Você está na página 1de 13

Ética e Moral em Hegel

Escrito por Gilmar Kruchinski Junior

Ter, 07 de Julho de 2009 15:48


ÍNDICE

INTRODUÇÃO .............................................................................................. 03
1. DISTINÇÃO ENTRE ÉTICA E MORAL EM HEGEL ............................. 04
2. A ÉTICA COMO PRESSUPOSTO À LIBERDADE ................................ 06
3. O MÉTODO HEGELIANO E O SEU OBJETO ........................................ 08
4. MORAL E ÉTICA EM SUA FUNDAMENTAÇÃO DIALÉTICA ........... 11
CONCLUSÃO ................................................................................................ 14
BIBLIOGRAFIA ............................................................................................. 16

INTRODUÇÃO

O Objetivo do presente trabalho é estabelecer a definição de conceitos entre ética e moral em Hegel, com
também analisar a fundamentação de sua tese, o método hegeliano e o seu objeto de análise, e por fim a
moral e a ética em sua fundamentação dialética.

1 DISTINÇÃO ENTRE ÉTICA E MORAL EM HEGEL

O ético para Hegel é tudo o que constitui o ethos de um povo. O costume ou a moral normativa de um
povo é aquilo que o constitui, são seus elementos universais, é o opressor da verdade do espírito no
mundo, a identidade de sua validade.
A verdade do ethos é o estado que representa o coletivo.
A verdade do estado é o tribunal da História, que na suprassunção dialética aparece como fim no
absoluto.
A ética em Hegel pressupõe conteúdo e forma. Este conteúdo é moral e a forma é ética. No dialético
Hegeliana, o todo não é só a soma das partes.
As partes são partes de um todo fundamentado.

5
A ética Hegeliana pressupõe um homem livre, que haja de acordo com o todo. A pólis é a efetivação do
indivíduo expressada no ethos de um povo. O homem só se realiza na pólis.
Portanto, a distinção em Hegel sobre ética e moral é, em última instância, suprassumida pelo absoluto. O
absoluto que suprassume a forma (ética) versus o conteúdo (moral) é a síntese do sujeito incluso no
predicado, a suprassunção dos momentos eidético e tético.

2 A ÉTICA COMO PRESSUPOSTO À LIBERDADE.


A distinção entre o livre arbítrio e a liberdade tem o eu fundamento na estrutura lógica - dialética da
própria razão. Para Hegel o verdadeiro é o todo determinado. Este todo pressupõe a liberdade do
indivíduo enquanto fundamentalmente realizável na pólis.
A moralidade expõe o sujeito necessariamente à uma identidade entre a vontade individual e universal
(dialética da subjetividade da identidade).
Na eticidade a liberdade não está na vontade individual, está no todo coletivo.
Na eticidade a autoconsciência se efetiva, a liberdade expõe sua verdade. O dever não está mais posto de
forma subjetiva formal, mas se objetivou.
Chegamos à conclusão de que o dever é livre e auto constituído pelo sujeito coletivo auto realizável,
onde o ético aparece de forma efetiva no universal
7
concreto, onde a verdade de uma vontade livre particular e efetiva que sai de si para superar a contradição
dos arbitrários particulares e alcançar a verdade da liberdade como ideal.
O dever ético está concretamente determinado. A objetivação da vontade livre em Hegel se dá primeiro
na família, depois na sociedade civil, onde a família passa a ser a grande família (comparações) onde o
indivíduo só se funde como coletivo.
E em um terceiro momento o estado. É no estado que a vontade livre supera os seu estado anterior
subjetivo e individual (natural) para ir a um estado objetivo, universal e necessário.

3 O MÉTODO HEGELIANO E O SEU OBJETO.

A exposição do método Hegeliano se dá na estrutura lógico-dialética da própria razão. A exposição do


método Hegeliano não pode proceder de forma analítica, porque senão teríamos formas separadas
(Formalidade).
O conteúdo que faz parte da forma de um universo concreto só poderia ser exposto como um todo na
forma dialética. Por isso, o método deve ser a possibilidade de pôr, construir e reconstruir o verdadeiro
(todo), desde os seus momentos mais particulares e indeterminados, subjetivos , até a objetivação da
determinação absoluta.
Hegel expõe no método o absoluto desde a razão pela contradição dialética, mostrando a possibilidade da
razão quando esta pretende estabelecer as normas universais apenas no aspecto formal. Para efetivar o
conteúdo e o formal do dever ser (conduta ética), o determina como racional em e por si. É na eticidade
que o dever se alcança o racional em e por si.
9
O dever-ser ético é objetivo, onde o bem alcança a sua existência na eticidade e a sua verdade na
moralidade.
O ético em Hegel possa a ser em método a realização dos momentos eidéticos e tético da contradição das
partes suprassumidas pelo verdadeiro, em síntese absoluta onde o bem, a liberdade e a vontade se expõe
de forma objetiva no universal concreto.
O objeto da filosofia de Hegel é a idéia, ou o absoluto ideal. O objeto e o método não podem ser
separados, por razão dialética de exposição óbvia.
O objeto da filosofia só pode ser captado racionalmente, pelas idéias, e tratar da verdade do todo é tratar
da idéia e mostrar os momentos logicamente necessários pelos quais o todo se efetiva. A exposição da
idéia (ou objeto Hegeliano) têm como único princípio proposta a contradição lógica que exige a
passagem de um momento para o outro. A razão dialética põe a própria determinação no conceito,
contrapondo a antítese à tese, sendo este um movimento de auto - esclarecimento determinante auto-
objetivado da razão dialética, que no final se suprassume no todo.

