em concomitância com vários processos gerais, como as necroses e degenerações e podem estar presentes em virtualmente qualquer lesão crônica.

Calcificações patológicas
‡ Classificação:
± Calcificação distrófica ou local - que afeta tecidos lesados e não depende dos níveis plasmáticos de cálcio e fósforo. ± Calcificação metastática ou geral ou discrásica ou gota cálcica - onde a hipercalcemia resulta na precipitação dos sais em tecidos normais.

Calcificações patológicas
‡ ³Calcinose´: termo utilizado como sinônimo
de calcificação metastática extensa. Pode também designar a calcificação da derme e do tecido subcutâneo ("calcinose cutis"), independente da causa

Calcificações patológicas
‡ Calcificação distrófica:
± Mais freqüente e localizada ± Ocorrência
‡ Tecidos conjuntivos fibrosos (Ex: placas ateromatosas antigas), tendões, válvulas cardíacas, alguns tumores. ‡ Áreas de necroses antigas e não reabsorvidas, como na linfadenite caseosa da tuberculose; na necrose enzimática das gorduras da pancreatite.

Calcificações patológicas
‡ Calcificação distrófica:
± Ocorrência
‡ Infartos antigos ‡ Ao redor de parasitas e larvas mortas ‡ Abscessos crônicos de difícil resolução ‡ Trombos venosos crônicos (flebólitos).

Em órgãos tubulares (ductos e vesículas), a calcificação pode envolver núcleos orgânicos de debris e células descamadas permitindo a formação de cálculos.

Calcificações patológicas
‡ Calcificação metastática:
± Mais disseminada ± Decorre de hipercalcemia
‡ Absorção abundante de cálcio no tubo gastrintestinal por intoxicação com vitamina D ou plantas calcinogênicas; ‡ Mobilização excessiva de cálcio dos ossos, conseqüência de imobilização prolongada, de osteólise (mielomas ou metástases ósseas); e do hiperparatireoidismo primário ou secundário (renal, nutricional ou por síndrome paraneoplásica).

Calcificação metastática - Mecanismos

Calcificações patológicas
‡ Aspectos Morfológicos: ± Macro:
A área calcificada possui consistência firme, pétrea ou arenosa, é resistente ao corte, com coloração brancacenta ou acinzentada. À tentativa de secção, a faca "range" ao corte. É radio opaca o raio X.

Calcificações patológicas
‡ Aspectos Morfológicos: ± Micro:
Grumos basófilos irregulares (muitas vezes confundidos com bactérias) que confluem ou crescem formando grânulos maiores, às vezes fragmentados devido à microtomia. Pode ocorrer também a formação de lamelas de deposição concêntricas caracterizando os chamados "corpos psamomatosos´.

Calcificações patológicas

Calcificações patológicas
‡ Evolução, conseqüências:
± Dependem do local afetado e da intensidade ± Geralmente os depósitos de cálcio são considerados inócuos e inertes.

± Conseqüências maléficas:
‡ Calcificações de válvulas cardíacas ± estenoses insuficiências ‡ Complicação de ateroscleroses ‡ Potencialização da ocorrência de litíases ‡ Nefrocalcinose extensa ± insuf. Renal ‡ Calcificação pulmonar extensa ± insuf. Respiratória e

± Conseqüências benéficas:
‡ Granulomas tuberculosos, abcessos crônicos, parasitos

Calcificações patológicas
‡ Evolução, conseqüências:
A metaplasia óssea ou ossificação heterotópica é uma conseqüência comum das calcificações, com a metaplasia dos fibroblastos e das células mesenquimais indiferenciadas em osteoblastos e a formação de tecido osteóide.

Cálculos ou concreções ou litíases
‡ Conceito:
Massas esferoidais, ovóides ou facetadas, sólidas, concretas e compactas, de consistência argilosa a pétrea, que se formam no interior de órgãos ocos (bexiga, vesícula biliar), cavidades naturais do organismo (peritoneal, vaginal, do testículo), condutos naturais (ureter, colédoco, ducto pancreático ou salivar) e mesmo no interior de vasos.