10
Hegel no final reuniu dialeticamente o que Kant separou (pensamento e ser). Para Hegel, o racional são os
próprios momentos da exposição da idéia. O pensamento racional dialético é o efetivo, real. Assim, há
uma relativização da experiência como possibilidade de se superar dialeticamente pelo absoluto, que
igual a Aristóteles, é o todo anterior as partes, as partes já estão expostas no todo, em coerência lógica -
dialética e na exposição que torna possível a limitação eidética e a ilimitação tética, para expor a verdade
que se auto - exprime suprassumida na síntese do absoluto.

4 MORAL E ÉTICA EM SUA FUNDAMENTAÇÃO DIALÉTICA.

A moralidade, sendo a determinação interior subjetiva da vontade, exige que o processo dialético avance
para determinação objetiva, para uma eticidade.
Para a moralidade, o fato não tem uma determinação ética em e por si, só a tem em relação a intenção da
vontade que atuou tal ação.
Pelo subjetivo, a moralidade que busca o bem legitima o mal. A superação dialética se dá no processo de
superação em rumo à objetividade de uma determinação; numa e uma eticidade. O absoluto abstrato,
objetivando-se a uma eticidade, torna-se o absoluto concreto, ou seja, supera a forma moral (sem
conteúdo) e atinge o conteúdo de sua concretude, ou seja; passa dialeticamente do abstrato ao concreto,
tornando a eticidade a efetivação real, ideal.
A necessidade de objetivação do dever moral está no reconhecimento de que as determinações morais
sempre incluem conteúdo, são determinadas num
12
contexto real.
É só de forma real, determinada que se pode estabelecer o que realmente deve ser.
No momento dialético, Hegel coloca o princípio da negação para determinar o seu limite. Assim como a
moralidade foi a negação da vontade individual, a eticidade é a negação da vontade enquanto subjetiva,
particular, apresentando a sua objetividade. A eticidade aparece como o espaço da verdade do dever, a sua
realidade. Ë a exposição do dever em e por si.
Ë na eticidade o lugar onde a idéia da liberdade alcança a sua efetividade, a racionalidade dialética em e
por si. Este momento é a síntese libertária do ser humano.
Cabe lembrar que a síntese não elimina os momentos anteriores, garantindo a subjetividade do ser
humano e a objetividade das normas, leis, costumes, enfim, do ethos.
O ético é o que aparece por trás do bem abstrato da moralidade é só na determinação da vontade subjetiva
que se pode resolver a contradição que a moral põe e não pode resolver entre a boa intenção e o agir não
necessariamente bom.
13
Deste modo, o ético tem um conteúdo fixo que é por si necessário e uma existência que se eleva por cima
da opinião subjetiva e do capricho: - As instituições e leis existentes em e por si.
O ético é a autoconciência que alcançou a sua verdade, que sabe e quer o em si e por si bom. Então a
vontade subjetiva sabe que o ético é em e por si o substancial, o verdadeiro.
A moralidade é a instância onde a própria autoconsciência ainda não passou pelo processo de mediação
(família, comparações, estado) dos momentos dialéticos colocados na forma de superação individual,
quando o indivíduo se separa da família e visa no coletivo a sua auto-afirmação, que o princípio subjetiva,
se objetiva na forma substancial, da conservação do indivíduo pelas comparações e a sua elevação ideal
objetiva quando o indivíduo se reconhece na lei universalizante do estado. Portanto, o Estado é a
liberdade realizada enquanto idéia necessária e universal em suas estrutura noético - noemática, dialética
suprassumida pelo absoluto Hegeliano.

CONCLUSÃO

O esquema conceitual que sustenta o projeto de Hegel é a dialética. Aí a razão deixa de ter uma função
subjetiva unificada da multiplicidade dada em conceitos, para converter-se em substâncias - sujeito,
realidade auto-suficiente. É a razão que dialeticamente se expõe e não só o pensamento dos particulares.
Pelo estado, o homem em si e por si se reconhece livre e a sua liberdade é reconhecida, ele (sujeito) se
reconhece nas leis ideais do estado em sua substancialidade objetiva.
O estado para Hegel é o estado pensado (ideal) normativo que serve para o homem se orientar no seus
dever - ser, em que este estado pensado está amplamente sobreposto no estado histórico, ”real”, onde o
ser aparece.
Passar da moralidade á eticidade é passar é passar de um ser moral a um dever - ser ético.
15
O esquema de Hegel busca um síntese suprassumida como síntese final no absoluto, que parte do real
racional a um ideal substancial, objetivo, final.

BIBLIOGRAFIA:

HEGEL - Fenomenologia do espírito humano. Trad. De Paulo Meneses. Petrópolis: Vozes,1992.


INTRODUÇÃO à Ética filosófica São Paulo, Loyola,1999 (coleção Filosofia)
OLIVEIRA, Manfredo Araújo de. Ética e sociabilidade São Paulo, Loyola,1993 (coleção Filosofia:25).
OLIVEIRA, ________________. Ética e práxis histórica. São Paulo, Ed.Ätica,1995.
TUGENDHAT, Ernest. Lições sobre ética, Petrópolis, RJ:Vozes,1996.
VÁSQUEZ, Adolfo Sänches; SANZ, Patrício. Ética. 1104-14 México 12, D. F.
VAZ, Henrique C. de Lima. Antropologia filosófica I e II. São Paulo: Loyola,1992 (coleção Filosofia).
WEBER, Thodeu. Hegel: Liberdade Estado e História. Petrópolis: Vozes,1993.

Acta Scientiarum. Human and Social Sciences Maringá, v. 25, no. 2, p. 251-255, 2003
Sobre o conceito de subjetividade na Filosofia do Direito de Hegel
Cézar de Alencar Arnaut de Toledo
Departamento de Fundamentos da Educação, Universidade Estadual de Maringá, Av. Colombo, 5790,
87020-900, Maringá,
Paraná, Brasil. e-mail: caatoledo@uem.br

RESUMO. O presente trabalho apresenta uma discussão sobre o papel e a articulação do conceito de
subjetividade no contexto da Filosofia do Direito de Hegel. O tema é especialmente tratado entre os § 105
e 141, onde o tema da Moralidade, que é precedida de uma discussão sobre a Propriedade, primeiro
momento da tríade que tem seu fim, para reiniciar novamente, no Estado. A Subjetividade é gestada pela
própria formação do sujeito moral, objeto de discussão dos § 90 a 104. Essa é a base sobre a qual é
construída a subjetividade, mas também, em seguida, o Estado. A decisiva influência que teve o
pensamento de Hegel sobre o assunto pode ser notada não apenas na Filosofia do Direito depois dele,
mas, também, nas chamadas filosofias da subjetividade, típicas do século XX.

Palavras-chave: subjetividade, Hegel, Filosofia do Direito, Filosofia Alemã, idealismo.

ABSTRACT. About the concept of subjectivity in the Hegel’s Philosophy of Right. Discussion about the
role and the articulation of the subjectivity concept in the context of Philosophy of Right of Hegel. The
theme is especially treated among the paragraphs 105 and 141, in which the Morality theme is discussed;
the same one is preceded by Property conception, the first moment of the triad that has its end, to restart
again, in the State. The Subjectivity is created in the moral Subject's own formation and it is discussed
among the paragraphs 90 and 104. This is the base on which Subjectivity is built and also, right after,
the State. The decisive influence that Hegel’s thought had on the subject cannot just be
noticed in the Philosophy of Right, but also, in the philosophies of subjectivity, typical from
the 20th century.

Key words: subjectivity, Hegel, Philosophy of Right, German Philosophy, Idealism.