Cálculos ou concreções ou litíases
‡ Núcleo orgânico + sais inorgânicos precipitados Núcleo orgânico: células descamadas grumos bacterianos massas de fibrina ou mucina corpos estranhos

Cálculos ou concreções ou litíases
‡ Nomenclatura:
Termo designativo do local de formação ou origem + sufixo "litíase" para denominar a ocorrência do problema do sufixo "lito" para denominar o cálculo
Exemplos: biliares (colelitíase e colélitos), os urinários (urolitíase e urólitos), os bronquiais (bronquiolitíase e bronquiólitos), os salivares (sialolitíase e sialólitos) e os vasculares - formados a partir de trombos (flebólitos e arteriólitos).

Cálculos urinários

Cálculo renal - cão

Cálculos biliares

Cálculos ou concreções ou litíases
‡ Cálculos microscópicos ou microconcreções são também chamadas de corpos amilóides ou amiláceos ("Corpora amylacea"). Estes são geralmente concêntricos e hialinos sendo freqüentes nos ácinos prostáticos e nos alvéolos mamários.

Cálculos ou concreções ou litíases
‡ Concreções exógenas ou "bezoários´:
Tratam-se de massas esféricas, ovóides ou ainda facetadas, que se formam no tubo gastrintestinal, constituídos de material exógeno (pêlos ingeridos ou fibras vegetais não digeridas). - Pêlos: pilobezoários, piloconcreções ou tricobezoários. São mais freqüentes em bovinos, camelos, cães e suínos. - Fibras vegetais: fitobezoários ou fitoconcreções. São mais freqüentemente encontrados no cólon de eqüinos alimentados com aveia e nos pré-estômagos de ruminantes

Bezerro

Bovino

Cálculos ou concreções ou litíases
‡ Pseudoconcreções ou "fecálitos" ou "cíbalos" ou ainda ³fecalomas´: Trata-se de material fecal dessecado, endurecido, conseqüência de constipação crônica. Não deve ser confundida com os verdadeiros enterólitos, que são mais raros.

Universidade Presidente Antônio Carlos

Pigmentações patológicas
Prof. Eduardo Gomes

Pigmentações patológicas
‡ Pigmentos:
‡ Substâncias de composição química e cores próprias; ‡ Amplamente espalhadas na natureza, também encontradas nas células e tecidos, sob a forma de grânulos;

‡ Pigmentação normal ‡ Pigmentação patológica:
‡ Alterações na formação do pigmento (hiper hipoprodução); ‡ Alterações na distribuição (localização anormal); ou

Pigmentações patológicas - Classificação
Tatuagens Exógenos Endógenos Pneumoconioses Melanina Não-hemoglobínicos Hemoglobínicos Lipofuscina

Hemossiderina Bilirrubina Hematinas Hamatoidina

Pigmentações patológicas
‡ Atenção:
As pigmentações patológicas ocorrem em número considerável de doenças, mas o pigmento em si raramente ocasiona alterações histofisiológicas significativas (i.e. raramente é causa de problema, é mais um sinal deste!). Exceção: Hemocromatose.

Pigmentações patológicas exógenas
‡ Via cutânea (inoculação):
‡ Tatuagem: Pigmentos exógenos insolúveis (nanquim, carvão, etc), introduzidos por agulha com propósitos decorativos ou identificadores.

Pigmentações patológicas exógenas ‡ Via oral (ingestão) :
‡ Argirismo ou argiria ‡ Plumbismo ou saturnismo ‡ Pigmentação bismútica ‡ Carotenose ou Lipocromatose exógena

Pigmentações patológicas exógenas
‡ Argirismo ou argiria:
± Intoxicação com sais de prata; ± Deposição nos glomérulos renais, glândulas sudoríparas e sebáceas e derme superficial de complexos prata-proteína, produzindo uma pigmentação cinzenta azulada permanente na pele e mucosa oral.

Pigmentações patológicas exógenas
‡ Plumbismo ou saturnismo:
± Intoxicação com sais de chumbo; ± Deposição de sulfeto de chumbo nos ossos (principalmente no fêmur) e na mucosa oral odonto - gengival produzindo uma linha escura - "Linha do chumbo´; ± Graves lesões no sistema hematopoiético, no SNC e nos rins.