O objetivo deste artigo é apresentar o tema da
subjetividade na obra Princípios da Filosofia do
Direito (Grundlinien der Philosophie des Rechts), de
Georg Wilhelm Friedrich Hegel (1770-1831).1
Trata-se de uma introdução à discussão sem a pretensão de esgotamento do assunto. Para se
conhecer o sistema filosófico hegeliano, é necessário munir-se de boa dose de cautela, tendo em vista que
os conceitos que ele utiliza assumem significação específica em sua obra. O assunto é tratado em várias
passagens de sua obra, e, sendo assim, a opção pela focalização da discussão nas Grundlinien... se deve
ao fato de que, nessa obra, suas idéias são apresentadas de modo a explicitar a ligação entre Ética e
Filosofia do Direito. Esta, segundo René 1 A primeira edição das Grundlinien der Philosophie des Rechts
(veja-se edição alemã indicada nas referências) foi feita pelo próprio autor em 1820. As edições
posteriores, datadas de 1830 em diante, foram acrescidas das anotações de aula de alguns de seus alunos.
Tais notas desenvolvem algumas questões ou possibilitam a compreensão de algumas passagens do texto
hegeliano, doravante citado FD.
Marcic, é uma das mais importantes bases sobre as
quais se assenta o sistema filosófico hegeliano.2
É necessário lembrar que, para Hegel, a clássica
oposição entre subjetividade e objetividade é algo
estranho e não tem lugar em seu sistema filosófico.3
Nele, a subjetividade é entendida através das
seguintes fases, que, no dizer de M. Inwood, podem
ser assim apresentadas:
1. A retirada do sujeito para dentro de si, como um puro Eu.
Isso também envolve a objetividade (num bom sentido), em
virtude de, por exemplo, sua associação com o conceito.
2. A manifestação do sujeito numa variedade de estados e
atividades, tanto psicológicas (por exemplo, opiniões, desejos)
quanto físicas (por exemplo, ações, pinturas). Isso envolve a
objetividade, mas, com freqüência, num mau sentido, uma
vez que os objetos expressam apenas os caprichos subjetivos
do sujeito.
3. A reclamação do sujeito racional de suas objetificações
externas: por exemplo, suas manifestações num Estado
2 Cf. R. MARCIC. Geschichte der Rechtsphilosophie.
Schwerpunkte-Kontrapunkte, capítulo 13, p. 311-325.
3 Cf. M. INWOOD. Dicionário Hegel, p. 301.
252 Arnaut de Toledo
Acta Scientiarum. Human and Social Sciences Maringá, v. 25, no. 2, p. 251-255, 2003
racional e seu endosso deste. Neste caso, uma vez mais,
subjetividade e objetividade (ambas num bom sentido)
coincidem.4
A temática da subjetividade apresentada e
discutida por Hegel no texto Princípios da Filosofia
do Direito não constitui exclusividade, posto que o
próprio Hegel já havia tratado da mesma questão
anteriormente, especialmente na Enciclopédia das
Ciências Filosóficas (Enzyklopädie der
philosophischen Wissenschaften im Grundrisse), cuja
primeira edição data de 1817.5 Ao discutir questões a
respeito da Filosofia do Direito, ele condensou
também suas idéias a respeito do tema da
subjetividade, que constitui, em seu sistema
filosófico, um importante momento da realização da
própria história. Sendo assim, sua compreensão é
condicionada à ligação com o movimento dialético
geral.
O papel de Hegel na história da filosofia é
peculiar.6 Seu sistema, fechado, é um marco do
pensamento humano. Toda a filosofia posterior a ele
é marcada pelas suas reflexões e pelos seus conceitos.
No caso da obra FD, as interpretações variam,
conforme nos diz Denis Huisman:
Esta obra contribuiu muito para a instauração da imagem de
um Hegel conservador e até reacionário: a do filósofo oficial,
anti-liberal, da restauração prussiana. Uma leitura mais
atenta do texto, que foi submetido (como todas as publicações
de Hegel) aos tormentos da censura, revela uma imagem bem
menos dura, até oposta. Hegel - que é verdade, opta pela
monarquia constitucional, expressa aqui opiniões muito
audaciosas e razoavelmente liberais.7
Na FD a subjetividade é tratada especialmente na
segunda parte do texto (§ 105-141), visto que, nessa
parte, é tratada a moralidade, que é o segundo
momento no movimento da esfera do Direito, cujo
primeiro momento é o Direito Abstrato, que se
inicia pelo movimento da Propriedade. O terceiro
momento é o Estado, singularidade que contém,
supera e reelabora as determinações (ou
determinidades) anteriores. No § 33 da Introdução,
onde é apresentado o plano geral da obra, o autor
mostra que a Singularidade Subjetiva é uma
determinação da vontade que reflete a si mesma (sua
universalidade ao particularizar-se). Vejamos o que
Hegel diz:
4 Idem, ibidem, p. 302.
5 Veja-se edição alemã indicada nas referências.
6 Sobre a vida e obras de Hegel, veja-se D. HUISMAN. Dicionário
dos filósofos, verbete Hegel, p. 465-472, de autoria de Jacques