Pigmentações patológicas exógenas
‡ Pigmentação bismútica:
± Intoxicação com sais de bismuto; ± Mais comumente associada ao tratamento com compostos bismúticos ou como doença profissional; ± Deposição de sulfureto de bismuto principalmente nas gengivas com o aparecimento da "linha bismútica".

Pigmentações patológicas exógenas
‡ Carotenose ou Lipocromatose exógena:
± Ingestão excessiva de pigmentos vegetais (caroteno, xantofila, etc...) lipossolúveis; ± Coloração amarelo-pálido na pele e vísceras, sem efeitos deletérios conhecidos; ± Freqüente em eqüinos e bovinos jérsei e guernsey (cuja gordura é mais amarelada) e em aves (pigmentos como aditivos na ração).

Pigmentações patológicas exógenas
‡ Via respiratória (inalação): ± As "Pneumoconioses" são alterações pulmonares e de linfonodos regionais decorrentes da inalação de partículas provindas do ambiente (poeiras/poluição do ar). ± Não são verdadeiramente pigmentares. distúrbios

Pigmentações patológicas exógenas
‡ Tipos de pneumoconiose:
± Antracose:
‡ Deposição de carvão nos pulmões, linfonodos regionais e em outros órgãos (via migração de macrófagos); ‡ O carvão é o mais inócuo e mais freqüente dentre as substâncias inaladas; ‡ Macro: pontilhado preto acinzentado, linfonodos regionais escurecidos; ‡ Micro: grânulos enegrecidos histoquimicamente resistentes a todos solventes, nos alvéolos e nos septos interalveolares, as vezes dentro de macrófagos.

Antracose

Pigmentações patológicas exógenas
‡ Outras pneumoconioses:
± Silicose: inalação de sílica (terra); ± Asbestose: Inalação de silicato de magnésio (amianto); ± Silicossiderose: de minério de ferro (Hematita); ± "Calcinose": de Carbonato de cálcio (cal); ± Beriliose: de Berílio; ± Cadmiose: de cádmio;

Pigmentações patológicas exógenas
‡ Outras pneumoconioses:
± Plumbose: de chumbo; ± Cuprose: de cobre; ± Argirose: de sais de prata; ± Hidrargirose: de sais de mercúrio; ± Bismutose: de sais de bismuto.

Síntese de melanina

Tirosina

Tirosinase (Cu)

3,4diidroxifenilalanina (DOPA) MELANINA

DOPA quinona

Pigmentações patológicas endógenas ‡ Relacionados à melanina ± a) Aumento localizado: nevos, melanoma,
melanose, acantose nigricans.

± b) Aumento generalizado: Melanodermias
secundárias radiações). (gestação, hipoadrenalismo,

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Relacionados à melanina a.1) Nevos Pigmentados:
‡ Má formações de aspecto tumoral ("Hamartomas"), também considerados por alguns como verdadeiras neoplasias benignas ("nevoblastomas"), oriundos dos melanócitos e melanoblastos. ‡ Importância na espécie humana

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Relacionados à melanina a.2) Melanomas:
‡ Neoplasias freqüentes em medicina veterinária; ‡ Mais comuns em cães, eqüinos tordilhos ou albinos; incomuns em bovinos e suínos; e raros em gatos e ovinos; ‡ Quantidades variáveis de melanina

Pigmentações patológicas endógenas ‡ Relacionados à melanina a.3) Melanose:
‡ Cutânea ou visceral (geralmente congênita, afetando principalmente as meninges, pleura, cápsula de Glisson hepática, e as vezes a aorta); ‡ As máculas de melanina se dispõem caracteristicamente em "tabuleiro de xadrez", com limites nítidos; ‡ Não tem significado clínico.

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Relacionados à melanina a.4) Acantose nigricans:
‡ Dermatopatia idiopática do homem e de cães (principalmente em dachshunds, airedales e terriers), de curso crônico; ‡ Hiperpigmentação, alopecia e liquenificação progressiva, circunscrita e simétrica.

Acantose nigricans

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Relacionados à melanina b.1) Melanodermias secundárias
‡ Gestação gestacional) ‡ Distúrbios (disendocrinias) ‡ Radiações (melanodermia

endócrinos

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Relacionados à melanina ± c) Diminuição localizada: Vitiligo, Acromia

cicatricial e acromotriquia

± d) Diminuição generalizada: Albinismo e acromia
senil e/ou nutricional.