D’HONDT.
7 D. HUISMAN, Dicionário de obras filosóficas, p. 443-444.
b) A vontade que da existência exterior regressa a si é aquela
determinada como individualidade subjetiva em face do
Universal (sendo este, em parte, como mundo dado,
exterior), sendo estes dois aspectos da idéia obtidos apenas um
por outro; é idéia dividida na sua existência particular, o
direito da vontade subjetiva em face do direito da idéia que
só em si existe ainda, é o domínio da moralidade subjetiva;
(FD § 33)
Em outro trecho (§ 90- 104), ele discute a gênese
do sujeito moral, partindo da dialética do crime e da
pena, que são indissociáveis e evocados pelo tema da
propriedade. É através da propriedade que a vontade
se põe em algo exterior. Tanto ela pode se impor
pela força como sofrer violência nesse ponto (§ 90).
Porém, apenas a vontade existente pode ser lesada (§
96). Mesmo que o corpo humano possa ser
constrangido pela violência, sua vontade livre não
pode sê-lo (§ 91). O primeiro momento de
afirmação da vontade é o “elemento da pura
indeterminidade”, que é a reflexão adentro de si
mesma - puro pensamento de si mesma (§ 5). O Eu é o
segundo momento da vontade, que se apresenta
como negatividade absoluta, como se pode verificar
no § 6:
b) Ao mesmo tempo, o Eu é a passagem da indeterminação
indiferenciada à diferenciação, a delimitação e a posição de
uma determinação específica que passa a caracterizar um
conteúdo e um objeto. Pode este conteúdo ser dado pela
natureza ou produzido a partir do conceito do espírito. Com
esta afirmação de si mesmo como determinado, o Eu entra na
existência em geral; é o momento absoluto do finito e do
particular no Eu.
Esse segundo momento, mesmo se apresentando
como a liberdade, não é ainda a liberdade toda. Aqui,
o Eu passa do simples querer para o querer algo (§6,
adendo). É importante observar a distinção que
Hegel faz entre o querer e o querer algo. São
momentos diferentes. A liberdade da vontade, que é
a própria substancialidade da vontade, constitui-se
pela unidade dos momentos anteriores (vontade
abstrata e vontade particularizada; ou querer e querer
algo), pois é nessa autodeterminação (que se reflete
adentro de si) que a vontade, ao se superar, afirmase,
realizando-se plenamente (§7). Ao dizer-se que a
vontade é universal, é necessário, também, ter em
conta que ela sempre pressupõe um sujeito como
algo abstrato - e, mesmo assim, ela não é algo
acabado em si, pois:
Aqui, apenas se pode observar que ao dizer-se que a vontade
é universal, que a vontade se determina, se exprime a
vontade como sujeito ou substrato já suposto; não é ela,
porém, algo de acabado e de universal antes da
determinação, pois só, pelo contrário, é vontade como
atividade que estabelece sobre si mesma uma mediação a fim
de regressar a si. (FD, §7).
Sobre o conceito de subjetividade na Filosofia do Direito de Hegel 253
Acta Scientiarum. Human and Social Sciences Maringá, v. 25, no. 2, p. 251-255, 2003
Para Hegel, então, a vontade só é livre no
movimento de libertar-se da própria universalidade
abstrata para se realizar como personalidade (no
direito abstrato), como subjetividade e como sujeito
moral. Aqui, o ponto de vista moral tem, como
princípio, a subjetividade (§ 21). Mas, antes, é pelo
decidir-se que a vontade se torna vontade de um
indivíduo particular, que assim se diferencia frente
aos demais sujeitos (§ 13) - em que pese o fato de
que, para a inteligência que pensa, o objeto e o
conteúdo permaneçam como universal (idem). É a
liberdade da vontade que é arbítrio. Isso do ponto de
vista do conteúdo e como determinação, e, assim, é
manifestamente a vontade enquanto contradição (§
15). Mais adiante, ele nos explica o arbítrio da
seguinte maneira:
A contradição implícita no livre-arbítrio (§ 15) manifesta-se
na dialética dos instintos e das tendências: destroem-se eles
reciprocamente, a satisfação de um arrasta a subordinação e o
sacrifício de outro etc.; é como o instinto que não tem outra
direção que não seja o seu próprio determinismo, e não possui
em si mesmo um moderador, a determinação que o sacrifica e
subordina só pode ser a decisão contingente do livre-arbítrio,
até quando este emprega um raciocínio para calcular qual o
instinto que possa trazer maior satisfação ou se coloque em
qualquer outro ponto de vista. (FD § 17)
Porém, para ele, os impulsos devem ser
purificados de sua determinidade natural e também
da subjetividade, que é contingencial, para serem
reconduzidos à sua essencialidade (substancial,
poder-se-ia dizer) onde, a partir do conceito, são o
conteúdo da ciência do Direito (§19).
Denis Rosenfield, ao falar sobre efetividade na
obra de Hegel, diz que:
A vontade não está, pois, encerrada numa espécie de
determinismo onde tudo seria absolutamente necessário, mas
encontra-se confrontada com o produto do seu próprio
trabalho. Ele se pensa como resultado e como agente deste
processo que é o seu. O que se efetua pode também não se
efetuar.8
Mais adiante, ele dirá que, em Hegel, a vontade
se torna individualidade verdadeira ao perfazer o
universal e que a universalidade, que é o ponto
central do pensamento de Hegel, determina o
estabelecimento de uma comunidade humana livre
(idem, p. 35). E assim:
Conhecer o que é a vontade é conhecer um dos princípios das
transformações históricas. Uma mesma determinação pode
culminar numa simples destruição, como pode tornar vivo o
que foi fixado por uma situação de não liberdade, por relações
sociais próprias do entendimento. Por exemplo, tal é o caso de
uma dissolução de entidades públicas que obstaculizam o
8 D. ROSENFIELD. Política e liberdade em Hegel, p. 18.
surgimento de uma nova figura. Esta pode realizar-se como
liberdade da razão através de seu processo de
particularização; ela pode também fixar-se na fúria da
destruição e, destruindo o outro, ela destrói-se a si mesma. O
que a destruição histórica põe em movimento, quer na sua
irracionalidade, quer nesta ausência de controle das
determinações da vontade, é uma faculdade de dissolução que
deve ser apreendida em sua verdade.9
Isso se deve ao fato de que a vontade, em seu
conceito puro, tem por objetivo a realidade, a
intuição de si mesma (§ 23). E, desse modo, ela é
universal, pois nela toda limitação e toda
singularidade individual são suprimidas (§ 24).
A vontade, considerada do ponto de vista geral,
como acima, permite entender a subjetividade, cuja
definição é dada por Hegel nas seguintes palavras:
Ao considerar-se a vontade em geral, o subjetivo significa o
aspecto da consciência de si, da sua individualidade (§ 7), na
diferença que apresenta com o conceito em si dela mesma. A
subjetividade designa portanto:
a) A pura forma da unidade absoluta da consciência de si
consigo mesma; só em si mesma se funda, na sua
interioridade e na sua abstração (enquanto o Eu é o mesmo
que o Eu); é a pura certeza de si mesma, que é diferente da
verdade;
b) A particularidade da vontade como livre-arbítrio e
conteúdo contingente de quaisquer fins;
c) De um modo geral, o aspecto unilateral (§ 8), no sentido
de que aquilo que se quer, seja qual for o seu conteúdo,
começa por ser apenas um conteúdo que pertence à
consciência de si e um fim por realizar.” (FD § 25)
A atividade da vontade no desenvolvimento
essencial da idéia é suprimir as contradições entre a
objetividade e a subjetividade. Nesse
desenvolvimento, o conceito determina a idéia (§ 8).
Vontade e liberdade têm uma ligação estreita,
conforme nos mostra o próprio Hegel, quando fala
do espírito subjetivo em outra obra:
A vontade, enquanto pensante e livre em si, distingue-se ela
mesma da particularidade das tendências, e se coloca,
enquanto subjetividade simples do pensar, acima de seu
multiforme conteúdo: assim é vontade reflexiva.10
A vontade se define, então, como escolha, sendo
arbítrio e requer um conceito que possa permitir o
seu desenvolvimento ou auto-realização. Esse
conceito é o de pessoa. Vejamos um comentário:
A categoria de ‘pessoa’ permite pensar as relações humanas
como relações produzidas por uma relação de direito segundo
a qual cada indivíduo pode elevar-se a um processo que o
torna capaz de despertar a liberdade nela contida. A ‘pessoa’
pode dispor livremente de si, impedindo toda consideração
9 Idem, ibidem, p. 37.
10 HEGEL: Enciclopédia das Ciências Filosóficas III, § 476)
254 Arnaut de Toledo
Acta Scientiarum. Human and Social Sciences Maringá, v. 25, no. 2, p. 251-255, 2003
teórica ou prática que vise tratar o homem como um ser
natural ou simples objeto.11
No segundo momento da moralidade (o
primeiro é o da responsabilidade), a intenção e o
bem estar próprio serão a base dessa fase do Direito
na filosofia hegeliana (§ 119-128). A intenção,
procedente de um ser pensante e por isso singular, é
universal (§ 119). O Direito dessa intenção é que a
qualidade universal da ação não é apenas e tão
somente em si, ela é também conhecida pelo agente
e já está contida na vontade subjetiva (§ 120). E,
também por isso, seu lado objetivo significa que ela
pode não só ser conhecida, mas também querida
pelo pensante (idem). Esse Direito já inclui em si a
irresponsabilidade dos loucos alienados e das
crianças (idem, adendo).
A satisfação na ação é o encontro da
determinação mais concreta da liberdade subjetiva.
Isto é, a qualidade universal da ação é o seu
conteúdo múltiplo reconduzido à forma simples do
universal (§ 121). Porém, de qualquer modo, a