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Relacionados à melanina
c.1) Vitiligo: adquirida, idiopática; já descrita em equinos c.2) Acromia cicatricial c.3) Acromotriquias:
‡ Senilidade (comum no homem, nos eqüinos, nos cães e gatos) e mesmo em algumas deficiências nutricionais (cobre, ácido paraminobenzóico, ácido pantotênico).

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Relacionados à melanina
d.1) Albinismo: ‡ Despigmentação generalizada congênita ‡ Incapacidade dos melanócitos de sintetizar a tirosinase ‡ Descrito em eqüinos (geralmente estéreis), em cães (principalmente Collie e Bulldog) e gatos (geralmente surdos) e em coelhos.

Desmodus rotundus albino Fotos Dr. Jonas Francisco de Assis, Médico veterinário IMA Frutal, enviadas pelo Médico veterinário Márcio Geraldo coordenador estadual de controle de raiva do IMA. Contatos: raiva@ima.mg.gov.br

Albino Doberman Pinscher with one of normal coloration

Albino Alligator

Pigmentações patológicas endógenas ‡ Relacionados à lipofuscina:
± Conceito: Grupo homogêneo de pigmentos pardacentos, derivados da oxidação de lipídeos ou de lipoproteínas, geralmente insaturadas. ± Sinônimos: pigmento ceróide, lipocromo, pigmento do desgaste, pigmento do envelhecimento.

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Relacionados à lipofuscina:
± Ocorrem em condições de senilidade ou caquexia (caracterizando a "Atrofia Parda") ± Grande variedade de tecidos acometidos (coração, músculos esqueléticos, fígado, adrenais, neurônios, tireóide e paratireóide, rins, ovários, testículos e mesmo em linfonodos)

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Relacionados à lipofucsina:
± Macro: Empardecimento do órgão (atrofia parda)

± Micro: Grânulos pardo-amarelados ou marrom escuros,
distribuídos esparsamente no citoplasma ou próximo aos pólos dos núcleos nas fibras musculares

Lipofucsinose - bovino

Hemoglobina: Proteína (globina) + 4 grupos prostéticos derivados da síntese de porfirinas (grupos heme) Grupos heme: Grupo férrico + grupo cromático isento de ferro (protoporfirina III)

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Classificação dos pigmentos hemoglíneos:
± Pigmentos ferruginosos (reação positiva com Azul da Prússia)
‡ Hematina ‡ Hemossiderina

± Pigmentos não-ferruginosos
‡ Porfirinas ‡ Hematoidina ‡ Pigmentos biliares (biliverdina, bilirrubina, urobilinogênio, urobilina, estercobilina).

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Porfirias:
± Conceito: ‡ Distúrbio na biossíntese do grupo prostético Heme; ‡ Resulta num acúmulo de porfirinas e de seus precursores no organismo. ± Etiologia: ‡ Congênita: doença hereditária - gene autosômico dominante (no homem, no suíno e no gato) ou recessivo (no bovino).

‡ Adquirida: Intoxicação com Hexaclorobenzeno (fungicida de trigo e cereais) ou com o Alil isopropil carbamida.

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Porfirias:
± Características clínicas e anatomopatológicas:
‡ Hiperporfirinemia e hiperporfirinúria (urina se torna vermelha escura quando exposta à luz solar); ‡ Dermatite fotodinâmica ou "Fotossensibilização (porfirinas são pigmentos fotodinâmicos) ‡ "Rim de Ébano" - Rim de coloração pardo escura, em conseqüência da deposição de porfirinas no seu parênquima. ‡ "Pink tooth disease" - ("Doença do dente cor de rosa") Devido a deposição de porfirinas nos ossos e dentes, o esqueleto fica com uma coloração achocolatada enquanto os dentes se coram com um róseo pardo peculiar.

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Hemossiderose:
± Conceito: Acúmulo anormal de hemossiderina* nos tecidos, especialmente nos macrófagos da derme, do fígado, do baço, da medula óssea, linfonodos e pulmões. Hemossiderina: Pigmento brilhante, amarelo ouro ou castanho escuro, resultante da degradação da Hb

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Hemossiderose:
± Etiologia: degradação excessiva de hemácias (local ou geral) ± Macro: Quando intensa, a hemossiderose determina uma coloração ocre amarronzada, detectável no fígado, no baço, nos linfonodos, no miocárdio e no pâncreas. ± Micro: grânulos brilhantes dourados ou pardacentos, azul da Prússia positivos, de tamanhos variados, entre as células (nos linfonodos, principalmente) ou dentro de macrófagos e/ou células epiteliais.

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Hematinoses:
± Conceito:
Ocorrência de pigmentação resultante da catabolização anormal da Hb, sob ação de ácidos ou álcalis ou de enzimas digestivas de parasitos hematófagos ou em tecidos com pH muito alto ou baixo e que tenham hemorragias - exemplo: Úlcera péptica

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Tipos de hematinas
± Hematina acida formolínica ou "Pigmento do Formol: Comum em tecidos hemorrágicos quando fixados em formol ácido não tamponado. Apresenta-se como grânulos bronzeados ou preto esverdeados. Não tem significado patológico.

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Tipos de hematinas
± Hematina ácida hidroclorídrica ou "Pigmento da úlcera³: Formada pela ação do ácido clorídrico sobre a Hb, freqüentemente observada nas proximidades de úlceras gástricas.

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Tipos de hematinas
± Hematina malárica ou "Hemozoina" ou ainda "Pigmento Palúdico³: Resulta da digestão enzimática da Hb pelo Plasmodium spp., que com a ruptura das hemácias, libera grânulos castanho escuros no interstício para os macrófagos do baço, fígado e outros órgãos.

Fígado ± Hemozoína - Malária

Plasmodium

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Tipos de hematinas
± Hematina esquistossomótica ou "Pigmento esquistossomótico´: Resulta da digestão enzimática da Hb no tubo digestivo do Schistosoma mansoni (ingestão de hemácias, digestão e regurgitamento, de maneira intermitente), levando à formação de grânulos castanho escuros, semelhantes à hemozoina, que se acumulam nas células de Kupffer.

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Desordens ligadas à hematoidina e pigmentos biliares ± Hematoidina:
‡ Pigmento derivado da metabolização do grupo corado (protoporfirina III), azul da Prússia negativo (isento de ferro), de estrutura química semelhante à bilirrubina (Bb); ‡ Ocorre nas proximidades de hemorragias antigas na forma de grânulos amorfo amarelados, vermelho alaranjados (às vezes lembrando um "ouriço") ou então de pequeninas placas romboidais dispostas radialmente; ‡ Resulta da ação hemocaterética de macrófagos locais sobre as hemácias extravasadas, traduzindo um processo localizado (diferente da Bb nas icterícias).

Hematoidina

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Pigmentos biliares:

Grupo

de pigmentos oriundos da metabolização do grupo corado (protoporfirina III), azul da Prússia negativos (isentos de ferro) ocorrendo normalmente nas células do sistema monocítico fagocitário em decorrência da hemocaterese (eliminação de hemácias velhas).

Metabolização dos pigmentos biliares

Bilirrubina direta + sais biliares

Duodeno Redutases bacterianas Urobilinóides (Urobilinogênio, mesobilinogênio, estercobilinogênio)

Circulação porta-hepátíca Não absorção no intestino

Circulação sistêmica

Fígado

Rins

Ressíntese de Bb II

Fezes (urobilina e estercobilina

Urina (urobilina)

Pigmentações patológicas endógenas ‡ Icterícias:
± Conceito: Desordem importante caracterizada por uma coloração amarelo-esverdeada nos tecidos, causada pela elevação dos níveis séricos de pigmentos biliares.

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Fisiopatologia das icterícias:
± Produção excessiva de Bb ± Captação hepática reduzida ± Conjugação hepática comprometida ± Excreção hepatocelular reduzida ± Fluxo biliar comprometido

Préhepática Hepática Póshepática

Pigmentações patológicas endógenas
‡ Icterícias:
± Macro: Coloração amarelo-esverdeada, facilmente reconhecível em tecidos mais pálidos como a esclerótica ocular, omento, mesentério, gorduras pericardíacas e perirrenais. ± Micro: A Bb impregnada nos tecidos nem sempre atinge concentrações suficientes para permitir a precipitação e assim ser visíveis à microscopia óptica.

Icterícia

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->