vontade do indivíduo é substancial na relação entre
conteúdos e objetivos. Essa substancialidade
(vontade interna do indivíduo) define o sujeito pela
“série de ações” (§ 24). Para ele, o contributo do
cristianismo nesse ponto é a definição e a
universalização do direito da subjetividade (idem,
adendo) abstrata, num primeiro momento, e, depois,
efetiva (Lutero). Idêntica posição é defendida por ele
em outra obra: Filosofia da História (Vorlesungen
über die Philosophie der Weltgeschichte), de 1837. Na
sua filosofia da história, o cristianismo desempenha
um papel decisivo e dignificante. E a Reforma
Protestante, por sua vez, possibilitou, segundo ele, a
atualização específica e efetiva dos ideais da ética
cristã, até então apenas tematizados, numa dialética
que se atualizou e se atualiza constantemente,
podendo ser notada nas suas particularidades, pois
nelas há uma racionalidade universal.12 Nesse ponto,
Hegel mostra a encarnabilidade do “espírito do povo
alemão” que, para ele, é a própria realização da
modernidade e sua ética. Na introdução da FD, de
1820, ele diz:
A identidade consciente do conteúdo e forma é Idéia filosófica.
Uma grande obstinação, mas que honra ao homem, a de
recusar o que quer que seja dos nossos sentimentos que não
esteja justificado pelo pensamento, obstinação característica
dos tempos modernos. É esse, aliás, o princípio do
protestantismo. O que Lutero começara a apreender, como
crença, no sentimento e no testemunho do espírito é o que o
espírito, posteriormente amadurecido, se esforçou por conceber
11 D. ROSENFIELD. Op. cit. p. 66.
12 Veja-se HEGEL, Filosofia da História, especialmente o capítulo
4 (p. 343-373) intitulado “Tempos Modernos”.
na forma do conceito para assim no presente se libertar e se
reencontrar.13
Mas a particularidade efetiva (minha e dos outros
sujeitos) só será direito em função da liberdade. E,
em que pese o fato de que haja pessoas que queiram
seu bem-estar pessoal acima do direito, não pode
haver intenção moral que se possa justificar contra o
direito. Vejamos em seu texto:
De modo nenhum a minha particularidade, bem como a de
outros, poderá ser um direito se eu não for um ser livre. Não
pode portanto afirmar-se ela na contradição desta base
substancial que é a sua, e não há intenção que, por mais
orientada que esteja para o meu bem-estar ou para o dos
outros - caso que em particular se chama uma intenção moral
-, possa justificar uma ação contra o direito. (FD: § 126)
A vontade particular terá então seus limites em
função de sua auto-realização como liberdade
subjetiva do ser pensante (e social por excelência).
Assim, tanto o bem-estar próprio quanto o direito se
revelam contingentes (acidentais). E mais: a
liberdade só existe plenamente na pessoa particular
em cuja vontade particular reside a base do direito (§
128). Allen W. Wood, responsável pela edição inglesa
dessa obra, afirma que justamente nesse acento da
particularidade é que reside a distinção entre o
conceito hegeliano de subjetividade e aquele do
Liberalismo clássico, onde a subjetividade tinha
apenas um sentido comum, ligada ao indivíduo e ao
individualismo.14 No pensamento de Hegel, além do
sentido comum, há também o sentido políticojurídico
do conceito.
A liberdade, porém, não é apenas e tão somente
auto-referida no próprio sujeito. Ela requer outra
base: o Bem. Este sim é a liberdade realizada e fim
do mundo (§ 129) e base da consciência moral.15
Apresenta-se também, em geral, como a essência da
vontade na sua substancialidade. Sua universalidade,
enfim, é a vontade em sua verdade mesma (§ 132).
Desse modo, a certeza adentro de si mesma pode até
cair na subjetividade absoluta (§ 136); mas, assim, ela
se perderia. Vejamos como ele fala da questão:
A verdadeira certeza moral é a disposição de querer aquilo
que é bem em si e para si. Tem ela, portanto, princípios
firmes e para ela são as determinações objetivas para si e os
deveres. Se for diferente do seu conteúdo, que é a sua verdade,
não será ela mais do que o aspecto formal da atividade da
vontade que, enquanto tal, não possui conteúdo próprio. Mas
só no plano da moralidade objetiva se produz o sistema
13 HEGEL. Introdução à FD, p. XXXVII.
14 Cf. A. W. WOOD. Editor’s Introduction. In: HEGEL. Elements of
Philosophy of Right. p. XIII.
15 A este respeito, veja-se a seção Terceira da Parte Segunda da
FD, onde Hegel trata da questão do Bem e da consciência moral
(§ 129-141).
Sobre o conceito de subjetividade na Filosofia do Direito de Hegel 255
Acta Scientiarum. Human and Social Sciences Maringá, v. 25, no. 2, p. 251-255, 2003
objetivo daqueles princípios ou deveres e a união do saber
objetivo consigo mesmo. É portanto aí, no plano formal da
moralidade subjetiva, que a certeza moral existe sem aquele
conteúdo objetivo, que é, para si, a certeza formal infinita de
si e, ao mesmo tempo, a certeza de tal sujeito. (FD: § 137)
Essa consciência moral, na sua forma peculiar,
que é saber subjetivo, não pode ser reconhecida pelo
Estado enquanto tal - assim como as opiniões
subjetivas não podem ter validade para a ciência (§
137, adendo). Essa subjetividade acaba dissolvendo
(ou volatilizando) todas as determinações do direito
em si, pois ela é a instância judicatória que determina
se um conteúdo é bom (§ 138). Isso permite até a
um sujeito particular dar-se a si mesmo um
conteúdo ideal de consciência moral e liberdade que
não encontra ligações com o seu tempo, justamente
porque as certezas oferecidas a ele são já
ultrapassadas e o sujeito particular encontra-se,
assim, no limiar de uma nova determinação histórica
para a qual ele será um dos paradigmas mais
importantes.16 No extremo, a pura interioridade faz
surgir o mal do universal (§ 139 e 140) e esse mal
será encontrado no caráter especulativo da liberdade.
A identidade entre o bem e a vontade subjetiva
(universalizados abstratamente, num primeiro
momento) é que define a eticidade - que é o
conceito da liberdade realizando-se no mundo,
tendo tomado a natureza da consciência de si (§
142). Se, no momento anterior, vontade requer
subjetividade, aqui, eticidade diz respeito à vida
social que, para Hegel, começa nas relações mais
próximas do indivíduo: a família - para enfim
subsumir inteiramente no Estado, suprema
singularidade na história e realização suprema do
sujeito. Mas, para chegar a esse “momento”, o
indivíduo percorre o caminho que o libera de suas
determinações naturais, para, ao encontrar a cultura,
ser sujeito:
Pela cultura, o indivíduo afasta-se das determinações
puramente naturais e consegue apreender-se subjetivamente
em uma objetividade que, de um lado, o formou e que, de
outro, contribui para seu processo de determinação de si, o
que lhe dá a possibilidade de considerar criticamente o
próprio processo de educação. A educação (formação) para a
liberdade é, então, necessariamente produto de uma
concepção do indivíduo que não privilegia uma de suas
determinações em detrimento de outras.17
A educação e também a cultura, como realizações
humanas, requerem, para Hegel, o conceito de
liberdade que, quando efetiva, é a característica mais
monumental do homem.
16 Neste trecho do adendo do parágrafo 138, Hegel cita, como
exemplos paradigmáticos, Sócrates e os estóicos.
17 D. ROSENFIELD. Op. cit. p. 47.
A liberdade é antes de mais nada tributária de uma
subjetividade (individual e conceituada) cuja determinação
consiste em reconhecer como verdadeiro somente aquilo que foi
preliminarmente submetido do exame à experiência e à crítica.18
O caminho aberto por Hegel na discussão sobre
a subjetividade (bem como a liberdade) foi muito
venturoso depois dele. No século XX, encontramos
as formulações tanto do Existencialismo (em Sartre
principalmente) quanto as do Personalismo Cristão
(Mounier, essencialmente) a buscar uma solução
para as questões que já haviam sido levantadas por
ele acerca do sujeito. Isso também o fez a Teoria
Psicanalítica. Essas visões de mundo trouxeram o
“sujeito” e sua interioridade filosófica e psicológica
para o centro das reflexões filosóficas
contemporâneas. A Hegel cabe o mérito de haver
determinado os rumos que a filosofia, ao tratar do
tema da subjetividade, percorreu após suas reflexões.
Referências
HEGEL, G. W. F. Grundlinien der Philosophie des Rechts. 4.
ed. Editado por Johannes Hoffmeister. Hamburgo: Felix
Meiner, 1967.
HEGEL, G. W. F. Textos Escolhidos, In: Coleção
Pensadores. 2a edição. São Paulo: Abril Cultural, 1978.
HEGEL, G. W. F. Enciclopédia das Ciências Filosóficas. 3
volumes. São Paulo: Edições Loyola, 1995.
HEGEL, G. W. F. Elements of Philosophy of Right. Editado
por Allen W. Wood. Cambrígia: CUP. 1996.
HEGEL, G. W. F. Princípios da Filosofia do Direito (tradução:
Orlando Vitorino). São Paulo: Martins Fontes, 1997.
HEGEL, G. W. F. Enzyklopädie der philosophischen
Wissenschaften im Grundrisse (1830). 3 volumes.
Francoforte: Surkhamp, 1999.
HEGEL, G. W. F. Filosofia da História. 2. ed. Brasília:
UNB, 1999.
HUISMAN, D. Dicionário de obras filosóficas. São Paulo:
Martins Fontes, 2000.
HUISMAN, D. Dicionário dos filósofos. São Paulo: Martins
Fontes, 2001.
INWOOD, M. Dicionário Hegel. Rio de Janeiro: Jorge
Zahar, 1997.
MARCIC, R. Geschichte der Rechtsphilosophie.
Schwerpunkte-Kontrapunkte. Friburgo: Rombach, 1971.
ROSENFIELD, D. Política e Liberdade em Hegel. São Paulo:
Brasiliense, 1983.
Received on February 03, 2003.
Accepted on December 09, 2003.
18 Idem, ibidem, p. 100.